quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

.
 LIXO NA PRAIA



.
.


 22-ACIDEZ 
FEMININA

 MÃO NA MASSA



TROCANDO PNEU

video


MONTANDO PRATELEIRA

video


INSTALANDO CHUVEIRO

video



A IMPRESCINDÍVEL TATY FERREIRA 


* Uma produção "ACIDEZ FEMININA" - BRASIL
.
.
TALENTO

















.
.
SHE'S BAD




.
.

 HOJE NO 
  "JORNAL DE NOTÍCIAS" 
Carlos Cruz e Jorge Ritto 
irradiados da Ordem do Infante

O antigo apresentador de televisão Carlos Cruz e o embaixador Jorge Ritto perderam oficialmente as condecorações que lhes tinham sido impostas, por terem sido condenados por crimes puníveis com pena de prisão superior a três anos.

De acordo com os despachos da Chancelaria das Ordens Honoríficas Portuguesas, publicados, esta quinta-feira, em "Diário da República", Carlos Cruz e Jorge Ritto foram irradiados da Ordem do Infante D. Henrique.
.
Conforme é referido nos despachos, o artigo 45.º da Lei n.º 5/2011 determina que compete "aos Conselhos das Ordens efetivar a irradiação automática dos membros que por sentença judicial transitada em julgado tenham sido condenados pela prática de crime doloso punido com pena de prisão superior a três anos".

Carlos Cruz e Jorge Ritto estão a cumprir pena no Estabelecimento Prisional da Carregueira, em Sintra, por abuso sexual de menores no âmbito do processo Casa Pia. O antigo apresentador de televisão foi condenado a seis anos de prisão, enquanto o embaixador Jorge Ritto foi condenado a seis anos e oito meses de prisão.

Carlos Cruz foi condecorado em 2000, por Jorge Sampaio, com o grau de Grande Oficial da Ordem do Infante D. Henrique, pelo trabalho desenvolvido na Comissão do Euro 2004. Em 1991, Ritto recebeu, de Mário Soares, o Grande Colar da mesma ordem pelos serviços prestados ao país como embaixador em vários países.

O advogado do antigo apresentador, Ricardo Sá Fernandes, já anunciou que vai recorrer para os tribunais administrativos da decisão que retira a condecoração a Carlos Cruz, alegando que assenta numa norma inconstitucional, que viola os direitos civis do ex-apresentador de televisão.

* Nós compreendemos a atitude do advogado Sá Fernandes, ninguém da sua família foi sodomizado por Carlos Cruz ou Jorge Rito.

.
.
XXV- O UNIVERSO
 
2- A CAÇADA DE

 PLANETAS COM ANÉIS


video


* As nossas séries por episódios são editadas no mesmo dia da semana à mesma hora, assim torna-se fácil se quiser visionar episódios anteriores. 


.
.
HOJE NO 
  "JORNAL DE NEGÓCIOS"  


Ana Gomes pede para reabrir
 o processo dos submarinos

A eurodeputada socialista Ana Gomes entregou um pedido de abertura da instrução do processo dos submarinos, por considerar que os crimes de corrupção não prescreveram e que houve informação importante a vir à tona na comissão de inquérito ao BES.
 .
O gabinete de Ana Gomes anunciou esta tarde que a eurodeputada, que se constituiu assistente no processo dos submarinos, pediu, no Departamento Central de Investigação e Acção Penal, a abertura da instrução do caso, depois de este ter sido arquivado em Dezembro do ano passado. No fundo, a eurodeputada pretende que os fundamentos do arquivamento sejam reapreciados por um juiz de instrução criminal – que pode decidir que o caso vá a julgamento.
 .
O pedido de abertura da instrução já havia sido noticiado pelo Público e pelo Correio da Manhã e foi, assim, confirmado pela própria Ana Gomes. De acordo com o comunicado enviado às redacções, Ana Gomes contesta que "que os crimes de corrupção, prevaricação de titular de cargo público e de fraude fiscal tenham prescrito e, mesmo que assim não se entenda, os eventuais crimes de branqueamento de capitais associados a esses crimes não prescreveram".

Por outro lado, lê-se no documento, Ana Gomes rejeita que não existissem indícios suficientes da prática destes crimes por parte dos quatro arguidos - Hélder Bataglia, Luís Horta e Costa, Miguel Horta e Costa e Pedro Ferreira Neto. A socialista defende ainda ser possível a "obtenção de prova" através de "diligências suplementares".

Além disso, a comissão parlamentar de inquérito ao BES tem providenciado "informação" que é "relevante no âmbito do processo dos submarinos e que tem de ser investigada", para o "cabal esclarecimento da verdade e das circunstâncias em que decorreram as negociações referentes ao contrato de aquisição de dois submarinos para a Armada portuguesa".

Comissões de 27 milhões para a Escom
O negócio em causa, que consistiu na compra de dois submarinos (Arpão e Tridente) ao consórcio alemão GSC por cerca de mil milhões de euros em 2004, foi assessorado pela Escom, uma empresa do grupo Espírito Santo, liderada por Hélder Bataglia. Foi precisamente Bataglia que foi ouvido na comissão de inquérito ao BES na passada terça-feira, e que detalhou os valores relativos a comissões.

A empresa recebeu 27 milhões de euros em comissões pelo negócio, sendo que 5 milhões foram distribuídos pelo Conselho Superior do GES e 16 milhões pelos três administradores da Escom – o próprio Bataglia, Luís Horta e Costa e Ferreira Neto, e ainda por um consultor, Miguel Horta e Costa, que propôs o negócio. Estes últimos quatro são, precisamente, os únicos arguidos do processo. O montante remanescente seria relativo ao pagamento de assessorias financeiras e jurídicas.

Essas verbas não foram declaradas e foi montado um fundo e um esquema de movimentação do dinheiro para que fosse difícil chegar ao destinatário final das comissões. "O objectivo era optimizar fiscalmente", disse Hélder Bataglia na comissão. Mariana Mortágua, deputada do Bloco de Esquerda, trocou por miúdos: "Pagar menos impostos". Bataglia assumiu: "Pagar menos impostos".

Paulo Portas, que era então o ministro da Defesa, tem sido envolvido com insistência no caso. No despacho de arquivamento do processo, por exemplo, os procuradores sublinham que Portas exigiu que o BES integrasse o consórcio bancário que financiou a compra dos dois submarinos. Uma adjudicação que decorreu de forma "obscura", segundo os procuradores. Por outro lado, não foi possível localizar vários documentos relacionados com este processo de financiamento.

Se o juiz de instrução criminal fizer um despacho instrutório de pronúncia, os quatro arguidos do processo terão de ir a julgamento.

* Esta senhora não desarma, é uma valente.


.
.



4-MANIPULAÇÃO E
CONTROLE MENTAL 

video



A grande luta do cidadão no sec XXI é evitar que religiões, filosofias,teorias económicas e políticas, lhe dominem a mente.


* Um excelente trabalho editado pela "SIC"


** As nossas séries por episódios são editadas no mesmo dia da semana à mesma hora, assim torna-se fácil se quiser visionar episódios anteriores. 


.
.
HOJE NO
"DESTAK"

Mais de 500 toneladas de pera 
rocha chegam por mês aos supermercados LIDL na Alemanha 

A cadeia alemã de supermercados LIDL e o setor da produção da pera rocha anunciaram hoje, no Cadaval, um acordo destinado à exportação de mais de 500 toneladas por mês de fruta para as lojas na Alemanha. 
 .

Pedro Monteiro, diretor de compras do LIDL em Portugal, disse que o acordo, em vigor desde setembro, já permitiu exportar 1500 toneladas de fruta, o que representa mais de 12 milhões de euros. 

O responsável falava durante a apresentação do acordo e da participação portuguesa na maior feira do mundo de frutas e legumes, a Fruit Logistica, que começa na quarta-feira em Berlim, na Alemanha. 

* Uma boa notícia para os produtores do Oeste. E saborosa que ela é.


.

JULIANA PEREIRA MARTINS

.




Apagão

Saí para jantar num restaurante “cool” da Vila Madalena, uma espécie de Bairro Alto de São Paulo. O restaurante é pequeno e a sala, com poucas mesas, é iluminada a meia-luz, o que ajuda a criar um ambiente intimista. Costumo lá ir e conheço a maioria dos empregados. Mas desta vez, notei que havia alguma coisa de diferente. Ah! São os pratos – ou a falta deles – notei. A comida passou a ser servida em pratos de alumínio, como aqueles que nos chegam a casa quando encomendamos comida. Comentei com a minha companhia que era estranho aquilo. Porque iria um restaurante com pinta trocar louça por material de pic-nic? É por causa da falta de água, concluímos! Chamamos a “garçonete” que nos confirmou a suspeita: “Está difícil. Falta água quase todos os dias. Foi a solução que encontramos.”

Ora, esta não foi a primeira experiência de privação do género que experienciei, esta semana. Na segunda-feira, fui almoçar a um restaurante numa das zonas mais nobres da cidade (o Itaim Bibi). Não tinha luz. As entradas de luz natural foram fundamentais para que o gerente não fosse obrigado a encerrar a atividade mais cedo. Já de regresso ao trabalho, a vida prossegue. Mas por volta das 15h, acaba a luz, desta vez em todo o prédio. Naquele momento reside em mim a esperança de que a energia voltará rapidamente. Em poucos minutos recebo um sms, do outro lado da avenida: “acabou a luz aqui!”. “Pronto, agora é que não volta mais”, pensei. Mas, ao contrário do que tem sido comum, a luz voltou depois de apenas uma hora.

No regresso a casa, a falta de luz era assunto em noticiários e nas esquinas das ruas. Ficou a saber-se, então, que foi um apagão concertado, uma espécie de “deixa só o que for hospital e indústria e apaga o resto”. E afinal, a falta de luz não foi apenas naquela região. Atingiu, além de todo o Estado de São Paulo, outros dez Estados e ainda o Distrito Federal, Brasília.

Os dados são alarmantes. 20 minutos antes do apagão, provavelmente pelas temperaturas acima da média, o consumo de energia elétrica – elevado sobretudo pelo uso intenso de ares condicionados – atingiu o maior pico já registado no Brasil. Para o Operador Nacional do Sistema Elétrico, não houve alternativa se não interromper a transmissão, para evitar um colapso.

Além disso (e aqui explica-se porque a falta de água tem tudo a ver com a falta de luz), o Brasil tem 81% da sua energia gerada a partir de fontes hídricas. Em 2001, o fatídico ano do apagão, onde um esquema de racionamento de energia foi posto em prática, os reservatórios de água da região sudeste/centro oeste estavam com 31,41% da sua capacidade. Nesta semana, os mesmos reservatórios registam pouco mais do que 17%. Ao ministro de Minas e Energia, não restou alternativa, senão a ironia: “Deus é brasileiro. Temos que contar que ele vai trazer um pouco de humidade e chuva para que possamos ter mais tranquilidade ainda”.

E se a água e a luz estão a esgotar-se, com elas lá vai o orgulho brasileiro. Esta quarta-feira, o Brasil teve que pedir ajuda aos vizinhos e esquecer qualquer rivalidade futebolística. Acionou um acordo de emergência de 2006 e passou a importar energia elétrica da Argentina.

Não consigo deixar de pensar no absurdo que é um país como o Brasil, com tamanha riqueza natural, pedir auxílio à Argentina, que já se habituou a viver em constante crise. É gritante que algo vai mal no país irmão, mas talvez daqui a pouco tempo ninguém consiga ver o cerne da questão. Basta apenas surgir um novo apagão.

Jornalista
Correspondente no Brasil

IN "OJE"
23/01/15


.
; .


408.UNIÃO


EUROPEIA





 .
.
 HOJE NO
"i"

Bastonária dos Advogados 
pede “exoneração imediata” 
da ministra da Justiça

“Vamos pedir expressamente ao primeiro-ministro que proponha ao presidente da República a imediata exoneração da ministra da Justiça"

A bastonária da Ordem dos Advogados (OA) pediu hoje a “exoneração imediata” da ministra da Justiça devido às alterações que a tutela quer impor à classe através de um estatuto que, segundo Elina Fraga, contém “gravíssimas falhas”.
 .
“Vamos pedir expressamente ao primeiro-ministro que proponha ao presidente da República a imediata exoneração da ministra da Justiça”, disse Elina Fraga, numa conferência de imprensa marcada para explicar a contestação à proposta de lei da tutela para alterar o estatuto da OA.
A bastonária adiantou que, “neste momento, não há condições para continuar a silenciar os erros gravíssimos que estão a ser cometidos e que, naturalmente, têm repercussão na justiça em Portugal e agora na independência da OA e dos advogados”.

Para Elina Fraga, “pela primeira vez” a Ordem dos Advogados aparece “de forma totalmente unida para rejeitar esta proposta de estatuto”, além de também não aceitar a conduta da ministra da Justiça ao pretender que AO se pronuncie sobre um documento sem ouvir todos os advogados.

* A notícia não revela com clareza qual é a indignação de Elina Fraga.



.
.

HISTÓRIAS DE VÍTIMAS 
DE VIOLÊNCIA SEXUAL

video



.
.

 II-TERCEIRO REICH


7 - A QUEDA


video

ÚLTIMO EPISÓDIO


A História não se repete, acontece. Para sabermos mais de nós, enquanto passageiros da terra, não podemos ignorar os momentos mais felizes(?) ou os mais tenebrosos da história do homem.

* Contém imagens pesadas


** As nossas séries por episódios são editadas no mesmo dia da semana à mesma hora, assim torna-se fácil se quiser visionar episódios anteriores.
 


.
.

 HOJE NO 
  "A BOLA" 

Blatter entregou candidatura
 a novo mandato
 
O suíço Joseph Blatter, na presidência da FIFA desde 1998, anunciou ter entregue já a sua candidatura para um quinto mandato à frente do organismo, cujas eleições estão agendadas para 29 de maio, em Zurique.
.
«Hoje é uma data chave no calendário eleitoral da FIFA. Submeti o meu dossier, e agora a comissão eleitoral prosseguirá com o processo», anunciou Blatter, através da rede social Twitter.

Na corrida estão também o português Luís Figo, o holandês Michael Van Praag, o jordano Ali bin Al Hussein e os franceses David Ginola e Jérôme Champagne, que também deverão entregar esta quinta-feira as respetivas candidaturas.

* Depois de tanta controvérsia e cambalachos podia ter um pingo de vergonha.


.
.

 Naomi Wachira


Anywhere

video

.
.
HOJE NO
"AÇORIANO ORIENTAL"

Governo dos Açores diz que combate
 à eutrofização de lagoas regista 
evolução favorável

O secretário da Agricultura e Ambiente dos Açores disse hoje que o combate à eutrofização das lagoas das Furnas e das Sete Cidades apresenta uma evolução favorável, volvidos 10 anos de intervenção, que é criticada pelo autarca da Povoação.
 
ÁGUA VERDE SIGNIFICA EXCESSO DE ALGAS (SETE CIDADES)
“O processo de eutrofização da lagoa das Furnas está controlado fruto de um conjunto de projetos que foram desenvolvidos e que continuarão a ser no âmbito do plano de ordenamento dessa bacia hidrográfica”, declarou Luís Neto Viveiros.

O governante presidiu esta tarde à apresentação pública do segundo relatório de avaliação do Plano de Ordenamento da Bacia Hidrográfica da Lagoa das Furnas, localizada no concelho da Povoação, ilha de São Miguel. Contudo, à margem da cerimónia, o presidente da Câmara, Carlos Ávila (PS), declarou aos jornalistas que a autarquia se sentiu “completamente marginalizada” neste processo.
“Oito milhões depois, nós teríamos feito um melhor trabalho na massa de água da lagoa das Furnas”, declarou o socialista Carlos Ávila, que considerou o relatório apresentado “muito pobre”.

O autarca aludia aos 8,2 milhões de euros investidos pelo Governo Regional em 10 anos na Lagoa das Furnas, sete milhões dos quais se destinaram exclusivamente à compra de 300 hectares de terrenos que estavam ocupadas por pastagem. O restante foi investido em bacias de retenção, entre outros projetos.

“Aquilo que se conseguiu até agora foi, de facto, estabilizar o processo de eutrofização. Ao fim de todo este tempo, a qualidade da água mantém-se, não tendo havido avanço”, frisou o titular da pasta do Ambiente na apresentação.

De acordo com Luís Neto Viveiros, o segundo relatório de avaliação foi elaborado com base na implementação de 50% das medidas, desenvolvidas até 2014.

O responsável declarou que ficaram de fora neste relatório as medidas que resultaram da retirada das últimas pastagens das margens da Lagoa das Furnas, o que contribuiu para depositar nutrientes no fundo da bacia hidrográfica.

Luís Neto Viveiros revelou que, uma vez retirada toda a lavoura das margens da Lagoa das Furnas, o executivo vai lançar em breve, no âmbito do Plano de Desenvolvimento Rural (PDR), um concurso público que visa arborizar um espaço de cerca de 60 hectares correspondente à última pastagem adquirida.

O governante declarou que se pretende agora rever o ordenamento da lagoa, num processo que se espera de participação cívica, mantendo-se algumas medidas e avançando com outras áreas que considera terem sido lacunas registadas, designadamente no âmbito do turismo, ocupação do solo, atividades de venda, lazer e desporto.

Referindo-se especificamente às Sete Cidades, no concelho de Ponta Delgada, Neto Viveiros declarou que no caso da lagoa azul existem “registos mais significativos” do que nas Furnas, o que deriva do desvio dos caudais de água e dos afluentes sólidos.

O diretor regional do Ambiente acrescentou que o governo açoriano vai avançar entretanto para uma fase de recuperação da qualidade trófica da água da lagoa, bem como proceder à obstipação dos nutrientes.

É ainda intenção do executivo, de acordo com Hernâni Jorge, promover uma intervenção estética na lagoa das Furnas com recurso a uma tecnologia baseada em ultrassons.

O autarca da Povoação considera que os técnicos ligados ao projeto “têm tido uma postura de que a lagoa das Furnas é deles”, quando é “essencialmente do povo”.

“Não basta virem dizer que não há participação quando eles não se colocam à disponibilidade da participação dos outros”, concluiu Carlos Ávila.

* Guerra intestina entre poder regional e local que, coincidência, são todos do PS. 

** JÁ QUE NINGUÉM EXPLICA:
Em ecologia, chama-se eutrofização ou eutroficação ao fenômeno causado pelo excesso de nutrientes (compostos químicos ricos em fósforo ou azoto) numa massa de água, provocando um aumento excessivo de algas. Estas, por sua vez, fomentam o desenvolvimento dos consumidores primários e eventualmente de outros elementos da teia alimentar nesse ecossistema. Este aumento da biomassa pode levar a uma diminuição do oxigênio dissolvido, provocando a morte e consequente decomposição de muitos organismos, diminuindo a qualidade da água e eventualmente a alteração profunda do ecossistema. O excesso de nitratos lixiviados também promove a ocupação por plantas superiores onde estas geralmente não ocorriam e dessa forma também sufocando ambientes anteriormente equilibrados.


.
.

Conheça Luke Ericson

video

Nasceu com o pulmão esquerdo subdesenvolvido e sem o ombro e o braço esquerdo.

.
.

HOJE NO
"DIÁRIO ECONÓMICO"

Descida do desemprego
 não chega aos jovens

Desemprego em Portugal nas pessoas com idade entre 15 e 24 anos é quase três vezes superior ao registado entre os adultos. 

A taxa de desemprego recuou uma décima entre Novembro e Dezembro, mas os jovens mantiveram-se afastados desta melhoria. A taxa de desemprego para as pessoas com idade compreendida entre os 15 a 24 anos foi quase três vezes superior à registada entre os adultos.
 .

A estimativa divulgada hoje pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) mostra que a taxa de desemprego baixou de 13,5% em Novembro para 13,4% em Dezembro. O recuo é ligeiro e foi influenciado por uma revisão em baixa do registo referente a Novembro. Na primeira estimativa, o INE calculava em 13,9% a taxa de desemprego para aquele mês. No entanto, a introdução de mais informação nos registos do INE melhorou a taxa.

Afinal, houve menos 19,3 mil desempregados do que se pensava e a população empregada foi maior (em 3,9 milhares de pessoas). Os dados conhecidos hoje mostram que a taxa de desemprego estabilizou entre Outubro e Novembro.

A melhoria na taxa de desemprego em Dezembro - em resultado da descida do número de desempregados (menos 4,8 milhares) e da criação de emprego (mais 6,4 milhares) - não chegou, porém, aos jovens. A taxa de desemprego para as pessoas com idades compreendidas entre os 15 e os 24 anos ficou nos 34,5%, o que significa que está 2,9 vezes acima da taxa estimada para os adultos (11,8%). Esta degradação das condições de trabalho entre os jovens resulta de um aumento dos desempregados jovens e de uma redução da população jovem empregada.

Os dados do INE estão corrigidos de sazonalidade.

* Esta notícia revela a supina inutilidade das "novas oportunidades" e do "impulso jovem" congeminados por dois grande aldrabões da nossa praça. Quanto ao desemprego dos adultos, se adicionarem mais 200 mil aos números referidos, talvez consigam acertar.

.
.
DOUTRO SÉCULO
 

"FURGONETAS E CAMINHÕES"

























.
.
 HOJE NO
"CORREIO DA MANHÃ"

Hospitais admitem recorrer à Justiça

Cinco hospitais universitários admitiram, esta quinta-feira, recorrer à Justiça para garantir e defender o direito de todos os doentes com Hepatite C ao acesso aos tratamentos. 
 .

"Os cinco centros hospitalares universitários, que querem cumprir a sua missão de tratar os seus doentes com equidade, adotarão as medidas legais e outras que considerem adequadas para garantir e defender o direito de todos os doentes ao acesso aos tratamentos", defendem os presidentes dos centros hospitalares de São João, do Porto, Universitário de Coimbra, Lisboa Norte e Lisboa Central. 
Em comunicado, os responsáveis adiantam ser "insustentável" o valor que têm sido obrigados a pagar para o tratamento da Hepatite C em Portugal.

Doentes de Hepatite C 
morrem por falta de medicamento

O vice-presidente da Sociedade de Gastrenterologia apelou esta quinta-feira a uma "agilização" nas negociações entre o Governo e a indústria farmacêutica em relação ao tratamento da Hepatite C, salientando que "têm morrido doentes por não terem tido acesso ao medicamento". José Cotter lembrou que este processo negocial se arrasta há muitos meses e que apesar de oficialmente o novo tratamento ser disponibilizado aos doentes portugueses considerados prioritários, a verdade é que, aparentemente, isso não está a acontecer em todos os casos. 

* Um crime hediondo, o do negócio dos laboratórios.

.
.

A costa da Irlanda


video


filmada por um drone

.
.
HOJE NO
"OBSERVADOR"

Comissão do BES: 
Salgado detalha dois encontros com
. Cavaco Silva e um com Paulo Portas

Ricardo Salgado escreveu hoje à comissão de inquérito ao BES, onde detalha todos os encontros que teve com personalidades políticas no início de 2014. O Observador teve acesso à missiva.

Ricardo Salgado admitiu um encontro com Cavaco Silva em Belém, mas agora, o antigo banqueiro revela que afinal teve duas reuniões com o Presidente da República. Numa carta dirigida à comissão de inquérito ao BES – e a que o Observador teve acesso em exclusivo -, Ricardo Salgado diz ainda que se encontrou duas vezes com Pedro Passos Coelho, com Maria Luís Albuquerque, uma vez com Carlos Moedas, então secretário de Estado Adjunto do primeiro-ministro, uma vez com Durão Barroso, então presidente da Comissão Europeia e ainda com Paulo Portas, vice-primeiro-ministro.
.
Se uma grande parte destes encontros já era conhecida, revelada pelo próprio aquando da sua audição na comissão de inquérito no início de dezembro, Salgado detalha agora as datas de todos os encontros que não eram do conhecimento público. Perante os deputados da comissão, Salgado admitiu ter-se encontrado com Cavaco Silva em março de 2014 para o assegurar das boas relações mantidas com Angola. No entanto, disse ainda que o Presidente “não teve mais nenhuma intervenção neste processo”. Agora, na carta enviada esta quinta-feira por Salgado à comissão, este admite ter-se encontrado novamente com Cavaco Silva em maio de 2014 para fazer um “pedido de apoio institucional” e “confiança nos planos de recuperação” do BES.

Outro encontro desconhecido até agora era a reunião com Paulo Portas também em maio. O intuito do encontro é o mesmo por que marcou a reunião com o Presidente e o banqueiro terá oferecido os mesmos argumentos ao vice-primeiro-ministro. Estes esclarecimentos chegam agora ao Parlamento depois de um requerimento do Bloco de Esquerda para que os encontros e os seus efeitos fossem detalhados pelo antigo líder do grupo Espírito Santo.

Segundo a carta de Salgado, este encontrou-se com o mesmo propósito no dia 2 de maio com Carlos Moedas e no dia 14 de maio com Maria Luís Albuquerque e Pedro Passos Coelho. As reuniões com Cavaco Silva e Paulo Portas ocorreram respetivamente a 6 e 20 de maio. Para além destes encontros, em abril, Salgado já se tinha reunido com Cavaco Silva, Passos Coelho, Maria Luís Albuquerque e Durão Barroso de modo a apresentar as garantias de Angola face aos problemas encontrados no BESA. Estes encontros tinham também já sido relatados pelos próprios na audição.

Na carta, Salgado diz ainda que tentou reconstituir as datas dos encontros através de memória e “informações prestadas por outros intervenientes”, pois as suas agendas foram apreendidas pelo Ministério Público. Quanto aos efeitos que estas reuniões possam ter tido junto dos atores políticos, Salgado diz que esses resultados o “transcendem”, mas julga que tiveram alguma influência para a informação do Governo sobre os problemas no BES, citando a carta que Maria Luís Albuquerque dirigiu a Carlos Costa, governador do Banco de Portugal em que dava conta que “responsáveis do grupo” já a tinham alertado para “eventuais riscos para a estabilidade financeira” do BES.

Primeira ronda de reuniões:
– 31/03/2014: Encontro com Presidente da República
– 07/04/2014: Encontro com primeiro-ministro
– 08/04/2014: Encontro com ministra das Finanças
– 22/04/2014: Encontro com o então presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso

Segunda ronda de reuniões:
– 02/05/2014: Encontro com o então secretário de Estado Adjunto do primeiro-ministro, Carlos Moedas
– 06/05/2014: Encontro com Presidente da República
– 14/05/2014: Encontro com ministra das Finanças
– 14/05/2014: Encontro com primeiro-ministro
– 20/05/2014: Encontro com vice-primeiro-ministro

* O banqueiro exemplar falava com quem lhe apetecia, escolhia os interlocutores a dedo.


.