segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016

UMA GRAÇA PARA O FIM DO DIA

.

.
13-HISTÓRIA DO 

(CONTRA)



* As nossas séries por episódios são editadas no mesmo dia da semana à mesma hora, assim torna-se fácil se quiser visionar episódios anteriores.

.
.


 9-D. QUIXOTE



* As nossas séries por episódios são editadas no mesmo dia da semana à mesma hora, assim torna-se fácil se quiser visionar episódios anteriores.


.
.
HOJE NO
"DIÁRIO ECONÓMICO"

Concessão de crédito automóvel atinge
. valor recorde em Dezembro

No último mês de 2015 foram concedidos um total de mais de 189 milhões de euros de empréstimos para a compra de carro revelam dados divulgados hoje pelo Banco de Portugal.

O último mês do ano passado, registou-se uma quebra ligeira no total de crédito aos consumidores concedido pelo sistema financeiro português. Dados do Banco de Portugal divulgados hoje indicam que em Dezembro foram concedidos pelos bancos portugueses e pelas instituições de crédito especializado cerca de 485 milhões de euros de crédito aos consumidores. Este montante representa uma quebra de 2,4% face aos mais de 497 milhões de euros concedidos no mês anterior.
 .

Foi notória uma diminuição nos montantes de concessão nas diferentes categorias de empréstimos. A única excepção foi o crédito para a aquisição de automóvel que nesse mês registou um incremento de 12,7%, para atingir um total superior a 189 milhões de euros. Em Novembro, o valor tinha-se fixado em 169 milhões de euros. O valor total do crédito automóvel concedido em Dezembro é o mais elevado desde pelo menos o início de 2013, período a que remonta o histórico disponibilizado pela instituição liderada por Carlos Costa.

De salientar que Dezembro é tendencialmente um período em que se vendem mais veículos automóveis, razão que poderá ajudar a explicar o acréscimo do montante da concessão de crédito com essa finalidade registado nesse mês.

Esse aumento segue ainda uma tendência par aa recuperação das vendas de automóveis registada no ano passado. Dados da ACAP - Associação Automóvel de Portugal apontam para um crescimento de 7,7% nas vendas de carros em Portugal no ano passado.

Em termos acumulados, o crédito automóvel concedido em 2015 ascendeu a 1,8 mil milhões de euros. Mais 40,7% face aos 1,3 mil milhões financiados em 2014.

Em termos globais, e apesar da quebra da concessão registada em Dezembro, o crédito aos consumidores ascendeu a perto de 5,1 mil milhões de euros, superando em 22,5%, o montante total concedido em 2014. 
Um aumento que acompanha a recuperação do mercado de crédito que se vem a sentir em Portugal.

* A recuperação do mercado de crédito de consumo não é a recuperação da economia, é endividamento!

.
.


 MINUTOS DE

CIÊNCIA/88


MATEMÁTICA ENEM

TEOREMA DE PITÁGORAS



.
.
HOJE NO    
"CORREIO DA MANHÃ"

Governo dos Açores favorece advogados 

Só advogados que não processaram governo se podem candidatar.

 Cada vez que o Governo Regional dos Açores contrata serviços jurídicos, recorre à sociedade Borges da Ponte, Linhares Dias & Associados, escritório onde o presidente do governo socialista, Vasco Cordeiro, estagiou como advogado e que era liderado pelo ex-deputado socialista Ricardo Rodrigues, de onde saiu em 1999. 
 .

As regras internas ditam que apenas sejam contratados advogados ou juristas que nunca tenham processado a administração pública regional. A orientação do presidente do governo encaixa assim neste e em poucos mais escritórios de advocacia dos Açores. 

Questionado pelo CM, Vasco Cordeiro nega qualquer tipo de favorecimento por já não ter "ligação a esse escritório de advogados" e por nunca ter sido sócio da referida sociedade. O presidente do governo regional explica ainda que, desde 2012, altura em que tomou posse enquanto presidente do XI Governo Regional dos Açores, foram contratados outros escritórios da região e do Continente. 

Contudo, o chefe do governo açoriano não esclarece se esses escritórios de advogados contam com o mesmo volume de contratos. Entre 2008 e 2012, o governo, empresas públicas e câmaras municipais açorianas (socialistas) celebraram vinte ajustes diretos com esta sociedade de advogados no valor de 1,1 milhões de euros. 

Vasco Cordeiro estagiou na sociedade de advogados entre 1998 e 2003, na mesma altura em que Linhares Dias, um dos atuais sócios do gabinete, era também advogado estagiário. Em dezembro de 2003, ao ser nomeado secretário regional da Agricultura e Pescas do VIII Governo Regional dos Açores, Cordeiro solicitou a suspensão da inscrição na Ordem dos Advogados. Ao CM, Ricardo Rodrigues, homem-forte do governo dos Açores até 2004, não quis fazer comentários sobre a contratação pública.

* Se a memória não nos falha Ricardo Rodrigues era um sr. deputado que subtraíu dois gravadores  a  jornalistas da SÁBADO em S.Bento. Os Açores são uma ilhas tão lindas, com homens e mulheres da cultura tão grandes e políticos tão fraquinhos.

.
.

I-TERRA SÚOR 

E TRABALHO

1- FRUTAS E LEGUMES




.
.
HOJE NO
"DIÁRIO  DE NOTÍCIAS
DA MADEIRA"

Violência doméstica foi o crime 
mais investigado pela comarca 
de Lisboa em 2015

Os crimes de violência doméstica e de cibercriminalidade foram os fenómenos criminais mais investigados em 2015 pelo Ministério Público da comarca de Lisboa, segundo o relatório anual hoje divulgado.
 .
O relatório da comarca de Lisboa do ano 2015, publicado na página da internet do MP, adianta que foram registados 2.684 inquéritos de violência conjugal ou equiparada, sendo 2.298 inquéritos contra homens e 386 contra mulheres.

Dos 2.684 inquéritos instaurados, 1.708 foram arquivados e 249 resultaram em acusação.

* Os bárbaros domésticos e os da net.

.

MARGARIDA VIEITEZ

.





De que mulheres 
é que eles gostam?

Para os homens as coisas são tão simples quanto fazer uma “pizza”. O amor é simples. As relações são simples. O sexo é simples. As mulheres é que complicam tudo! Se é mulher, leia com atenção!

Será que eles preferem mesmo as mais bonitas, ou a beleza exterior para os homens, tal como os iogurtes, tem prazo de validade?

Afinal que mulheres eles querem e gostam?

Enquanto elas procuram uma “salada de frutas” de afetos, atenção, romantismo, altruísmo e diálogo, eles preferem algo muito mais “descomplicado”, como uma “pizza”!

Eles sabem muito mais facilmente se gostam ou não gostam, se amam ou não amam. Eles sabem se elas são para dar umas voltinhas ou para casar. Eles conhecem a “fórmula mágica” de esquecer o nome e a cara de com quem “dormiram” a noite anterior… Porque, para eles, elas pensam demais e complicam, também, demais.

De que mulheres eles mais gostam?

Das “descomplicadas” que em tudo se assemelhem à confeção de uma “pizza”.
Se é mulher, e quer perceber como funciona a cabeça de um homem, anote a receita:

INGREDIENTES

Uma base de pizza pré-confecionada 
A maioria dos homens sentem-se atraídos por mulheres “bonitas”, mas essa atração, tal como os iogurtes tem um prazo de validade, mais ou menos curto. Se não encontram um algo interior que lhes suscite interesse, depois de alguns momentos de visualização, eles partem e esquecem.

Eles procuram tendencialmente mulheres que lhes transmitam calma, serenidade e paz. Não significa que não apreciem mulheres “agitadas”, mas só de vez enquando, porque o stress delas influência diretamente o sistema nervoso deles, faz-lhes subir a tensão arterial e deixa-os num “vai vem” à procura de soluções. E para stress, já lhes basta o deles.

Quando eles estão a “subir pelas paredes”, eles só querem que elas não os “torturem” com mil perguntas e afirmações, que os escutem, ou que respeitem a sua decisão de ficarem calados, e que apenas lhes digam “estou contigo, tu vais conseguir, vai correr tudo bem!”

Molho de tomate
Já viu uma pizza sem molho de tomate?

O molho de tomate desempenha na pizza, a confiança que um homem procura numa mulher.

Os homens precisam sentir que podem confiar. Que elas não os vão trair. A confiança é algo que se contrói, mas que um homem precisa “visualizar” construída, muito antes de qualquer passo em frente. A ideia de serem traídos, trocados ou enganados, pode fazê-los sentir mais que o fim do Mundo, o fim da sua vida. Mulheres que inspirem confiança e que eles sintam que podem confiar, são as mais atraentes.

Frango, fiambre, atum, camarão 
Elas não têm que gostar do mesmo que eles, mas se gostarem, muito melhor!

O que eles precisam sentir é que elas são companheiras de verdade e que se interessam por aquilo que está acontecer com eles. Eles não precisam, tanto quanto elas, que andem atrás deles a perguntar repetidamente se estão bem, se está tudo bem, se estão felizes, nem de ouvir de “cinco em cinco minutos” que os amam mais que tudo, mas precisam de sentir que ela é a sua companheira, que ela tem a capacidade de lhe transmitir que ele é uma pessoa interessante, que ela o consegue estimular a ser cada vez melhor.

Também fogem de mulheres controladoras e asfixiantes que não os deixem respirar. Eles precisam sentir-se livres. Uma relação não pode ser a “cela de uma prisão”, pois assim que eles o sentem, começam logo a pensar num plano de fuga.

Mozzarella 
A mozarella simboliza intimidade e cumplicidade.
Sim, eles também querem muito mimo. Alguns tem vergonha de dizer que precisam e de pedir, mas precisam tanto de afeto, carinho e ternura quanto qualquer mulher. A intimidade para eles é o “termómetro” da relação. Se a temperatura está alta, está tudo bem, e eles estão felizes, se está baixa, sentem-se menos bem, tentam perceber porquê, e se não conseguem subir a temperatura, podem decidir afastar-se, hibernar no seu “iglô” e procurar soluções.

A cumplicidade talvez seja dos “ingredientes” mais importantes numa relação para um homem.

O homem precisa sentir que aquela mulher é sua cumplice, nos dias de sol, mas também nos de chuva. Que o entende, que o compreende, mesmo quando ele não fala, que o aceita como é, que não o tenta “virar de pernas para o ar”, que lhe sorri com os olhos, que o abraça forte no sucesso e na aflição, que percebe o que está a sentir, que compartilha sonhos, ideais, projetos, fantasias, também, e especialmente, a nível sexual.

Que bebe uma garrafa de champagne com ele, mesmo sem copos, que ouve a sua música preferida, mesmo não achando grande piada, que salta para o colo dele quando ele não espera, que se preocupa com ele, que cuida dele, que faz caminhadas ao seu lado, que fala com ele noite adentro sobre tudo e sobre nada, que ri até doer a barriga com as parvoíces que ele faz e lhe diz.

Oregãos 
Os oregãos de uma pizza, simbolizam a necessidade de valorização dos homens.

Todos precisamos nos sentir aceites, valorizados, reconhecidos, elogiados. Não são apenas as mulheres, os homens também precisam de tudo isto.

Eles procuram mulheres que saibam reconhecer o seu valor e que os estimulem a sentir-se ainda “maiores”, não que lhes apontem os defeitos e que lhes tentem dar mil voltas, ainda que sempre invocando a melhor das intenções.

Forno médio 
Os homens gostam de mulheres que vejam a vida simples e que lhes tornem a vida ainda mais simples. Mulheres que se foquem nas soluções, não nos problemas. Mulheres felizes, positivas, inteligentes e presentes, mas que saibam também estar ausentes, que falem, mas que saibam estar em silêncio, mulheres que os agarrem com força mas que saibam também “deixar ir” e, especialmente, mulheres que os saibam “Ver”, Sentir e Libertar!

* Especialista em mediação familiar, de conflitos e aconselhamento conjugal, e dedica-se há mais de 20 anos ao estudo e acompanhamento de conflitos de diversa ordem, nomeadamente, familiares, conjugais e divórcio. Detentora de seis pós graduações, entre as quais, em Mediação Familiar pela Universidade de Sevilha, em Mediação de Conflitos e, em Saúde Mental, ministrou vários cursos de Mediação Familiar no Instituto de Psicologia Aplicada, estando frequentemente presente em conferências e seminários.

IN "VISÃO"
13/02/16

.
.


783.UNIÃO



EUROPEIA



.
HOJE NO 
"OBSERVADOR"

Juíza “censurou” Bárbara Guimarães
Associação de Mulheres Juristas preocupada

A Associação Portuguesa de Mulheres Juristas emitiu um comunicado a propósito das "expressões utilizadas" pela juíza que está a julgar Manuel Maria Carrilho.

A forma como a juíza que está a julgar o ex-ministro da Cultura, Manuel Maria Carrilho, falou com Bárbara Guimarães está a causar polémica. Joana Ferrer Antunes terá censurado a apresentadora por nunca ter apresentado queixa por violência doméstica, tratando-a sempre pelo primeiro nome – enquanto ao arguido o tratamento era de “senhor professor”.
 .
As palavras da juíza, na sessão de sexta-feira, foram reproduzidas pela comunicação social durante o fim-de-semana e, esta segunda-feira, motivaram um comunicado da Associação Portuguesa de Mulheres Juristas (APMJ).

“Dando por assente que as descrições do ocorrido nessa sessão de audiência de julgamento” correspondem “ao teor das expressões utilizadas”, a APMJ “não quer deixar de expressar publicamente a sua preocupação pelo que estas revelam sobre a persistência de pré-juízos desconformes com o legalmente estipulado sobre o modo de agir com vítimas de violência doméstica”, lê-se no comunicado da associação.

Ainda assim, a APMJ diz estar “crente” de que os trabalhos prosseguirão respeitando “todos os intervenientes processuais”.

Na primeira audiência do julgamento, na sexta-feira no Campus de Justiça, Joana Ferrer Antunes disse que lhe “causava alguma impressão a atitude de algumas mulheres”, nomeadamente as vítimas de violência doméstica que não apresentam queixa. E disse claramente a Bárbara Guimarães que a censurava por não ter apresentado queixa. O diálogo foi resumido pela Visão.

Confesso que estive a ver fotografias do vosso casamento”, disse Joana Ferrer. “Parece que o professor Carrilho foi um homem, até ao nascimento da Carlota [a segunda filha do , casal], e depois passou a ser um monstro.” Ora “o ser humano não muda assim”, disse a juíza.

O Observador tentou falar com Joana Ferrer, que recusou prestar declarações sobre o caso porque o julgamento está a decorrer. Esta foi, também, a resposta da presidente da Associação Sindical de Juízes Portugueses, Maria José Costeira.

Juíza assume frontalidade
Na sua página da rede social Linked in, Joana Ferrer Antunes assume que a sua “frontalidade (…) chocará alguns”.

“Sou como me mostro, de uma frontalidade que, admito, chocará alguns. Mas sem “zonas de sombra”. É assim que sou: como Pessoa e como Juiz. Quem me conhece, sabe-o. Também eu, à minha pequena e humilde escala, não vim trazer Paz, mas a Espada. Acima de tudo, contra a soberba, o abuso, a ignorância e o preconceito que existem até onde seria suposto não existirem. Eu sirvo o Cidadão”, diz a juíza, que em tribunal lembrou ter já experiência em casos de violência doméstica.

Joana Ferrer chegou a ser notícia quando absolveu o subdiretor do SOL e os jornalistas Ana Paula Azevedo, Felícia Cabrita, Graça Rosendo e Luís Rosa por violação do segredo de Justiça no caso Face Oculta. O processo tinha sido instaurado pelo próprio Procurador-Geral da República, Pinto Monteiro, por causa da publicação de escutas do processo Face Oculta.

Este Tribunal não encontra, no comportamento dos arguidos, qualquer fundamento para uma censura de natureza penal”, sentenciou. Mais. “O trabalho de profissionais que, corajosa e empenhadamente, praticam um jornalismo sério, responsável e isento, não é passível de censura. E que nos não reste qualquer dúvida: no dia em que a voz deles se extinguir, nós pereceremos”.

A magistrada foi também a autora de uma sentença inédita que condenou o autor de um blogue, um médico, por difamação de um jornalista da revista Sábado. O arguido foi obrigado a pagar 40 mil euros de indemnização, além de 133 dias de prisão.

João Adélio Trocado publicou no blogue “Médico Explica Medicina a Intelectuais” um comentário a uma peça de Fernando Esteves baseada em relatórios da Inspecção-Geral de Saúde – dando conta de casos de agressões de profissionais de saúde a doentes.

“Será que o nojo em figura de gente, a que Lutero chamaria por certo burro-papa, teve acesso privilegiado aos processos da IGAS e assim soube que desses tais ilícitos todos foram praticados por médicos e todos foram considerados agressões?”, escreveu.

"Joana Ferrer Antunes considerou que “o arguido, pela sua capacidade, pelo discernimento que tem e em face das circunstâncias concretas da situação, podia e devia ter agido de outro modo, não podendo o tribunal esquecer-se que se trata de um médico. Por isso, não se ter mantido no exercício correto dos seus direitos merece reprovação e censura da ordem jurídica”.

Juiz castigado pela forma como falou em tribunal
Um juiz das varas criminais de Lisboa foi punido em 2013 com uma pena de advertência pelo Conselho Superior de Magistratura pela forma como se dirigiu a um advogado. O julgamento era por roubo, mas a dada altura o juiz perdeu a calma com o advogado e disse-lhe que se fosse “queixar ao Totta”.

O Conselho Superior de Magistratura soube do caso pelos jornais e concluiu que o juiz faltou aos deveres de urbanidade.

* Achando precipitado comentar este diferendo, anexamos um vídeo de Nuno Graciano dirigindo-se a Manuel Maria Carrilho.

 

FONTE: CMTV


.
.


7-OS 10 MANDAMENTOS
DA MÁFIA


* As nossas séries por episódios são editadas no mesmo dia da semana à mesma hora, assim torna-se fácil se quiser visionar episódios anteriores.

.
.

III-Engenharia Extrema

2- CÚPULA SOBRE HOUSTON



* As nossas séries por episódios são editadas no mesmo dia da semana à mesma hora, assim torna-se fácil se quiser visionar episódios anteriores.

.
.
HOJE NO
"DIÁRIO  DE NOTÍCIAS"

A obra de arte, o Facebook e o professor. 
O caso de nudez que chegou ao tribunal

Professor francês quer processar o Facebook por tê-lo censurado ao partilhar um quadro de Courbet e pede indemnização de 20 mil euros
.
A contenda começou em 2011, quando Frederic Durand-Baissas, um professor francês de 57 anos, decidiu partilhar no Facebook a controversa obra de Gustave Courbet, L'Origine du Monde (A Origem do Mundo, em português). O quadro, do século XIX, é uma pintura realista que mostra um nu feminino, retratado de forma crua e tendo como foco a vagina. Uma imagem erótica que o Facebook não perdeu tempo a censurar: não só ocultou a imagem como suspendeu a conta do professor, ainda no mesmo dia.

Não foi a primeira vez que o Facebook suspendeu uma conta devido a esta obra, em exposição no Museu de Orsay, na capital francesa: também em 2011, um artista norte-americano viu a sua conta bloqueada quando partilhou a imagem do quadro de 1866, ainda que nessa ocasião o Facebook se tivesse retratado. Esclarecendo, nas chamadas "regras da comunidade", que a nudez explícita é proibida porque a audiência poderá ser sensível a esse tipo de conteúdo, o Facebook voltou atrás no bloqueio e pediu desculpa ao utilizador, uma vez que na imagem não estava patente uma "nudez real".

Com Durand-Baissas foi diferente, já que o francês decidiu ir para tribunal e acusar a rede social de ter levado a cabo um ato de censura. No processo, pede que a sua conta seja reativada e o pagamento de uma indemnização de 20 mil euros. Porém, o Facebook contra-atacou dizendo que todas as disputas legais terão de ser resolvidas na California, Estados Unidos da América, onde fica a sede da empresa.
 .
Na semana passada, um tribunal francês decidiu que o argumento do Facebook era "abusivo" e manteve a decisão que já tinha sido tomada em primeira instância, dando ao professor francês o direito de agir judicialmente contra a rede social no seu país. "Uma grande vitória" após cinco anos de luta na justiça, considerou a advogada de Durand-Baissas, Stephane Cottineau, citada pela AFP, acusando a empresa fundada por Zuckerberg de "pudor extremo no que diz respeito ao corpo e à nudez".

No entanto, a própria obra-prima de Courbet não está isenta de críticas e tem uma longa história de censura - está exposta publicamente só desde 1995, data em que foi adquirida pelo Museu de Orsay. Inicialmente, e devido à imagem explícita, fazia parte da coleção privada do próprio artista, que nunca a expôs porque sabia, no século XIX, que arriscava prisão. Os proprietários que se seguiram foram igualmente cuidadosos: antes de ser comprada pelo célebre psicanalista Jacques Lacan, a obra fora adquirida por um diplomata turco de origem egípcia, Khalil Bey, ávido colecionador de arte erótica, que a escondia por trás de uma cortina verde e mostrava apenas a convidados selecionados.

* A ditadura dos meios é assim.

.
.

Quinteto Lisboa

Dia da Perdição



.
.
HOJE NO
"RECORD"

Leões batem Benfica 
na eleição dos melhores adeptos da Europa

A Eurosport lançou uma votação no sentido de eleger o clube europeu com melhores adeptos e o vencedor foi... o Sporting. 
 .
Os verde e brancos somaram mais de 200 mil votos até à meia-noite de ontem, quando encerrou a votação online, bem mais do que os 50 mil do Spartak Moscovo ou os 47 mil do... Benfica.

O FC Porto não surge no top 20 divulgado esta segunda-feira pela Eurosport.

Resultado da votação:
1. Sporting: 200 mil votos
2. Spartak Moscovo (Rússia): 50 mil
3. Benfica: 47 mil
4. Saint-Étienne (França): 37 mil
5. Olympiacos (Grécia): 32 mil
6. Borussia Dortmund (Alemanha): 26 mil
7. Betis (Espanha): 22 mil
8. Liverpool (Inglaterra): 15 mil
9. Estrela Vermelha (Sérvia): 10 mil
10. At. Madrid (Espanha): 9.400
11. Marselha (França): 9.100
12. Schalke 04 (Alemanha): 8.300
13. Bayern Munique (Alemanha): 6.700
14. Manchester United (Inglaterra): 5.300
15. Juventus (Itália): 4.800
16. Arsenal (Inglaterra): 4.200
17. AC Milan (Itália): 3.700
18. Lyon (França): 3.600
19. Sevilha (Espanha): 2.700
20. Verona (Itália): 2.400

* Uma conclusão pouco séria, o Eurosport devia evitar palermices destas que só servem para alienar.

.
.

COMPARAÇÕES


JATO AMERICANO VS JATO RUSSO
..
.
HOJE NO    
"JORNAL DE NOTÍCIAS"

Acusação omite cargo de diretor 
do Benfica em caso de tráfico
.
A acusação do Ministério Público contra o ex-diretor do Benfica José Carriço, por tráfico de estupefacientes e detenção ilegal de arma, omite este cargo dirigente que o arguido ocupava no clube. 

A procuradora-adjunta que dirigiu o inquérito criminal e assina a acusação identifica José Carriço com a profissão de "assistente colaborador", sem nomear a respetiva entidade patronal.

* O Benfica é uma nação...

.
.
O MEDO É COMUM

.
.

HOJE NO  
"JORNAL DE NEGÓCIOS"

Portugal é um dos países onde
 mais aumentou o fosso entre os jovens
 e o resto da população

Portugal está no grupo de países onde a evolução do rendimento dos jovens mais se afastou da média nacional durante os anos de crise. Ainda assim, é um dos poucos onde a desigualdade não aumentou: a classe média foi poupada.
 .
A conclusão é de um estudo do banco holandês ING intitulado "A Crise Desigual", onde é identificada uma aceleração das desigualdades durante o período de crise financeira e económica (2007 a 2013) nos países desenvolvidos. Neste caso, a instituição financeira concentra-se na situação dos jovens, muitos dos quais com vínculos laborais precários.

"Jovens, muitas vezes em trabalho a tempo parcial ou com contratos de curto-prazo, sofreram particularmente com o crescimento da desigualdade. Entre 2007 e 2013, o fosso de rendimento entre quem tem 16 a 24 anos e quem tem mais de 65 anos cresceu 9% na Zona Euro e 23% nos Estados Unidos", pode ler-se no relatório. Nas economias da moeda única, isso deveu-se a um crescimento de 3,5% do rendimento dos mais velhos e de 2% dos mais novos. Países periféricos como Portugal foram especialmente afectados, com agravamentos substanciais da sua taxa de pobreza (a Grécia, claro, a destacar-se).

Os jovens perderam terreno em relação aos outros escalões etários, mas isso sente-se mais em Portugal do que noutros países. "As maiores diferenças de crescimento entre jovens e a média são encontradas em Espanha, Grécia, Portugal, Reino Unido e EUA", nota o relatório. "Esta análise confirma a percepção de que a crise atingiu os jovens desproporcionadamente, não apenas porque as remunerações foram o principal factor por trás da quebra do rendimento das famílias, mas também porque os mais jovens eram os mais vulneráveis no mercado de trabalho."

Portugal é também um caso atípico na distribuição do esforço de consolidação orçamental. Segundo o estudo do ING, os dois extremos da distribuição de rendimentos (mais pobres e mais ricos) foram os mais afectados pela crise, enquanto a classe média foi mais poupada. Os 5% mais pobres e os 5% mais ricos viram o seu rendimento cair 1,2% ao ano entre 2007 e 2013, enquanto os dois primeiros quintis da população portuguesa tiveram um reforço de 1,2% ao ano, durante os governos de José Sócrates e Pedro Passos Coelho.

O estudo até conclui que, entre 2007 e 2013, a desigualdade diminui em Portugal face a 2007. Se olharmos para o Índice de Gini confirmamos que houve um alívio da desigualdade entre 2004 e 2009. Contudo, a partir de 2010 - quando começaram os programas de austeridade - iniciou uma trajectória de agravamento (entretanto aliviada em 2014).

* Sinceramente os portugueses não perceberam qualquer alívio.

.
.
 A luta contra os cibercrimes



* Uma produção "EURONEWS"

.
.
HOJE NO
"DESTAK"
Ministro da Saúde demitiu Paulo Campos da presidência do INEM

O ministro da Saúde demitiu Paulo Campos da presidência do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM), conforme proposta da Inspeção Geral das Atividades em Saúde (IGAS), que analisou a atuação deste dirigente, segundo fonte do Ministério da Saúde. 
.
A mesma fonte referiu que Adalberto Campos Fernandes homologou a proposta de cessação da comissão de serviço de Paulo Campos, no cargo de presidente do conselho diretivo do INEM.

Esta decisão de Adalberto Campos Fernandes segue a proposta que consta do relatório final da IGAS. 

* Até que enfim, uma medida que o sr. Paulo  Macedo teve medo de põr em práctica, ou porque queria ser o bom da fita.

.
.
 A VOZ DA DONA



.
.
HOJE NO
"A BOLA"
«Estou como novo, 
mas não pronto para outra» – Octávio

O diretor-geral Sporting, Octávio, já recebeu alta, após ter sido internado de urgência no Hospital Dr. Nélio Mendonça, mas terá de continuar na Madeira durante mais alguns dias.
.
«Estou como novo, mas não pronto para outra. Vou fazer tudo para evitar outra», afirmou Octávio, em declarações à Rádio Renascença.

O dirigente explicou depois tudo o que aconteceu.

«Estive na reunião preparatória do jogo e só quando estava a assinar o boletim é que senti que algo não estava bem. Senti um formigueiro na mão direita e alguma descoordenação, algo que nunca tinha sentido. Falei com Dr. Frederico Varandas, médico do Sporting, tirei a tensão e era preocupante. A equipa regressou do aquecimento, fiz os rituais normais com todos para que não se apercebessem de nada e depois dirigi-me para a ambulância.»

* Mesmo doente preocupado com os jogadores, é de homem. Tem de ter cuidado.


.
.

O QUE ELES INVENTAM


.
.

HOJE NO 
"AÇORIANO ORIENTAL"

Antes de discutir a eutanásia 
é fundamental garantir 
acesso a cuidados paliativos

A Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos (APCP) defendeu que antes da discussão sobre a eutanásia "é fundamental" garantir o acesso em tempo útil aos cuidados paliativos e assegurar que são prestados por profissionais com formação.
 
A tomada de posição da associação surge na sequência de um manifesto em defesa da despenalização da morte assistida que foi assinado por uma centena de personalidades portuguesas de várias áreas, desde políticos a cientistas ou médicos.
 .
Em comunicado, a APCP refere que o manifesto “Morrer com Dignidade” surge da preocupação dos signatários com o sofrimento dos doentes, apontando a eutanásia como a solução para este problema.
A associação “descredibiliza esta lógica de pensamento”, defendendo “o desenvolvimento e equidade no acesso aos cuidados paliativos e a formação dos profissionais de saúde como prioridade nacional e como resposta à eutanásia”.

A associação questiona onde estavam os signatários, inclusive os que “exercem altos cargos na área da saúde”, quando a APCP, a Entidade Reguladora da Saúde e o Observatório Português dos Sistemas de Saúde revelaram que mais de 90% dos doentes que precisavam de cuidados paliativos não tinham acesso a estes cuidados, que mais de 50% morriam à sua espera e que os profissionais da maior parte das equipas eram em “número insuficiente e inadequadamente formados”.

“Não nos lembramos de nenhuma voz ter mostrado preocupação com essas pessoas, que tinham altas probabilidades de estar em sofrimento”, lamenta o presidente da APCP, Manuel Luís Capelas.
Para Manuel Capelas, deve existir “um amplo e aprofundado debate público sobre a eutanásia” para garantir “uma total elucidação dos cidadãos”.

“No entanto, é necessário uma pedagogia de valores e de princípios que norteiem o debate, para que o discurso não se superficialize em ‘slogans populistas’”, defende.

A APCP afirma que “será sempre um elemento ativo” neste debate e deixa alguns desafios aos signatários, como o acesso universal a estes cuidados, o reforço das equipas atuais e a reflexão e trabalho conjunto na “perspetiva de encontrar resposta para aqueles cujo sofrimento não consiga ser controlado pelos cuidados paliativos”.

Em Portugal entre 72 mil e 86 mil doentes a necessitar de cuidados paliativos.

Um estudo do Observatório Português dos Cuidados Paliativos, apresentado em janeiro, revela que cerca de 51% dos doentes internados nos hospitais eram doentes paliativos e cerca de 16% eram doentes paliativos com prognóstico de 15 dias de vida, no entanto, apenas 7%, dos primeiros, e 10%, dos segundos, estavam referenciados para equipas de cuidados paliativos.

Isto porque, os seus médicos consideraram que ainda os conseguiam curar ou por estes ainda estarem a fazer o respetivo tratamento, refere o estudo.

“Não será esta prática obstinação terapêutica? Será que perante este sofrimento o doente, ao pedir a eutanásia, não estará antes a pedir que o deixem morrer, que não lhe prolonguem futilmente a sua vida? Porque é que a discussão gira em torno da eutanásia, e não sobre os mais de 80 mil doentes sem acesso a cuidados paliativos”, questiona a associação.

“Mais uma vez, quer atuar-se nas causas e nos cuidados que ajudam ao alívio do sofrimento, ou simular que se resolve o problema, matando ou ajudando a morrer quem sofre”, adverte Manuel Capelas.

* Vamo-nos deixar de tretas e conversas moles. São importantíssimos os cuidados paliativos quando o sofrimento físico está em causa, os profissionais prescrevem medicação adequada e o doente em fase terminal fica sem dores. Para além da rede destes cuidados não ser eficaz em todo o país e não se equilibra o défice de profissionais e de camas com o estalar dos dedos há outra vertente a ter em conta.
Como é que os cuidados paliativos revertem o sofrimento psicológico em doentes terminais que, sofrimento físico resolvido, esperam atormentados e desejosos que a morte lhes bata à porta, há "paliativo" que traga boa disposição a alguém que saiba que vai morrer? 
Acompanhámos de muito perto, quotidianamente, duas pessoas em estado terminal sempre sem qualquer dor física, a morbidez da doença e a violência da espera fê-las muitas vezes até vacilar na fé que convictamente professavam, que maldade é esta de se desejar que um doente aguarde alegremente a morte???


.