sábado, 8 de agosto de 2015

UMA GRAÇA PARA O FIM DO DIA

.













.

UMA GRAÇA PARA O FIM DO DIA

.


.
.

O QUE NÓS

"PERCORREMOS"



 4.TRANSSIBERIANO

 

 

* Uma excelente produção do programa "FANTÁSTICO"

 .
.


6-SUCULENTA


 CASTIDADE



.
.

PERGUNTA IDIOTA TOLERÂNCIA ZERO

video


.
.



5-SUCULENTA


 CASTIDADE



.
.


II-RADIOLOGIA


INTERVENCIONISTA

4-TRATAMENTO DO CANCRO
HEPATO CELULAR

video

ABLAÇÃO POR RÁDIO FREQUÊNCIA

Uma interessante série conduzida pelo  Dr. Henrique Salas Martin, médico da especialidade
  .
* Uma produção "CANAL MÉDICO"


** As nossas séries por episódios são editadas no mesmo dia da semana à mesma hora, assim torna-se fácil se quiser visionar episódios anteriores.


.
.


4-SUCULENTA


 CASTIDADE



.
.
O FUTURO REACTOR DE FUSÃO 
NUCLEAR, PODERÁ RESOLVER OS
NOSSOS PROBLEMAS ENERGÉTICOS

video


* Uma produção "EURONEWS"


.
.


3-SUCULENTA

 CASTIDADE



 .

PEDRO MARQUES LOPES

.



O programa eleitoral 
da coligação e o PSD

Digamos que o programa eleitoral da coligação está na linha da reforma de Estado apresentada por Paulo Portas: algo tão vago que foi esquecido horas depois de ser apresentado. Mas há alguns detalhes importantes, contudo. E o diabo, bem o sabemos, está nos detalhes.

Há uma razão bem mais simples do que as apontadas, como já está estar tudo no programa de estabilidade e crescimento ou se apontar para a simples continuação do que se fez, para o programa eleitoral ser uma mão-cheia de nada: é não se querer pura e simplesmente dizer o que se quer fazer. E a razão para nada se querer dizer, é que se se dissesse, o próprio eleitorado tradicional do PSD ficaria muito preocupado.

Apesar disso, há os tais detalhes que não enganam, os que apesar de muito disfarçados estão lá.
Trazer o plafonamento horizontal, a "liberdade" de escolha na saúde ou na educação indica um caminho. E, diga-se, um caminho defensável e que permitiria um debate sério na sociedade portuguesa. Defender que a partir dum determinado nível de salário, um cidadão pode optar por o esquema de pensão do Estado ou dum qualquer fundo privado, ou que se deve apostar mais no ensino privado do que no público, são opções ideológicas que merecem debate e que são até o cerne de opções fundamentais para a comunidade. Mais, um debate desse género permitiria que ficassem absolutamente claras as opções dos partidos da coligação. Sobretudo em política, não há mal nenhum em querer. Agora o que não é admissível é não dizer o que de facto se quer escondendo-o dos eleitores. E parece claro que é o que este PSD está a fazer. Estes temas são demasiado importantes para serem abordados com a ligeireza, com a vacuidade que este programa mostra.

Há, no entanto, a perceção por parte dos dirigentes atuais do PSD de que o seu eleitorado tradicional está muito longe de querer que o sistema de pensões seja em parte privatizado ou que a educação pública seja posta em causa. É por isso que se fala de plafonamento, mas não se fala a partir de que valor é que se pode optar por um sistema privado. Ser, por exemplo a partir de 2000 ou próximo ou 10 000 euros é radicalmente diferente, e no primeiro caso faria que a solidariedade entre mais ricos e mais pobres praticamente desaparecesse, que existisse uma verdadeira privatização da segurança social ou, na melhor das hipóteses, se prescindisse em grande parte do Estado como motor de equilíbrios sociais.

Do mesmo modo, fala-se de liberdade para a educação, mas não se explica de que forma isso será implementado. E não se diz porque isso inevitavelmente conduziria a uma degradação do ensino para os mais pobres (vide exemplos tentados em rigorosamente todos os países - o mais flagrante é o dos Estados Unidos - que tentaram esse caminho com consequências desastrosas) e ao bloqueio definitivo daquele que foi o principal fator de mobilidade social criado no pós-25 de Abril: a educação pública.

O eleitorado do PSD parece entender que a governação dos últimos quatro anos foi uma inevitabilidade. Que foi preciso gerar muito desemprego, que não era possível investir, que era preciso cortar pensões, salários, prestações sociais que se tinham de expulsar quase 500 000 portugueses do país, que o risco de empobrecimento tenha tido de atingir proporções dantescas. Mais, acredita que a partir de agora se pode olhar para a frente com outros olhos. Mas, lá está, convinha dizer-lhe qual o caminho a partir de agora. E dentro das opções fundamentais estão, exemplarmente, aquelas duas.

É através delas, entre outras, que se vai definir o futuro ideológico do PSD e o que ele quer para o país. Por um lado, temos aqueles que sabem que a raiz profunda do PSD e das suas bases estão longe de apoiar uma viragem do partido para uma direita à espanhola ou ainda mais radical. Por outro, temos uma espécie de Tea Party à portuguesa que rodeia o primeiro-ministro, com o apoio e a inspiração da Fox News à portuguesa, ou seja, a opinião do jornal online Observador.

A questão é que manda neste PSD são os segundos. Gente que quer impor uma agenda e uma ideologia que nada tem que ver com a história, com os valores e com o eleitorado tradicional do PSD (não confundir com o aparelho, esse não se preocupa com essas coisas mesquinhas como ideologia ou valores, mas apenas poder). E, sabendo-o, não dizem ao que vêm.

Para o país era muito importante saber o que de facto o governo quer. Não se propõem mudanças radicais na maneira como a comunidade está organizada - financiamento da Segurança Social, educação, saúde - não explicando exatamente ao que se vem.

Não se pode também ignorar que o PSD é fundamental na nossa democracia. É assim da maior importância saber o caminho que está a tomar. É que a tomada de poder em curso - e que se consolidou nos últimos quatro anos - pode transformá-lo definitivamente em algo que ele nunca foi. Estará em causa até a sua sobrevivência como partido central no nosso sistema político.

IN "DIÁRIO DE NOTÍCIAS"
02/08/15

.
.
.

592.UNIÃO


EUROPEIA



.


2-SUCULENTA

 CASTIDADE



.
.


XXI-TABU


3.EXORCISMO


video


* As nossas séries por episódios são editadas no mesmo dia da semana à mesma hora, assim torna-se fácil se quiser visionar episódios anteriores.

** Esta série em virtude do período de férias, sofre uma interrupção até Setembro.


.
.


1-SUCULENTA


 CASTIDADE




.
.
RECORDANDO

MIRITA CASIMIRO

Ó ai, esteja quedo

video

.
.

PARKOUR

video

.
.

  ETERNO FEMININO














.
.
Não gaste inutilmente

O dinheiro está
muito caro

O Dia Mundial da Poupança 
tem de ser todos os dias
.
O Dia Mundial da Poupança, foi criado com o intuito de alertar os consumidores para a necessidade de disciplinar gastos e de amealhar alguma liquidez, de forma a evitar situações de sobre-endividamento. 
 .

A ideia de criar uma data especial para promover a noção de poupança surgiu em Outubro de 1924, durante o primeiro Congresso Internacional de Economia, em Milão.

A taxa real de poupança em Portugal é baixa e o endividamento das famílias elevado. Os planos poupança reforma e os certificados de aforro são das aplicações mais procuradas em Portugal.

Mais de 80% das famílias portuguesas recorrem ao crédito para habitação, seguido do crédito para financiamento do automóvel e por fim o crédito pessoal.

Não seja consumista 
.
...
.
PENTEANDO O MACACO

video

.
.


608.
Senso d'hoje
 DULCE PONTES 
CANTORA E COMPOSITORA
 SOBRE SI PRÓPRIA

Tenho trabalhado mais fora de Portugal, e Espanha é o país número 1, é onde tenho trabalhado com mais continuidade, mas também em Itália, Grécia - coincidentemente os países que entraram crise -, Hungria, Roménia, Turquia. Também estive na América do Sul.

Sempre vivi em Portugal. Correu o boato de que eu tinha ido viver para Espanha, e não sei porquê. Se calhar, porque há um Montijo, a minha terra de nascimento, também em Espanha. Mudámo-nos há quatro anos para Bragança, o meu marido é de lá, para uma aldeia, Samil, da qual gosto imenso.

Eu tenho um carinho enorme do público português, não é que precise dessa prova, muito menos de provar seja o que for a mim própria. O meu primeiro público é o português. Sempre foi.

As coisas mudaram muito nos últimos tempos. E eu não trabalho com empresas de marketing. Acho que a arte e o seu percurso devem viver pela obra em si, por aquilo que se faz e não pela questão mediática. O mediatismo não é uma coisa que procure, mas também não o evito, daí estarmos aqui as duas. Não tenho uma empresa de marketing, um manager, focalizo-me no trabalho e em proporcionar ao público uma viagem em cada espectáculo. E, depois, concentro-me na parte conceptual dos discos. 

* Excertos de entrevista ao "DIÁRIO DE NOTÍCIAS"

** É nossa intenção, quando editamos pequenos excertos de entrevistas, suscitar a curiosidade de quem os leu de modo a procurar o site do orgão de comunicação social, onde poderá ler ou ver a entrevista por inteiro. 

  
.


BOM DIA

.
.

14-CINEMA
FORA "D'ORAS" 

II-BOCA DO LIXO


video


 Com REGINALDO FARIAS, ALEXANDRE FROTA, SÍLVIA PFEIFER e STÉNIO GARCIA entre outros, uma série produzida pela GLOBO.

.