quinta-feira, 18 de junho de 2015

UMA GRAÇA PARA O FIM DO DIA

.









.
.



42-ACIDEZ 
FEMININA
MASSAGEM TÂNTRICA




A IMPRESCINDÍVEL TATY FERREIRA


* Uma produção "ACIDEZ FEMININA" - BRASIL

.

ESCLARECIDO?

.












.
.

 NOITE FRIA



.
.
HOJE NO
 "JORNAL DE NOTÍCIAS"

Pais deixam igualdade de lado
 após o primeiro filho

Um estudo espanhol sobre a divisão de tarefas entre os membros do casal conclui que a situação se altera após o nascimento do primeiro filho. Passado um tempo, os pais deixam de participar tanto nos afazeres domésticos. 
.
A mulher reserva para si o cuidar da criança e da casa e consegue ainda em simultâneo conciliar melhor a vida laboral com a doméstica. Já os homens, metade deles foi-se desleixando na realização da tarefas que até à paternidade lhes eram corriqueiras, ou seja, transitaram para um modelo de desigualdade.

A metade dos pais que manteve as actividades domésticas tinha níveis de formação elevados e profissões estáveis, revela o estudo publicado na revista de Investigação Sociológica Reis, que envolveu investigadores de sete universidades, seis espanholas e um Observatório Sociológico da Mudança parisiense.

Os investigadores observaram que os pais têm mais dificuldade em pedir licença para sair mais cedo quando há necessidade de tratar assuntos relacionados com os filhos, alegando que o seu posto de trabalho pode ficar em risco.

O estudo envolveu 68 casais, que foram estudados em várias fases, sendo a primeira ainda durante a gravidez. Há quem critique o estudo por ter um número reduzido de participantes.

* Machos

.
.
XXX- O UNIVERSO


 EXPLOSÕES CÓSMICAS


3- SUPER NOVAS




* As nossas séries por episódios são editadas no mesmo dia da semana à mesma hora, assim torna-se fácil se quiser visionar episódios anteriores.

.
.
HOJE NO
 "JORNAL DE NEGÓCIOS"

Louçã: 
Declarações de responsáveis políticos
. sobre a Grécia "ultrapassam limiar 
do que a democracia pode tolerar"

O ex-líder do Bloco de Esquerda Francisco Louçã, que está em Atenas, considerou esta quinta-feira que as declarações de alguns responsáveis políticos sobre a Grécia "ultrapassaram já o limiar do que a democracia pode tolerar".
 .
Em declarações à agência Lusa a partir da capital grega, onde está desde quarta-feira até hoje, numa apresentação do relatório preliminar de uma comissão oficial de auditoria à dívida grega, Louçã falou de intervenções como as da directora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, que no final do Eurogrupo de hoje disse que o importante agora é "restaurar o diálogo" com Atenas e que esse seja feito com "adultos na sala".

"É uma declaração estranha, vinda de uma pessoa com a experiencia política que Lagarde tem", considerou o antigo líder do Bloco, que estranhou "o transformar" de "questões políticas em coisas pessoas".

Louçã advogou ainda que, "se a Grécia sair do euro, é por causa do Banco Central Europeu (BCE)", pelo que o líder da instituição, Mario Draghi, tem sido particularmente "cauteloso".  "O incumprimento [da Grécia] não desencadeia contrapartidas institucionais a curto prazo, a não ser que o BCE corte liquidez", sustentou.

No que se refere à comissão de auditoria à dívida grega, Louçã realçou a presença de "cerca de 30 elementos do Governo" helénico, por entre ministros e secretários de Estado, na apresentação do trabalho. O relatório, "muito denso em termos jurídicos", é tido como "muito central do ponto de vista institucional" em Atenas, acrescentou Francisco Louçã à Lusa.

Francisco Louçã está na capital grega a convite da presidente do parlamento, Zoe Konstantopoulou.

Recentemente, a presidente do parlamento da Grécia anunciou a constituição de uma comissão de auditoria da dívida grega, concebendo-a como "uma ferramenta que permitirá reparar uma grande injustiça cometida em relação ao povo grego".

Além dessa comissão de auditoria, o parlamento deverá constituir outras duas comissões: Uma para investigar a situação que deu origem ao primeiro plano de resgate à Grécia de Maio de 2010; e outra para examinar os pedidos de reparação à Alemanha pela II Guerra Mundial.

* Os políticos europeus que detêm o verdadeiro poder querem derrubar o governo  de Tsipras eleito democraticamente. Se o governo grego fosse dos partidos que levaram o país à pré-bancarota, teriam em Bruxelas os braços abertos. O dinheiro europeu não admite contestação.

.
.

A VERGONHOSA HISTÓRIA

DO PETRÓLEO


 I- O SEGREDO DAS SETE IRMÃS

1-TEMPESTADES E
 FORTUNA NO DESERTO




.
.
HOJE NO
 "DESTAK"

Um em cada três homens que têm sexo
. com homens teve relações desprotegidas

O maior inquérito em território nacional feito a homens que têm sexo com homens, realizado em 2010 e só agora divulgado, revelou que mais de um terço dos inquiridos disse já ter tido relações ocasionais sem preservativo. 
 .
No comunicado divulgado pelo Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto (ISPUP), que teve a seu cargo o estudo em conjunto com o Grupo Português de Ativistas sobre Tratamentos de VIH/SIDA (GAT), é indicado que mais de metade da amostra de 5.187 participantes "referiu ter tido sexo com parceiros ocasionais" no ano anterior, enquanto quatro em cada 10 estavam numa relação estável no momento da resposta.

Em declarações à Lusa, a investigadora Ana Fernandes Martins revelou ainda que "mais de metade da amostra disse ter sido vítima de algum tipo de violência no ano anterior, tanto intimidação como violência física e verbal". 

* Problemático!

.

LUCY P. MARCUS

.



Síndrome FIFA

A detenção de executivos da FIFA devido a uma série de acusações de fraudes e corrupção foi notícia de abertura nos dias mais recentes. Mas as acusações feitas pelas autoridades suíças e norte-americanas focam-se em subornos e fraudes, e não se centram noutras injustiças flagrantes: o tratamento, no Qatar, de trabalhadores imigrantes que estão a construir os estádios para o Mundial de Futebol da FIFA de 2022.
.
A Amnistia Internacional divulgou recentemente um relatório sobre as condições de trabalho no Qatar. Os trabalhadores estão sujeitos a trabalhar em locais sem segurança, a exploradoras agências de recrutamento e a uma reduzida margem de recurso à justiça formal. Recentemente, o ministro do Trabalho do Nepal referiu, publicamente, que o governo do Qatar não tinha permitido aos emigrantes do Nepal regressarem ao seu país para o luto dos familiares que morreram no terramoto de Abril de 2015.
.
A Amnistia Internacional nota que a responsabilidade recai, em primeiro lugar, sobre as autoridades do Qatar. Mas a FIFA tinha – e continua a ter - a responsabilidade de agir. Também houve chamadas de atenção a patrocinadores como a McDonald’s, a Visa, a Coca-Cola, a Adidas, a Budweiser, a Gazprom, a KIA ou a Hyundai, para que elevassem a pressão sobre a FIFA e o Qatar de forma a que as condições de trabalho fossem melhoradas.
.
Estas questões também foram levantadas, em anos recentes, noutros sectores. Em Abril, a Human Rights Watch apresentou um relatório sobre o tratamento de trabalhadores no sector têxtil no Bangladesh. O relatório, espoletado pelo colapso do Rana Plaza, em 2013, em que morreram mais de 1.100 pessoas e mais de 2 mil ficaram feridas, sublinhou as deficientes condições de trabalho, as inadequadas inspecções aos edifícios, as fracas leis laborais e a necessidade de práticas salariais mais justas e de benefícios legais.
.
Para além destes exemplos, tem havido muitos outros. Na tecnologia, a Apple e a Foxconn enfrentaram críticas pelas condições de trabalho nas suas instalações produtivas na China. Até mesmo instituições de educação, tais como o novo complexo da Universidade de Nova Iorque em Abu Dhabi, foram prejudicadas por episódios de exploração e abuso no trabalho.
.
Estes não são casos isolados. Para cada desastre em casos mediáticos que chegam às primeiras páginas, há muitos outros de que nunca iremos sequer ouvir falar.Mesmo assim, há a esperança de que o tratamento daqueles que produzem os bens, os serviços e constroem as coisas que nos fazem felizes e produtivos – desde roupa e tecnologia aos estádios desportivos e complexos de universidades – venham a estar sob algum tipo de escrutínio. A globalização deveria forçar os gestores - e a todos nós – a pensar seriamente sobre as práticas de trabalho em todo o mundo.
.
É aqui que tudo se complica. O que é contabilizado para a força de trabalho de uma empresa? São "seus" trabalhadores apenas aquelas pessoas que estão nas suas folhas salariais? São as empresas responsáveis por todas as cadeias de fornecedores? Até que ponto pode – e deve – uma empresa ser responsabilizada pelas escolhas de alguém que pode estar muito distante da cadeia de produção? Quando uma questão muito séria é levada à atenção de uma empresa, são os seus administradores obrigados a resolvê-la, mesmo que isso envolva um subcontratado de um subcontratado?
.
Quanto maior e mais complexa a empresa, mais difícil é acompanhar todas as firmas com as quais aquela faz negócios e as empresas com que segundas trabalham, e por aí adiante. As empresas, sem surpresa, dizem que as suas responsabilidades vão somente até certo ponto. Mas isso não é uma resposta; é uma escolha. As organizações podem decidir alargar o seu alcance. Podem mesmo decidir que pretendem conhecer totalmente a proveniência de todos os materiais e componentes utilizados nos seus produtos, bem como chamar à responsabilidade os seus fornecedores.
.
Neste sentido, quanto maior a empresa, maior a sua responsabilidade. Mas as maiores empresas também têm maior capacidade para se afirmarem como uma força do bem, tanto local como globalmente. Se uma empresa do tamanho da retalhista norte-americana Walmart decidir que não vai permitir embalagens que gerem muito desperdício, o seu poder de compra vai levar a mudanças em toda a lógica de empacotamento no sector do retalho. O mesmo é verdade para as práticas salariais e laborais.
.
Quando as maiores empresas e as mais reconhecidas marcas mundiais levam a sério as suas responsabilidades enquanto compradoras, vendedoras e produtoras, e assumem o firme compromisso de agir de acordo com valores essenciais, outras tenderão a segui-las – ou arriscam ser deixadas para trás. Aquelas que operam de forma ética e tentam melhorar a vida de todos aqueles que estão envolvidos na produção, marketing e distribuição dos seus produtos irão ganhar prestígio, mais negócios ou, simplesmente, não serão encaradas como um mau exemplo.
.
Pelo contrário, as empresas cujos administradores acreditam que um mercado competitivo não é compatível com comportamentos éticos vão sofrer se e quando os consumidores se voltarem para outro lugar; a regulação governamental e coimas os obrigar a agir; ou, então, ficam incapacitados de atrair uma força de trabalho instruída e mais perspicaz. Tudo isso – o constante escrutínio, a má imprensa e a reputação manchada – irão atingir a sua valorização bolsista no longo-prazo.
.
Grande parte disto também é verdade para organizações como a FIFA. Quando patrocinadores como a Coca-Cola ou a Adidas acreditam que as suas reputações serão manchadas devido à associação com organizações ligadas a casos de corrupção e más-práticas, vão levar os dólares das suas gestões de marca para qualquer outro lugar.
.
As empresas são feitas de pessoas. Pagar salários justos, adoptar práticas éticas e defender a dignidade dos trabalhadores deveria ser parte da forma como calculam o seu sucesso. Aqueles que se desligam do destino dos outros, que agem sem consciência ou qualquer senso do certo e do errado, e aqueles que desdenham a importância da decência do ser humano comum, não têm lugar à frente de organizações nem nos conselhos de administração. As coisas que nos fazem felizes não podem ter um preço imperdoável nem tão alto.

CEO da Marcus Venture Consulting

 Project Syndicate, 2015

IN "JORNAL DE NEGÓCIOS"
11/06715


.
.
.

541.UNIÃO


EUROPEIA



.

HOJE NO
 "i"

A nova encíclica do Papa é demolidora
Chama-se “Laudato si”

A nova encíclica do Papa Francisco já foi divulgada. É a segunda do seu pontificado e tem a Ecologia como tema central. Ao longo de quase 200 páginas, Francisco traça um diagnóstico “preocupante” do meio ambiente e fala das desigualdades entre países pobres e ricos e da falta de “sensibilidade social” dos mercados e das empresas multinacionais – que exploram recursos naturais sem terem em conta as consequências que provocam nos territórios desfavorecidos.
.
O Papa apela a uma “maior responsabilidade” sobre o planeta, cuja degradação, diz, se deve à acção humana. No texto, divulgado hoje em seis línguas, Francisco insurge-se contra a “esquizofrenia permanente” e a “exaltação tecnocrática”  e critica o facto de a política e a economia não se colocarem “decisivamente ao serviço da vida, especialmente a vida humana”. “A política não deve submeter-se à economia e esta não deve submeter-se aos ditames e ao paradigma eficientista da tecnocracia”, escreve ainda Francisco, acusando a Finança de “sufocar a economia real”. Não se aprendeu a lição da crise financeira mundial e só muito lentamente se aprende a lição da degradação ambiental”,avisa.

A banca também não escapa às críticas do Papa. A encíclica - o mais importante documento assinado pelo punho de um Papa - refere que “a salvação dos bancos a todo o custo”, fazendo pagar o preço à população sem a contrapartida de uma reforma do sistema, apenas “reafirma um domínio absoluto da finança que não tem futuro e só poderá gerar novas crises”.

“Laudato si” tece também críticas duras à sociedade “que tudo descarta” e ao consumismo. “A obsessão por um estilo de vida consumista, sobretudo quando poucos têm possibilidades de o manter, só poderá provocar violência e destruição recíproca”, avisa o Papa.

* Para que conste lemos a encíclica e achamos que de demolidora tem apenas tiros de pólvora seca. Não há uma única novidade na análise ambiental e social do papa Francisco, centenas de ONG's e outros organismos já difundiram relatórios que contém todos os  propósitos humanistas ou humanizantes da enciclíca. 
O papa Francisco é de certeza um expert em propaganda, este é mais um documento panfletário, só por ser do papa não implica credibilidade, qualidade que a igreja católica não tem.


.

CALOR INTENSO

.




.
.

5 - DICIONÁRIO 

   
DE ECONOMÊS

C O T A Ç Ã O



* As nossas séries por episódios são editadas no mesmo dia da semana à mesma hora, assim torna-se fácil se quiser visionar episódios anteriores.


.
.
HOJE NO
 "A BOLA"

«Um desporto sem doping é uma ilusão»
 - John Degenkolb
 .
O ciclista alemão John Degenkolb, que venceu as clássicas Milan-San Remo e Paris-Roubaix, revelou que «um desporto 100 por cento livre de doping é uma ilusão».

«Não devemos esperar por um ciclismo livre dos batoteiros. E isso também é verdade para outras modalidades», acrescentou em declarações ao t-online-de.

A pouco mais de duas semanas do inicio do Tour, Degenkolb disse ter feito um pacto de ‘tolerância zero’ com os seus compatriotas Marcel Kittel e Tony Martin, de modo a demonstrar que se pode ter sucesso sem o recurso ao doping.

* Se  «Um desporto sem doping é uma ilusão» então o desporto não passa  de um embuste.

.
.

Claudia Madur

Lágrima


.
.
HOJE NO
 "DIÁRIO DE NOTÍCIAS

 DA MADEIRA"

Câmara do Funchal quer certificação 
para fazer medições de ruído

A Câmara do Funchal aprovou o concurso que visa certificar a autarquia junto do Instituto Português de Acreditação (IPAC) para fazer medições acústicas ambientais, evitando o recurso a entidades externas, informou hoje o vereador Miguel Gouveia.

O autarca explicou que o processo passa pela formação de técnicos da Câmara, a calibração dos equipamentos e a submissão dos mesmos ao IPAC, após o que o município do fica acreditado para poder fazer medições de ruído.
 .
RUÍDO "INKUMENSURÁVEL"
"No fundo, ficamos com uma capacidade de intervenção muito maior e mais apurada, sem ser necessário recorrer a serviços externos", disse Miguel Gouveia, salientando que em casos de queixas, como aconteceu recentemente na Zona Velha da cidade, a Câmara passa a ter uma maior capacidade de intervenção, podendo atuar de imediato em termos de contraordenações.

Esta medida foi aprovada por unanimidade na reunião camarária, onde também foi feito o balanço das festas do Funchal, que decorreram entre maio e junho, sob a designação "Fica na Cidade".

Miguel Gouveia, tutelar do pelouro das Finanças, explicou que a autarquia investiu 35 mil euros em iniciativas culturais e outros tantos em logística (palcos, som, promoção), realçando que o balanço é "bastante positivo", quer por parte dos comerciantes como da população em geral.

Na reunião de vereadores, foi ainda decidido atribuir um apoio de 4 mil euros ao atleta de 'jetsky' Henrique Rosa Gomes, que vai participar no campeonato do mundo da modalidade.

* 4o anos depois do 25 deAbril a Câmara do Funchal ainda não tem um funcionário certificado para medir o ruído, que evolução caciqueira!!!!


.
.

JETSURF


.
.
HOJE NO
 "DIÁRIO ECONÓMICO"

TAP desce para 70º lugar no ranking
. mundial das companhias aéreas

A TAP desceu seis posições no ranking das melhores companhias aéreas do mundo, ocupando a 70ª posição do "The World's Top 100 Airlines" de 2015.
 .
O GESTOR DO SEPTUAGÉSSIMO
No geral, as companhias aéreas da Ásia e Pacífico aparecem com as melhores classificações dos "World Airline Awards" e só atrás vêm as europeias.

Tal como no ano passado, a TAP surge classificada pelos utilizadores das companhias aéreas sondados para este ranking atrás da Avianca (lugar 49) e da Azul (lugar 62), empresas cujos donos (German Efromovich e David Neeleman) estiveram recentemente na corrida pela transportadora portuguesa.

A melhor companhia aérea do mundo é a Qatar Airlines, de acordo com este ranking. A segunda é a Singapore Airlines e a terceira a Cathai Pacific, que foi destronada do primeiro lugar que ocupava em 2014. No ‘top ten' apenas uma companhia não é desta região do globo, a Turkish Airlines", na quarta posição.

A TAP é uma das últimas companhias europeias do "The World's Top 100 Airlines", mas ainda assim fica à frente da Alitalia. Também algumas norte-americanas, como a American Eagle e a American Airlines, surgem atrás da companhia portuguesa.

A primeira companhia europeia é a alemã Lufthansa, em 12º, seguida da Austrian, da Swiss Int'l Air Lines e da Air France.

Este ranking é elaborado pela Skytrax, a partir de uma sondagem global, junto dos passageiros.

* Anda a gerir bem  a TAP, o sr. Fernando Pinto.

.
.

 INOCÊNCIA





























.
.
DOUTRO SÉCULO

INFÂNCIA FOTOGRAFADA














.
.
HOJE NO
 "CORREIO DA MANHÃ"

Apenas um Kamov da frota 
do Estado está operacional

Proteção Civil alerta para falta meios aéreos no dispositivo de combate a incêndios.

A Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) informou esta quinta-feira que apenas um dos cinco helicópteros Kamov da frota do Estado está operacional e não garante a entrada de outras duas aeronaves no dispositivo de combate a incêndios deste ano. 
 .
NÃO VOA
"Neste momento está apenas em condições de plena operacionalidade um dos cinco Kamov da frota do Estado", refere a ANPC, adiantando que duas aeronaves vão ser reparadas num "curto espaço de tempo" e as outras duas requerem intervenções mais profundas, "não sendo possível garantir a sua entrada no atual dispositivo".

Para compensar a falta destes meios, a Proteção Civil sublinha que foram adotadas medidas alternativas que "passam pela antecipação da entrada de meios aéreos no dispositivo, nomeadamente helicópteros ligeiros e aviões bombardeios médios". 

* Mais um governante em quem se pensa ter esperança e desilude em absoluto, morreu o benefício da dúvida.

.
.

DUELO DANÇANTE


.
.
HOJE NO
 "OBSERVADOR"

Maioria vai aprovar lei da cobertura eleitoral contra toda a oposição

A maioria PSD/CDS-PP vai aprovar sexta-feira, em votação final global, o seu projeto de lei sobre cobertura mediática de eleições, apesar dos votos contra de toda a oposição, após discussão, esta quinta-feira na comissão especializada. 
 .

O acordo para a alteração legislativa estava pendente nas últimas semanas. PSD e CDS acabaram por concordar num texto conjunto e o PS colocou-se de fora.

Os socialistas opuseram-se a dois dos 16 artigos em debate – o sétimo e o nono, relativos aos debates entre candidaturas e à atuação da Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) -, abstendo-se ou votando favoravelmente nos restantes, mas será o suficiente para não ratificar a iniciativa em plenário, tal como o PCP, que irá avocar as suas duas propostas de substituição hoje “chumbadas”, e o BE, segundo os deputados presentes.

O socialista Jorge Lacão reiterou as críticas ao diploma, acusando o CDS-PP de ser o culpado de o PSD abandonar a “plataforma de entendimento que esteve quase, quase a ser alcançada” devido à questão dos debates, dizendo que o referido artigo “está eivado de veneno e contamina todo o projeto”, pois é “uma norma protecionista em detrimento de novas candidaturas”. Lacão acusou mesmo algumas ideias de serem uma “patetice”.

“Para o CDS, a questão dos debates é importante? É. Fazemos finca-pé? Fazemos”, assumiu o democrata-cristão Telmo Correia, procedendo depois à defesa dos “partidos à esquerda do PS”, os quais, no seu entender, também ficariam excluídos, caso não houvesse a salvaguarda da presença em debates das forças que já tenham representação nos órgãos aos quais se candidatam. “Não é justo dizer que o CDS está a lutar pelo seu lugar num debate”, acrescentou. A discussão entre as três bancadas prendeu-se não só pela obrigação de os debates terem de incluir os grupos com representação parlamentar – o que para o PS deixa de fora restantes candidaturas e não abarca por exemplo as eleições presidenciais -, mas também pelo período em que as normas vão vigorar. PSD e CDS insistem que abranja todo o período eleitoral, ou seja, desde a marcação das eleições até ao ato eleitoral e não só o período de campanha eleitoral.

O PS votou ainda contra, desta feita com PCP e BE a aprovarem, o ponto n.º1 do artigo 9.º, que impõe que eventuais queixas face ao tratamento de candidaturas pela comunicação social sejam dirigidas à Comissão Nacional de Eleições (CNE), antes de reenviadas à ERC, como ditam os pontos seguintes do clausulado.

A troca de argumentos terminaria com o social-democrata Carlos Abreu Amorim a justificar possíveis defeitos de pormenor, sobretudo em termos de normas processuais previstas, entre outras eventualidades, com o facto de haver a hipótese, dentro de um ano, segundo o estipulado, de nova revisão da lei, pois o “objetivo” era “resolver um problema, que se colocou nas duas últimas eleições”, ou seja, o previsível boicote por parte da comunicação social.

Durante a discussão na Comissão Parlamentar de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias, a nova versão do projeto de lei 530/XII perdeu o anterior regime sancionatório, com coimas de três a 30 mil euros para os media que violassem a igualdade de oportunidades e de tratamento das diversas candidaturas.

Agora, no seu artigo 4.º, sobre “princípios orientadores”, estipula-se que, “no período eleitoral os órgãos de comunicação social gozam de liberdade editorial e de autonomia de programação nos termos gerais”.

Relativamente a debates, o artigo 7.º, frisando o “princípio da liberdade editorial e de autonomia de programação”, sublinha a importância do respeito pela “representatividade politica e social” dos concorrentes.
 
O facto de “ter obtido representação nas últimas eleições relativas ao órgão a que se candidata” é uma das condições enunciadas, embora ressalvando-se que tal “não prejudica a possibilidade de os órgãos de comunicação social incluírem outras candidaturas nos debates que venham a promover”.

A revisão da lei sobre tratamento jornalístico das candidaturas, que é de fevereiro de 1975, começou a ser elaborada em fevereiro/março de 2014, após vários órgãos de comunicação social recusarem a cobertura devido à interpretação da legislação por parte da CNE, nas autárquicas de 2013, impondo “tratamento igual e não discriminatório de todas as candidaturas”.

Vários esforços foram envidados por parte de PSD, PS e CDS-PP, com diversos avanços e recuos, mas todos sem sucesso, gerando-se mesmo bastante polémica a dado passo com a introdução do denominado “visto prévio”, ou seja, a imposição de entrega de um plano noticioso para o período eleitoral por parte da comunicação social.

* A maioria está desesperada, anda à procura do voto "admnistrativo".

.
.

TANTO PARA CASAR
COMO
AMALUCAR













.
.
HOJE NO
 "DIÁRIO DE NOTÍCIAS"

Interpol apreende 20,7 milhões de medicamentos falsos em 115 países

É a maior operação de sempre contra o mercado negro e o tráfico de medicamentos através da Internet. 

Uma operação policial contra o tráfico de medicamentos na Internet permitiu apreender 20,7 milhões de fármacos falsificados ou ilegais, no valor aproximado de 81 milhões de dólares (71,8 milhões de euros), em 115 países, informou hoje a Interpol.
.
Em comunicado, a Organização Internacional de Polícia Criminal (Interpol) indicou que a operação "Pangea VIII", realizada entre 9 e 16 de junho, resultou ainda em 156 detenções, na abertura de 429 inquéritos, no encerramento de 2.414 páginas 'web' e na suspensão de 550 anúncios.

Na operação, a maior realizada até agora contra o mercado negro e o tráfico de medicamentos através da Internet, participaram serviços da polícia, alfândega, agências reguladoras e empresas privadas do setor.

Os 20,7 milhões de medicamentos apreendidos constituem um recorde e são o dobro da quantidade alcançada numa operação semelhante em 2013, segundo a Interpol.

Produtos nutricionais e medicamentos contra o cancro e a disfunção erétil ou para regular a tensão arterial foram alguns dos fármacos apreendidos.

"Cada vez mais pessoas recorrem à Internet para comprar artigos e os criminosos aproveitam-se dessa tendência para enganar os consumidores para que comprem medicamentos falsos e inclusivamente perigosos (...), sem qualquer consideração pelos riscos para a saúde", assinala a organização no comunicado.

* Pessoas que têm capacidade para operar na internet, com versatilidades  em "downloads" "uploads" "face" "twitter" etc.,  perdem o discernimento e compram drogas rotuladas grosseiramente de "remédios" como se de repente todos percebessem de medicina. Nem o paracetamol deve ser tomado sem indicação clínica.


.
.

LIVRANDO-SE DA DROGA


.
.
HOJE NO
 "RECORD"

Bruno ataca cinismo e estratégia
 de Marco Silva 

Explicações em JANTAR DO GRUPO STROMP

Bruno de Carvalho reabriu ontem o tema da saída de Marco Silva do comando técnico do Sporting, para acusar o antigo treinador de cinismo durante uma época atribulada. A relação problemática com o antecessor de Jorge Jesus foi o prato forte da mensagem que o presidente fez passar aos sportinguistas do Grupo Stromp que ontem se reuniram ao jantar em Lisboa, explicações a que Record teve acesso.
 .
O TRIO PERFEITO
Confrontado pelos presentes sobre a questão concreta de Marco Silva, Bruno de Carvalho não se furtou ao assunto e criticou abertamente o comportamento do técnico, a quem acusou de querer passar uma falsa imagem de "santo" para o público e para os adeptos quando, segundo disse, atuava como um "cínico."

Bruno reviveu algo que chegou mesmo a comparar a um filme de terror, recuperando vários episódios ocorridos ao longo da temporada e acusando Marco de obedecer a uma "estratégia" e "agenda" próprias. Em jeito de comparação com Jorge Jesus, BdC deixou uma expressão forte:"Prefiro a frontalidade aos recados", disse, convicto de que por mais antagonismos que possa vir a ter com JJ, será mais fácil resolvê-los do que o foi com o antigo timoneiro, a quem associou a atitudes de desrespeito.

Convincente
A questão de Marco Silva dominou o jantar com o Grupo Stromp, mas não o monopolizou, e noite dentro Bruno de Carvalho submeteu-se a um interrogatório sobre os mais diversos pontos da atualidade leonina (notáveis, Doyen, Somague), recebendo perguntas curtas e devolvendo respostas longas e pormenorizadas. Crítico com o passado e pouco preocupado com a imagem que possa transmitir para o exterior, BdC manifestou-se concentrado em defender os interesses do Sporting, nem que para isso seja necessário abrir novas frentes de batalha. À medida que o tempo avançou, as explicações acabaram por conquistar a plateia. E mesmo os mais críticos terminaram a dar o benefício da dúvida ao presidente. Bruno lembrou a importância da dedicação ao clube por oposição a um passado negligente que fez aumentar a dívida. E frisou: "Quem não tem condições para se dedicar a 100 por cento, não devia ser presidente."

Auditorias prometem revelar ilegalidades
Outro dos temas abordados por Bruno de Carvalho no jantar do Grupo Stromp foi a questão da auditoria, cujos novos resultados serão revelados na AG de dia 28. Nomeadamente no que diz respeito aos fundos, o presidente aponta às anteriores direções alegados procedimentos ilegais e que contrariaram as instruções da FIFA e da UEFA sobre quem deve deter os direitos económicos, ou seja, a distribuição dos passes dos jogadores. Na reunião magna, serão apresentados os resultados da análise à gestão imobiliária entre 1995 e 2013, e ainda ao mandato de Filipe Soares Franco, de 2005 a 2009.

* Bruno de Carvalho é muito eloquente quando fala nas costas dos visados, costuma chamar-se a isso cobardia.


.