quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

UMA GRAÇA PARA O FIM DO DIA

.















.
.



.


O QUE NÓS SABEMOS

DO "IMPORT/EXPORT"!





.
.
GORDURAS



.
.
Sabe o que nos faz mais felizes
e o que mais nos preocupa?


.
.
 HOJE NO
"DIÁRIO ECONÓMICO"

Justiça portuguesa é das menos 
eficientes nos litígios civis e comerciais

Relatório europeu diz que Portugal está em terreno negativo na capacidade de resposta dos tribunais. É o sexto pior entre 47 países europeus e foi um dos mais prejudicados pela crise. No que toca à eficiência e capacidade de resposta dos tribunais nos processos civis e comerciais - a maioria dos litígios que envolvem cidadãos e empresas - a Justiça portuguesa é das piores da Europa. Entre os 28 Estados-membros da UE, ocupa a sexta posição a contar do fim.

De acordo com o mais recente relatório da Comissão Para a Eficiência e Justiça do Conselho da Europa, referente a 2012, a má prestação dos tribunais em matéria de eficiência e a demora dos processos em Portugal apenas são ultrapassadas pela Grécia (que ocupa a última posição), Eslováquia, Polónia, Croácia e República Checa. E esta 6ª pior posição a contar do fim mantém-se mesmo quando são considerados os 47 países do Conselho da Europa, todos eles abrangidos por este estudo. Neste universo de Estados, a taxa média da eficiência na resolução de processos civis está nos 6,9%. Em Portugal, a taxa não só fica bastante abaixo, como é negativa: -4,7%.

No relatório de 2014, intitulado "European Judicial Systems: Efficiency and Quality of Justice", o Conselho da Europa considera que num terço dos países analisados (16) a eficiência e capacidade de resposta dos tribunais é "satisfatória" e que os melhores a despachar processos são Luxemburgo, Hungria, Geórgia, Lituânia e Luxemburgo.

Já quanto a Portugal, o relatório diz mesmo que os tribunais de 1ª instância apresentam "séries dificuldades" em dar resposta aos processos que já têm e aos que entram anualmente e referencia a Justiça portuguesa como "uma situação que merece acompanhamento" para que não haja deterioração. O principal problema resume-se à capacidade de dar por findos mais processos ao fim do ano do que aqueles que entram. Daí que Portugal seja referenciado como um dos países com maior número de pendências em matéria civil e comercial, tal como, aliás, a troika identificou em 2011.
 .
O VIRA DA INCONSEGUIDA
Portugal é também um dos países com menos tribunais executivos (cobrança de dívidas) por habitante. A média europeia é de 1,2 tribunais por 100 mil habitantes por cá há apenas 0,01 por 100 mil habitantes, um "número baixo". O relatório, contudo, reporta-se a 2012, ano em que ainda não tinha entrado no terreno o novo Mapa Judiciário, que aumentou ligeiramente o número de tribunais de execução existentes pelo país.
França, Malta e Dinamarca surgem - ao lado de Portugal - como os países com menos tribunais de cobrança de dívidas. Já no que toca a todo o parque judiciário (todas as especializações) Portugal tem três a cinco tribunais por 100 mil habitantes.

Justiça demorada 
O tempo de demora de um processo em tribunal é também em Portugal um dos mais elevados da UE. Também aqui o país ocupa a 4ª pior posição, ultrapassado apenas por Estónia, Eslovénia e Dinamarca. Em média, entre os 47 países analisados, os tribunais precisam de 246 dias para lidar com os processos litigiosos (não inclui criminais). Portugal está bem acima desta média. Também no tempo de demora dos divórcios e das insolvências litigiosas, o país estava em 2012 entre os piores.

Fazendo uma análise geral ao sistema de justiça de todos estes países, esta comissão chegou à conclusão que em termos absolutos os orçamentos para os tribunais até foram reforçados. Portugal e Grécia - dois países intervencionados - surgem de novo como a excepção, juntamente com a Irlanda, tendo os respectivos sistemas judiciais sofrido um corte entre 2010 e 2012. Apesar do corte orçamental, Portugal despendeu mais dinheiro para o sistema de apoio judiciário, o que o relatório diz ter sido também uma consequência da crise económica, já que mais pessoas passaram a viver abaixo do limiar da pobreza.

O salário dos juízes portugueses (com uma média de 28.703 mil euros) está abaixo da média europeia, que é de 47.789 mil euros brutos anuais e os magistrados nacionais foram dos poucos que ficam o rendimento baixar por causa da crise em 2012.

De acordo com o relatório, os salários dos juízes baixaram nos últimos anos na Grécia, Irlanda, Portugal e Luxemburgo. Em quase todos os itens analisados no relatório o sistema judicial português surge quase sempre como um dos cinco europeus que mais sofreu com a crise económica e financeira espoletada em 2008. 

* Um relatório revelador dos inconseguimentos da sra. ministra.



.
.



ANNA SUI


NEW YORK
OUTONO/INVERNO
2014/2015




.
.
 HOJE NO

"CORREIO DA MANHÃ"

Dormir mais horas melhora
 notas escolares 

Deixar os filhos dormir mais horas melhora o seu desempenho escolar a Matemática e línguas. 

Dormir mais horas de noite melhora a prestação escolar das crianças e adolescentes, segundo um estudo da Universidade McGill e do Instituto Universitário Douglas de Saúde Mental em Montreal, no Canadá. Matemática e línguas são as disciplinas em que a qualidade do sono mais interfere. 
 .

"Para a Matemática e línguas precisamos de usar habilidades a que chamamos de ‘funções executivas’, como a memória de trabalho, o planeamento, a capacidade de não nos distrairmos. O hardware que suporta essas habilidades localiza-se no córtex pré-frontal do cérebro, que é muito sensível aos efeitos insuficientes do sono", sublinhou Reut Gruber, psicólogo clínico e principal autor do estudo, à revista Time. 

A Fundação Nacional do Sono norte-americana aconselha as crianças entre os 5 e os 12 anos a dormir entre 10 a 12 horas por noite. Já os adolescentes devem dormir cerca de 9 horas. Um dos fatores que mereceu maior atenção por parte dos investigadores canadianos foi a eficiência do sono. "É a proporção da quantidade de tempo que se dorme relacionada com a quantidade de tempo que passa na cama. 

Se uma pessoa não consegue dormir durante a maior parte do tempo que passa na cama, o sono não é eficaz", explicou o principal autor do estudo. Na investigação participaram 75 crianças saudáveis, entre os 7 e os 11 anos, que utilizaram um actigraph no pulso, uma espécie de relógio que avalia a qualidade do sono através da monitorização do organismo enquanto dormem. 

No fim, os cientistas relacionaram os dados recolhidos sobre a qualidade do sono com os resultados escolares, a idade das crianças e o estatuto socioeconómico dos pais. Tirar televisão e computadores do quarto Além de aconselhar os pais a adotar hábitos de sono saudáveis, como retirar dos quartos a televisão e os computadores, Reut Gruber referiu que os pediatras também têm um papel importante na análise de uma boa noite a dormir.

 "Muitas crianças podem ter problemas de sono de que ninguém está ciente", acrescentou o psicólogo clínico. 

* Não facilite, pela saúde do seu filho.

.
.
.

COMECE O ANO


EM PORTUGAL/4



QUE TEM CIDADES E RECANTOS 
DOS MAIS BONITOS DO MUNDO


.

ANA SOUSA DIAS

.




Os terroristas são idiotas
. sem sentido de humor 

Tout est pardonné, dizem eles passada uma semana, e mostram um Maomé feito menino da lágrima com o cartaz Je suis Charlie. Esta é a resposta do Charlie Hebdo àquela pergunta que uma tragédia sempre coloca: o que se faz no dia seguinte? Como quando nos morre alguém querido e verificamos, perplexos, que as padarias continuam a vender pão fresco e os autocarros seguem o caminho de antes.

No Libération, podemos ler o que Luz, o autor, foi pensando até chegar a esse desenho tão simples e subtil. As tentativas até conseguir fazer uma capa sem necrologia, sem sangue nem buracos de balas, como as que antes lhe passaram pela cabeça. A primeira ideia, em que mostrava os rabos dos companheiros caídos a desafiar os agressores. Ou a outra em que os mortos exibiam cartazes dizendo "Nós somos deus", e assim desmascarava todos os extremos que desvirtuam religiões. Mas ele não queria mostrar feridas, queria só fazer uma capa que os divertisse, a eles e a nós.

Eles foram sempre um jornal irresponsável e desabrido, bobos da corte sem medo de dizer "o rei vai nu". Sem medo, melhor dizendo, sem ceder ao medo. O mesmo jornal em que Wolinski dizia "je ne pense qu"à ça" e falava obsessiva e livremente de sexo e de mulheres num país saído dos pudores de antes de Maio de 68. Nessa França de humor iconoclasta onde Gotlib criou um super-herói de pantufas e suspensórios, o Superdupont dos gestos inúteis. Onde era possível ler o Hara Kiri, o Charlie Hebdo, o Écho des Savanes, o Le Canard Enchaîné ou o Actuel, os humoristas que desmontavam machismos, chauvinismos, nacionalismos, extremismos religiosos, tratando-os como parvoíces desprezíveis das quais podemos e devemos rir-nos. 

"Vivemos uma época formidável!", proclamava o companheiro deles todos, o genial Reiser. E continua a ser uma época formidável, porque há alguém, como o autor da capa de hoje, a tratar Maomé por mon vieux e a piscar-nos o olho dizendo "está tudo perdoado". E porque de repente aparece um pombo a sujar o casaco de Hollande no momento em que este abraça um dos companheiros do Hebdo. E porque apanhamos em flagrante Sarkozy aos empurrões para chegar à primeira fila.

"Idiotas que não têm sentido de humor: é isso que os terroristas são", diz Luz tão a propósito. Páginas e páginas de texto, horas de imagens que provam que uma religião não pode ser confundida com um extremismo violento, que nenhum deus justifica a morte de crianças que querem estudar, de crentes de uma outra religião, de humoristas que nos mostram que o rei vai nu e que vivemos uma época formidável.

IN "DIÁRIO DE NOTÍCIAS"
13/01/15


.
.


400.UNIÃO


EUROPEIA




.
.


HOJE NO
"O PRIMEIRO DE JANEIRO"

Debater avanços terapêuticos
 na síndrome de Morquio tipo A
Especialistas mundiais reúnem-se
 no Porto

Especialistas mundiais reúnem-se no sábado no Porto para debater os avanços terapêuticos na síndrome de Morquio tipo A, uma doença genética muito rara, que em Portugal só afeta 15 pessoas, que ainda não dispõem de um tratamento específico.

 Elisa Leão Teles, coordenadora do encontro e diretora da Unidade de Doenças Metabólicas do Centro Hospitalar de S. João, no Porto, revelou que a nova e única terapêutica foi aprovada a nível europeu pela Agência Europeia do Medicamento em abril de 2014, mas em Portugal o processo de disponibilização com reembolso está em curso, aguardando parecer do Infarmed. “Esta terapêutica é de administração exclusivamente hospitalar, semanalmente, por via endovenosa, em regime de hospital de dia. Tal como outras terapêuticas lisossomais, tem um custo muito elevado, com reembolso total”, referiu. Elisa Teles explicou ainda que a síndrome de morquio é “uma doença hereditária do metabolismo, extremamente rara, crónica, progressiva, debilitante e com morbilidade e mortalidade aumentada”.
Normalmente é diagnosticada no início da infância, sendo cada indivíduo afetado de forma distinta e com taxas variadas de progressão da doença e envolvimento dos órgãos. A síndrome pode resultar em complicações músculo-esqueléticas levando a uma estatura baixa, bem como problemas potencialmente graves a nível cardíaco, pulmonar, sistema nervoso, olhos, ouvidos, nariz e garganta, fígado e dentes. A nível cognitivo, as capacidades dos doentes são normais. “Chegamos finalmente a outra possibilidade de terapia, que é a terapia enzimática de substituição, isto é colocar no organismo do doente a enzina que lhe falta melhorando-lhe a resistência e a capacidade de marcha”, explicou a especialista.

Até há cerca de um ano, além das correções cirúrgicas, havia apenas um tratamento sintomático para estes doentes, tentando abreviar a sintomatologia, nomeadamente a dor óssea e articular, que é uma característica destes doentes. “É um passo grande”, considerou, referindo que aquilo que se pretende no encontro de sábado, na Fundação de Serralves, é “reunir os peritos internacionais com os peritos nacionais, alertar e orientar relativamente ao diagnóstico e à monitorização e tratamento do doente”.

A mesma coordenadora da reunião salientou que estes doentes quando diagnosticados devem ser dirigidos para unidades de doenças metabólicas, com equipas multidisciplinares alargadas.

*.



A Raríssimas – Associação Nacional de Deficiências Mentais e Raras foi fundada em Abril de 2002, com o objectivo de apoiar doentes, famílias e todos os que convivem de perto com as Doenças Raras.

Pretendemos ser uma associação com elevado reconhecimento nacional e internacional no que às Doenças Raras diz respeito e para isso empenhamo-nos em participar em diversos projectos, quer de âmbito nacional, quer internacional.

Uma das razões da nossa existência é a divulgação das Doenças Raras. Para isso:

 Incentivamos a reflexão e o debate sobre as necessidades dos portadores de doenças raras e suas famílias;

 Sensibilizamos a comunidade para a realidade das doenças raras;

 Alertamos a Comunicação Social para a importância da divulgação da informação sobre as doenças raras, bem como a importância das organizações que as representam;

 Demonstramos à sociedade a importância do movimento associativo no apoio e acompanhamento dos portadores de doenças raras e das suas famílias.

O apoio aos doentes e às respectivas famílias é outra dos nossos pilares de actuação. Por isso mesmo, continuamos a prestar o melhor apoio possível aos nossos associados e aos cidadãos em geral, na temática da (in)formação, tendo em conta os seguintes objectivos:

 Promover a igualdade de direitos dos portadores de doenças raras e suas famílias;

 Melhorar a divulgação de meios e recursos, que permitem aos portadores de doenças raras a escolha, digna, do seu modo de vida com interacção no seu meio social e cultural;

 Melhorar a coordenação entre técnicos, instituições nacionais das áreas de medicina, ensino, reabilitação e o sector associativo.

A todos os nossos doentes raros e respectivas famílias, um grande bem hajam!

Como apoiar

O maior projecto da Raríssimas é, neste momento, a conclusão da Casa dos Marcos, uma obra de grande envergadura que necessita do apoio de todos para que esteja brevemente ao serviço da comunidade.

Caso queira contribuir para esta obra solidária, por favor faça o seu donativo para o NIB:
Conta BPI nº 0010 0000 3796 8970 0018 0

IBAN : PT50 0010 0000 3796 8970 0018 0
SWIFT/BIC
BBPIPTPL

Para além do projecto megalómano da Casa dos Marcos, a Raríssimas, encontra-se a desenvolver neste momento mais dois projectos de suma importância.

O Centro Multidisciplinar, em Lisboa, é um projecto de apoio aos doentes raros e que necessita, para já, de obras que permitam o funcionamento em pleno desta unidade. O Centro Multidisciplinar procura não só apoios a nível de construção, como também de materiais que possibilitam uma completa integração do utente. Caso queira participar deste projecto, poderá fazer o seu donativo para:

0010 0000 4235 5060 0017 6 - Banco BPI

Para mais informações ligue 21 362 31 91

Linha Rara é o nome de um serviço de utilidade pública que visa promover o esclarecimento e encaminhamento de todos os utentes com dúvidas e problemas relacionados com as doenças Raras. Para que este serviço funcione na perfeição é necessário, além dos profissionais que colaboram voluntariamente, toda uma estrutura de telecomunicaçõ,es que possibilite o funcionamento em pleno deste serviço. Para fazer o seu donativo para este projecto :

0010 0000 4235 5110 0013 8 - Banco BPI

PORQUE ESPERA??? 

.

.
.

 QUANDO OS MITOS
HABITAM NA SALA DE AULA



* Uma produção "EURONEWS"

.
.


55.O MELHOR
 DA ARTE

03.GRANDES PINTORES

PORTUGUESES



AMADEU DE

SOUSA CARDOSO


À VELOCIDADE

DA INQUIETAÇÃO/1



* Uma produção "PANAVÍDEO"



.
.
 
HOJE NO
"DIÁRIO DE NOTÍCIAS"

Ministra contraria PSD e 
afasta escutas pelas secretas

A ministra da Administração Interna afirma que o Governo está a preparar "um afinamento" da legislação de combate ao terrorismo, mas que a possibilidade de escutas telefónicas pelas secretas não está em cima da mesa.

Anabela Rodrigues falava aos jornalistas na Assembleia da República, no final das audiências com os grupos parlamentares para discutir o combate ao terrorismo, em que esteve acompanhada pelo ministro da Presidência do Conselho de Ministros e dos Assuntos Parlamentares, Marques Guedes, pela secretária de Estados dos Assuntos Parlamentares e da Igualdade, Teresa Morais, e pelo secretário de Estado da Administração Interna, João Almeida
.
"Esta reunião visou apresentar as principais linhas de orientação de uma estratégia nacional antiterrorista, foi isso que foi fundamentalmente o objeto destas reuniões", afirmou a ministra da Administração Interna.

O vice-presidente do PSD Matos Correia mostrou-se hoje satisfeito com a estratégia antiterrorista do Governo da maioria e vincou que os sociais-democratas apoiam a possibilidade de os serviços de informações poderem vir a recorrer a escutas lembrando que o " PSD sempre foi favorável a essa possibilidade. Foi apresentada várias vezes, o PS sempre recusou e isso deixa os serviços de informações portugueses numa situação especialmente vulnerável".

Os serviços de informações nacionais "são os únicos na Europa, num momento em que a criminalidade organizada e o terrorismo são uma ameaça tão grande, a não disporem dos meios indispensáveis", sublinhou o parlamentar.

O deputado "laranja" falava após o encontro solicitado pelo executivo para debater o tema com os diversos partidos no parlamento, com a presença do ministro da Presidência do Conselho de Ministros e dos Assuntos Parlamentares, Marques Guedes, da ministra da Administração Interna, Anabela Rodrigues, e da secretária de Estados dos Assuntos Parlamentares e da Igualdade, Teresa Morais.

Ladeado pelo líder parlamentar do CDS-PP, Nuno Magalhães, o dirigente do PSD fez notar que a questão das escutas "exige uma revisão constitucional e a seu tempo se voltará ao assunto"

* Desejamos que o deputado Matos Correia tivesse aprendido alguma coisa com a titular do MAI.



.
.

ROSARIO FLORES

PALABRAS DE AMOR




.
.

HOJE NO
"RECORD"

 Oito equipas do WorldTour 
presentes na Volta ao Algarve

A equipa espanhola Movistar, do WorldTour, e a holandesa Team Roompot juntaram-se esta quarta-feira ao pelotão da Volta ao Algarve, que vai para a estrada entre 18 e 22 de fevereiro, anunciou a Federação Portuguesa de Ciclismo (FPC). 
 .
Com a Movistar, vencedora do ranking coletivo em 2014, a Volta ao Algarve passa a contar com oito equipas do WorldTour, a primeira divisão mundial: Astana, Ettix-QuickStep, Cannondale-Garmin, Katusha, Lotto NL-Jumbo, Lotto Soudal, Movistar e Sky.

Além de confirmar a presença, a Team Roompot já enviou à organização da corrida a lista de pré-inscritos. A formação, que aposta nos jovens talentos holandeses, estará no Algarve com o campeão da Holanda de fundo em sub-23, Tim Kerkhof, Michel Kreder, Raymond Kreder, Wesley Kreder, Jesper Asselman, Maurits Lammertink, Berden de Vries e Mike Terpstra, sob a direção da antiga estrela dos sprints Jean-Paul van Poppel.

A Team Roompot é a quinta formação continental profissional confirmada, juntando-se à alemã Bora-Argon 18, à espanhola Caja Rural, à russa RusVelo e à belga Wanty-Groupe Gobert. Também já garantiram a presença na prova as seis equipas continentais portuguesas, assim como a continental Optum p/b Kelly Benefit Strategies, dos Estados Unidos da América.

* Uma presença importante que pode tornar a Volta ao Algarve numa prova fantástica.


.
.
 ESPANTOSO

Estes miúdos indianos são calculadoras humanas
.
.

HOJE NO
"JORNAL DE NOTÍCIAS"

Manta gigante alerta para 
maus tratos aos idosos

Uma manta de 40 metros de comprimento, tricotada por idosos de todo o país e do estrangeiro, foi, esta quarta-feira, exposta na escadaria principal da Assembleia da República, como forma de alertar para os maus tratos aos idosos.
A iniciativa "Tricota esta ideia -- uma manta pelos direitos dos idosos" foi organizada pelo projeto "Juntos por mais", a qual agrega 45 instituições do concelho de Oeiras que trabalham com seniores.
Ana Martins, coordenadora do projeto, explicou aos jornalistas que "o grande objetivo é alertar para os maus tratos aos idosos e para o aumento" desta problemática.

Os responsáveis pelo projeto, bem como os padrinhos que se associaram à causa - os atores Ricardo Carriço e Sílvia Rizzo - foram recebidos pela presidente da AR, Assunção Esteves e pelos presidentes da Comissão de Assuntos Constitucionais, Direitos Liberdades e Garantias e da Comissão de Segurança Social e Trabalho, que também participaram no desenrolar da manta.

A coordenadora do projeto afirmou que a audiência serviu para entregar a Assunção Esteves um documento que incentive a "Assembleia da República a legislar as comissões de proteção ao idoso e à pessoa com demência, à semelhança da lei de proteção de crianças e jovens".

A presidente da Assembleia da República disse, em declarações aos jornalistas, que "é um esquecimento pela comunidade que hoje (quarta-feira) aqui vem ser posto em causa", alertando que para a importância da sensibilização da opinião pública para este problema.

Por seu lado, Ana Martins disse também, à saída da audiência com a presidente da AR, que pretende "avançar para o Parlamento Europeu", expondo este problema aquela instituição europeia.
Maria Oliveira, de 68 anos, e Leonilde Paijão, de 80, frequentam o Centro Social e Paroquial de Nossa Senhora da Conceição da Abobada, em Talaíde, no concelho de Cascais, e participaram na manta.

"Já fiz o meu quadrado no verão, achava que já nem me ia lembrar mas consegui encontrá-lo, era às listas azuis, amarelas e vermelhas", disse Maria Oliveira à agência Lusa.

Já Leonilde Paijão reconheceu que "ainda não tinha visto o resultado final, mas está muito bonito, ficou muito bem".

A manta é constituída por quadrados de 30x30 centímetros, de várias cores e padrões, tricotados por idosos de instituições, e particulares de todo o país e também do estrangeiro.

Os 40 metros de comprimento da manta permitiram que fosse desenrolada na varanda do salão nobre do parlamento e que cobrisse toda a escadaria, até à estrada.

A campanha "Tricota esta ideia -- uma manta pelos direitos dos idosos" foi lançada no dia 01 de outubro de 2014, dia do idoso, e vai decorrer até outubro deste ano, com o objetivo de crescer ainda mais.

* Gente determinada e com ideias, tricotemo-las!!!


.
.
  
A BELEZA DO
PARKOUR

















.
.


HOJE NO
"JORNAL DE NEGÓCIOS"

Os impostos vão descer em 2015?
Os legos explicam


O PCP recorreu esta quarta-feira a "modernas técnicas pedagógicas" para provar que em 2015 a carga fiscal sobre as famílias não vai diminuir. Maria Luís Albuquerque, que colocou os óculos para acompanhar com a atenção a escalada da torre de legos, apreciou a apresentação, mas não gostou do conteúdo.


Há várias semanas que no Parlamento o PCP repete a mensagem: em 2015 as famílias não sentirão qualquer alívio na sua factura fiscal, e, se a receita fiscal sobe, é por causa do "enorme aumento de impostos" decretado em 2013 por Vitor Gaspar. Contudo, esta quarta-feira, o partido resolveu inovar na técnica de comunicação: "Antes que o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais agarre no microfone e desate a falar do combate à fraude e evasão", Paulo Sá, com ironia e humor, lançou mão de várias peças coloridas de legos. A ministra das Finanças sorriu, colocou os óculos e assistiu à representação do que foi o aumento da carga fiscal nos últimos anos.



O primeiro paralelepípedo, de cor branca, representava a carga fiscal em 2012. Ao todo o bloco maciço é composto por 91 peças, cada uma a valer 100 milhões de euros. Feitas as contas, eram 9,1 mil milhões de euros de IRS de receita fiscal.




O segundo bloco de peças, que se veio juntar às brancas, são vermelhas vivas, como vivo foi o "enorme aumento de impostos" de 2013. São 32 peças individuais que representam o acréscimo de 3,2 mil milhões de euros de subida de IRS sentida de sopetão nesse ano.


E, para 2015, "quando se esperava que o Governo revertesse a situação para os níveis de 2012", prosseguiu Paulo Sá, eis que aparece uma "designada reforma do IRS" que devolve apenas 150 milhões de euros aos contribuintes. 150 milhões de euros à escala dos legos, equivalem a uma peçazinha e meia, que, retirada ao bloco maciço que representa a carga fiscal actual, deixa o paralelepípedo do com uma pequena dentada.


"Mas isto não fica no bolso das famílias", prossegue Paulo Sá, que tira do bolso uma peça de igual dimensão de cor vede – alusiva o aumento da carga fiscal com a chamada "fiscalidade verde". Sucederam-se as peças azuis e amarelas, para representar a subida dos impostos especiais sobre o consumo, que nem chegaram a ser pregadas à torre. Entre os deputados da oposição começava a formar-se um burburinho, e Paulo Sá rematou: "Quando se mostram gráficos ficam incomodados, quando se passa para a dimensão 3 D mais incomodados ficam porque é difícil de refutar os números".



Na resposta, Maria Luís Albuquerque disse ter apreciado a nova apresentação, mas lamentou que o assunto se estivesse a tornar repetitivo. E "a uma pergunta recorrente dou resposta recorrente".

Primeiro, diz a ministra, é preciso levar em conta também o IRC, cuja carga fiscal tem vindo a descer, o que é importante porque as empresas criam emprego. Depois, em 2014 as taxas de IRS não se alteraram, por isso, o crescimento da colecta de IRS decorre, "entre outras coisas, da criação de emprego", o que dificilmente pode ser considerado uma má notícia. Por fim, em relação a 2015, reconheceu que a redução de IRS é pequena, mas convidou o deputado do PCP a perguntar às famílias com filhos se a redução das taxas de retenção na fonte é ou não bem-vinda, e se ajuda ou não ajuda. 

* Excelente esta cabal demonstração do sr. deputado Paulo Sá, um gorro que a equipa das Finanças teve de enfiar. 
Srs. Visitadores vejam o vídeo com atenção e divulgem-no.



.
.

 CRIATIVIDADE


.
.
HOJE NO
"DESTAK"

PCP assume voto favorável à adoção
. plena por casais homossexuais 

O PCP assumiu hoje ir votar favoravelmente, quinta-feira, os três projetos de lei de PS, BE e PEV a favor da adoção plena de crianças por casais do mesmo sexo e recebeu palmas de toda a oposição. 
 .

"Não esquecendo nem desvalorizando a necessidade de resolver os graves problemas que hoje persistem no âmbito da adoção, queremos sinalizar a evolução que hoje se regista em relação a esta matéria e, por isso, votaremos favoravelmente os projetos apresentados", disse a deputada Rita Rato no plenário da Assembleia da República. 

 Em maio de 2013, o PCP tinha optado pela abstenção face a diplomas semelhantes de BE e PEV, os quais foram chumbados, com votos contra da maioria da bancada do PSD, do CDS-PP e de seis deputados socialistas, além de abstenções de vários outros parlamentares de PSD e PS. 

* Quando se pretende impingir às pessoas que só os casais heterossexuais sabem dar amor e educação aos filhos, vem-nos à ideia aquele casal mediaticamente sensacional, Bárbara e Manuel Maria, a proporcionar aos filhos um festival de lavagem de roupa suja, inimaginável em tão "finas" pessoas. Não há notícia de que alguma criança adoptada por um ou uma homossexual tenha sofrido tanto vexame.


.
.



DUBAI



O CRIME DO DINHEIRO



MUITO DINHEIRO, TECNOLOGIA, EXCENTRICIDADES BÁRBARAS


Um dos sete Emiratos Árabes Unidos tem
 1,7 milões de habitantes, mais operários
 que cidadãos, era assim em 1990


E assim nos nossos dias


2010, BURJ DUBAI, o edifício mais 
alto do mundo, 800 m de altura

20 a 25% das gruas em todo o mundo 
operam permenentemente no Dubai





Um arquipélago de 300 ihas artificiais, 
uma agressão desmedida ao mar, cada ilha custa entre 20 e 30 milhões de dolares

As ilhas vistas do ar


As ilhas são construídas com areia dragada do fundo do mar, com consequente destruição de todo o ecossistema, os donos do dinheiro destroem o planeta.




O luxo arquitectónico, a opulência na estrada dava para matar a fome em todo o mundo.

Uma estância de neve em pleno deserto, o desvario do petróleo, existem países árabes
 em que a mulher não pode conduzir.





Existem vários parques tecnológicos, divertilândias 
e até estádios de futebol sem clubes, o metro é luxuoso, 
esbanjar dinheiro é fácil, mesmo que muito perto 
a miséria mate!













Crianças afegãs, também muçulmanas

.
.
HOJE NO
"i"

Ministro da Saúde promete ampliação 
das urgências do Hospital Amadora-Sintra

"Aquela urgência, tal como está a funcionar, precisa claramente de uma ampliação"

O ministro da Saúde, Paulo Macedo, comprometeu-se hoje, em Sintra, com a ampliação das urgências do Hospital Fernando Fonseca (Amadora-Sintra), numa solução que poderá passar por um novo bloco ou uma deslocalização dos serviços. 

Paulo Macedo falava durante a assinatura de um protocolo para a construção de quatro centros de saúde no concelho de Sintra, adiantando que "o hospital de Amadora-Sintra é um excelente hospital em termos técnicos", admitindo, no entanto, que os serviços de urgência têm dificuldades em dar resposta. 
 .

"Aquela urgência, tal como está a funcionar, precisa claramente de uma ampliação. Esse projecto foi pedido pela ARS [Administração Regional de Saúde] ao conselho de administração", revelou o ministro da Saúde, acrescentando que a solução passará por "um edifício novo ou uma deslocalização" da urgência, para outra zona da unidade. 

O governante reconheceu que, independentemente de problemas de recursos humanos pontuais, a urgência do Amadora-Sintra, "como está planeada há mais de uma década, só dá resposta com macas, fora dos sítios onde elas devam estar". 

A autarquia de Sintra assinou hoje com a ARS de Lisboa e Vale do Tejo um protocolo para a instalação de quatro unidades de saúde no município, em Algueirão-Mem Martins, Queluz, Almargem do Bispo e Agualva. 

A câmara de Sintra, presidida por Basílio Horta (PS) e a ARS comprometem-se a promover uma parceria na qual o município cede gratuitamente, em regime de direito de superfície, o espaço para a instalação de uma Unidade de Saúde em Algueirão-Mem-Martins, nos terrenos da antiga fábrica da Messa. 

Esta nova unidade vai substituir a Unidade de Cuidados de Saúde Personalizados Algueirão, a Unidade de Saúde Familiar Natividade (Ouressa), a Unidade de Saúde Pública Sintra, a Unidade de Cuidados na Comunidade Cruzeiro e o Espaço Jovem. 

A futura unidade de saúde de Queluz será instalada na antiga Escola Básica D. Fernando II, em substituição da Unidade de Cuidados de Saúde Personalizados Lusíadas. 

A nova unidade de saúde projectada para Almargem do Bispo irá substituir a Unidade de Cuidados de Saúde Personalizados - polos de Almargem do Bispo, Sabugo, D. Maria e Negrais. 

A unidade de saúde em Agualva vai substituir a Unidade de Cuidados de Saúde Personalizados Agualva, tal como as restantes em terreno cedido pelo município, mas a sua concretização fica adiada para 2016. 

Paulo Macedo garantiu ao presidente da Câmara de Sintra que "não haverá qualquer fecho de centro de saúde sem plano de substituição". 

Através de contrato-programa, a assinar posteriormente, a ARS compromete-se a financiar "até ao limite de 70%" do valor de cada uma das empreitadas para instalação das unidades de saúde, com excepção da unidade de Agualva, assegurando o município "o pagamento do valor remanescente", ou seja, os restantes 30%. 

A autarquia, em comunicado, adiantou que o investimento "ronda os 7,9 milhões de euros, nos quais a câmara participa com cerca de 2,4 milhões de euros, a que acresce a cedência dos terrenos".
"Os centros de saúde vão começar a ser construídos este ano e deverão abrir em 2016", apontou o presidente da autarquia, Basílio Horta, assegurando que a unidade de Agualva não será esquecida e também vai ser construída com apoio municipal. 

Elementos da Comissão de Utentes da Saúde de Sintra manifestaram-se em frente ao Palácio Valenças, onde decorreu a assinatura do protocolo, empunhando cartazes onde se lia "Por um hospital público em Sintra" e "Sintra, 160 mil utentes sem médico". 

* Já passou demasiado tempo para que se fique contente com este "vale mais tarde do que nunca". O sr. ministro da Saúde é uma desilusão.

.