segunda-feira, 13 de abril de 2015

UMA GRAÇA PARA O FIM DO DIA

.











.

.

  O QUE NÓS 


  "RELEMOS"!



"Carta ao meu "amigo" Zé Socras

 

Zé, meu compincha que tão bem me entendes e compreendes,
Escrevo-te esta carta porque estou revoltada e quero protestar contra as injustiças deste povo em relação a ti e ao teu magnífico governo. Escrevo-te para manifestar a minha solidariedade para contigo, génio incompreendido, como, de resto, o são todas as grandes mentes. Tu, que procuras o bem do teu país, tu que lutas pelo desenvolvimento tecnológico, pela educação, pela saúde, pela economia, pelo trabalho... E, apesar de todos os teus abnegados e heróicos esforços, ninguém te compreende!
Cerca de 300.000 pessoas, um pouco por todo o país, tudo a protestar contra o estado das coisas, contra a falta de oportunidades... Eles não entendem o que tu já tens feito pelo bem deles!
Tu, que levaste para a frente as Novas Oportunidades para que qualquer analfabeto possa aumentar a sua auto estima dizendo que tem o 9º ano sem ter que ir às aulas;
Tu, que criaste programas de estágio para que os licenciados e mestres possam adiar uns meses o desespero do desemprego e, entretanto, serem explorados a baixo custo com imensas regalias... para as empresas;
Tu, que proporcionaste aos alunos a possibilidade de transitarem de ano sem qualquer esforço, criando dificuldades aos malvados dos professores que os queiram reter caso não tenham tido aproveitamento;
Tu, que deste a volta àquela insustentável segurança social que não dava lucros nenhuns, como era o seu objectivo, garantindo, agora, que todos possam ter reformas menores e menos protecção na doença e no desemprego;
Tu, que cortaste os salários aos funcionários públicos, mas que tiveste a decência de salvaguardar os vencimentos dos administradores e dos teus amiguinhos;
Tu, que criaste mais dívida para que todos possamos sonhar com uma viagem de TGV, apesar de não termos dinheiro para os bilhetes e enquanto os trabalhadores da CP vêem as suas condições de trabalho a piorar;
Tu, que poupas dinheiro e decides não fazer um metro em cidades insignificantes como Coimbra, que não te metes em despesas com transportes públicos, tu que ainda por cima só tens 20 motoristas por tua conta e uns poucos por conta dos teus amiguinhos;
Tu, que organizas festas e viagens para mostrar o que de "melhor" por cá se faz, sem olhares a custos...
Tu, que és tão bonzinho, que nos compreendes tão bem, que és tão solidário para com os jovens, para com os trabalhadores, para com os pensionistas... Ninguém te compreende... Pedes justificados e pertinentes sacrifícios à população, discursas sobre o quanto nos entendes e lamentas o que passamos, pois não tens quaisquer responsabilidades sobre o estado das coisas! A culpa é da Ângela, do Nicolau e dos outros meninos maus da Europa. Tu não tens culpa!
Não tens culpa de te preocupares com as despesas excepto com as que dizem respeito a ti e aos teus amigos!
Não tens culpa de quereres luxos na educação, saúde, tecnologia e transportes (de que importa se ainda nem o básico está assegurado?)!
Não tens culpa de desconheceres o que é viver com um salário mínimo ou médio tendo comida, escola, gasolina, água, gás, luz, medicamentos, e outras despesas que tais, para pagar.
Não tens culpa que os professores se sintam mais reclusos que educadores e fontes de conhecimento por causa dum modelozinho de avaliação inofensivo.
Não tens culpa que os pais dos meninos não tenham dinheiro para lhes pagarem os estudos e os sustentarem quando eles não arranjam emprego.
Enfim... Às vezes sinto que vivemos num mundo ao contrário...
Eu, chamo-me Alice e vivo em Portugal, um país que não me dá oportunidades de crescimento, que desaproveita todo o investimento que eu, os meus pais e o estado fizeram no meu desenvolvimento pessoal e académico.
Tu és o Zé e vives no País das Maravilhas, um país em que tudo é como devia ser, graças a ti, mas as pessoas que o habitam são burras e não percebem o bem que lhes fazes.
Não me alongarei muito mais nesta carta, pois já deves ter percebido que estou do teu lado e que te compreendo totalmente! Sugiro-te que saias de Portugal... Por muito que te custe abandonar a pátria pela qual tanto te tens sacrificado, julgo que terás um futuro melhor, em que sejas mais bem tratado, fora deste país cujo povo não te entende nem dá valor ao que tens feito. Vai por exemplo para o Pólo Norte ou para a Gronelândia... Dizem que lá há muito espaço para construíres aeroportos, pontes, linhas de alta velocidade e auto-estradas!
Um beijinho e desejos de boa viagem,
Alice"



Artigo escrito por Alice Morgado
Retirado do Blogue "FANTÁSTICO, MELGA!14 de Mar de 2011



.
.
TOMBOLEIROS













.
.



PATINAGEM NO GELO


CAMPEONATO AMERICANO

2015


JEREMY ABBOTT


video


.
.


HOJE NO
 "i"

Sobre-endividamento causado por
. alterações no agregado familiar
.aumenta em 2015

Dois em cada dez casos de sobre-endividamento registados entre 1 de Janeiro e 31 de Março deste ano foram provocados por alterações do agregado familiar, de acordo com dados da Associação Portuguesa do Consumidor (Deco).

Os dados do Gabinete de Apoio ao Sobre-endividado (GAS) relativos ao primeiro trimestre deste ano indicam que houve um aumento de casos de penhoras decretadas por tribunais devido a créditos em incumprimento e alterações inesperadas do agregado familiar, com o regresso dos filhos a casa dos pais, disse à agência Lusa a coordenadora Natália Nunes.
 .
A coordenadora do GAS explicou que o número de famílias que pediu ajuda à associação foi semelhante ao registado em 2013, 2014 e 2015.

“O que verificámos foi que o número é semelhante. Estamos a falar de entre 7.000 a 7.500 famílias. No entanto, verificámos que existem em 2015 algumas diferenças em relação às famílias e no que diz respeito à degradação da sua situação financeira”, adiantou.

De acordo com Natália Nunes, mais de 25% das famílias que pediram ajuda à Deco já estavam confrontadas com a penhora dos seus rendimentos e dos bens.

“Isto evidencia o que nós temos vindo a alertar ao longo dos anos: que as famílias devem pedir ajuda atempadamente”, salientou.
Segundo os dados da Deco, entre 01 de Janeiro e 31 de Março de 2014, a alteração do agregado familiar era de 8%, e no mesmo período de 2015 situou-se nos 10%.

“Em 2015, alteraram-se as causas que têm estado na origem das dificuldades das famílias portuguesas. Tradicionalmente é o desemprego a principal causa - ainda que em 2014 tenham sido os cortes salariais – mas este ano verificámos que o desemprego e os cortes salariais representam 30% (cada um deles). No entanto, o aumento do agregado familiar, devido ao retorno dos filhos a casa dos pais, mudou a situação”, disse a responsável.

No entender de Natália Nunes, este retorno dos filhos a casa dos pais leva a rupturas orçamentais e ao incumprimento dos compromissos.

“Por outro lado, uma causa que começa a ter valor significativo são as penhoras dos rendimentos e dos bens e também os fiadores que em termos de valor representam 15% das situações que nos chegam”, disse.

A coordenadora do GAS explicou que muitas das penhoras ocorrem em processo de execução e em processos em que os devedores não são os devedores principais, mas porque foram fiadores.
De acordo com os dados, no primeiro trimestre deste ano, 30% dos casos abertos pelo GAS foram motivados pelo desemprego e pela deterioração da situação profissional, 8% devido a divórcio/separação, 12% devido a penhora, 10% por causa da alteração do agregado familiar, 7% por doença e 3% fiadores.

Os dados do GAS indicam também que uma análise ao total de rendimentos dos sobre-endividados, por agregado familiar, revelou que são os que têm rendimentos entre os 505 e os 1010 euros (36,6%) e os que ganham até 505 euros (32,5%) que mais pedem ajuda ao gabinete da Deco.

De acordo com a Deco, 41,4% dos sobre-endividados trabalham no sector público, 25,2% são reformados, 14,7% no sector público, 13,1% estão desempregados e 5,6% trabalham por conta própria.

* Mas o ministro da "basqueiro" dirá que o país está melhor.


.
.


MINUTOS DE


CIÊNCIA/43


DOMESTICANDO

O INFINITO


video


.
.
HOJE NO
 "A BOLA"

Portugal-Eslováquia nos
 Europeus de Pool do Algarve

A Selecção Nacional masculina entra na manhã de terça-feira em ação, diante da Eslováquia (9 horas), nos Europeus de Pool que decorrem, até ao próximo dia 22, no Hotel Ria Park, em Vale do Lobo (Algarve).

Depois de vencer a Finlândia (2-1), no domingo, Portugal, medalha de bronze por equipas nos anteriores europeus, passará ao quadro final de equipas caso vença os eslovacos, depois de, ante os finlandeses, a equipa capitaneada por Rui Edgar Franco, e que alinhou com Jorge Tinoco (Bola 8), Guilherme Sousa (Bola 9) e João Grilo (Bola 10) ter garantido a permanência em prova.

Será a mesma equipa, com os mesmos jogadores, em cada variante, terça-feira, a tentarem vencer a Eslováquia, apurou A BOLA na noite de segunda-feira.

Na variante de ‘Straight Pool’ (14+1), os dois sobreviventes portugueses no segundo dia, o madeirense Miguel Silva e João Grilo, de Fernão Ferro, ficaram pelo caminho nos jogos desta segunda-feira.

Na terça-feira, é a vez de as jogadores nacionais e a Seleção feminina entrar em ação nas 24 mesas montadas no salão algarvio.

Sara Rocha (Académica), capitã de equipa, e Vânia Franco (FC Porto) estreiam-se na prova coletiva às 12.30 horas, diante da Polónia. Com Inês Silva (FC Porto), o trio feminino nacional irá também iniciar a sua prova de ‘Straight Pool’ (14+1).

Os Europeus de Pool iniciaram-se domingo e decorrem até ao próximo dia 22 do corrente mês de abril no Algarve, com a participação de 184 jogadores, de 35 diferentes países do Velho Continente, entre os quais 13 jogadores nacionais.

Depois do Europeu, decorre o Open de Portugal, etapa do Euro tour, de 23 a 25 do corrente mês de abril, que distribui 34 mil euros de prémios, também organizado, tal como os Europeus - variantes de ‘Straight Pool’, Bola 8, Bola 9 e Bola 10, individual masculino, individual masculino, por equipas em ambos os sexos e cadeira de rodas, pela Federação Portuguesa de Bilhar, presidida por Ricardo Salgado

* Força valentes, usem o  taco.


.
.

III-HISTÓRIA DAS

RELIGIÕES DO MUNDO


2- O BUDISMO


video



* As nossas séries por episódios são editadas no mesmo dia da semana à mesma hora, assim torna-se fácil se quiser visionar episódios anteriores.


.
.
HOJE NO
 "AÇORIANO ORIENTAL"

Ilha das Flores acolhe comemorações do Dia da Região Autónoma dos Açores

O concelho das Lajes das Flores, que este ano celebra 500 anos, vai receber pela primeira vez a sessão solene das comemorações do Dia da Região Autónoma dos Açores, a 25 de maio, adiantou o presidente da Câmara Municipal.
  .
“O Dia da Região vai ocorrer pela primeira vez no concelho das Lajes das Flores. É um motivo de orgulho e satisfação que vemos acontecer pela primeira vez no nosso concelho que está a celebrar 500 anos”, afirmou o presidente da Câmara Municipal, Luís Maciel, em declarações à Lusa. O concelho das Lajes das Flores, com cerca de 1.500 habitantes, tem programado, ao longo deste ano, um vasto e abrangente programa comemorativo, que terá como ponto alto a Festa do Emigrante, a 20 de julho, coincidente com o feriado municipal.

Para o presidente da Câmara Municipal das Lajes das Flores, o facto de a sessão solene do Dia da Região ocorrer no concelho permite também prestigiar as comemorações dos 500 anos do concelho, assim como projetá-lo e promovê-lo no exterior. As comemorações do Dia da Região Autónoma dos Açores são organizadas em conjunto pelo Governo Regional e pela Assembleia Legislativa açoriana e têm sido realizadas, de forma rotativa, em todas as ilhas, e também na diáspora, na segunda-feira do Espírito Santo, feriado regional, que este ano se assinala a 25 de maio.

 O Dia dos Açores foi instituído em 1980 para comemorar a açorianidade e a autonomia regional e celebra-se sempre na ‘Segunda-Feira do Espírito Santo’, data escolhida pelo parlamento regional. Em 2014, a sessão solene de comemoração do Dia da Região Autónoma dos Açores decorreu no Nordeste, na ilha de São Miguel, concelho que também estava a celebrar 500 anos.

* VISITE OS AÇORES E EMBRIAGUE-SE DE BELEZA!

.

TERESA DE SOUSA

.





O PS e o populismo 
soft de Nóvoa

O único erro que António Costa não pode cometer é fazer promessas que não possa cumprir nos actuais condicionalismos europeus.

1. Se alguém não tivesse percebido o significado da candidatura de Sampaio da Nóvoa a Belém, bastou-lhe ouvir no domingo passado as palavras de Marcelo Rebelo de Sousa na TVI.

Com uma “perversidade” inigualável (a palavra não tem sentido pejorativo), Marcelo disse que era um excelente candidato para unir toda esquerda – do PS à esquerda radical. Percebe-se porquê. Sampaio da Nóvoa é a melhor garantia de que a sua candidatura a Belém se transformaria, muito provavelmente, num passeio tranquilo. O antigo líder do PSD só vai decidir sobre a sua candidatura depois das legislativas. Não perderia por nada no mundo a sua pregação dominical que bate todos os recordes de audiência (mérito dele). Mas também lhe dá jeito esperar pelos resultados das legislativas. Passos Coelho pode ser contra a sua candidatura. Mas, tal como António Costa, há realidades que o transcendem. Além disso, se o PSD ganhar as eleições (e, numa crise à dimensão da que vivemos por cá e na Europa, tudo pode acontecer), a sua capacidade de impor um candidato aumentaria bastante.
Marcelo sabe o que significa a candidatura de Nóvoa. É um candidato que agrada à esquerda do PS e à esquerda radical. E é justamente por isso que muito dificilmente ganhará eleições que se decidem no eleitorado central. O seu problema não é o de ser desconhecido, coisa que o PS resolveria facilmente se fosse o seu candidato. O seu problema é que a esquerda à esquerda do PS vale realmente muito pouco (à excepção do PCP, que sai fora desta lógica). O BE é liderado por seis pessoas, cada uma representando uma tendência que, por sua vez, deve incluir umas dez pessoas, e falta-lhe o Tsipras lusitano (e a realidade da Grécia) para unificar as infinitas fracções e os exacerbados egos que o caracterizam. O Livre, o Agir e o Tempo de Avançar, com algumas excepções (aqueles que não andam pelas televisões), reflectem a ambição de meia dúzia de protagonistas que se vêem a si próprios como únicos e imprescindíveis. Somados, valem muito pouco.

2. A entourage de Sampaio da Nóvoa já percebeu que não pode deixar que se lhe cole à pele esta imagem demasiado esquerdista. Vai tentar apresentá-lo como uma espécie de “Podemos solitário”, nem de direita nem de esquerda, pairando acima dos partidos numa retórica de “a gente contra a casta” à portuguesa. A sua identificação com Eanes e com o seu “despojamento”, é uma espécie de gato escondido com o rabo de fora. Mas também representa o último protesto de uma esquerda que, depois do 25 de Abril, e sobretudo depois da eleição de Mário Soares em 1986, sempre se sentiu traída pelo PS e pela sua governação ao centro.

Ramalho Eanes, hoje uma figura respeitável, tentou decapitar o PS (e, já agora, o PSD de Sá Carneiro), com a criação de um partido político de inspiração mais ou menos terceiro-mundista, destinado a “moralizar” a política portuguesa. O destino do país podia ter sido outro, muito diferente (e muito pior), quando, na primeira volta das presidenciais, essa esquerda eanista utilizou a ruptura entre Mário Soares e Salgado Zenha para ajustar contas com o líder socialista. A popularidade de Soares (depois do programa de austeridade imposto pelo FMI que teve de aplicar) estava próxima de zero, levando toda a gente a acreditar que seria um alvo muito fácil de abater. A primeira volta foi uma luta brutal sobre o destino da esquerda democrática portuguesa, que felizmente Soares conseguiu resolver por muitos e muitos anos.
Com a crise, voltamos a um cenário idêntico com outros protagonistas incomparavelmente piores e em circunstâncias que, verdadeiramente, estão a pôr à prova as democracias europeias. O que, em 1986, podia ter sido uma tragédia (ou uma perda de tempo) no caminho para uma democracia ocidental, ou seja, sem adjectivos, pode vir a ser agora uma triste comédia. Os apoiantes de Sampaio da Nóvoa acreditam que este poderá mobilizar movimentos sociais e políticos que atravessam o país sem encontrar expressão nos partidos do sistema, que ele será o candidato dos patriotas e dos que querem devolver a dignidade ao país e ao povo. Mas sobre o que pensa o candidato das questões que ditarão o nosso destino, ninguém sabe. O que pensa da Europa, da economia, da reforma do Estado Social, do euro? Não sabemos. “Chegou o tempo de mudar de tempo” pode soar bem mas não quer dizer rigorosamente nada.

3. O segundo duche frio para os socialistas foi o anúncio (já esperado mas, compreensivelmente, ainda não interiorizado) de António Guterres. Temos de ouvir o que Marcelo vai dizer logo à noite embora, neste caso, as suas palavras possam ser menos “perversas” e mais sinceras. Com Sampaio da Nóvoa e sem Guterres, pode dizer-se que está em maré de sorte mas esta não é toda a história. Ele e Guterres repartiram entre si, ainda antes do 25 de Abril, o estatuto de mentes mais brilhantes da sua geração, ambos são católicos praticantes, ambos sempre tiveram preocupações sociais. Guterres governou quando Marcelo era o líder do PSD e lhe fez algumas “partidas” altamente inconvenientes como o referendo sobre o aborto. Mas enquanto foi preciso cumprir as regras de Maastricht para entrarmos no euro, garantiu a aprovação dos Orçamentos necessários. Guterres foi líder socialista, primeiro-ministro, protagonista destacado no Conselho Europeu, amigo de uma geração de líderes mundiais de centro-esquerda de grande projecção. Foi-lhe oferecida de bandeja a presidência da Comissão Europeia, que rejeitou. Desempenha há quase dez anos as funções de Alto Comissário da ONU para os Refugiados, num tempo tremendo de desgraça humana, com determinação e eficácia. Não pretende voltar à política portuguesa, o que se compreende, mesmo deixando António Costa numa posição difícil. Marcelo, penso eu, não desgostaria de travar a batalha com alguém que vê ao seu nível intelectual. Perder com ele seria a única derrota que não lhe atingiria excessivamente ego.

Desde que foi publicamente conhecida a decisão de Guterres, a direita lançou-se num coro de lamentações hipócritas e os socialistas ficaram sem nada para dizer e, consequentemente, começaram a disparar para todos os lados. Jaime Gama também não será candidato por razões absolutamente irrevogáveis: precisa de tratar dos netos. Depois de uma grande carreira política e com a política no estado em que está, percebe-se. Vitorino organizou a sua vida profissional como advogado, quando saiu de comissário, mantendo apenas a sua militância europeia dentro e fora de portas, onde a sua opinião ainda tem imenso valor. Nenhum deles se sujeitaria, creio eu, a um debate público hipermediatizado, onde não há tempo para respirar e onde os pequenos, médios e grandes escândalos se sucedem a uma velocidade alucinante.

Esta histeria presidencial que dificulta a vida ao líder do PS acabará por desaparecer, permitindo-lhe regressar ao seu calendário político para as legislativas. Toda a gente o critica por andar preocupado com o “quadro macroeconómico” do país e com um programa que ninguém vai ler. Se bem percebo, o quadro macroeconómico é necessário para avaliar a margem de manobra de um governo socialista para desenvolver políticas diferentes das que foram imposta pela troika e que o Governo aplicou diligentemente. Creio que o único erro que António Costa não pode cometer, porque esse sim seria trágico para o país, é fazer promessas que não possa cumprir nos actuais condicionalismos europeus. Aí sim, correríamos o risco de abrir as portas aos Podemos, aos Syriza (embora sejam movimentos de natureza diferente) ou ao populismo soft de Nóvoa.

IN "PÚBLICO"
12/04/15

.



481.UNIÃO


EUROPEIA






.
.
HOJE NO
 "DIÁRIO ECONÓMICO"

Como motivar os jovens para uma profissão com 200 mil empregos

Nos próximos anos a Europa vai ter um défice de 200 mil engenheiros que poderá ameaçar o crescimento económico. Como motivar os jovens a escolher os cursos de engenharia. 

Imagine a sua vida sem água canalizada, estradas, pontes, telemóveis ou internet. Conseguia viver sem frigoríficos, automóveis ou edifícios? A maioria dos produtos e serviços que usamos no dia-a-dia foi desenvolvida por engenheiros. Mas mais de metade da população mundial não tem consciência disso.
.
E QUANDO UM ENGENHEIRO 
É FILÓSOFO?
 "A profissão invisível" foi a expressão utilizada por Luís Cocian, autor do livro "Descobrindo a engenharia", para classificar o engenheiro, uma profissão que poucos sabem o que faz. Será que o seu filho tem consciência de todas as oportunidades profissionais que tem à sua frente? Há muitas áreas desconhecidas que podem ser a sua verdadeira vocação. Conheça aqui alguns dos passos que devem ser dados para motivar as gerações mais jovens para a profissão de engenheiro.


1.Quer um emprego? Tire o curso de engenharia!
 "Se alguém me provar que existe uma outra profissão, a seguir à medicina, com mais empregabilidade que a engenharia, eu penitencio-me e vou a pé até Fátima". A ironia utilizada pelo bastonário da Ordem dos Engenheiros pretende referir o facto de haver pouco mais de 3% de desemprego no sector, quando o desemprego jovem ultrapassa os 30%. Mesmo os engenheiros civis "acabam por ir trabalhar para outros países ou em obras no estrangeiro que estão a ser desenvolvidas por empresas portuguesas", sublinha Rita Moura, presidente da Plataforma Tecnológica Portuguesa da Construção. Só na Alemanha existem actualmente cerca de 72 mil vagas para estes profissionais.

2.Acabar com o 'bicho papão' da matemática. 
Tal como não existem monstros debaixo da cama também não existe nenhum 'bicho papão' da matemática. "Mas essa imagem negativa da disciplina continua a ser transmitida de pais para filhos", diz Isaura Vieira, da Direcção-Geral de Educação. Esse é um mito que deve ser combatido. Os pais não devem achar natural que os seus filhos tenham maus resultados a matemática. É preciso mostrar que a disciplina tem aplicações concretas. Depois há o problema da física. Dos 20 mil alunos inscritos em física, apenas sete mil foram aprovados na prova específica. Perante estes números, que considera inaceitáveis, o bastonário da Ordem dos Engenheiros questiona: "É a prova específica que está errada? É o ensino que é mal dado? Como é possível uma prova específica, de tal forma violenta, que conduz à destruição de eventuais carreiras de engenheiros".

3.Aumentar a formação dos professores a matemática. 
Aumentar a formação dos professores do 1º ciclo a matemática é outra das medida essenciais porque as dificuldades adquiridas nesta disciplina no básico são muitas vezes difíceis de recuperar. Aumentar a carga horária da disciplina da matemática no ensino básico e secundário são medidas que estão a ser tomadas. 
 
DE VISITA AO ENGENHEIRO
Mas é também preciso reformular alguns planos de estudo da formação de professores, porque muitos programas de ensino superior privilegiavam a pedagogia mas "se não houver conhecimentos científicos essenciais, a matemática isso não vale nada", exemplifica Isaura Vieira. Em Portugal apenas 25% dos estudantes secundários manifestam a intenção de seguir o curso de engenharias, o que é muito baixo comparado com os 80% da Bélgica.

4.Mostrar como estudar engenharia pode ser divertido. 
"Nem pensar que vamos para essa faculdade (universidade de referência na área da engenharia), porque os alunos são todos 'nerds' e os professores são horrorosos". Argumentos expressos numa conversa de um grupo de estudantes do 11º ano, presenciada por Teresa Oliveira, professora na Católica. A geração Z que está a chegar às universidades, valoriza cada vez mais a interacção social. Por isso é importante combater esta imagem negativa do ambiente dos cursos de engenharia, porque muitos "preferem ir para o curso para onde vão os amigos".

5.Criar um novo herói: 
"O super-engenheiro". Criar uma campanha do super-engenheiro, um novo herói que cria a maioria dos produtos que utilizamos no dia-a-dia, é a proposta de Fernando Branco, professor do IST. "A maioria dos engenheiros não sabe promover o que faz", sublinha o bastonário da Ordem dos Engenheiros. Muitos não têm consciência das capacidades de liderança, gestão e resolução de problemas que desenvolvem durante a sua formação, recorda a docente do Lisbon MBA, Teresa Oliveira. Aumentar o prestígio da profissão de engenheiro, divulgando notícias positivas nos media e tentando sensibilizar os pais para a fácil inserção profissional, possibilidade de carreiras internacionais e elevados salários que os seus filhos terão se optarem por esta área são outras das medidas sugeridas pela Attract, uma rede europeia de escolas de engenharia que quer aumentar a percentagem de jovens a escolher as áreas de ciência e tecnologia. Defende-se ainda a promoção de engenheiros como 'role models' recorrendo a representantes da indústria, investigadores e alunos de doutoramento. As escolas de ensino superior deveriam preocupar-se com o "marketing" da profissão, sublinha o bastonário da Ordem dos Engenheiros.

6.Acabar com o mito de que a engenharia é uma profissão de homens
Convença a sua filha que a engenharia não é uma profissão de homens. Sensibilize a sua escola para a necessidade de promover "Os dias das engenheiras" como acontece noutros países europeus. E ainda promover programas de mentorado para divulgar as áreas das engenharias são algumas das medidas propostas.

* Os nossos amigos engenheiros, são bastantes, lêem este artigo e babam-se, porque não?
Já agora gostaríamos de ler dois artigos sobre outras duas importantes profissões, cantoneiros de limpeza, aqueles que recolhem a porcaria que fazemos diariamente, não vão os engenheiros acabar afogados em merda e a outra só poderia ser prostituta, a profissional que em qualquer "prato" recolhe os sentimentos mais sórdidos do ser humano, consta que os engenheiros também recorrem aos serviços e as utilizam nos seus projectos.

.
.

 NENHUMA SOCIEDADE
QUER QUE SEJAS SÁBIO!
LIBERTA-TE
video


.
.



 7- A ORIGEM DO


PLANETA TERRA


video

ÚLTIMO EPISÓDIO


* As nossas séries por episódios são editadas no mesmo dia da semana à mesma hora, assim torna-se fácil se quiser visionar episódios anteriores.


.
.
HOJE NO
 "CORREIO DA MANHÃ"

Universidade do Algarve 
no topo nacional em medicina

A Universidade do Algarve (UALg) anunciou, esta segunda-feira, que obteve a melhor classificação nacional na área da medicina, no 'ranking' U-Multirank, uma nova classificação mundial apoiada pela Comissão Europeia e que analisa dados, informações e opiniões de alunos. 
 .
O resultado tem como base a fundação do curso de medicina da UALg, a funcionar há seis anos, ou seja, uma preocupação na contratação de docentes que se dedicassem paralelamente à investigação, defendeu à Lusa o docente Álvaro Tavares, do Departamento de Medicina e Ciências Biomédicas da Universidade do Algarve.

"Quando o curso montado, foi tido em conta o que de melhor se fazia lá fora [estrangeiro]", referiu. 

* A ser verdade, uma surpreendente boa notícia.

.
.

Brigada Victor Jara

Arriba Monte

video

.
.
HOJE NO
 "OBSERVADOR"

Há novo vídeo de um polícia a matar um afro-americano. O que se passa nos EUA?

Há mais um vídeo de um polícia a matar um afro-americano de 44 anos, nos EUA. Depois de Walter Scott, Michael Brown e Eric Garner, a discussão está lançada: há justificação para estas mortes?

O vídeo data de 2 de abril, mas só foi divulgado na sexta-feira. Robert Bates, um polícia de 73 anos, disparou fatalmente sobre o afro-americano Eric Harris, 44, por engano, em Tulsa, no estado de Oklahoma, Estados Unidos da América. O incidente ocorreu já depois de a vítima estar imobilizada, no chão, por outro agente da autoridade, conta a Associated Press. O vídeo foi divulgado a pedido da família da vítima.
.
video


Eric Harris era suspeito de ter tentado vender uma arma ilegal a um polícia à paisana. Depois de ter tentado fugir, foi imobilizado pela polícia. No vídeo, ouve-se um dos agentes a pedir a Harris que se vire de barriga para baixo e uma mulher a pedir para pararem de lutar. Logo a seguir, um tiro, e uma voz que diz: “Disparei sobre ele, peço desculpa”. A vítima responde: “Ele disparou sobre mim. Oh meu Deus”. Eric Harris ainda chegou vivo ao hospital, mas acabou por falecer pouco tempo depois.

Robert Bates não era polícia a tempo inteiro, mas um voluntário com formação para prestar apoio às autoridades locais – aquilo que nos EUA se chama “um polícia na reserva”. Fonte oficial da polícia de Tulsa já veio dizer que tem mais de 100 polícias voluntários com “autoridade e poder total” e que não é incomum que trabalhem com a unidade especializada em crimes violentos.

A investigação concluiu que Robert Bates agiu sobre a influência do fenómeno “deslizar e capturar”, que ocorre quando o comportamento de uma pessoa sai da linha de ação porque é “capturado” para reagir a uma situação mais forte, conta a Associated Press.

A notícia da morte de Eric Harris chega pouco tempo depois da de Walter Scott, outro afro-americano morto por um polícia norte-americano, Michael Slager, de 33 anos. O agente da autoridade matou Scott, de 50 anos, pelas costas, enquanto este fugia – Slager tinha mandado parar o carro em que Scott circulava, por ter um farol traseiro partido.
.
video

O acontecimento trouxe para a ordem do dia as notícias de outras mortes: a de Michael Brown em Ferguson e a de Eric Garner em Nova Iorque, no ano passado. A revista Time deu honras de capa ao tema, com o slogan do movimento Black Lives Matter (as vidas negras importam), que põe a discriminação racial norte-americana na agenda.

De acordo com o site do movimento, a cada 28 horas é assassinado um homem, uma mulher ou uma criança afro-americana por um polícia ou outro agente da autoridade. Uma análise da Vox, baseada em dados divulgados pelo FBI, concluiu que a polícia norte-americana dispara sobre afro-americanos numa percentagem desproporcional – apesar de representarem apenas 13% da população norte-americana, representaram 31% das vítimas de polícias. Os dados não estão completos, mas ilustram a disparidade das percentagens, diz a Vox. Mais: Entre 2010 e 212 é provável que a polícia tenha morto 21 vezes mais adolescentes negros do que brancos.

“Os negros estão a dizer literalmente ‘parem de nos matar'”

Walter Scott conduzia um Mercedes-Benz e foi mandado parar por ter um farol partido. De acordo com a The Atlantic, é frequente que a polícia utilize este tipo de pormenor como pretexto para perseguir cidadãos negros. Na cidade de North Charleston, 47% da população é afro-americana e 37% branca. O agente de autoridade que matou Scott é branco, tal como 80% da força policial da cidade.

O assunto não é novo – há vários anos que a população de North Charleston se tem vindo a queixar de ser “mal tratada” pela polícia local. Em 2010, um dos responsáveis respondeu a um artigo publicado no The Charleston Post and Courier sobre o tema, que dizia que os fins justificavam os meios e que a estratégia que as autoridades adotaram estava a diminuir os índices de violência dramaticamente.

Em 2011, a polícia norte-americana matou 828 pessoas, quando, na Austrália ou na Alemanha, foram mortas seis, por exemplo. Se as mortes foram ou não justificadas, fica a dúvida. Na The Atlantic lê-se que quando um incidente deste tipo é fatal, é difícil contestar o depoimento dos agentes de autoridade envolvidos. O de Walter Scott é diferente – porque há um vídeo que conta a história. E a pergunta impõe-se: acidente ou homicídio?

Nas redes sociais, são várias as mensagens de apoio aos afro-americanos, com a hashtag (etiqueta) #blacklivesmatter  “Os negros estão a dizer literalmente ‘parem de nos matar’. E existem pessoas que dizem ‘mas..'”, escreveu o ator e realizador norte-americano Malcolm-Jamal Warner, na conta que detém no Twitter.

Depois da morte de Walter Scott, os Simpsons também se juntaram ao movimento.
E são vários os apelos para trazer o assunto para as redes sociais.

Quando Scott foi morto, Michael Slager contou uma versão diferente da verdadeira, desmentida depois de ter sido divulgado o vídeo. “Onde estaríamos se o vídeo não tivesse sido divulgado?”, perguntou o advogado da família da vítima. Na Time, David Von Drehle escreve que antes de o vídeo aparecer, a morte de Walter Scott ocupava o mesmo espaço que outras centenas de casos ocupavam nos registos da polícia. Que espaço ocupará, agora, o de Eric Harris?

* USA, um país de abomináveis brancos a escravizar e matar pretos.

.