domingo, 2 de outubro de 2016

UMA GRAÇA PARA O FIM DO DIA

.

.

12-REDONDIVAS


.
.
I-PEDRAS QUE FALAM
1-TERRAS COM NOME

video



A RTP Madeira produziu um excelente documentário, numa série de 12 programas, sobra a temática dos recursos naturais com incidência nos recursos geológicos, a que denominou "Pedras que falam", de autoria do Engº Geólogo João Baptista Pereira Silva.


FONTE: NOEL SF
.
.

11-REDONDIVAS


.


   I-ERA UMA VEZ

O ESPAÇO 


1- O PLANETA OMEGA

video

* As nossas séries por episódios são editadas no mesmo dia da semana à mesma hora, assim torna-se fácil se quiser visionar episódios anteriores.

.
.

10-REDONDIVAS


.
.


Suzanne Simard

Como as árvores

conversam entre si



"Uma floresta é muito mais do que vocês veem", diz a ecologista Suzanne Simard.
Seus 30 anos de pesquisa em florestas canadenses levaram a uma descoberta surpreendente - as árvores conversam, frequentemente e ao longo de grandes distâncias.
Saiba mais sobre a vida social harmoniosa, mas também complicada, das árvores e prepare-se para ver o mundo natural com novos olhos.

.
.
9-REDONDIVAS


.

ELISABETE AZEVEDO-HARMAN

.






Livraria no vão de escada

QUELIMANE, MOÇAMBIQUE Estas livrarias improvisadas são um mistério para mim. Não sei onde compram, e sei, que quase sempre não vendem. E mesmo assim cá andam de escada em escada

Nesta minha cidade não existem livrarias. Bem não é bem verdade, existe um cibercafé que tem umas três prateleiras com uns dez livros. As verdadeiras livrarias existem em vãos de escada e andam. Tem pernas. Não andam muito, mudam de vão de escada para vão de escada, mas sempre as mesmas duas ruas. A andança pode ser forçada pela ocupação antecipada por um vendedor de sapatos, ou um outro qualquer vendedor de qualquer coisa ou pelos normais incidentes nos prédios com canos que rebentam e água faz um rio – inimigo dos livros, claro está.

Quando rebuscava estas palavras googlei ‘leitura em Moçambique’ para tentar dizer alguma coisa sobre o que os estudiosos do assunto dizem. Encontrei notícias de conferências em Maputo, em quase todas os oradores concluem que existe falta de interesse pela leitura, queixam-se. Acrescentam ao lamento que os livros estão caros e que o acesso ao livro é difícil. Difícil? Ri do uso da palavra difícil. Difícil é uma palavra simpática para o estado da coisa. Aqui nem caro, nem barato. Simplesmente não existem.

Quando encontro uma das livrarias de vão de escada compro sempre qualquer coisa para ter oportunidade de falar com o vendedor. Hoje encontrei o meu vendedor preferido, o Gonçalves. Não sei a idade dele, mas é mais adulto que aparenta. Falamos sobre os livros. Na maioria são livros para o ensino secundário, e um ou dois romances, e quase sempre um velho livro que se falasse contaria como ficou cá sozinho mais de 40 anos, depois dos seus donos portugueses terem partido com a independência.

O meu interesse prolongado atrai sempre um ou dois potenciais clientes que quase sempre procuram ‘Paulina Chiziane’, a escritora moçambicana que escreveu sobre esta terra e que por isso os zambezianos acham ser a escritora deles. ‘Paulina está difícil. Não temos há muito tempo’, é a resposta. Os dois jovens falam entre eles do livro que leram da Paulina. Pela maneira como falam não sei se leram ou se apenas sabem a estória. O Gonçalves anda há pelo menos dois anos na 11ª classe, ou então já se esqueceu que me diz há dois anos que anda nessa classe.

Ao ver os livros lembrei-me da minha vizinha que estuda na 12ª classe. Vejo-a sempre a estudar com umas cópias sujas e amareladas. A primeira vez que lhe perguntei pelos livros recebi como resposta uma gargalhada, ‘estão aqui’, e mostrou as tais páginas amarelas e com manchas. Eu fiquei espantada por ela não ter livros e ela ficou espantada por eu ter ficado espantada por ela não ter livros. Pacientemente lá me explicou que nunca teve livros. Os livros são fotocópias de fotocópias. Riu-se da minha ingenuidade e explicou-me que o próprio professor não tem livros. Como não encontrei para a classe dela, comprei-lhe um dos livros para a 9ª classe.

O Gonçalves também aceita encomendas, mas sem compromisso. Disse-me que talvez para a semana tivesse para a 12ª. Pergunto sempre apesar de conhecer a resposta ‘oh Gonçalves onde arranjas os livros?’ e o Gonçalves tal como todos os outros livreiros dizem-me sempre ‘compro por aqui’ e nunca me olham quando dão esta resposta. Como desviam o olhar, imagino que deve existir um sítio onde chovem livros. Roubar não roubam. Nunca ouvi tal coisa por estes lados. Aliás oiço sempre ‘livros ninguém rouba!’ quando tento voltar ao carro porque deixei livros à mostra. E mesmo que roubassem não teriam onde….

Esta alergia aos livros dos ladrões, faz-me lembrar uma das lições que aprendi há anos com um professor do Gana que me ensinou a fazer a mala para, no aeroporto, passar com mandioca e peixe frito (encomenda dele), ensinou-me ‘em África se trouxeres comida, colocas a comida sempre debaixo dos livros, mal veem os livros deixam-te passar’. Experimentei pelo menos duas vezes e funcionou apesar do cheiro a peixe passar em muito os livros.

Mas voltando às livrarias, estas livrarias improvisadas são um mistério para mim. Não sei onde compram, e sei, que quase sempre não vendem. E mesmo assim cá andam de escada em escada. Os preços ao contrário das livrarias de Maputo, são quase sempre fixos entre 200 a 300 meticais. Uma empregada doméstica ganha 3000 meticais. Talvez aqui sim, se aplique a palavra ‘difícil’, quem ganha 3000 dificilmente pode gastar 300 num livro, mesmo assim, ainda acho que a melhor palavra é impossível.

QUELIMANE, MOÇAMBIQUE Elisabete Azevedo-Harman vive neste momento em Moçambique, na cidade de Quelimane, onde é professora de ciência política na Universidade Católica de Moçambique. Para além da universidade colabora num projeto das Nações Unidas de apoio aos parlamentos nos PALOP e Timor Leste. Nos últimos anos viveu na África do Sul, na Suíça, Estados Unidos da América e no Reino Unido. Fez o doutoramento sobre política africana contemporânea na Universidade do Cabo. Tem feito missões de observação eleitoral em vários países, entre os quais: Guiné-Bissau, Burundi, Libéria, República Democrática do Congo, Gana, Zâmbia e Moçambique. Publica em jornais académicos, no jornal Público em Portugal e para a revista Visão. Recentemente publicou “Post-Conflict Elections in Africa: Liberia and Guinea Bissau in Comparative Perspective”, Nordic Africa Institute (2007); “Parliaments in Africa: “Context and Constitutional Design”,The Journal of Legislative Studies (2006); “O Semipresidencialismo na Guiné-Bissau: Inocente ou Culpado da Instabilidade Política?” in Costa, L. M., & Amorim, N. O. (2009). O semipresidencialismo nos países de língua portuguesa. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais; “Parliaments in the land of Big Man”, The Journal of Legislative Studies (2011) e “De Inimigos a Adversários Políticos? O parlamento e os parlamentares em Moçambique, Texto Editora, Moçambique, (2011).

IN "VISÃO"
29/09/16

.
.


1008.UNIÃO


EUROPEIA



.

8-REDONDIVAS


.
.


3-TARZAN


Um cavalo maltratado

video

Tarzan era um cavalo sujeito a maus tratos até que mudou de dono. O vídeo evidencia o trabalho e o afecto  de  que o animal foi alvo para recuperar do medo e da angústia.

O objectivo do treino é que  ao voltar para casa o dono possa continuar a treiná-lo (ensiná-lo a ficar calmo em situações de stress, como saltar um obstáculo, ajudá-lo a aceitar a sela) para que um dia o possa montar.

.
.

XI-VISITA GUIADA


IDANHA-A-VELHA/1

BEIRA BAIXA

video


* Viagem extraordinária pelos tesouros da História de Portugal superiormente apresentados por Paula Moura Pinheiro.
Mais uma notável produção da RTP

* As nossas séries por episódios são editadas no mesmo dia da semana à mesma hora, assim torna-se fácil se quiser visionar episódios anteriores.

.
.

7-REDONDIVAS


.
.

Zucchero, Pavarotti e Bocelli,

Miserere

video

Gregorio Allegri

.
.
ESTA SEMANA NO
"DINHEIRO VIVO"

Joana Ribeiro. 
A jovem joalheira que venceu
 o concurso ‘Rising Store’ da Sonae

Desde julho que Joana Ribeiro tem o seu espaço próprio no NorteShopping. O objetivo é expandir para sul, no Colombo ou o CascaiShopping.

Joana Ribeiro representa a nova joalharia portuguesa. Aos 29 anos acaba de abrir o seu próprio espaço no NorteShopping, em Matosinhos, após ter vencido o concurso Rising Store da Sonae Sierra. A experiência está a correr bem e a jovem designer espera que este seja o primeiro de muitos espaços Joana Ribeiro Joalharia espalhados pelo país. 
 .

Desde miúda que a jovem designer se dedicava a criar os seus próprios acessórios. E fazia-o tão bem que, muito cedo, transformou esse hobby num pequeno negócio, vendendo as suas peças de bijuteria em mercados de verão e feiras de artesanato. O que tornou mais fácil a escolha entre o curso de design de moda ou de joalharia. Formou-se na Escola Superior de Artes e Design de Matosinhos e, em 2010, completou a formação com um mestrado em design de produto. Mas admite que o design de moda não está posto de parte. É uma ideia ainda a retomar, reconhece.

Concluída a licenciatura, seguiu-se o estágio numa empresa familiar de ourivesaria, que se dedicava à filigrana. “Percebi que a joalharia em Portugal era um setor ainda muito tradicional, sem grande espaço para a contratação de designers. E que seria muito difícil ser contratada”. Apostou, de imediato, na criação da sua própria coleção e marca, embora fosse fazendo, também, algum trabalho como freelancer na criação de coleções para terceiros. 

O sucesso da sua marca tem sido crescente, o que lhe tem permitido arrecadar diversos prémios. Logo em 2009 ganhou o prémio de jovem criadora no concurso do IPJ com a coleção de final de curso, que batizou de Anellus Naturalis. A mesma que, no ano seguinte foi selecionada pelo POP’s Serralves – Projetos Originais Portugueses -, destinado, precisamente a apoiar e estimular os autores nacionais no lançamento dos projetos, e que passou a estar à venda na loja do Museu de Arte Contemporânea de Serralves. 

Seguiram-se outras distinções, como a escolha do seu anel ruber folium para o livro 500 Rings da editora LarkBooks ou a inclusão de duas outras peças suas no anuário Jewelbook: International Annual of Contemporary Jewel Art da editora belga Stichting Kunstboek. 

No entretanto, e porque esta é uma área “muito dispendiosa”, que obriga a ter “um espaço próprio, legal, para a produção”, Joana Ribeiro foi trabalhando em part-time em diversas lojas para conseguir reunir o capital necessários para investir em ferramentas e maquinaria. Passou por coisas tão distintas como lojas de roupas, de capas de telemóveis, ou de relógios e joalharia, o que lhe permitiu ganhar experiência no atendimento e venda de produtos. Desde 2014 que tem o seu ateliê na Quadro, a incubadora de design que funciona no Mercado Municipal de Matosinhos e onde conta já com o apoio de dois aprendizes de ourives a trabalhar consigo. 

“A ambição foi sempre ter um ponto de venda próprio num centro comercial e o concurso da Sonae Sierra, o Rising Store, deu-me essa oportunidade. Fui uma das cinco vencedores entre mais de 150 candidatos e aqui estou”, explicou ao Dinheiro Vivo no seu espaço no Norteshopping. Uma pequena loja que está em funcionamento desde julho e que implicou um investimento da ordem dos 14 mil euros. 

“Está a correr bem, embora seja um investimento de risco, porque dentro do próprio shopping há uma concorrência muito grande. As pessoas têm rotinas e não é fácil fazer concorrência a uma Bluebird ou a uma Pandora. Mas já começamos a chegar às pessoas e a conseguir que percebam que há outras opções, 100% hand made in Portugal. E que, apesar de sermos joalharia de autor, não temos preços exorbitantes, mas garantimos um elevado grau de exclusividade, precisamente porque é tudo feito à mão e não temos grandes quantidades de stocks”, adianta a jovem empreendedora. 
 .

As peças, todas em prata, vão dos 29,95 aos 150 euros, com o preço médio a rondar 59,95 euros. “Procurei adaptar a experiência de vendedora na Bluebird para encontrar peças pensadas para aquelas pessoas que, apesar de terem uma carteira mais reduzida, não deixam de gostar de oferecer um miminho e de valorizar o que é diferente e artesanal”, diz Joana Ribeiro. 

E acredita que o consumidor está a mudar. “Os clientes estão cansados de ver sempre as mesmas marcas e os mesmos produtos e procuram coisas novas, o que ajuda ao aparecimento desta nova vaga de jovens joalheiros”, reconhece. Além da sua coleção, Joana Ribeiro desenvolve ainda peças por encomenda. Trabalha com várias pequenas boutiques e lojas de design, sobretudo do sul do País. 

E o que distingue as joias de Joana Ribeiro da restante oferta no mercado? Esta é uma coleção que “traduz uma linguagem contemporânea, vincadamente feminina e sedutora”. 

Inspiradas nas formas da natureza, as peças distinguem-se pelas “texturas minuciosas e acabamentos criativos”, que conjugam a prata, matéria-prima de eleição, com outros materiais, como as tintas metálicas, as pedras e o quartzo. As joias são todas trabalhadas artesanalmente na oficina de Joana Ribeiro, o que torna cada peça única e irrepetível. 

A coleção de Joana Ribeiro ‘ramifica-se’ em sete linhas distintas: Arboreos, com peças talhadas minuciosamente; Folium, inspirada no movimento das folhas; Fructectum, que evidencia uma técnica apurada em peças de uma simplicidade extravagante; Lilium, uma das linhas mais femininas e delicadas, Pinun, que retrata a forma e textura da pinha; Ruber Folium, uma das mais icónicas da coleção, por ser revestida a garridas tintas metálicas; e Poppy, uma linha mais sedutora e jovem que combina prata e pedras, entre outros. 

“Desmistificar a ideia de que as joias são peças de luxo para serem usadas apenas em momentos especiais” é o grande objetivo de Joana Ribeiro. As joias são um “complemento do nosso estilo e personalidade, que nos fazem sentir especiais. E devemo-nos sentir especiais todos os dias”, frisa a jovem designer. 

 ° Joana Ribeiro Joalharia ° Fabrica joias em prata artesanais ° Venceu o concurso ‘Rising Store’ da Sonae Sierra e abriu o seu primeiro espaço no NorteShopping ° Vende as joias online e em galerias e boutiques ° Quer abrir no Colombo ou o CascaisShopping ° www.joanaribeirojoalharia.pt.

* Empreendedora, a sério.

.
.
ESTE MÊS NA
 "BLITZ"

Madonna segue o exemplo 
de Katy Perrye também vai votar nua

Depois de Katy Perry protagonizar um sketch no qual tenta votar como saiu da cama, ou seja, nua, Madonna decidiu seguir-lhe um exemplo, publicando no Instagram uma foto sem roupa.
.
video

"Vou votar nua, com a Katy Perry. Votem na Hillary. É o melhor que temos", legendou Madonna, acrescentando que esta é a primeira foto de uma série de imagens sem roupa, a propósito das eleições norte-americanas.

Madonna partilhou ainda uma foto sua, da atuação na cerimónia dos Brits, em 2015, durante a qual caiu, com Hillary Clinton acrescentada à mesma, no Photoshop.

Voto pela inteligência. Voto pelos direitos iguais para as mulheres e todas as minorias", escreveu ainda.

* Se trumpa ganhar o mundo será um desastre.

.

SOUTIEN DE FLORES

video


.
.
ESTA SEMANA NA 
"SÁBADO"

Fernanda Câncio quer retirar 
livro de Saraiva do mercado

Fernanda Câncio interpôs uma providência cautelar com o objectivo de retirar o polémico livro de António Saraiva, Eu e os Políticos, do mercado, segundo explicou o ex-director do Sol numa entrevista à CMTV. António Saraiva afirmou que a jornalista considerou "uma intromissão na vida privada" o conteúdo a que lhe diz respeito.
.
Eu e os Políticos faz referência à vida privada de Fernanda Câncio, afirmando que a jornalista tinha fotografias das relações sexuais pela sua casa. Saraiva escreveu que o namorado da jornalista tinha "um fetiche pela fotografia e dedicava-se a tirar fotografias das relações com a namorada. E não tinha o cuidado de esconder as fotos, deixando-as a revelar em cima dos móveis". Durante a entrevista à CMTV, o escritor explicou a revelação: "É uma passagem que mostra uma conduta bastante livre e a relevância é ela ter sido namorada de um ex-primeiro-ministro".

O livro do ex-director dos semanários Expresso e Sol tem estado em volto de uma grande polémica, principalmente por ser considerado uma das maiores devassas da vida privada de políticos, jornalistas e outras figuras públicas das últimas décadas. Na entrevista à SÁBADO, António Saraiva justificou a publicação da obra, afirmando que "todos os segredos que revelo no livro já expiraram" e assegura que não se arrepende de nada. 

* Todos os portugueses deviam interpôr providência cautelar contra este livro, a democracia também é o exercício  do nojo pelo sórdido.

.
. 
ESTA SEMANA NA 
"VISÃO"
Guerra aberta 
no partido socialista espanhol

A comissão de ética e garantias do PSOE decretou hoje a queda da direção do partido. E pede também que o líder Pedro Sánchez seja substituído por uma comissão gestora

A crise no partido socialista espanhol agravou-se esta tarde com os órgãos do PSOE a deliberar diferentes soluções depois da saída em massa de 17 membros da comissão executiva, em choque com o líder Pedro Sánchez.

A Comissão de Ética e Garantias do partido decidiu hoje que não há condições para se manter a atual direção e recomenda que se crie uma comissão gestora para a liderança. Já os partidários de Sánchez alegam que os membros que sobraram, 18, continuam em “funções” como “interinos”. 

A comissão executiva do PSOE tem 35 membros e mais de metade já saíram nos últimos dias – só na quarta-feira foram 17. As declarações esta semana do histórico Felipe González, “indignado” com o “não” definitivo de Sánchez à investidura de Rajoy precipitaram este movimento. “Sinto-me frustado, como se tivesse sido enganado”, disse González à cadeia SER, depois de explicar que o líder socialista lhe havia garantido “que numa segunda votação se absteria para não impedir a formação do governo”.

A nomeação de uma gestora aconteceu em 2000 após a demissão de Joaquín Almunia de secretário-geral do PSOE. Nessa altura houve um acordo sobre qual o caminho a seguir, ao contrário de hoje em que o partido parece dividido em dois. Sánchez está disposto a manter-se na liderança mas os seus críticos – os barões socialistas – preferem um novo comité federal para avaliar as consequências de novas eleições de dezembro.

A 31 de dezembro termina o prazo para que haja governo em Espanha ou se convoquem novas eleições, as terceiras no espaço de um ano. Metade dos eleitores socialistas não querem facilitar hoje um governo PP, liderado por Mariano Rajoy, de acordo com uma sondagem da Metroscopia, citada pelo El Pais. Em Julho essa percentagem era de 35%. 
Nesse mesmo mês, os socialistas provaram por unanimidade no último comité federal o “não” a uma solução de governo de Rajoy.

* Pulhítiqueros. O piqueno já foi à vida.

.
.



MARTE

A história da exploração

video


FONTE: AFPBr

.
.
 
ESTA SEMANA NO
 "SOL"
Infarmed fecha equipamento 
no Hospital da Luz

O Infarmed mandou encerrar o equipamento onde são preparados medicamentos citostáticos na farmácia do Hospital da Luz, em Lisboa, depois de terem sido detetados problemas associados à circulação de ar no interior da câmara, onde são manuseados por exemplo os medicamentos usados em quimioterapia. 
.
O relatório da entidade reguladora do medicamento ainda não está disponível, mas fonte ligada à administração do hospital confirmou ao SOL a decisão de encerramento e adiantou que as obras exigidas arrancaram ontem, prolongando-se por um período estimado de 15 dias. A mesma fonte esclareceu que «não houve qualquer perigo para a saúde pública decorrente da anomalia». O hospital «assegurou externamente a preparação daqueles medicamentos».

O controlo da preparação deste tipo de medicamentos, que tal como destroem células malignas podem causar lesões na pele dos profissionais de saúde que os preparam caso os procedimentos de segurança não estejam totalmente garantidos, tem merecido cada vez maior atenção. A renovação periódica dos filtros de ar é um dos requisitos. Um estudo em dois hospitais da zona de Lisboa divulgado no ano passado pela Autoridade para as Condições de Trabalho dá uma dimensão do problema: em 348 amostras de superfícies recolhidas, mais de um terço estavam contaminadas com fármacos, o que indicava ser necessário reforçar as medidas de precaução. O Infarmed tem entretanto reforçado as fiscalizações para garantir a segurança dos medicamentos que são dados aos doentes e o trabalho dos profissionais de saúde.

Em maio, o regulador anunciou que este ano vai fiscalizar um recorde de 31 farmácias hospitalares, 24 em unidades públicas e sete em hospitais privados, onde se inclui a ação recente no Hospital da Luz. Dados da entidade indicam que até agosto foram fiscalizadas nove unidades. Das irregularidades detectadas, 25% foram consideradas críticas: podiam originar perigo para a saúde. A maioria dos problemas reside na preparação de medicamentos. Até aqui, o único encerramento tornado público aconteceu em abril, quando a preparação de quimioterapia também foi temporariamente suspensa no Hospital das Caldas da Rainha.

* Nós preferimos os hospitais do SNS em vez de hospitéis.

.
.

LASANHA DE BERINJELA

video

De: MARA CAPRIO .
.
 
ESTA SEMANA NO 
"EXPRESSO"

Guterres ganhou 5 vezes mas pode perder: 
.afinal, quais são as regras do jogo?

video


António Guterres venceu as cinco votações informais para secretário-geral das Nações Unidas. Mas passou a ter uma nova concorrente, soube-se esta quarta-feira: a búlgara Kristalina Georgieva, uma entrada de última hora que pode baralhar as contas. Porque há tantas votações? E por que motivo cinco vitórias não chegam para chegar a secretário-geral? Quais são mesmo as hipóteses de Guterres? O que se segue e como se segue? Jornalismo de dados em dois minutos e 59 segundos. Para explicar o mundo.

* Quem é que acha que a política é uma coisa séria???

.

TIPOLOGIAS

.



.
.
.
1022
Senso d'hoje

DOUTOR JOVEM
    CONSERVADOR
DE DIREITA
ESCRITOR
"LIVRO - A ERA DO DOUTOR

video


FONTE: CANAL "Q" -PROGRAMA INFERNO

.

ESCOLHAS DE DOMINGO

.
COMPRE JORNAIS

E REVISTAS







.
.


PORQUE SOMOS

UM ENCANTO


.
.

BOM DOMINGO



.
.


42-CINEMA
FORA "D'ORAS"

V- LOLITA


video


COM:
JEREMY IRONS
MELANIE GRIFFITH
FRANK LANGELLA
DOMINIQUE SWAIN

..