domingo, 23 de agosto de 2015

UMA GRAÇA PARA O FIM DO DIA

.

.


 O QUE NÓS


  "FESTEJAMOS"!!!




O primeiro número da ONDA POP explica quase tudo, os primórdios, os conceitos, a paginação e artigos publicados demonstram o trabalho destes rapazolas nos idos de 60.

Ontem sábado 22/08 foi para o ar o nº45 da edição impressa, na abertura "AMÁLIA" a diva que cantava o que queria e o que lhe apetecia e empurrou o FADO para Património da Humanidade.Uma mulher impressionante!

O concurso "SCHWEPPS" com a banda que disse "Hoje não há leite", fácil a solução para esta semana. 

CRISTOPHE um gigante crescido em 1965, quando explodiu com temas inesquecíveis,escute "Les Marionettes" e "Maman".


A "ÉPOCA DE OURO DO ROCK" continua a desfilar na passerele da página que em boa hora o João Pedro e o Zé Couto trouxeram para a web,se alguém quiser contribuir com assuntos não se acanhe.

FESTAS DO MAR em CASCAIS é notícia e uma oportunidade para lembrar MARIA MARQUES e a sua bonita voz, artista do extinto Rádio Clube de Moçambique. Na altura os programas de espectáculos de rádio aconteciam em directo e a tecnologia de som disponível só permitia actuar quem  realmente cantava. Muita gente que hoje deambula pelos palcos tugas e popularuchos,  precisa de pernas e mamas quase à mostra para disfarçar que canta.
 
Cantem com a "ONDA POP" recordem "GUITARZAN", "SNAKE THE IN THE GRASS" entre outras.

A "ONDA POP" continua cheia de informação verdadeira, bem elaborada e metódica, sem folclores, sinceros parabéns.

Neste blogue, na coluna da direita tem um link directo.
OBRIGATÓRIO IR VER!!!
ABJEIAÇOS

.
.
12-BLASFÉMIA
.
.

ENFERMEIRA COM

MÉTODOS INOVADORES





* Excerto do programa de humor "ESTADO DE GRAÇA" emitido na RTP1

.
.
11-BLASFÉMIA
.
.
3- A SUSPEITA



Filme de animação realizado por José Miguel Ribeiro em 1999.

.
.
10-BLASFÉMIA


.
.


Barat Ali Batoor

A minha viagem deseperada
com um contranbadista humano



O fotojornalista Barat Ali Batoor vivia no Afeganistão — até o seu trabalho arriscado o forçar a sair do país. Mas, para Batoor, membro dum grupo étnico deslocado chamado os "hazaras", regressar ao Paquistão também foi perigoso. Encontrar um local mais seguro não era tão simples como comprar um bilhete de avião. Em vez disso, foi forçado a pagar a um contrabandista humano, e juntar-se à onda mortal de migrantes que procuravam asilo através dum barco. Documenta a angustiante viagem no oceano com fotografias poderosas.


.
.
9-BLASFÉMIA


.

CARLA HILÁRIO QUEVEDO

.




A vida adulta

Ser adulto passa por percebermos que não somos eternos. Parece fácil, porque está à vista. Os avós desaparecem, alguns cedo na vida.

A minha infância não me interessa nada. Foi vivida como a de qualquer pessoa foi, é e será vivida. Pensei sobre ela, por vezes, em certas circunstâncias, lembro-me dela e, sempre que isso acontece, fujo dela a sete pés. A minha infância foi vivida no seu tempo, melhor, pior, com alegria, com choros, com birras, com felicidade e tristeza à minha volta. Lá me mantive à tona de água, apesar de correr o risco de me afogar.

Não parece, mas é uma metáfora. Uma pessoa nasce e, a partir daí, é uma incógnita. Em que se tornará o bebé querido quando chegar aos 30, aos 40? Chegará aos 50 revoltado com os pais por não terem sido o que gostaria? Acabará a vida arrependido de não ter feito o que queria? Estas são perguntas de adulto que raramente surgem com serenidade e limpidez a quem ficou cristalizado numa altura em que a vida não tinha fim.

Ser adulto passa por percebermos que não somos eternos. Parece fácil, porque está à vista. Os avós desaparecem, alguns cedo na vida. Mas não é suficiente para a tomada de consciência mais importante: a de que um dia seremos nós a envelhecer e a morrer. Não são boas nem más notícias: é só natural e um sinal de que somos feitos de matéria perecível, que decairá a seu tempo e extinguir-se-á como tem de ser.

Talvez a morte – igualitária, devo salientar – tenha sido excessivamente conotada com uma tal ideia de fim que faz com que a vida seja descrita como “um caminho” que se “percorre” até chegar àquele ponto. Por isso, podemos dizer de alguém que “é uma tristeza chegar aos 43 anos com rancor ao pai”, mas a verdade é mais complexa e mais difícil de descrever.

Li há dias um conto curto de Leão Tolstoi intitulado “Depois do Baile”. Ivan Vassilievitch, “um homem respeitado por todos”, conta o que lhe aconteceu numa manhã em que toda a sua vida mudou – uma manhã de epifania em que percebeu que sabemos o que é o bem e o mal não por estarmos inseridos num meio, mas “por acaso”.

No caso de Ivan Vassilievitch, terá acontecido quando resolveu meter-se “a direito pelo campo”, num passeio matinal. Estava apaixonado, e a partir do momento de terrível descoberta tudo mudaria.
O conto é sublime, talvez autobiográfico, uma vez que Tolstoi foi alguém a quem “aconteceu uma coisa”. Ao mesmo tempo, a história até chegar ao momento da “mudança” é ambígua. É contada depois da “revelação”, o que explica os incómodos que precipitariam o reconhecimento, se se desse o tal acaso. Mas talvez a explicação seja outra: Ivan Vassilievitch não mudou. Foi sempre assim, e foi essa inalterabilidade que lhe permitiu precisamente “mudar numa manhã”. Ninguém muda “numa manhã”, nem o próprio Tolstoi.

Não muda: no melhor dos casos, num momento de crise, interrompe, conquista – deixa de repetir. No pior dos casos, regride a um tempo em que não sabia falar. Não se trata de ter uma experiência (mística ou outra mais prosaica) nem de “percorrer um caminho na vida”, ou “crescer”, mas de haver uma altura em que decidimos viver de acordo com o que somos e queremos, sabedores de que a morte chega para todos. Nesse dia de verdade gloriosa deixamos a infância na infância. Foi o que foi enquanto durou e ainda bem que acabou.


IN "i"
17/08715

.
.
.

607.UNIÃO


EUROPEIA



.
8-BLASFÉMIA



.
.


14-EI-LOS QUE 


PARTEM



EMIGRAÇÃO PORTUGUESA




Para melhor compreender a história
 do povo português
 
* Uma notável produção da "RTP2"


.
.
7-BLASFÉMIA

.
.

Kiri Te Kanawa


Im Abendrot


Richard Strauss


.
.
RECORDANDO

ANTÓNIO VILAR

MANOLITA


.
.


B E A C H















.
.

ULTRAPASSANDO OBSTÁCULOS


Ser cego não o impediu de lutar para ser bailarino  
.


W.C.















.
.

NUMA COZINHA INDIANA



.
.
NÓS SOMOS TÃO...


.
.


623
Senso d'hoje

DIANA ANDRIGA
MARIA JOÃO AGUIAR
ANA MACHADO DIAS
LÚCIA CARULO
ANA CÂNCIO
MARIA DE CARVALHO
BELAS MULHERES PORTUGUESAS
SOBRE CABELOS BRANCOS




Fonte: "NOTÍCIAS MAGAZINE"

.
.

BOM DOMINGO


.
.


14-CINEMA
FORA "D'ORAS" 

XVII-BOCA DO LIXO




Com REGINALDO FARIAS, ALEXANDRE FROTA, SÍLVIA PFEIFER e STÉNIO GARCIA entre outros, uma série produzida pela GLOBO.

.