sábado, 21 de março de 2015

UMA GRAÇA PARA O FIM DO DIA

.












.
.



O QUE NÓS 

"VISITAMOS"




Uma foto de 26 gigapixel, novo recorde mundial de resolução.
Primeiro
deixe carregar a foto da paisagem e depois clique nas fotos pequenas.


.




6-AZUL MARINHO
 



.
.

Ó rio não te queixes, 
Ai o sabão não mata, 
Ai até lava os peixes,
 Ai põe-nos cor de prata.




.
.

Porta dos Fundos

MÉNAGE


.




5-AZUL MARINHO
 





.
.

2-CANCRO DA MAMA



CONSIDERAÇÕES EPIDEMIOLÓGICAS

Uma interessante série conduzida pelo Prof. Dr. Euderson Kang Tourinho, Doutor do Departamento de Radiologia da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

* Uma produção "CANAL MÉDICO"

** As nossas séries por episódios são editadas no mesmo dia da semana à mesma hora, assim torna-se fácil se quiser visionar episódios anteriores.

.




4-AZUL MARINHO
 



.
.

4- COMO INICIAR

UMA REVOLUÇÃO




* As nossas séries por episódios são editadas no mesmo dia da semana à mesma hora, assim torna-se fácil se quiser visionar episódios anteriores.


.



3-AZUL MARINHO
 


.

GUSTAVO PIRES

.



Quanta Verdade são
 os Treinadores de Futebol
Capazes de Suportar?

O futebol é um jogo de confronto direto entre duas equipas. Só existe jogo se o confronto se concretizar na disputa do resultado. Assim, cumpre-se o princípio básico da dialética de confronto que determina a lógica do pensamento estratégico que, enquanto ato criativo de análise e reflexão, num ambiente agónico, quer dizer, conflitual e competitivo, a partir de uma dada missão, avalia e organiza recursos tangíveis e intangíveis, estabelece e hierarquiza metas e objetivos e determina os procedimentos e as ações a desencadear pelos agentes envolvido.

Como, há muito, refere o Prof. Manuel Sérgio, o desporto é rendimento, é medida, é recorde e é espetáculo, o espetáculo de maior magia à escala do Planeta que envolve milhões de adeptos por esse mundo fora. Todavia, uma coisa são as opiniões do apaniguado quando usa a informação que recolhe de cada jogo e do ambiente que o circunda e outra, completamente diferente, o pensamento estratégico do treinador que, sustentado nos conhecimentos teóricos de uma prática refletida, através de modelos de análise, elabora conjeturas suscetíveis de serem corroboradas na realidade prática vivida em cada jornada do campeonato.

O pensamento estratégico, muito provavelmente, é tão velho como a história da humanidade. A sua tradição chega-nos principalmente dos militares de T`ai Kung (± 900 a.C.) e Sun Tzu (± 500 a.C.) a Liddell Hart (1895-1970); André Beaufre (1902-1975) mas, chega-nos também um extraordinário manancial de conhecimentos produzidos por civis tais como, entre outros, Tucídides (460 a.C. - 400 a.C.) e Nicolau Maquiavel (1469 -1527) ou, mais recentemente de John Keegan (1934-2012) ou Henry Mintzberg.

Se olharmos para o mundo do desporto, Leon Teodorescu, com o trabalho “Problemas do Treino nos Jogos Desportivos Colectivos” publicado em 1957 começou a tratar as questões relativas à organização do jogo e Friedrich Mahlo em 1969 com a publicação d’ “O Ato Tático em Jogo” introduziu, do ponto de vista teórico, a dimensão tática na análise do jogo. Em termos mundiais, estas obras inauguram o pensamento dos treinadores para além do ensino e do treino do gesto técnico. No que diz respeito ao futebol, em Portugal, Adriano Peixoto editou em 1947 “O Futebol Português e o Sistema de Herbert Chapman” e, em 1965, “As Grandes Táticas do Futebol”. Cândido Oliveira (1897-1958)em 1947 publicou “Os Segredos do Futebol: Técnica de Ensino, Aprendizagem e Treino, Tática de Jogo” e Augusto Sabbo (1887-1971), em 1948, uma obra de 321 páginas, intitulada “Estratégia e Método Base do Futebol Associativo Científico” que, pelo seu rigor de análise circunstanciado à cultura de um determinado tempo, marcou uma época. Neste livro que devia ser de leitura obrigatória para qualquer treinador Augusto Sabbo faz a rutura com aquilo a que então se designava por “futebol arte” e avança com um novo paradigma o do “futebol científico”.

Na perspetiva de Jean-Paul Charnay diremos que, enquanto fenómeno mental, a estratégia é suscetível de ser utilizada num grande número de domínios e de comportamentos. Por isso, existe todo um conhecimento adquirido e sistematizado ao longo dos séculos da história da humanidade que, só por ingenuidade ou ignorância, pode ser dispensado por todos aqueles que se dedicam à profissão de treinadores das mais diversas modalidades desportivas em especial o futebol que, do ponto de vista social, económico e político, supera todas as outras. Porque, o pensamento estratégico, no abstrato da oposição das partes, na agonística do jogo e na dialética de vontades, abre um vasto campo de reflexão que deve suportar o processo de tomada de decisão nas suas dimensões política e técnica no âmbito do desporto em geral e do futebol em particular.

Quer dizer, o pensamento estratégico antecede em tempo e oportunidade o sistema de jogo enquanto conjunto tático de modelos (p/ex. no futebol: 4.4.2; 4.3.3; 4.2.3.1; etc.) que, em interação dinâmica, estruturam e dão um sentido de finalização à operação da equipa. Para além destas configurações táticas que, muitas vezes, não passam de uma influência da moda, há muitos jogos e campeonatos perdidos por completa desorientação do pensamento estratégico dos treinadores.

Os campeonatos já não se jogam como outrora na ludicidade de uns desafios que serviam para entreter as massas durante os fins-de-semana de modo a retemperar-lhes as forças para mais uma semana de trabalho. Hoje, os resultados desportivos estão intimamente ligados a resultados económicos, sociais e políticos que ultrapassam a vida das equipas e dos clubes. Ora, quando os resultados se tornam determinantes em sectores da vida económica, social e política que transcendem o próprio clube, acabam, também, por alterar a lógica do jogo.

E se a lógica do jogo se altera, porque mais vale jogar mal e ganhar do que jogar bem e perder, para além do entusiasmo dos adeptos, o comportamento não só dos treinadores como dos próprios dirigentes deixa de poder ser igual ao do passado em que os interesses envolvidos não iam muito para além do divertimento dos jogos do campeonato, sem consequências para além do resultado e da posição mais ou menos honrosa da equipa na tabela classificativa.

Assim sendo, a arte do treinador, que se traduz na sua atitude estratégica relativamente à preparação de em cada jogo em particular e no campeonato em geral, está transformada numa questão fundamental na organização da vitória que determina a vida das equipas, dos clubes, das regiões e dos próprios países. Quer dizer, na dialética de confronto de cada jogo em particular e do campeonato em geral, o treinador, passou a ser uma peça fundamental na medida em que as consequências das suas decisões ultrapassam as circunstâncias do próprio jogo.

Hoje, é reconhecido que os conhecimentos provenientes da dialética de pensamento da “arte da guerra” se aplicam aos mais diversos ambientes agónicos onde se confrontam diferentes vontades. E assim é porque, por via de regra, este tipo de ambientes são de grande turbulência em que nada é tido como certo pelo que o acaso espreita a qualquer momento. Para caracterizar ambientes deste tipo, os militares americanos utilizam o acrónimo VICA (na língua inglesa é VUCA) para os descreverem. O acrónimo significa:

• Volatilidade;
• Incerteza;
• Complexidade;
• Ambiguidade.

A vermos bem, os treinadores são obrigados a trabalhar em ambientes:

• Voláteis porque mudam de forma, fácil e frequentemente;
• Incertos porque desencadeiam um estado de dúvida permanente;
• Complexos porque as variáveis em equação são de difícil apreensão;
• Ambíguos porque sugerem caminhos opostos para a resolução do mesmo problema.

Nestas circunstâncias, dominar os fundamentos da estratégia é uma questão de vida ou de morte para qualquer treinador na medida em que pode estabelecer a diferença entre a vitória e a derrota da sua equipa.

Repare-se que existem dezasseis, dezoito ou vinte equipas a disputarem as primeiras ligas europeias, mas só uma pode ser campeã. Os interesses em disputa são enormes, não sendo sequer possível, qualquer estratégia de cooperação que vá muito para além do “fair play financeiro” que se tem revelado pouco útil. Como tal, sem qualquer outro objetivo que não seja ganhar, os clubes das mais diversas ligas lutam entre si a fim de preservarem a própria existência:

• Em primeiro lugar, dentro dos recintos desportivos pelos resultados desportivos;
• Em segundo lugar, fora dos recintos desportivos pelos resultados financeiros.

Assim, a competição assume um padrão de violência extremamente acentuado na medida em que os clubes, ao contrário daquilo que acontecia ao tempo em que os aspetos económicos e financeiros não dominavam os campeonatos, já não competem entre si pelo prazer da prática desportiva mas pela própria sobrevivência desportiva e económica.

Em conformidade, em muitas circunstâncias, a violência competitiva disparou para níveis inaceitáveis na medida em que põe em causa a própria existência do jogo e do campeonato. Em consequência o futebol vive na necessidade de gerir um paradoxo de extraordinária complexidade: por um lado, a violência que anima o jogo não pode disparar para níveis incontroláveis sob pena do futebol deixar de ser uma atividade educativa, económica, política e social, por outro lado, qualquer tentativa de erradicar a violência subjacente ao jogo de futebol acabará por o desligar do poder profundo que sustenta o interesse dos adeptos.

Por isso, do ponto de vista do pensamento estratégico dos treinadores, o futebol moderno:

• Obriga a uma adaptação acelerada às mudanças que ocorrem num ambiente agónico em transformação constante;
• Exige um conhecimento novo que já não é só oriundo da experiência prática mas dos dados mais recentes da investigação histórica, social e científica;
• Requer uma capacidade quase sobre-humana para manter o equilíbrio emocional no confronto de vontades que, semana após semana, acontece ao longo de uma época;
• Mobiliza a comunicação social que quanto mais o ambiente arde mais ela lhe atira com gasolina;
• Desafia a racionalidade quando se projeta na sociedade ao mobilizar centenas de milhares de apaniguados, tal horda incontrolável que, de um momento para o outro, crucifica o treinador.

Como referiu Friedrich Nietzsche (1844-1900) “… é cómodo acreditar naquilo que nos consola. Mais difícil é perseguir a verdade. Quanta verdade são capazes de suportar?” Quanta verdade são os treinadores de futebol capazes de suportar? (a continuar)

Professor catedrático da Faculdade de Motricidade Humana

IN "A BOLA"
12/03/15

.



458.UNIÃO


EUROPEIA







2-AZUL MARINHO
 



.
.

ELECTRÓNICA AJUDA A MELHORAR

A AUTONOMIA DOS DOENTES DE


PARKINSON 



* Uma produção "EURONEWS"

.
.

XV-TABU


PELO MUNDO


4. SÍNDROMES ESTRANHAS


Último Episódio

* As nossas séries por episódios são editadas no mesmo dia da semana à mesma hora, assim torna-se fácil se quiser visionar episódios anteriores.

.



1-AZUL MARINHO
 



.
.
RECORDANDO

Fernando Curado Ribeiro

No azul do céu


.
.
HOJE NO  
"RECORD"

Taça CERS:
Sporting na final-four

O Sporting garantiu este sábado o apuramento para a final-four da Taça CERS, ao vencer no reduto da Oliveirense por 4-1, depois do desaire caseiro por 3-2.

A formação da casa entrou em vantagem na segunda mão dos quartos de final, mas o Sporting acabou por ser mais forte, dando a volta à eliminatória com golos de Ricardo Figueira, que bisou na primeira parte, Poka e Tiago Losna.
.
Os leões impuseram o seu ritmo desde o primeiro minuto, conseguindo anular por completo as investidas da equipa da casa, que não conseguiu arranjar argumentos para contrariar a tendência que o jogo estava a seguir.

Com apenas dois minutos, João Pinto deixou um aviso, com um remate forte ao poste da baliza defendida por Xebi Puigbi.

O golo acabou por acontecer ao quarto de hora, por intermédio de Ricardo Figueira, que, à meia volta dentro da área, atirou forte para dentro da baliza.

Com a eliminatória empatada, o Sporting intensificou o ataque e, dois minutos depois, essa atitude deu resultado, quando Ricardo Figueira transformou uma grande penalidade.

Para o segundo tempo, a equipa de Oliveira de Azeméis reorganizou o setor defensivo, complicando a vida ao motivado conjunto sportinguista.

E, com mais coesão na defesa, a Oliveirense assumiu uma nova postura em rinque, conseguindo subir no terreno, perante um Sporting mais recolhido e menos atacante.

Aos cinco minutos do segundo tempo, Gonçalo Alves marcou para os da casa, empatando novamente a eliminatória.

Mas, nos minutos decisivos, o Sporting acabou por ser a equipa mais eficaz, aproveitando da melhor forma os contra-ataques.

Poka e Tiago Losna marcaram e selaram o apuramento dos leões para a final-four da Taça CERS, a 25 e 26 de abril.

Os leões não chegavam tão longe na Taça CERS desde 1984, ano em que venceram a competição.

* Oxalá vençam a competição.


.
.
DEDOS QUE VÊEM

.
.

HOJE NO 
"CORREIO DA MANHÃ"

Gelo no Ártico atinge mínimos 
Manto gelado ‘encolheu’

1,1 milhões de quilómetros quadrados.

Nunca a superfície gelada no oceano Ártico foi tão pequena no inverno como no dia 25 de fevereiro. Segundo o Centro Nacional de Dados sobre Neve e Gelo, dos Estados Unidos da América, a área de gelo cifrou-se em 14,54 milhões de quilómetros quadrados, a máxima extensão verificada este ano, mas a menor registada no inverno em comparação com a média entre 1981 e 2010: menos 1,1 milhões de quilómetros quadrados. 
.
EM 2012 VEJA A PERDA DESDE A LINHA AMARELA
Os cientistas acreditam que a redução da superfície gelada pode dever-se, entre outros motivos, ao facto de o mês de fevereiro ter sido inesperadamente quente em algumas zonas da Rússia e do Alasca. No entanto, "é possível que ocorra um aumento do crescimento da área gelada no fim da temporada", alertam os peritos do Centro Nacional de Dados sobre Neve e Gelo. 

* Dizem que a terra vai ter menos 40% de água daqui a 20 anos, terrível.


.
...

 TESTE DE MEMÓRIA

O teste é composto por 3 partes:

1.ª parte: vão ser mostradas 12 fotos,
2.ª parte: vão ser mostradas mais 12 fotos,
3.º Parte: Vão ser mostradas 48 fotos e a pergunta em cada foto é se a viu na 1.ª,  2.ª parte ou se nunca a viu.
Quando terminar, verá os resultados. Vale a pena
.
HOJE NO  
"i"

Conselho de Ética
 tem um novo presidente

O neurocirurgião João Lobo Antunes é o novo presidente do Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida (CNECV), de acordo com a informação que consta no site deste organismo. 

Até 2020, o CNECV será composto por André Dias Pereira, António Sousa Pereira, Daniel Torres Gonçalves, Lucília Nunes, Luís Duarte Madeira e José Tolentino de Mendonça, designados pela Assembleia da República.
.
O PRESIDENTE CESSANTE
Pelo Governo foram designados cinco elementos: Filipe Almeida, Pedro Pita Barros, João Lobo Antunes, Rita Lobo Xavier e Maria Regina Tavares da Silva.

Para este novo Conselho, foram ainda designadas mais nove entidades “de reconhecido mérito que assegurem especial qualificação no domínio das questões da bioética”.

Estas nove entidades são José Manuel Silva, da Ordem dos Médicos, Sérgio Deodato Fernandes, da Ordem dos Enfermeiros, Francisca Avillez, da Ordem dos Biólogos, Carlos Maurício Barbosa, da Ordem dos Farmacêuticos, Sandra Horta e Silva, da Ordem dos Advogados, Ana Sofia Carvalho, do Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas, José Esperança Pina, da Academia das Ciências de Lisboa, Jorge Manuel Costa Santos, do Instituto Nacional de Medicina Legal, e Jorge Soares, da Fundação para a Ciência e Tecnologia.

Uma nota de imprensa do CNECV refere que os membros do V Mandato do Conselho tomaram posse quinta-feira, numa sessão pública e solene em que participou a presidente da Assembleia da República.

Ainda quinta-feira realizou-se a 209ª reunião plenária do CNECV, a primeira deste mandato, durante a qual João Lobo Antunes foi eleito presidente.

João Lobo Antunes substitui na presidência do CNECV o médico Miguel Oliveira da Silva.

* O  Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida de que se fala muito pouco, é uma reserva de idoneidade de que Portugal tanto precisa.


.
.

QUEDAS 'JORNALISTICAS'

EM DIRECTO

.
. 
HOJE NO
 "A BOLA"

Lufinha ainda está de pé

Francisco Lufinha continua a realizar o treino, onde irá ficar durante 36 horas de pé com o objetivo de preparar a sua viagem entre Lisboa e a Madeira em Kitesurf.
.
O treino de Lufinha, recordista mundial da maior viagem em Kitesurf sem paragens, está a decorrer na piscina oceânica de Oeiras.

A ligação entre Lisboa e a Madeira implica entre 36 a 43 horas para cumprir os cerca de 1000 quilómetros necessários.

* E funciona bem da moleirinha!!!



.
.


 MENAGES




















.
.
HOJE NO 
"OBSERVADOR"

As 10 apps que não esperava encontrar nos smartphones dos nossos políticos

O Observador espreitou os smartphones dos deputados e descobriu apps surpreendentes que metem insónias, choro de bebés, música do Hawai e Homer Simpson.

Os corredores da Assembleia da República encheram-se de smartphones e tablets, ferramentas de trabalho indispensáveis para a maioria dos deputados. Mas alguns destes dispositivos escondem segredos curiosos. O Observador espreitou os smartphones e descobriu que há deputados que têm aplicações para cuidar da linha, outros que usam os telemóveis para perceberem por que razão choram os bebés e, ainda, quem precise de uma ajuda seja para dormir, tocar ukulele ou cozinhar no final de mais um dia em São Bento.
O melhor, mesmo, é ver a lista das dez (e mais algumas) aplicações invulgares dos deputados.

O Dots and Boxes é um jogo aparentemente simples: contra um adversário real ou contra o “computador”, o objetivo é juntar pontos até fazer caixas. Quem conseguir desenhar a última linha de uma caixa, ganha-a e quem fizer mais caixas, ganha o jogo. Simples, não é? Pois bem, é a melhor solução para as insónias de uma das mais ocupadas deputadas do Parlamento. Quem? Nem mais, nem menos do que a bloquista Mariana Mortágua.

Os trabalhos parlamentares podem ser um desafio hercúleo e Mariana Mortágua, que, entre as habituais comissões e plenários, ainda tem de gerir o gigantesco “dossier BES”, já admitiu, noutra ocasião, que o ritmo era “muito, muito, duro”, só possível de acompanhar “à custa de horas de sono” perdidas. Ao Observador, confessou que, para além de noites de trabalho, tem também algumas noites de insónia, e o segredo para combater as horas em branco chama-se Dots and Boxes. “Não há nada melhor”, conta, com um sorriso.

Reconstruir os passos da crise que levou à resolução do Banco Espírito Santo pode ser difícil, mas, no plano virtual, limpar a confusão deixada por Homer Simpson pode revelar-se igualmente desafiante no jogo The Simpsons™: Tapped Out, cujo objetivo “consiste em reconstruir a cidade de Springfield, depois de Homer ter feito explodir a central nuclear em que trabalha”. Pelo menos, para o deputado Michael Seufert: o centrista confessou-se “ligeiramente viciado” no jogo e não resiste em reorganizar “diariamente” a cidade louca de Springfield. “Excellent”, diriam os criadores da aplicação, ao verdadeiro jeito do maléfico Mr. Burns.

Os criadores de FatSecret descrevem-na como a aplicação “mais intuitiva para manter o controlo da alimentação, do exercício e do peso, com acesso ao maior banco de dados do mundo sobre alimentos de qualidade e nutrição”. No Parlamento, o FatSecret tem pelo menos um fã: o deputado Sérgio Azevedo. O social-democrata explicou que, como tem “de fazer dieta”, não há nada melhor que um amigo virtual que lhe diga “olha que já comeste demais”. Como nestas coisas a distração não pode entrar no menu, a aplicação é consultada diariamente, garantiu o deputado.

Mas ter atenção às calorias não chega – é preciso pôr o corpo a mexer. Para ajudar na dieta, há o Tabata Timer: ao som do apito do personal trainer digital, o antigo vice-presidente da JSD vai alternando entre séries de flexões, abdominais e dorsais. Um verdadeiro ginásio no bolso, portanto.

O choro interminável de um bebé pode levar à exaustão até o mais resistente e dedicado dos pais. No entanto, será possível que o sonho da maioria se encontre numa única (e aparentemente simples) aplicação? O Cry Translator garante que sim, que em dez segundos é possível decifrar por que razão choram os bebés. Seja fome, sono, irritação, stress ou simplesmente tédio, o Cry Translator decifra o motivo do choro do recém-nascido, bastando para isso que o telemóvel capte o som sem interferências. E, nesta matéria, há quem não resista a pedir a ajuda extra da tecnologia: é o caso do deputado João Gonçalves Pereira, pai de uma criança com dois anos e outra de cinco meses. O centrista garante que a aplicação resulta na “grande maioria das vezes” e os críticos parecem concordar: o Cry Translator já foi distinguido com vários prémios, inclusive a medalha de ouro no Salão de Invenções de Genebra, em 2010.

Ainda assim, nem o (aparentemente milagroso) Cry Translator encontra respostas para todas as angústias dos pais deputados: é preciso entreter os miúdos e nada melhor do que jogos para os distrair – até porque, na maioria das vezes, o telemóvel é, ou melhor, tem de ser partilhado com a pequenada. Há de tudo: desde os já clássicos Fruit Ninja e FarmVille, ao Animais da Quinta, usado pelo deputado socialista Marcos Perestrello para ensinar à filha de dois anos os sons que fazem os animais que não se veem na cidade.

Mas há mais, muito mais. Por exemplo, o Crossyroad, “uma espécie de reedição do jogo Frogger, mas com uma galinha como protagonista”, como explicou o deputado do PSD, Nuno Encarnação, pai de duas crianças com dez e sete anos, respetivamente.

O social-democrata é, de resto, uma das “vítimas colaterais” de uma febre que atingiu milhões de crianças e adolescentes em todo o mundo: a telenovela musical Violleta. Na trama, a protagonista é fã do jogo Tsum Tsum, criado (surpresa) também pela Disney. O jogo consiste em encontrar e fazer linhas com as personagens mais conhecidas do universo de Mickey e companhia – uma espécie de adaptação do velhinho Puzzle Bubble. Claro que, do lado de cá do ecrã, os super-fãs de Violleta seguem-lhe todas as pisadas, que o diga o paciente Nuno Encarnação.

O Night Sky promete levar a experiência de observar as estrelas a um outro nível e mudar a forma como os utilizadores olham o céu. Na vida e na política houve sempre quem procurasse ler a sorte e prever o futuro nos astros. Não será, no entanto, o caso do deputado do Bloco de Esquerda, Pedro Filipe Soares. Apesar de se dizer um grande fã da aplicação, garante que não é nas estrelas que um dos mais jovens deputados do Parlamento procura respostas para os desafios da vida política. 

Existe, no entanto, quem prefira os sons do Hawai aos céus de Lisboa e se arrisque a aprender a tocar Ukulele (ou Ukelele), através da aplicação UkuleleTabs que, segundo a Vmlweb LTD, reúne a maior coleção de tablaturas de música adaptadas para serem tocadas com o primo afastado do cavaquinho português. Quem o revelou foi Michael Seufert: o deputado do CDS diz estar a tentar “aprender” algumas músicas, mas o tempo, esse, é que “infelizmente” não é muito, lamentou.

Já no Bloco de Esquerda, o ritmo é diferente: Pedro Filipe Soares prefere dedicar-se à guitarra, a “única forma de descontrair” depois de um dia a travar batalhas no Parlamento. E como não há bons músicos sem instrumentos à altura, aplicações como o Epic Chromatic Tuner e o Metronome ajudam-no a afinar a guitarra e a encontrar o ritmo certo.

Praia, sol, mar e surf podem não combinar com a imagem que temos da maioria dos deputados, mas há quem não dispense a Beach Cam Live: uma aplicação que permite consultar as principais notícias do mundo do surf, o estado do mar e espreitar as principais praias onde se pratica a modalidade. O deputado do CDS, João Gonçalves Pereira é um dos que gosta de consultar as marés – não as políticas, porque, essas, são mais difíceis de prever.

Existe, no entanto, quem prefira terra bem firme à incerteza da ondulação e opte antes por uma, ainda assim não menos exigente, corrida ao ar livre. A aplicação Nike+ Running, criada por uma das marcas desportivas mais prestigiadas do mundo, monitoriza as corridas, ajuda a definir metas e, para os mais competitivos, permite partilhar resultados e desafiar os amigos a fazerem melhor. A deputada Francisca Almeida do PSD, por exemplo, já não dispensa a aplicação.

Terroir? Tanino? Monocasta? Distinguir um bom vinho de um que apenas serve para temperar comida pode ser um desafio para a maioria das pessoas, principalmente se o objetivo for fazer boa figura perante os amigos ou uma companhia especial. Mas, agora, existe uma aplicação que promete facilitar a vida dos especialistas de trazer por casa: o Vivino ajuda a escolher os melhores vinhos, a descobrir e a comparar preços e a decidir que vinho casa melhor com determinado prato. O processo é simples: basta tirar uma fotografia ao rótulo da garrafa e saber o que dizem os (verdadeiros) especialistas. António Rodrigues e Nuno Encarnação, ambos deputados do PSD, já não dispensam a ajuda do Vivino e também aproveitam a aplicação para partilharem com os amigos os seus vinhos preferidos.

Mas se há conselho que merece ser seguido com atenção é que não dá bom resultado beber álcool de barriga vazia. Há os que gostam de seguir as receitas dos melhores chefes ou, então, os que criam e partilham as próprias receitas através de uma única aplicação: a Evernote Food. O deputado do CDS, Michael Seufert, um confesso “aprendiz de cozinheiro”, garantiu ao Observador que a app “funciona lindamente”.

A AppGree pode vir a tornar-se uma das principais ferramentas digitais dos novos movimentos e partidos políticos que fazem da aproximação entre eleitores e elegíveis as suas grandes bandeiras. A aplicação, que pode funcionar, por exemplo, como um gigantesco referendo online, foi, de resto, adotada pelo espanhóis do Podemos e tem feito muito sucesso entre os simpatizantes do partido. Em São Bento, há quem use a aplicação para espreitar o que vai sendo feito em Madrid, como contou Pedro Filipe Soares ao Observador. Será que o Bloco de Esquerda vai ser o próximo a adotar a aplicação?

O Forza Football é uma das muitas aplicações disponíveis no mercado que permitem ao utilizador consultar resultados de jogos de futebol em tempo real e ser notificado quando determinada equipa marca um golo. No Parlamento, não faltam apaixonados pelo desporto-rei e os smartphones espelham isso mesmo. Nuno Encarnação, por exemplo. O deputado “laranja” confessa-se “adepto do Futebol Clube do Porto e da Académica”, paixões que, diz, “ao contrário do que muita gente pensa, não são irreconciliáveis”. Por isso, a aplicação é a melhor forma de seguir os resultados dos dois clubes quando os trabalhos parlamentares ou outros compromissos se intrometem no caminho.
Prova de que “colegas, colegas, cores clubísticas à parte” é uma verdade mesmo entre parceiros de coligação, está no facto de João Gonçalves Pereira não abdicar nem por um segundo da aplicação oficial do Sporting – o deputado do CDS é, inclusive, membro do Conselho Leonino dos verdes. O que talvez ajude a explicar a devoção ao clube.

Ao contrário da maioria das aplicações que permitem gravar áudio, o Voice Record oferece a possibilidade de partilhar o ficheiro de som através de várias plataformas e até diretamente nas redes sociais. O socialista José Magalhães, descrito pelos colegas do partido como um “verdadeiro geek” dos smartphones, é um adepto da aplicação e contou ao Observador que na última vez que usou o Voice Record para gravar a intervenção de Inês Medeiros na apresentação do livro do deputado, houve quem lhe perguntasse do outro lado do Atlântico se Inês Medeiros era sua namorada.

“Claro que há pessoas que me perguntam: ‘Mas quem é que ouve isso?’ Mas depois acontece também como aconteceu com os meus amigos brasileiros que me vieram logo perguntar: ‘Pôxa, quem é essa menina tão interessante? Sua namorada?'”, relatou, com direito a sotaque brasileiro e tudo. “Já uma pessoa não pode participar em sessões literárias sem ser por uma questão de afeto”, lamentou.

Mas o smartphone de José Magalhães esconde uma verdadeira coleção de aplicações, a maioria relacionada com comunicação e trabalho – jogos não, revelou, porque “qualquer jogo, como por exemplo o World of Warcraft, seria um buraco negro de distração”. Há o inevitável Viber, o PearlTrees, que permite organizar e partilhar tudo que esteja relacionado com os principais interesses dos utilizadores, e, ainda, a OneDrive, a aplicação que lhe permitiu guardar numa única pasta online os documentos relativos à comissão de inquérito ao caso dos submarinos “com um nome idiota” para fugir ao radar de alguém, eventualmente, mais curioso.

Por falar em submarinos, José Magalhães contou, por fim, que uma das aplicações que mais usa é o Facetime, que lhe permite comunicar em qualquer lugar com “a sua musa inspiradora” e “mosca que anda de patas no ar,” a eurodeputada Ana Gomes, numa referência clara às palavras de Paulo Portas, quando foi ouvido na comissão de inquérito ao “caso BES”.

Texto: Miguel Santos
Arte: Milton Cappelletti

* Venialmente parlamentar.


.
.
 FUROS, NUNCA MAIS!


.
.

HOJE NO
"DIÁRIO DE NOTÍCIAS"

Deputado aconselha mulheres 
que querem usar véu a "ficar no 
inferno de onde vieram"

A oposição já criticou as afirmações do deputado conservador canadiano. 

O deputado conservador canadiano Larry Miller está a ser alvo de várias críticas após ter aconselhado as mulheres que pretendam utilizar o niqab durante a cerimónia de cidadania que fiquem "no inferno de onde vieram".
 
TERNURENTA

"Se não está disposta a mostrar o rosto numa cerimónia em que se vai unir ao melhor país do mundo, francamente, se não gosta de o fazer, ou não o pretende fazer, deve ficar no inferno de onde veio", afirmou Larry Miller.

O deputado federal eleito pelo distrito eleitoral de Bruce-Grey-Owen Sound, no Ontário, participou num programa radiofónico e demonstrou desagrado pela decisão do tribunal constitucional ao não permitir que o Governo de Stephen Harper proíba o véu que cobre a face das mulheres durante as cerimónias de cidadania.

"Este é mais um sistema legal que um sistema de justiça. Sei que é errado que utilizem o véu nas cerimónias", respondeu Larry Miller a um ouvinte que abordou a questão do véu utilizado pelas mulheres muçulmanas.

Larry Miller admitiu que as suas afirmações podem ser "duras", mas que está "cansado" de pessoas que pretendem ir para o Canadá "porque sabem que é um bom país e querem mudar as coisas mesmo antes de se tornarem oficialmente cidadãos canadianos".

Entretanto, a oposição já criticou as afirmações do conservador. A deputada do NDP (esquerda) Lysane Blanchette-Lamothe considerou ridículas estas declarações de Miller.

"Semanas após o primeiro-ministro (Stephen Harper) e o seu gabinete a estimularem a islamofobia, [os conservadores] provaram realmente que estas ações esporádicas de racismo funcionam", afirmou.
Também o deputado liberal (centro-esquerda) Emmanuel Dubourg mostrou-se "chocado" com aquelas afirmações, considerando-as "incrivelmente ofensivas".

"Como imigrante, fiquei chocado e aterrorizado ao ouvir tais comentários vergonhosos de outro deputado do partido conservador de Stephen Harper. O Canadá precisa de uma liderança que reconheça que somos fortes, não por causa das nossas diferenças, mas por causa delas. Devemos unir os canadianos e não dividi-los", referiu, numa conferência de imprensa em Otava.

Entretanto, Larry Miller emitiu esta semana um pedido de desculpas através de um comunicado, reconhecendo que proferiu "declarações inapropriadas", mantendo, no entanto, a sua opinião de que ninguém, durante a cerimónia de cidadania, deva estar com a "cara coberta".

O gabinete do primeiro-ministro também veio distanciar-se dos comentários do deputado de Bruce Grey-Owen Sound, naquela que foi a última polémica relacionada com o véu islâmico denominado por niqab.

Na semana passada, Stephen Harper voltou a criticar o véu usado por mulheres muçulmanas para cobrirem o rosto, considerando-o um produto de uma cultura que é "anti-mulheres".

Uma pesquisa da "Forum Research" divulgada na terça-feira revelou que 67 por cento dos canadianos opõe-se à utilização de véus por mulheres nas cerimónias de atribuição de cidadania. A província francófona do Quebeque obteve o maior número de votos contra a utilização do niqab, com 87 por cento, enquanto no Ontário 63 por cento opõem-se ao uso do véu.

* Todos os pensionistas deste blogue são acérrimamente anti-xenófobos, mas...
- Digam-nos quantos  países árabes é que autorizam a existência de templos cristãos!
- Digam-nos em que países árabes os cristãos não são perseguidos até à morte!
- Digam-nos que os muçulmanos emigrantes nos países da europa e do continente americano não pretendem ismailizar os países de acolhimento!
- Digam-nos onde os muçulmanos têm uma vida melhor e em paz, nos países de origem ou no ocidente?
Então respeitem as leis dos países que os acolhem, uma cara tapada pode esconder uma terrorista.



.