terça-feira, 28 de julho de 2015

UMA GRAÇA PARA O FIM DO DIA

.











.
.


12-SACANAS
DOS CUSCAS















.

 GASPARLEAKS













.
.

GRANDES LIVROS/11
AUTORES PORTUGUESES


2-SINAIS DE


 FOGO

JORGE DE SENA


video



* Uma extraordinária produção da RTP/2
 .



** As nossas séries por episódios são editadas no mesmo dia da semana à mesma hora, assim torna-se fácil se quiser visionar episódios anteriores.



.
.
HOJE NO
 "DIÁRIO DE NOTÍCIAS
 DA MADEIRA"

Coelho diz que é o grupo Pestana que paga a festa do Chão da Lagoa

O deputado do PTP, José Manuel Coelho, acusou a mioria social-democrata de não defender os trabalhdores da hotelaria, deixando caducar o contrato colectivo e permitindo atropelos aos direitos.

Coelho afirma que o grupo Pestana, o maior do sector hoteleiro, é protegido porque dá dinheiro ao partido e  "paga a festa do PSD no Chão Lagoa".

* Qual é a surpresa, os grandes empresários são os verdadeiros donos dos partidos, quer a nível regional ou nacional. Qual é o dono do seu partido sr. Coelho?


.
.

REPORTER TVI 
3-O NEGÓCIO 
DO PLASMA



video



* Um excelente trabalho de jornalismo de investigação efectuado pelo corpo redactorial da TVI



** As nossas séries por episódios são editadas no mesmo dia da semana à mesma hora, assim torna-se fácil se quiser visionar episódios anteriores.



.
.

HOJE NO
 "DIÁRIO ECONÓMICO"

Bairrada lança primeira marca
 de espumante português

Projecto deverá gerar vendas de um milhão de garrafas em 2018, com receitas previstas entre sete e oito milhões de euros. Objectivo é exportar 30%.
 .
A Comissão Vitivinícola da Bairrada (CVB) lança a partir de hoje a primeira marca regional de espumante português, o ‘Baga Bairrada’, um projecto que deverá gerar receitas entre 1,8 e dois milhões de euros já no presente ano, a partir da venda estimada de 250 mil garrafas desta nova categoria de produto. As estimativas da CVB para 2018 apontam já para vendas de um milhão de garrafas, cerca de 10% da produção nacional de espumantes, que deverão gerar receitas entre sete e oito milhões de euros, uma vez que o espumante da nova marca Baga Bairrada vai posicionar-se num segmento mais alto, com um preço entre sete e oito euros por garrafa.

“Este é um projecto que está a ser trabalhado há um ano e meio, dois anos, e que visa responder à multiplicidade de espumantes na Bairrada. É um esforço de categorização de um produto, a exemplo do que sucede com o ‘champanhe’ francês, o ‘prosecco’ italiano ou o ‘cava’ espanhol. Queremos valorizar o produto da casta Baga e toda a cadeia de produção, apoiados no conhecimento técnico e num novo ‘branding’”, sublinhou Pedro Soares, presidente da CVB, em declarações ao Diário Económico.

A Baga é a casta-bandeira da região da Bairrada. A nova marca regional de espumante terá regras de produção e uma identidade gráfica próprias. A este projecto da CVB, que conta com o apoio do IVV – Instituto da Vinha e do Vinho e da ViniPortugal, já se juntaram também os produtores dos cinco primeiros espumantes da Bairrada: Adega de Cantanhede, Aliança, Caves São Domingos, Caves São João e Rama&Selas.

Com a marca Baga Bairrada, a CVB pretende ainda aumentar o rácio de vinhos certificados na região e reforçar a exportação. “Neste momento, exportamos entre 120 e 130 mil garrafas de espumante da Bairrada por ano, cerca de 11% da produção.

O que gostávamos é que em 2018 conseguíssemos exportar 30% do Baga Bairrada”, revela Pedro Soares.

* Expliquem-nos como se fossemos burros, os espumantes brancos e tintos que temos bebido da zona da Bairrada não são espumantes regionais e portugueses, os espumantes brancos e tintos da região da Varosa não são espumantes regionais e portugueses, o espumante de casta Alvarinho de Melgaço não é espumante regional e português, o espumante que se produz no  Alentejo não é espumante regional e português????
Raios partam a notícia que é logo falsa no título.


.
.


V-CIDADES 
OCULTAS

3-A ASCENÇÃO

DE ROMA

video


* As nossas séries por episódios são editadas no mesmo dia da semana à mesma hora, assim torna-se fácil se quiser visionar episódios anteriores.


.
.

HOJE NO
 "CORREIO DA MANHÃ"

Lisboa quer criminalizar 
falso tráfico de droga 

Autarquia pede alteração da legais para delito que atualmente é contraordenação. 

O vereador da Segurança da Câmara de Lisboa anunciou esta terça-feira que a autarquia vai sensibilizar o Ministério da Administração Interna (MAI) para alterar o enquadramento legal de forma a criminalizar o falso tráfico de droga na baixa pombalina. "Vamos fazer chegar ao MAI, que por sinal tem sede na Praça do Comércio [um dos locais onde se verifica esta situação], uma sensibilização para haver enquadramento legal" que criminalize o falso tráfico de droga, disse o socialista Carlos Manuel Castro. 
 .
HAXE CONTRAFEITO
O autarca falava na reunião da Assembleia Municipal de Lisboa (AML), onde o tema foi introduzido devido a uma petição, que ali chegou com quase 700 assinaturas, apelando ao fim da "presença de pretensos traficantes de droga" no centro histórico. 

Louro prensado em vez de haxixe 
No final de maio, fonte do Comando Metropolitano de Lisboa da Polícia de Segurança Pública (PSP) disse à agência Lusa que "uma parte dos produtos vendidos na baixa de Lisboa como sendo haxixe, não é haxixe. É louro prensado e não consubstancia uma prática criminal", pelo que a PSP não tem legitimidade para proceder a detenções. Isto verifica-se em locais como a Rua Augusta, Restauradores, Praça Luís de Camões, Rua do Alecrim e Cais do Sodré. Em declarações à Lusa, Carlos Manuel Castro afirmou que este suposto tráfico de droga "não é crime, mas sim uma contraordenação", pelo que "é necessário que haja uma alteração" na lei.

* A imaginação portuguesa é muito traiçoeira.

.

ANA MARKL

.





Chatices

Estava, portanto, no início dos anos 90 a estudar para ser a melhor secretária dos anos 70.

No oitavo ano, ninguém acredita, mas tive uma disciplina chamada Práticas Administrativas (e outra chamada Hortofloricultura e Criação de Animais, em que aprendi o que é uma cloaca, mas isso fica para outra crónica). As pessoas perguntam-me se frequentei alguma escola estranha, eu respondo que apenas fiz escolhas estranhas na normalíssima Escola Secundária D. Pedro V.

Nada na minha memória – nem mesmo a iogurteira ou a faca de pão eléctrica – se tornou tão obsoleto como o que aprendi naquelas malditas aulas: escrever à máquina, passar cheques ou preencher facturas fazendo bom uso dessa velha modernidade que é o papel químico. Estava, portanto, no início dos anos 90 a estudar para ser a melhor secretária dos anos 70.

Lembro-me muitas vezes do tempo que perdi a aprender Práticas Administrativas quando me vejo obrigada a crescer para perceber alguma coisa de finanças e Segurança Social. Isso sim, devia ter sido ensinado aos adolescentes dos noventas: Desenrascanço para Futuros Precários, uma disciplina que eu teria odiado – e a que provavelmente teria chumbado –, mas cujo domínio daria muito jeito a toda uma geração relutante que ignorou estas chatices durante demasiado tempo e agora se vai apercebendo de que está a ser enterrada viva.

Chamem-me mimada, mas eu tenho pânico a qualquer tipo de burocracia. É tudo demasiado nebuloso para me fazer sentir confiança nas minhas decisões. Há muita coisa que, mesmo que tivesse sido ensinada, nunca perceberia – porque, na sua génese, estou em crer que não façam grande sentido. Mas, tal como tenho pânico da burocracia, tenho ainda mais de ser enterrada viva, daí esta fantasia de me ensinarem a ser adulta na escola, em vez de me ensinarem a fazer uma circular (ou o que é uma cloaca).
Vejo demasiadas pessoas a perder a batalha do achar injusto e não querer saber e penso no banqueiro anarquista do Fernando Pessoa: é preciso termos (ou, neste caso, sabermos) para não precisarmos, para não nos sujeitarmos, para podermos desprezar. Ou, vá, no mínimo para não sermos sodomizados.

Guionista, apresentadora e porteira 
do futuro

IN "i"
25/07/15


.
.
.
.

581.UNIÃO


EUROPEIA
















.
.
HOJE NO
 "OBSERVADOR"

Programa põe 1.200 veículos elétricos
 no Estado a partir de amanhã

O programa de mobilidade sustentável para administração pública, que prevê integrar na frota do Estado 1.200 veículos elétricos até 2020, e poupar 50 milhões de euros, entra em vigor na quarta-feira.
.
O programa de mobilidade sustentável para administração pública (Eco-Mob), que prevê integrar na frota do Estado 1.200 veículos elétricos até 2020, e poupar 50 milhões de euros, entra em vigor na quarta-feira, segundo um diploma hoje publicado em Diário da República.

A resolução do Conselho de Ministros, aprovada a 25 de junho e hoje publicada, adota um programa de mobilidade sustentável para a administração pública até 2020, mas faz depender a execução das medidas previstas da existência de fundos disponíveis por parte das entidades públicas.

O Eco-Mob promove menos uso de viaturas, redução de emissão de CO2, menos consumo de energia, promoção de energias renováveis e redução da fatura energética, resumiu o ministro.

Portugal tem o objetivo de reduzir as emissões de 30 a 40% em 2030, face aos níveis de 2005, e ter 40% de energias renováveis no consumo final de energia, o que representa 80% de eletricidade renovável.

* Mais uma manobra eleiçoeira, os eléctricos não têm boa relação qualidade/preço nem autonomia para trabalhar, não se poupa nada, só se desbarata.


.
.
43-BEBERICANDO


video

LÉRIGOU



.
.


11- CORAÇÕES


E MENTES


A GUERRA DO VIETNAME


video

ÚLTIMO EPISÓDIO

* As nossas séries por episódios são editadas no mesmo dia da semana à mesma hora, assim torna-se fácil se quiser visionar episódios anteriores.

.
.
HOJE NO
 "DIÁRIO DE NOTÍCIAS"

Rui Machete diz que "não é possível 
dar números concretos" de 
combatentes terroristas portugueses

Ministro dos Negócios Estrangeiros assegura, no entanto, que o número será seguramente inferior ao de combatentes espanhóis, que ultrapassa os 120.
.
O ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros português afirmou hoje que "não é possível apresentar números concretos" de portugueses que vão combater em zonas de conflito, mas ressalvou ser um número "bastante inferior" aos 126 espanhóis nessa situação.

"Não lhe posso dar números muito exatos por um motivo muito óbvio: a maior parte daqueles terroristas portugueses que se deslocaram para a Síria e o Iraque têm nacionalidade portuguesa, mas são oriundos de comunidades que vivem no estrangeiro. Nós não temos um controlo absoluto desses números", disse à agência Lusa Rui Machete.

O ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros português falava no final de um encontro ministerial em Madrid - no quadro da Reunião do Comité Contra o Terrorismo do Conselho de Segurança da ONU - especialmente dedicado à forma de travar o fluxo de combatentes terroristas estrangeiros para zonas de conflito.

No decorrer do encontro, o ministro do Interior de Espanha apresentou um ponto de situação do seu país: dos 126 espanhóis que se deslocaram para zonas de conflito (Síria, Iraque e outros países), 25 morreram (ou imolados ou durante os combates), 61 ainda se encontram no exterior (15 deles com ordens de detenção europeias ou internacionais) e 25 regressaram a Espanha. Entre os regressados, 15 estão presos e 10 estão em liberdade em Espanha, resumiu o ministro espanhol.

Rui Machete disse que "não é possível apresentar números exatos" de combatentes terroristas portugueses.

"Temos um controlo razoável das pessoas que, tendo estado em ações terroristas, depois voltam a território nacional. Mas se não voltam a território nacional, também é difícil ter [esses números]", sublinhou.

O ministro português realçou, ainda assim, que "são números certamente bastante inferiores aos que Espanha apresenta".

"Primeiro porque Espanha tem uma população superior e depois porque as colónias de estrangeiros em Espanha - vindas dos países do Magreb e da África subsaariana - são em número muito superior àquelas que nós temos", disse.

Ainda assim, Rui Machete considerou que não é por isso que o fenómeno é menos preocupante em Portugal.

"É menos grave em termos quantitativas em relação aos combatentes estrangeiros. Mas é sempre preocupante porque um ou dois terroristas podem fazer uma diferença enorme. Por isso não se pode dizer que estamos indemnes ao terrorismo. Isso não é verdade. Felizmente não temos detetado até agora casos graves", salientou.

O ministro recordou que Portugal adotou recentemente legislação precisamente para criminalizar essas condutas, no seguimento de uma resolução do Conselho de Segurança das Nações Unidas.

"Algumas coisas nós já tínhamos feito, outras completamos de acordo com essa resolução, que é bem feita e abrangente: em matéria de viagens de candidatos a terroristas ou que voltam [ao seu país de origem] - e que depois de um período de descanso - regressam aos campos de ação terrorista. Houve a criminalização dessas condutas, por exemplo", explicou Rui Machete.

* Dificilmente o sr. ministro saberá responder em números a qualquer pergunta que lhe façam, o único número que lhe vimos fazer foi o de pedir desculpas às autoridades angolanas, um triste número.


.
.

Marco Rodrigues

Rosinha Dos Limões


.
.
HOJE NO
 "RECORD"

VOLTA A PORTUGAL EM BICICLETA
Gustavo Veloso é o último a partir
 para o prólogo

O prólogo de seis quilómetros que inaugura quarta-feira a 77.ª Volta a Portugal em bicicleta, em Viseu, vai começar às 15:04, terminando cerca de duas horas depois, com a prestação do espanhol Gustavo Veloso (W52-Quinta da Lixa).
.
O campeão em título aparece na ordem da partida do prólogo como último ciclista a partir da Avenida da Europa, às 17:20 horas, arrancando logo depois do segundo classificado do ano passado, o português Rui Sousa (Rádio Popular-Boavista).

Os 137 ciclistas inscritos partem com um minuto de diferença entre si, sendo o belga Daan Myngheer (Verandas Willems) o primeiro a fazer-se à estrada, às 15:04 minutos, para completar o percurso de seis quilómetros com final na Avenida da Europa.

Rui Sousa e Ricardo Mestre candidatam-se à vitória

Rui Sousa (Rádio Popular-Boavista) e Ricardo Mestre (Team Tavira) confirmaram esta terça-feira a sua candidatura ao pódio da 77.ª Volta a Portugal em bicicleta, uma aposta que, no caso de Ricardo Vilela (Caja Rural), dependerá da Vuelta.

"Acho que depois de cinco pódios e quatro deles consecutivos sonhar com uma vitória na Volta é normal", reconheceu Rui Sousa.

Segundo no ano passado e terceiro nos três anos anteriores, o líder da Rádio Popular-Boavista entende que será difícil chegar de amarelo a Lisboa, no dia 9 de agosto, porque os adversários se prepararam "o melhor possível" e o contrarrelógio joga a favor dos seus dois grandes adversários, Gustavo Veloso (W52-Quinta da Lixa) e Alejandro Marque (Efapel).

"Sem dúvida que favorece os adversários, embora eu goste deste contrarrelógio. Nos dois anos em que o fiz estive lá na discussão, pelo menos nos dez primeiros. Agora, eu não posso esperar pelo contrarrelógio, porque eles são muito mais fortes. Tenho que, durante a Volta, até ao dia do contrarrelógio, ver se consigo alguma diferença. Sei que é muito difícil, mas enquanto as minhas forças derem estarei aí para lutar por esta vitória. Eu tenho muita esperança que consiga este ano, aos 39 anos, vencer esta Volta a Portugal", confessou.

Ricardo Mestre, o último dos portugueses a vencer a Volta a Portugal, também se assume como candidato, não à amarela, mas a um bom resultado.

"A concorrência está muito forte. Penso que há favoritos que são mais favoritos do que eu. Penso que poderei estar num bom lugar, mas que há outros favoritos que estão muito bem. O Gustavo e o Marque, derivado ao contrarrelógio, são mais favoritos. Depois está o Rui Sousa, o Jóni Brandão e o Delio Fernández. Aparecerão mais algumas surpresas, como o Ricardo Vilela e outros de que não estamos à espera", enumerou.

Visivelmente feliz e bem mais relaxado do que no ano passado, quando regressou à maior prova velocipédica nacional depois de uma passagem mal sucedida pela extinta Euskaltel-Euskadi e alinhou pela Efapel, o algarvio admitiu que se sente bem no "seu" Tavira.

"Para mim é um ambiente diferente, no qual me sinto mais à vontade, sem pressão. Espero que isso de alguma maneira me acabe por beneficiar. À partida, penso que todos estamos preparados. Venho com a ideia que treinei bem, que fiz as coisas bem, agora espero fazer um bom resultado", concluiu à agência Lusa.

Enquanto Mestre e Sousa não esconde as suas pretensões, Ricardo Vilela mostra-se mais comedido. Pré-selecionado para a Volta a Espanha, que arranca a 22 de agosto, o português da Caja Rural vai condicionar o seu desempenho consoante seja eleito ou não para a prova espanhola.

"Vamos ver como sai a primeira semana. Vamos tentar estar bem na primeira semana e depois tomar a melhor opção pela equipa. Sei que se a presença na Vuelta estiver garantida terei de reservar energias", disse à Lusa.

Sexto classificado em 2014, depois de trabalhar e muito para Gustavo Veloso, o transmontano rejeitou sentir uma pressão extra por liderar a equipa espanhola, a mais cotada desta edição.

"Sempre fui um bom gregário, estar aqui noutra forma de correr será diferente, mas não vejo nisso um entrave. É um passo normal na minha carreira", defendeu.

* O espectáculo nas estradas portuguesas.

.
.

House of Dancing Water

video

.
.

HOJE NO
 "JORNAL DE NOTÍCIAS"

Futuro do presidente do INEM 
decidido em duas semanas

O ministro da Saúde anunciou que, dentro de duas semanas, vai pronunciar-se sobre as recomendações da Inspeção Geral das Atividades em Saúde, após a investigação que efetuou ao presidente do INEM. 
 .
VAI UMA BOLEIA?
Paulo Macedo, que falava aos jornalistas no final da cerimónia de entrega de 36 ambulâncias do INEM aos bombeiros, confirmou que a Inspeção Geral das Atividades em Saúde (IGAS) já efetuou o seu trabalho e que cabe agora ao ministro avaliar as suas recomendações.

Em causa estão, como lembrou Paulo Macedo, três questões envolvendo o presidente do INEM, o médico major Paulo Campos.

Além da sindicância solicitada pelo INEM, a IGAS investigou o alegado desvio de uma ambulância com uma doente prioritária, para que a mulher de Paulo Campos conseguisse chegar a horas ao hospital onde trabalha, em Gaia.

A outra investigação está relacionada com a suposta intervenção do presidente do INEM na transferência de uma doente de helicóptero do hospital de Cascais para o de Abrantes. Paulo Campos terá alegadamente autorizado a transferência desta doente de helicóptero do INEM, apesar do hospital não o ter solicitado.

O ministro da Saúde disse que está a analisar as recomendações da IGAS e que, sobre estas, deverá pronunciar-se dentro de duas semanas.

* Que tipo de "cunha" é que foi usada para que um major médico seja presidente do INEM? Descartamos a competência dado os incidentes referidos. Duas semanas, dois dias bastam.

.
.


PROTEJA OS OLHOS













.
.
HOJE NO
 "JORNAL DE NEGÓCIOS"

"Benefício" do vinho do Porto sobe
 para 111 mil pipas em 2015

A produção de vinho do Porto vai aumentar pelo quarto ano consecutivo. Os representantes dos produtores e dos comerciantes da região demarcada do Douro acertaram um crescimento de seis mil pipas na vindima de 2015.
 .
O Conselho Interprofissional do Instituto dos Vinhos do Douro e do Porto (IVDP) definiu esta terça-feira, 28 de Julho, o aumento da produção do mais conhecido vinho português na vindima de 2015, com a fixação do designado "benefício" em 111 mil pipas (de 550 litros), o que representa uma subida quando comparado com as 105 mil pipas que tinham sido autorizadas no ano passado.

Definido anualmente num órgão consultivo que junta os produtores e os comerciais da região, o "benefício" é, na prática, a quantidade de mosto generoso que, somando a aguardente que é preciso adicionar, fixa a quantidade de vinho do Porto que pode ser produzida na vindima seguinte. Esta é uma decisão aguardada com expectativa por milhares de lavradores, para quem a sobrevivência assenta na venda de uvas para este vinho.

Depois de permanecer inalterado nas 110 mil pipas em 2009 e 2010, em 2011 esse valor sofreu uma quebra acentuada, para as 85 mil pipas. Uma decisão que gerou enorme polémica e revoltou os produtores da mais antiga região demarcada do mundo. No ano seguinte, o "benefício" aumentou para 96.500 pipas, em 2013 voltou a subir para as 100 mil pipas e no ano passado houve um novo crescimento para 105 mil pipas. Este é, assim, o quarto aumento consecutivo.

O presidente do IVDP, Manuel Cabral, destacou que a reunião desta terça-feira do conselho interprofissional "marca um novo tempo de concertação e diálogo entre a produção e o comércio, com o objectivo de posicionar ainda melhor as Denominações de Origem Porto e Douro e melhorar os rendimentos de todos os actores da região e do sector".

A definição do "benefício" é um processo que exige anualmente uma negociação entre os representantes dos produtores e dos comerciantes de vinho do Porto, tendo por base um conjunto de critérios técnicos, os níveis de vendas de Vinho do Porto nos últimos meses e as projecções para o resto do ano, o nível de stocks existentes e as intenções das compras dos comerciantes até Dezembro.

As vendas de vinho do Porto ascenderam a 363 milhões de euros em 2014, o que representou um recuo ligeiro (-0,5%) face ao período homólogo, sobretudo devido à pressão dos maiores mercados externos: França e Reino Unido. Apesar de estar a baixar o seu peso relativo no Douro – menos dez pontos do que há oito anos –, o Porto ainda vale 73,6% do negócio vitivinícola da região, que totalizou 493,4 milhões de euros no ano passado.

* Generoso e excelente, desde que não o transformem em xarope.

.
.
IMAGINAÇÃO
video

Volkswagen Polo GTI no metro de Lisboa

.
.
HOJE NO
 "DESTAK"

Hotelaria e restauração exigem reposição
. IVA de 13% em 2016 e de 6% em 2017

A Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) insistiu hoje na reposição da taxa do IVA em 13% nos serviços de alimentação e bebidas em 2016 e a aplicação da taxa reduzida de 6% em 2017. 
 .
"Exigimos a reposição da taxa do IVA no Orçamento do Estado para 2016 e a taxa reduzida de 6% no Orçamento para 2017 como recomendam a Comissão Europeia e o Parlamento Europeu", disse à agência Lusa o diretor-geral da AHRESP, José Manuel Esteves, após uma reunião do Conselho Consultivo da associação, que decorreu hoje na vila de Campo Maior, no distrito de Portalegre, no Alentejo.

Segundo o responsável, através de uma diretiva, a Comissão Europeia e o Parlamento Europeu recomendam a aplicação da taxa reduzida de IVA aos serviços de alimentação e bebidas, porque a hotelaria e a restauração "são um setor de forte empregabilidade".

"Temos de apoiar, através de cargas fiscais reduzidas, estes setores", que são "grandes geradores de emprego, sobretudo jovem", frisou, defendendo que baixar a carga fiscal "é a melhor forma de combater a evasão fiscal e a economia paralela, não é com sorteios de automóveis estrangeiros de grande cilindrada".

Atualmente, o cumprimento fiscal da hotelaria e da restauração "é de 98%", ou seja, é um setor "altamente cumpridor", disse, referindo tratar-se de "um dado importante reconhecido pelas Finanças".

Referindo que "a carga fiscal portuguesa", nomeadamente a da hotelaria e da restauração, "é a mais elevada da União Europeia", o diretor-geral da AHRESP questionou: "Com que prazer e responsabilidade Portugal pode ter a taxa de IVA de serviços de alimentação e bebidas mais elevada da zona euro?"

"É impossível e insustentável", disse, lembrando que o setor da hotelaria e da restauração "foi o primeiro a sofrer o ajustamento por efeito da crise internacional e da quebra de poder de compra dos clientes e depois a cereja no topo do bolo: o aumento de 77%" na taxa do IVA, que subiu de 13% para 23%.

"Não há memória, nas últimas décadas no nosso país, de um imposto ter tido um aumento tão violento", disse. 

* Cuidado com a demagogia, reconhece-se que o IVA na restauração é criminoso mas não é liquido que se o imposto reduzir aumentam os salários de quem está empregado no sector, aumenta-se o emprego ou é reduzido em proporção o preço das refeições, mais, temos a certeza que nada do que referimos irá acontecer.

.