quarta-feira, 20 de julho de 2016

UMA GRAÇA PARA O FIM DO DIA

.

.

M O T I V A Ç Ã O

video



.
.

SAÚDE


QUE CONSENSOS?/2


video


Conferência Sindical Preparatória do 11.º Congresso Nacional da Federação Nacional dos Médicos (FNAM) . Realizada no dia 18/6/2016 no Hotel Roma em Lisboa , Antecedendo o Conselho Nacional da FNAM realizado no mesmo dia

Intervenção do Dr. Ricardo Baptista Leite , Médico Coordenador de Saúde Pública e Prof. Universitário na Universidade Católica Portuguesa e Deputado à Assembleia da República pelo Partido Social Democrata (PPD/PSD)

.
.

HOJE NO 
"DIÁRIO DE NOTÍCIAS"

As 97 novas regiões do cérebro 
e um mapa extraordinário

Novo esquema do córtex humano deverá promover o desenvolvimento da neurocirurgia e das várias áreas científicas dedicadas ao mapeamento e estudo do cérebro

Numa proeza científica, um grupo de investigadores da Universidade de Washington, em Saint Louis, nos Estados Unidos, atualizou o mapa centenário do cérebro humano, adicionando 97 novas regiões às 83 anteriormente conhecidas. As 180 zonas cerebrais identificadas são relevantes no controlo da linguagem, perceção, consciência, pensamento, atenção e sensação.
.
De acordo com o The Guardian, espera-se agora que este mapa, o mais completo do córtex humano alguma vez apresentado, substitua o de Brodmann (realizado há mais de 100 anos) no trabalho diário das mais diversas áreas científicas.

O esquema divulgado pelos investigadores na revista Nature foi construído a partir da combinação de múltiplas ressonâncias magnéticas a 210 jovens adultos, que participaram no Human Connectome Project, um programa dedicado à compreensão da conectividade neuronal.

Na revista, Matthew Glasser e os outros cientistas envolvidos no projeto explicam como combinaram ressonâncias à estrutura cerebral, às funções e à conectividade para criar o novo mapa. Alguns pacientes foram testados enquanto descansavam, outros enquanto faziam exercícios de matemática ou ouviam histórias para que se assegurasse o maior alcance possível da pesquisa.

O esquema, que ficará disponível a custo zero, deverá auxiliar o trabalho científico na áreas dedicadas ao mapeamento do córtex humano. A neurocirurgia deverá também beneficiar desta conquista (já que os cirurgiões poderão identificar com maior facilidade as zonas que estão a operar.) A longo prazo, o mapa possibilitará a investigação de um vasto manancial de perturbações, como a demência e a esquizofrenia.

O mapa dos investigadores da Unidade de Washington deverá ainda ser preferido aos anteriores, já que anteriormente apenas um dos aspetos do cérebro era tido em conta: ora o aspeto da superfície quando observada ao microscópio ora o desempenho das diversas zonas quando estimuladas.

O mapa de Brodmann, o primeiro a esquematizar o cérebro humana, identificara há mais de 100 anos, apenas 50 regiões distintas na superfície enrugada do córtex humano.

* Ciência prodigiosa.

.
.


ALLANDE

E AMARANTA

LINGERIE LUXURY SHOW
2016
video



.
.
HOJE NO 
"RECORD"

Cicinho diz que Casillas e companhia
. manipulavam imprensa e treinadores

Depois das declarações bombásticas de terça-feira, a ESPN Brasil emitiu uma nova parte da entrevista a Cicinho, onde agora surgem revelações surpreendentes sobre o ambiente que se vivia no Real Madrid em 2006. Tudo começou quando, com a saída de Roberto Carlos, os merengues tiveram de encontrar um novo capitão.
.
"Quando o Roberto Carlos saiu, eu era titular, o Sergio Ramos era central e, às vezes, lateral direito, enquanto que o Michel Salgado era o terceiro lateral. Fizeram uma eleição e disseram que nos iam apresentar ao terceiro capitão. O primeiro era Raúl, o segundo era o Casillas, que cedeu o seu estatuto ao Michel Salgado, para este poder jogar. Aí começou toda essa 'panelinha'. O Júlio Baptista disse-me logo que estava tudo acabado", começa por recordar, em entrevista ao programa 'Bola da Vez'.

"Eu prejudiquei-me a mim próprio. Quando me sentei para falar que queria sair para a Roma, que o Totti e o Doni estavam sempre a dizer-me para ir, que não iria ter espaço para jogar no Real Madrid, que me estavam a 'lixar', porque eles sabiam, que eu falava com eles... Se eu fosse profissional, estaria lá até hoje", confessou.

Depois, no seguimento da mesma declaração, Cicinho revelou quem compunha o grupinho que, na sua opinião, comandava tudo e todos no Real Madrid: "Guti, Michel Salgado, Helguera, Raúl, Casillas... Eles tinham a sua 'panelinha'. Entrava quem fazia o que eles mandavam. Fazem cabeça de imprensa, do treinador... Por exemplo, um dia o Ronaldo jogava mal e, no dia seguinte, aparecia na capa do jornal que o Raúl era melhor que o Ronaldo. O Raúl tem de nascer três vezes para tentar ser como o Ronaldo".

Na memória do brasileiro, de 36 anos, está também um episódio com Michel Salgado. "Além disso, estava no país deles, ganhando o mesmo que eles e a jogar no lugar deles. Cheguei lá e o Michel Salgado tinha onze anos de clube. No balneário todos os jogadores tinham o seu cacifo. Ele chegava e cumprimentava todos os jogadores, mas quando chegava a minha vez, fazia como se não estivesse ali. Isso foi das primeiras vezes. Depois eu baixava-me, fazia de conta que estava a apertar os atacadores e dava-me igual. Mas depois passamos a ter uma relação muito boa. Ele foi alguém que nunca me tentou 'lixar'. Ao princípio excluiu-me um pouco, mas eu fui o grande culpado de não ter continuado no Real Madrid", acrescentou.

* No desporto só Jesus, o descrito na bíblia, não é manipulável, de resto é o forró dos agentes desportivos e dos políticos.

.
.


II-EVOLUÇÃO


4- EXTINÇÃO

video

* As nossas séries por episódios são editadas no mesmo dia da semana à mesma hora, assim torna-se fácil se quiser visionar episódios anteriores.

.
.

HOJE NO 
"JORNAL DE NOTÍCIAS"

Metade dos abusos de menores
 acontece em família

Rede de apoio especializado acompanhou, desde o início do ano, uma centena de menores. 48% são familiares diretos do agressor.

Desde o início do ano, a Associação de Apoio à Vítima (APAV) está a acompanhar uma centena de crianças vítimas de abuso sexual: 28,2% das crianças apoiadas são filhos ou filhas do autor ou autora dos crimes, 23,3% enteados ou enteadas e 9,7% sobrinhos. Metade dos crimes foram cometidos por familiares.
.
"Mães e pais perversos, pessoas perturbadas. Madrastas e padrastos, tios. Acontece tudo isso", descreve, a respeito dos agressores, Bruno Brito, gestor da rede Care, criada para ajudar vítimas menores de abusos sexuais, ativa desde o início do ano e que hoje divulga o balanço do trabalho desenvolvido em Lisboa. "Estes crimes acontecem em famílias de todos os estratos sociais", explica o psicólogo. E prova disso são as conclusões extraídas de 103 casos de crianças acompanhadas, que ajudam a fazer um retrato da realidade nacional.

* Não é notícia nova mas uma dolorosa realidade.

.

CLARA MACEDO CABRAL

.



The Elephant in the room

Uma irlandesa minha conhecida, recebeu um mail do empregador a recomendar-lhe que tire o passaporte britânico ou, pelo menos, a permissão de residência permanente. Só podem estar a gozar comigo”, desabafou .

Sabem qual é o elefante no quarto da maioria dos londrinos? O Brexit. A questão dos londrinos é só uma: vamos ignorar o elefante ou vamos falar dele? Vá, escolham. Apostem. Porque – de certeza, certezinha – ele é o centro de gravitação consciente ou inconsciente desta metrópole. Da House of Commons, à City de Londres, aos Ministérios e ao Whitehall, às pequenas, médias ou grandes empresas, multinacionais, NHS, reuniões da família Real ou da família da esquina. E já nem falo do vendaval que o elefante levantou além fronteiras: em Bruxelas, Itália ou EUA. Este elefante indesejado, metido à força nas nossas vidas pelo resto do país (pelo país descontente) e que para mal dos nossos pecados não podemos devolver à procedência. O Sr. Elefante, de peso maciço, aterrado sem pára-quedas sobre as nossas cabeças: é preferível falar dele ou sublimá-lo? É que custa admitir não haver território à prova das balas que, à sua conta, se disparam. “Ai votaste Brexit/Remain? Isso é crime de lesa –majestade, com potencial para estragar famílias e amizades.

Custa ver os políticos a matarem-se e esfolarem-se para conquistar o poder. Recobre-se, agora, o fôlego para a maratona que temos pela frente, porque o elefante não vai dispersar. Esse hóspede que consome grande parte das energias emocionais e nos desfoca do que antes era a vida – Ai, o que é feito dessa vida? E as saudades que temos dela – vai continuar no sofá a marcar passo, a marcar presença. A despertar o medo de se tornar morador perpétuo. De que nos roubou o futuro. De que nos atirou – no mínimo – para uma recessão; no máximo, aí uns dez anos pela escada abaixo. Tudo o que resta é manter a esperança – o wishful thinking- de que, amanhã de manhã, o paquiderme será menos mau do que parece.

Desde o dia 23/06 que os europeus de Londres convalescem de uma nódoa negra; e os ingleses de Londres de uma vergonha ignóbil. E em três semanas, já a grande maioria ousou ter conversas inimagináveis em tempos prévios ao Sr. Elefante. Gente que aqui vive há décadas, deu tudo por esta cidade – nela investiu carreira, poupanças, enraizou os filhos – pondera se terá de deitar tudo a perder. Tornar-se-á esta terra pouco amistosa, ao negociar o seu divórcio com a UE?

Casais estrangeiros ou mistos avaliam um cenário B - uma saída de emergência do país - se o peso do elefante arruinar as contrapartidas de aqui viverem. Secretamente, nunca se apreciou tanto estar casado com um cônjuge europeu e poder “dar de frosques”. Nem nunca se cobiçou deste modo um passaporte europeu. “Tu vais poder sair daqui? Eu não..” - já me disseram dois ou três amigos, antecipando a claustrofobia do isolamento ilhéu.

Como era boa, gostosa e sossegada a vida antes deste elefante. Em três semanas, já o governo reverteu a política de austeridade prosseguida sem desvios desde 2010. Porque a prioridade deixou de ser o défice público, passou a ser acalmar investidores, estimular o consumo, evitar a escalada do desemprego.

As reações individuais são extremadas. Há quem decida que é tempo de lutar por permanecer no país, preencha 90 páginas, faça um teste e pague emolumentos, na saga de adquirir cidadania britânica. Há quem se recuse a ser forçado a dar esse passo. Uma irlandesa minha conhecida, recebeu um mail do empregador a recomendar-lhe que tire o passaporte britânico ou, pelo menos, a permissão de residência permanente. “Só podem estar a gozar comigo”- desabafou – “Eu sou visceralmente anti-inglesa.” Há quem aproveite a oportunidade para negócio singulares, como pôr a casa à venda num mercado que atingiu o pico dos picos, e arrende provisoriamente enquanto aguarda o inevitável desabamento.

Na rua, uma artista distribui crachás com dísticos “Amo a UE”. De alto a baixo do seu casaco, há um painel de letreiros: “Estou despedaçada” (I’m shattered)“Uma de 48%” (One of 48%)“Refém Europeia” (EU Hostage).Há quem diga que nos vamos habituar de tal modo ao elefante que ele irá progressivamente apagar-se, tornar-se invisível. Por agora, só há mesmo uma forma de lhe escapar. É fazer as malas e ir de férias. E quando voltar, esperar que estejamos todos mais habituados à sua presença. Ou quem sabe, esquecidos dela. Existiu alguma vez um elefante destes? Neste país?

Relembrem-me, por favor.

IN "i"
18/07/16

.
.


934.UNIÃO


EUROPEIA



.
HOJE NO  
"JORNAL DE NEGÓCIOS"

Autoridade quer mais concorrência
 na actividade dos táxis

Há excesso de regulamentação na actividade de táxis. O que inibe a concorrência. A conclusão é da Autoridade da Concorrência que publicou o estudo ao sector com recomendações.

Os táxis são muito regulamentados. Flexibilizar as regras devia ser equacionado. Para que se promova mais concorrência. A conclusão é da Autoridade da Concorrência no estudo sobre transporte de passageiros em veículos ligeiros com motorista divulgado esta quarta-feira, 20 de Julho, tal como o seu presidente António Ferreira Gomes tinha revelado no Parlamento.
 .
E tal como já tinha referido faz um conjunto de recomendações para que se aligeire essas regulamentações, por forma a que seja possível uma maior concorrência na actividade e para que esta possa co-existir com os novos serviços como a Uber e Cobify.

As recomendações vão estar em consulta pública até 9 de Setembro.

Tal como já tinha sido avançado, uma das recomendações é mesmo que se acabe com o limite camarário de licenças de táxis. "A restrição quantitativa no acesso à actividade de serviços de táxi é uma das medidas regulatórias mais interventivas e com maior impacto na concorrência, e, em geral, encontra pouco apoio na literatura económica". O estudo dá como exemplo o que se passa em Lisboa. O contingente é de 3.550 licenças, número fixado em 1992.

Foram emitidas 3.447 alvarás, explicando a autarquia limitar esse número por causa do excesso de oferta de táxis face ao decréscimo da população. Além disso, acrescenta a AdC, a restrição da entrada é reflectido no valor das licenças. No município de Lisboa chega a haver mercado secundário de alvarás que chegam a comercializar licenças acima de 100 mil euros.

"Não se entende estar demonstrada a adequação e proporcionalidade da imposição de restrições quantitativas à entrada. Considera-se, assim, que o legislador e os reguladores devem avaliar e ponderar a necessidade e proporcionalidade desta disposição", escreve a AdC. E, acrescenta-se, "as consequências deste regime de contingentação são agravadas quando os critérios de classificação de concorrentes nos concursos de atribuição de licenças discriminem potenciais operadores – nomeadamente em função da localização geográfica e da antiguidade – ou introduzam restrições acrescidas".

A AdC admite ser, ainda, contrária à são concorrência a limitação que é dada aos táxis de estacionarem em determinadas praças.

Liberalização de preços
Outra recomendação neste estudo, que propõe uma revisão total à actividade dos táxis, é referente aos preços. Os táxis têm preços convencionados, o que no entender da AdC "limita a liberdade dos prestadores para estabelecerem os preços dos serviços", o que tem como consequência "uma limitação da sua capacidade concorrencial".

Restrições, acrescenta a AdC, que "adquirem relevância adicional num contexto de emergência de novos modelos de negócio", o que "fragiliza a capacidade dos prestadores de serviços de táxi tradicionais para reagir estrategicamente aos novos entrantes."

A AdC é sensível ao argumento de que quando o táxi é chamado na via pública ou quando se apanha um táxi numa praça possa ter de haver regulação, face à incerteza que o consumidor enfrenta "quanto ao preço e qualidade do serviço". Mas fala, por exemplo, no modelo de preço máximo e não de preço fixo.

A AdC considera que "a fixação administrativa de preços pode revelar-se excessiva e implicar perdas de bem-estar, pelo que uma eventual previsão regulamentar deve flexibilizar as actuais disposições regulatórias ao nível de preços, privilegiando, quando possível, a liberalização de preços, em particular nos segmentos onde as falhas de mercado sejam menos significativas, como é o caso dos serviços pré-contratados".

No entanto, esta flexibilização também tem de ser ponderada no grau de transparência de preço, nomeadamente "obrigações quanto à publicitação de preços; obrigações quanto à notificação de preços; determinações quanto à estrutura de preços a praticar".

Ainda que estas sejam as duas áreas que mais impacto teriam na regulamentação, a AdC adverte para a necessidade de regular a qualidade e segurança através de regulação e assegurar a sua monitorização e implementação.
Há ainda espaço no estudo da Concorrência para se pedir mudanças no regime de habilitação de motoristas que assegure igualdade de oportunidades, assim como eliminações de discriminações no acesso às licenças.

Nas suas conclusões, a AdC pede, por outro lado, que "as inovações tecnológicas e outras existentes devem ser consideradas na avaliação à necessidade de impor/manter disposições regulatórias".

* E contra a regulamentação excessiva propõe-se a lei da selva sem atender ao consumidor? O mercado não tem capacidade para se autoregular.

.
.

II.A ERA DOS JOGOS EM VÍDEO


4-O ROSTO

video

* As nossas séries por episódios são editadas no mesmo dia da semana à mesma hora, assim torna-se fácil se quiser visionar episódios anteriores.

.
.
2-A DESIGUALDADE
DESIGUALDADE ECONÓMICA

video


FONTE: HIDRA - CABEÇAS PENSANTES

* As nossas séries por episódios são editadas no mesmo dia da semana à mesma hora, assim torna-se fácil se quiser visionar episódios anteriores.

.
.

HOJE NO
"DESTAK"

Patrões acusam diploma sobre trabalho
. forçado de violar presunção de inocência

As quatros confederações empresariais repudiaram hoje o diploma sobre trabalho forçado, aprovado no parlamento, considerando que não respeita o princípio constitucional da presunção de inocência e cria riscos à atividade de empresas de trabalho temporário. 
 .
O parlamento aprovou hoje o texto final de um diploma sobre o combate às formas de trabalho forçado, com os votos contra do PSD e do CDS e a favor dos restantes partidos. A redação final deste diploma resulta de dois projetos de lei: um apresentado pelo BE e outro pelo PS.

Após a votação, as confederações de empregadores com assento na Comissão Permanente de Concertação Social - a Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP), a Confederação do Comércio e Serviços de Portugal (CCP), a Confederação Empresarial de Portugal (CIP) e a Confederação do Turismo Português (CTP) - emitiram um comunicado conjunto em que afirmam que, "sendo obviamente contra qualquer forma de trabalho forçado, repudiam veementemente as iniciativas legislativas que estão na origem do diploma ora aprovado, bem como o conteúdo do mesmo". 

* Ora não haveriam as confederações patronais de defender os seus associados que escravizam trabalhadores, a presunção de inocência é uma regra do Estado de Direito,  prorrogativa de qualquer arguido, estão a tentar tapar o sol com a peneira, coitadinhos dos esclavagistas.

.
.
JAZZLAND


Sidney Bechet

Once in a while

video


.
.

HOJE NO
  "i"
Investidores pagam 
para emprestar dinheiro a Portugal

Portugal levou hoje a cabo duas emissões de dívida de curto prazo e, numa das operações, os juros conseguidos foram negativos. Embora não seja inédito, isto significa que os investidores estão a pagar para emprestar dinheiro ao país.

Segundo dados divulgados hoje pelo IGCP, o organismo que gere a dívida pública, foi feita uma emissão de Bilhetes do Tesouro com maturidade de seis meses – a dívida emitida hoje por Portugal é reembolsada  em janeiro de 2017.
.

O Estado colocou 544 milhões de euros nesta modalidade, tendo conseguido uma taxa negativa em 0,003%. Na última operação semelhante, feita em maio deste ano, tinha tido juros positiva de 0,021%, recorda Filipe Silva, diretor da Gestão de Ativos do Banco Carregosa.


“Não sendo a primeira vez que Portugal emite dívida de curto prazo a taxas negativas – até já as emitiu mais negativas -  é o sinal de que este ambiente de baixas taxas de juro, com os países mais prósperos com taxas negativas, faz da a dívida portuguesa uma alternativa menos negativa para os investidores. Na Alemanha, a dívida a 1 ano tem um juro negativo de 0,65%”, explica o gestor.
A explicação para os investidores aceitaram taxas negativas, acrescenta, é a de que “não há alternativas melhores”. E, embora paguem para emprestar dinheiro, esperam que valor dos títulos de dívida suba nos próximos meses e daí possa vir algum rendimento.
Além da operação a seis meses, o IGCP concretizou uma emissão de dívida a 12 meses. Nestes Bilhetes do Tesouro com maturidade em Julho de 2017, a taxa foi de 0,038% - o que compara compara com a taxa de 0,043% do último leilão semelhante. Nesta modalidade, foram colocados 1360 milhões de euros.
“Nem se esperava outra coisa – as duas emissões de dívida de curto prazo correram bem para o Estado português, com as taxas de juro a descer em ambos os prazos, conseguindo mesmo ir a taxas negativas nos 6 meses.  O leilão correu bem ainda porque houve uma procura dentro do que é habitual e o montante colocado até ficou acima do pretendido”, conclui Filipe Silva.

* Portugal ainda corre riscos financeiros graves, não tanto pela gestão mas pelo ódio visceral do aglomerado Popular Europeu, que não perdoa aos novos governantes o atrevimento de o contestar, tal era o sibilino  rastejar do governo de Passos Coelho.
Mas a notícia é boa.


.
.

PASSEIO DIÁRIO

video

.
.
HOJE NO
"A BOLA"

Jogos Olímpicos
Divulgado manual com técnicas para atentados durante os Jogos Olímpicos

Extremistas islâmicos publicaram no serviço de mensagens instantâneas Telegram várias recomendações para atentados terroristas durante os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro.
.
A revelação foi feita por Rita Katz, especialista norte-americana em contraterrorismo, que trabalha na SITE Intelligence Group, organização que monitoriza atividades terroristas na Internet.

As recomendações passam por atentados a aeroportos e meios de transporte públicos, esfaqueamento, envenenamento, sequestro de reféns e falsas ameaças. Além disso, os extremistas também terão sugerido um cronograma de ações, incitando: «Qualquer lobo solitário pode agora ir para o Brasil.»

A especialista tinha já alertado que um grupo extremista brasileiro, autodesignado Ansar al-Khilafah Brazil, declarou lealdade ao Estado Islâmico (EI).

* Perigo, mesmo muito perigo.

.
.

TANTO PARA APRECIAR

COMO

AMEDRONTAR














.
.
HOJE NO 
"AÇORIANO ORIENTAL"

Reino Unido renuncia à presidência
. rotativa do Conselho Europeu

O Reino Unido decidiu renunciar à presidência rotativa do Conselho Europeu no próximo ano, na sequência da vitória da saída britânica da União Europeia no referendo de junho, indicou o gabinete a nova primeira-ministra, Theresa May.

May comunicou ao presidente do Conselho, Donald Tusk, a sua decisão através de um telefonema, o primeiro entre os dois responsáveis desde que Theresa May sucedeu a David Cameron na liderança do Governo britânico, indicou a mesma fonte.

“A primeira-ministra sugeriu que o Reino Unido deveria renunciar à presidência rotativa do Conselho, agendada para o segundo semestre de 2017, sublinhando que estaremos a dar prioridade às negociações para sair da União Europeia”, indicou uma porta-voz do número 10 da Downing Street citada pela agência France Press.

“Donald Tusk agradeceu a pronta decisão da primeira-ministra sobre este assunto, que permite ao Conselho colocar em marcha uma alternativa”, acrescentou a fonte.

A presidência do Conselho Europeu, que reúne os ministros dos 28 Estados-membros é assumida rotativamente por cada um dos Estados em cada seis meses.

Os embaixadores dos países membros da UE deverão reunir-se esta tarde para decidir que país substituirá o Reino Unido.

A Eslovénia assume atualmente a presidência do Conselho, até 31 de dezembro, e depois segue-se Malta. O Reino Unido deveria assumi-la entre 1 de julho e 31 de dezembro de 2017.

Theresa May disse a Donald Tusk que quer abordar as complicadas negociações para a saída do Reino Unido da UE “com um espírito construtivo e pragmático”, mas vai precisar de tempo para se preparar, indicou a porta-voz.

“Donald Tusk garantiu à primeira-ministra que ajudará a fazer com este processo decorra na forma mais suave possível”, acrescentou a mesma fonte.

“Ambos concordaram que desejam criar uma forte relação de trabalho e que devem encontrar-se o mais depressa possível em Bruxelas ou em Londres”, disse a porta-voz de Theresa May.

May assumiu a condução do Governo faz hoje uma semana, depois da demissão de David Cameron, motivada pela vitória do “Brexit” – a decisão de saída do Reino Unido da União Europeia – no referendo de 23 de junho.

A nova primeira-ministra britânica não indicou ainda quando é que o Reino Unido irá invocar o artigo 50.º do Tratado de Lisboa, que estabelece um período de negociação de até dois anos sobre os termos da retirada de um Estado-membro.
 .
Ao assumir o cargo, Theresa May deixou claro que o Reino Unido respeitará a vontade democrática do povo britânico de sair da UE.

Com esse propósito, a primeira-ministra nomeou o deputado conservador David Davis ministro com a responsabilidade específica de liderar as futuras negociações com a UE sobre a rutura com Bruxelas.

Davis disse já que o Reino Unido poderá invocar o artigo 50.º do Tratado da União Europeia em finais deste ano, ou no início de 2017.

May não tem a intenção de invocar o artigo antes de primeiro consultar as administrações autonómicas da Escócia, Gales e Irlanda, assim como vários setores da economia britânica, de acordo com fontes de Downing Street referidas pela agência Efe.

A primeira-ministra britânica estará hoje na Alemanha para se encontrar com a sua homóloga, Angela Merkel, na que é a sua primeira viagem ao estrangeiro desde que a rainha Isabel II a convidou a formar Governo.

Na quinta-feira, May estará em Paris, para se reunir com o Presidente francês, François Hollande.

* A dona Theresa tem muita lata, se a britania se pirou porque há-de presidir, não é nenhum favor, saiam o mais depressa possível e não batam com a porta.

.
.


100 Mulheres despem-se

em Cleveland, em protesto

contra o machismo de Trump


video



.
.
HOJE NO 
"DIÁRIO ECONÓMICO"
Amazon com supermercado online 

Novo serviço entrega produtos frescos em uma hora.

Frutas, vegetais, carnes, charcutaria, pão, leite e seus derivados integram a lista de produtos que o novo serviço online da Amazon, gigante do comércio electrónico, já disponibiliza para Madrid em entregas que demoram cerca de uma hora a clientes da área 'premium'.
.
De acordo com o "El Confidencial", a empresa estreou o serviço "Prime Now" que custa 5,90 euros além do preço das aquisições ou será grátis caso o prazo de entrega seja alargado para duas horas no mesmo dia ou no seguinte para "21 localidades adicionais na comunidade da capital". Entre os produtos disponíveis estão também livros ou dispositivos electrónicos.

Conta a publicação espanhola que, no total, estão em causa 18 mil referências e será preciso um 'smartphone' com base numa aplicação em iOS e Android. O serviço 'premium' custa 19,95 euros anuais e os clientes não podem ter idade inferior a 19 anos.

 Quanto ao horário de entrega situa-se entre as 8 e a meia-noite durante todos os dias da semana.

* A notícia parece ser boa, resta saber que impacto haverá na poupança dos clientes e na falência de empresas de entregas.

.