terça-feira, 23 de dezembro de 2014

UMA GRAÇA PARA O FIM DO DIA

.















.
.

O QUE NÓS

"CUSCAMOS"!


MEGACUSCAS/23
O RATO, O PÁSSARO
E A SALSICHA 
(CONTOS MACABROS)

video


.
.

A PRENDA PERFEITA/1

















.
.
.

LITERATURA PARA
PREGUIÇOSOS/12 
MISTO QUENTE 


CHARLSE

BUKOWSKI


video



AUTOR: IGOR ALCÂNTARA

.
.
HOJE NO
"DESTAK"

Tratado sobre comércio de armas
. clássicas entra em vigor na quarta-feira 

 O primeiro tratado internacional sobre o comércio de armas clássicas, negociado em 2013 sob a égide da ONU, entra em vigor na quarta-feira, o que foi saudado pelos defensores dos direitos humanos. 
O RESULTADO  DAS ARMAS CLÁSSICAS
 O tratado tem de ser ratificado por um mínimo de 50 Estados para entrar em vigor 90 dias depois. 

Até ao momento, 130 países assinaram o tratado e 60 ratificaram-no, tendo Israel sido o último Estado a depositar, na quinta-feira, os instrumentos de ratificação do acordo junto das Nações Unidas em Nova Iorque. 

* Uma farsa, uma fantochada, só não dizemos que é um número de circo por respeito aos profissionais circenses.

.
.
 1 -ILHA DO PRÍNCIPE

O ÉDEN ESQUECIDO
DO ATLÂNTICO

video


.
.

HOJE NO
"i"
Submarinos
Saiba como a investigação falhou

DCIAP extraiu certidão para investigar suspeitas de administração danosa dos Estaleiros Navais de Viana do Castelo

No despacho de arquivamento de 333 páginas, os procuradores do DCIAP que herdaram o processo dos submarinos em Outubro de 2013 e arcaram com o ónus de encerrar o processo sem um único acusado, tentam por tudo explicar como razões externas aos investigadores portugueses ditaram o arquivamento do processo, oito anos depois do início da investigação e dez anos depois da assinatura do contrato de compra dos submarinos pelo Estado português.
.
O problema começou, desde logo, com a atitude da justiça alemã, que resolveu sonegar informações das autoridades portuguesas. A justiça daquele país ou não respondeu às cartas rogatórias ou alegou que, em conformidade com o direito alemão, não podia dar as respostas tão desejadas. “Muito se estranha que as autoridades alemãs nunca tenham facultado a documentação que lhes foi rogada e que era indispensável”, diz o despacho de arquivamento.

Na pouca informação enviada, que diz respeito unicamente ao processo que correu na Alemanha, os investigadores confirmaram que Jurgen Adolff, ex-cônsul de Portugal em Munique, terá recebido mais de 1 milhão de euros do consórcio alemão depois de ter oferecido os seus préstimos ao German Submarine Consortium, com a garantia de que conseguiria convencer decisores políticos em Portugal. 

O problema, explicam os procuradores, é que há testemunhas do processo que garantem que foi feito “um acordo de sigilo” para que determinados dados do processo nunca fossem revelados e que esses dados ficaram guardados “em segurança através de um código numérico”. Além disso, o Ministério Público nunca conseguiu os dados bancários que permitiriam fazer a reconstituição do serviço financeiro e desvendar se teria circulado dinheiro entre a Man Ferrostall, o ex-cônsul, quadros da Marinha e responsáveis políticos portugueses. Como se tudo isto não bastasse, o DCIAP não tinha o poder de o constituir arguido, devido à figura da lei do “ne bis in idem”, que dita que ninguém pode ser julgado pelos mesmos factos duas vezes.

O circuito financeiro montado pela Escom (a empresa do GES que recebeu a comissão de cerca de 30 milhões de euros por alegados serviços de consultoria prestados ao consórcio alemão), que passou por mais de uma dezena de sociedades, em vários paraísos fiscais, era tão complexo e passava por tantas jurisdições que os procuradores Josefina Fernandes e Júlio Braga foram obrigados a assumir o fracasso: tinha sido impossível reconstituir o rasto completo do dinheiro. Constatou-se que “cerca de 27 milhões de euros ficaram, ao que tudo indica” na posse dos três administradores da Escom, do intermediário entre a Escom e os alemães (Miguel Horta e Costa), e de membros do Conselho Superior do Grupo Espírito Santo.

Os arguidos terão argumentado que parte dos milhões foram gastos em custos com advogados e constituição de sociedades mas, segundo o despacho de arquivamento, “não comprovaram”. Acresce, diz o despacho, que o circuito utilizado, “leva a suspeitar que existiram desígnios ocultos” que a prova recolhida não permitiu esclarecer.

O Ministério Público deixou cair as suspeitas sobre os únicos arguidos do processo: os administradores da Escom (Helder Bataglia, Luís Horta e Costa e Pedro Ferreira Neto), e o intermediário Miguel Horta e Costa. E a fraude fiscal tinha ficado sanada com a adesão ao RERT. Não ficou provada a corrupção e era inútil continuar a investigá-la: os factos teriam prescrito em Junho deste ano.

Restaram pelo menos duas dúvidas, razão pela qual os procuradores do DCIAP resolveram extrair duas certidões: uma para investigar “suspeitas de administração danosa dos Estaleiros Navais de Viana do Castelo”; outra remetida às Finanças de Lisboa, para analisar a situação tributária de Tiago Mosqueira do Amaral e de duas filhas de um contra-almirante da Marinha. 

* Sem criticar os investigadores, nem imaginamos as dificuldades experimentadas, este caso não deixa de ser um rotundo falhanço da justiça portuguesa.


.
.
.
 II - A CIÊNCIA E O ISLÃO


6- O IMPÉRIO
DA RAZÃO
video



FONTE: BLEOGEO
 

** As nossas séries por episódios são editadas no mesmo dia da semana à mesma hora, assim torna-se fácil se quiser visionar episódios anteriores.


.
.
HOJE NO
"A BOLA"

«Daria a Bola de Ouro a Ronaldo»,
 diz presidente da Liga espanhola
 .
O máximo dirigente da Liga, Javier Tebas, defendeu que Cristiano Ronaldo (Real Madrid) deveria este ano voltar a conquistar a Bola de Ouro.

«Daria a Bola de Ouro a Cristiano Ronaldo, acho que foi o melhor jogador do ano. Messi esteve bem, mas não a esse nível. Outras vezes daria o prémio a Messi, só que agora acho que merece Ronaldo», afirmou Javier Tebas, em declarações à rádio da Marca.

O presidente da Liga espanhola de futebol considera que o goleador português esteve acima do rival argentino durante 2014.

«Estou a falar deste ano. Messi tem mais temporadas na super elite do futebol, mas agora Cristiano Ronaldo está a um nível superior e o Messi um pouco pior que ele.»

* Ronaldo e Messi são dois fora de série, difícil dizer quem é o melhor a não ser avaliando a época de ambos, nesta, Ronaldo vai à frente, Platini é o último.



.

FRANCISCO LOUÇÃ

.


Quantos pregos pregam 
os governantes no 
caixão da Europa?

Há uma semana, em conferência de imprensa, Moscovici, o comissário europeu que tutela os orçamentos nacionais, ameaçou diversos governos quanto ao cumprimento das metas do Pacto de Estabilidade. No mesmo dia, Dijsselbloem, presidente do eurogrupo, reforçou a mesma ameaça. Ambos são membros de partidos socialistas (com o detalhe picante de Moscovici ter sido um dos membros do governo francês que preparou o orçamento que agora critica como comissário europeu). Está tudo dito?

Pela mesma altura, Merkel deu uma entrevista ao Die Welt, manifestando o seu acordo com o prazo de três meses dado pela Comissão à França e Itália, mas exigindo que os dois governos apresentem mais “reformas estruturais”. O comissário alemão já tinha escrito que a reforma que acha prioritária para França é a da segurança social.

Entretanto, Juncker anunciou o seu plano para o investimento, uma fraude que não entusiasmou nem os mercados nem convenceu a opinião pública. Enfraquecido pelos sucessivos detalhes do escândalo fiscal do Luxemburgo, e sobretudo pela revelação de como foram subtraídos valores importantes de impostos devidos nos outros países europeus, Juncker tornou-se o mais fraco dos presidentes em tempos de crise, e depois de Barroso já não se pensava que fosse possível piorar. Neste contexto de fragilidade, a intervenção de Merkel na gestão da crise orçamental com a França e a Itália é ainda mais reveladora de como Berlim tomou a Europa em mãos.

Temos portanto um presidente de uma Comissão zombie, uma Alemanha impante, uma França e uma Itália encurraladas, uma Inglaterra a fugir, uma economia a degradar-se e as fronteiras do leste em fogo.

Teresa de Sousa, a última europeísta sem cinismo, descreveu uma parte destas tensões num artigo recente aqui no PÚBLICO, “Mais um prego”: “O resto da frase até me custa a escrever, não vá ser mau agoiro: ‘…no caixão da Europa’. Refiro-me às medidas que David Cameron anunciou para conter a imigração, incluindo os cidadãos da própria União Europeia.” Os vírus das direitas nacionalistas, do UKIP britânico a Le Pen, são depois descritos por Teresa de Sousa como os perigos que nos infectam. Mas os pregos no caixão são os dos governantes, os responsáveis pela Europa.

São eles os maiores perigos: Cameron limitando a circulação de imigrantes, incluindo dos europeus (quando começa com uns acaba chegando a todos, é bom de ver), Merkel favorecendo Le Pen com as suas atoardas anti-francesas, Renzi a provocar uma greve geral, Hollande perdido no seu labirinto, os socialistas e a direita de acordo com a receita recessiva.


IN "PÚBLICO"
19/12/14

.
.


371.UNIÃO


EUROPEIA












.
.
HOJE NO
 "AÇORIANO ORIENTAL"

Associação Contra Exclusão 
aponta problemas de acesso 
a medicamentos nas cadeias 

A Associação Contra a Exclusão pelo Desenvolvimento (ACED) denunciou a existência de problemas de alimentação, sobrelotação e acesso a medicamentos nas cadeias portuguesas e lamentou a falta de dados estatísticos sobre o assunto.
  .
“Tememos que haja qualquer coisa de grave a passar-se nas cadeias sem nós sabermos porque não temos dados [oficiais] sobre isso, mas sabemos que existem problemas relacionados com a alimentação, acesso à saúde, acesso a medicação bem como sobrelotação nas cadeias”, acrescentou o sociólogo António Pedro Dores.

“Em 1997, soube-se em 2001, que o número de mortes [nas cadeias] em Portugal era do dobro da dos 10 países do Conselho da Europa, daí que depois tivesse havido a preocupação por parte das autoridades de diminuir a população prisional”, observou, acrescentando que os prolemas existentes nas cadeias são de difícil perceção e conhecimento, uma vez que não existem dados oficiais sobre esses problemas.

As notícias que nos chegam, a nível de queixas de presos, não são tranquilizantes a esse nível, ainda que não existam quaisquer dados sobre isso. Os que existem são do Conselho da Europa, segundo a ACED.

Os reclusos em prisão preventiva representam 17 por cento do número total de presos nas prisões portuguesas, indicam dados da Direção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais (DGRSP).
Segundo a DGRSP, o número de reclusos nas prisões portuguesas, a 01 de dezembro, era de 13.989, dos quais 2.392 estavam em prisão preventiva.

Os dados estatísticos da DGRSP indicam também que a sobrelotação nas cadeias portuguesas é de 11%, ou seja, ultrapassa em 1.398 os lugares existentes.

As estatísticas provisórias da DGRSP referem ainda que 17,7% dos reclusos são estrangeiros e 94% são homens.

* A reclusão terá de servir para recuperar pessoas, se as condições de vida na cadeia são desumanas não vale apena existirem presos.


.
.

13-BEBERICANDO


Screaming Orgasm, existem muitas versões de Orgasm cocktails, sendo o Scream Orgasm uma das mais populares. Num shaker deite Vodka, Bailey's e Kahlua com gelo, misture bem, verta num copo, guarneça com cerejas e sirva.

.
.


2-HISTÓRIA NATURAL

DO COMPORTAMENTO 

video



POR: DAVID ATTENBOROUGH


.
.
HOJE NO
 "DIÁRIO ECONÓMICO"

Peso dos impostos nas famílias no
 nível mais alto dos últimos 15 anos

Os impostos representam já 11,6% do rendimento disponível, o nível mais elevado desde 1999, mostram dados do INE.

O enorme aumento de impostos em vigor desde 2013 e o combate à fraude e evasão fiscal estão a colocar o volume de impostos arrecadados em níveis recorde. Mas não só. Os impostos representam já 11,6% do rendimento disponível, o nível mais alto desde 1999.

Os números divulgados hoje pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) mostram bem o fardo que os impostos são neste momento para os orçamentos familiares. No ano terminado no terceiro trimestre quase 12% do rendimento disponível das famílias serviu para pagar as contas ao Fisco.

No primeiro trimestre antes da chegada da troika (entre Janeiro e Março de 2011), os impostos valiam 7,7% do rendimento disponível das famílias.

Apesar do elevado peso, os portugueses parecem estar a regressar a hábitos anteriores ao período do ajustamento. As despesas com o consumo aumentaram 0,7% no ano terminado no terceiro trimestre, compensando assim um ligeiro aumento (0,1%) no rendimento disponível. Conclusão: a poupança voltou a cair. Um recuo de 5,2% que atirou a taxa de poupança para os 9,7% (10,3% no trimestre anterior).

Este comportamento das famílias determinou uma diminuição na capacidade de financiamento, de 5,7% para 5,4% PIB, entre os segundo e terceiro trimestres. No total, a economia melhorou a sua capacidade de financiamento (de 1,6% do PIB para 1,9% do PIB), graças ao melhor desempenho das administrações públicas e da banca.

* Os portugueses não estão sujeitos a cobrança de impostos, estão sob um assalto fiscal taliban.

.
.

Elvis Presley


Blue Christmas

video

.
.
HOJE NO
 "CORREIO DA MANHÃ"

Portugal é 8.º país onde álcool
 mata mais na estrada 

Conclusão é de uma seguradora que teve em conta acidentes na União Europeia. 

Portugal é o 8º país da UE onde mais pessoas morrem nas estradas em acidentes relacionados com a ingestão de bebidas alcoólicas. A conclusão é de uma seguradora, que analisou os índices de mortalidade em acidentes rodoviários da Organização Mundial de Saúde. 


Segundo a análise, 13,6% dos acidentes mortais nas estradas portuguesas estão diretamente relacionados com o consumo de álcool, percentagem apenas ultrapassada na UE por países como a República Checa, a Hungria ou a Roménia. 

* Sempre defendemos penalizações pedagógicas mas pesadas para quem conduz com álcool, o automóvel conduzido por um bebedo é uma arma mortífera.

.
.

INVENÇÕES BIZARRAS

video

.
.

HOJE NO
"O PRIMEIRO DE JANEIRO"

Já acordo para entre os municípios envolvidos 
Circunvalação vai ser requalificada 

O presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, revelou que já está "consensualizado" um acordo com os municípios de Matosinhos, Maia e Gondomar para a requalificação urbana da estrada da Circunvalação. 
 .

O autarca, que falava na sessão da extraordinária da Assembleia Municipal do Porto, não deu detalhes sobre a intervenção prevista, mas o vereador portuense do Urbanismo, Correia Fernandes, disse à agência Lusa que se baseará em "pequenas obras" para que a Circunvalação seja "mais atrativa" para os peões. 

Na maior parte do seu percurso, esta via urbana rodoviária serve de fronteira entre os três concelhos. É atravessada por duas autoestradas e nas suas margens erguem-se equipamentos sociais de grande dimensão como o Hospital de São João.

 O perfil da via irá manter-se. Correia Fernandes frisou que as principais intervenções incidirão na "malha fina", não estão previstas grandes obras e haverá preocupação em reforçar a ligação urbana entre os quatros municípios. Vão ser arranjados os passeios e a placa central, podendo esta acolher uma ciclovia. Gondomar salvaguardou a possibilidade de um dia ser construída uma segunda linha de metro entre o município e o Porto, um projeto entretanto suspenso pelo atual governo. 

A Circunvalação poderá passar a chamar-se "Circunligação", resumiu Correia Fernandes. O vereador adiantou ainda que o próximo passo, previsto já para janeiro, será a constituição de um "grupo técnico" que irá detalhar a requalificação daquela via, que tem sido sucessivamente adiada, nomeadamente, por divergências entre o ex-autarca portuense Rui Rio e o seu homólogo de Matosinhos, Guilherme Pinto. 

Correia Fernandes não se comprometeu com uma data para o início das obras e disse esperar que o investimento possa ser pago com dinheiro europeu. 

* É muito importante que municípios vizinhos  unam esforços para benefício das populações, um bom exemplo, o da notícia.


.
.

 ENGENHO,ARTE

E SACANICES
















.
.
HOJE NO
 "DIÁRIO DE NOTÍCIAS"

Pai de aluno agredido diz que 
Pupilos do Exército recusam 
dar boletim de transferência

O Instituto dos Pupilos do Exército (IPE) recusou dar, ao pai de um aluno agredido a 4 de dezembro, o boletim de transferência para outra escola pública. 

A informação foi dada esta terça-feira por aquele pai ao DN, que não conseguiu obter um comentário do Exército.

O Exército tem em curso um inquérito para apurar as circunstâncias em que pelo menos três alunos de 10 e 11 anos do IPE foram espancados por dois estudantes graduados na casa dos 16, 17 anos.
 .
 A recusa daquele colégio militar de ensino foi transmitida na segunda-feira, dia em que aquela criança - cujos pais decidiram retirá-lo do IPE e colocá-lo numa escola pública civil, sendo necessários os documentos do instituto para formalizar a transferência - foi ouvida no âmbito do referido inquérito.

O pai do aluno, que se escusou a falar sobre o inquérito, apresentou queixa na PJ e levou o filho ao Instituto de Medicina Legal para recolha de provas forenses.

O encarregado de educação adiantou ao DN, contudo, ter escrito hoje ao diretor do IPE para "mais uma vez" pedir que lhe seja devolvido o material escolar, livros e enxoval que foram destruídos ou roubados do cacifo do filho.

Este pai requereu também hoje, ao diretor de turma, informações sobre a nota negativa que o filho teve a Matemática no final do primeiro período depois de lhe ter sido dito que a criança - impossibilitada de fazer o teste da disciplina marcado para depois das agressões, que lhe daria a possibilidade de melhorar os resultados - não necessitaria de o realizar noutra data.

* Será que a direcção da instituição ainda não se livrou do 24 de Abril?

.
.

EXPLICANDO...

video

O pai bem tenta não rir...

.
.
HOJE NO
"RECORD"

Primeiros planos nas São Silvestre

Embora o dia de S. Silvestre seja o último do ano, a “moda” das corridas de final do ano com esse nome propagou-se por todo o país e distribuiu-se pelo mês de dezembro.

A mais antiga – a Volta à Cidade do Funchal, já em 56.ª edição – tem ganho em número de concorrentes o que tem perdido em primeiros planos, fruto das dificuldades económicas da ilha. E será nas S. Silvestre de Lisboa (sábado, dia 27), Porto (domingo, 28) e Amadora, que se mantém fiel ao dia 31, que se reunirão boa parte dos primeiros planos nacionais.

A prova de Lisboa é a mais rica, contando mais uma vez com a presença dos vencedores anteriores: Rui Silva (2012 e 2013), Hermano Ferreira (2010 e 2011), Dulce Félix (2009, 2011 e 2013), Sara Moreira (2012) e Jéssica Augusto (2008 e 2010). No Porto, Rui Pedro Silva tentará a sua 6.ª vitória consecutiva, enquanto Catarina Ribeiro, vencedora em 2012 pelo Sporting, tentará agora repetir a vitória... pelo Benfica. 
Finalmente, na Amadora, Manuel Damião, que ganhou as três últimas edições, estará ausente e a única vencedora anterior com presença confirmada é Salomé Rocha. Eduardo Mbengani é o principal nome masculino de entre os divulgados.

*  Vão ser provas cheias de interesse

.
.


 O PULSAR

DO CANADÁ















.
.

 HOJE NO
"JORNAL DE NOTÍCIAS"

Défice orçamental atinge 
os 4,9% até setembro 

O défice orçamental das administrações públicas fixou-se em 6.344 milhões de euros até setembro, ou seja, 4,9% do Produto Interno Bruto, segundo dados divulgados esta terça-feira pelo Instituto Nacional de Estatística.

De acordo com as contas nacionais trimestrais por setor institucional relativas ao terceiro trimestre de 2014, divulgadas esta terça-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), nos três primeiros trimestres deste ano, "o saldo global das administrações públicas fixou-se em -6.344 milhões de euros, -4,9% do PIB", o que compara com um défice de 5,7% no mesmo período do ano passado.
 .
Esta melhoria deveu-se a um "aumento da receita total a uma taxa mais elevada que a despesa", de 3,3% e de 1,6%, respetivamente, explica o INE, que destaca o aumento da receita com impostos sobre o rendimento e o património (de 5,8%) e com impostos sobre a produção e importação (de 7,4%). 

O INE aponta ainda que, no apuramento do saldo das administrações públicas relativo ao terceiro trimestre deste ano, "não se inclui (...) qualquer impacto da recapitalização do Novo Banco efetuada pelo Fundo de Resolução". 

No entanto, o gabinete de estatísticas nacional sublinha a "natureza provisória" do registo desta operação, que é "condicionado pela informação insuficiente sobre o conjunto da operação" e refere que este registo "será reavaliado em março, no contexto da próxima notificação do Procedimento dos Défices Excessivos". 

A necessidade de financiamento das administrações públicas também registou uma diminuição, de 0,5 pontos percentuais, nos 12 meses terminados no terceiro trimestre de 2014 e relativamente ao trimestre anterior, atingindo os 4,3% do PIB, uma melhoria que se deveu a um "aumento da receita mais acentuado que o aumento da despesa". 

Do lado da receita, verificou-se um aumento dos impostos sobre a produção e importação, dos impostos sobre o rendimento e património e das contribuições, enquanto as restantes componentes da receita diminuíram. 

Já do lado da despesa, a despesa corrente aumentou "influenciada pelo acréscimo das despesas com pessoal, prestações sociais, juros e consumo intermédio", mas "o investimento e as outras despesas de capital diminuíram, parcialmente compensando o aumento da despesa corrente". 

O Governo estima que o défice orçamental em 2014 seja de 4,8% já segundo o novo Sistema Europeu de Contas (SEC2010), um valor que está oito pontos percentuais acima da meta de 4% acordada com os credores internacionais durante o programa de resgate. 

Esta diferença foi justificada pelo Executivo com "razões de natureza extraordinária e temporária" já identificadas no segundo Orçamento Retificativo, conhecido em agosto, nomeadamente a venda do BPN Crédito e a reclassificação da dívida da Carris e da Sociedade de Transportes Coletivos do Porto (STCP).

* A "melhoria"  que a notícia refere significa terem sido os contribuintes ainda mais "esfolados" que no ano anterior. Convém não esquecer que o valor da dívida externa corresponde já a mais de 134% do PIB.


.
.


PACHORRA

video

.
.

HOJE NO
"JORNAL DE NEGÓCIOS"

Sony vai mesmo estrear
 "Uma entrevista de loucos"

Os estúdios cinematográficos da empresa japonesa decidiram não ceder ao terrorismo e o filme mantém a data de estreia para o dia de Natal nos EUA.
 .
A Sony Pictures Entertainment, que na passada quarta-feira, 17 de Dezembro, decidiu cancelar a estreia do filme ‘The Interview’ após ameaças terroristas de um grupo de hackers autodenominado grupo Guardians of Peace (GOP), voltou atrás e vai mesmo exibi-lo.
.
O filme será assim estreado, conforme se previa inicialmente, no dia de Natal nos Estados Unido. Se tudo se mantiver, chegará às salas de cinema portuguesas a 29 de Janeiro, traduzido como ‘Uma entrevista de loucos’. Num género satírico, o filme a história de dois jornalistas recrutados pela agência CIA para assassinarem o líder norte-coreano, Kim Jong-un durante uma entrevista.

Recorde-se que tudo começou a 24 de Novembro, quando a Sony foi alvo de um ataque informático, tendo sido divulgada informação confidencial sobre os seus funcionários (como os números da segurança social) e actores.  Numa primeira fase não se percebeu logo qual seria a intenção dos piratas informáticos, que começaram por pedir dinheiro para não libertarem a informação sensível. A Sony negou e as fugas de informação começaram.

Foram divulgados entretanto muitos emails que se revelaram autênticos mexericos entre produtores, executivos de topo da Sony e actores, e que geraram grande desconforto, colocando muitas pessoas numa posição constrangedora. Os pedidos de desculpa têm-se sucedido.

A 16 de Dezembro, os hackers mostraram finalmente, de forma aberta, qual era a sua intenção, ao advertirem que quem fosse ver o filme sofreria na pele. "Mostraremos, a qualquer instante e em qualquer local onde o filme seja exibido, que o destino pode ser amargo para quem procura diversão através do terror". E aconselhavam a que todos se recordassem do 11 de Setembro.

A Sony reagiu, dizendo às proprietárias das salas de cinema que não tinham de exibir o filme. Uma a uma, todas começaram a cancelar.

No dia seguinte, 17 de Dezembro, a Sony decidiu retirar o filme. Barack Obama reagiu a 18 de Dezembro, dizendo lamentar que a Sony tivesse cedido a ameaças terroristas sem ter falado primeiro com o presidente dos EUA. Isto no mesmo dia em que o FBI confirmou que o regime norte-coreano estava por detrás destes ataques. A Coreia do Norte já veio negar e diz que quer colaborar nas investigações. Se os Estados Unidos não aceitarem, sofrerão as consequências, avisou o regime de Kim Jong-un. Nova ameaça, portanto.

Agora, esta terça-feira, a Sony anunciou que pretende mesmo avançar com a estreia do filme, já que duas salas de cinema independentes aceitaram exibi-lo.

* Não se pode ceder à prepotência coreana.
** Para ter mais graça o  "querido líder" devia assistir à estreia e morrer na plateia, não seria novidade, já vimos o Woody Allen sair do ecran.


.