quinta-feira, 18 de fevereiro de 2016

UMA GRAÇA PARA O FIM DO DIA

.

.
..

78-ACIDEZ 
FEMININA

TRANSOU E ELE

NÃO LIGOU


video

A IMPRESCÍNDIVEL TATY FERREIRA

* Uma produção "ACIDEZ FEMININA" - BRASIL

.
.


SEM MAIS 

DELONGAS


video


.
.
HOJE NO
"DESTAK"
Autarca de Vigo corta relações com o
. Porto e exige pedido desculpas

O alcalde de Vigo, Abel Caballero, anunciou hoje o corte de relações com o presidente da Câmara do Porto e exigiu a Rui Moreira um "pedido de perdão" à cidade galega pelo "insulto claríssimo e intolerável" de foi alvo. 
.

A posição do presidente da Câmara Vigo, tomada hoje em conferência de imprensa naquela cidade galega, surge na sequência da entrevista que Rui Moreira deu à revista Visão, hoje publicada, a propósito da intenção da TAP de criar uma ligação entre Vigo e Lisboa.

"Vigo sente-se como a salsicha fresca dentro de uma francesinha, com um aeroporto miserável e que percebeu que há um senhor americano em Lisboa que tem uns aviões a hélice parados", afirmou o autarca português quando questionado sobre o facto de o Porto ter conseguido dividir as cidades galegas e os seus três aeroportos em benefício do Sá Carneiro. 

* Assaz viperino.

.
.
XXXIX - O UNIVERSO

1- LUGARES PERIGOSOS

NO UNIVERSO

video


As nossas séries por episódios são editadas no mesmo dia da semana à mesma hora, assim torna-se fácil se quiser visionar episódios anteriores.


.
.
HOJE NO 
"i"

Mário Cruz entre os vencedores 
da World Press Photo

Não podia ser de outra forma. Já nos habituámos a esta condição. Ai do World Press Photo que se lembre de fazer uma edição sem premiar um português – mais ou menos, já que esta é apenas a quinta vez que um português é distinguido; antes de Cruz tinham sido Eduardo Gageiro, Carlos Guarita, Miguel Barreira e Daniel Rodrigues.


Ainda assim, que ninguém tome isto como uma ameaça já que isto não passa de um lembrete. O mesmo que nos relembra que no ano de 2015 o maior concurso de fotojornalismo do mundo voltou a premiar um fotojornalista nacional. Falamos de Mário Cruz, fotógrafo da Agência Lusa, que conquistou o primeiro lugar na categoria Temas Contemporâneos.

O fotojornalista de 28 anos seguiu um grupo de crianças, dos 5 aos 15 anos, no Senegal e Guiné-Bissau, que nunca viveram de outra forma que não em escravatura. Os talibés, como são conhecidos, são educados em escolas islâmicas e obrigados a pedir esmola durante todo o dia. Os seus ganhos diários revertem a favor dos professores, patrões agressores, donos, talvez. “Talibes, Modern-day Salves” foi o nome que Mário Cruz deu ao trabalho e que é agora publicada pela “Newsweek”.
.
Warren Richardson foi o grande vencedor desta edição do World Press Photo. A fotografia vencedora revela dois refugiados a tentar fazer passar um bebé por um pequeno buraco da vedação, na fronteira entre a Sérvia e a Hungria. 

De resto, este foi o tema que dominou com a competição. Não seria de esperar outra coisa.

* É essencial que os fotógrafos continuem a fotografar a verdade, por mais cruel que seja.


.
.



7-O VENENO ESTÁ NA MESA


AGROTÓXICOS


video


As nossas séries por episódios são editadas no mesmo dia da semana à mesma hora, assim torna-se fácil se quiser visionar episódios anteriores.

.
.

HOJE NO
"A BOLA"
Natação
«Luto contra problemas mentais 
desde a adolescência» - Ian Thorpe
 .
O nadador australiano Ian Thorpe, 33 anos, admitiu lutar desde a juventude contra uma depressão, que em 2014 determinou o seu internamento num hospital de Sydney, depois de ser encontrado a vaguear nas ruas.

«Sou um dos que lutam contra problemas mentais desde a adolescência. Quem me vê não consegue perceber o meu sofrimento nem compreender os meus problemas interiores», escreveu Thorpe numa coluna de opinião no jornal Huffington Post Australia, no âmbito de uma campanha de sensibilização para os problemas de saúde mental entre os jovens, apadrinhada por Kate Middleton, mulher do príncipe William, de Inglaterra.

«Sei que sofro de depressão, mas ela não vai definir a minha vida», afiançou O Torpedo.

Thorpe regressou à competição em 2012, depois de interregno de cerca de seis anos.

* Respeitamos a coragem por ter revelado uma situação tão íntima.

.

PAULO DE ALMEIDA SANDE

.



O fim dos jornais

Por vezes sentimos isso. Pensamos neles. Mas às vezes, outras vezes, reflectimos sobre o futuro do quarto poder. A independência dos jornais é atributo fundamental dos regimes livres.

“A notícia da minha morte é manifestamente exagerada”, disse um dia em entrevista Samuel Langhorne Clemens, aliás Mark Twain.

Vem isto a propósito das notícias que, sucessivamente, nos dão conta das dificuldades vividas pelos jornais impressos do Mundo; a mais recente proveio do dono do Indy, petit nom do “The Independent”, um jovem jornal britânico fundado em 1986, politicamente de esquerda, economicamente pró-mercado, editorialmente “livre de preconceitos partidários e da influência do proprietário”, lema que ostentou na primeira pagina até 2011. Evgeny Lebedev, o tal proprietário, anunciou há dias que “The Independent” e “The Independent on Sunday” deixam de se publicar em papel em finais de Março. O destino: o reforço da publicação digital.

Em Portugal, as notícias sobre a vida e morte dos jornais – ou do seu emagrecimento (também conhecido como despedimentos) – comovem pouca gente, tal a sua frequência. No ano que passou, por exemplo, o jornal “I” e o “Sol” sofreram um processo de reestruturação, com fusão de redacções e redução a um terço do número dos trabalhadores (quase todos jornalistas). E são recorrentes as notícias pondo em dúvida o futuro de jornais como o Público, que se diz dar prejuízo desde praticamente a fundação, apesar de ser (ou ter sido) um dos jornais de maior qualidade publicados em Portugal; ou o Diário de Notícias, ao sabor da mudança dos directores, a recordar-nos nomes como Augusto de Castro, durante o Estado Novo, o director-adjunto José Saramago em 1975, e ainda Cunha Rego, Mário Mesquita, Mário Bettencourt Resende.

Entre os raros títulos aparentemente imperturbados estão os desportivos, que parecem imunes a ventos, tempestades e mercado; ou talvez não, talvez seja sobretudo o mercado que os garante, assente no fenómeno chamado futebol. Dos outros, generalistas ou não, destacam-se o Expresso e o Correio da Manhã (CM): pode atribuir-se o sucesso do Expresso à tradição, com muita gente a manter o hábito de sair de casa sábado de manhã para comprar um exemplar, guardado e lido (às vezes) ao longo da semana; quanto ao CM releva a natureza das notícias, banhadas em sangue e sexo (para além de se tratar de um jornal muito bem feito do ponto de vista jornalístico). Mas mesmo esses, com tempo e na proporção inversa do predomínio do digital, correm sérios riscos.

Os jornais não são produtos como os outros. A sua matéria prima principal não é a terra, os produtos químicos, minerais ou vegetais. São os factos: os acontecimentos políticos, económicos, sociais; a vida das pessoas; os acidentes e incidentes do dia a dia. Os jornalistas investigam, analisam, sintetizam e transformam esses factos em notícias. Os leitores consomem-nas com os olhos, com as mãos e, sobretudo, com o cérebro e o coração. Os jornalistas são trabalhadores do concreto da vida, que desmaterializam e transformam em alimento para o espírito.

Assistimos nos últimos meses, com pena e preocupação, ao estertor de um título importante do jornalismo económico em Portugal: o Diário Económico (e o seu prolongamento audiovisual, o Económico TV). Como acontece com muitas empresas em dificuldades, chegam-nos ecos de salários em atraso, do passivo, de penhoras, da falta de compradores; explicam-nos que o fim do BES e os problemas da PT “secaram” o financiamento da Ongoing, dizem-nos que o único potencial comprador exige um corte substancial da dívida e uma prévia reestruturação do jornal (isto é… despedimentos).

Ouvimos e lemos o jornal, feito por profissionais com salários em atraso e um futuro pessoal sombrio, lemos as notícias que escrevem e pensamos no rumo que as coisas têm tomado. Por vezes, quando lemos textos pungentes deles, ou sobre eles, apelos desesperados, dignos e apaixonados, profundamente humanos, que nos chegam quase sempre, ironicamente, por via digital – em redes sociais, blogs, jornais electrónicos – sentimo-nos solidários com essa gente corajosa e digna, que continua a escrever por dever de ofício e imperativo de consciência, a informar-nos, a transformar os factos em notícias.

Por vezes sentimos isso. Pensamos neles. Mas às vezes, outras vezes, reflectimos sobre o futuro do quarto poder. A independência dos jornais é atributo fundamental dos regimes livres. Sem liberdade de imprensa, nenhuma democracia é digna desse nome. É certo que há, como desabafou uma amiga minha – ex-jornalista desiludida – maus jornalistas, maus jornais, má informação. Jornalistas venais, que fazem fretes, que servem patrões com agenda. Como há, sabemo-lo bem, excelentes jornalistas, excelentes jornais, excelente informação. Jornalistas honestos, de camisola vestida com os dizeres veritas omnia vincit (a verdade acima de tudo).

Mas independentemente da qualidade e da honestidade dos profissionais, o risco do desaparecimento dos jornais é real. Sejamos claros: é dos jornais impressos que se trata. O Indie não faz senão seguir exemplos anteriores, como o do Huffington Post ou, entre nós, deste excelente Observador. Não nos enganemos pois, o que se está a passar obedece á inevitável lei da mudança, propulsionada pela evolução tecnológica, induzida pela transformação dos hábitos dos leitores. E continuará sempre a haver espaço para as velhas tecnologias. Não deixará completamente de haver notícias escritas sobre papel impresso. Vídeo killed the radio star, cantaram em 1979 os Buggles, não sem razão. Mas ouvir uma canção com ouvidos de ouvir, despojada da distracção frenética das imagens dos modernos videoclips, separa o trigo do joio, uma grande voz duma figura animada que canta.
Destruição criativa, chamou-lhe Shumpeter.

Jornais e jornalistas terão de se adaptar ao maravilhoso Mundo novo digital sem pôr em causa a verdade e a qualidade das notícias. Também nessa nova realidade, os bons jornalistas, os que investigam e se interrogam, servindo a verdade que vence acima de tudo, serão naturalmente separados dos maus, dos venais, pelo julgamento dos leitores. O tempo é de transformação e de adaptação, esse é o desafio. Mas o tempo continua a ser da qualidade, do profissionalismo e da verdade.

Como bem frisou o já citado Mark Twain, aliás Samuel Clemens: “para aqueles que têm apenas um martelo como ferramenta, todos os problemas parecem pregos”.

PROFESSOR DO INSTITUTO DE ESTUDOS POLÍTICOS DA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA

IN "OBSERVADOR"
15/02716

.
.
HOJE NO  
"AÇORIANO ORIENTAL"

Ministro da Agricultura 
defende "suspensão temporária" dos
. embargos europeu e russo

O ministro da Agricultura, Capoulas Santos, defendeu, em Ponta Delgada, ser desejável uma "suspensão temporária" dos embargos da Rússia à Europa e o contrário, assim como a abertura de novos mercados para o escoamento dos produtos agrícolas.
  .

"Penso que era desejável sem que, naturalmente, a Europa venha a trocar valores por atividade económica [...], estabelecer uma trégua, isto é, uma suspensão temporária do embargo que permitisse à Rússia e à Ucrânia, em clima de maior serenidade, encontrarem soluções constitucionais para os problemas que os afetam", afirmou Capoulas Santos.

O governante falava aos jornalistas após uma reunião com o secretário regional da Agricultura e Ambiente, Luís Neto Viveiros, para analisar o setor agropecuário e agrícola dos Açores.
O ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural reconheceu que o problema que se vive no setor do leite "preocupa seriamente", considerando ser uma "situação insustentável e para a qual tem de ser encontrada uma solução".

"Existe um grande desequilíbrio no mercado entre a oferta e a procura, fruto de um conjunto de circunstâncias, muitas delas são totalmente exteriores ao nosso país e até à União Europeia", assinalou, considerando a necessidade de o país manter intacto o aparelho produtivo do leite.
Os Açores, com 2,5% do território nacional, produzem cerca de 30% do leite do país e 50% do queijo. Metade da economia açoriana assenta na agropecuária e, dentro dela, o leite pesa mais de 70%.

Segundo Capoulas Santos, Portugal, "fruto da modernização nos Açores, sobretudo, mas também no continente, que se operou neste setor", tem pouco mais de cinco mil produtores, "que são empresas bem apetrechadas, para as quais os agricultores investiram muito", pelo que é um aparelho que não se pode "deixar que seja destruído".

"Mas a situação é difícil, porque há um conjunto de fatores externos que a determinam, entre elas o embargo russo", um assunto que está "muito acima dos ministros da Agricultura" da União Europeia, notou.

Capoulas Santos adiantou que esta situação determinou uma sua deslocação a Moscovo há cerca de duas semanas, na qual foi recebido pelo Governo russo, tendo manifestado "a boa vontade de Portugal em contribuir para encontrar uma solução".

"É um outro patamar de decisão política, mas é por aí que passam também os problemas", observou o ministro, defendendo, por outro lado, a necessidade de abrir novos mercados.

Para Capoulas Santos, há que "encontrar fluxos de escoamento dos excedentes europeus", referindo não ser necessário que sejam os Açores a exportar diretamente, mas se "outros países que estão neste momento a inundar o mercado europeu o fizerem, abrirão espaço para que os preços possam subir".

O ministro anunciou ainda ter convidado o secretário regional da Agricultura e Ambiente a estar presente no próximo Conselho Europeu de Ministros da Agricultura, agendado para março, em Bruxelas, onde vai ser debatido o setor do leite.

* Não concordamos com o levantamento do embargo  à Rússia, ditadura feroz mascarada de democracia, a economia não pode atropelar a ética.

.
.
Rumo a uma nova era industrial

video



* Uma produção "EURONEWS"

.
.
IV-AMBIENTE FEROZ

4-TORNADO

video


* As nossas séries por episódios são editadas no mesmo dia da semana à mesma hora, assim torna-se fácil se quiser visionar episódios anteriores.


.
.
HOJE NO  
"DIÁRIO ECONÓMICO"

Vítor Constâncio ganhou mais de 900 euros por dia no BCE em 2015

Os salários dos principais responsáveis do Banco Central Europeu (BCE) aumentaram no ano passado. Quer Mario Draghi quer Vítor Constâncio viram as suas remunerações aumentar 1,6% em 2015, acima da taxa de inflação da região que se situou em 0%. 
.
O presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, ganhou 385.860 euros em 2015, 1,64% mais do que no ano anterior, indicou a instituição no seu relatório anual publicado hoje. O líder do BCE levou para casa mais de 1057 euros por dia.

Já a remuneração base de Vítor Constâncio foi de 330.744 euros, também um aumento de 1,64% em relação a 2014, precisou o BCE. O vice-presidente do Banco Central Europeu recebeu mais de 900 euros por dia.

No total, a remuneração base do conselho executivo do BCE foi de 1.819.020 euros em 2015, quando tinha sido de 1.776.789 euros em 2014.

O BCE tinha no final do ano passado 2.871 funcionários, mais 294 do que um ano antes.

Em 2015, o lucro líquido do BCE subiu para 1.082 milhões de euros, mais 9,4% em relação a 2014 e o balanço do banco central foi de 257 mil milhões de euros, uma subida de 38,9%.

Os ganhos em operações financeiras ascenderam no ano passado a 214 milhões de euros (57 milhões em 2014).

O conselho de governadores decidiu no final de janeiro distribuir parte dos lucros pelos bancos centrais da zona euro e na sexta-feira decidirá atribuir os lucros restantes, no valor de 270 milhões de euros.

* SALÁRIOS PORNOGRÁFICOS!


.
.
Sara Tavares

Nha Cretcheu

video


.
.
HOJE NO 
"CORREIO DA MANHÃ"

Tribunal Europeu 
condena Estado português 

Alegadamente a Relação de Lisboa não notificou arguido. 

O Tribunal Europeu dos Direitos do Homem condenou o Estado português a pagar 3.250 euros a um arguido por este não ter sido notificado do acórdão do Tribunal da Relação de Lisboa (TRL) e o caso transitar em julgado. 
 .

No acórdão de 2 de fevereiro, a que a Lusa teve esta quinta-feira acesso, o Tribunal Europeu dos Direitos do Homem condenou o Estado a pagar uma indemnização de 3.250 euros por danos morais. O Tribunal Europeu conclui que foi violado um artigo da Convenção Internacional dos Direitos do Homem, segundo o qual todos os cidadãos têm direito a que as suas causas sejam analisadas, de forma ponderada, por um tribunal independente e imparcial. 

No recurso enviado em 2011 pelo advogado, Vítor Carreto, e a que a Lusa teve agora acesso, o queixoso, a cumprir uma pena de 15 anos por abusos sexuais no Estabelecimento Prisional da Carregueira, refere que "nunca foi notificado a tempo de interpor recurso da decisão de 21 de setembro de 2010 do TRL", a quem recorreu após ter sido condenado na primeira instância. 

Na exposição ao Tribunal Europeu, explica que o seu anterior advogado foi notificado daquele acórdão em 22 de setembro de 2010, mas nunca o visitou nem o informou da decisão, de que só viria a ser notificado a 2 de novembro daquele ano, após o processo ter transitado em julgado. 

Depois de constituir outro advogado, a 29 de novembro de 2010, o queixoso ainda recorreu da decisão para o Supremo Tribunal de Justiça (STJ) que, por sua vez, não admitiu o recurso sob o argumento de que o acórdão não tinha de ser notificado na pessoa do queixoso. Portugal defende que acórdão foi dado a conhecer ao arguido através do seu advogado 

Por não poder recorrer do acórdão do TRL e não ter direito a defesa atempadamente, o arguido decidiu apresentar queixa contra Portugal no Tribunal Europeu dos Direitos do Homem. Em Estrasburgo, Portugal voltou a defender que o acórdão do TRL foi dado a conhecer ao arguido através do seu advogado e teria de ser o queixoso a provar que o seu defensor não o informou da decisão, devendo para tal queixar-se de que foi vítima de negligência à Ordem dos Advogados. 

Os argumentos não convenceram o Tribunal Europeu, para quem o STJ deveria ter aceitado os argumentos e o recurso do arguido, sem neste caso aplicar a regra de que o prazo para recurso conta a partir da data de notificação do acórdão ao advogado. 

* Esta semana é a segunda vez que a justiça europeia zurze na portuguesa, não é bom sinal.

.
.
CARROS
TELECOMANDADOS

video

.
.
HOJE NO 
"OBSERVADOR"

OCDE. 
Economia mundial vai crescer 
ao ritmo mais lento dos últimos 5 anos

A OCDE reviu em baixa as previsões para o crescimento da economia mundial. Aponta para focos de instabilidade financeira e fraca procura. E pede políticas mais amigas do crescimento.

A economia mundial não vai crescer mais este ano do que em 2015. O crescimento deverá mesmo registar o ritmo mais lento dos últimos cinco anos, de acordo com as previsões da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico) que apontam agora para um crescimento de 3% da economia mundial em 2016 e de 3,3% no ano seguinte.

A OCDE reviu em baixa as previsões, com base na fraqueza do comércio e do investimento e numa procura deprimida que arrasta a inflação. A projeção pondera ainda um aumento inadequado nos níveis de emprego e dos salários.

As previsões atuais estão bem abaixo das médias de longo prazo e, segundo a OCDE, esta variação da riqueza mundial é inferior à que seria esperada numa fase de recuperação nas economias avançadas. Também o crescimento das economias emergentes está a perder força. A organização com sede em Paris está preocupada com esta evolução e pede respostas globais focadas em políticas orçamentais pró-crescimento.

Para a OCDE, confiar apenas em políticas monetárias (como as conduzidas pelo Banco Central Europeu) “demonstrou ser insuficiente para estimular a procura e produzir um crescimento satisfatório, sobretudo quando a política orçamental continua a ser contracionista em várias das economias importantes onde o movimento de reformas estruturais abrandou.”.

A revisão em baixa das previsões de crescimento, face aos números avançados em novembro de 2015, é geral, mas tem maior impacto nos Estados Unidos, onde o produto deverá crescer 2%, na zona euro, com um crescimento previsto de 1,4%, bem como nas economia mais dependentes de matérias-primas como o Brasil e o Canadá.

Eis as estimativas de crescimento para as principais economias mundiais:

Países 2016 2017
Estados Unidos 2% 2,2%
Zona euro 1,4% 1,7%
Alemanha 1,3% 1,7%
França 1,2% 1,5%
Reino Unido 2,1% 2%
Brasil – 4%

China 6,5% 6,2%

A organização com sede em Paris avisa ainda que os riscos da instabilidade financeira são “substanciais”, como tem sido demonstrado pelas recentes quedas nos preços de ações e das obrigações. São ainda feitos alertas para a crescente vulnerabilidade das economias emergentes e para volatilidade dos fluxos de capital e dos seus efeitos nas dívidas domésticas elevadas.

“As perspetivas globais de crescimento estão praticamente estagnadas. Os números recentes desapontaram e os indicadores apontam para um crescimento mais lento nas principais economias, apesar dos incentivos dados pelo petróleo barato e pelas baixas taxas de juro”, afirma a economista-chefe da OCDE, Catherine L. Mann.

Dados os riscos significativos colocados pela volatilidade do setor financeiro e pelo mercado de dúvida dos países emergentes, há a “necessidade urgente” de uma abordagem global mais forte, focada numa maior utilização de políticas estruturais e orçamentais que incentivem a economia de forma a fortalecer o crescimento e diminuir os riscos financeiros.

* Temos muitas dúvidas sobre as previsões anunciadas, a Alemanha está em crise financeira, disfarça é bem, além de querer a sangria dos países periféricos.

.
.
 COMO NOS SENTIMOS DEPOIS 
DE UM FILME COMPRIDO 
OU DE TERROR E VAMOS AO WC













.
.
HOJE NO 
"DIÁRIO  DE NOTÍCIAS"
Cavaco condecora António Sousa Lara

Presidente da República homenageou, o antigo subsecretário de Estado da Cultura, que impediu Saramago de se candidatar ao Prémio Literário Europeu, com o livro O Evangelho segundo Jesus Cristo

António Sousa Lara foi esta tarde agraciado com a Ordem do Infante D. Henrique, destinada a "quem houver prestado serviços relevantes a Portugal, no país e no estrangeiro".
 .
O professor catedrático do Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas (ISCSP) foi subsecretário de Estado da Cultura (entre 1991 e 1992) e a sua passagem pelo governo chefiado por Cavaco Silva ficou marcada pelo veto à candidatura do livro de Saramago, O Evangelho segundo Jesus Cristo, ao Prémio Literário Europeu. Na altura Sousa Lara disse que a obra "não representava Portugal". Enquanto Saramago - que viria a ser consagrado Prémio Nobel da Literatura em 1998 - acusou Sousa Lara e Cavaco Silva de "censura".

Na cerimónia de hoje, o assunto foi naturalmente abordado, com o professor catedrático a desvalorizar o sucedido, defendendo a conotação ideológica do Governo na época. "Um Governo tem uma conotação ideológica, não tem que agradar a toda a gente, é um Governo da maioria contra a minoria em última análise. Toma medidas polémicas que democraticamente sufragadas têm de ser aceites", sublinhou Sousa Lara, que acredita ter recebido esta distinção pela sua carreira de docente.

Condecorados foram também a Casa do Artista, o professor catedrático e membro do Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida, Michel Renaud, os professores catedráticos Alberto Duarte Carvalho e António Costa de Albuquerque de Sousa Lara e Miguel Telles Antunes.

O músico e compositor Jorge Fernando da Silva Nunes, o docente universitário, jornalista e comentador Nuno de Assis Simões da Costa Rogeiro e o fundador da AESE Business School (Associação de Estudos Superiores de Empresa), José Luiz Carvalho Cardoso, foram outros dos agraciados por Cavaco Silva.

* Condecorar Sousa Lara é absolutamente nojento, sugerimos condecorar Silva Pais a título póstumo.

.
.
DOUTRO SÉCULO
I - ARMAS, GERMES E AÇO
AS RAÍZES DO PODER
2- SAÍNDO DO JARDIM DO ÉDEN

video



* As nossas séries por episódios são editadas no mesmo dia da semana à mesma hora, assim torna-se fácil se quiser visionar episódios anteriores.
.