terça-feira, 30 de dezembro de 2014

UMA GRAÇA PARA O FIM DO DIA

.




.
.

O QUE NÓS

"CUSCAMOS"!


MEGACUSCAS/24
7 TRADIÇÕES DE NATAL,

BIZARRAS, PELO MUNDO




.
.
 FELIZ ANO NOVO














.
.

O ESPÍRITO BEATO




















.
.


LITERATURA PARA
PREGUIÇOSOS/13 
O SENHOR DOS ANÉIS


J.R.R. TOLKIEN





AUTOR: IGOR ALCÂNTARA


.
.
 
HOJE NO
"DIÁRIO DE NOTÍCIAS"

Dois médicos detidos por burla
 de mais de um milhão

Os detidos - de 46 e 65 anos - estão proibidos de exercer a actividade médica e de se ausentarem do país. A investigação do Departamento Central de Investigação e Ação Penal começou em 2011 e contou com a colaboração do Ministério da Saúde 
 .
A Polícia Judiciária deteve dois médicos por burla ao Estado e falsificação de receitas médicas. A Polícia Judiciária, através da Unidade Nacional de Combate à Corrupção (UNCC), no âmbito de um inquérito dirigido pelo Ministério Público (DCIAP) e relacionado com a investigação de fraudes ao Serviço Nacional de Saúde (SNS), deteve dois médicos, por crimes de falsificação de documento agravada e burla qualificada. Foram detidos os dois médicos, de 46 e 65 anos de idade, e apreendida diversa documentação e material relacionado com a prática da atividade criminosa em investigação.

Os detidos foram presentes a Tribunal, tendo-lhes sido aplicadas as medidas de coação de inibição da atividade médica, apresentações periódicas, proibição de se ausentarem do país e comunicarem com determinadas pessoas com ligação aos factos.

A investigação, que decorre desde 2011, está na fase final, e implicou, entre muitas outras diligências, a detenção de seis médicos, dois farmacêuticos, um técnico de farmácia e um empresário do ramo da saúde, a constituição de 16 arguidos e a inquirição de 190 utentes.O montante da fraude estima-se que ultrapasse um milhão de euros.

* Nem questionamos as medidas de coação aplicadas, continuamos espantados é com Ricardo Salgado, foi muito mais trafulha e anda á solta, não é por ser benemérito da Fundação Soares, certamente.


.
.
 2 -ILHA DO PRÍNCIPE

O ÉDEN ESQUECIDO
DO ATLÂNTICO





* As nossas séries por episódios são editadas no mesmo dia da semana à mesma hora, assim torna-se fácil se quiser visionar episódios anteriores.



.
.
 HOJE NO
"RECORD"

WTA oficializa fim do 
Portugal Open feminino

O circuito WTA confirmou esta terça-feira através do seu site oficial o cancelamento da vertente feminina do Portugal Open, depois de 16 anos em que o maior torneio de ténis português manteve a caraterística cada vez mais rara de ser um torneio misto. 
.
João Lagos havia anunciado o fim da prova feminina em outubro, numa última tentativa de conseguir assegurar o torneio masculino, mas a saída de cena do empresário e a salvação do torneio masculino por parte de novos promotores tinha deixado a porta aberta a uma eventual manutenção do caráter misto do torneio.

Desde 1999 pisaram os courts de terra batida do Complexo de Ténis do Jamor algumas das melhores tenistas do Mundo, como Na Li, Victoria Azarenka, Caroline Wozniacki, Eugenie Bouchard, Svetlana Kuznetsova, Samantha Stosur ou Maria Kirilenko. A última campeã foi a espanhola Carla Suárez Navarro, que havia perdido as finais de 2012 e 2013.

* Lamentável, também uma vergonha para quem tutela o desporto em Portugal.


.
.
III - A CIÊNCIA E O ISLÃO


1- O PODER
DA DÚVIDA



FONTE: BLEOGEO

 


* As nossas séries por episódios são editadas no mesmo dia da semana à mesma hora, assim torna-se fácil se quiser visionar episódios anteriores.



.
.

HOJE NO
"JORNAL DE NOTÍCIAS"

Nasceram menos crianças 
em Portugal até novembro 

O número de crianças nascidas em Portugal continuou a diminuir em 2014, mas o mês de novembro registou um aumento de 322 nascimentos, em relação ao mês homólogo de 2013, segundo dados do Teste do Pezinho. 
.
Segundo a responsável da Unidade de Rastreio Neonatal, Metabolismo e Genética do Instituto Nacional de Saúde Ricardo Jorge (INSA), Laura Vilarinho, de janeiro a novembro deste ano foram rastreados 75.985 recém-nascidos.
Em 2013, e no mesmo período, tinham sido estudados 76.043 recém-nascidos, mais 58 crianças do que este ano.

No mês de novembro registou-se um aumento de crianças 322 nascidas e rastreadas: 6.683 bebés este ano e 6.361 em 2013.

O Teste do Pezinho é um indicador do número de crianças nascidas em Portugal, uma vez que se trata de uma amostra de sangue colhida no pé da criança entre o seu terceiro e sexto dia de vida. Este exame permite rastrear 25 doenças.

* Plagiando o mestre Almada Negreiros, "o governo português é a nossa impotência".


.

EVA GASPAR

.


Números e causas
 da desigualdade

Que estamos mais pobres, não há grande dúvida - nós e boa parte do velho primeiro mundo. Mas estaremos, os portugueses, mais pobres e ainda menos iguais? Terão as políticas de austeridade agravado as desigualdades?
.
Uma das primeiras instituições que tentaram responder a esta pergunta foi o FMI. Nos seus cálculos, entre 2008 e 2012  - período que começa logo a seguir à crise financeira e que termina ainda com a troika cá dentro -, Portugal foi um dos países que seguiram políticas mais progressivas, ou seja, que penalizaram mais as famílias com maiores rendimentos. Sustenta o FMI que as medidas destinadas à redução do défice público geraram uma perda média de 6,3% no rendimento disponível (na Grécia, por exemplo, a redução foi de 11,6%), tendo os  20% mais pobres perdido 5% enquanto os 20% mais ricos perderam o dobro, um pouco mais de 10%.

Na semana passada, a OCDE divulgou uma tabela comparativa que abrange sensivelmente o mesmo período e que converge para conclusões idênticas: o rendimento real disponível dos portugueses (descontados os impostos e a variação dos preços) encolheu, em média, 2,3% por ano. Esse empobrecimento foi mais acentuado na Grécia (-8,3%), na Irlanda (-4,2%) e até em Espanha (-3,6%). E, ao invés do que sucedeu nestes três países, em Portugal os 10% mais ricos perderam mais (3,7%) do que os 10% mais pobres (1,9%).

Os indicadores de desigualdade mais recentes do Eurostat e INE resultam de inquéritos realizados em 2013 sobre os rendimentos de 2012 e descrevem uma evolução menos consistente. O coeficiente de Gini desceu de 0,345 em 2008 para 0,342 em 2012, o que significa que o país está menos desigual quando se observa como a população se distribui ao longo de toda a curva de rendimentos. Já quando se comparam os extremos, a distância de rendimento entre os 20% mais ricos e os 20% mais pobres manteve-se (em seis) mas o fosso entre os 10% mais ricos e os 10% mais pobres aumentou, de 10,3 para 10,7 – ou seja, os 10% mais ricos tinham, em 2012, quase 11 vezes mais do que os 10% mais pobres.

Que estamos mais pobres mas não mais desiguais é, portanto, uma conclusão frágil mas perfeitamente possível. A não ser que a comparação do Gini (considerado o indicador maior da desigualdade)  tenha por referência 2009, precisamente o ano escolhido por uma professora de economia que escreve no Expresso para acusar o primeiro-ministro de estar "no mínimo equivocado" -  tivesse Aurora Teixeira escolhido qualquer ano mais para trás ou para a frente e ter-se-ia dado conta de que a sua conclusão estaria, no mínimo, tão equivocada quanto a de Passos Coelho. Ou seja, a narrativa pode ser positiva ou negativa dependendo do ano escolhido para começar a contar a história  recente da desigualdade em Portugal.

Inequívoca é a constatação de que sempre fomos um dos povos mais desiguais da Europa - quando não fomos mesmo "o" mais desigual. Foi o caso em 2005. Nesse ano, com a economia a crescer quase 1% (em 2012 caiu 3,2%) e com o desemprego abaixo de 9% (em 2012 saltou para 15,5%), Portugal foi o recordista da desigualdade na União Europeia, à frente de Bálticos, Roménia e Bulgária, com o Gini a atingir 0,381 e os 10% mais ricos a acumular rendimentos 12 vezes superiores aos dos 10% mais pobres.

Porque é que isto acontece?
Foi também o FMI quem, no início de 2013, primeiro ensaiou uma tentativa de resposta, e, embora haja muitos factores onde se podem procurar explicações para as assimetrias (níveis salariais e de instrução díspares, carga fiscal mal distribuída, evasão fiscal, corrupção), o Fundo foi directo à forma como são repartidas as verbas públicas postas ao serviço do Estado social.

E a conclusão foi a de que "por comparação com vários outros países da OCDE e da UE, as transferências sociais em Portugal asseguram mais benefícios aos grupos sociais com maiores rendimentos, agravando as desigualdades". Em 2009, ano que tomam por referência, os 20% mais ricos receberam 33,8% de todas as prestações sociais enquanto os 20% mais pobres receberam apenas 13,2%. Em média na UE, o quintil superior recebeu 24,8% das prestações sociais, enquanto o quintil inferior ficou com 16,3%.

Há duas semanas, usando agora dados de 2011, a OCDE chegava a uma conclusão semelhante: em Portugal, 40% das transferências sociais em dinheiro são canalizadas para os 20% mais ricos. Apenas o México apresenta uma concentração maior no quintil de topo da distribuição do rendimento (cerca de 55%). Para os 20% mais pobres, Portugal destina pouco mais de 10% do total das transferências em dinheiro. Na Austrália, Noruega e Dinamarca a proporção é a inversa.

Porque falham tanto as políticas sociais em Portugal na missão de contribuir para uma sociedade mais igualitária?

Mais de 80% do total das transferências sociais são pensões, e é graças a elas que muitos pensionistas escapam à pobreza e que os mais idosos têm também consolidado o seu estatuto de grupo etário relativamente mais rico.

Sucede que o sistema de pensões padece de vários entorses: "protege a actual geração de reformados enquanto coloca o fardo do ajustamento nos seus filhos e netos" e nem sequer é equitativo no presente, porque "40% da despesa com pensões beneficia os 20% que têm rendimentos mais altos", concluía então o FMI.

Parte da explicação desta assimetria reside no facto de os ex-funcionários públicos, que representam cerca de 15% de todos os aposentados, absorverem 35% de todos os gastos em pensões. "A pensão média da Caixa Geral de Aposentações (1.146 euros vezes 14 meses) é quase três vezes maior do que a pensão média no regime geral da Segurança Social (393 euros)". Mesmo assumindo que na vida activa tenha auferido o mesmo e realizado os mesmos anos de desconto, um reformado do sector público recebe uma reforma 15% superior à de um trabalhador do privado, concluia o Fundo.

Vivemos num país onde os quase três milhões de aposentados e reformados são hoje - e sê-lo-ão durante largos anos – o grupo eleitoralmente mais cobiçado, porque decisivo; e onde um Presidente da República, feitas as contas, optou por trocar o salário que destinamos ao mais alto dignatário da Nação pela reforma que trouxera do Banco de Portugal. Da próxima vez que ouvir Bagão Félix, Manuela Ferreira Leite, Freitas do Amaral ou Maria do Rosário Gama defenderem o "mexilhão", pense nisto.

IN "JORNAL DE NEGÓCIOS"
18/12/14


.
.


378.UNIÃO


EUROPEIA













.
.
HOJE NO
"JORNAL DE NEGÓCIOS"

Produção industrial sofreu em 
Novembro a maior queda do ano

Todos os agrupamentos industriais apresentaram taxas de variação homólogas inferiores às observadas em Outubro, refere o INE.
 .
Depois de ter estagnado em Outubro, o índice de produção industrial apresentou em Novembro a variação homóloga mais negativa de, pelo menos, os últimos doze meses, ao recuar 2%, revelam dados divulgados nesta terça-feira, 30 de Dezembro, pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).
 .
Todos os agrupamentos apresentaram taxas de variação inferiores às observadas em Outubro, destacando o INE os contributos negativos dos agrupamentos de Bens de Consumo e de Bens Intermédios, que recuaram em termos homólogos 6,2% e 2,5% (após descidas de 4,1% e 1,8% em Outubro).

Já os agrupamentos de Bens de Investimento e de Energia mantiveram em Novembro uma evolução positiva, mas em desaceleração, ao subirem 0,7% e 4,9%, respectivamente, contra 4,1% e 8,5% no mês anterior.

* Fumo negro mas o governo diz que a economia está melhor, mas também é só o governo e seus satélites que têm esta opinião.

.
.
14-BEBERICANDO



Strawberry Diaquiri é um dos mais populares drinks de sobremesa com álcool. É feito com Rum, licor de morango, sumo de lima e acúcar q.b.. Misture todos os ingredientes num shaker já com gelo e verta a mistura num copo de coktail  e decore com morangos frescos. Beba de mão dada com alguém.


.
.

3-HISTÓRIA NATURAL

DO COMPORTAMENTO 




POR: DAVID ATTENBOROUGH


.
.
HOJE NO
"DESTAK"

EDP vende 50% da EDP Ásia à ACE 

A EDP anunciou hoje que acordou com a ACE Asia, participada pela CWEI Hong Kong, da CTG, a venda de 50% da sua subsidiária EDP Ásia, Investimento e Consultoria, com um ganho de capital de 110 milhões para a elétrica portuguesa. 
 .

 Em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a EDP adianta que "a EDP Ásia detém uma participação de 21,2% na Companhia de Electricidade de Macau - CEM, a empresa que atua como concessionária exclusiva nas atividades de transmissão, distribuição e comercialização de energia elétrica na Região Administrativa Especial de Macau desde 1985". 

A ACE Asia é participada pela CWEI Hong Kong Company, uma subsidiária integral da China Three Gorges (CTG), acionista de referência da elétrica portuguesa. 

* Já não há "eléctrica portuguesa" a EDP pertence ao governo da China.
** A EDP Ásia não mudou de dono, este tem vários pseudónimos.

.
.

AMÉLIA MUGE



.
.
HOJE NO
"i"

Salgado financiou Fundação Mário Soares

O grupo BES financiou a Fundação Mário Soares, segundo avança a edição desta terça-feira do “Correio da Manhã”.
Desde 2011, o grupo que era liderado por Ricardo Salgado terá dado um apoio financeiro de 570 mil euros à referida fundação. Desde este ano que o BES era o principal financiador da fundação. 
 .

O último financiamento foi concedido em Março de 2013. 

O apoio foi concedido através de contratos de mecenato. 

Em Setembro, numa intervenção na RTP, Mário Soares defendeu Ricardo Salgado: “Quando ele falar, e vai falar, as coisas vão ficar de outra maneira. Ao princípio era tudo banditismo, mas agora os portugueses já perceberam que não é assim”.

* De quem é que Ricardo Salgado não foi patrão????

.
.

EXPLOSÃO SOLAR



A NASA captou uma erupção solar gigante (classe X) na superfície do Sol. O acontecimento foi fotografado no dia 19 de dezembro pelo Observatório da Dinâmica do Sol (SDO), que observa o astro diariamente há quase quatro anos. A verde e a azul, é possível ver a emissão de raios X de alta frequência a partir da superfície do astro e a vermelho a luz ultravioleta captada pelo SDO


As erupções solares são grandes explosões de radiação na superfície do sol, causadas por mudanças repentinas no campo magnético. Estas são classificadas consoante três classes, C, M e X, sendo que estas últimas são as mais intensas. A radiação de algumas erupções mais pequenas não consegue passar pela atmosfera terrestre e não afeta o planeta Terra. Contudo, as mais intensas podem chegar à atmosfera e perturbar os sinais de GPS e as telecomunicações.

.
.
HOJE NO
"A BOLA"

FIFA congratula-se com decisão do TAS

A FIFA congratulou-se, esta terça-feira, com a decisão do Tribunal Arbitral do Desporto (TAS) de manter a proibição do Barcelona inscrever novos jogadores até janeiro de 2016.
.
Em comunicado divulgado no seu site oficial, a FIFA considera a decisão do TAS como «um claro apoio» à proteção de futebolistas menores de idade.

A FIFA sublinha que a proteção dos jogadores menores é um dos seus pilares e que possui um organismo especializado «responsável pela aprovação das transferências internacionais e primeiras inscrições de jogadores estrangeiros menores de idade».

* Consideramos a decisão do TAS acertada.


.
.


QUANTO NÃO VALE


UM SORRISO!
















.
.
 
HOJE NO
 "AÇORIANO ORIENTAL"

Miguel Albuquerque quer unir partido e vencer eleições antecipadas regionais

O presidente eleito do PSD/Madeira, Miguel Albuquerque, afirmou que pretende vencer as eleições legislativas regionais antecipadas com maioria absoluta.
 
"Neste momento, é vencer as eleições com maioria absoluta", disse Miguel Albuquerque, no discurso de vitória, no Funchal, depois ter sido declarado vencedor da segunda volta das eleições internas do PSD/M, com 64,06%, contra 35,94% de Manuel António Correia.
.
Miguel Albuquerque referiu que o PSD/M viveu hoje um "dia histórico" e que os militantes votaram "livremente e deram uma lição de maturidade democrática".

"A partir de agora não existem adversários, mas companheiros de jornadas", disse, salientando ter sido aberto "um novo ciclo político para o PSD e para a Madeira".

O líder eleito do PSD/M prometeu apresentar um novo "horizonte de esperança" aos madeirenses e portosantentes, tendo defendido a necessidade de "romper bloqueios e isolamentos" e ganhar "notoriedade".

"Há que estabelecer pontes permanentes de diálogo com o Estado e a República", defendeu, prometendo mobilização para vencer as próximas eleições regionais, que, na sua opinião, “devem ser antecipadas".

Para o novo líder eleito do PSD-M, o partido "não deve jogar à defesa" e ganhará "de forma concludente" as eleições antecipadas que deverão acontecer em março ou abril do próximo ano.
Miguel Albuquerque revelou ainda que Alberto João Jardim e Pedro Passos Coelho já o felicitaram pela vitória no ato eleitoral.

O ex-presidente da Câmara Municipal do Funchal venceu a segunda volta das eleições internas no PSD-Madeira, ao obter 64,06 por cento votos contra 35,94 por cento do seu adversário, Manuel António Correia.

Albuquerque tornou-se no primeiro militante do PSD-M a suceder a Alberto João Jardim em 40 anos de poder político na região.

O novo líder do PSD-M que será consagrado no congresso regional do partido, a 10 e 11 de janeiro, como candidato à presidência do Governo Regional nas eleições legislativas regionais antecipadas de 2015.

Miguel Albuquerque sucede a quarenta anos de liderança de Alberto João Jardim à frente do PSD-M.
Miguel Albuquerque e Manuel António Correia disputaram hoje, numa segunda volta das eleições internas, a liderança do PSD/Madeira, um cargo que sempre foi ocupado pelo cofundador do partido, Alberto João Jardim.

Na primeira volta, que aconteceu a 19 de dezembro e contou com seis candidatos, Miguel Albuquerque, o ex-presidente da câmara do Funchal, foi o mais votado, obtendo 2.992 (47,2%) dos votos dos 6.373 militantes que exerceram o seu direito de escolha.

Quanto a Manuel António Correia, o atual secretário do Ambiente e Recursos Naturais do governo madeirense, conseguiu nessa eleição a preferência 28,7% dos militantes votantes (1.819).

Esta é a terceira vez que Miguel Albuquerque vai a votos numa corrida à liderança do partido na região, tendo em 2012 defrontado Jardim numas eleições internas, nas quais foi derrotado por 142 votos.

No início do processo eleitoral, Alberto João Jardim chegou a declarar o seu apoio à candidatura de Manuel António Correia.

Alberto João Jardim já tornou pública a sua intenção de apresentar a demissão do cargo de presidente do Governo Regional da Madeira, que ocupa há quase quatro décadas, ao representante da República, o juiz conselheiro Ireneu Barreto, dois dias depois, o que coloca o cenário de eleições legislativas antecipadas na região.

* A saída sem glória dum "tiranossaurio"


.
.

LIMPANDO O PASSEIO

.
.
HOJE NO
 "DIÁRIO ECONÓMICO"

Privados criticam ajuda de Estado de
 455 milhões aos hospitais públicos

APHP está contra aumentos de capital em 18 hospitais públicos. Argumentam que servem para sustentar "interesses instalados e inamovível" que são "sorvedouros de dinheiro público". 

 A Associação Portuguesa de Hospitalização Privada (APHP) manifesta-se "absolutamente contra" a recém-anunciada ajuda de Estado, no valor de 455 milhões de euros, a diversos hospitais públicos. 
 Em causa está a recente autorização do Governo para realização de aumentos de capital em 18 hospitais públicos, com o objectivo de impedir a acumulação de dívidas em atraso e levar os fundos próprios destes hospitais para valores positivos.


Em comunicado, a APHP considera que "este tipo de prenda natalícia anual poderá responder às inquietações imediatas de tesouraria, mas, na prática, só contribui para sustentar interesses instalados e inamovíveis, que funcionam como verdadeiros sorvedouros de dinheiro público".

Para o presidente da APHP, Artur Osório Araújo, "estes subsídios são crónicos e significam que, na saúde, não só não estão a ser feitas reformas estruturais, como se procura branquear a insustentabilidade. Representam uma absoluta distorção da concorrência no sector da prestação de cuidados de saúde, que tem inclusive sido severamente condenada pelo Tribunal Europeu de Justiça, ao apreciar recentemente auxílios similares ocorridos na Bélgica".

Para a APHP aquela verba para regularização de dívidas em atraso (vencidas ou contraídas até 30 de Setembro de 2014) é canalizada "ao arrepio do direito comunitário". Sustenta aqui que os auxílios estatais estão sujeitos a um princípio de proibição previsto no Tratado da União Europeia, na medida em que ao favorecer-se algumas empresas causam-se prejuízos aos concorrentes do mesmo país ou de outros Estados-Membros.

"Se estão proibidas, no contexto Europeu, as subvenções do Estado com vista à manutenção em actividade de uma empresa deficitária, sem perspectivas de viabilidade natural, não se deveriam manter, artificialmente, por tempo indeterminado, hospitais-empresa estatais", afirma Artur Osório Araújo, presidente da APHP, para o qual "Portugal precisa gastar recursos com a saúde dos portugueses, mas tem de gastar melhor".

Uma estratégia de longo prazo
Segundo a APHP, no contexto de crise económica e austeridade, os hospitais privados portugueses estão disponíveis para participar no equilíbrio da despesa pública através do fornecimento de serviços à Segurança Social ou ao Serviço Nacional de Saúde, aumentando as oportunidades de acesso; permitindo uma melhor protecção na saúde; bem como ao Estado poupar no investimento de capital, estabelecer um imposto sobre rendimentos e desempenhar um papel de moderador de custos.
Para Artur Osório Araújo, "é fundamental a adopção de um sistema centrado na liberdade de escolha, através de uma alternativa criada pela pluralidade de prestadores. É fundamental um modelo de prestação de cuidados de saúde que responda às obrigações de um serviço de interesse económico geral (SIEG) sustentável".

Um modelo, diz, que deve ser gerido de "forma justa e capaz de garantir determinados objectivos", entre os quais a equidade nas condições de acesso dos cidadãos e na certificação dos prestadores, bem como o financiamento determinado por critérios de remuneração correctos, transparentes e homogéneos, tanto nos hospitais públicos, como nos privados. Entre outros objectivos destaca ainda a informação transparente aos cidadãos respeitante ao fornecimento dos serviços; padrões de qualidade estandardizados para todos os prestadores, monitorizados e avaliados por entidades independentes; tal como a pluralidade dos prestadores, públicos ou privados, oferecendo aos cidadãos alternativas concretas.

* Verdadeiros sorvedouros de dinheiros públicos são os hospitais privados que só existem porque o Estado remete para os "hospitéis" milhares de cidadãos/ano que poderiam ser melhor atendidos no público, se a factura paga aos negociantes da saúde revertesse para o sector do Estado. 
Nós não hesitamos, recorremos sempre aos hospitais públicos, que têm de longe mais qualidade, com profisionais de excelência, experiência própria, que podemos comprovar em qualquer altura.

**No gráfico do INE aprecie-se a verba que o Estado "arrota" para o sector privado hospitalar, quando este recebe uma percentagem ridícula de doentes em comparação com o serviço público, são doentes pagos a peso de ouro.


.
.


VAI P'RA ESTRADA?


NO NATAL MORRERAM



14


FORA OS QUE FORAM

MORRER AOS HOSPITAIS
















.
.
HOJE NO
 "CORREIO DA MANHÃ"

Leitores do CM ajudam mãe com fome

 Onda de solidariedade apoia mãe que tem dois filhos gémeos com leucemia. 

 Os leitores do CM não ficaram indiferentes à história de Liliana Ferra, uma desempregada de 31 anos que sustenta, com apenas 360 euros por mês, os quatro filhos menores – os gémeos Henrique e Guilherme, de quatro anos, sofrem de leucemia. 
 .

Durante a tarde de ontem, foram depositados mil euros na conta da família, que também recebeu dezenas de mensagens na página de Facebook Quero apenas vencer de leitores que pretendem ajudar com alimentos. 

Como ainda tem em casa comida que lhe deram no Natal, Liliana vai utilizar agora parte do dinheiro para pagar algumas das dívidas acumuladas nos últimos anos e que já somam mais de 2000 euros. "Vou tentar liquidar as dívidas, tentar limpar um bocadinho o meu nome", explicou ao CM a mãe dos gémeos com leucemia. 

* E o sr.ministro Mota da lambreta não olha para este caso especial da mãe Liliana? Sabemos que há muitos casos especiais a que o sr. ministro Mota da lambreta também não liga e nós não temos capacidade para identificar. Não queremos saber neste momento dos possíveis erros que esta mãe terá cometido na vida, queremos saber dela e dos seus quatro filhos por questões humanitárias. Ajudemo-la!



.
.
ESTRADA É ESTRADA

.
.
HOJE NO
 "PÚBLICO"

Portugueses fizeram mais 
pagamentos com cartões mas
 levantaram menos dinheiro

Os portugueses aumentaram ligeiramente as compras no período de Natal, a avaliar pelo montante de compras pagas através dos Terminais de Pagamento Automático da Rede Multibanco, que subiram 4,8%, para 3460 milhões de euros, no período compreendido entre o dia 24 de Novembro e o dia 28 de Dezembro, comparativamente a igual período do ano passado.

Os dados divulgados esta terça-feira pela SIBS mostram um ligeiro decréscimo dos levantamentos realizados através das Caixas Automáticos da Rede Multibanco, que totalizaram 2766 milhões de euros, menos 0,5% que em igual período do ano passado.
 .
O valor médio levantado por dia ascendeu a 66 euros, idêntico ao realizado no ano anterior; e nas compras, o valor médio dos pagamentos em lojas foi de 41 euros, contra 42 euros no período homólogo.

A SIBS, a entidade responsável pela rede Multibanco, adianta que “nesta semana, e em comparação com o ano anterior, registou-se um aumento global (levantamentos e compras) de 3,9% no número de operações e de 2,5% no montante transaccionado”.

A título de curiosidade e apenas para o período entre 1 a 15 de Dezembro de 2014, a SIBS adianta que as compras efectuadas nos supermercados representam cerca de um terço do total de compras efectuadas nos terminais de pagamento da Rede Multibanco, perfazendo cerca de 390 milhões de euros.

As compras efectuadas no comércio a retalho também representaram cerca de um terço do total de compras efectuadas nos terminais de pagamento, perfazendo cerca de 493 milhões de euros. As compras realizadas nestes estabelecimentos aumentaram 6,8% em número e cerca de 6% em valor.
Nos pagamentos efectuados nos restaurantes e hotéis verificou-se um aumento de 10% em número e 8,3% em valor, num total de mais de 106,5 milhões de euros transaccionados.

Já os pagamentos nas gasolineiras registaram um decréscimo de cerca de 3% em número e 7,8% em valor, mas perfazem cerca de 99 milhões de euros transaccionados.

No período em causa, foram registadas mais de 504 mil compras pela Internet, num valor de cerca de 36,5 milhões de euros, o que representa um crescimento de 8% em número e de 4% em valor. O valor médio das compras na Internet é de 72 euros (o valor médio das compras presenciais ronda os 40 euros).

Foram ainda registadas cerca de 110 mil compras com o serviço MB NET, num valor de cerca de 5,5 milhões de euros, o que representa um crescimento de 9%, tanto em número como em valor. O valor médio das compras efectuadas com o serviço MB NET é de 49,5 euros.

* Quem gastar a mais neste final de ano de 2014, vai pagar com língua de palmo em 2015.



.