sexta-feira, 10 de julho de 2015

UMA GRAÇA PARA O FIM DO DIA

.














.
.
.


  COMO NÓS NOS 


  "PASSAMOS"!



O QUE SE PASSA NO CÉREBRO 
QUANDO CONVERSANOS COM ALGUÉM




* Uma produção "EURONEWS"




.
.

UMA INTELIGÊNCIA













.
.



10- O MARKETING
DA LOUCURA


MARKETING EM MASSA

ESTÁ NA HORA DO SEU EXAME ANUAL
.


Os psiquiatras dizem--nos que a forma de resolver comportamentos indesejáveis é alterando a química cerebral com um comprimido.
Mas ao contrário de um medicamento comum como a insulina, os medicamentos psicotrópicos não têm uma doença alvo mensurável para tratar, e podem transtornar o equilíbrio delicado dos processos químicos que o corpo precisa para funcionar bem.
Não obstante, os psiquiatras e as companhias farmacêuticas têm usado estes medicamentos para criar um mercado enorme e lucrativo.

E eles têm feito isto nomeando cada vez mais comportamentos indesejáveis como "perturbações médicas" que requerem medicação psiquiátrica

Mas será que estas realmente se deviam chamar doenças?
A questão é portanto:
Como é que os medicamentos psicotrópicos, sem uma doença alvo, sem poderes curativos conhecidos e uma lista longa e extensa de efeitos secundários, se transformam no tratamento indicado para todo o tipo de distúrbios psicológicos?
E como é que os psiquiatras que apoiam estes medicamentos conseguiram dominar o campo do tratamento mental?
.


* As nossas séries por episódios são editadas no mesmo dia da semana à mesma hora, assim torna-se fácil se quiser visionar episódios anteriores.

.
.

HOJE NO
 "DIÁRIO ECONÓMICO"

Cerca de 10% dos alunos do 
secundário nunca leu um livro até ao fim

"No ensino secundário, num nível de ensino em que muitos pretendem aceder ao ensino superior, 10 por cento dos alunos nunca leu um livro até ao fim. É um dado que nos deve por a pensar", disse hoje à agência Lusa Leopoldina Viana, da Universidade do Minho e responsável pelo estudo.
.
O estudo decorre desde 2013 no âmbito da iniciativa Ler+Jovem e será apresentado hoje à tarde, em Lisboa, no primeiro encontro nacional de escolas participantes neste programa.

A ideia é, segundo a responsável, perceber o que é que os alunos leem, onde leem e quais as suas preferências.

Globalmente, adiantou Leopoldina Viana, os alunos leem e, desde que é feito o estudo, não se têm registado grandes variações em termos de leitura.

O estudo revela ainda que 14 por cento das famílias dos alunos participantes no inquérito não têm livros em casa e que um quarto dos alunos afirma que não gostava de ler em criança porque tinham dificuldade de compreender o que liam.

"É um dado importante para investir mais na compreensão da leitura nos anos iniciais", disse Leopoldina Viana.

Leopoldina Viana manifestou ainda preocupação pelo facto de o professor como motivador de leitura aparecer em último lugar entre as motivações dos alunos para lerem.

"Dá-nos a entender que há trabalho a fazer e que o professor tem que ter um papel mais ativo nesta área", considerou.

A procura do conhecimento e de atualização são as principais motivações apontadas pelos alunos para ler, bem como a influência do grupo de amigos.

Os alunos do secundário leem literatura sobretudo dos tempos livres e nas férias, conclui ainda o estudo, que revela, contudo, um "uso intensivo das bibliotecas escolares".

O livro continua a ser o suporte preferencial de leitura e, entre 2013 e 2014, registou-se uma diminuição do número de alunos que acede à Internet e que tem computador.

"Provavelmente tem que ver com a crise e as dificuldades económicas", disse Leopoldina Viana.
Leopoldina Viana sublinhou ainda que os alunos escolhem por vezes um tipo de literatura que não é aconselhada pela escola o que leva os professores a pensarem que os alunos não são leitores.

"Há muitos jovens que leem bastante, leem um tipo de literatura que não é muito consagrada do ponto de vista académico e relativamente à qual os professores fazem tábua rasa. Se calhar é preciso que a escola pense nesta leitura e possa integrar este tipo de leitura para seduzir o leitor", disse.

Professores, alunos e professores bibliotecários de todo o país estão hoje reunidos em Lisboa no I Encontro de Escolas Ler+Jovem, uma iniciativa do Plano Nacional de Leitura e da Rede de Bibliotecas Escolares, que visa fomentar a leitura nos alunos do ensino secundário.

* Vergonhoso, então os papás não fazem queixa dos professores por estes obrigarem os filhinhos a ler?

.
.

2 - TEMPESTADE NEGRA





* As nossas séries por episódios são editadas no mesmo dia da semana à mesma hora, assim torna-se fácil se quiser visionar episódios anteriores.


.
.

HOJE NO
 "CORREIO DA MANHÃ"

Fogo em Idanha-a-Nova 
mobiliza 185 operacionais 
Incêndio deflagrou em zona de mato.

Um total de 185 operacionais apoiados por 59 viaturas e três meios aéreos estão a combater às 16h45 de hoje um incêndio florestal no concelho de Idanha-a-Nova, no distrito de Castelo Branco. 
 .

O incêndio deflagrou às 13h14, numa zona de mato, junto à localidade de Casa de Vale Mosteiro, em Rosmaninhal (Idanha-a-Nova). Segundo o Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Castelo Branco o combate ao fogo "está a evoluir favoravelmente". 

Os meios aéreos envolvidos no combate às chamas são dois aviões médios e um pesado, 185 operacionais, entre bombeiros, força especial de bombeiros e militares da GNR, apoiados por 59 viaturas, refere a página da Autoridade nacional de Proteção Civil (ANPC).

* O crime continua!

.
.

1 SÉCULO  DE ENERGIA
DE MANOEL DE OLIVEIRA


A EDP lança o documentário "Um século de energia", o último trabalho realizado pelo Mestre Manoel de Oliveira. O documentário inédito de 12 minutos mostra a visão do cineasta sobre a transformação de energia ao longo do último século, transformações estas que mudaram a vida de todas as pessoas. Com este documentário Manoel de Oliveira quis criar uma retrospetiva do último século de energia, explorando as três formas através das quais a EDP tem vindo a produzir energia hídrica, eólica e solar.



.
.
HOJE NO
 "OBSERVADOR"

UE dá até dia 13 para se obter 
acordo com Irão no nuclear

A União Europeia (UE) aprovou, esta sexta-feira, um novo prolongamento, até dia 13, para as difíceis negociações sobre o programa nuclear iraniano. As negociações iniciaram-se há perto de dois anos.

A União Europeia (UE) aprovou, esta sexta-feira, um novo prolongamento, até dia 13, para as difíceis negociações sobre o programa nuclear iraniano em Viena. Trata-se do terceiro adiamento do prazo para se conseguir um acordo histórico.
 .
“Visando dar mais tempo às negociações em curso para se encontrar uma solução a longo termo para a questão nuclear iraniana”, o Conselho Europeu, que representa os 28 Estados membros, “prolongou até 13 de julho de 2015 a suspensão de medidas restritivas da UE” contra o Irão, indicou num comunicado.

A UE suspendeu em janeiro de 2014 algumas sanções contra o Irão em sinal de boa vontade no quadro destas negociações. As grandes potências do grupo 5+1 (os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança – Estados Unidos, Reino Unido, França, Rússia e China – mais a Alemanha) e o Irão estão reunidos há mais de duas semanas na capital austríaca para tentarem concluir um acordo sobre o dossier que “envenena” as relações internacionais há mais de 12 anos.

As negociações, iniciadas há perto de dois anos e que inicialmente deviam ser concluídas até 30 de junho, já foram prolongadas por duas vezes desde essa data e o último prazo terminava hoje à noite.
O chefe da diplomacia britânica, Philip Hammond, já tinha dito, esta sexta-feira, pela manhã, que os ministros deveriam voltar a reunir-se no sábado para tentar “ultrapassar os últimos obstáculos”.

As negociações avançam, mas continuam “penosamente lentas”, explicou. O acordo final deve garantir o caráter pacífico do programa nuclear iraniano, em troca de um levantamento das sanções internacionais que afetam a economia do Irão.

As sanções da UE suspensas no quadro destas negociações dizem respeito a setores-chave da economia iraniana como os produtos petroquímicos, o comércio de ouro e de metais preciosos e as transferências financeiras.

Este abrandamento respondeu a um compromisso de Teerão de congelar uma parte das suas atividades nucleares sob a vigilância dos inspetores da Agência Internacional de Energia Atómica.
Não incluiu as sanções mais pesadas contra Teerão, como o embargo à venda de armas, a proibição de empréstimos governamentais às autoridades iranianas ou as exportações de petróleo e de gás.

Além destas, a UE determinou a proibição de vistos a 94 pessoas e congelou os bens na Europa de 471 entidades, entre as quais o Banco Central iraniano.

* Uma trapaça, um acordo em papel de refugo, ninguém acredita que a ditadura iraniana cumpra seja o que fôr.

.

MARIA JOÃO AVILEZ

.






Maria de Jesus

Teria ido muito longe na política não fora a partilha de vida com alguém chamado Mário Soares. Foi por outro caminho. O que nunca, em quase setenta anos de teto comum, quis dizer sombra

À Isabel
1 – Toda a gente vai escrever ou dizer tudo sobre Maria Barroso. Ou melhor, tudo talvez não, afinal. Não é fácil encaixar em palavras coisas tão magnas como qualidade, autenticidade, profundidade e responsabilidade. Ou como coragem, inteireza, intuição e talento (a rodos).

Foi uma excelente pedagoga e uma vibrante comunicadora, era intuitiva e observadora. Teria ido muito longe na política não fora a partilha de vida com alguém chamado Mário Soares. Chegaram “lá” os dois ao mesmo tempo. Ele ficou, abrindo um lugar cativo, ela deixou-o ficar, oferecendo-lhe o brilho e o exclusivo do brilho. Foi por outro caminho. O que nunca, em quase setenta anos de teto comum, quis dizer sombra, mas apenas isso mesmo, outro caminho. Como ela o quis e talhou. Ao lado, mas nunca na penumbra do ex-líder do PS, do ex-titular dos Negócios Estrangeiros, do ex-Primeiro-Ministro, do ex-Presidente da República. Sim, era um “petit bout de femme” com intensa luz própria e um passo autónomo que nunca ninguém domesticou.

A “Maria de Jesus”, como eu gostava respeitosamente de a chamar, soube aplicar e multiplicar cada uma dessas bênçãos com que por vezes, raras vezes, a natureza humana é dotada. Utilizou-as sempre bem, nunca desistindo de cumprir os seus dias com o norte que lhe era apontado pelos valores em que acreditava e aos quais foi permanentemente fiel e se manteve direita como um cipreste; mas também com o (agudo) sentido que punha nas suas escolhas e prioridades em que a primeira não era senão a vital importância que para si assumia o seu clã familiar (e como esta matriarca defendia aquela fortaleza!). Só depois se encadeavam as suas diversas responsabilidades na vida pública e na sociedade portuguesa, num permanente, incessante, curioso, enérgico acorrer às chamadas. Mas era do “seu” Campo Grande, do seu reduto, do seu núcleo duro sentimental, da sua família, que ela partia todas as manhãs, para levantar voo para a vida. Começava pelo Colégio. Sempre elegantíssima, bonitíssima, atravessava a rua pelas oito da manhã — “Gosto que os pais me vejam ali quando trazem os filhos”, disse-me uma vez, quando estranhei tanta alvorada.

Sim, como a Maria de Jesus “praticou” bem tantos dotes e dons, como eles a abençoaram e como ela se realizou através deles… Na luta política, tão jovem, onde era tenaz e audaz;  no combate pela liberdade e pelas liberdades onde era inteira; na direção do Colégio Moderno, vivendo solitariamente tempos duríssimos: como quando Soares estava preso ou exilado e havia um permanente ambiente de desconfiança à sua volta, duas crianças em casa e parca liquidez para enfrentar a vida. Uma vez contou-me que “ nessa época ia de madrugada à Ribeira comprar hortaliças para os alunos internos porque era mais barato”; no teatro, onde foi uma imensa atriz, no cinema onde deixa marca inconfundível. Amélia Rey Colaço – que a adorava – nunca a deixou cair, recusando liminarmente as admoestações e pressões do regime para afastar da companhia do Teatro Nacional que dirigia, uma impetuosa rapariga chamada Maria Barroso. Décadas depois, após Abril de 74, a ex-atriz e futura primeira dama pagar-lhe-ia com a mesma moeda de generosidade e reconhecimento. Nunca nada as separou e era tão emocionante como quase comovente ouvi-las – como ouvi algumas vezes — falar ternamente uma da outra, desfiando recordações, revendo bons e maus momentos.

Família, política, teatro, educação, poesia. E essa essencial descoberta de Deus que surgiu tarde mas que a preencheuaté ao fim dos seus dias. Felizmente para mim não terei de proceder ao exercício fútil de decidir onde ela era “melhor”. Era una e indivisível em cada um dos ramos da fecunda árvore da sua vida. Mas só uma grande mulher consegue sê-lo e permanecê-lo, sendo ao mesmo tempo a companheira de um “ocupante” da cena portuguesa, como foi e é Mário Soares.

Una e indivisível também o foi, insisto neste aspeto, na dimensão da sua fé cristã, vivendo-a com aquele seu timbre onde tão bem se misturavam a convicção espiritual e o empenho pessoal. Via-a na paróquia do Campo Grande que ela frequentava com fervor e rigor, cultivando a sua sólida amizade com o nosso prior, Monsenhor Vítor Feytor Pinto, ao mesmo tempo que dialogava com uma alegria loquaz com os paroquianos, antes ou depois das missas, na sala do convívio da igreja. Encontrei-a ao longo de anos e anos, incontáveis vezes, em incontáveis geografias e ocasiões, nas suas casas ou na minha, no Colégio Moderno onde tive um filho: nunca mudei de opinião ou sequer de perceção a seu respeito.

Porém, talvez que o mais extraordinário de tudo o que apressada e tristemente escrevo ainda seja o eu saber que cada palavra minha não sofre do mal do elogio oco, do panegírico obrigatório, do aplauso da 25.ª hora, do pecado do excesso.
.
Maria de Jesus era isto e era assim. Mesmo se eu sei que tanto fica por dizer, por contar, por lembrar. Por celebrar.

Ah, feliz família que pode, no seu interior mais íntimo, aprisionar tão excecionais memórias  – e tão ricas na sua diversidade; e contar, no seu privado aconchego com tão formidavelmente cheio exemplo de vida.

2 – A esta hora já se encontraram os dois, estou certa, o Alberto e a Maria de Jesus.
.
O Alberto Vaz da Silva também partiu ontem, silenciosamente e com aquela espécie de discrição doce com que falava connosco e usava nas coisas. Especial, singular, amável e afável Alberto… Devem estar agora a falar de poetas, talvez ela lhe diga os versos de Sophia que tão intimamente conheceram e tanto amaram um e outro e não me custa adivinhar que ele lhe responda com a poesia de Tolentino Mendonça que o Alberto lia e bebia porque com ela se maravilhava.
.
Ou quem sabe, estarão a falar os dois de Deus que finalmente encontraram após o tempo terreno em que, de formas tão distintas e por tão distintas avenidas, ambos buscaram mas sempre com a certeza de que ele era uma certeza.
.
No céu não deve haver meses nem estações do ano mas aqui em baixo e apesar desta luz tão brilhante, este julho está a pesar-nos demais no coração.

IN "OBSERVADOR"
08/07/15

.
.
.

563.UNIÃO


EUROPEIA



.
HOJE NO
 "DIÁRIO DE NOTÍCIAS"

É capaz de ser um recorde. 
 Polícia norueguesa só disparou 
duas vezes em 2014 

A última vez que alguém foi morto pela polícia na Noruega foi em 2006.
 

Em 2014, a polícia norueguesa só disparou armas de fogo em duas ocasiões, sem que ninguém tenha morrido. Aliás, há nove anos que ninguém é morto pela polícia na Noruega. 
É o que revelam os dados estatísticos desse país nórdico, convertidos pelo site Quartz num gráfico que traduz, com muita clareza, o parco uso que a polícia norueguesa faz das armas de fogo.
 .
Não é caso único. Por exemplo, entre maio de 2012 e abril de 2013, a polícia britânica disparou apenas três vezes, sem matar ninguém, notícia que correu mundo e originou comparações com outros países em que a violência policial é considerada um problema social. Aquando da divulgação desses números, a BBC Brasil fez um levantamento em que concluiu que pelo menos 1259 pessoas foram mortas pela polícia brasileira no ano de 2013.

Em Portugal, os últimos dados disponíveis são do relatório de atividades de 2012 da Inspeção-Geral da Administração Interna, ano em que três pessoas foram mortas pela GNR e PSP, enquanto três ficaram feridas, em consequência de operações em que foram usadas armas de fogo. Entre 2006 e 2012, o total ascende a 25.

Na Noruega, de acordo com a Quartz, a legislação relativamente às armas de fogo torna muito difícil obtê-las para qualquer propósito que não seja a caça ou o desporto, e a maioria dos agentes não anda armada.

É essa a diferença fundamental, de acordo com a revista The Economist, entre um país como o Reino Unido, que pode passar anos sem que ninguém seja morto a tiro pela polícia, e um país como os Estados Unidos, cuja média de pessoas mortas cada ano por agentes da polícia ronda as 400. "No Reino Unido, as armas de fogo são raras", lê-se na reportagem da Economist. Os polícias não costumam andar armados e a maioria dos criminosos não tem acesso a armas de fogo, enquanto nos Estados Unidos, as armas são comuns, e a cultura policial é descrita como "hipermilitarizada".

* A diferença entre países civilizados e "novos-ricos".

.
.



O SEGREDO 
DAS COISAS

 35 -SAPATOS


DE BRONZE







.
.
.

 I-ARQUIVOS SECRETOS


DA INQUISIÇÃO


4-LÁGRIMA DE TERROR




* As nossas séries por episódios são editadas no mesmo dia da semana à mesma hora, assim torna-se fácil se quiser visionar episódios anteriores.


.
.
HOJE NO
 "RECORD"

VOLTA À FRANÇA
Paolini acusa positivo por cocaína

O ciclista italiano Luca Paolini, colega de equipa de Tiago Machado, acusou positivo para cocaína depois da quarta etapa da Volta a França, anunciou esta sexta-feira a sua equipa, a Katusha. 
.
 O corredor, de 38 anos, acusou cocaína num controlo realizado no final da quarta etapa. A substância não é proibida fora de competição, mas faz parte da lista da Agência Mundial Antidopagem de substâncias dopantes em competição.

O porta-voz da Katusha, Philippe Mertens, revelou que a equipa, que tomou conhecimento do caso esta sexta-feira à tarde, decidiu retirar Paolini da Volta a França.

Paolini esteve em destaque esta temporada ao conquistar a corrida clássica Gent-Wevelgem, na Bélgica.

* Anda a correr contra o futuro.

.
.

Corinne Bailey Rae

Like A Star


.
.
HOJE NO
 "JORNAL DE NOTÍCIAS"

Alexandre Quintanilha lidera
 lista do PS pelo Porto

Os professores catedráticos Alexandre Quintanilha e Helena Freitas serão cabeças de lista pelo PS nos círculos eleitorais do Porto e de Coimbra, respetivamente. 
 .
Com a escolha de Alexandre Quintanilha, físico do Instituto de Ciências Biomédicas do Porto, e de Helena Freitas, doutorada em ecologia, o secretário-geral do PS, segundo a mesma fonte, pretendeu transmitir um "sinal de renovação" e de aposta na captação de alguns dos melhores quadros científicos nacionais.


Estes nomes foram divulgados no começo da reunião da Comissão Política Nacional do PS, na qual serão aprovados os critérios para a elaboração das listas socialistas de candidatos a deputados.

Em relação a outros cabeças de lista do PS, António Costa escolheu a coordenadora da Agenda para a Década e ex-secretária de Estado Maria Manuel Leitão Marques para encabeçar a lista de Viseu, enquanto outro professor universitário e membro do grupo que elaborou o cenário macroeconómico para o PS, Manuel Caldeira Cabral, será o primeiro candidato em Braga.

Em todos estes círculos eleitorais António Costa escolheu professores universitários independentes para encabeçar as listas do PS.

O vice-presidente da bancada socialista Vieira da Silva será o primeiro em Santarém; o secretário nacional para a Organização, Jorge Gomes, encabeçará a lista de Bragança; o diretor de campanha e ex-secretário de Estado Ascenso Simões é o "número um" por Vila Real.

Outros cabeças de lista já definidos são Ana Catarina Mendes (Setúbal), Pedro Nuno Santos (Aveiro), Capoulas Santos (Évora) e Carlos César (Açores).

* Da lista conhecida estamos convencidos que alguns irão pôr os seus conhecimentos ao  serviço do país, outros nem por isso.

.
.
 
Taylor Guerra

Uma lutadora do CARAÇAS


.
.

HOJE NO
 "JORNAL DE NEGÓCIOS"

PJ faz buscas ao Cofre de Previdência 
dos Funcionários e Agentes do Estado

A Polícia Judiciária e o Ministério Público estão a efectuar buscas às instalações do Cofre de Previdência dos Funcionários e Agentes do Estado, em Lisboa, disse à Lusa fonte policial.

 A mesma fonte referiu que, em causa, na investigação, estão suspeitas dos crimes de participação económica em negócio e peculato.

Segundo a página de internet do organismo, o Cofre "é uma instituição de previdência social, de utilidade pública, constituída por associados, que são ou foram trabalhadores da função pública", sendo o seu conselho de administração presidido por Américo Tomé Jardim.

As buscas estão a cargo de elementos da Unidade de Combate à Corrupção da PJ.

A notícia da operação policial ao Cofre foi avançada pela Sic Notícias.

* Mais um organismo de utilidade pública a contas com a justiça, gente séria.

.
.


RESOLVA


O PUZZLE


Cachorrinho


.
.
HOJE NO
  "DESTAK"

Abono no quarto e quinto escalão 
do IRS e plano contra pobreza 
no programa de PSD/CDS-PP

O abono de família para os quarto e quinto escalões do IRS e um plano de combate à pobreza são duas das medidas para programa eleitoral da coligação PSD/CDS-PP que foram hoje apresentadas ao Conselho Nacional centrista. 

O plano de combate à pobreza será concretizado através de uma parceria público-social com Instituições Particulares de Segurança Social (IPSS) e Misericórdias, disseram à Lusa fontes do CDS-PP.

Os conselhos nacionais do PSD e do CDS-PP, os órgãos máximos dos partidos entre congressos, estão reunidos, em encontros que se realizam em simultâneo, em Lisboa. 

* Os maiores promotores da pobreza e do drama social surgem agora querbinicamente arautos dos coitadinhos, é muita sem-vergonhice.

.
.


'LADRÃOZECO'


Pensou que podia roubar o bêbado e ir embora sem ninguém perceber

.
.
HOJE NO
 "i"

Deve a mulher do
 primeiro-ministro esconder-se?

“Não se pode impor um segundo sofrimento”, defende psicóloga. Passos criticado por aproveitamento político.

Laura Ferreira apareceu em público sem cabelo. A mulher do primeiro-ministro mostrou as consequências da batalha contra o cancro e essa imagem – num tempo em que o frame vale muito mais que mil palavras e em que as eleições marcam o horizonte político – gerou críticas violentas nas redes sociais.
 .
Foi a primeira vez que Laura Ferreira acompanhou uma visita oficial do chefe de governo desde que lhe foi diagnosticado cancro, no ano passado. A visita de dois dias teve um pormenor importante: a comitiva passou por Guiné-Bissau e Cabo Verde, precisamente os locais onde a mulher de Passos Coelho nasceu e cresceu. Mas foi a imagem de Laura Ferreira, sem lenços nem perucas, publicada na primeira página de um jornal diário, que gerou críticas de aproveitamento político da sua situação de saúde.

O caso não tem precedentes na história política em Portugal, porque junta a mulher de um alto responsável político e uma doença que carrega um enorme estigma social. A questão torna-se, por isso, incontornável: deve a mulher do ex-primeiro-ministro evitar a exposição pública nos meses que faltam até às eleições do Outono?

“Não se pode impor um segundo sofrimento, ocultar o que aconteceu” para evitar essa atenção mediática, considera Albina Dias, psicóloga e coordenadora da Unidade de Psico-Oncologia do núcleo regional Sul da Liga Portuguesa Contra o Cancro.

“Não se trata de dizer que há um certo ou um errado, a pessoa tem de estar confortável com o que está a fazer”, acrescenta Maria Jesus Moura. A directora clínica da unidade de Cuidados de Suporte e Oncologia Psicossocial do Instituto Português de Oncologia de Lisboa sublinha que a forma como se lida com os sinais exteriores dos tratamentos contra o cancro variam de pessoa para pessoa. O próprio peso simbólico que a perda de cabelo tem é diferente em função da idade dos doentes.

Essa é, de resto, umas das cinco grandes barreiras psicológicas com que os doentes lidam depois do diagnóstico: as alterações da imagem corporal e da integridade física. “O cancro é uma doença muito estigmatizada, com muitos tabus, e os doentes são muitas vezes vistos como condenados”, destaca Albina Dias. E, na verdade, os números até contrariam essa percepção generalizada de que o sucesso no combate à doença é reduzido.

Colher que frutos? 
Desde que perdeu o cabelo, a atitude de Laura Ferreira tem sido sempre a mesma: não esconder, não ter vergonha. Nas duas vezes que saiu para jantar com Passos Coelho, perto de casa, fê-lo da mesma forma – sem adereços. Mas, nas redes sociais, a reacção foi implacável. A três meses das eleições, Passos Coelho estaria a usar a doença da mulher em proveito próprio.

Rodrigo Moita de Deus duvida que um calculismo político a esse nível pudesse trazer benefícios eleitorais.
“Evidentemente que a imagem, que é muito forte, humaniza o primeiro-ministro. Mas o governo não será avaliado por Laura, não é por isso que o desemprego vai descer ou os salários vão subir no dia das eleições”, considera o consultor de comunicação política, com rodagem em campanhas eleitorais.

Um psicólogo social que prefere manter o anonimato rejeita ao i que haja “consequências directas” da exposição. “Este caso pode ajudar a reforçar ou a atenuar a imagem que já se tem, mas não permite fazer uma conversão da imagem” política que os eleitores já tenham formado acerca de Passos Coelho.

Distanciando-se das leituras políticas, Albina Dias destaca o impacto anímico que a atitude da mulher do ex-primeiro-ministro pode ter noutros doentes. “Parece um gesto muito simples, mas é corajoso e pode ajudar muita gente. Pode levar outros a pensar que qualquer pessoa pode ter cancro e pode continuar a ter uma vida.”

Mostrar a sua imagem – o preço físico que pagou por ter cancro – foi o caminho escolhido por Laura Ferreira. Há outras opções, e cabe a cada doente escolher as “ferramentas” com que parte para a batalha. Por ser uma figura pública, a decisão da mulher do primeiro-ministro tem uma dimensão maior. Há 24 anos a lidar com doentes oncológicos, Maria Jesus Moura também se mantém distante das reacções à opção de Laura Ferreira. Mas não esconde que “é muito fácil fazer interpretações quando não se vivem os problemas, quando se está distante da realidade”. 

* LAURA FERREIRA não tem de se esconder, tem somente o direito de fazer o que lhe apetece no exercício da sua liberdade individual. 
Pomos esta situação como notícia escolhida porque nos indigna tanta desumanidade e hipocrisia. 
Quase todos os dias criticamos Passos Coelho pelo seu desempenho como governante, sobre a doença da mulher tem o nosso absoluto respeito e os maiores votos de melhoras.


.
.

É MÃO!














.
.
HOJE NO
 "A BOLA"

Ténis
«No circuito feminino, grande parte das jogadoras são lésbicas» - Stakhovsky

Sergiy Stakhovsky é um tenista profissional ucraniano, atualmente na 49ª posição da hierarquia mundial, e volta a estar no centro das atenções, mas não por aquilo que faz dentro dos courts.
.
A TROMBA DO ORDINÁRIO
Eliminado na 1ª ronda do torneio de Wimbledon, o ucraniano disse, em entrevista a um meio de comunicação russo, que metade do circuito feminino é homossexual.

«No circuito feminino, grande parte das jogadoras são lésbicas. Imaginem – metade das jogadoras! É por isso que não vou certamente meter a minha filha a jogar ténis».

Stakhovsky falou igualmente sobre o circuito ATP, circuito profissional de ténis masculino.

«Existe uma atmosfera normal no circuito ATP. «Se alguém fosse [homossexual] nós saberíamos, porque é um círculo muito fechado. Antes costumava falar-se do Gasquet e do Nadal, até mesmo do Federer. Não vou meter as mãos no fogo por todo o circuito e pela nova geração, mas no top-100 de certeza que não há gays».

* Este gajo é um ordinário, a orientação  sexual de quem quer que seja não pode ser objecto de consideração pública por ninguém. Este gajo sem princípios devia ser expulso do circuito ATP.


.
.
ACIDENTES

.
.
HOJE NO
 "DIÁRIO DE NOTÍCIAS

 DA MADEIRA"

Deputada do PSD alerta que vespa pode
. acabar com a castanha em poucos anos

A deputada do PSD eleita por Bragança Maria José Moreno alertou hoje que a vespa das galhas do castanheiro pode acabar com a produção nacional de castanha em poucos anos, se não forem tomadas de imediato medidas preventivas.
 .
"Há que tomar medidas já porque se a vespa começa a espalhar-se dentro de quatro ou cinco anos ficamos sem castanha", defendeu, em declarações à Lusa, preconizando a disponibilização por parte do Governo de financiamento às instituições que fazem investigação para procurarem soluções de combate a este parasita.

A parlamentar foi a autora do projecto de resolução aprovado, na quinta-feira por unanimidade na Comissão Parlamentar de Agricultura e Mar que recomenda ao Governo "o reforço da fiscalização e do controlo no movimento de plantas de castanheiro".

O insecto conhecido como vespa das galhas do castanheiro já foi detectado na zona de Trás-os-Montes, a maior produtora portuguesa de castanha, responsável por 80 por cento das 40 mil toneladas da produção nacional, que representam 70 milhões em vendas e 32 milhões em exportações, segundo os dados que constam no projecto de resolução.

De acordo com Maria José Moreno, a iniciativa conjunta de deputados do PSD e do CDS-PP já não deverá subir a plenário nesta legislatura, mas a deputada espera que a unanimidade que reuniu entre todos os partidos, na Comissão, leve o Governo a tomar medidas.

Além do maior controlo e fiscalização, esta iniciativa tem ainda o propósito de estimular a criação de condições para que as instituições dedicadas à investigação, que actualmente têm conhecimentos da referida praga, possam produzir e fornecer os parasitóides necessários para o combate àquele flagelo.
Os deputados recomendam ainda ao Governo que seja implementado um programa nacional de controlo da vespa do castanheiro, financiado com verbas públicas, à semelhança do que acontece com o nematode do pinheiro, noutras zonas do País.

A deputada Maria José Moreno manifestou "especial agrado pelo facto de se registar um acordo unânime o que vai reforçar esta causa de defesa da produção de castanha".

A parlamentar teme que dentro de poucos anos a praga se dissemine e devaste a produção de castanha como já aconteceu em outros países como Itália ou França.
Os produtores portugueses continuam a importar plantas para plantação de novos soutos destes países e da vizinha Espanha.

"Deve ter-se presente que o castanheiro passou, em menos de três décadas, de "árvore-do-pão" que alimentava os mais pobres da população rural do Interior, a fonte de riqueza com real expressão económica no rendimento agrícola regional e nacional", refere o texto da Resolução.
Esta fileira representar "centenas de empregos a nível regional", além do "relevante papel do castanheiro quanto aos equilíbrios ambientais", acrescenta.

"O que se espera é que o Governo, este ou o próximo, não deixe de estar atento e actuante a uma matéria que, embora mais confinada à região de Trás-os-Montes, tem, no entanto, elevado impacto económico, social e ambiental para todo o país", conclui.

* Um problema grave, a vespa das galhas do castanheiro tem de ser combatida, há muitas famílias a depender desta árvore para além da sua importância no ecosistema.


.