quinta-feira, 2 de junho de 2016

UMA GRAÇA PARA O FIM DO DIA

.

.
.

93-ACIDEZ
 

FEMININA


DÚVIDAS SOBRE 

SEXO ORAL


video

Com CÁTIA DAMASCENO


A IMPRESCÍNDIVEL TATY FERREIRA


* Uma produção "ACIDEZ FEMININA" - BRASIL

.
.

El Internado

video


 U.B.A

.
.
 
HOJE NO
"RECORD"

Sameiro Araújo: 
«Não tiveram a dignidade 
de falar comigo ou com a Filomena»

Sameiro Araújo, treinadora de Filomena Costa, preterida na escolha da terceira maratonista olímpica portuguesa face a Jéssica Augusto, lamenta que tenham sabido dessa decisão pela imprensa.
.
"Gostaria de começar por referir que aquilo que irei dizer nada tem contra a Jéssica, que admiro bastante e por quem tenho amizade. Tem, sim, contra a direção federativa, que cada vez me desilude mais e nem teve a coragem de falar comigo ou com a atleta. Soubemos da seleção depois de ela já ter sido divulgada. E se há critérios, bons ou maus, eles têm que ser cumpridos. E não foram. A alínea a) é muito clara e a alínea b) não foi cumprida. Tanto quanto sei, não é três meses antes de uns Jogos Olímpicos que se vê o estado de forma de um atleta", disse a Record.

Sameiro Araújo diz não acreditar que tenha sido o responsável pela seleção masculina, João Abrantes, a decidir, e considera inadmissível a última alteração nos critérios, que alargou até final de maio o prazo para obtenção de mínimos na maratona. "Em que condições se apresentaria um atleta que corresse uma maratona dois meses e meio antes dos Jogos?", questionou.

* Não conhecemos  nem queremos conhecer os bastidores das federações desportivas, cremos que Jéssica Augusto nada tem a ver com o processo, mas Filomena  Costa é alvo de injustiça. CHEIRA A ESTURRO!

 .
.
XLII- O UNIVERSO


4-CATÁSTROFES QUE

MUDARAM OS PLANETAS

video


As nossas séries por episódios são editadas no mesmo dia da semana à mesma hora, assim torna-se fácil se quiser visionar episódios anteriores.


.
.
HOJE NO
"JORNAL DE NOTÍCIAS"

Governo exonera presidentes das 
CCDR do Norte e do Algarve

O ministro do Planeamento e das Infraestruturas decidiu esta quinta-feira exonerar os presidentes das comissões de coordenação e desenvolvimento regional (CCDR) do Norte e do Algarve.

Conforme adiantou o JN esta quarta-feira, o presidente da CCDR do Norte, Emídio Gomes, é exonerado do cargo pelo ministro Pedro Marques após a polémica em torno da assinatura dos planos estratégicos de desenvolvimento urbano (PEDU).
 .
O Governo justifica agora a decisão, numa nota enviada ao JN, com o "incumprimento reiterado das orientações da tutela sobre matérias inerentes ao exercício das suas funções".

O novo presidente terá carta branca para gerir o processo. Até ser confirmado o sucessor, Emídio Gomes poderá ser substituído temporariamente pelo vice-presidente Carlos Neves.

A saída do presidente, noticiada na edição desta quinta-feira do JN, estava prevista para a próxima semana, mas o Governo precipitou a exoneração dado o desgaste provocado pela polémica.

Francisco Serra no Algarve
Já o presidente da CCDR do Algarve, David Santos, "é exonerado por não estarem reunidas as condições necessárias para a observação das orientações superiormente emanadas". O professor universitário Francisco Serra deverá ocupar o lugar, apurou o JN junto de fonte ligada ao processo.
David Santos foi, em janeiro deste ano, eleito líder da distrital do PSD. E esta estrutura apresentou, no congresso do partido, uma moção para a regionalização. Além disso, a distrital terá utilizado publicamente informação privilegiada da CCDR sobre os contratos de emprego e inserção.

"O Governo iniciou de imediato os procedimentos administrativos para a substituição dos responsáveis daquelas entidades, ciente de que as CCDR são organismos de importância crucial para a prossecução das políticas públicas de desenvolvimento regional".

Recorde-se que Emídio Gomes recusou acatar a ordem do Governo no sentido de publicar o aviso de concurso para as verbas do pacote extra de 20 milhões, no âmbito do PEDU, cujos montantes foram diretamente negociados pelos governantes com os autarcas do Porto, de Gaia, de Matosinhos e Gondomar que recusaram esta semana assinar os contratos para o desenvolvimento urbano. Tudo porque o ainda líder da CCDR-N decidiu, na véspera da assinatura, enviar-lhes um novo mapa, em que reduz as respetivas verbas para poder contemplar os outros municípios da região.

* Um presidente dum organismo público só tem de obedecer à tutela.

.
.

 6-O IMPÉRIO INVISÍVEL

A NOVA ORDEM MUNDIAL
FACTOS OCULTOS
video


JÁ OUVIU FALAR DE "BILDEBERG"?


* As nossas séries por episódios são editadas no mesmo dia da semana à mesma hora, assim torna-se fácil se quiser visionar episódios anteriores.

.
.
HOJE NO
"JORNAL DE NEGÓCIOS"
Fundação Mário Soares 
duplicou prejuízos em 2015 - DN

Os prejuízos da instituição criada pelo antigo Presidente da República subiram dos 103 para os 210 mil euros em 2015. O corte no mecenato foi uma das razões.
.
A Fundação Mário Soares viu os seus prejuízos mais do que duplicarem de 2014 para 2015. O indicador passou dos 103 para os 210 mil euros, segundo escreve o Diário de Notícias desta quinta-feira, 2 de Junho.

Por isso mesmo, avança a publicação, os dirigentes da instituição criada pelo antigo Presidente da República dizem que a mesma precisa de uma "urgente redefinição da sua estratégia". Tal poderá passar por "uma estrutura orgânica mais leve", de acordo com o relatório e contas de 2015.

A justificar este desempenho está o corte em contribuições regulares e mecenato. Só nesta última rúbrica, a Fundação Mário Soares recebeu menos 134 mil euros no ano passado.

* Para que serve a FMS senão para satisfazer o ultra-ego dum homem que pensa ser o pai da pátria.

.

FERNANDA CÂNCIO

.





Droga de proibição

Há pelo menos duas décadas que periodicamente se propõe, por cá, legalizar a canábis, ou seja, regulamentar a sua produção, distribuição, venda, compra e consumo. E não só a esquerda, JS e BE; também a JSD e membros de vulto do PSD, como Paula Teixeira da Cruz (enquanto ministra da Justiça, em fevereiro de 2015) e José Eduardo Martins já defenderam a legalização da substância e até de todas as aglutinadas no termo "drogas" (Passos, em 2010). A JS fá-lo agora de novo, numa moção ao congresso de junho do PS na qual preconiza que o partido apresente, nesta legislatura, um projeto de lei para legalizar o consumo recreativo de canábis.

Terá o PS o golpe de asa para o fazer (e convencer o renitente PCP se, como expectável, PSD e CDS optarem pela demagogia)? O partido que descriminalizou o consumo em 1999 (sob a tutela de Sócrates, então ministro adjunto de Guterres), com uma política apontada como exemplo a nível mundial, pode bem ser porta estandarte europeu de um avanço civilizacional que, nas Américas, se iniciou em 2012-2013 no Uruguai e no estado do Colorado (EUA). O exemplo deste último é paradigmático: iniciou a produção e venda regulamentadas em novembro de 2014 e ano e meio depois não só três outros estados já o imitaram, e mais se preparam para tal, como o apoio por parte dos seus cinco milhões de habitantes subiu para 58%. 

Os maus agoiros não se confirmaram - padrões de consumo não se alteraram nem aumentaram criminalidade e morbilidade associadas - e o Colorado arrecadou, em 2015, 135 milhões de dólares em impostos com a venda de marijuana, com o total de vendas a rasar os mil milhões. As estimativas para este ano são ainda mais risonhas, malgrado uma regulamentação férrea: controlo rigoroso da produção e "potência" das plantas, mínimo de idade (21) para comprar, quantidade máxima de venda por comprador e recipientes à prova de crianças.

Não, já ninguém pode dizer que legalizar a canábis é "experimentalismo": basta copiar o que funciona. Nos EUA, até há pouco o grande bastião do proibicionismo, o apoio à legalização varia entre 51% e 61% nas sondagens mais recentes. Objetar-lhe, como faz João Goulão, há 11 anos a dirigir a luta contra a toxicodependência em Portugal, alegando que têm crescido os casos de consumo problemático de canábis ou que esta está cada vez mais potente é, com todo o respeito, um despropósito.

 Não é ser proibida que tem impedido o aumento do consumo e da morbilidade correspetiva, e só regulamentando se pode controlar a potência. Ao contrário do que defende Goulão, que pede mais tempo para estudar o passo seguinte, está tudo mais que estudado no que se refere ao proibicionismo: é uma das ideias mais estultas do século XX. Aí, há o perigo de as grandes tabaqueiras, esses antros do capitalismo, quererem tomar conta do negócio da canábis? Sim, há. É um negócio. Será melhor manter essa renda onde está, no crime organizado e no terrorismo?

IN "DIÁRIO DE NOTÍCIAS"
27/05/16

.
.


888.UNIÃO


EUROPEIA



.
HOJE NO
"DESTAK"
OCDE fixa como desafios o aumento 
da produtividade e o combate 
das desigualdades

Os ministros da OCDE fixaram hoje como desafios a procura de formas de estimular a produtividade, cuja debilidade surge como uma das causas do longo abrandamento económico na saída da crise, e o combate ao aumento das desigualdades. 
 .
Pela primeira vez desde a sua adesão em 2010, o Chile presidiu este ano à reunião anual da organização e os seus ministros dos Negócios Estrangeiros, Heraldo Muñoz, e da Economia, Rodrigo Valdés, foram encarregados de apresentar as conclusões dos trabalhos, ao lado do secretário-geral da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), Ángel Gurría.

Os ministros deixaram no comunicado final do evento o pedido à organização para "aprofundar a compreensão do desafio da produtividade e a sua eventual ligação à tendência da desigualdade", de acordo com a agência espanhola EFE. 

* Muita parra e pouca uva, enquanto a política económica europeia tiver como objectivo o enriquecimento de poucos, a não integração de refugiados e manifesta incoerência na política externa, bem podem os burocratas da OCDE reclamar medidas, são tão eficientes como ineficazes.

.
.
Os robôs que 
salvam vidas nos Alpes

video


FONTE: EURONEWS

.
.
VIII-AMBIENTE FEROZ

3-FOGO

video


* As nossas séries por episódios são editadas no mesmo dia da semana à mesma hora, assim torna-se fácil se quiser visionar episódios anteriores.

.
.
HOJE NO
"i"
Governo anterior acusado de prestar
. pouca informação sobre o Banif

A Comissão Europeia (CE) garante que não foi em Bruxelas que se decidiu a aplicação de uma medida de resolução ao Banif no final do ano passado e admite até que estaria disposta a aprovar em 2016 um plano de reestruturação que assegurasse o retorno do banco à viabilidade. E queixa-se de ter tido pouca informação sobre o processo de venda do banco iniciado ainda no anterior governo.

Em respostas a a questões do grupo parlamentar do delegação portuguesa do PSD/PPE, a Comissão Europeia taxativa: “As autoridades portuguesas foram responsáveis pela determinação de uma estratégia de resolução para o banco ou da sua colocação em liquidação”.
.
FORÇAS OCULTAS
No documento, Bruxelas explica que esteve desde janeiro de 2013 “em estreito contacto” com as autoridades portuguesas para a aprovação de um plano de reestruturação que assegurasse o “restabelecimento da viabilidade do banco”. Mas, “no outono de 2015, o Banif lançou um processo de venda em relação ao qual a Comissão recebeu poucas informações”, indica a Comissão.

Este processo de venda não conseguiu identificar investidores dispostos a adquirir o Banif sem novos auxílios estatais e, “subsequentemente, o Banco de Portugal colocou o Banif em resolução e determinou a estratégia de resolução, que consistiu na venda da empresa e numa transferência dos ativos do Banif para um veículo recém-criado (Oitante)”.

Segundo as respostas, “a Comissao alientou repetidamente a necessidade de desenvolver uma solução global para o Banif e empenhou-se num diálogo construtivo com Portugal para encontrar soluções compatíveis com as regras dos auxílios estatais”. E Bruxelas “estava disposta a continuar em 2016 qualquer novo plano de reestruturação que eventualmente lhe tivesse sido apresentado por Portugal para assegurar o regresso do Banif à viabilidade”.

“No outono de 2015, o próprio Banif lançou um processo de venda em relação ao qual a Comissão recebeu poucas informações. Esse processo foi concluído pelas autoridades portuguesas pela decisão de resolução de 19 de dezembro de 2015”, volta a frisar a Comissão.


* O governo de Passos/Portas dava "cobertura" ao engano...


.
.

Mon Laferte

Flor De Amapola

video

.
.
HOJE NO  
"A BOLA"
Real Madrid
Ronaldo doa os €600 mil 
de prémio da Champions
.
O avançado do Real Madrid e capitão da Seleção Nacional, Cristiano Ronaldo, encarregou o seu agente, Jorge Mendes, de encontrar uma organização de solidariedade para doar o seu prémio de 600 mil euros, verba a que cada um dos jogadores dos ‘merengues’ teve direito pela vitória na Champions League, avança o ‘L´Équipe’ esta quinta-feira.

O madeirense, de 31 anos, terá tomado a decisão mesmo antes da disputa da final, em Milão (Itália), diante do Atlético Madrid, ganha pelo Real Madrid no desempate por grandes penalidades (5-4, com o português a converter a decisiva), após o empate 1-1 ter permanecido inalterável durante o tempo regulamentar de 90 minutos e o prolongamento de mais meia hora.

O jornalista espanhol Pipi Estrada revelou que CR7 deu a indicação a Jorge Mendes «para distribuir o dinheiro pelos mais necessitados». 
 
* Nobreza de carácter

.
.
Boogie Storm

video

.
.
HOJE NO  
"AÇORIANO ORIENTAL"
ONG denunciam "verdades amargas" 
por trás das frutas tropicais

Várias organizações não-governamentais (ONG) lançaram uma campanha para denunciar violações dos direitos humanos nas plantações de fruta tropical, alertando para o facto de fornecedores de hipermercados como a cadeia alemã Lidl desrespeitarem os direitos laborais.
  .
Em Portugal, o projeto 'Fruta Tropical Justa', que envolve 19 parceiros de 17 Estados-membros da União Europeia, é coordenado pelo Instituto Marquês de Valle Flôr (IMVF) que lançou a petição 'Lidl, queremos um jogo justo' para promover a melhoria das condições de vida e económicas dos trabalhadores e o comércio justo.

Ana Mónica, técnica de projeto do IMVF, salientou que o Lidl faz parte do grupo Schwarz, a maior empresa de retalho da Europa, pelo que tem um impacto muito grande nas cadeias de abastecimento mundial.

“Qualquer mudança nas suas práticas vai-se refletir em todos os aspetos desta cadeia”, considerou, acrescentando que embora o Lidl já comercialize alguns produtos de comércio justo, “o que é positivo”, não o faz com a fruta tropical.

Um relatório da ONG internacional Oxfam Deutschland sobre a indústria da banana no Equador e do ananás na Costa Rica, designado 'Fruta doce, verdade amarga', atribui responsabilidades pelas condições desumanas nas plantações a vários supermercados alemães, entre os quais o Lidl, por forçarem a descida de preços pagos aos produtores e fornecedores.
.
“Enquanto as cadeias de supermercados verificam meticulosamente o aspeto e aparência da fruta importada, recusando o fornecimento de grandes quantidades ao mais pequeno defeito, encaram os critérios sociais e ecológicos de forma menos séria”, critica a Oxfam, num resumo do relatório divulgado pelo IMVF.

A Oxfam aponta ainda “diversas violações aos direitos humanos e direitos laborais na indústria do ananás na Costa Rica e na indústria da banana no Equador”, além do uso intensivo de pesticidas que prejudicam os trabalhadores das plantações e das pessoas que habitam nas proximidades.
Entre as 20 plantações investigadas no Equador, a Oxfam destaca o caso da empresa Matías, fornecedora do Lidl, na qual 90% dos trabalhadores declararam não querer formar um sindicato por medo de represálias.

Na Costa Rica, os trabalhadores filiados nos sindicatos são frequentemente afastados – como na Agricola Agromonte, que produz para as cadeias alemãs Lidl, Edeka e Rewe.

Também na Costa Rica, os trabalhadores da Finca Once, que fornece o Lidl e na Agricola Agromonte, que abastece o Aldi, Edeka e Rewu relataram condições laborais precárias.

A Lusa contactou o Lidl e aguarda um comentário.

* As grandes empresas de distribuição alimentar da Europa e dos USA não sobreviveriam se recusassem receber produtos de fornecedores esclavagistas que fazem fortunas em países pobres.

.
.
 O VERSO E O REVERSO



.
.


HOJE NO   
"DIÁRIO ECONÓMICO"

Combustíveis: 
descubra os postos mais baratos 
e os que deve evitar 

O Diário Económico analisou os postos onde é mais barato ou mais caro abastecer o depósito em todo o país, concentrando-se sobretudo nos distritos de Lisboa, Porto e Faro.


 Para tal, foram considerados os preços nos diferentes postos de combustível divulgados no site da Direcção Geral de Energia e Geologia (DGGE). 

* Viva o assalto!

.
.
 3-ECO

Reservas de água

mundiais

video


* As nossas séries por episódios são editadas no mesmo dia da semana à mesma hora, assim torna-se fácil se quiser visionar episódios anteriores.


.
.


HOJE NO 
"CORREIO DA MANHÃ"

Mais de 5.000 crianças terão sido
. capturadas por redes de tráfico 

Declarações da Ministra da Justiça. 

A ministra da Justiça alertou esta quinta-feira, a propósito das migrações para a Europa, que, no último ano e meio, foram dadas por desaparecidas 10.000 crianças, suspeitando-se que mais de metade tenha sido capturada por redes de tráfico. 


Francisca Van Dunem falava na 15.ª Conferência Regional Europeia da Associação Internacional de Procuradores (IAP), que juntou em Lisboa representantes de 24 países. Segundo a ministra, as situações recentes de êxodos de populações que aportam à Europa, em busca de refúgio ou em fuga de conflitos armados ou da morte e miséria, constituem "terreno fértil para as redes criminosas, que aproveitam para organizar "verdadeiros carregamentos de escravos". 

A titular da pasta da Justiça referiu que, entre as principais vítimas do tráfico, estão as mulheres e as crianças, sendo que muitas delas são utilizadas para exploração sexual ou exploração do seu trabalho em condições desumanas e degradantes. Homens são traficados para exploração laboral.
 .

A ministra Francisca Van Dunem apresentou dados de um relatório das Nações Unidas de 2014, que indica que 53% das vítimas identificadas nas rotas do tráfico de seres humanos são objeto de exploração sexual, 40% são submetidas a trabalho forçado, 0,3% a remoção de órgãos e 7% a outras formas de exploração. 

"Destas vítimas, 49% são mulheres, 21% meninas, 18% homens e 12% rapazes", acrescentou a ministra, enfatizando que 70% das vítimas do tráfico de seres humanos são mulheres. Por outro lado, explicou, os homens são, na maioria dos casos, traficados para exploração laboral, embora essa tendência não seja sistemática em todas as rotas de tráfico. 

Francisca Van Dunem admitiu que o tráfico de pessoas continua a ser de "difícil deteção autónoma", e defendeu que a sua erradicação passa por um "compromisso global". "Temos hoje legislação mais adequada, técnicas de investigação mais sofisticadas e sabemos mais sobre as redes, as rotas, as vítimas, os traficantes e os seus modos de atuação", disse, reconhecendo que a proximidade da ambiência do tráfico de pessoas com outros ilícitos, como auxílio à imigração ilegal, lenocínio ou escravidão, dificulta, por vezes, a qualificação jurídica deste crime. 

Também a Procuradora-Geral da República, Joana Marques Vidal, admitiu que há "dificuldades na classificação" desse crime, porque existe a tendência de integrar o tráfico de pessoas em outros ilícitos que são "mais fáceis de investigar". Joana Marques Vidal congratulou-se com o melhoramento da cooperação judiciária internacional no combate ao tráfico de pessoas e com o aumento do número de acusados pela prática daquele crime. 
 .

A PGR frisou ser preciso melhorar a investigação neste domínio, designadamente entre os órgãos de polícia criminal e o ministério Público, e apontou como deasfio aplicar as leis já existentes e utilizar os instrumentos disponíveis, como sejam a protecção de testemunhas e os depoimentos para memória futura. O presidente do Sindicato dos Magistrados do MP, António Ventinhas, afirmou que é "essencial que a Europa tenha uma actuação concertada, preventiva e global" para resolver o problema das migrações em massa e do tráfico de pessoas. "É igualmente crucial que a União Europeia continue a preservar a sua tradição humanista e não contemporize com a chantagem que diversos países pretendem efectuar a este respeito.

Os imigrantes não podem servir como moeda de troca para obter vantagens políticas ou económicas", sublinhou. Nesta conferência participaram ainda Gerhard Jarosch, presidente da IAP e o ex-comissário europeu da Justiça e Assuntos Internos António Vitorino.

* Considerar o "homem" um "ser humano" só pode ser eufemismo.

.
.

OH OLIVEIRA DA COSTA
QUE O BANCO LEVA A FLOR...










.
.
HOJE NO  
"OBSERVADOR"

Bastonário dos médicos diz que publicidade 
ao cálcio é “um comércio criminoso”

O bastonário da Ordem dos Médicos, José Manuel Silva, disse em Coimbra que a publicidade ao consumo de cálcio é "um comércio criminoso", que põe em causa a saúde pública dos portugueses.

O bastonário da Ordem dos Médicos (OM), José Manuel Silva, disse esta quinta-feira em Coimbra que a publicidade ao consumo de cálcio é “um comércio criminoso”, que põe em causa a saúde pública dos portugueses.
.

“A publicidade que é feita ao [consumo] de cálcio é lamentável, é um comércio criminoso que põe em causa a saúde pública dos portugueses, pela toma excessiva” do produto, afirmou José Manuel Silva, que falava à agência Lusa à margem do Fórum Ibero-americano de Entidades médicas, que teve início esta quinta-feira, num hotel de Coimbra, e que termina sábado.

“Com promessas de resultados, que não são fundamentados”, mas que “põem as pessoas a tomar cálcio quando não necessitam dele” e/ou em excesso, essa propaganda “traz problemas de saúde”, provocando inclusivamente doenças, advertiu.

A indústria farmacêutica, sem descontos — e é natural que os tenha tido –, de acordo com os preços de tabela”, investiu, em Portugal, “num ano, em publicidade de medicamentos de venda livre”, cerca de 710 milhões de euros, salientou o bastonário.

“A publicidade a medicamentos sujeitos a prescrição médica é proibida — e bem –, mas a publicidade a medicamentos de venda livre tem de ser limitada, tem de ser regrada, tem de ser honesta”, sustentou José Manuel Silva.

“Neste momento, a publicidade [a esses produtos] é desonesta”, é “enganosa” e “é contra isso que a Ordem do Médicos e a Ordem dos Farmacêuticos têm alertado”.
 .

Durante a sua intervenção na primeira sessão do fórum, sobre “Medicalização da vida e política de medicamentos”, na qual também participou Juan José Rodríguez Sendín, presidente do conselho geral da organização profissional dos médicos de Espanha (entidade homóloga da OM portuguesa), o bastonário considerou a publicidade ao cálcio tão “impressionante” de tal modo que “quase todos os portugueses andam a tomar cálcio”.

“É preciso pôr alguns limites a esta publicidade”, defendeu José Manuel Silva, reconhecendo, no entanto, que isso não é fácil, designadamente pelo facto de ela constituir “umas das principais receitas dos órgãos de comunicação social”.

Falando em castelhano (língua comum à maior parte dos participantes na reunião), o bastonário também alertou para a toma excessiva de antibióticos em Portugal, e de calmantes e psicotrópicos, designadamente por parte das crianças e jovens.

“Estamos a medicalizar excessivamente, há cada vez mais meninos a tomar psicotrópicos”, afirmou.
O bastonário da OM considerou também que “é necessária uma política não só nacional, mas internacional” para a medicalização, pelo menos ao nível regional (Europa, América Latina, por exemplo).
 .

O Infarmed (Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde) “usa todos os meios artificiais para atrasar a aprovação de novos fármacos”, disse ainda, por outro lado, José Manuel Silva, sublinhando que Portugal é um dos países da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico) com menor índice de acesso à inovação médica.

“Não estamos a fazer oposição aos governos, estamos a defender a medicina, os doentes e a saúde”, concluiu José Manuel Silva.

Também em Espanha, “todas as políticas são no sentido de promover o uso excessivo de medicamentos”, subscreveu Rodríguez Serín, apontando a publicidade e a falta de tempo imposta aos clínicos para as consultas médicas como duas das principais causas da situação.

* Há meses que nós denunciámos esta propaganda dizendo até que figuras públicas respeitáveis eram coniventes  com este negócio.

.