quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

UMA GRAÇA PARA O FIM DO DIA

.


.

127-ACIDEZ
 

FEMININA


TATY RESPONDE


video

A IMPRESCÍNDIVEL TATY FERREIRA

.
.

O DESEJO DE SAIURI


video



.
.
LI- O UNIVERSO

1- Em Busca do Limite do Espaço

O Universo em Expansão Infinita

video



* As nossas séries por episódios são editadas no mesmo dia da semana à mesma hora, assim torna-se fácil se quiser visionar episódios anteriores.
.
.

I- Cidades

e soluções

2-A vida de um deficiente numa cidade 
com acessibilidade reduzida

video


FONTE: GLOBONEWS

.

LAURINDA ALVES

.



Mestrado em sexo forçado?

Não está nas nossas mãos começar nem terminar namoros alheios, mas está ao nosso alcance ficar disponíveis para ouvir e conversar sobre estes temas complexos e delicados, sem moralismos nem devassas.

Más notícias: os namorados violentos e as namoradas perversas multiplicam-se, são cada vez mais novos e mais agressivos. Deixam marcas indeléveis, físicas, morais, psicológicas e emocionais, e as suas vítimas podem ficar com traumas para a vida. No mínimo, ficam com percepções distorcidas sobre o amor e as relações a dois.

Este mês de Fevereiro fica marcado por mais um dia dos namorados, mas também por uma nova campanha contra a violência nos namoros.
“Qual é o teu curso? Licenciatura em maus tratos? Cadeira de humilhação aplicada? Doutoramento em controlo e ciúmes? Mestrado em sexo forçado? Exame da maneira de vestir?” eis as questões-chave desta campanha de sensibilização dos jovens. “Muda de curso! Violência no namoro não é para ti” é a conclusão imperativa desta acção pública.

Gosto particularmente da metáfora universitária e do duplo sentido com que os jovens são interpelados a pôr as suas vidas amorosas em perspectiva. Mudar de curso é o mesmo que dizer: dá outro rumo à tua vida. Esquece os os namorados e namoradas controladores, ciumentos e que não te respeitam. Gosto de apelos concretos e definidos porque gosto de ver as coisas chamadas pelos seus nomes.

Custa admitir que haja cada vez mais violência entre pessoas que declaram livremente o seu amor uma pela outra, mas é uma realidade que não podemos ignorar. Os rapazes com inclinação a serem prepotentes e dominadores no namoro refinam esta atitude com o passar dos anos, e podem chegar à idade adulta com um histórico tremendo. Fazem estragos desde muito cedo e perpetuam esse padrão pela vida fora. Por outro lado há cada vez mais raparigas esquemáticas, capazes de usar esquemas e estratagemas incríveis para manipular e dominar os parceiros nas suas relações amorosas.

As vítimas são sempre rapazes e raparigas porventura mais frágeis, ingénuos, vulneráveis ou desprevenidos, que acreditam no amor e mesmo quando começam a sentir-se desconfortáveis na relação, têm dificuldade em admitir que são maltratados e merecem muito melhor do que aquilo que têm. A fraca auto-estima, a insegurança e a facilidade com que muitos jovens são capazes de se auto-depreciar favorecem relações desiguais, com dominadores e dominados.

A violência entre homens e mulheres que supostamente se amam é de tal maneira crescente que hoje em dia se fazem campanhas dirigidas a jovens muito jovens, um pouco por todo o mundo. Abundam os ídolos e os padrões de comportamento bizarros (para dizer o mínimo) pois alguns heróis das novelas e reality shows são pessoas despidas de tudo, dos preconceitos aos valores, e é esta gente que marca e inspira grande parte das novas gerações. Ver alguém agredir ‘por amor’, trair ou desrespeitar ‘por paixão’, confunde muito. Cenas destas povoam os programas e séries de televisão e parecem tão naturais no cinema e na música, entre cantores e actores, que tudo nesta espécie de star system parece um apelo a viver o amor de forma excessiva.

Acontece que a humilhação, o controlo, a desconfiança, o abuso da força e da supremacia física, intelectual, emocional ou psicológica jamais serão sinais de amor. Aqui ou em qualquer parte do mundo! Os namorados que desconfiam, que investigam a vida do outro, que devassam a sua privacidade e se revelam controladores (e castigadores!) na intimidade, agindo declaradamente por ‘grande amor’ ou ‘enorme paixão’ destroem sempre o outro. Fazem-no consciente e inconscientemente, note-se, pois muitas vezes os abusadores foram, eles próprios vítimas de maus tratos. Seja como for, sempre que alguém se sente maltratado numa relação por quem supostamente devia ser amado não deve guardar para si estes maus tratos.

Para um rapaz ou uma rapariga muito jovens pode ser extraordinariamente difícil perceber os limites dos comportamentos em estado de paixão. Aquilo que veem no cinema e nas séries de televisão, aquilo que leem em certos livros ou ouvem em determinadas conversas (muitas vezes excessivas e sem filtros) pode dar a ilusão de que tudo é possível quando se está loucamente apaixonado. Aliás, os excessos acontecem ‘só’ por estarem loucamente apaixonados e esta é uma enorme fonte de equívocos.

A escalada de violência e o cúmulo de agressões nos namoros pode ser do seguinte tipo: dás-me a tua password porque te adoro e quero saber tudo sobre ti; mostras-me as mensagens do teu telemóvel porque quero saber quem são os teus amigos; vestes-te desta ou daquela maneira porque eu gosto mais de ti assim; faço-te cenas porque te amo; insulto-te e ofendo-te porque me provocas; bato-te e humilho-te porque fico fora de mim quando não fazes o que eu quero; afasto-te dos teus amigos porque eles não prestam e também não gostam tanto de ti como eu.

Soa absurdo? Parece irreal? Infelizmente estes comportamentos estão mais alinhados com a realidade-real do que pensamos. E as vítimas podem ser os nossos filhos, os nossos irmãos, os nossos amigos. Ou pior, podem ser eles os agressores, os que revelam um desequilíbrio enorme e uma tentação permanente para controlar os outros.

“Quem te ama não te agride”, diz a campanha que está em curso. É verdade. Quem ama não agride, não bate, não insulta, não ofende nem humilha. O problema é que a violência nos namoros nem sempre é física. Muitas vezes é emocional e psicológica. Passa pela desvalorização do outro, pela destruição constante da sua personalidade, por uma atitude de permanente suspeita sobre as suas qualidades, acompanhada de uma espécie de ‘proteccionismo’ ou paternalismo que indica que ‘apesar de não mereceres, eu amo-te e fico contigo’. Por outras palavras: ‘nunca ninguém te amou ou vai amar como eu te amo’.

Por causa desta fábula, homens e mulheres, rapazes e raparigas de todas as idades podem ficar presos a pessoas que os maltratam emocionalmente durante anos a fio. Vivem na ilusão de que são amados e chegam a convencer-se de que é preferível suportar este clima de ciúmes e desconfiança, esta vivência estranha ‘por amor’ do que separar-se e ficarem sozinhos. Os abusadores sabem que as vítimas têm medo de ficar sozinhas, de não serem amadas, e agem em conformidade. O maior medo, o pavor humano mais temível é esse mesmo: a solidão sem amor. Daí que tudo pareça preferível a ficar sozinho.

Combater a violência nos namoros passa por campanhas destas, mas acima de tudo por educar para os valores e por estarmos mais atentos aos sinais negativos dos namoros dos jovens. Sabemos que é extraordinariamente difícil para uma mãe ou um pai fazerem-se ouvir pelos seus próprios filhos em matéria amorosa, até porque eles acham que sabem o que é melhor para eles e raras vezes levam a nossa opinião em conta. Se calhar não adianta muito ter ‘conversinhas impecáveis’ sobre o tema, mas é vital estar atentos aos sinais. Pode ser um alheamento crescente, uma tristeza que os invade ou uma fase de maior insegurança, mas também pode passar por alterações súbitas de comportamento e até de maneira de vestir.

Habitualmente os jovens não percebem logo que o namorado os maltrata, pois essa consciência aumenta com a recorrência dos factos e quando se dão conta já estão demasiado envolvidos. Nessa altura ou aceitam que essa é a forma de expressar o amor, ou começam a ter dúvidas sobre a natureza dos sentimentos de quem diz amá-los, mas raramente contam em casa ou recorrem a alguém de fora para pedir ajuda. E é neste ponto que devíamos tentar ajudar quem nem sequer sabe que precisa de ajuda. Missão difícil, mas não impossível.

Talvez possamos sublinhar, por exemplo, que o excesso de ciúmes é sempre destruidor. Talvez possamos ficar, nós próprios, atentos à erosão que sempre causam os todos os desvios doentios de um amor verdadeiro, naqueles que nos são próximos. Não está nas nossas mãos começar nem terminar namoros alheios, mas está ao nosso alcance ficar disponíveis para ouvir e conversar sobre estes temas complexos e delicados, sem moralismos nem devassas. Não se trata de ser intrusivo, mas de ficar nessa linha fina e quase imperceptível que separa a invasão da omissão. Isto, para que cada vez menos jovens frequentem involuntariamente um curso inferior com matérias tão perversas e traumáticas como maus tratos, humilhação aplicada, técnicas de controlo e ciúmes ou sexo forçado.

IN "OBSERVADOR"
21/02/17

.
.


1151.UNIÃO



EUROPEIA



.

PSICOLOGIA

A ARTE DE OUVIR

video


FONTE: IDEIA NA TELA

.
.
5 - Guerra na Ucrânia
 Bem-vindo ao Donbass

video

* Jornalista italiana vai até a aérea do conflito na região do Donbass, no Leste da Ucrânia, e entrevista milicianos do povo e vítimas da guerra civil. 

 .
.
ATÉ SEMPRE

Zeca Afonso

Nefretite Não Tinha Papeira

video


.
.

AUREA

THE WITCH SONG

video

.
.
O TRIBUNAL PENAL INTERNACIONAL

video


FONTE: AFBr


.
.

MÃO ROBÓTICA 
NO SUPERMERCADO!

video


FONTE: EURONEWS

.
.


ORGASMOS














.
.


1167
Senso d'hoje
MARISA MATIAS
EURODEPUTADA  
"RELAÇÃO DE TRUMP COM A RÚSSIA" 
"RELAÇÃO DE TRUMP COM A U.E." 
"ACORDO DO CETA É MAU" 
"DÉFICE PORTUGUÊS" 
"A NOVELA DA CGD" 

video



FONTE: TVI24 - Programa "21 HORA", conduzido por JOSÉ ALBERTO CARVALHO


.
.

 OS EXTRAORDINÁRIOS
 PÁSSAROS DO PARAÍSO

video

.
.

BOM DIA

.
.

.
46-CINEMA
FORA "D'ORAS"

VIII-TERRA SELVAGEM


video

* Somos mesmo muito desconfiados sobre as prácticas "evangelizadoras" dos séculos XV ao XX, depois de vermos o filme recém exibido "SILÊNCIO" já não desconfiamos, evangelizar é mesmo tiranizar em nome de Deus.

.