sexta-feira, 1 de maio de 2015

UMA GRAÇA PARA O FIM DO DIA

.















.
.


 O QUE NÓS


  "PAGAMOS"!





O MAPA DAS SUBIDAS E DESCIDAS



.
.
J A I L




















.
.
14- O FIM DO JOGO


ÚLTIMO EPISÓDIO
Como menos de 1% da população mundial escraviza o resto do mundo


* As nossas séries por episódios são editadas no mesmo dia da semana à mesma hora, assim torna-se fácil se quiser visionar episódios anteriores. 


.
.

HOJE NO
 "DINHEIRO VIVO"

A maior produtora nacional de 
parafusos compra concorrente

A Pecol, uma empresa de produção de parafusos que há 10 anos apostou em produtos complementares na indústria de fixação, comprou a 3Marcos, SA, "o principal concorrente", que apresentou insolvência. "Comprámos a marca, o fundo de comércio, o recheio da empresa, bem como a carteira de clientes, alguns do setor automóvel que nos interessavam", explicou António Novais, diretor-geral. O investimento rondou um milhão de euros, mas excluiu a compra das instalações.

O caso dos 450 trabalhadores atuais da empresa, António Novais adianta que, com a compra, serão incorporados "25 dos 40 trabalhadores altamente qualificados".
.
Com uma unidade fabril em Águeda e outra em Espanha, a empresa está ainda presente em Itália, Polónia, Marrocos, Angola, Brasil e China, através de filiais.

Aumentar a internacionalização é um dos objetivos da Pecol, fundada em 1983. Por outro lado, a empresa ambiciona conquistar o mercado dos dois principais concorrentes em Portugal, duas multinacionais que representam cerca de 60 milhões de euros.

"Acreditamos que é possível, porque temos os melhores produtos e as margens mais baixas, imperativos para conquistar o mercado", frisou António Novais.

A fábrica em Espanha foi adquirida em 1997. "A HERZA, empresa espanhola situada em Vitória, País Basco, detinha o maior parque de máquinas da Península Ibérica. Esta aquisição proporcionou uma mudança assinalável no contexto competitivo da empresa, dotando-a de uma capacidade produtiva que lhe permitiria competir com os maiores fabricantes europeus".

Além disso, tinha "a importância estratégica de ter vários clientes do setor automóvel, muito importante para nós, mas onde é difícil entrar. Tem parcerias firmadas há anos e não mudam. Foi uma porta de entrada para esse setor, além de que é uma empresa muito bem organizada e altamente lucrativa".

Seguiu-se então um novo passo, agora com Paulo Coelho, filho do fundador Eduardo Coelho: a diversificação da gama de produtos. "É que o parafuso, apesar de ser fundamental - pode parar uma fábrica! - tem um valor muito baixo. E, apesar de sermos os quartos maiores fornecedores da Europa, era preciso diversificar para crescer", referiu António Novais.

Os outros produtos comercializados pela empresa são adquiridos a parceiros, essencialmente do mercado nacional, e vendidos com a marca Pecol aos clientes finais. Pecfix e Fixart são as outras duas marcas da empresa que, no ano passado faturou 65 milhões de euros.

* Mais 425 trabalhadores para o desemprego.


.
.



2.TARRAFAL


MEMÓRIAS DO CAMPO

DA MORTE LENTA




* As nossas séries por episódios são editadas no mesmo dia da semana à mesma hora, assim torna-se fácil se quiser visionar episódios anteriores.


.
.
HOJE NO
 "PÚBLICO"

Merdas que dizem às mulheres que trabalham em cinema e televisão 
– o blogue

Propostas sexuais, beijos indesejados, desautorizações e desigualdade salarial. O blogue Shit People Say to Women Directors junta-se às estatísticas e às denúncias recentes com histórias e gifs. E linguagem forte.

A estatística mostra os números confrangedores de mulheres atrás das câmaras e de filmes protagonizados por actrizes em Hollywood e na Europa. E agora elas (e eles) revelam o que se passa nos bastidores. Um produtor entra numa sala cheia de mulheres designers de produção e diz: “É preciso um varão aqui”. Um assistente de produção diz à mulher que se aproxima: “Não podes entrar na carrinha, querida. Estou à espera do realizador”. Ela era a realizadora.

“Elas deviam ficar-se pelas casas de bonecas”, disse o director de produção de um programa televisivo a um operador de câmara sobre a realizadora com quem trabalhavam. “Como está a sua vida sexual? Tem feito muito sexo?”, perguntou um investidor a meio de uma conversa de angariação de financiamento à realizadora que lhe falava sobre o seu projecto de documentário sobre os direitos das mulheres no Médio Oriente. “Pedi-lhes que me mandassem um homem. Bom, agora não há tempo para resolver isso”, queixou-se um produtor a uma técnica de som à sua chegada. “Não posso trabalhar com alguém que quero foder. 
 .

Dá-me cabo da cabeça”, disse um realizador (casado) a uma das muitas mulheres e homens que trabalham no sector audiovisual e que começaram a usar o tumblr Shit People Say to Women Directors para revelar experiências pessoais ou situações mediáticas que revelam o sexismo na indústria. “Sorri mais!” 

Diferenças salariais. 
Práticas discriminatórias na contratação. 
“Ela é boa mas eu só quero contratar pessoas com quem possa beber uma cerveja ao fim do dia”, justificou um produtor ao agente de uma realizadora que não seria contratada. Propostas directas quando, como descreve uma trabalhadora do sector, bebe um copo com o produtor e ela pergunta qual é o próximo projecto: “Acho que devíamos foder”.

Lançado há poucos dias, o blogue alojado no Tumblr foi criado para partilhar histórias, permitindo o anonimato de quem envia relatos que “expõem alguns dos obstáculos absurdos que as mulheres enfrentam na indústria do entretenimento”, como escrevem os seus criadores no blogue. Anonimato porque há medo de retaliação – de serem ainda mais afastadas do sector, rotuladas como “delatoras” ou “difíceis”, explica o grupo que criou o blogue em comunicado. A ideia era ser “uma espécie de intervenção de crise”, como explicam os mesmos criadores ao site Mashable, cujo título sugere que ler o blogue “vai fazê-lo dar um murro numa parede”.

Uma intervenção numa altura que Meryl Streep se levanta em apoio pela igualdade salarial de género em plenos Óscares e financia mulheres argumentistas com mais de 40 anos. Este é o mesmo tempo dos anos 1940, na verdade. “Havia mais oportunidades para as mulheres no tempo do cinema mudo do que existem em 2015”, diz o grupo criador do blogue. Há mais de 60 anos que os números se mantêm quase inalterados: as mulheres são uma minoria a realizar em Hollywood, com apenas 7% dos filmes mais rentáveis nos EUA dirigidos por uma mulher em 2014. No ano passado só 12% desses mesmos filmes rentáveis foram protagonizados por mulheres, revelam estudos do Center for the Study of Women in Television and Film.

Na Europa, em 2012, apenas 17,5% das pessoas que trabalham em cinema eram do sexo feminino, como revelou Sanja Ravlic, presidente do Grupo de Estudo sobre Igualdade de Género (GEIG) do Eurimages, num encontro do grupo em Março na Cinemateca Portuguesa, em Lisboa. E em Portugal, no mesmo encontro, soube-se que entre 2011 e 2013 dos filmes com apoios públicos só 27,3% foram dirigidos por mulheres.

Sob anonimato ou com rostos públicos, partilham-se então bocas, perdas de oportunidades de trabalho, sugestões sobre como se chegou sexualmente à posição rara de trabalhar em cinema ou TV sendo mulher. Ou como se pode misturar uma oferta de trabalho com uma proposta sexual. Como o que aconteceu há dias à actriz sueca Josefin Ljungman, partilhada pela própria na Internet e noticiada no seu país: um realizador envia-lhe um e-mail com uma proposta de trabalho para um novo filme. “Oi Josefine! É assim, estou a fazer uma sequela do meu filme [censurado]. Sobre uma pessoa que passa pela mesma ‘inspecção’ que a personagem principal de Laranja Mecânica. Preciso de mulheres bonitas. Que NÃO mostrem a cara. Só corpos”, explica, detalhando o pagamento e perguntando-lhe, no final “Estás interessada? (Sempre te quis lamber. De preferência por trás. 69.)”.
 .

Beijos indesejados que “são algo a que tens de te habituar”, disseram a uma jovem assistente de televisão. Jennifer Garner ou Cate Blanchett lembram que os jornalistas lhes fazem perguntas sobre o equilíbrio entre a vida familiar e o trabalho ou lhes escrutinam cada centímetro do vestido, mas que não fazem o mesmo aos seus maridos ou aos homens em geral. Piadas sobre violação ou epítetos como “Barbie” ou “babe”. Colegas ou subordinados homens que mudam planos, ângulos ou enquadramentos das realizadoras.

“O sexismo é uma das formas mais socialmente aceites de discriminação e uma doença impregnada no negócio do cinema e da televisão”, dizem os autores ou autoras de Shit People Say to Women Directors ao IndieWire. E agora têm centenas de contributos, de histórias ou agradecimentos, de pessoas do sector, de estudantes a realizadores, ou membros do público indignados com a realidade que expõem.

 “No primeiro dia obtivemos um ano de posts de um dia para o outro”, escrevem no blogue, que admitem não ser a solução “para este tema complexo”. “Mas é um ponto de partida e uma conversa há muito atrasada e que tem absolutamente de acontecer.”

* Javardice masculina não surpreende, mesmo no topo da fama, porque a toleram as mulheres?


.
.

MIA COUTO









Contra o genocídio de moçambicanos na África do Sul

Exmo. Senhor Presidente Jacob Zuma

Lembramo-nos de si em Maputo, nos anos oitenta, nesse tempo que passou como refugiado político em Moçambique. Frequentes vezes nos cruzámos na Avenida Julius Nyerere e saudávamo-nos com casual simpatia de vizinhos. Imaginei muitas vezes os temores que o senhor deveria sentir, na sua condição de perseguido pelo regime do apartheid. Imaginei os pesadelos que atravessaram as suas noites ao pensar nas emboscadas que congeminavam contra si e contra os seus companheiros de luta. Não me recordo, porém, de o ter visto com guarda costas. Na verdade, éramos nós, os moçambicanos, que servíamos de seu guarda costas. Durante anos, demos-lhe mais do que um refúgio. Oferecemos-lhe uma casa e demos-lhe segurança à custa da nossa própria segurança. É impossível que se tenha esquecido desta generosidade.

Nós não a esquecemos. Talvez mais do que qualquer outra nação vizinha, Moçambique pagou caro esse apoio que demos à libertação da África do Sul. A frágil economia moçambicana foi golpeada. O nosso território foi invadido e bombardeado. Morreram moçambicanos em defesa dos seus irmãos do outro lado da fronteira. É que para nós, senhor Presidente, não havia fronteira, não havia nacionalidade. Éramos, uns e outros, irmãos de uma mesma causa e quando tombou o apartheid a nossa festa foi a mesma, de um e de outro lado da fronteira.

Durante séculos, emigrantes moçambicanos, mineiros e camponeses, trabalharam na vizinha África do Sul em condições que pouco se distinguiam da escravatura. Esses trabalhadores ajudaram a construir a economia sul-africana. Não há riqueza do seu país que não tenha o contributo dos que hoje são martirizados.

Por todas estas razões, não é possível imaginar o que se está a passar no seu país. Não é possível imaginar que esses mesmos irmãos sul-africanos nos tenham escolhido como alvo de ódio e perseguição. Não é possível que moçambicanos sejam perseguidos nas ruas da África do Sul com a mesma crueldade que os polícias do apartheid perseguiram os combatentes pela liberdade, dentro e fora de Moçambique. O pesadelo que vivemos é mais grave do que aquele que o visitava a si quando era perseguido político. Porque o senhor era vítima de uma escolha, de um ideal que abraçou. Mas os que hoje são perseguidos no seu país são culpados apenas de serem de outra nacionalidade. O seu único crime é serem moçambicanos. O seu único delito é não serem sul-africanos.

Senhor Presidente A xenofobia que se manifesta hoje na África do Sul não é apenas um atentado bárbaro e cobarde contra os “outros”. É uma agressão contra a própria África do Sul. É um atentado contra a “Rainbow Nation” que os sul-africanos orgulhosamente proclamaram há uma dezena de anos. Alguns sul-africanos estão a manchar o nome da sua pátria. Estão a atacar o sentimento de gratidão e solidariedade entre as nações e os povos. É triste que o seu país seja hoje notícia em todo o mundo por tão desumanas razões.

É certo que medidas estão a ser tomadas. Mas elas mostram-se insuficientes e, sobretudo, pecam por serem tardias. Os governantes sul-africanos podem argumentar tudo menos que estas manifestações os tomou se surpresa. Deixou-se, mais uma vez, que tudo se repetisse. Assistiu-se com impunidade a vozes que disseminavam o ódio. É por isso que nos juntamos à indignação dos nossos compatriotas moçambicanos e lhe pedimos: ponha imediatamente cobro a esta situação que é um fogo que se pode alastrar a toda a região, com sentimentos de vingança a serem criados para além das suas fronteiras. São precisas medidas duras, imediatas e totais que podem incluir a mobilização de forças do exército. Afinal, é a própria África do Sul que está a ser atacada. O Senhor Presidente sabe, melhor do que nós, que ações policiais podem conter este crime mas, no contexto atual, é preciso tomar outras medidas de prevenção. Para que nunca mais se repitam estes criminosos eventos.

Para isso urge tomar medidas numa outra dimensão, medidas que funcionam a longo prazo. São urgentes medidas de educação cívica, de exaltação de um passado recente em que estivemos tão próximos. É preciso recriar os sentimentos solidários entre os nossos povos e resgatar a memória de um tempo de lutas partilhadas. Como artistas e fazedores de cultura e de valores sociais, estamos disponíveis para de enfrentar juntos com artistas sul-africanos este novo desafio, unindo-nos às inúmeras manifestações de repúdio que nascem na sociedade sul-africana. Podemos ainda reverter esta dor e esta vergonha em algo que traduza a nobreza e dignidade dos nossos povos e das nossas nações. Como artistas e escritores queremos declarar a nossa disponibilidade para apoiar a construção de uma vizinhança que não nasce da geografia mas de um parentesco que é da alma comum e da história partilhada. Maputo, 17 de Abril de 2015 Mia Couto Presidente da Fundação Fernando Leite Couto .

Mia Couto


.
.
HOJE NO
 "i"

1ºde Maio
Milhares de pessoas desfilaram pela avenida Almirante Reis, em Lisboa.


Milhares de pessoas desfilaram pela avenida Almirante Reis, em Lisboa, para assinalar o Dia do Trabalhador e para exigir do Governo novas políticas económicas e sociais.

A manifestação, convocada pela CGTP, dirigiu-se para a Alameda Afonso Henriques, como é habitual, onde teve lugar o comício sindical.

O desfile chamou a atenção de centenas de pessoas que, ao longo dos passeios e nas janelas e varandas, o foram acompanhando.

Não faltam os cravos vermelhos nas mãos dos manifestantes nem das pessoas que assistem à marcha, colorida pelas bandeiras sindicais.

À cabeça da manifestação segue a direcção da CGTP, precedida por um grupo de bombos que marca o ritmo do desfile, alternando com palavras de ordem contra as políticas do Governo e em defesa dos direitos dos trabalhadores.

"É só cortar e roubar a quem vive a trabalhar", "Aumento salarial é imperativo nacional" e "Está na hora, está na hora de o Governo se ir embora" foram as principais frases gritadas ao longo do percurso.

* A luta sindical por melhores condições de vida para os portugueses não pode afrouxar. CGTP e UGT têm obrigação manter o confronto contra quem humilha os trabalhadores de Portugal.

.

ISABEL DO CARMO

.




Linhas verdes 
e linhas vermelhas 

 Seja o que for que suceda com a Grécia, o grito de rebelião da sua população e do Syriza foi uma vitória.

Nós repetimos que “vemos, ouvimos e lemos” e “não podemos ignorar”, mas muitas vezes parece que ignoramos. Perante a escalada de desumanização que nos rodeia, é de ordem política e moral a necessidade de agir. Alguém poderá perguntar daqui a dezenas ou centenas de anos, olhando retrospectivamente: “Eles estavam lá e o que é que fizeram?”

Tal como hoje podemos perguntar aos socialistas, comunistas, outras organizações de luta e aos cidadãos em geral o que é que não fizeram e o que fizeram de errado nos anos que precederam a dominação nazista e fascista na Europa.
É perante a situação actual que podemos reflectir sobre as linhas verdes de coincidência e as linhas vermelhas de limite ao tacticismo e às cumplicidades tóxicas, que deverão nortear a necessidade de unidade à esquerda. Basta andar com os ouvidos atentos à população para perceber que essa necessidade é sentida de forma urgente para fora dos círculos restritos das organizações partidárias, fechadas sobre si próprias, com a sua narrativa interna e o eleitoralismo clubista.

A história que a esquerda se foi contando a partir da revolução francesa deu a aparência de uma linha de tendência ascendente, apesar de algumas quedas terríveis. E de facto não vemos hoje na Europa multidões de andrajosos e famintos a trabalharem dezasseis horas por dia; em muitos espaços mundiais as mulheres têm igualdade de direitos legislada; já não há colónias; a América Latina saiu das ditaduras e da fome: a Ásia não é devastada por milhões de famintos. Quanto à direita, essa não tem história, senão a das “glórias da pátria”, que não podem ser vistas com os nossos critérios actuais. A direita não tem moral, é pragmática. Mas a partir da terceira Revolução Industrial, com a introdução da microelectrónica, novas formas de energia, de produção e de comunicação, o mundo entrou numa espiral, a qual não pode ser lida com as grelhas de leitura do passado. As grandes massas de proletariado vão sendo sucessivamente substituídas por máquinas. As pessoas, as empresas, os países, o mundo, entraram numa espiral de crédito e de dívida, que não tem fim. Um operário da indústria automóvel, com contrato por tempo indeterminado, pode ter uma vida mais estável que um pequeno empresário, individual ou com poucos trabalhadores, endividado nas finanças, no empréstimo da casa, na Segurança Social. Estas dívidas, que são as da “vergonha”, constituem uma mancha de óleo que cobre todo o país e que não parece poder ter correspondência num movimento de massas.

Na situação actual, a leitura da luta de classes não pode ser a da primeira e segunda revoluções industriais. As colónias fora da Europa desapareceram, mas nós, os países do Sul da Europa, somos as novas colónias dos países do Norte, perdemos a soberania e também temos por cá os seus representantes, os novos administradores de tabanca. Por isso seja o que for que suceda com a Grécia, o grito de rebelião da sua população e do Syriza foi uma vitória. Havia outro caminho? Enquanto isto, as proezas geoestratégicas dos países “ocidentais” (estão a ocidente de quê? O mundo é redondo) transformaram o Médio Oriente e o Mediterrâneo num novo holocausto. As desigualdades agravam-se como demonstra Piketty e claro que os desiguais de cima estão dispostos a todas as crueldades para aí se manterem. Tudo isto parece ser a implosão do sistema, mas antes de acabar muito sangue e sofrimento fará correr. Parafraseando o poeta Manuel Pina, “ainda não é o fim, calma, é apenas um pouco tarde”.

Quem não tiver dúvidas que levante um braço. E, com modéstia, lembremo-nos que houve um tempo, em que nós, tal como o Presidente da República, não tínhamos dúvidas e nunca nos enganávamos… A surpresa é que muito do discurso dos partidos de esquerda é hoje, quase sempre, remanescente dessa época. E em vez de uma procura de pontos comuns, há um clubismo e um eleitoralismo, que põem em segundo ou terceiro lugar o mundo real. Ora há convergências possíveis ao nível da educação, da saúde e da segurança social. É possível uma luta comum contra a precariedade. É possível encontrar uma barreira às privatizações. Para tudo isso é necessário ter o espírito de encontrar coincidências e, pelo contrário, não andar a “catar” as divergências, mesmo que prováveis ou possíveis, no sentido de abrir fossos, onde ainda pode haver pontes. Claro que a preservação do Estado social é incompatível com o tratado orçamental (no que é omisso o documento estratégico do PS), que tem que haver pelo menos renegociação da dívida enfrentando o centro de poder na Europa. Mas mais uma vez, o caminho faz-se caminhando, arriscando possíveis erros. A realidade traz-nos surpresas e não é no quietismo narcísico de análise ou na resistência enquistada no seu terreno, tratando sempre os outros partidos da esquerda eleitoral como o inimigo principal, que encontraremos solução para a desgraça actual. Estaremos agora, nos dias após a morte de Mariano Gago e os elogios post mortem, a esquecer as críticas vorazes, sem relevar nunca os lados positivos do seu Ministério, que o acompanharam enquanto foi ministro, só porque o era num Governo PS? Quem se esqueceu que vá aos registos dessa época. E pense.

Médica Endocrinologista

IN "PÚBLICO"
30/04/15

.



497.UNIÃO


EUROPEIA




.
HOJE NO
 "A BOLA"

«Acho que a renovação de Marco Silva não está dependente do resultado da Taça» - Pedro Baltazar
 .
Pedro Baltazar, antigo candidato à presidência do Sporting, considera que a continuidade de Marco Silva não está dependente do resultado frente ao SC Braga, na final da Taça de Portugal, mas sim do entendimento do treinador leonino com Bruno de Carvalho.

«Acho que a renovação de Marco Silva não está dependente do resultado da Taça de Portugal. A sua continuidade tem a ver com outras questões: Se o treinador quer ficar e se o presidente quer ficar com ele», afirmou Pedro Baltazar, aos jornalistas, no Estoril Open.

«O que interessa aos sportinguistas é o título de campeão nacional. Se eles [Marco Silva e Bruno de Carvalho] partilharem as mesmas ideias e caminharem juntos para que o Sporting consiga chegar ao título, então acho que o treinador deve continuar», acrescentou.

Sobre a final do Jamor, Pedro Baltazar acredita que os leões vão conseguir erguer a Taça.

«No jogo com o SC Braga penso que vamos enfrentar muitas dificuldades, mas acho que o Sporting vai ganhar a Taça», sublinhou.

* Os sócios do Sporting elegeram um presidente que procura o estrelato fazendo do clube a sua muleta, Marcos Silva é tão somente um homem sério, é difícil ficar.

.
.


O SEGREDO 
DAS COISAS

 25 -DESENHO ANIMADO



.
.


 3.O CORPO

HUMANO

O INCRÍVEL PROCESSO DO 
 NASCIMENTO ATÉ À MORTE
 


* As nossas séries por episódios são editadas no mesmo dia da semana à mesma hora, assim torna-se fácil se quiser visionar episódios anteriores.

.
.
HOJE NO
 "AÇORIANO ORIENTAL"

PSD/Açores não se coliga 
com CDS e exclui Mota Amaral

A direção do PSD/Açores vai anunciar hoje que decidiu não fazer coligação no arquipélago com o CDS-PP e a "renovação a 100%" da lista de candidatos que apresentará nas legislativas deste ano, disse fonte oficial do partido.
 .

Com esta decisão, confirmada à agência Lusa por fonte oficial do partido, é a primeira vez na história que o PSD/Açores não indica o ex-presidente do Governo Regional João Bosco Mota Amaral para cabeça de lista pelos Açores numas eleições legislativas nacionais.

Mota Amaral manifestou nas últimas semanas, em diversas declarações públicas, que queria recandidatar-se a deputado na Assembleia da República encabeçando a lista do PSD do círculo dos Açores nas eleições deste ano.

Mesmo durante os anos em que presidiu ao executivo açoriano, Mota Amaral foi sempre candidato nas eleições à Assembleia da República, mas suspendia o mandato de deputado, depois de eleito.
A Comissão Política do PSD/Açores está reunida em Ponta Delgada, ilha de São Miguel, tendo a questão da coligação com o CDS-PP e os nomes da lista de candidatos nas legislativas na agenda.
Atualmente, há na Assembleia da República três deputados do PSD eleitos pelos Açores: Mota Amaral, Lúcia Bulcão e Joaquim Ponte.

Com a "renovação a 100%" da lista social-democrata açoriana, nenhum dos três será este ano candidato pelo círculo dos Açores, segundo disse hoje a mesma fonte à Lusa.

As decisões tomadas na reunião de hoje da Comissão Política do PSD/Açores serão agora comunicadas ao Conselho Regional social-democrata, a quem cabe, formalmente, validá-las.
Também a Comissão Política do CDS-PP/Açores está reunida em Angra do Heroísmo, ilha Terceira, para, segundo um comunicado do partido divulgado na quinta-feira, analisar a "expressão a dar na região à coligação" acordada a nível nacional com o PSD.

Os dois partidos anunciaram declarações aos jornalistas para a mesma hora (18:00 locais, 19:00 em Lisboa).

As direções nacionais do PSD e do CDS acordaram fazer uma coligação pré-eleitoral que salvaguarda a autonomia das estruturas regionais dos partidos nos Açores e na Madeira para decidirem sobre se estendem a coligação aos respetivos arquipélagos.

*  O "peido-mestre" dum dinossauro.



.
.
Pedro Mestre & Campaniça Trio

Palavrinhas de amor


.
.
ESTA SEMANA NA
 "EXECUTIVE DIGEST"

Marca TAP vê valor financeiro
 cair 77 milhões de euros

O valor financeiro da marca TAP diminuiu 86 milhões de dólares (cerca de 77 milhões de euros) de 2014 para 2015,  o que representa uma queda de 22%, de acordo com uma avaliação da consultora OnStrategy | Brand Finance.
.
Se, no último ano, a marca valia 399 milhões de dólares (cerca de 357 milhões de euros), em 2015 chega apenas aos 313 milhões de dólares (cerca de 280 milhões de euros).

João Baluarte, partner da OnStrategy | Brand Finance em Portugal, explica, em comunicado, que «as convulsões internas, a incerteza sobre a privatização e os sucessivos incidentes reputacionais (afectando em particular as dimensões de produto e serviço, governance e cidadania), motivados pelas várias ocorrências e notícias públicas durante o ano passado, tiveram impacto directo nesta avaliação».

* Mas os pilotos, grandes patriotas a quererem-se passar para o lado do patronato, terão a árdua tarefa de ainda mais afundar a TAP,  qualquer dia deixam de conduzir aviões e passam para os submarinos.


.
.

UPGRADE

Transformar um relógio Apple num Apple Gold .
.
HOJE NO
 "CORREIO DA MANHÃ"


Paga a falsa juíza para ganhar netas

Burlona disse que conhecia magistrada e pediu dinheiro.

Foi enganada por uma burlona profissional. Uma mulher de 50 anos, já com cadastro por este tipo de crime, que disse ser amiga de uma juíza do Tribunal de Família e Menores de Aveiro. Ludibriou uma pensionista, de 51 anos, avó, que só queria ficar com as netas. Acreditou que a desconhecida poderia mexer uns cordelinhos na Justiça, mas acabou sem dinheiro e sem as crianças. 
.
A burlona foi presa e libertada. A história começou quando uma familiar da vítima desabafou com a agora detida sobre o problema que atingia a família: a disputa da guarda das duas meninas, que poderiam perder o contacto com a avó que tanto as amava. A burlona não hesitou. "O processo está em Aveiro"?, perguntou. "Eu conheço muito bem a juíza", garantiu. A familiar da vítima prontificou-se a marcar um encontro entre as duas. Que aconteceu dias depois e no qual a suspeita garantiu que conseguia que a guarda das crianças fosse entregue à avó. Durante meses, foi-lhe pedindo dinheiro. Primeiro, pequenas quantias, depois os montantes aumentaram, até que totalizaram 12 mil euros.

A vítima está na miséria. Pediu dinheiro emprestado à família, a mesma que estranhou e denunciou o caso. A burlona foi presa e a PJ percebeu que era tudo falso. A mulher não conhece qualquer juíza. 

* Com geitinho a vítima ainda comprava a estátua do marquês de Pombal mas sem leões.

.
.

SUPER MARKETING/24













.
.
HOJE NO
 "OBSERVADOR"


António Costa envia SMS polémico a
. diretor-adjunto do jornal Expresso

SMS foi enviado na noite de 25 de abril a João Vieira Pereira, acusando-o de fazer "julgamentos de caráter". Jornalista ainda pensou tratar-se de um "engano", como revelou esta sexta-feira no jornal.

O secretário-geral do Partido Socialista, António Costa, enviou um SMS polémico a um dos diretores-adjuntos do semanário Expresso, na noite do 25 de abril, a propósito de um texto que o jornalista especialista em Economia escreveu sobre as propostas económicas apresentadas pelo PS. João Vieira Pereira revela esta sexta-feira na íntegra a mensagem que recebeu do líder socialista, afirmando que chegou a pensar tratar-se de um “engano”.
“Senhor João Vieira Pereira. Saberá que, em tempos, o jornalismo foi uma profissão de gente séria, informada, que informava, culta, que comentava. Hoje, a coberto da confusão entre liberdade de opinar e a imunidade de insultar, essa profissão respeitável é degradada por desqualificados, incapazes de terem uma opinião e discutirem as dos outros, que têm de recorrer ao insulto reles e cobarde para preencher as colunas que lhes estão reservadas. Quem se julga para se arrogar a legitimidade de julgar o carácter de quem nem conhece? Como não vale a pena processá-lo, envio-lhe este SMS para que não tenha a ilusão que lhe admito julgamentos de carácter, nem tenha dúvidas sobre o que penso a seu respeito. António Costa”
A mensagem foi enviada no último sábado, dia de publicação do semanário, na sequência da habitual opinião que João Vieira Pereira assina na página 3 do caderno de Economia. 
 .

Sob o título “Perigosos Desvios do PS à direita”, João Vieira Pereira analisava as propostas que o grupo de economistas elaborou para o PS e que farão parte do programa eleitoral que Costa dará a conhecer em junho.
“O que me leva a pensar que o relatório “Uma década para Portugal” está muito mais à direita do PS do que seria de esperar. A grande mais-valia do estudo é que centra o debate político em políticas económicas, de onde nunca deveria ter saído”, escreveu João Vieira Pereira a 25 de abril, sem nunca referir o nome de António Costa.
O diretor-adjunto do Expresso classifica o “estilo do PS” como de “falta de coragem”, ao entregar o programa a um grupo de independentes. “Nada como pedir a uns independentes que façam umas contas que não comprometem ninguém. Se correr bem o partido tinha razão. 
 .

Se correr mal eram apenas umas ideias loucas de uns economistas bem-intencionados”, escreve João Vieira Pereira, que depois até realça alguns pontos “positivos” do estudo, no que toca a algumas políticas económicas sugeridas, como é o caso “da criação de um imposto negativo para os trabalhadores de menores rendimentos; a descida da TSU para as empresas; a eliminação da sobretaxa do IRS e a reposição dos salários da função pública de forma mais rápida”.

Segundo o próprio autor, João Vieira Pereira, que esta sexta-feira responde no mesmo espaço (o jornal foi antecipado por ser feriado) ao SMS do líder socialista, o texto “não contém qualquer julgamento de caráter à pessoa de António Costa ou a qualquer outra”. À crónica desta semana chamou, em jeito de resposta: “É a liberdade, António Costa”.
“Denunciar esta situação é a forma mais transparente que encontro para que todos possam julgar e criticar as ideias que defendo, que sempre defendi e continuarei a defender”, escreve João Vieira Pereira.
Recorde-se que António Costa é irmão de Ricardo Costa, diretor do jornal Expresso. Mal António Costa se disponibilizou para liderar o Partido Socialista, Ricardo Costa colocou o seu lugar à disposição por possíveis questões éticas. Mas a administração do Grupo Impresa rejeitou esse cenário.

* Este comportamento de António Costa nada nos surpreende porque é exactamente  o mesmo comportamento exibido por Socrates quando as coisas não lhe corriam de feição. Costa e Socrates são muito mais iguais que diferentes só que Costa iniciou a arrogância prematuramente.

.
.
MOTA LOUCA


.
.


HOJE NO
 "DIÁRIO DE NOTÍCIAS"

Cerca de mil cidadãos europeus 
estão desaparecidos no Nepal

Maioria estaria a fazer 'trekking' na remota zona montanhosa de Langtang, próximo do epicentro do sismo ou na região do Monte Evereste.
.
Cerca de mil cidadãos europeus permanecem desaparecidos no Nepal, quase uma semana depois do violento sismo que afetou o país, disse hoje a representante da União Europeia no Nepal.
Segundo Rensje Teerink, em declarações aos jornalistas, em Katmandu, a maioria estaria a fazer 'trekking' (marcha em trilhos) na remota zona montanhosa de Langtang, próximo do epicentro do sismo ou na região do Monte Evereste.

"Eles estão desaparecidos, mas nós não sabemos qual é a situação deles. Muitos estavam na zona de Langtang e outros na zona de Lukla", disse a embaixadora, referindo-se à pequena pista de voo, conhecida como a porta do Evereste.

Outra fonte da União Europeia, que falou à agência de notícias France Presse sob anonimato, disse que a maioria provavelmente está bem e em segurança, mas o seu estado é desconhecido devido às dificuldades no terreno e à falta de acessos às zonas afetadas.

Segundo os últimos dados oficiais, mais de 6200 pessoas morreram e quase 14.000 ficaram feridas, apesar de se calcular que estes dados deverão aumentar por se desconhecer os efeitos do sismo nas zonas mais remotas do Nepal.

O sismo, ocorrido a 25 de abril, provocou ainda cerca de 2,8 milhões de deslocados num país com uma população de cerca de 28 milhões de habitantes e o ministério do Interior do Nepal assegurou que o sismo destruiu 148.329 edifícios em todo o país.

Com 7,8 graus na escala aberta de Richter, o sismo foi o de maior magnitude no Nepal em 80 anos e o pior na região na última década desde 2005, quando 84.000 pessoas morreram devido a um outro terramoto na Índia.

* Uma tragédia agravada por o Nepal ser um país de economia frágil com pouca logística, o povo é bom.


.
.


 NÃO DÓI NADA
















.
.
HOJE NO
 "RECORD"


Portugal 
com cinco finais em seis possíveis 
No primeiro dia do Campeonato da Europa

Portugal apurou esta sexta-feira cinco de seis tripulações para as finais dos 500 e 1.000 metros dos Europeus de Racice, na República Checa, sendo que sábado tem mais quatro possibilidades, nos 200 metros.
.

O K4 1.000 composto por Fernando Pimenta, João Ribeiro, Emanuel Silva e David Fernandes foi a única a garantir o êxito logo nas eliminatórias, enquanto a jovem estreante C2 1.000 de Bruno Afonso e Nuno Silva foi a única a falhar a regata das medalhas.

O quarteto luso, que nos últimos três anos ocupou as distintas posições de pódio nos Europeus, fez uma prova em progressão e nos últimos metros conseguiu o terceiro lugar, com 2.58,316 minutos, a 2,312 segundos da Espanha, a mais forte da série, com Javier Hernanz, Rodrigo Germade, Oscar Carrera e Iñigo Peña.

Numa meia-final com o atual campeão do Mundo, o checo Josef Dostal, Fernando Pimenta venceu com 3.29,304 minutos, melhorando cinco segundos ao tempo da sua eliminatória e batendo o espanhol Francisco Cubelos por 744 milésimos de segundo e o italiano Julio Dressino por 928.

Teresa Portela, bronze Europeu nos K1 200 e 500 em 2014, foi segunda na sua meia-final, com 1.52,316, perdendo apenas para a francesa Sarah Guyot, por 1,096 segundos. Sábado compete nos 200 metros.

O K2 1.000 vice-campeão olímpico português, agora composto por Emanuel Silva/João Ribeiro (João ocupou o lugar de Fernando Pimenta, que faz K1), foi segundo na sua meia-final, apenas batido por dupla da Hungria.

Joana Vasconcelos, Francisca Laia, Beatriz Gomes e Helena Rodrigues juntaram-se no K4 500 que falhou a final direta, mas voou na sua meia-final, apurando-se no primeiro lugar com 1.34,507, à frente da Polónia e Hungria.

A C2 1.000 composta pelos jovens Bruno Afonso e Nuno Silva, que se estreiam em Europeus, veio sempre em prova, disputando a qualificação, mas acabou em sétimo, com 3.40,904, a 6,380 segundos da dupla vencedora da França, nomeadamente Mathiew Beugnet e Adrien Bart.

Em canoagem adaptada, Norberto Mourão foi quinto com 51,560, a 5,260 do vencedor russo, Victor Potanin, e 1,310 do terceiro que valia um lugar direto na final: disputa as 'meias' no sábado, na qual parte com o terceiro melhor registo.

Sábado Portugal vai tentar mais quatro finais, todas nos 200 metros.

Programa de Portugal para sábado (horas de Lisboa):
200 metros (eliminatórias):
K1 200 Teresa Portela, às 12H15 
C1 Hélder Silva, às 12H30
K2 Francisca Laia/Maria Cabrita, às 12H55
C2 Bruno Afonso/Nuno Silva, às 13 horas

As semifinais disputam-se à tarde.

* A TURMA DOS VALENTES, PARABÉNS.

.