sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

UMA (DES)GRAÇA PARA O FIM DO DIA

.














.
.



 O QUE NÓS


  "JOGAMOS"!




JOGUE ESTE JOGO

AO PÉ DA(0) NAMORADA(O)

OU CONJUGE 

*Excepcionalmente repetimos as infografias, este jogo tem que se lhe diga, tente jogá-lo, sem receio


.
.
 CRATENIENSE


.
..
.


8-CRIANÇAS
INVÍSIVEIS

video

ÚLTIMO EPISÓDIO

Formado por 7 curtas metragens realizados no Brasil, Itália, Inglaterra, Sérvia, Burkina Faso, China e Estados Unidos. O projeto de Crianças Invisíveis foi criado para despertar a atenção para o sofrimento das crianças em situações difíceis por todo o mundo. Todos os diretores trabalharam de graça ao realizar seus curtas para Crianças Invisíveis. Parte da renda do filme foi destinada para a Unicef e para o Programa Mundial contra a Fome


* As nossas séries por episódios são editadas no mesmo dia da semana à mesma hora, assim torna-se fácil se quiser visionar episódios anteriores.



.
.
HOJE NO
"A BOLA"

Morreu Miguel Galvão Teles 
.
O conceituado sportinguista Miguel Galvão Teles, de 75 anos, faleceu esta quinta-feira, no Hospital da Cuf, em Lisboa. Advogado de carreira Galvão Teles foi uma das figuras mais destacadas do panorama jurídico português.

Foi docente na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, encarregado da regência de Direito Constitucional (até 1978) e membro do Conselho de Estado de 1982 a 1986.

Miguel Galvão Teles era membro do Tribunal Permanente de Arbitragem, em Haia.

Galvão Teles assumiu a presidência da mesa da Assembleia Geral do clube, durante 11 anos, entre 1995 e 2006, ano em que se afastou, alegando que o Sporting precisava de sangue novo, passando então a integrar o Conselho Leonino.

Em 1996 foi distinguido com o Prémio Stromp.

O corpo irá hoje às 18.30 horas para a Basílica da Estrela, sendo a missa de corpo presente, celebrada amanhã (sábado), às 17.30 horas, seguindo depois o cortejo fúnebre para o Cemitério do Alto de São João.

* Porque é que em vez dos homens bons não morrem os sacanas?

.
.


 1-Geografia

do poder



video



* Esta produção da "MATÉRIA DE CAPA" é de 2012, no entanto não houve nenhuma mudança radical na geografia social do mundo que tirasse actualidade ao trabalho que apresentamos. Os ricos estão cada vez mais ricos e os pobres quase paupérrimos.


.
.
 HOJE NO
"AÇORIANO ORIENTAL"

China diz desconhecer polémica mas reafirma vontade de "aprofundar relações"

O governo chinês indicou hoje à agência Lusa desconhecer a polémica acerca do futuro da base das Lajes, mas reafirmou a disposição de "aprofundar as amistosas relações com Portugal".
 
"Não conhecemos a situação referida na imprensa em Portugal", disse o gabinete do porta-voz do ministério chinês dos Negócios Estrangeiros acerca do alegado interesse da China em criar um entreposto comercial na ilha Terceira, Açores, na sequência da anunciada redução dos efetivos norte-americanos estacionados naquela base.


O presidente do governo regional dos Açores, Vasco Cordeiro, salientou, em entrevista à RTP, a possibilidade de a infraestrutura das Lajes ser usada por outro país que não os Estados Unidos, dando o exemplo da China, com quem Portugal tem "uma relação diplomática" que é "muito anterior" àquela que tem com Washington.

Na quarta-feira, o Diário de Noticias refere que o governo regional dos Açores "vê nos chineses uma solução para a prevista redução gradual ao longo deste ano do número de trabalhadores portugueses de 900 para 400, e de civis e militares americanos de 650 para 165".

De acordo com o mesmo jornal, "os chineses querem instalar um entreposto comercial ali no meio do Atlântico".

Questionado pela agência Lusa, o gabinete do porta-voz do MNE chinês não confirmou nem desmentiu o interesse no referido entreposto, salientando antes que as relações entre a China e Portugal são "amistosas" e que os dois países assinalam este ano o 10.º aniversário da sua "parceria estratégica global".

"A China quer aprofundar a pragmática cooperação com Portugal em várias áreas e continuar a desenvolver as relações bilaterais", acrescentou o mesmo gabinete num comentário escrito de quatro linhas.

O acordo luso-chinês de "parceria estratégica global", um dos primeiros do género que a China estabeleceu com nações europeias, foi assinado em dezembro de 2005 em Portugal pelos chefes de governo dos dois países.

Em julho passado, no final de uma visita à América Latina, o presidente chinês, Xi Jinping, efetuou uma escala técnica de cerca de oito horas na ilha Terceira, onde se encontrou com o vice-primeiro-ministro português, Paulo Portas.

Dois anos antes, o então primeiro-ministro chinês, Wen Jiabao, escalou também a ilha Terceira.

Naquela altura, um conhecido comentador norte-americano, Gordon G. Chang, interpretou a escala de Wen Jiabao como um sinal de que a China estava a "lançar o anzol para tomar conta de uma base dos Estados Unidos nos Açores".

* Não temos quaiquer dúvidas de que o governo chinês quer, através de relações amistosas, aprofundar a nossa desgraça.

.
.
.

3-O HOMEM DO FUTURO


video

ÚLTIMO EPISÓDIO



.
.

 HOJE NO

"DIÁRIO ECONÓMICO"

Segurança Social fecha 2014 com
 menor número de subsídios de desemprego em três anos

Há mais de três anos que a Segurança Social não pagava tão poucos subsídios de desemprego. O ano de 2014 fechou com 304,5 mil desempregados subsidiados, indicam os dados actualizados hoje. É preciso recuar a Outubro de 2011 para encontrar um valor mais baixo.
Os mais de 304 mil desempregados a receber prestação de desemprego em Dezembro (incluindo aqui os subsídios sociais, destinados a agregados de baixos rendimentos) representam uma quebra de 18,8% face ao mesmo período de 2013. Esta é também a maior descida desde Julho de 2011. Em comparação mensal, os dados da Segurança Social revelam um recuo de 0,2%.
 .

Os dados do desemprego para Dezembro ainda não são conhecidos mas, em Novembro, o Instituto Nacional de Estatística (INE) apontava para uma taxa de 13,9%, mais três décimas face ao valor estimado para o mês anterior e menos 1,5 pontos percentuais comparando com o mês homólogo. Em causa estavam 713,7 mil desempregados. Nesse mesmo mês, a Segurança Social subsidiava cerca de 305 mil pessoas, o que significa que apenas 42,7% dos desempregados recebiam prestação.

* Ensaiemos um novo título para a notícia: "Mota Soares bate o recorde de abandonos a quem mais precisa".

.

ANA GOMES

.





Sobre a liberdade

Vivemos num mundo interdependente e globalizado, em sociedades multiculturais - a minha liberdade de expressão tem de ser inteligente e ter em conta a sensibilidade de outros
.
Reagi no Twitter, na hora em que tive conhecimento do ataque terrorista ao “Charlie Hebdo” no passado dia 7, expressando horror e sublinhando que o terrorismo hoje é também resultado da Europa que temos, com políticas austeritárias destruindo a intervenção social dos estados, fomentando o desemprego que faz desintegrar famílias, alimentar a marginalização social e a alienação individual – factores propícios ao recrutamento terrorista. 
 .
Em comentários subsequentes, sublinhei ser preciso compreender as razões por que cerca de 3 mil jovens europeus são atraídos para as fileiras terroristas e cometem hoje atrocidades na Síria e no Iraque – como me foi sublinhado por tantas vítimas, em visita que fiz à linha da frente contra o chamado Estado Islâmico no Curdistão iraquiano a semana passada. Entre outras causas está sem dúvida a falta de oportunidades e o sentimento de marginalização afectando comunidades emigrantes na Europa, como nos confirmam as histórias de vida da maioria dos jovens recrutados, incluindo portugueses. Também fiz notar que as políticas austeritárias têm diminuído os meios financeiros, humanos e outros, facultados aos serviços de informação e de segurança na Europa para serem mais eficazes no combate ao terrorismo, bem como disponibilizados para programas de prevenção da radicalização e de desradicalização. 
 .
De tudo o que escrevi no Twitter nesse dia e nos dias seguintes, assumindo solidariamente o “Je suis Charlie”, e de tudo o que tenho dito, escrito e feito como deputada europeia, fica claro que condenei e condeno em termos veementes os actos terroristas de Paris e quaisquer outros, onde quer que tenham lugar, sejam contra quem forem, praticados por quem quer que seja.  
 .
Sublinho que me fiz membro da Subcomissão de Segurança e Defesa do PE desde que fui eleita pela primeira vez, em 2004, justamente pelo interesse em compreender e combater o terrorismo. Esse interesse resultava da experiência que vivi na Indonésia, entre 1999 e 2003, anos em que o povo daquele país se viu frequentemente golpeado por organizações terroristas ligadas à Al-Qaeda. A bomba de Bali, em Outubro 2002, que causou mais de 200 mortos e em que perdeu a vida o soldado português Diogo Ribeirinho, obrigou-me, como representante de Portugal, a percorrer  morgues improvisadas a inspeccionar restos de corpos, na tentativa de localizar algum vestígio que identificasse o do nosso compatriota – a experiência macabra marcou-me profundamente e determinou-me a tudo fazer para combater o terrorismo. 
 .
Nesse esforço, ao longo dos anos visitando sociedades acossadas pelo terrorismo, compreendi que é profundamente errado amalgamar terrorismo com islão ou com emigração, como faz agora a extrema-direita europeia para suscitar medidas antidemocráticas nas águas turvas do medo e da ignorância dos cidadãos. Por isso também, combati a deriva securitária da administração George W. Bush, que implicou tortura, prisões secretas e Guantanamo: expliquei que só daria mais recrutas e narrativa aos terroristas, além de descer ao nível  dos terroristas, que querem precisamente destruir as liberdades fundamentais, os direitos humanos e a democracia. 
 .
No mesmo propósito de combater o terrorismo, mal ouvi divulgar em França que a capa da primeira edição do “Charlie Hebdo” depois do ataque terrorista seria um cartoon com um boneco representando o Profeta Maomé, voltei a escrever no Twitter, questionando “Porquê insistir na representação do Profeta, que se sabe ofender os muçulmanos? Não estou de acordo. Não em meu nome”.  
 .
Ao contrário do que V. sustenta no editorial “Há limites, claro que há limites” da edição de sábado/domingo passado, entendi escrevê-lo naquele momento não para “desculpabilizar os terroristas [...] vacilar quando não há tréguas possíveis [...] abrir a porta a um acobardamento que matará a prazo tudo aquilo em que acreditamos”. Não procurei justificar ou desculpar os hediondos actos terroristas em Paris, nem defendo que vacilemos diante do terrorismo, nem que abdiquemos das liberdades em que acreditamos. Procurei, sim, avisar quanto à provocação desnecessária que poderia degenerar numa escalada de violência: e já hoje lamentamos mortos e igrejas destruídas no Níger, jornalistas franceses atacados no Paquistão, cristãos e europeus ameaçados e receosos em diversos países... 
 .
Procurei fazer ver que responder ao terrorismo eficazmente implica ter connosco a comunidade muçulmana, que é quem conta mais vítimas às mãos das organizações terroristas que perversamente se reclamam do islão (mais de 60%). Implica não a gozar, não a ofender – gostemos ou não, concordemos ou não, é sabido que representar o Profeta Maomé viola o que há de mais sagrado para os muçulmanos. Porquê responder provocatoriamente com a imagem, ainda que exalando perdão e compaixão? Porquê identificar o boneco como o Profeta e não como um qualquer Maomé, como os milhares que dias antes tinham estado nas ruas de França a gritar “Je suis Charlie, je suis Ahmed” condenando o assassinato dos jornalistas, dos judeus, dos polícias e de outros caídos às mãos dos terroristas? Porquê alienar os muçulmanos quando tanto precisamos deles para que denunciem como anti-islão os actos de organizações terroristas que perversamente se reclamam do islão? 
 .
Vivemos num mundo interdependente e globalizado, em sociedades multiculturais – a minha liberdade de expressão tem de ser inteligente e ter em conta a sensibilidade de outros. A minha liberdade de ter ou não ter religião (e eu não tenho) tem de ser respeitosa do que é sagrado para outros. Há limites, sim:  sem tolerância não há liberdade. Haverá regressão civilizacional, que é o que desejam a extrema-direita xenófoba, islamofóbica e anti-semita na Europa, e é o que desejam grupos terroristas irmanados na hidra Al-Qaeda. Eu não quero fazer o jogo de uns nem de outros. E como cidadã e deputada eleita tenho a obrigação de não me deixar intimidar pelo que parece, no momento, “politicamente correcto”, mas é incorrecto, insensato e perigoso. Tenho a obrigação de alertar quem não perceba que, estando em causa a nossa segurança, está em causa também a nossa liberdade. 

IN "i"
21/01/15


.
; .


402.UNIÃO


EUROPEIA




.

HOJE NO
"CORREIO DA MANHÃ"

Viola vizinha menor e é espancado 

 Homem de 39 anos está internado no Hospital Amadora-Sintra com várias fraturas. 

Vários murros e pontapés atiraram um homem de 39 anos para o Hospital Amadora-Sintra. Isto porque foi apanhado em flagrante na segunda-feira a violar uma vizinha de 13 anos, no bairro Casal da Mira, na Amadora. 
 .

O predador acabou por ser brutalmente espancado em casa por um grupo de amigos da vítima. A PSP esteve no local. O homem ficou completamente desfigurado e com várias lesões no corpo. Foi internado com múltiplas fraturas e politraumatizado e ontem mantinha-se hospitalizado no Amadora-Sintra. 

Apesar de a PSP ter sido a primeira força de segurança a ser chamada, a investigação do caso está a cargo da Polícia Judiciária. A menor foi levada para o Instituto de Medicina Legal para a realização de perícias. A investigação vai permitir saber se esta foi a primeira vez que a menor foi abusada sexualmente pelo homem de 39 anos. 

As autoridades policiais aguardam agora que o suspeito tenha alta do hospital para prosseguirem com a investigação e para o homem ser também interrogado acerca da violação. 

* Uma vantagem deste violador, chegou ao hospital e foi logo atendido, há quem tenha esperado 22 horas. 

  .
.


O SEGREDO 
DAS COISAS

 11 -TAPETE DE BORRACHA

video




 .
.


III -JAPÃO

A MEMÓRIA DO IMPÉRIO SECRETO

2 -O RETORNO

DOS BÁRBAROS


video



NR:  Não enconntrámos a 3º parte desta fabulosa série dobrada em português, por isso será editada em castelhano.




* As nossas séries por episódios são editadas no mesmo dia da semana à mesma hora, assim torna-se fácil se quiser visionar episódios anteriores.

.
.

HOJE NO

"OBSERVADOR"

Sondagens:
 Costa e Seguro, duas faces
 da mesma moeda?

Janeiro de 2014: António José Seguro era líder do PS e os socialistas dominavam as sondagens com vantagens entre 8 e 13 pontos sobre o PSD. Janeiro de 2015: António Costa é líder do PS e domina as sondagens com vantagem para o PSD entre 6 e 11 pontos. A diferença é que Seguro à data era líder do partido há 26 meses, enquanto Costa o é há dois meses, mas, mesmo assim, os socialistas começam a olhar para a curva dos números com preocupação. Costa já recuperou nas intenções de voto depois da crise da liderança, mas o PSD também está mais perto.
 .
Olhando para a evolução dos últimos meses, das sondagens da Eurosondagem e da Aximage, o PS está agora ao mesmo nível que estava antes das eleições europeias. Ou seja, com António José Seguro na liderança e ainda sem António Costa se ter disponibilizado para ser secretário-geral socialista.

Pedro Magalhães, do Instituto de Ciências Sociais (ICS), diz que “a leitura que tem de se fazer dos resultados do PS é com a crise da liderança. O PS sofreu bastante nas intenções de voto, imediatamente a seguir à escolha de António Costa, volta a subir”.

Mas quando a questão que se coloca é se não era suposto António Costa descolar mais rápido do PSD depois da mudança de liderança, o especialista em sondagens lembra, por exemplo, o caso das sondagens durante os governos de José Sócrates: “O PSD mudou várias vezes de líder. A mudança de líder levou a uma recuperação nas intenções de voto, mas depende muito a intensidade dessa recuperação.” O que pode estar a acontecer agora, a intensidade ser menor.

Mas na leitura dos números - pelo menos nos últimos – não é só o facto de o PS não subir tanto quanto os socialistas esperavam, há também o facto de o PSD subir, mesmo que ligeiramente, o que reduz assim a diferença e mostra um menor desgaste do atual Governo do que era esperado. Pedro Magalhães dá o exemplo do que aconteceu antes das eleições legislativas de 2011 em que a explicação para a subida abrupta do PSD se podia dever não só ao líder social-democrata como ao Governo de José Sócrates: “O PSD só arrancou nas intenções de voto com Pedro Passos Coelho. Só não se pode dizer se isso se deve a Passos Coelho se ao desgaste do PS”.

Nas intenções de voto, o especialista nota ainda três coisas:
1. PSD e CDS ganham mais, tendo em conta o sistema eleitoral, se forem coligados: “Do ponto de vista aritmético é sempre mais vantajoso irem coligados”, mas avisa os partidos que não podem olhar para estes números das sondagens e “somá-los” porque as perguntas feitas aos inquiridos não pressupunha a possibilidade de uma coligação e isso altera as percentagens.

2. CDS não mexe desde a crise do verão de 2013, rondando os 7%

3. Com a chegada de António Costa à liderança do PS, CDU (coligação PCP e Verdes) e o BE descem nas intenções de voto. Costa estar a roubar votos à esquerda “é uma leitura possível”, mas Magalhães avança com outra explicação. No caso do PCP, que tem um eleitorado com uma identificação mais forte, este pode estar a descer por haver mais pessoas que agora digam que vão votar no PS e que antes respondiam que não votavam. Percentualmente, a passagem de “não votante” à escolha em votar num partido específico prejudica os comunistas.

A última sondagem deste mês de janeiro, na verdade, fez soar as campainhas no Rato. A sondagem da Eurosondagem publicada pelo Expresso e SIC, que dá uma aproximação da maioria ao PS de Costa, foi motivo de conversa entre vários socialistas. A estratégia de António Costa de pouco falar sobre assuntos de atualidade começou a preocupar os socialistas e alguns deputados chegaram a falar do assunto numa reunião do grupo parlamentar. Mas no entanto, esta semana, o secretário-geral do PS optou por uma agenda pública mais intensa e pronunciou-se sobre vários assuntos. Primeiro, na conferência “Melhor Estado, Mais Democracia”, no Porto começou por defender a regionalização, depois, falou do nome de António Vitorino para as eleições presidenciais de 2016, já em Lisboa, assunto que retomou na entrevista que deu à SIC. 

Nestes dias, falou ainda da falta de visão estratégia do Governo por causa da TAP, da decisão do BCE e por fim deixou quatro propostas para o setor da saúde por causa do caos nos hospitais.

* A grande diferença entre Costa e Seguro é que este não estava dependente de lobies, mas a nomenclatura socialista não os dispensa.

.
.
CHAMBAO

Ahi estas tu

video



.
.

HOJE NO
"DIÁRIO DE NOTÍCIAS"

Casal sequestrou e escravizou homem 
e obrigou-o a mendigar

A Polícia Judiciária (PJ) anunciou hoje a detenção, no concelho da Guarda, de um casal, com 31 e 34 anos.

A Polícia Judiciária (PJ) anunciou hoje a detenção, no concelho da Guarda, de um casal, com 31 e 34 anos, pela alegada prática dos crimes de sequestro, escravidão, tráfico de pessoas e utilização de menor na mendicidade.
 .
O Departamento de Investigação Criminal da PJ da Guarda refere, em comunicado, que os detidos estão "fortemente indiciados pela autoria dos crimes de sequestro, escravidão e tráfico de pessoas, de forma continuada, durante aproximadamente dois anos, tendo como vítima, pelo menos, um homem de 33 anos".
Segundo a fonte, "para além da exploração reiterada da vítima, nomeadamente em tarefas de natureza agrícola, a mesma era também forçada pelos suspeitos à prática de mendicidade de rua, acompanhada, para o efeito, por um filho menor dos mesmos, de apenas três anos".

A PJ explica na nota que "ao fim de várias tentativas frustradas de fuga", a vítima conseguiu contactar a polícia "que desenvolveu de imediato todas as diligências necessárias à sua libertação e à localização e detenção dos suspeitos".

Os detidos vão ser presentes a primeiro interrogatório judicial para aplicação de eventuais medidas de coação.

* Tão maus como os taliban, que tenham uma pena bem pesada.


.
.
 AO QUADRADO

video

Dois pro de BMX em acção!

.
.
HOJE NO
"RECORD"

Ribéry apela ao boicote à Bola de Ouro... por causa de Ronaldo e Messi 

A eleição de Cristiano Ronaldo como melhor futebolista do Mundo, pelo segundo ano consecutivo, é motivo mais do que suficiente para que Franck Ribéry apele ao boicote à Bola de Ouro. Mas não é assim tão simples, pois o francês também está aborrecido porque o prémio vai muitas vezes parar às mãos de Lionel Messi...
.
NEM EM BICOS DE PÉS
Este ano, Manuel Neuer ficou atrás de Ronaldo e Messi, à semelhança de Ribéry em 2013 e, em entrevista ao jornal "Abendzeitung", o médio aproveitou para sublinhar que nem um título de campeão do Mundo (que Neuer ajudou a conquistar para a Alemanha) chega para ficar com a Bola de Ouro

"No ano passado eu estava realmente chateado, mas é o mesmo todos os anos. Não sabes o que é preciso fazer para ganhar esta eleição", frisou Ribéry. O jornalista sugeriu: "marcar muitos golos e conquistar muitos títulos?"

"Mesmo sendo campeão do Mundo, aparentemente, não é suficiente. O que é que se pode fazer? Em 2006 a Bola de Ouro foi para o Fabio Cannavaro, um defesa-central campeão do Mundo. Neuer é o melhor guarda-redes do Mundo de há dois/três anos para cá e ganhou títulos com o clube. No Brasil, consideram-no o melhor guarda-redes e foi campeão do Mundo. Mas isto não é suficiente e eu não entendo!", respondeu Ribéry.

"Se outro jogador do Bayern for nomeado, acho que devemos considerar se vale a pena ir à cerimónia. Para quê? Talvez para tirar uma foto? Não, isso não é para mim. Não é correto. Enquanto Ronaldo e Messi estiverem lá, o terceiro nomeado deve estar ciente que não tem a mais pequena hipótese", reforçou o francês.

 * Ribery tem razão, enquanto a genialidade de Ronaldo e Messi povoar os estádios não vale a pena haver terceiro candidato, talvez 15º seja a equivalente distância qualitativa mais próxima. Grande dor de corno.

.
.


O VERÃO 


DO POVÃO















NÃO MERECE NÃO




.
.


HOJE NO
"JORNAL DE NOTÍCIAS"

Número de desempregados inscritos
 cai mais de 13% em dezembro 

O número de desempregados inscritos nos centros de emprego do continente e das regiões autónomas atingiu as 598581 pessoas no final de dezembro, menos 13,3% face ao período homólogo de 2013, segundo dados oficiais divulgados esta sexta-feira.

 De acordo com números do Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP), em dezembro e em termos homólogos, o número de inscritos como desempregados nos centros de emprego caiu 13,3%, o que representa menos 91954 pessoas.
.
Comparando com o mês anterior, o número de desempregados inscritos no IEFP subiu 0,1%, ou seja, mais 498 pessoas do que em novembro.

Estes 598581 indivíduos inscritos nos centros de emprego no final de dezembro representam 70,5% de um total de 849175 pedidos de emprego, indica o IEFP.

Numa análise por género, os dados apontam para uma quebra anual do desemprego de dimensão semelhante tanto nos homens (-13,7%), como nas mulheres (-13,0%).

Por grupo etário, no total de desempregados verificou-se uma descida anual mais representativa nos jovens (-17,5%) do que nos adultos (-12,7%).

Quanto ao tempo de inscrição nos centros de emprego, o número de desempregados inscritos há menos de um ano caiu 17,4% em dezembro passado face ao mesmo mês de 2013, uma diminuição que foi menos significativa no caso dos desempregados de longa duração (-8,7%).

A nível regional, em dezembro deste ano e comparando com o período homólogo, o desemprego diminuiu em todas as regiões do país, uma descida que foi mais acentuada no Algarve (-16,7%).

* Leia com atenção o título da notícia, "desempregados inscritos" não entram nas contas cerca de 100 mil que desistiram de estar inscritos no IEFP, os milhares que foram obrigados a emigrar, os que se suicidaram, etc.
Para o governo o desempregado é um número, como pessoa vale pouco.


.
.

A CRIANÇA QUE SOMOS

video
Ele adora o seu camiãozinho do lixo!


.
.


HOJE NO
"JORNAL DE NEGÓCIOS"

Ex-tesoureiro do PP afirma que 
Rajoy sabia da existência de 
contabilidade paralela desde o início

Luis Bárcenas, ex-tesoureiro do Partido Popular, libertado na passada quinta-feira, acusou Rajoy de conhecer o financiamento ilegal do PP desde o início. 
 .
Luis Bárcenas, ex-tesoureiro do Partido Popular (PP) espanhol e acusado de crimes de corrupção e financiamento ilegal, declarou esta sexta-feira, 23 de Janeiro, que Mariano Rajoy, presidente do Governo espanhol e líder do PP, sabia da existência duma contabilidade paralela "desde o princípio", considerando por isso mesmo "absurdo" que o partido o culpabilize apenas a ele.

Bárcenas, que saiu esta quinta-feira, 22 de Janeiro, da prisão de Soto del Real (Madrid), após do pagamento de uma fiança de 200 mil euros, assistiu esta sexta-feira à Audiência Nacional (tribunal especial para crimes graves) para assinar a sua primeira comparecência fora de instâncias penitenciárias.

No caminho para a Audiência, o ex-tesoureiro atirou que "a contabilidade [do PP] é fidedigna desde o primeiro apontamento e não há nem um só apontamento naqueles papéis que não se corresponda com um valor real", de acordo com os jornais espanhóis. Depois desta declaração, sublinhou que Rajoy recebeu envelopes com dinheiro na sede do Partido Popular, na altura em que o actual presidente do Governo espanhol era ministro no Executivo de José Maria Aznar.

Luis Bárcenas está obrigado a apresentar-se três vezes por semana no Tribunal como medida preventiva. Antes de se apresentar esta sexta-feira nos tribunais, à porta do seu domicílio, o arguido negou ter consigo documentos que pudessem comprometer ao seu antigo partido.

Contudo, após ser questionado pela contabilidade B admitiu que essa contabilidade era irregular "sem qualquer dúvida", e assumiu a sua parte de responsabilidade. "Mas quem tem beneficiado dessa contabilidade é o próprio partido [popular]" salientou. No que respeita ao anterior presidente do Governo espanhol, José María Aznar, Bárcenas afirmou que ele não tinha conhecimento dessa contabilidade.

Sobre a sua fortuna, avaliada em mais de 48 milhões de euros pelo juiz Pablo Ruz e que estaria numa conta na Suíça, o ex-tesoureiro alegou com firmeza: "Não vou devolver nada. O dinheiro que tenho é aquele que tenho na Suíça e o qual ganhei com a minha actividade profissional desde 1989", acrescentou.

Numa entrevista, concedida esta sexta-feira à televisão pública TVE, o vice-secretário do PP, Carlos Floriano, afirmou que "nunca houve nem vai haver uma contabilidade paralela" no PP.  Floriano ainda acrescentou que "esse senhor [Luis Bárcenas] enganou-nos a todos" e reiterou que "quem controlava tudo, do princípio ao fim, era ele".

Esta série de declarações coincide com o arranque da Convenção Nacional do PP, que se vai prolongar até o domingo. Neste congresso reúnem-se os principais líderes do partido conservador espanhol para marcar as linhas a seguir nas próximas eleições regionais e municipais de 2015.

* No mau pano também cai a nódoa.


.
.
COMO CRESCERAM...













.