terça-feira, 18 de abril de 2017

UMA GRAÇA PARA O FIM DO DIA

.

.
12-BODY PAINTING

HEIDI KLUM 





.
.

GRANDES LIVROS/35

AUTORES DO MUNDO


2- Drácula

Bram Stoker


* As nossas séries por episódios são editadas no mesmo dia da semana à mesma hora, assim torna-se fácil se quiser visionar episódios anteriores.

.
.
HOJE NO 
"CORREIO DA MANHÃ"

Bombeiros criam grupo de resgate 
em tsunamis 

Grupo de Salvamentos Especiais vai ter 24 elementos preparados para situações extremas.

O elevado risco sísmico e a possibilidade de ocorrer um fenómeno extremo da natureza na região levaram os Bombeiros Voluntários de Portimão a criar um Grupo de Salvamentos Especiais (GSE). 
 .

A equipa, ao que o CM apurou, terá 24 operacionais e irá atuar em casos de ocorrências extremas, como sismos, tsunamis ou outras catástrofes naturais. A equipa especializada irá receber "instrução diferenciada para atuar em situações de exceção", confirmou ao CM o comandante dos Bombeiros de Portimão, Richard Marques. 

O objetivo da corporação, em articulação com o Centro Municipal de Proteção Civil e Operações de Socorro, é desenvolver uma estratégia preventiva para situações de catástrofe, como fenómenos meteorológicos extremos ou tsunamis, tendo em consideração o elevado risco sísmico da região e a possibilidade de inundações urbanas. 

A constituição do GSE arrancou com um Curso de Busca e Salvamento em Cheias Urbanas, que foi realizado em Valongo, há cerca de duas semanas, e que foi frequentado por um primeiro grupo de 14 bombeiros da corporação. 

O segundo grupo irá fazer a mesma formação no próximo mês. Os elementos desta unidade vão ainda receber formação em salvamento em grande ângulo, busca e resgate em estruturas colapsadas e ocorrências com multivítimas. 

No futuro, este grupo diferenciado dos Bombeiros de Portimão deverá realizar treinos em conjunto com uma equipa, igualmente especializada em resgates especiais, criada pelos Bombeiros de Albufeira. As duas corporações poderão vir a criar uma unidade única. 

* Valentes, merecem respeito.

.
.
5-O DESPERTAR DA CHINA



* Um acordar vigoroso, exemplar na voracidade!

* As nossas séries por episódios são editadas no mesmo dia da semana à mesma hora, assim torna-se fácil se quiser visionar episódios anteriores.
.
.
HOJE  NO 
"OBSERVADOR"

O que aconteceu aos dois médicos que associaram as vacinas ao autismo?

O britânico Andrew Wakefield e o norte-americano Jeff Bradstreet associaram as vacinas ao autismo. O primeiro foi proibido de exercer e o segundo ter-se-á suicidado.

Nos últimos dias, tem sido notícia o surto de sarampo que se está a viver em 14 países europeus, onde se inclui Portugal. A Direção-Geral da Saúde (DGS), através de comunicados, assim como os responsáveis de saúde, têm sensibilizado a população para a importância da vacinação, que tem uma eficácia “muito grande”.
 .
Em toda a Europa a questão da vacinação, e das bolsas de população não vacinadas, tem sido posta em cima da mesa. O Observador recorda-lhe a história de dois médicos que tentaram associar a vacina ao autismo.

Andrew Wakefield foi proibido de exercer medicina
Em 1998, um artigo da autoria de Andrew Wakefield e outros 12 especialistas é publicado na conceituada revista The Lancet. Esse artigo sugeria a relação entre a vacina VASPR (contra o sarampo, a parotidite (papeira) e rubéola) e o autismo, partindo de um estudo de caso com uma amostra de 12 crianças.

Desde início que foi sendo apontada falta de solidez ao estudo, mas isso não impediu que o mesmo tivesse um grande impacto junto da comunidade, gerando um movimento antivacinação. De tal forma que, entre 2003 e 2004 a taxa de vacinação contra o sarampo, a parotidite epidémica e a rubéola no Reino Unido, nas crianças com dois anos, baixou para valores na ordem dos 80%. E, em 2008, pela primeira vez em 14 anos, o sarampo foi declarado endémico em Inglaterra e no País de Gales.

Ao longo da década que sucedeu à publicação do dito estudo 14 estudos científicos — inclusive levados a cabo pelo Instituto de Medicina da Academia Nacional das Ciências — vieram afastar qualquer associação entre a dita vacina e o austismo.

Entretanto em 2004, o Sunday Times noticiou que Wakefield falsificou dados clínicos em troca de dinheiro dos advogados dos pais de crianças autistas que queriam processar os produtores da vacina. Por essa altura, 10 dos restantes 12 autores do artigo retiraram os seus nomes da publicação. Uns anos mais tarde, outra investigação levada a cabo pelo British Medical Journal (BMJ) revelou que Wakefield recebeu dos advogados o equivalente a cerca de 435 mil libras, e que das 12 crianças analisadas cinco já tinham problemas de desenvolvimento antes de receberem a vacina e outras três nunca tiveram autismo.

Em fevereiro de 2010, e perante todas as evidências, a revista científica britânica The Lancet pediu desculpa pela publicação do artigo e retirou-o dos arquivos, dizendo que estava claro que vários elementos “estão incorretos”.

Passados três meses, na sequência de um dos inquéritos mais longos da sua história, o General Medical Council considera provada a acusação de má prática grave contra Wakefield e aplica-lhe a pena de expulsão, por ter agido de forma “desonesta e irresponsável” e ter múltiplos conflitos de interesses.

Jeffrey Bradstreet ter-se-á suicidado
Se no Reino Unido, Andrew Wakefield associou a VASPR ao autismo, do outro lado do Atlântico, o médico norte-americano James Jeffrey Bradstreet relacionou não apenas a vacina contra o sarampo mas as vacinas em geral ao autismo, isto porque, segundo ele, o problema estava na toxicidade do mercúrio presente nas vacinas. Uma teoria rejeitada por grande parte da comunidade médica e científica mundial.

O médico dizia que as crianças autistas tinham quantidades de mercúrio no corpo maiores que as crianças sem autismo. E usava, nestas crianças, uma terapia (terapia da quelação) para eliminar metais pesados do organismo.

Durante cerca de duas décadas, Bradstreet alimentou um movimento anti-vacinação, ficando conhecido por ser um dos maiores ativistas deste movimento. E publicou vários artigos no Journal of American Physicians and Surgeons.

Em 2015, e depois de o seu consultório ter sido alvo de uma visita pela Food and Drug Administration (o regulador do medicamento norte-americano), o corpo de Jeff Bradstreet, na altura com 61 anos, foi encontrado por um pescador num rio da Carolina do Norte. Bradstreet tinha um ferimento de bala no peito e suspeita-se que se terá suicidado.

* A história fará justiça, ou não!

.
.

V-VIAGENS
 DE DESCOBERTA
4- POR UM FIO


* As nossas séries por episódios são editadas no mesmo dia da semana à mesma hora, assim torna-se fácil se quiser visionar episódios anteriores.

.
.

HOJE NO 
"DIÁRIO DE NOTÍCIAS"

"Não há nada na Constituição 
que proíba a vacinação obrigatória"

Quem o diz é Paulo Otero, constitucionalista e professor catedrático

O professor catedrático e constitucionalista Paulo Otero considerou esta terça-feira que "não há nada na Constituição que proíba a vacinação obrigatória" quando está em causa a proteção da saúde pública e o perigo de contágio alargado da doença.
.
Paulo Otero falava a agência Lusa numa altura em que existe um surto de sarampo em Portugal, que deixou uma jovem de 17 anos internada nos cuidados intensivos do hospital Dona Estefânia, em Lisboa, e quando é sabido que não existe uma política de saúde que imponha a vacinação obrigatória para certas doenças.

Questionado se a vacinação obrigatória não colide com direitos fundamentais do cidadão previstos na Constituição, Paulo Otero salientou que "é a saúde pública que está em primeiro lugar" em situações de "contágio alargado da doença".

"Estão em causa as crianças e os pais não são os seus donos. As crianças não são propriedade dos pais", frisou o professor catedrático, observando que, em matéria de saúde pública e perigo de contágio, é muito discutível que os pais possam dispor da vontade dos filhos, quando em causa está a sobrevivência das próprias crianças.

Além de não encontrar obstáculos de natureza constitucional que impeçam a vacinação obrigatória para proteção da saúde pública, Paulo Otero reconheceu, no entanto, que é difícil que o Estado possa ser responsabilizado judicialmente pela morte de alguém que contraiu a doença evitável por vacinação.

"O que pode haver é a violação do dever de legislação (do Estado) em tornar obrigatório certo tipo de vacinas", disse, admitindo também que possam ser levantadas questões sobre a responsabilidade civil do Estado em não tornar obrigatória a vacinação contra certas doenças graves e contagiosas.

Quanto ao surto de sarampo em Portugal, Paulo Otero vincou que há "uma atenuante" para o Estado, porque o "surto é anómalo", já que há décadas que não existia nenhum surto desta doença.

O professor catedrático insistiu porém que "não há motivos decorrentes da tutela dos direitos fundamentais que obstem a casos de vacinação obrigatória", embora devendo esta obrigatoriedade estar sempre subordinada ao "princípio da proporcionalidade". Ou seja, não faria sentido, por exemplo, tornar obrigatória em Portugal a vacinação contra uma doença que só existe nos trópicos.

Contactado pela agência Lusa, o constitucionalista e deputado do PS Bacelar de Vasconcelos assinalou que o tema da vacinação é uma questão "polémica entre as próprias instituições de saúde" e que há "opiniões que se contradizem relativamente à imposição da vacinaçãoobrigatória", nomeadamente quanto a certas "doenças ou surtos epidémicos".

"É sobretudo uma questão de avaliação da epidemia", disse Bacelar de Vasconcelos, para quem "só perante uma ameaça grave em que está em causa a saúde pública" é que se deve ponderar a obrigatoriedade da vacinação.

"Em última análise, a vacinação obrigatória é sempre uma agressão física", considerou o deputado socialista, admitindo contudo que "não há um impedimento constitucional" em tornar a vacinação obrigatória quando "houver um perigo grave para a saúde pública".

"Não havendo essas condições [de perigo para a saúde pública] impor a toda a gente a vacinação obrigatória é ridícula", disse, nomeadamente "perante um surto de sarampo que estava erradicado em Portugal".

Bacelar de Vasconcelos entende que quaisquer medidas que sejam tomadas pelas autoridades sanitárias sobre a vacinação devem ser "proporcionais" à situação que enfrentam, muito embora em "cenários de grave crise epidémica as entidades de saúde pública tenham a possibilidade de adotar medidas excecionais e transitórias que travem a propagação da doença".

Quanto a eventuais responsabilidades criminais ou civis do Estado em situações de morte por ausência de vacinação obrigatória, o constitucionalista considerou que a questão "não se coloca neste momento" e que só uma "negligência grave" poderia fazer repensar o assunto.

Uma jovem de 17 anos com sarampo está internada nos cuidados intensivos do hospital Dona Estefânia, em Lisboa, encontrando-se ventilada, sob sedação e o seu estado clínico é instável.

O hospital recorda que não é prática habitual emitir informação clínica pública sobre doentes internados e que só o faz agora, após autorização da família da doente, a título excecional.

Em Portugal, desde janeiro de 2017 e até ao fim do dia de segunda-feira, foram registados 21 casos confirmados de sarampo pelo Instituto Ricardo Jorge, havendo outros casos ainda em investigação.

Um surto de sarampo tem afetado desde o início do ano vários países europeus.

O sarampo é uma doença altamente contagiosa, geralmente benigna mas que pode desencadear complicações e até ser fatal. Pode ser prevenida pela vacinação, que em Portugal é gratuita.

* Falta acrescentar o que nós pensamos, "uns pais idiotas não têm o direito de expôr os filhos aos perigos duma epidemia".

.

RAQUEL SEREJO MARTINS

.




Um gerúndio sem samba

Levanto-me e, as mãos, os pés, o corpo cego e trôpego pelo quarto, ainda ébrio de sono, vou abrir a janela.

No quarto o ar abafado, turvo, pesado, ranço, velho, malsão.

O ar da manhã a entrar no quarto, depressa no Inverno, devagar no Verão.

Levanto-me e fico uns minutos, tem dias que parecem horas, os minutos não são todos iguais, nunca foram, a respirar o ar novo da manhã.

Fico de olhos perdidos na janela como um personagem de Hopper, porque o mesmo olhar vazio, porque a vida vazia também.

Fico a sossegar o corpo.

Preciso descansar dos trabalhos da noite.

A noite não é só sono e sossego.

À noite, no corpo o desassossego maior, não sei se porque os gatos pardos, se pela impossibilidade de fotossíntese.

Ser velho é isto, uma penumbra constante agravada por cataratas e miopia e a companhia de fantasmas.

E eu sou o mais velho do mundo, não conheço ninguém mais velho do que eu.

Quase não conheço ninguém.

Pela matemática devia ser o próximo a morrer, já devia ter morrido.

Morrer também é um dever, uma incontornável obrigação.

Não fale assim, dizem-me, e com a minha idade não percebo como não me percebem, ou percebo, vou percebendo, as pessoas aferram-se de forma tão leviana à esperança e eu não quero morder nem ser mordido pela esperança, fraco cupido.

Depois, os dias passam iguais, as noites passam iguais, mesmo as pessoas passam iguais, porque indistinguíveis.

Já só distingo fantasmas, os meus fantasmas.

E apesar das noites iguais, uma rotina, um capricho, antes de apagar a luz verifico se está alguém comigo no quarto, vejo debaixo da cama, da cómoda, das mesinhas de cabeceira, os meus joelhos e outras articulações a desafinar velhas canções que só eu conheço, vejo atrás dos móveis e das cortinas, nunca encontro ninguém e nunca durmo desacompanhado.

Assim as noites em alvoroço, os sonhos mal sonhados, quase pesadelos, as horas intermináveis apesar de curtas, que em sabendo o que me espera recolho-me ao quarto de madrugada. Será por coisas destas que dizem que os velhos dormem pouco?

Recolho-me e o consolo de Luzia ao meu lado na cama a fazer-me companhia.
Recolho-me e o desconsolo de um abraço vazio, sem braços, sem corpo, oco e escuro, porque Luzia nenhuma.

Luzia, sempre pálida como um pãozinho bento, deixou-me tão cedo.

Luzia apenas dentro de mim.

Outras vezes o meu pai a dar-me as boas noites, a minha mãe a aconchegar-me nos cobertores, os meus irmãos. Agora sou o mais velho do mundo mas já fui o mais novo e todos me tinham em cuidados.

E não filhos, nem sonhados, porque eu e Luzia filhos nenhuns.

Mais os amigos, tantos, tão bons, tão queridos, tão vivos, tantos funerais.

Não é para me gabar mas nesta vida fiz muitos amigos.

E o que eu gostava de fazer amigos, a descoberta, o namoro, o encanto, o orgulho na obra feita.
Quando deixamos, as pessoas podem ser tão bonitas.

E agora perdi-lhe o gosto, ou a paciência, é que nem com as pessoas tenho vontade de falar, principalmente com as que me tratam como se eu tivesse cinco anos e não soubesse ler, escrever e muito menos contar, porque nem menino de escola.

E todos os meninos da minha escola mortos.

Negócio seguro este dos funerais.

Assim as noites, como festas de São João cheias de gente, como recreios de escola cheios de meninos sem vida.

Assim as noites, vazias de sono e descanso porque cheias de solidão, uma solidão hora de ponta, uma solidão demasiado ruidosa.

Assim, até de manhã, o ar novo da manhã, e por vezes a alegria de um dia de chuva porque não me obrigam a sair de casa.

Sou posto fora de casa, a inveja que eu tenho dos velhos da Noruega, justificam o despejo argumentando, num gerúndio sem samba, que tenho de manter o corpo a funcionar, repetem e repetem e repetem, como se eu tivesse cinco anos, asseveram, levam-me a passeio como cão pela trela, em suma, obrigam-me, fazem de mim o que querem.

Vem uma moça, não é sempre a mesma moça, parece carinhosa, trata-me por avozinho, mas eu desconfio deste carinho, mantém a casa em ordem, a ordem dos dias e dos sapatos que vou calçar, das roupas que vou vestir. Bate à porta do quarto com cuidado, verifica se respiro, se estou vivo, vai buscar-me à janela e diz-me ser Terça-feira, pergunto sempre em que dia estamos, dizem sempre Terça-feira, ou eu oiço sempre Terça-feira, respondem desleixadas sem pensar, por supor que para mim tanto faz, porque todos os dias iguais, ou talvez respondam assim como provocação à espera da minha reacção, da minha correcção, mas eu não digo nada, deixo-as pensar que tenho cinco anos, porque é um facto, tanto faz, talvez seja sempre Terça-feira, porque os meus dias todos iguais.

IN SÁBADO"
17/04/17

.
.


1204.UNIÃO



EUROPEIA



.
 HOJE NO
"RECORD"

Luís Gonçalves apanha 30 dias por dizer ao 4.º árbitro "a tua carreira vai ser curta"

Luís Gonçalves, Team Manager do FC Porto, foi suspenso por 30 dias devido a injúrias ao quarto árbitro da partida com o Sp. Braga, realizada no domingo, apurou Record. 
.
O DRAGÃO TRAULITEIRO
Segundo o mapa de castigos do Conselho de Disciplina, ficou provado que o dirigente portista, no túnel de acesso aos balneários do estádio, dirigiu-se a Tiago Antunes e proferiu as seguintes palavras, que constam do relatório do juiz principal, Hugo Miguel: "Nós sabíamos o que vinhas tu para aqui fazer, nós vamos conversar mais tarde, a tua carreira vai ser curta."

* 300 dias seria mais justo.

.
.
..
127-BEBERICANDO


COMO FAZER "EGGNOG"


.
.


ÍNDIA


MENINAS À VENDA




.
.
HOJE NO 
"JORNAL DE NOTÍCIAS"

Assinatura em falta impediu
 12 mil tratamentos oncológicos

O presidente da Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos, Carlos Cortes, denunciou ontem, após visita ao Serviço de Radioterapia do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC), que, dos três equipamentos de radioterapia existentes, só dois estão a funcionar, porque falta uma licença do Ministério da Saúde para o funcionamento do terceiro.
.
É algo que "tem um impacto muito concreto sobre a saúde dos doentes" oncológicos, frisou Carlos Cortes, estimando que cerca de 600 não tenham sido tratados, em 2016, por aquele equipamento, ativo até 2015. 

Ou seja: perto de "12 mil sessões de radioterapia não aconteceram, no ano passado, simplesmente porque falta uma autorização para o equipamento poder funcionar".

* A ser verdade é surreal, mais uma vez o tuga paga e sofre.


.
.

Teresa Salgueiro

Que amor não me engana


.
.
HOJE NO 
"DIÁRIO DE NOTÍCIAS/
/DA MADEIRA"

Comissão de inquérito ao BANIF
 reúne-se amanhã

AFINAL NÃO É ELEFANTE

A Comissão Eventual de Inquérito ao BANIF, criada na Assembleia Legislativa da Madeira, reúne-se esta quarta-feira, pelas 11 horas.

De acordo com a convocatória, assinada pelo deputado social-democrata Carlos Rodrigues, serão apreciados assuntos sobre o funcionamento da própria Comissão.



* Mais um "voo cego a nada"

.
.
HOJE NO 
"O JORNAL DE NEGÓCIOS"

Cristas promete que "não haverá 
uma pessoa em situação de sem-abrigo em Lisboa"

A líder do CDS-PP, Assunção Cristas, aproveitou hoje uma audiência no Palácio de Belém para prometer que, se for eleita presidente da Câmara de Lisboa, "não haverá uma pessoa em situação de sem-abrigo" na capital.

"Certamente teremos de encontrar uma solução, e da minha parte, da parte da minha candidatura, da parte do CDS, posso dizer-vos que não haverá uma pessoa em situação de sem-abrigo em Lisboa, porque empenhar-nos-emos profundamente nesse tema", declarou Assunção Cristas, que é a candidata dos centristas à presidência da Câmara de Lisboa, aos jornalistas.
 .
 A DANÇA DAS TENDAS
PARA OS ÍNDIOS SEM ABRIGO
A presidente do CDS-PP, que falava após sido recebida pelo Presidente da República a propósito do Programa de Estabilidade e o Programa Nacional de Reformas do Governo, incluiu o tema dos sem-abrigo na sua declaração inicial, abordando-o no plano autárquico.

Assunção Cristas disse ter sinalizado junto de Marcelo Rebelo de Sousa "a atenção" que o CDS-PP tem dedicado a este tema "que o senhor Presidente tem trazido para cima da mesa".

"É um tema que me é particularmente muito claro, e certamente merecerá a melhor atenção do CDS, não só a nível nacional, mas também ao nível da agenda autárquica", prosseguiu.

Tendo ao seu lado o líder parlamentar, Nuno Magalhães, e o vice-presidente do CDS-PP Pedro Mota Soares, Assunção Cristas destacou, em seguida, iniciativas da sua campanha à presidência da Câmara Municipal de Lisboa relacionadas com a exclusão social.

"Notámos com muito agrado a forma como o senhor Presidente tem trazido para o primeiro plano da agenda política nacional uma questão que a todos nos deve sensibilizar, e que interpela directamente o espaço autárquico, a relação com as associações da sociedade civil, com as IPSS, com as misericórdias", acrescentou.

* A sra. Assunção teve um dos melhores treinadores da aldrabice e da traição em Portugal, está tecnicamente preparada  para um bom desempenho nos items referidos.

.
.
A ciência por detrás dum beijo



FONTE: O JORNAL ECONÓMICO

.
.

HOJE  NO 
"DESTAK"

Agência Espacial Europeia alerta 
para riscos de lixo no espaço

O diretor-geral da Agência Espacial Europeia (ESA), Jan Worner, disse hoje que existem no espaço, na órbita da Terra, mais de 750.000 partículas de lixo de um centímetro e alertou para os perigos que representam.
.
Falando no início da sétima conferência sobre lixo espacial, no centro de controlo de operações da ESA em Darmstadt, Alemanha, o responsável alertou para o perigo das pequenas partículas e de outras maiores.

Jan Worner lembrou que o satélite de observação da Terra Sentinel 1A foi lançado em 2014 e que dois anos depois se notou que a produção de eletricidade tinha baixado, verificando-se que um dos painéis solares estava danificado pelo impacto de uma pequena partícula. 

* O homem ainda não cansado  de fazer da terra uma "cagada" ecológica resolveu fazer "turislixo" no espaço, merece existir?

.
.

HOJE  NO 
"i"

França. 
Mélenchon continua a subir 
e ultrapassa Le Pen em nova sondagem

Candidato da extrema-esquerda nas eleições presidenciais é mesmo o preferido entre os jovens franceses

Jean-Luc Mélenchon está em grande. Apontado durante meses a fio como um dos outsiders na corrida à presidência de França, o experiente político, de 65 anos, galgou degraus atrás de degraus, nas últimas semanas, e chega às vésperas da primeira volta das eleições, marcada para o próximo dia 23, como sério candidato a marcar presença na segunda ronda.
 .

Segundo a sondagem Scan/Le Terrain, publicada no domingo, o candidato da “França Insubmissa” – apoiado pela Frente de Esquerda, que agrupa comunistas e dissidentes socialista – ultrapassou mesmo Marine Le Pen, com 22% das intenções de voto, contra 21,5% da líder da Frente Nacional. O estudo é encabeçado pelo independente Emmanuel Macron (24%).

De acordo com aquele inquérito, Mélenchon é mesmo o candidato mais popular, junto dos franceses com idades compreendidas entre os 18 e os 24 anos.

A campanha inovadora liderada pelo antigo membro do Partido Socialista francês – hoje, por exemplo, voltou a falar aos seus apoiantes através da projeção de um holograma, em seis cidades distintas –, aliada às suas propostas de anti-austeridade, de novas reformas fiscais ou de renúncia às armas nucleares, e ainda impulsionada pela impopularidade recorde do partido no poder e do seu candidato Benoît Hamon, contribuíram seguramente para o sucesso aparente da mensagem, tanto entre os jovens, como junto do eleitorado da esquerda mais tradicional. E podem muito bem ajudar Mélenchon a apurar-se para confronto final.

Do outro lado do espetro político, Le Pen mantém a confiança de que ultrapassará a primeira ronda. Num comício com os seus apoiantes, em Paris, na segunda-feira, a candidata da extrema-direita prometeu a introdução imediata de uma lei de suspensão da entrada de migrantes de fora da UE, em território francês, com primeira medida, depois de ser eleita.

As eleições presidenciais deste ano realizam-se debaixo de um enorme dispositivo de segurança, resultante do estado de emergência ainda em vigor, pela continuação dos níveis elevados de ameaça terrorista. Hoje as autoridades francesas prenderam duas pessoas, em Marselha, suspeitas de estar a preparar “uma ação iminente nos próximos dias”.

*Se Le Pen não for  à segunda volta será uma derrota estonteante para a direita radical francesa, ficaríamos contentes.


.
.

LOUCOS ANOS VINTE



FONTE: Aaron1912

.
.
.
HOJE  NO 
"A BOLA"

Futebol
Canal americano compra direitos
 de transmissão da Liga NOS

A televisão norte-americana GolTV comprou os direitos de transmissão da Liga NOS. O acordo com a Sport TV foi anunciado sem serem revelados os valores do negócio nem a duração do contrato.
 .
Através de um comunicado, o canal norte-americano informa que vai passar a transmitir todos os jogos da Liga «por vários anos», em inglês e espanhol, sendo que já está prevista a exibição de cerca de 150 jogos da temporada 2017/2018.

«Estamos muito entusiasmados com a nova temporada da Liga Nos e com a expansão da nossa parceria. Os nossos espectadores em breve poderão assistir a todas as suas equipas favoritas e jogos», referiu Rodrigo Lombello, presidente executivo da GolTV, no mesmo comunicado.

A GolTV já transmitia os jogos do Benfica desde 2014, sendo que as audiências do canal estão situadas nos 65 milhões de espectadores.

* Não esquecer que Benfica é a segunda maior marca portuguesa a "vender" em todo o mundo.

.
.
HOJE  NO 
"AÇORIANO ORIENTAL"

Medicamentos para a artrite 
reumatoide passam a ser gratuitos

Os medicamentos para as artrites reumatoide, idiopática juvenil, psoriática e as espondiloartrites passam a ser gratuitos para os doentes, uma vez que o Serviço Nacional de Saúde (SNS) vai comparticipá-los a 100%.
 
O diploma, publicado em Diário da República, refere que estes fármacos, que beneficiavam de uma comparticipação de 69%, passam a ter um regime excecional de comparticipação específico para os fármacos modificadores da doença reumática.

Na origem desta medida está a morbilidade que estas doenças provocam, assim como as repercussões pessoais e socioeconómicas nos doentes, uma vez que “são doenças de sintomatologia em muitos casos incapacitante e fortemente penalizadora da qualidade de vida dos doentes”.

Estes fármacos só poderão ser prescritos por médicos especialistas em reumatologia e medicina interna e podem ser adquiridos na farmácia comunitária.

A medida entra em vigor em maio.

* Medida justa

.
.

CRUELDADES













.