quarta-feira, 2 de março de 2016

UMA GRAÇA PARA O FIM DO DIA

.

.

I."PORQUE NÓS

FUGIMOS"!



2-A FUGA DA SÍRIA

video

* As nossas séries por episódios são editadas no mesmo dia da semana à mesma hora, assim torna-se fácil se quiser visionar episódios anteriores.

.
.

SISTEMA

FINANCEIRO

PORTUGUÊS



CLIQUE EM "Programa OLHOS NOS OLHOS"

Se no dia do programa, 1 de Março, não teve oportunidade de ficar mais esclarecido sobre o tema, dispense-se tempo para se esclarecer agora, este programa é extenso mas terrivelmente claro e polémico.
Fique atento às declarações do Dr. Alexandre Patricio Gouveia.

.
.
HOJE NO 
"A BOLA"

Arbitragem
José Gomes prepara candidatura
 à sucessão de Vítor Pereira
 .
José Fontelas Gomes, atual presidente da Associação Portuguesa de Árbitros de Futebol (APAF), está a preparar-se para avançar com uma candidatura à liderança do Conselho de Arbitragem, segundo noticia a Renascença.

Com 39 anos, José Fontelas Gomes surge assim como sucessor ao cargo atualmente desempenhado por Vítor Pereira, que já anunciou a saída da presidência do Conselho de Arbitragem em junho.

Ainda de acordo com a Renascença, Duarte Gomes, nome que também surgiu ligado a eventual candidatura à presidência do Conselho de Arbitragem, poderá avançar para a eventual sucessão a José Gomes na liderança da APAF.

* A ganância desmedida pelos lugares de "poleiro" nas estruturas nacionais do futebol, fazem-nos lembrar Blatter.

.
.
.
.
TADASHI


SHOJI

FASHION SHOW
OUTONO/INVERNO
2O15/2016

video


.
.
HOJE NO  
"DIÁRIO DE NOTÍCIAS 
 DA MADEIRA"

Associação Presença Feminina 
dá voz às mulheres que participaram 
na Guerra Colonial

Para assinalar o Dia da Mulher, no dia 8 de Março, a FNAC em parceria com a Associação Presença Feminina, dá voz às mulheres madeirenses que directa ou indirectamente participaram na Guerra Colonial. 
 .

Este encontro terá lugar às 16h30 e irá contar com a presença da jornalista Sofia Branco, autora do livro 'As Mulheres e a Guerra Colonial'.

Neste mesmo dia, pelas 18h30, Graça Alves irá apresentar o obra 'As Mulheres e a Guerra Colonial', da jornalista Sofia Branco, um livro que aborda a Guerra Colonial e a forma como esta mobilizou e transformou as mulheres portuguesas.

* Estamos com muita curiosidade de ler o livro, apesar de ter sido lançado o ano passado ainda não foi possível, a guerra colonial afectou mais de 80% das famílias portuguesas.

.
.


IV-GENOMA HUMANO
3 - DECIFRANDO O
MISTÉRIO DO CANCRO

video


* As nossas séries por episódios são editadas no mesmo dia da semana à mesma hora, assim torna-se fácil se quiser visionar episódios anteriores.

.
.

HOJE NO  
"DIÁRIO ECONÓMICO"

Decisão da ANAC obriga a mudanças 
no memorando de venda TAP

A deliberação da Autoridade Nacional da Aviação Civil (ANAC), que determinou que o grupo TAP está limitado na sua gestão até que sejam esclarecidas as dúvidas quanto ao controlo da empresa, vai obrigar a alterações ao memorando de entendimento assinado entre a Atlantic Gateway e o Estado. 

Ao que o Económico apurou, a posição do regulador deu novos argumentos a Pedro Marques, ministro do Planeamento e Infraestruturas para pressionar uma solução que seja mais favorável ao accionista Estado. O presença de David Neeleman em Lisboa será decisiva para chegar um entendimento, dizem as fontes ouvidas pelo Económico.
 .
ROTAS DA TAP
“Esta decisão da ANAC veio abrir uma questão complicada. O que está no memorando já não é suficiente para o que são as exigências da ANAC ou para Bruxelas”, diz fonte próxima do processo. Em causa estão, recorde-se, as dúvidas do regulador sobre quem manda efectivamente na TAP, o que não passa apenas pela participação de cada um dos accionistas – o que significa que o problema não fica solucionado com a entrega de 50% do capital do Estado, tal como previsto no memorando –, mas essencialmente pelos direitos económicos e acordos financeiros, operacionais e comerciais estabelecidos por cada um dos accionistas.

A deliberação do regulador será, assim, base da argumentação a usar por Pedro Marques que irá explicar a David Neeleman que “o Estado manda alguma coisa”. E o poder do Estado, numa altura em que vários responsáveis políticos têm dito, e repetido, que a maioria do capital é público, mas a gestão é privada, terá que ser agora definido a outro nível. “Não há dúvidas sobre os 50%, mas terá que ficar clarificado qual o papel do Estado no conselho de administração, o processo de nomeação da comissão executiva e as matérias em que o Estado tem voto de qualidade”, exemplifica a mesma fonte. Mas este é apenas um dos passos. Até porque, o tema dos direitos económicos será central da definição de quem manda efectivamente na companhia. E outra fonte diz mesmo, que o objectivo será manter separadas a gestão do dia-a-dia, que continuará nas mãos de Neeleman e Pedrosa, da gestão estratégica.

Assim, e no âmbito de um acordo de venda, que depois passará à prática por via de um acordo parassocial entre as partes, será preciso “tornar claros todos os preceitos, nomeadamente ao nível dos direitos económicos”, acrescenta outra fonte. “Tratar de clarificar, à partida, o que cada uma das partes pode fazer, nem mais nem menos do que está nos estatutos e no contrato das duas partes”, diz, acrescentando que tal exige “uma maior pormenorização no âmbito do pacto social e dos estatutos”. Ou seja, garantias a nível estatutário, o que obrigará a uma revisão dos estatutos da TAP.

No âmbito do memorando, recorde-se o Estado poderá ter até 18,5% dos direitos económicos da TAP, estando estes, no entanto, dependentes da subscrição por parte do Governo de cerca de 30 milhões de euros do empréstimo obrigacionista a realizar pela TAP.

Além disso, recorde-se, que as preocupações que a Bruxelas fez chegar à ANAC, fundamentam-se na decisão dos novos accionistas de avançarem com a renovação da frota da Portugália – que se passará a chamar TAP Express – com aviões que pertenciam à Azul, detida por David Neeleman, e que passam para a TAP em regime de leasing operacional, bem como os dois A330 que a companhia comprou à companhia aérea brasileira no mesmo registo. Acrescenta aqui o facto de os dois aviões irem ser usados no reforço da operação da TAP nos Estados Unidos, que se concretizará por via de uma parceria com a Jet Blue, companhia ‘low cost’ fundada por David Neeleman. 

O Económico procurou obter uma reacção por parte do ministro Pedro Marques, o que não foi possível até ao fecho desta edição. Também do lado do consórcio Atlantic Gateway não foi possível obter comentários.

* No caso da TAP existe uma oportunidade de o actual governo emendar a negociação mais do que suspeita da privatização da companhia.

.

TERESA PATRÍCIO GOUVEIA

.





O inominável

Em 40 anos de democracia nunca presenciei, como agora, um tal espectáculo de grosseria e despudor e de falta de respeito pelo serviço público por parte de um político com responsabilidades públicas.

Tive o privilégio de ter a colaboração do Professor António Lamas como Presidente do IPPC e, desde aí, pude, todos puderam, nos últimos 30 anos, acompanhar a sua brilhante carreira como universitário e gestor público.

Raríssimas vezes se veem reunidas numa mesma pessoa visão clara, capacidade de concretizar e um inabalável entusiasmo, gosto genuíno, pela obra e pela realização, como no caso de António Lamas.
António Lamas tem obra feita, nos vários cargos públicos que lhe foram cometidos.

Num dos últimos, o de presidente do Monte da Lua-Parques de Sintra, com base numa investigação rigorosa e um saber técnico assinaláveis, recuperou – também financeiramente – um dos mais valiosos e emblemáticos conjuntos patrimoniais portugueses.

A ele se deve também, em larga medida, a existência do Centro Cultural de Belém.
António Lamas acaba de ser publicamente insultado e despedido pelo membro do governo que tutela o CCB.

Desconhecemos – ninguém conhece, julgo – qual o argumento político ou de política cultural que fundamenta esta destituição. Não é conhecida até à data, ao governante, uma única ideia. Nada poderia, aliás, justificar o método e a linguagem destemperada e grosseira ouvida de um ministro.

Uma campanha contra o plano para o eixo Ajuda-Belém (que se encontra publicado e disponível para crítica e discussão) de que o Prof. António Lamas foi encarregue, através de uma Resolução do Conselho de Ministros, fora já iniciada sob falsos pretextos, neste caso o de ausência de contactos com a Câmara Municipal de Lisboa. Sei que os houve.

Podemos supor, supor apenas, as várias motivações, já que nenhum comentário substantivo quanto ao plano foi até hoje conhecido ou tornado público pelos seus opositores, que antes escolheram as armas do assassinato de carácter, o ataque pessoal, ou até a silenciosa obstrução burocrática, como a que foi feita, por quem a pôde fazer, ainda durante o anterior Governo.

O enunciado político e o processo são componentes essenciais da democracia. Na sua ausência, resta a gestão – o assalto – aos lugares, ao sabor da sofreguidão pessoal, da vinculação partidária ou de outras fidelidades.

Em 40 anos de democracia nunca presenciei, como agora, um tal espectáculo de grosseria e despudor e de falta de respeito pelo serviço público por parte de um político com responsabilidades públicas. Lamento ainda que seja a propósito de um tão digno servidor do Estado e tão honrado cidadão.

IN "OBSERVADOR"
01/03/16

.
.


797.UNIÃO


EUROPEIA



.
HOJE NO   
"CORREIO DA MANHÃ"

Contas da Saúde com défice de 259 ME 

Anterior governo previa 30 ME de prejuízos. 

O ministro da Saúde reconheceu esta quarta-feira que as contas do setor tiveram um fecho pior do que o esperado, em parte devido aos medicamentos inovadores, terminando com um défice de 259 milhões de euros, quando o anterior governo previa 30 milhões negativos. 

Adalberto Campos Fernandes falava na Comissão Parlamentar da Saúde, numa audição solicitada pelo PCP para debater o reforço da capacidade de resposta do Serviço Nacional de Saúde (SNS) e pouco antes do início de uma reunião conjunta das comissões da Saúde e de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa sobre o Orçamento do Estado para 2016. 
 .

Inicialmente, o ministro esperava fechar as contas de 2015 com um défice de 30 milhões de euros, segundo as contas previstas pelo anterior governo, mas os encargos associados à terapêutica inovadora para o tratamento da hepatite C, não previstos no orçamento inicial, bem como outros medicamentos oncológicos, ajudaram a disparar esse valor para os 259 milhões de euros. 

O ministro mostrou-se confiante no regresso dos médicos reformados através da medida que permite a estes clínicos auferirem 75 por cento sobre a pensão que recebiam no momento de saída. Escolha do número de horas de trabalho Para Adalberto Campos Fernandes, não é o só o dinheiro que justificará este regresso, mas sim algumas condições, como a possibilidade de escolherem o número de horas que pretendem trabalhar, bem como uma ou meia lista de utentes ao seu encargo. "Fomos tão longe quanto podíamos", disse o ministro, acrescentando que, pelos "sinais no terreno" que tem recebido, "muitos médicos" deverão voltar ao SNS. "O retorno parece evidente", disse. 

Sobre este regresso, Adalberto Campos Fernandes disse concordar com a deputada social-democrata Fátima Ramos, para quem a substituição de um médico com experiência por um outro com menos anos de trabalho não é a mesma coisa. "Médicos qualificados tratam melhor os doentes" e, logo, "os indicadores de saúde melhoram", disse o ministro. 

Na mesma resposta à deputada Fátima Ramos, que questionou Adalberto Campos Fernandes sobre o valor a pagar por hora extraordinária aos profissionais de saúde, o qual baixou durante o programa de assistência, este começou por dizer que "o anterior modelo foi errado", nomeadamente porque visava "compensar baixos salários com recurso excessivo ao trabalho extraordinário". Para o ministro, as horas extraordinárias devem ser isso mesmo: extraordinárias. Nesse sentido, pretende que representem três a quatro por cento da despesa com recursos humanos e não os atuais 12 por cento.

* Um défice mais de 8 vezes maior  do que o previsto, qualquer gestor duma empresa privada seria despedido e responsabilizado judicialmente por tal descalabro. Não tivemos atentados nem terramotos, a catástrofe foi a contabilidade aldrabada do governo anterior.


.
.
.
2.A ESPIRAL DA MORTE

 NO ÁRTICO E A BOMBA

RELÓGIO DE METANO


video

* As nossas séries por episódios são editadas no mesmo dia da semana à mesma hora, assim torna-se fácil se quiser visionar episódios anteriores.


.
.

3-UTOPIA E BARBÁRIE

HORRORES DE GUERRA

video

* As nossas séries por episódios são editadas no mesmo dia da semana à mesma hora, assim torna-se fácil se quiser visionar episódios anteriores.

.
.
HOJE NO
"OBSERVADOR"
Sabugueiro. 
Uma aldeia futurista no topo
 da Serra da Estrela

O Sabugueiro é uma das aldeias mais remotas do país mas, graças a um novo projeto, já tem fibra ótica e tecnologias que ainda não chegaram às cidades.

Fica perto do cume da Serra da Estrela e, para lá chegar, é preciso percorrer uma estrada sinuosa que serpenteia montanha acima. Atravessá-la pode ser uma dor de cabeça e simultaneamente uma aventura perigosa, em dias de neve ou nevoeiro. Estamos a falar do Sabugueiro, uma localidade do concelho de Seia e uma das aldeias mais remotas — e emblemáticas — do país.
 .

Mas se é difícil de chegar ao Sabugueiro, traga-se o Sabugueiro até nós. Ou melhor: ligue-se o Sabugueiro ao mundo (digital, claro). É que graças a um projeto da Câmara Municipal de Seia, em conjunto com a Fundação Vodafone e outros parceiros, esta pequena pérola no topo da montanha passou a ter um novo título: o de Aldeia Inteligente de Montanha.

Com um investimento a rondar os 300 mil euros, o projeto levou a fibra ótica até ao Sabugueiro e equipou a localidade com tecnologias que ainda não se encontram em qualquer lado, principalmente na área da “Internet das coisas”. Desde logo, o novo sistema de monitorização da saúde, OneCare Sensing, que permite aos profissionais do Lar e Residência Sénior da aldeia fazerem um acompanhamento contínuo da saúde dos utentes.
 .
Esse acompanhamento é feito com recurso a aparelhos de monitorização dos sinais vitais ligados por Bluetooth a um tablet Android. Cada utente tem um perfil no sistema, protegido com uma senha. As medições dos aparelhos ficam assim associadas ao a cada utente e são enviadas para a cloud, tornando-se imediatamente acessíveis a partir do Centro de Saúde de Seia.

Aí, um médico observa periodicamente os perfis destes utentes, fazendo uma apreciação e as devidas recomendações, quando necessário. Para já, e além do Lar da localidade (que é propriedade de uma IPSS, a Associação de Beneficência do Sabugueiro), outras 20 unidades terão sido instaladas em habitações do Sabugueiro.

Uma aldeia mais sustentável
Outro dos objetivos do projeto passou por tentar reduzir ao máximo o consumo de energia. E isso leva-nos de volta ao Lar do Sabugueiro, um dos edifícios que regista os maiores consumos energéticos na aldeia — cerca de 70 mil kW/ano. Foram instalados equipamentos de controlo de consumos que, ao longo do tempo, terão permitido traçar um perfil de consumos do edifício e cortar, em dois anos, 30% da despesa energética do Lar.

Tecnologias deste género foram também instaladas em várias habitações — 10% do edificado do Sabugueiro — e num dos postos de transformação responsáveis pelo fornecimento de energia aos habitantes da aldeia. A redução terá chegado a cerca de 2,4 kWh por dia.

A aldeia passou ainda a contar com iluminação pública através de lâmpadas LED — ao todo, terão sido instaladas 24 luminárias na aldeia –, bem como com um automóvel elétrico (Nissan Leaf) para, por exemplo, transporte da população até ao Centro de Saúde mais próximo. O projeto foi também responsável pela requalificação do Posto de Turismo do Sabugueiro que, antes disso, “era um espaço que não tinha dignidade para receber os turistas”, como referiu Célia Gonçalves, técnica da Câmara Municipal de Seia e coordenadora técnica do projeto da Rede das Aldeias de Montanha.
.
Entre outras soluções encontradas para a aldeia esteve a introdução de iluminação LED em redor da igreja local, bem como a instalação de tecnologias que permitem a gestão à distância do reservatório de água da localidade, bem como da estação de tratamento de águas residuais.

“Barreiras burocráticas” criaram dificuldades
A aplicação deste projeto não foi fácil do ponto de vista burocrático. Na apresentação do projeto — um evento que decorreu no Sabugueiro a 23 de fevereiro e onde também esteve presente José Mendes, Secretário de Estado Adjunto e do Ambiente –, foram várias as referências às “barreiras burocráticas” impostas pela Comissão Nacional de Proteção de Dados (CNPD).

A primeira referência partiu de Célia Gonçalves ainda antes da apresentação oficial, quando questionada se o sistema de monitorização era pioneiro no país. A coordenadora técnica referiu que “o facto de termos [tido] tanto tempo de espera por parte da CNPD mostra que estamos a falar de um projeto inovador”. E acrescentou: “Tem a ver com o acesso à informação dos dados dos doentes, [que] não é efetivamente um processo normal. É quase uma rede informal de cuidados de saúde e é um projeto pioneiro que obrigou a algum cuidado por parte da CNPD.”

No entanto, a principal tomada de posição partiu de Jorge Brito, presidente da Associação de Desenvolvimento Integrado da Rede de Aldeias de Montanha (ADIRAM), que falou de um “autêntico calvário” que teve de ser ultrapassado aquando da “implementação do sistema inteligente de monitorização de parâmetros de saúde”. Jorge Brito disse ter sido “difícil” e acrescentou que “neste projeto, tão qualificante como necessário para esta população — muitas vezes isolada e entregue a si mesma — deparámo-nos com uma CNPD pouco facilitadora na implementação deste projeto. E por muito que explicássemos o caráter experimental da iniciativa e a singularidade e a particularidade do Sabugueiro, a resposta era sempre a mesma”.
.

Nesse sentido, Jorge Brito dirigiu-se ao Secretário de Estado José Mendes, dizendo que “numa altura em que sabemos que uma das preocupações deste Governo é o programa Simplex+ — e que o Governo recolhe contributos por todo o país –, por favor leve esta nota do quão difícil foi implementar esta solução, do quanto melhora a vida das populações e que foi constantemente atropelada por burocracias e procedimentos sem sentido”.

O próprio presidente da Fundação Vodafone, Mário Vaz, não ficou alheio à questão, tendo referido a necessidade de “agilizar o enquadramento legal que conserva a integração de soluções tecnológicas nos processos tradicionais”. “É muito importante que estas barreiras burocráticas sejam ultrapassadas”, disse.

Num discurso de cerca de 20 minutos, José Mendes, Secretário de Estado Adjunto e do Ambiente, optou por referir a importância da conectividade proporcionada pela iniciativa: “Neste caso concreto, com o projeto que vimos aqui hoje, estamos a trabalhar muito a conectividade. E a conectividade [é] muito importante, porque é catalisadora para todas as outras dimensões do sucesso. Eu se estiver mais conectado consigo atrair investimento, consigo atrair talento — ou reter talento. Se tiver mais conectividade tenho mais possibilidades de ser mais sustentável. Se tiver mais conectividade consigo transmitir os meus valores de autenticidade — como é o caso da região — a potenciais turistas, por exemplo.” E acrescentou: “Estamos aqui a apostar fortemente na autenticidade e acho esta iniciativa absolutamente brilhante.”

Além da Câmara Municipal de Seia, da ADIRAM e da Fundação Vodafone, o projeto foi implementado em colaboração com a Unidade Local de Saúde da Guarda, com a Junta de Freguesia do Sabugueiro, com a Associação de Beneficência do Sabugueiro e com a Águas de Lisboa e Vale do Tejo.

* Se nunca subiu de Ceia até à Torre passando e parando no Sabugueiro perdeu um passeio magnífico.

.
.
JAZZLAND

CARMEN SOUZA

MAGIA CA TEM

video

.
.
HOJE NO  
"DIÁRIO DE NOTÍCIAS"
Vaticano é alvo "político, simbólico 
e religioso" dos terroristas

Serviços secretos admitem que Itália e o Vaticano "estão cada vez mais expostos" por serem um potencial "objetivo político, simbólico e religioso" 

Os serviços secretos italianos alertam que o risco da Europa sofrer novos atentados perpetrados por 'jihadistas' ainda é elevado, segundo um relatório entregue regularmente no parlamento italiano e hoje divulgado pelos 'media' locais.
 .
"Mantém-se elevado o perigo de novas ações no território europeu perpetradas por emissários, enviados, combatentes externos ou por militantes já presentes na Europa que recebem ordens e motivação de outras pessoas no estrangeiro", indicou o relatório, de acordo com a comunicação social italiana.

No documento assinala-se o potencial crescimento do espaço de manobra destes operacionais.
"Cresce a possibilidade de encontrarem espaço para novos ataques como os de Paris [13 de novembro de 2015], mas também as formas de coordenação horizontal entre micro células ou ações individuais pouco planeadas e, portanto, imprevisíveis", referiu o texto.

Os serviços secretos italianos advertiram de que Itália e o Vaticano "estão cada vez mais expostos" por serem um potencial "objetivo político, simbólico e religioso", recordando ainda as celebrações do Ano Santo da Misericórdia, assinalado no ano corrente.
.
No relatório, os serviços secretos aconselharam, entre outros aspetos, "uma avaliação cuidadosa da divulgação da ideologia 'jihadista' em circuitos radicais na Internet em Itália", porque grande parte dos utilizadores do espaço virtual são "muitos jovens e podem ser facilmente influenciados por opiniões ou por figuras carismáticas".

Também alertaram para a presença perigosa da rede terrorista Al-Qaida no mundo virtual, uma vez que pode intervir "como oposição" ao grupo extremista Estado Islâmico (EI).

Destacaram igualmente o peso cada vez maior das mulheres europeias no movimento 'jihadista', mencionando os casos de mulheres que se juntaram às fileiras 'jihadistas' e casaram com operacionais, bem como os casos de mulheres que são mães de combatentes.
.
No texto foca-se ainda que várias mulheres são responsáveis pelo recrutamento de novos elementos, especialmente através da Internet, e por vários aspetos logísticos, como o envio de dinheiro.
Para os serviços secretos italianos, o regresso dos combatentes 'jihadistas' estrangeiros aos respetivos países de origem é um assunto que requer uma "vigilância máxima".

Sobre o risco de que terroristas entrem no território europeu através da vaga migratória oriunda do norte de África, os serviços secretos italianos afirmaram que "não encontraram provas específicas" dessa possibilidade, admitindo, porém, "a vulnerabilidade da rota dos Balcãs para potenciais entradas".

* Embora sejamos contra costuma dizer-se que "amor com amor se paga". Convém não esquecer que no estado do Vaticano sobrevive a ditadura mais antiga do mundo e uma das mais ferozes de sempre.


.
.
DEMONSTRAÇÃO PRÁTICA

video

Físico norueguês demonstra como os objectos se movem mais rapidamente quando chegam a um ponto central
.
.
HOJE NO
"RECORD"

Já são conhecidos 
todos os nomeados dos Laureus

Os Laureus, conhecidos como óscares do desporto, divulgaram esta quarta-feira a lista completa de nomeados para a edição de 2016 dos prémios, que este ano são entregues em Berlim, a 18 de abril.
 .
Entre os principais destaques está o regresso de Michael Phelps, que está nomeado para a categoria de "Regresso do Ano". Novak Djokovic, vencedor da categoria de "Melhor Desportista do Ano" em 2015, volta a ser o principal favorito à conquista do prémio, mas deverá ter a forte concorrência de Steph Curry.

Cristiano Ronaldo, nomeado nas últimas duas temporadas, não aparece na lista para a gala deste ano.

Lista completa de nomeados:
Desportista Masculino do Ano:
Steph Curry (Basquetebol)
Novak Djokovic (Ténis)
Lewis Hamilton (Grã Bretanha)
Usan Bolt (Atletismo)
Jordan Spieth (Golfe)
Lionel Messi (Futebol)

Desportista Feminina de Ano:
Shelly Ann Frase Price (Atletismo)
Serena Williams (Ténis)
Carli Lloyd (Futebol)
Katie Ledecky (Natação)
Genzebe Dibaba (Atletismo)
Anna Fenninger (Esqui)

Equipa do Ano:
Mercedes (Fórmula 1)
Golden State Warriors (Basquetebol)
Nova Zelândia (Râguebi)
Estados Unidos (Futebol Feminino)
Barcelona (Futebol)
Grã Bretanha - Taça Davis (Ténis)

Regresso do Ano:
Michael Phelps (Natação)
Jessica Ennis Hill (Atletismo)
Lindsey Vonn (Esqui)
Dan Carter (Râguebi)
David Rudisha (Atletismo)
Mick Fanning (Surf)

Revelação do Ano: 
Seleção Chilena (Futebol)
Jason Day (Golfe)
Adam Peaty (Natação)
Max Verstappen (Fórmula 1)
Jordan Spieth (Golfe)
Tyson Fury (Boxe)

Melhor desportista paralímpico do Ano:
Pieter Du Preez (Ciclismo)
Marie Bochet (Esqui)
Liu Cuiqing (Atletismo)
Daniel Dias (Natação)
Omara Durand (Atletismo)
Leung Yuk Wing (Boccia)

Melhor desportista de ação do Ano:
Adriano De Souza (Surf)
Chloe Kim (Snowboard)
Jan Frodeno (Triatlo)
Rachel Atherton (BTT)
Bob Burnquist (Skate)
Mick Fanning (Surf)

* Lamentável não haver nenhum português.


.