quarta-feira, 14 de setembro de 2016

UMA GRAÇA PARA O FIM DO DIA

.

.


 1-Os Extraterrestres


Chegaram


video


.
.
HOJE NO 
"JORNAL DE NOTÍCIAS"

Chefia das Forças Armadas 
desmente general

O Estado-Maior General das Forças Armadas desmente as acusações do major-general Carlos Branco, que diz que o Hospital das Forças Armadas não prestou assistência aos feridos da instrução de comandos por falta de recursos.
.
O major-general Carlos Branco escreveu um artigo no seu blog "Cortar a Direito" e com ampla divulgação nas redes sociais que a "médica de serviço do Hospital das Forças Armadas recusou-se a receber todos os pacientes por não ter condições e, portanto, estes tiveram que ser encaminhados para hospitais civis", tal como o JN noticiou.

O militar na reserva dizia ainda que o "hospital militar nacional não tem serviço de urgência e garantia que "uma evacuação a tempo podia ter evitado este desfecho", numa referência à morte de Hugo Abreu e Dylan Araújo da Silva.

Segunda-feira, o JN contactou o EMGFA, que tem a tutela sobre a unidade de saúde, mas na altura não houve comentário, uma vez que estava a decorrer um inquérito. Esta terça-feira, alegadamente tendo em conta a gravidade das acusações, o EMGFA divulgou um comunicado onde salienta que o "Hospital das Forças Armadas dispõe de um serviço de urgência com atendimento e serviço de observação" e conta ainda com uma "Unidade de Cuidados Intensivos que funciona, tal como o Serviço de Urgência, em regime de permanência (24/24 horas)".

Por outro lado, "sempre que existam situações clínicas que ultrapassem ou excedam a capacidade residente no HFAR, os utentes são encaminhados para outras unidades de saúde, designadamente para os hospitais do Serviço Nacional de Saúde ou outros com os quais existam protocolos de colaboração"", como a Cruz Vermelha ou a Fundação Champalimaud.

Esta prática, salienta o EMGFA, tem como objetivo "dar cumprimento às melhores práticas clínicas" e traduzir a "maior celeridade possível" e "melhor tratamento possível" aos doentes.

* Serviço de urgência pode ser um eufemismo! Se a médica encaminhou os doentes para hospital com mais recursos fez o que devia.

.
.
.

4-LINGERIE 

ASIÁTICA

SEM PAÍS
20??
video


Aprenda e grame esta moda asiática em que as modelos mais parecem saídas de bordéis. A coreografia e as peças do desfile não têm rival.
São dez minutos penosos, mais penoso será quando nos invadirem de vez.
Não falta muito.

.
...
.

HOJE NO 
"JORNAL DE NEGÓCIOS"

Quatro grupos agro-químicos controlarão
. 63% das sementes mundiais

A união Bayer Monsanto é maior de uma série de concentrações entre multinacionais agrícolas. Se todas as mega-fusões se concretizarem, quase dois terços das sementes do mundo serão vendidas por quatro players. Bruxelas diz estar atenta. 

Em 1996, havia 600 companhias independentes que vendiam sementes no mundo, contabilizava no início deste mês o Financial Times. Nos últimos 20 anos, muitas daquelas foram adquiridas por seis conglomerados: as norte-americanas Monsanto, Dow Chemical e Dupont, as alemães Bayer e BASF e a suíça Syngenta.
 .
Se a fusão já anunciada entre a Dow Chemical e a Dupont (negócio de 130 mil milhões de dólares) e da Bayer e Monsanto (66 mil milhões de dólares) forem aprovadas, e a da chinesa ChemChina com a Syngenta avançar (44 mil milhões de dólares), serão quatro grupos (com a BASF) a controlar 63% do mercado global de sementes.

Mas não é só: paralelamente, no início desta semana, foi anunciada a união das canadianas Potash Corp e Agrium, criando o maior fabricante mundial de fertilizantes, cujo valor pro forma está estimado em 36 mil milhões de dólares.

"Mudança sísmica" no sector
O simples volume de negócios de fusão e aquisição na área dos agro-químicos está a fazer "soar alarmes em Whashington e Bruxelas", explicava o FT a 6 de Setembro, citando Chuck Grassley, actualmente presidente do comité judiciário do senado norte-americano. O antigo agricultor norte-americano defendeu em Junho: "Os reguladores federais [dos EUA] necessitam de analisar aprofundadamente as implicações para a agricultura, para os agricultores e para os consumidores desta mudança sísmica nesta indústria antes de assinarem quaisquer transacções".

Esta quarta-feira, 14 de Setembro, dia em que foi formalmente anunciada a união entre a Monsanto e a Bayer, a Comissão Europeia já indicou que o assunto será estudado em pormenor. A fusão – cujo término está previsto para o final de 2017 – criará um "líder global na agricultura", como explicaram em "conference call" na tarde desta quarta-feira as administrações da norte-americana e da alemã.

Ainda durante a manhã do mesmo dia, Margrethe Vestager, comissária da UE, em entrevista à Bloomberg, reagiu ao anúncio formal do negócio de compra da Monsanto pela Bayer. Citada pela agência, Vestager afirmou ser objectivo do regulador examinar negócios no sector da agricultura de forma a assegurar que os agricultores "desfrutem de preços acessíveis, de escolha e não fiquem presos a um só fornecedor" após a fusão.

É também sobre esta possibilidade de "falta de opções" (mencionada ainda esta tarde na ‘conference call’ da Bayer e Monsanto) que algumas associações de agricultores, sobretudo europeus, se têm demonstrado preocupadas.
.
"Os agricultores estão famintos" por soluções que aumentam a produtividade, justificaram esta quarta-feira os responsáveis das duas empresas, rejeitando, por várias vezes, qualquer relação entre o negócio de fusão e a futura imposição dos seus produtos aos empresários agrícolas.

O momento transatlântico
A iniciativa de concentração surge num momento de dúvida sobre o futuro do tratado transatlântico (Acordo de Parceria Transatlântica de Comércio e Investimento EUA-UE, conhecido pela sigla inglesa TTIP), com a Alemanha a determinar a sua falência há poucas semanas, e com a incerteza sobre a data de saída do Reino Unido da União Europeia, mas também num momento de flexibilização dos reguladores comunitários.

Um dos temas fortes da chamada biotecnologia agrícola tem a ver com a modificação genética das sementes, em que a UE foi historicamente muito mais restritiva que os EUA ou países como o Brasil (que se se tornou, em pouco mais que uma década, num dos maiores produtores de soja geneticamente modificada) nos últimos anos.

Na UE, onde o consumidor tem, para já, a garantia de ter mais informação que consumidor americano (do Norte ou do Sul) sobre que produtos geneticamente modificados encontra nas prateleiras do supermercado, o Parlamento Europeu decidiu há cerca de um ano e meio passar para a soberania de cada Estado-membro a decisão sobre a permissão de produção de OGM.

Independentemente da discussão, e polémica, sobre sementes, organismos geneticamente modificados, pesticidas e herbicidas (com ou sem glisofato) para a saúde pública, quando uma empresa fornece sementes tradicionais ou geneticamente modificadas para melhor resistir a pragas e doenças, e garantir maior rendibilidade, há uma consequência económica: os agricultores tornam-se mais dependentes dos herbicidas, pesticidas e fertilizantes das mesmas empresas fornecedoras de sementes para lidar com a biotecnologia inicial na colheita.

Na conferência após a formalização da oferta, quer a gestão da Bayer, quer a administração da Monsanto foram enfáticas nas vantagens da fusão para o sector, garantindo que o conglomerado que agora se formará – havendo "optimismo" quanto à aprovação pelos reguladores norte-americanos e comunitários – irá "oferecer uma solução integrada" para os agricultores, nomeadamente na área de "sementes", "protecção de colheitas" e "agricultura digital". 


O território nacional tem, há muito, presença dos maior grupos agro-químicos mundiais, como fornecedores de sementes tradicionais e fitofármacos. Nos OGM, Portugal é um dos cinco países da EU que cultiva o único milho geneticamente modificado aprovado por Bruxelas (a variante Mon810 da multinacional norte-americana Monsanto). O país registou (segundo os últimos dados disponíveis) um crescimento da área, sobretudo no Alentejo e associado à rega permitida pelo Alqueva, em contra-ciclo com o resto dos outros quatro países dos 28 Estados-membros, que tem vindo a reduzir em área plantada.

* Perceba-se que esta concentração trará mais pobreza para os agricultores, mais doenças para os consumidores e muito mais dinheiro para os grupos deste cartel. 
A comissão europeia é pífia, "amanda" bocas, desde que os seus membros recebam  alvíssaras aceita tudo

.
.


IV-EVOLUÇÃO


2- O PORQUÊ

DO SEXO

video

* As nossas séries por episódios são editadas no mesmo dia da semana à mesma hora, assim torna-se fácil se quiser visionar episódios anteriores.

.
.
HOJE NO
"DESTAK"


Cimeira Mundial de Saúde diz 
que Coimbra abre novos caminhos
 na investigação

O presidente da Cimeira Mundial de Saúde disse hoje que a inclusão do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC) na Aliança M8 - o G8 da Saúde - pode ser uma porta aberta para os países de língua portuguesa. 
 .
Na sua primeira visita a Coimbra, o alemão Detlev Ganten mostrou-se "muito impressionado" e disse que o CHUC "será um membro importante e ativo" da rede que promove a investigação transnacional. Portugal, representado pelo consórcio Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC) e Universidade de Coimbra (UC), foi admitido em 2015 na Aliança M8 - o G8 da Saúde, que tem como missão principal a melhoria da saúde global. 

* A excelência da investigação portuguesa.

..

LUCY PEPPER

.




 Onde fica o Algarve 
dos turistas?

Acho o Algarve das praias e do turismo muito estranho. Parece-me um país à parte, uma cidade fantasma cheia de estrangeiros, muitos deles britânicos como eu ou talvez não como eu.

No fim de um Verão quente e cheio de trabalho, tirámos uns dias para passar pelo Algarve.

Tudo correu como de costume. O tempo só melhorou no dia em que regressámos a casa, e a viagem na A2 foi uma batalha com aqueles automóveis caros que se aproximam por detrás a 190 km à hora, só porque sim e porque a polícia aparentemente nunca os vê. O trânsito começou a abrandar perto de Setúbal, e quase toda a gente ficou na A2, na fila anual do fim do Verão para passar a ponte 25 de Abril, apesar de existir outra ponte que quase nunca tem engarrafamentos.

Tudo como de costume. Tal como a ligeira sensação de crise existencial que me aflige de cada vez que visito o Algarve.

Acho o Algarve — aquele Algarve das praias e do turismo, entenda-se — muito estranho. Para mim, parece um país à parte. Talvez seja por causa da sinalização em inglês, ou por causa dos pubs e cafés ingleses, ou ainda por causa dos milhares de carros alugados que circulam muito lentamente. O Algarve turístico parece-me uma cidade fantasma cheia de estrangeiros, muitos deles britânicos como eu — ou talvez não como eu.

Não sei o que ser quando estou no Algarve dos turistas. Entre o apartamento e a praia, há pouca interação com outras pessoas, claro, mas quando me acontece falar quer com portuguesas, quer com estrangeiras, vejo-me a tentar ser um bom exemplo do “britânico no estrangeiro”. Obviamente, não faz nenhuma diferença, mas torno-me excepcionalmente auto-consciente sobre a língua que falo, seja ela qual for, nas muitas e inevitáveis visitas ao supermercado, e é no supermercado, aliás, onde acontecem a maior parte das minhas interações com outros seres humanos quando estou de férias.

Por um lado, os supermercados algarvios são um bocado emocionantes para mim, já que têm produtos da Inglaterra que não se encontram em outros lados de Portugal, coisinhas que matam saudades, como refrigerantes da minha infância e bolachas que reconheço.

Por outro lado, é absurdo e irritante que os britânicos, residentes ou turistas, precisem de bolachas reconhecíveis.

Por vezes, acontece-me cair em conversas com turistas, só porque sinto que devo ajudar estas almas de cor de lagosta, perdidas nos corredores confusos dos supermercados, com muitos letreiros numa língua que não percebem. Ao mesmo tempo, os meus conterrâneos irritam-me, pela sua falta de auto-consciência, falta de sentido de aventura, e falta até de aceitação. Nem sequer aguentam uma semana sem comida de marcas que reconheçam?

No fim da semana, ajudei um homem que perguntava à menina do talho “quais as salsichas que são mais parecidas com as nossas [inglesas]?”, e uma mulher que só depois de perguntar a três pessoas ficou satisfeita com a ideia de que “atum” é “tuna”, e muito admirada por as latas de marcas inglesas serem mais caras do que as portuguesas. São mais caras, expliquei-lhe, porque foram re-importadas da Grã-Bretanha, depois de serem inicialmente exportadas de Portugal. Olhou para mim, espantada: “Você podia fazer isto como trabalho, explicar a comida aos estrangeiros…”. Ri-me e disse-lhe que sim, que é isso mesmo que faço, o que a deixou ainda mais confusa.

Os franceses têm a sua maneira de ser turistas irritantes, os espanhóis a sua, e os holandeses, os belgas, os alemães a a deles, mas os britânicos desempenham tão bem o papel do “estrangeiro que tem de ter bolachas de uma marca familiar e nunca diz sequer um ‘obrigaaaaadooo’” — que me acontece sentir que já nada tenho a ver com eles.

Mas sim, não sou nem nunca serei portuguesa, como ficou provado no talho quando pedi atrapalhadamente uma simples carne picada, segundos depois de ajudar o senhor das salsichas.

O Algarve turístico faz-me sentir uma extra-terrestre. Por isso, estou muito contente por ter voltado a Lisboa, a Portugal, à Europa, à Terra.

IN "OBSERVADOR"
13/09/16

.
.


990.UNIÃO



EUROPEIA



.



HOJE NO
"i"

Saiba como andar de transportes em Lisboa gratuitamente durante um mês

O objetivo é assinalar o Dia Sem Carros e cativar novos utentes.





A Área Metropolitana de Lisboa vai oferecer uma mensalidade a quem adquirir o cartão Lisboa Viva no dia 22 de setembro. O objetivo é assinalar o Dia Sem Carros e cativar novos utentes.
.




A iniciativa ‘Passe a Passe’ serve apenas para quem não tem passe de transporte público ou para quem não o carrega há mais de 12 meses. Não está prevista, no entanto, um aumento de resposta dos serviços oferecidos, refere o jornal Público.

O título deve ser adquirido no dia 22 deste mês e deverá ser carregado até 31 de outubro.

Aderem a esta campanha a Barraqueiro Transportes (Ribatejana, Boa Viagem, Mafrense e Oeste), Henrique Leonardo da Mota, Isidoro Duarte e JJ. Santo António, Rodoviária de Lisboa, Scotturb, Transportes de Lisboa (o que inclui a Carris, o Metropolitano e a Transtejo), Transportes colectivos do Barreiro, Transportes Sul do Tejo, Vimeca, CP -- Comboios de Portugal, Fertagus e Metro Transportes do Sul.

* Bela iniciativa.


.
.

IV.A ERA DOS JOGOS EM VÍDEO


4-A MENTE

video

.
.


HOJE NO  
"A BOLA"

Fernando Gomes 
felicita novo presidente da UEFA

O presidente da Federação Portuguesa de Futebol (FPF), Fernando Gomes, felicitou o esloveno Aleksander Ceferin pela eleição para a presidência da UEFA.
.
«Desejamos as maiores felicidades ao novo presidente, uma pessoa na qual acreditamos e a quem manifestámos atempadamente o nosso apoio público», disse Fernando Gomes, citado pelo site oficial da FPF.

O presidente da Federação fez ainda questão de felicitar o holandês Van Praag, candidato derrotado por Aleksander Ceferin, considerando que este «lutou pelas suas ideias até ao final da eleição».

* Cumprimentos de circunstância, é normal entre colegas.

.
.
Os DEOLINDA
Cantam NIRVANA

IN BLOOM


video


.
.


HOJE NO
"DIÁRIO DE NOTÍCIAS
DA MADEIRA"
Designmark Group também se manifesta solidária com as vítimas dos incêndios

"Atentos ao flagelo dos incêndios acontecidos no último mês, a Designmark Group (DMG) está a realizar uma campanha de angariação de fundos para ajudar a população afectada pelos incêndios na ilha da Madeira”, informa a instituição em comunicado à imprensa.


A empresa diz estar a “reunir esforços junto a entidades e empresas com vista a angariar fundos através de doações” e que, para o efeito, criou uma conta específica.

“O próprio CEO da Designmark Group aliou-se a esta iniciativa. Marc Kunz está a percorrer a Europa de bicicleta, tendo como ponto de partida os nossos escritórios na Suíça com destino a Portugal. Por cada quilómetro percorrido, a DMG irá depositar o valor de 1 euro na conta solidária “Help Madeira”. Outras empresas da Designmark Group estão a contribuir para esta iniciativa quadruplicando o valor de cada quilómetro percorrido.”

Com o percurso de bicicleta, deverão ser gerados 12 mil euros.

“A campanha está igualmente aberta a qualquer pessoa que queira ajudar o povo madeirense nesta situação mais difícil que ocorreu na ilha mais bela do mundo.”

Quem desejar contribuir, deve fazê-lo por transferência bancária, independentemente do valor "Help Madeira" IBAN: PT50 0010 0000 5226 2720 0025 1. “No final da campanha o cheque irá ser entregue pessoalmente a uma organização de cariz social.

“A Designmark Group sente uma responsabilidade acrescida na ajuda do povo madeirense pois a empresa está fortemente presente no território nacional e todos os colaboradores, nacionais ou estrangeiros, têm orgulho neste país cheio de virtudes e de boa gente.”

* SOLIDARIEDADE, tão bom.

.
.

HOJE NO 
"DIÁRIO ECONÓMICO"

Snowden reclama perdão

Ex-consultor da Agência de Segurança Nacional, refugiado em Moscovo após revelar documentos classificados, alega que fez um bem ao país e quer que Obama o perdoe.

Já foi consultor da Agência de Segurança Nacional (NSA) dos EUA, mas, quando divulgou milhares de documentos que deveriam ser segredo, Edward Snowden, agora com 33 anos, passou a ser alvo da Justiça norte-americana e refugiou-se em Moscovo. Agora pede que Obama o perdoe, pois considera ter agido de forma positiva para o seu país.
 .
Há três anos na Rússia, Snowden falou ao diário "The Guardian" e explicou-se: "Se não fosse por esta divulgação e por estas revelações, estaríamos pior", argumentou. "É certo que há leis a dizerem uma coisa, mas é para isso que existe o poder do perdão, ou seja, para coisas que parecem ilegais no papel, mas, quando examinadas à luz de moral ou ética, vendo os resultados, parecem necessárias", acrescentou. No ano passado, o chefe de Estado dos EUA rejeitou mesmo um abaixo-assinado de 150 mil pessoas para que fosse concedido perdão a Snowden.

Snowden salientou contar "com grandes apoios porque a opinião pública preocupa-se muito mais com questões deste género do que eu pensava", afirmou. A autorização de residência na Rússia termina em 2017, Snowden tem criticado Putin e reconheceu estar preparado para passar algum tempo na prisão: "Estou disposto a fazer muitos sacrifícios pelo meu país."

* PATÉTICO ou então as prisões russas são mais frias que as americanas.

.
.

COWBOY 4 RODAS

video


.
.

HOJE NO
"CORREIO DA MANHÃ"

Acusação do processo Marquês 
adiada para Março

O Ministério Público informou esta quarta-feira que foi concedido o prazo de 180 dias para "realização de todas as diligências de investigação consideradas imprescindíveis" no âmbito da Operação Marquês, que envolve José Sócrates, o que adia a conclusão do inquérito para Março. 
 .

Numa nota enviada às redacções, a Procuradoria-Geral da República explica que foram identificadas "suspeitas de operações de favor em novas áreas de negócio" e que estão ainda por cumprir pedidos de cooperação internacional dirigidos à Suiça e ao reino Unido, falando em "circunstâncias imponderáveis e extraordinárias" que impediram a conclusão da investigação até 15 de Setembro, prazo indicado,e m março, pelo director do DCIAP. 

Rceonhecendo que o prazo de duração máxima do inquérito está ultrapassado, o Ministério Público garante que "só a título muito excepcional" o novo prazo poderá ser ultrapassado O processo conta já com mais de 200 mil registos bancários e 18 arguidos.

* Qualquer caracol seria mais rápido...

.
.
HOJE NO
"OBSERVADOR"


6% dos empregos nos Estados Unidos
. serão “robotizados” até 2021

De acordo com um relatório da empresa de estudos de mercado Forrester, daqui por cinco anos uma percentagem significativa dos empregos nos Estados Unidos serão "robotizados".

Não, não é ficção orwelliana ou de Aldous Huxley. Nem virá a nós num futuro assim tão, tão distante. De acordo com um relatório publicado esta semana pela empresa de estudos de mercado Forrester, daqui por cinco anos, em 2021, uma percentagem significativa (6%) dos empregos nos Estados Unidos não serão exercidos por pessoas, mas robots. 
 .

Entre as profissões mais afetadas, estão as de apoio ao consumidor — como é o caso dos operadores de call center — e as dos motoristas profissionais, dos táxis aos transportes de mercadorias.

Estes robots — ou “agentes inteligentes”, como os denomina a Forrester — não só compreendem o comportamento dos humanos, como tomam decisões na vez destes. Atualmente, este tipo de tecnologia pode ser encontrada, por exemplo, em assistentes virtuais, como a Alexa, Cortana, Siri ou Google Now. Mas, por enquanto, ainda é uma tecnologia em desenvolvimento e não constitui uma ameaça para a maioria dos trabalhadores e das profissões. Por enquanto. É que a Forrester assegura que esta se vai desenvolver rapidamente nos próximos anos.
Em 2021 vai começar uma onda disruptiva. As soluções trazidas pela inteligência artificial/tecnologia cognitiva  irá deslocar postos de trabalho, com o maior impacto a ser sentido em transportes, logística, atendimento e serviços ao consumidor”, explica no relatório Brian Hopkins, da Forrester.
E o que vai acontecer aos trabalhadores (6% nos Estados Unidos) que vão perder o emprego? “É uma percentagem enorme. Numa economia [como a norte-americana] que não está a criar emprego regular e a tempo inteiro, a possibilidade das pessoas se reempregarem, em novos trabalhos e com facilidade, é mínima.

Vamos ter pessoas a querer trabalhar, a lutar para encontrar um, mas sem sucesso. E isto irá também acontecer nas áreas da banca, das vendas, nos cuidados de saúde”, explicou Andy Stern ao Guardian, ele que foi presidente do Service Employees International Union. E acrescenta, Stern: “É um sinal de alerta precoce. E acho que apenas prenuncia um vento maciço de mudança no futuro. Os políticos não têm um plano. Não perceberam a rapidez com que o futuro está a chegar.”

* E o ser humano acabará por se auto-chacinar.

.
.
EXPLICA-ME COMO SE 
EU FOSSE MUITO BURRO

QUE É O BCE?
- O BCE é o banco central dos Estados da UE que pertencem à zona euro, como é o caso de Portugal.


E DONDE VEIO O DINHEIRO DO BCE?
- O dinheiro do BCE, ou seja o capital social, é dinheiro de nós todos, cidadãos da UE, na proporção da riqueza de cada país. Assim, à Alemanha correspondeu 20% do total. Os 17 países da UE que aderiram ao euro entraram no conjunto com 70% do capital social e os restantes 10 dos 27 Estados da UE contribuíram com 30%.


E É MUITO, ESSE DINHEIRO?
- O capital social era 5,8 mil milhões de euros, mas no fim do ano passado foi decidido fazer o 1º aumento de capital desde que há cerca de 12 anos o BCE foi criado, em três fases. No fim de 2010, no fim de 2011 e no fim de 2012 até elevar a 10,6 mil milhões o capital do banco.


ENTÃO, SE O BCE É O BANCO DESTES ESTADOS PODE EMPRESTAR DINHEIRO A PORTUGAL, OU NÃO? COMO QUALQUER BANCO PODE EMPRESTAR DINHEIRO A UM OU OUTRO DOS SEUS ACCIONISTAS ?
- Não, não pode..
.
PORQUÊ?!

- Porquê? Porque... porque, bem... são as regras. .
.
ENTÃO, A QUEM PODE O BCE EMPRESTAR DINHEIRO?
- A outros bancos, a bancos alemães, bancos franceses ou portugueses. .
.
AH PERCEBO, ENTÂO PORTUGAL, OU A ALEMANHA, QUANDO PRECISA DE DINHEIRO EMPRESTADO NÃO VAI AO BCE, VAI AOS OUTROS BANCOS QUE POR SUA VEZ VÃO AO BCE.
- Pois.


MAS PARA QUÊ COMPLICAR? NÂO ERA MELHOR PORTUGAL OU A GRÉCIA OU A ALEMANHA IREM DIRECTAMENTE AO BCE?
- Bom... sim... quer dizer... em certo sentido... mas assim os banqueiros não ganhavam nada nesse negócio!


AGORA NÃO PERCEBI!!..
- Sim, os bancos precisam de ganhar alguma coisinha. O BCE de Maio a Dezembro de 2010 emprestou cerca de 72 mil milhões de euros a países do euro, a chamada dívida soberana, através de um conjunto de bancos, a 1%, e esse conjunto de bancos emprestaram ao Estado português e a outros Estados a 6 ou 7%.


MAS ISSO ASSIM É UM "NEGÓCIO DA CHINA"! SÓ PARA IREM A BRUXELAS BUSCAR O DINHEIRO!
- Não têm sequer de se deslocar a Bruxelas. A sede do BCE é na Alemanha, em Frankfurt. Neste exemplo, ganharam com o empréstimo a Portugal uns 3 ou 4 mil milhões de euros.


ISSO É UM VERDADEIRO ROUBO... COM ESSE DINHEIRO ESCUSAVA-SE ATÉ DE CORTAR NAS PENSÕES, NO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO OU DE NOS TIRAREM PARTE DO 13º MÊS.
As pessoas têm de perceber que os bancos têm de ganhar bem, senão como é que podiam pagar os dividendos aos accionistas e aqueles ordenados aos administradores que são gente muito especializada.


MAS QUEM É QUE MANDA NO BCE E PERMITE UM ESCÂNDALO DESTES?
- Mandam os governos dos países da zona euro. A Alemanha em primeiro lugar que é o país mais rico, a França, Portugal e os outros países.


ENTÃO, OS GOVERNOS DÃO O NOSSO DINHEIRO AO BCE PARA ELES EMPRESTAREM AOS BANCOS A 1%, PARA DEPOIS ESTES EMPRESTAREM A 5 E A 7% AOS GOVERNOS QUE SÃO DONOS DO BCE?
- Bom, não é bem assim. Como a Alemanha é rica e pode pagar bem as dívidas, os bancos levam só uns 3%. A nós ou à Grécia ou à Irlanda que estamos de corda na garganta e a quem é mais arriscado emprestar, é que levam juros a 6, a 7% ou mais.


ENTÃO NÓS SOMOS OS DONOS DO DINHEIRO E NÃO PODEMOS PEDIR AO NOSSO PRÓPRIO BANCO!...
- Nós, qual nós?! O país, Portugal ou a Alemanha, não é só composto por gente vulgar como nós. Não se queira comparar um borra-botas qualquer que ganha 400 ou 600 euros por mês ou um calaceiro que anda para aí desempregado, com um grande accionista que recebe 5 ou 10 milhões de dividendos por ano, ou com um administrador duma grande empresa ou de um banco que ganha, com os prémios a que tem direito, uns 50, 100, ou 200 mil euros por mês. Não se pode comparar.


MAS, E OS NOSSOS GOVERNOS ACEITAM UMA COISA DESSAS?
- Os nossos Governos... Por um lado, são, na maior parte, amigos dos banqueiros ou estão à espera dos seus favores, de um empregozito razoável quando lhes faltarem os votos.


MAS ENTÃO ELES NÃO ESTÃO LÁ ELEITOS POR NÓS?
- Em certo sentido, sim, é claro, mas depois... quem tem a massa é quem manda. É o que se vê nesta actual crise mundial, a maior de há um século, para cá. Essa coisa a que chamam sistema financeiro transformou o mundo da finança num casino mundial, como os casinos nunca tinham visto nem suspeitavam, e levou os EUA e a Europa à beira da ruína. É claro, essas pessoas importantes levaram o dinheiro para casa e deixaram a gente como nós, que tinha metido o dinheiro nos bancos e nos fundos, a ver navios. Os governos, então, nos EUA e na Europa, para evitar a ruína dos bancos tiveram de repor o dinheiro.


E ONDE O FORAM BUSCAR?
- Onde havia de ser!? Aos impostos, aos ordenados, às pensões. De onde havia de vir o dinheiro do Estado?...


MAS METERAM OS RESPONSÁVEIS NA CADEIA?
- Na cadeia? Que disparate! Então, se eles é que fizeram a coisa, engenharias financeiras sofisticadíssimas, só eles é que sabem aplicar o remédio, só eles é que podem arrumar a casa. É claro que alguns mais comprometidos, como Raymond McDaniel, que era o presidente da Moody's, uma dessas agências de rating que classificaram a credibilidade de Portugal para pagar a dívida como lixo e atiraram com o país ao tapete, foram... passados à reforma. Como McDaniel é uma pessoa importante, levou uma indemnização de 10 milhões de dólares a que tinha direito.

E ENTÃO COMO É? COMEMOS E CALAMOS?

 Isso já não é comigo, eu só estou a explicar...

PARA QUE NÃO PERCA A MEMÓRIA
A REDACÇÃO 

.