quinta-feira, 9 de abril de 2015

UMA GRAÇA PARA O FIM DO DIA

.
Os buracos já estão feitos!...

Uma velhinha morre e ao chegar ao céu pergunta ao guardião dos portões:
 - Porque é que existem 2 portas, uma azul e outra vermelha?
  São Pedro então responde: 
- A azul leva ao Céu, a vermelha desce ao Inferno, pode escolher! 

 Nisto, ouve-se uma gritaria e o barulho de berbequim atrás da porta azul. 
 - Mas o que é isto? - Pergunta a velhinha.
 - Nada, é uma alma que acabou de chegar e estão a furar-lhe as costas para pôr as asas.

 A velhinha fica indecisa quando de repente ouve-se nova gritaria atrás da porta azul. 
 - E esta gritaria o que é? 
- Nada, é que estão a furar a cabeça da alma para pôr a auréola.

 - Que horror! Eu não quero ir para o Céu, vou mas é para o Inferno! 
 - Mas lá o Diabo costuma violar todas as mulheres!

- Quero lá saber... pelo menos os buracos já estão feitos!


.
.


32-ACIDEZ 

FEMININA
Situações constrangedoras

durante o sexo



.
.
C A M P I Ã O




.
.
FRANKIE
 




.
.
HOJE NO
 "AÇORIANO ORIENTAL"

Apenas um terço dos países atingiu objetivos de educação fixados há 15 anos 

Apenas um terço dos 164 países que há 15 anos lançaram a iniciativa Educação para Todos atingiram os objetivos fixados, revela o relatório anual da UNESCO .
  .
A divulgação do relatório de acompanhamento da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) ocorre um mês antes da realização do Fórum Mundial da Educação em Incheon (Coreia do Sul).

Países europeus, mas também o Quirguistão, a Mongólia e Cuba encontram-se entre o terço bem-sucedido, enquanto vários países da África subsaariana, o Paquistão ou o Iémen ficaram longe dos objetivos.

O objetivo orientador de fornecer educação primária universal foi atingido por 52% dos países, enquanto 10% estão perto de o conseguir, 29% estão longe e 9% muito longe, precisa a UNESCO.
.
 Um terço das crianças que não vão à escola vivem em zonas de conflito, fenómeno que se agravou desde 2000 e ao qual as raparigas são particularmente vulneráveis. Na Síria, alguns temem que a crise resulte numa "geração perdida".

Em 15 anos, "o mundo fez progressos significativos", assinalou a diretora-geral da UNESCO, Irina Bokova, citada no comunicado de divulgação do relatório.

Mas, segundo a responsável, os governos devem "dar prioridade aos mais pobres -- especialmente às raparigas".

As crianças mais pobres do mundo têm uma probabilidade de ir à escola quatro vezes inferior à das crianças mais ricas, refere o relatório.
 .
Cerca de 58 milhões de crianças estão fora da escola em todo o mundo e 100 milhões não conseguem completar o ensino primário.

A paridade de género melhorou ao nível do primário e do secundário, mas a educação das raparigas é frequentemente travada por "casamentos precoces e gravidezes", adianta o relatório.

O objetivo de diminuir em 50% o número de adultos analfabetos só foi atingido por um quarto dos países, enquanto 19% ficaram próximos. As mulheres representam dois terços dos 781 milhões de adultos analfabetos.
 .
ESCOLA EM GAZA ARRASADA PELA AVIAÇÃO ISRAELITA
Assinalando que o financiamento continua a ser o principal obstáculo à expansão da educação, a UNESCO diz serem necessários mais 20 mil milhões de euros por ano para atingir os objetivos da educação para todos até 2030.

O relatório recomenda que os governos consagrem 15 a 20% dos orçamentos nacionais à educação e que os doadores multipliquem a sua ajuda por quatro.

* Vivemos num mundo miserável.


.
.
XXVII- O UNIVERSO
 
2- GALÁXIAS LONGÍNQUAS




* As nossas séries por episódios são editadas no mesmo dia da semana à mesma hora, assim torna-se fácil se quiser visionar episódios anteriores.

.
 .
HOJE NO
 "DIÁRIO ECONÓMICO"

CTT já tem 100 pessoas 
a trabalhar no Banco Postal

Correios acabam de criar a empresa para concretizar o projecto bancário dos CTT. 

Os CTT estão a avançar com a o Banco Postal, que será criado até ao final do ano e já constituiram uma empresa que será a entidade responsável para a efectiva concretização do projecto bancário dos Correios.

A empresa liderada por Francisco Lacerda criou, a 6 de Fevereiro deste ano, a sociedade CTT Serviços, "no contexto do processo de constituição do Banco Postal", segundo a informação do relatório e contas de 2014 da empresa. "Este é mais um importante passo para o lançamento do banco ao longo de 2015, cujo processo passa por diversas etapas de autorização por parte do Banco de Portugal, assim como a interligação com diversas entidades fundamentais para a prestação de serviços bancários", acrescenta o documento.

Questionada pelo Diário Económico sobre a criação desta empresa, fonte oficial dos Correios explica que "no processo de constituição do Banco existem várias etapas no processo de aprovação final por parte do Banco de Portugal. Somente após este processo terminado poderá a sociedade transformar-se num banco. No entanto, neste processo existem vários investimentos e recrutamentos que deverão já ser realizados pela sociedade que dará origem ao Banco".

A CTT Serviços já conta com mais de 100 funcionários, segundo especifica, no relatório e contas, Francisco Lacerda, presidente-executivo. "Lançámos as necessárias iniciativas internas, com o envolvimento das pessoas e competências adequadas, para assegurar que o projecto é um sucesso e que atinge todos os seus objectivos em termos de calendário, investimento e retorno. Temos oito frentes de trabalho com calendários detalhados e mais de 100 pessoas a tempo inteiro já dedicadas ao projecto", especificou o presidente da empresa.

Os CTT também já contrataram os responsáveis pela implementação do sistema informático ‘core' do Banco Postal mas não divulgaram a quem foi feita essa adjudicação.

A intenção de criação de um Banco Postal pelos CTT já é antiga mas só em Novembro do ano passado foi aprovado o projecto. "Em 2014 os CTT consolidaram e actualizaram o respectivo modelo de negócio tendo por base um estudo de mercado mais detalhado e aprofundado, incorporando as tendências e conjuntura de mercado, assim como as capacidades, recursos e factores distintivos dos CTT", explicam os Correios.

A licença provisória dada pelo BdP foi prorrogada por mais 12 meses e o Banco Postal deverá entrar em funcionamento no último trimestre deste ano. "O Banco Postal será suportado numa lógica de baixo custo, alavancado na rede de lojas dos CTT", aproveitando a experiência em serviços financeiros, uma aposta dos Correios nos últimos anos. Utilizar a vasta rede de Lojas com experiência em serviços financeiros.

"O plano de negócios e contas previsionais estima que as exigências de investimento por parte dos CTT serão de 100 milhões de euros em cinco anos e que, a partir desse ano, o Banco passe a libertar recursos para os CTT", concluem os Correios.

* Um banco dos CTT parece-nos bem se a sua actividade não for igual ao assalto ao cliente efectuado pela restante banca que actua em Portugal.

.
.

 1- SEXO AOS QUADRADINHOS




.
.
HOJE NO
 "CORREIO DA MANHÃ"

Comida escolar é "hipocalórica"

Valor energético é inferior ao aconselhado pela OMS.

As escolas primárias da área metropolitana de Lisboa servem refeições hipocalóricas, ou seja, com valor energético abaixo do recomendado pela Organização Mundial da Saúde. A conclusão é do Departamento de Alimentação e Nutrição do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge (INSA), que no ano letivo de 2012/2013 analisou 36 refeições, recolhidas em 36 escolas. 
 .
"O valor energético de 69% das refeições é inferior ao preconizado pela Organização Mundial da Saúde. Já o teor de proteína, em 50% das refeições analisadas, é superior ao valor recomendado", revela o estudo. Cada refeição incluía sopa, prato principal (baseado em carne ou peixe), acompanhamento glucídico (arroz, massa, batata ou leguminosas), acompanhamento hortícola e/ou salada, sobremesa (gelatina ou fruta) ou um produto lácteo (iogurte) e pão de mistura.

Para inverter o elevado número de refeições hipocalóricas, o INSA alerta para a "necessidade de as câmaras, serviços de saúde e empresas estabelecerem programas de vigilância nutricional, de forma a garantir a qualidade nutricional das refeições". 

* O ministro da Educação mais uma vez não cumpre o dever de cuidar  das crianças que estão sob a sua responsabilidade durante várias horas por dia.

.

CÍNTIA MACHADO

.





Comer bem e barato 
é possível

Há quem pense que uma alimentação equilibrada fica cara e que o peixe é um luxo inacessível para orçamentos mais reduzidos. Apesar de a proteína do peixe ser muito mais benéfica para a saúde que a da carne, nem todas as famílias a incluem regularmente na lista de compras, por acharem que fica cara. Não é assim!

Para ter refeições de peixe saborosas e nutritivas não precisa de gastar uma fortuna. Aliás, ao contrário das ideias pré-concebidas, os peixes mais baratos, disponíveis no mercado e capturados no mar português, como a cavala, o carapau ou a sardinha, são os mais benéficos para a saúde. São muito ricos em ácidos gordos polinsaturados, como os ómega 3 e ómega 6, substâncias muito importantes para a saúde, sobretudo ao nível do sistema circulatório e imunitário.

O peixe congelado é outra opção para refeições económicas e saudáveis, pois é mais acessível que a maioria do pescado fresco, tem os mesmos valores nutricionais e está sempre pronto a preparar. Deve-se descongelar, de preferência, na embalagem de compra, no frigorífico. Não sendo possível, pode-se usar o micro-ondas ou optar pela cozedura sem previamente descongelar, em alguns casos.
Temos também de falar nas conservas portuguesas, acessíveis e versáteis, com que rapidamente se prepara uma refeição para toda a família, a preços controlados. O bacalhau é outra boa opção para cortar nos custos, mas não no sabor. Dependendo do seu tamanho, existe no mercado a preços acessíveis, e é um fiel amigo para a saúde e para a carteira.

Ou seja, o pescado proporciona refeições completas, do ponto de vista nutricional, e com elevados benefícios para a saúde e para a manutenção de um peso saudável. Claro que o peso calórico de uma refeição com peixe depende muito do modo de confeção. Deve-se privilegiar os cozidos, grelhados e, sempre que se adicionar gordura, a escolhida deve ser o azeite!

Já sabe: é possível comer bem e barato. Se procura uma alimentação equilibrada, corte nas calorias, mas não desista do sabor! Descubra tudo aquilo que o mar lhe oferece. Vá ao mercado e deixe-se tentar por um peixe diferente. Na secção de congelados, descubra as novidades! E lembre-se de que não há só conservas de atum e sardinha!

IN "OJE"
08/04/15



.



477.UNIÃO


EUROPEIA




.
.
HOJE NO
 "OBSERVADOR"

Os tampões são uma arma
 contra a poluição

Os tampões já não são apenas um artigo de higiene feminina: podem ajudar os cientistas a estudar as condições dos rios, porque absorvem as substâncias provenientes das fábricas.

Os mesmos tampões que ajudam as mulheres a enfrentar a menstruação ganharam agora uma nova função: são instrumentos eficazes na deteção de contaminações nos rios. Porquê? Segundo as declarações de um grupo de investigadores britânicos à BBC, o algodão usado na produção de tampões não é igual ao da roupa, por motivos de higiene, mas é altamente absorvente.
.
JOANA VASCONCELOS JÁ 
LHES DESCOBRIRA OUTRO USO

É por isso que os tampões são capazes de captar as substâncias químicas utilizadas na indústria dos produtos de beleza, que ficam fluorescentes quando expostas a luz ultravioleta.

A descoberta dos cientistas britânicos aconteceu quando a equipa tentou descobrir quais as construções mais modernas do país estavam a lançar os resíduos para os rios.

O formato do tampão também se torna muito útil para controlar estas análises: além de não serem quimicamente tratados, estão protegidos por um invólucro e têm um cordão que permite prendê-los aos objetos do rio. “São uma ferramenta científica perfeita”, disse Lerner, um dos investigadores.

Ao fim de alguns dias debaixo de água, os tampões expostos a luz ultravioleta vão absorver os produtos químicos com proveniência das fábricas, por mais pequena que seja a sua concentração. Trata-se também uma maneira rápida e económica para estudar as bactérias existentes nos cursos de água e definir a qualidade desta.

No Reino Unido, esta experiência é mais importante do que parece: no país existe um milhão de edifícios com tubagens danificadas a poluir os rios. É por isso que a ideia já está a ser estudada pelas empresas britânicas responsáveis pela qualidade da água.

* Consta nos "mentideros" que os tampões têm também capacidade para atrair neurónios e  a fim de estudar a sua actividade, foram colocados "canudos" para teste, em reuniões de conselho de ministros e a sua recolha revelou que só em dois, cujos nomes nos escusamos a revelar, foram encontrados neurónios com actividade evidente.


 .
.


AUMENTE A SUA CULTURA





.
.
.

II- O APERFEIÇOAMENTO

HUMANO


1 - PREPARANDO 

A SINGULARIDADE



* As nossas séries por episódios são editadas no mesmo dia da semana à mesma hora, assim torna-se fácil se quiser visionar episódios anteriores.



.
.


HOJE NO
 "DIÁRIO DE NOTÍCIAS"

INE esclarece Passos e Marco António Costa:
"Estatísticas são credíveis e fiáveis"

Passos criticou taxa desemprego [que subiu] dizendo que INE "não pode rever uma estatística destas sem apresentar um fundamento sério para essa decisão." Vice do PSD colocou em causa "a fiabilidade" dos números.
 .
O Instituto Nacional de Estatística (INE) garantiu hoje que as suas estatísticas "são credíveis e fiáveis", considerando que não há razões para "colocar em causa a credibilidade" da entidade.

"As estatísticas do INE são credíveis e fiáveis. Aceitando ser juiz em causa própria, o INE considera não existirem razões para colocar em causa a credibilidade e a fiabilidade das estatísticas oficiais portuguesas da sua responsabilidade", afirmou hoje fonte oficial do instituto à Lusa, quando questionada sobre as críticas de que a instituição tem sido alvo por parte de elementos do Governo e de partidos que sustentam o executivo.

O INE refere ainda que as suas estatísticas "são produzidas obedecendo aos 15 princípios do Código de Conduta para as Estatísticas Europeias no quadro do Sistema Estatístico Europeu", respeitando regulamentos e práticas metodológicas, "que são públicas".

Quanto às revisões dos dados, o INE afirma que estas são "parte integrante e inerente ao processo de produção estatística" e que as estatísticas "são geralmente sujeitas a revisões", as quais "são sobretudo originadas por nova informação sobre o passado que não foi possível integrar a tempo da divulgação anterior".

Em março, o INE reviu em alta a taxa de desemprego relativa a janeiro, a qual passou dos 13,3%, conforme foi divulgado no primeiro mês de 2015, para os 13,8%. Já em janeiro, o INE tinha recalculado os dados do desemprego de novembro, uma vez que inicialmente tinha apurado uma taxa de desemprego de 13,9% e depois reviu a taxa em baixa, para os 13,5%.
 .

Também a evolução do Produto Interno Bruto (PIB) em 2012 foi revista no mês passado, quando foram conhecidas as contas nacionais finais para aquele ano: o INE, que tinha estimado uma recessão de 3,2% em 2012, apurou que a economia tinha contraído 4%.

No último debate quinzenal, na Assembleia da República, o primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, afirmou que "o INE, nos últimos meses, fez revisões sensíveis sobre os seus próprios dados", referindo-se às retificações dos dados do desemprego.

Passos Coelho disse não ter condições para explicar esta revisão da taxa de desemprego e remeteu explicações para a entidade estatística: "Não estamos em condições de formular uma explicação sobre o que se passou, a revisão foi sensível. O INE não pode rever uma estatística destas sem apresentar um fundamento sério para essa decisão".

Mais recentemente, num programa televisivo, o vice-presidente do PSD Marco António Costa teceu duras críticas ao INE, pondo em causa "a fiabilidade" dos números que reporta.
"Não é um problema de independência, é de fiabilidade. Não tenho dúvidas da independência do INE, gostava era que os dados que o INE comunica fossem fiáveis e fossem 100% percetíveis", afirmou, referindo-se também às duas revisões das estatísticas do desemprego e à revisão da variação do PIB em 2012.

Marco António Costa falava num programa da RTP sobre o estado do Serviço Nacional de Saúde, em que defendeu que "começam a ser curiosos estes erros sistemáticos do INE".

Em relação às estatísticas relativas à taxa de desemprego, o INE recorda que, desde novembro de 2014, que estes dados "correspondem a trimestres móveis centrados nos meses de referência e são calculados (...) com base em informação incompleta".

O INE explica ainda que as estatísticas da taxa de desemprego para um dado mês, divulgadas no final do mês seguinte são provisórias, podendo o valor ser "substituído na divulgação" posterior "pelo seu valor definitivo".

Por exemplo, o valor provisório da taxa de desemprego de janeiro foi conhecido no final de fevereiro e o valor final só foi divulgado no final de março.

* Vamos lá a ver se os srs. primeiro e ministro tomam juízo e respeitam quem trabalha com decência e honradez.


.
.

Rádio Macau

Amanhã É Sempre Longe Demais


.
.
HOJE NO
  "RECORD"

WTCC:
 Vila Real investe 1,6 milhões de euros

A Câmara de Vila Real dispõe de 1,6 milhões de euros, 85% de fundos comunitários, para obras e reforço da segurança das corridas automóveis, bem como para a promoção, animação, homologação do circuito e pagamento de direitos televisivos.
 .
Vila Real vai ser o palco para uma prova do Campeonato do Mundo de Carros de Turismo (WTCC) entre 10 e 12 de julho de 2015.

"Este será um acontecimento galáctico, talvez o maior evento que já se realizou em Vila Real e o maior que se vai realizar em Portugal em 2015", afirmou o presidente da autarquia, Rui Santos.

Para a realização do 45.º circuito urbano, que inclui, pela primeira vez, uma prova da Federação Internacional de Automobilismo (FIA), o município apresentou duas candidaturas a fundos comunitários.

A mais recente, no valor de cerca de um milhão de euros, foi aprovada na semana passada e garante verba para o pagamento da homologação do circuito, para o pagamento dos direitos televisivos, para a animação e promoção do evento.

"Esta verba será aplicada com um conjunto de exigências que hoje são impostas à organização de um campeonato com esta dimensão", frisou Rui Santos.

A primeira candidatura aprovada atribuiu cerca de 600 mil euros para a realização de obras no paddock e boxes, as quais já estão em curso, bem como para a montagem dos railes à volta da pista de 4,6 quilómetros, das redes e toda a estrutura de segurança do circuito citadino.

No entanto, segundo Rui Santos estas verbas não eram suficientes para a organização do evento e, por isso, destacou o patrocínio das empresas da região que se associaram ao Circuito de Vila Real, nomeadamente a Realvitur Angola e a Tintas Europa.

O empresário Carlos Peixoto, da Realvitur, afirmou querer contribuir para a construção de um "ícone que referencie Vila Real a nível internacional".

Dedica-se a viagens e turismo e nasceu na cidade, mas estendeu-se a Angola onde, segundo o responsável, já é a terceira maior empresa deste país, com cerca de 70 milhões de euros de volume de negócios por ano.

A Tintas Europa, empresa de Alijó, também estendeu a sua operação a Angola e, em 2014 faturou 2,5 milhões de euros.

O responsável, António Cunha, disse que fez questão de apoiar o evento que considerou ser de "muita importância para a região" e, ao mesmo tempo, quer aproveitar a boleia do WTCC para projetar a sua empresa a nível mundial.

De acordo com as estimativas do autarca, o WTCC poderá proporcionar um retorno financeiro direto de três milhões de euros ao concelho cidade e indireto de 80 milhões à região.

Rui Santos disse ainda que se esperam 220 mil espetadores na cidade e sublinhou que a prova tem "uma projeção mundial", podendo chegar "a mais de 500 milhões de pessoas" de 22 países.

A realização do WTCC em Vila Real está garantida até 2017, o que acontece meses depois de a Câmara do Porto ter decidido suspender a realização do Circuito da Boavista em 2015.

Os bilhetes para as 10 bancadas do circuito evento estarão à venda a partir de 15 de abril e apenas na bilheteira 'online'.

Durante um mês haverá descontos podendo ser adquiridos a 40 euros, bilhetes para os três dias e para bancadas sem televisão, e 50 euros, para os três dias e bancadas com televisão.

A organização do evento envolve ainda o Clube Automóvel de Vila Real e a Associação Promotora do Circuito Internacional de Vila Real.

* Oxalá seja um bom acontecimento para a cidade
.

.
.

MAQUINARIA PESADA


Uma máquina que coloca as traves na linha férrea
.
.
HOJE NO
 "JORNAL DE NOTÍCIAS"

Bruxelas pagou para arrancar vinha e agora quer aumentar produção de vinho

Cinco anos depois de ter patrocinado o arranque de vinha para combater excedentes de produção, a Comissão Europeia apresentou, esta quinta-feira, um plano para aumentar a produção vinícola e que acaba com o regime de direitos de plantação.

O novo regime de autorizações para plantações de vinhas, que vigorará de 1 de janeiro de 2016 até 2020, prevê o crescimento de 1% anual da superfície vinícola de modo a responder à procura no mercado e a enfrentar a concorrência do chamado Novo Mundo, com o Chile e a Austrália à cabeça. 

"Os Estados-membros devem conceder anualmente autorizações de novas plantações correspondentes a 1% da superfície total efetivamente plantada com vinhas nos respetivos territórios, embora possam fixar limites inferiores, o que deve ser solidamente fundamentado", prevê o texto, hoje publicado no Jornal Oficial da União Europeia (UE).


"O declínio da produção foi superior, quase o dobro do que se pagou para o arranque", disse à Lusa fonte comunitária, comentando os prémios dados pela Comissão Europeia entre 2008 e 2010 para promover o arranque da vinha na UE, nomeadamente de vinhos sem designação.

Este declínio levou agora Bruxelas a investir no aumento da produção, esperando resultados especialmente "no vinho de qualidade", salientou a mesma fonte.

O novo regime prevê restrições às autorizações "desde que a decisão se justifique pela necessidade de evitar um risco comprovado de desvalorização significativa de determinada denominação de origem protegida (DOP) ou indicação geográfica protegida (IGP)", como por exemplo o vinho do Porto ou o champanhe.

"O regime de autorizações permite que se continue a controlar a expansão - nomeadamente para DOP e IGP - mas os limites têm que ser bem definidos e explicados", disse fonte comunitária.

O novo regime aplica-se a novas plantações, a replantações e à conversão de direitos de plantação e, no primeiro caso, as autorizações são concedidas anualmente e, ao contrário dos direitos, não podem ser transacionadas entre produtores.

Os direitos de plantação que continuem válidos em 2016 e 2017 serão automaticamente transformados em autorizações.

Em termos de mercado, e segundo dados de Bruxelas, os maiores aumentos de consumo de vinho verificam-se fora do espaço europeu, principalmente nos EUA, a partir de 2009, e na China, desde 2012, sendo que a UE exporta 15% da sua produção para países terceiros.

*  Ha 30 anos que Bruxelas paga para arrancar árvores, para não cultivar terras, para destruir plantações, para as vacas não serem ordenhadas etc., e não é por ignorância ou má gestão, os "donos do dinheiro" controlam a produção desta maneira, se houver fome e desemprego que se lixe!


.
.
DOUTRO SÉCULO


DESAPARECERAM


DE LISBOA














.
.


HOJE NO
 "JORNAL DE NEGÓCIOS"

Deco faz leilão para poupar 
nas compras do supermercado

Depois da luz, do gás e dos combustíveis, a associação de defesa do consumidor avança com um leilão que procura permitir aos consumidores pouparem nas compras de produtos básicos nas deslocações aos supermercados. As inscrições arrancaram esta quinta-feira. 
A Deco está a realizar um novo leilão, mas desta vez não tem a ver com os serviços de energia. A associação de defesa do consumidor, reconhecendo o "contexto de crise que temos atravessado", quer ajudar os portugueses a pouparem nas compras que realizam no supermercado. A ideia é, juntando um número elevado de consumidores, obter o maior desconto para um cabaz de produtos essenciais. Essa poupança será garantida durante um ano.
 .
No sentido de "ajudar os consumidores a recuperar o poder de compra de há uns anos", refere o comunicado, a Deco quer "conseguir maiores poupanças para as famílias naquela que é a terceira maior despesa dos agregados familiares, segundo dados do INE: a compra de produtos alimentares". Neste sentido, lançou esta quinta-feira, 9 de Abril, as inscrições para "um leilão de supermercados que visa alcançar um desconto num cabaz de cerca de 35 categorias de produtos essenciais, a usufruir durante um ano".

A Deco esclarece que "todos os portugueses poderão participar no 1.º leilão de supermercados: só têm de registar-se em www.poupenocabaz.pt", ou seja, não é preciso ser associado da Deco. Têm até 31 de Maio para o fazer. O leilão irá decorrer dia 2 de Junho, sendo que posteriormente, "recebem o cartão DECO + que permitirá usufruir do desconto que ganhar o leilão", esclareceu fonte da instituição. "Não tem qualquer custo, tal como nos leilões que realizamos anteriormente para a energia", rematou.

No www.poupenocabaz.pt surge a indicação de que já há mais de 463 mil subscritores deste novo leilão da Deco. "Já temos 463 mil que são os nossos associados que logo à partida estão automaticamente inscritos", refere fonte oficial da Deco ao Negócios. "Quanto mais consumidores se inscreverem, maior o interesse por parte das cadeias e o desconto a alcançar", conclui o comunicado da Deco. 



Veja quais os bens em que poderá ter desconto
A Deco nota que o desconto apurado no leilão que está a realizar, será aplicado a todo o cabaz de 35 categorias de produtos essenciais existentes na cadeia vencedora. Conheça os produtos em que poderá ter desconto:
01. Água
02. Açúcar
03. Massa
04. Arroz
05. Farinha de trigo
06. Azeite
07. Óleo alimentar
08. Cereais de pequeno-almoço
09. Leite UHT
10. Manteiga
11. Ovos
12. Pão fresco
13. Fiambre embalado
14. Queijo
15. Iogurtes
16. Peixe congelado
17. Legumes enlatados
18. Atum em conserva
19. Legumes ultracongelados
20. Carne (talho)
21. Peixe fresco
22. Fruta fresca (avulso)
23. Legumes frescos (avulso)
24. Detergente para lavagem manual da loiça
25. Detergente para a máquina da roupa
26. Guardanapos de papel
27. Papel de cozinha multiusos
28. Detergente multi-superfícies
29. Lixívia
30. Papel higiénico
31. Champô
32. Gel de banho
33. Sabonete
34. Dentífrico
35. Gel de barbear

* Não é só por este estudo que lhe sugerimos mais uma vez para se associar à DECO,  é mesmo a Defesa do Consumidor.

.
.
TEMPESTADE DE AREIA

Arábia Saudita
.
.
HOJE NO
 "DESTAK"

Interposta ação coletiva contra Facebook
. por uso indevido de dados pessoais

Um grupo de 25.000 utilizadores que acusa o Facebook de uso ilegal dos seus dados pessoais interpôs hoje uma ação coletiva contra a rede social no tribunal civil de Viena, que deverá agora pronunciar-se sobre a respetiva admissibilidade. 
 .
Max Schrems, o jurista austríaco que deu origem ao grupo, apresentou hoje de manhã formalmente esta queixa, que está a ser acompanhada de perto pelos gigantes da internet.

O processo é um dos maiores até hoje instaurados à rede social norte-americana com quase 1,4 mil milhões de utilizadores ativos. Foi lançado em agosto por utilizadores de vários países da Europa, bem como da Ásia, da América Latina e da Austrália. Mais cerca de 55.000 outras pessoas expressaram, entretanto, a intenção de se associar à ação judicial. 

* facebook "jamé"


.
.
MAIS PARA DESFILAR
DO QUE
DEVORAR
















.
.
HOJE NO
 "i"

Caso vistos gold. 
Saiba como os concursos para a administraçãopública são manipulados

Ministério Público encontrou mensagens e telefonemas que mostram que o ex-presidente do IRN terá tido acesso às regras do concurso a que se candidatou. Mas há outros favorecidos

O Ministério Público suspeita que a ex-secretária-geral da Justiça, Maria Antónia Anes, e António Figueiredo, ex-presidente do Instituto dos Registos e Notariado (IRN), detidos no caso Vistos Gold, manipularam concursos da CRESAP – entidade que selecciona e recruta candidatos para cargos de direcção superior na Administração Pública.  
 .
Telefonemas e mensagens escritas trocadas entre os dois altos quadros indiciam que António Figueiredo e Maria Antónia Anes chegaram mesmo a violar as regras do concurso em que o primeiro era candidato a presidente da IRN e de outro em que colegas seus concorriam ao cargo de vice-presidente daquele instituto. Para conseguirem ajudar terceiros de quem eram próximos, há até casos em que foram pedidos favores a Miguel Macedo, então ministro da Administração Interna. 
A 10 de Dezembro de 2013, foi publicado o aviso de abertura do concurso para o cargo de presidente do IRN – cargo que já era, à data, desempenhado por António Figueiredo. Um dia depois, Maria Antónia Anes, que fazia parte do júri do concurso da CRESAP, passou essa informação a Figueiredo, que pediu a uma funcionária do IRN que tratasse da sua candidatura. No dia 19, a funcionária confirmou a Figueiredo que o formulário da candidatura já se encontrava preenchido, sendo apenas necessário submetê-lo.  
 .
Mais tarde, nesse mesmo dia, a funcionária mostrou-se indignada: constatou que faltavam “coisas” no currículo de Figueiredo e alegou que alguém teria entrado no documento e “apagado uma ou outra frase” e que só quem estivesse na posse da password é que poderia fazê-lo. António Figueiredo parecia saber do que se tratava e respondeu que poderia ter sido “a Maria Antónia” (Anes) que “não gostou de qualquer coisa e tirou”. No dia 23, Figueiredo enviou uma mensagem escrita a Maria Antónia: “Toninha veja-me quantos candidatos houveram ao concurso por favor”. 
Dois dias depois, Maria Antónia Anes respondeu que estavam na corrida quatro candidatos. Identificou-os, explicou os testes a que seria submetido no concurso e deu-lhe conta da avaliação pessoal dos currículos que fez dos outros candidatos. “É uma gente que não tem hipótese nenhuma”; “é para nos fazer perder tempo”, disse, acrescentando ter vontade de “dar zero a todos”. O problema, explicou a Figueiredo, é que não poderia chumbá-los à partida por causa dos currículos que apresentavam. “A gente não consegue chumbá-los, porque estas criaturas são criaturas que se dão a si mesmo 20. A gente nem que lhes dê zero, que é o que eu faço, eles ficam sempre com o 10.” 
 .
Figueiredo ainda terá comentado não conhecer nenhum dos seus adversários. Maria Antónia explicou-lhe: “Isto é tudo uns profissionais de concursos”, acrescentando que Figueiredo podia estar descansado pois nenhum deles era da área nem tinha experiência como conservador.  
No final da conversa, a secretária-geral da Justiça convidou-o a passar no dia seguinte no seu gabinete. No dia 26, Maria Antónia Anes trazia uma boa notícia: comunicou a Figueiredo que acabara de lhe dar a nota de “19”. E só não lhe teria dado mais porque o próprio se teria auto-avaliado em “sensibilidade social” com a nota de “16”. 
Mais de um mês depois, a 28 de Janeiro, os dois quadros da Administração Pública voltaram a falar sobre o concurso. Maria Antónia informou-o de que se não fossem apurados três candidatos, Figueiredo só precisaria de ser reconduzido. A então secretária-geral estava certa de que era isso que iria acontecer porque os currículos não preencheriam os requisitos. 
Ainda assim, para melhor se preparar para os testes psicotécnicos, a 1 de Fevereiro António Figueiredo pediu um favor a Maria Antónia Anes. A vogal da CRESAP terá acedido e dado a Figueiredo “acesso ao perfil das competências comportamentais que melhor se adequavam ao seu concurso”.  
Figueiredo não só terá usado estas informações para uso próprio – informações estas que Maria Antónia Anes estava proibida de partilhar enquanto membro do júri daquele concurso - como terá acabado por transmiti-las àqueles que eram, à data, candidatos ao cargo de vice-presidente do IRN: Ascenso Maia e João Rodrigues. Ou seja, os três terão tido acesso prévio às regras que, por lei, deveriam ser sigilosas. 
A história – descrita em pormenor no acórdão do Tribunal da Relação de Lisboa que decidiu manter Maria Antónia Anes em prisão domiciliária, e a que o i teve acesso – não acaba aqui.  
Na manhã de 7 Fevereiro, antes da prova oral do concurso, Maria Antónia Anes terá dado a Figueiredo, por antecipação, o resultado dos testes psicotécnicos que havia feito uns dias antes. A oferta terá permitido que o presidente do IRN pudesse “preparar com antecedência a resposta a uma questão atinente à manifestação de um sentimento de frustração no exercício do cargo”. 
Poucos minutos depois da entrevista, a vogal do júri resolveu comentar o desempenho de Figueiredo e enviou-lhe um SMS: “Muito bem… um pouco acelerado, mas sem par.” 
Como a secretária-geral da Justiça antecipara, o concurso viria mesmo a ser anulado por alegada inexistência de três candidatos que reunissem os requisitos. A 12 de Fevereiro, pouco antes da primeira fuga de informação do processo Vistos Gold, o homem que conduzia o Instituto dos Registos e Notariado foi reconduzido no cargo por Paula Teixeira da Cruz.  
Maria Antónia Anes terá chegado a contar a Figueiredo, por telefone, uma conversa “mantida entre si e a ministra da Justiça” sobre a sua recondução. Nos fundamentos que enviou à Relação de Lisboa, o Ministério Público não revela o conteúdo dessa conversa. 
O Ministério Público alega existirem indícios suficientes de que havia “um acordo tácito de troca de favores”, de natureza “material e imaterial”, entre Maria Antónia Anes e António Figueiredo, o cabecilha da alegada rede de corrupção montada em torno da atribuição de vistos gold.  
Favores pedidos a Miguel Macedo No âmbito desse alegado acordo, em Dezembro de 2013, foi a vez de Maria Antónia Anes pedir um favor a Figueiredo, solicitando-lhe que fizesse uso do seu poder de influência junto do então ministro da Administração Interna, Miguel Macedo, para que Humberto Meirinhos, então presidente dos Serviços Sociais da Administração Pública, fosse favorecido num concurso para secretário-geral do MAI.  
 .
Meirinhos era um dos presentes no jantar em casa de Maria Antónia Anes, em Maio de 2014, que também teve como convidado Júlio Pereira, secretário-geral do SIRP. Durante o interrogatório do juiz Carlos Alexandre, a secretária-geral da Justiça terá alegado que se reuniram para comer favas que Meirinhos plantara na sua horta.  
A 13 de Dezembro, Maria Antónia Anes voltou a insistir junto de Figueiredo, perguntando-lhe sobre o currículo de Meirinhos e se já havia falado com Miguel Macedo. Figueiredo disse que já lhe teria enviado uma mensagem, mas não teria obtido resposta. Maria Antónia sugeriu que deveria fazê-lo pessoalmente. Figueiredo consentiu, acrescentando que jantaria com o então ministro na semana seguinte. 
No dia 19, nova insistência da secretária-geral da Justiça sobre o mesmo tema. Às 20h02, Figueiredo deu-lhe conta de que estava a sair da Embaixada da Roménia, onde teria estado com Miguel Macedo. Referiu-lhe que “ele” lhe havia pedido para o ir lembrando disso e o teria avisado de que o perfil do candidato estava “muito aberto”.  
A 10 de Janeiro, Humberto Meirinhos contactou Figueiredo para lhe confirmar que iria concorrer ao MAI. Figueiredo respondeu que se estivesse interessado daria uma palavrinha “ao Miguel” e Humberto agradeceu. Um dia depois, Maria Antónia enviou um SMS a Figueiredo: “O concurso para séc geral do mai já saiu… não se esqueça do nosso amigo bjs” [sic], respondendo-lhe Figueiredo: “Já vi e já falei com o Humberto.” 
A 4 de Fevereiro, Miguel Macedo terá pedido a Figueiredo que lhe indicasse o nome de alguém para chefe de gabinete. Figueiredo fez referência ao “amigo da Maria Antónia”, cujo currículo já lhe tinha enviado para “aquilo” da secretaria-geral. Macedo terá respondido que nesse segundo plano o concurso estava a decorrer. 
As tentativas, porém, não chegariam a bom porto. Carlos Manuel Palma foi o nomeado, em Maio de 2014, para ocupar o cargo.  
Ascenso Maia não cedeu Em Dezembro de 2013, Maria Antónia Anes tinha outro favor a pedir a Figueiredo: que favorecesse uma candidata de nome Cláudia, da secretaria-geral do Ministério da Justiça, num concurso do IRN para chefe de Divisão de Recursos Humanos. Depois de contactar uma funcionária daquele instituto, Figueiredo averiguou que Cláudia estava bem posicionada no concurso mas em posição inferior à de outros dois candidatos. Ao ter conhecimento de que um dos membros do júri era Ascenso Maia e que “as coisas” já estariam “assinadas”, Figueiredo, visando o que na perspectiva do Ministério Público seria “sustar a normal tramitação do procedimento”, ordenou à funcionária que não mandasse a deliberação para publicação em Diário da República.  
No mesmo dia falou de Cláudia a Ascenso Maia. O vice-presidente do IRN argumentou que não tinha sido aprovada. Figueiredo ainda o advertiu para o facto de Maria Antónia lhe estar a dar muito apoio, mas Ascenso Maia não cedeu e argumentou que a decisão tomada estava muito bem fundamentada. Figueiredo reportou a conversa à então secretária-geral da Justiça, dizendo-lhe que “o Maia não está para aí virado”. Maria Antónia observou “que é porque quer escolher outra pessoa, mas tudo bem”. 
 .
Luís Goes – “Tudo controlado” Em Janeiro de 2014, com a alegada concordância de Figueiredo, Maria Antónia Anes terá tomado a decisão de favorecer Luís Goes, então secretário-geral da Câmara dos Solicitadores e ex-chefe de gabinete da secretaria de Estado da Modernização Administrativa, num concurso da CRESAP para vogal do IRN. A 15 de Janeiro, Maria Antónia informou Figueiredo de que “no concurso para os financeiros” do IRN um dos candidatos era Luís Goes.  
Figueiredo respondeu dizendo ter boas relações com aquele: “Não me repugnava que fosse para lá porque é um bom elemento.” Maria Antónia referiu ser evidente que aquele candidato era do Partido Socialista mas concluiu que isso até nem seria mau já que estavam em fim de mandato. A então secretária-geral reforçou que aquele candidato também tinha concorrido ao MAI mas que não estava tão bem colocado. Se soubesse quem ele era na altura, acrescentou, tê-lo-ia colocado melhor.  
A 17 de Janeiro, Figueiredo comunica a Goes que tinha sido escolhido para as duas entrevistas – MAI e IRN – e aconselhou-o a ir “mais para a parte patrimonial e financeira”. De seguida, contou-lhe: “Há aí uma pessoa que é a chave-mestra nisto tudo, sabe quem é?”. “Uma pessoa que está no júri e é quem influencia estas coisas todas”, acrescentou, dizendo estar a falar de Maria Antónia Anes, “a pessoa que melhor relação tem com a ministra”. “É ela que depois vai dizer à ministra quem no entender dela deve e não deve.” Acrescentou ainda ter ficado com a ideia de que já mais alguém tinha dado um “lamiré” sobre si: “O seu amigo também já teve aqui mais uma cunhita.” 
A 7 de Fevereiro, dia das entrevistas, Maria Antónia foi relatando o desempenho de Goes a Figueiredo, desempenho que avaliou de fraco: “Avise o goês que logo à tarde traga propostas objectivas e concretas”; “Avise o goês de que tem de ser mais objectivo e trazer próstata concretas para o lugar que vai concorrer… É urgente.” (Devido ao corrector automático do telefone, Goes saiu “goês” e proposta “próstata”). 
Às 14h44, Maria Antónia terá ligado a Figueiredo para relatar novamente a prestação de Goes durante a parte da manhã. Apelidou-a de “pouco objectiva” e de “conversa de político”, referindo que “o Bilhim [presidente da CRESAP] até escreveu atrás num papel: eu nem pintado de coisa nenhuma o queria.” 

Figueiredo passou os recados a Goes e recomendou-lhe que falasse mais da parte informática e financeira. No fim da entrevista da tarde, Maria Antónia deu novo feedback ao então presidente do IRN: “Pode dizer ao seu amigo que se saiu muito bem.” Figueiredo terá voltado a transmitir a mensagem a Goes, concluindo: “Que tal, hã? Isto está tudo controlado.” Às 17h56, Maria Antónia terá voltado à carga, anunciando a Figueiredo que do conjunto dos candidatos a melhor entrevista teria sido a de Goes. O salto tinha sido dado durante a tarde. De manhã, a prestação teria sido tão fraca, lembrou a secretária-geral da Justiça, que João Bilhim teria dado uma “rabecada” ao candidato. 

* Eis como as pessoas que mandam em nós com brutalidade sofisticada arranjam emprego, uns gameleiros!



.