quarta-feira, 29 de outubro de 2014

UMA GRAÇA PARA O FIM DO DIA

.



















.


O QUE NÓS

PROCURAMOS!

OPTAR PELO ENSINO 
EM REGIME INTERNO





* Uma produção "EURONEWS"


.
.

DEIXAI VIR A MIM
AS CRIANCINHAS


.
HOJE NO
"DIÁRIO DE NOTÍCIAS"

Aviões russos intercetados 
junto a espaço aéreo português

Manobras "de grande escala" da força aérea russa no espaço aéreo europeu deixam NATO em alerta. Dois bombardeiros Tupolev estiveram junto ao espaço aéreo nacional, tendo sido escoltados por por F-16 da Força Aérea Portuguesa. 

A NATO denunciou esta quarta-feira "manobras aéreas incomuns" e de "grande escala" da Rússia no espaço aéreo sobre o Oceano Atlântico e os mares Báltico, do Norte e Negro, nos últimos dois dias. 


Em comunicado, a NATO assume que "detetou e controlou quatro grupos de aviões militares russos a realizarem manobras militares significativas no espaço aéreo europeu", nos últimos dois dias.

Aeronaves de três países da Aliança Atlântica descolaram de quatro locais diferentes para intercetarem os quatro grupos de aviões militares russos que segundo a NATO estavam "em manobras" nos espaços aéreos dos mares Báltico, do Norte e Negro.

A mais importante operação mobilizou aparelhos de três países da NATO, após a detenção de um grupo de oito aviões russos - quatro bombardeiros e igual número de aeronaves de reabastecimento - a voarem em formação sobre o Atlântico. Aviões da força aérea norueguesa dirigiram-se ao encontro dos aparelhos russos para os identificar. 

Seis aviões militares russos alteraram as rotas, mas dois outros, bombardeiros Tupolev-95, não alteraram o percurso, continuaram para sul. Aparelhos da força aérea britânica descolaram para os escoltar, tendo-os entregue à Força Aérea Portuguesa. Aviões F-16 da FAP escoltaram-nos já junto ao espaço aéreo português, sobre o Oceano Atântico, a oeste do território continental.

Um porta-voz da Aliança Atlântica afirmou ao Wall Street Journal que os aviões "estiveram sempre em espaço aéreo internacional", garantindo que "não houve incursões sobre território da NATO.

Os outros aviões russos foram controlados pelas forças britânicas e norueguesas.

Segundo a NATO, os aparelhos russos não tinham apresentado planos de voo, não estabeleceram qualquer contacto com as autoridades de aviação civil e não corresponderam às comunicações, o que "representa um risco potencial para os voos civis". 

Um porta-voz do secretário-geral da Aliança Atlântica afirmou hoje que o número de interceções de aviões russos no espaço europeu "mais do que duplicou" desde o início do ano.

Outra operação foi conduzida pela Força Aérea turca sobre o mar Negro, para controlar um grupo de quatro aeronaves russas, incluindo dois bombardeiros Tupolev-95, disse a NATO.

Caças alemães também intervieram na terça-feira, para controlar um grupo de sete aviões de combate russos em manobras sobre o mar Báltico.

* Putin  a provocar e o povo russo  a pagar.

.
.



ALEXANDER


McQUEEN


  OUTONO/INVERNO
2014/2015





.
.
HOJE NO
"RECORD"

Gomes Pereira: 
«Às vezes as indicações antes da contratação eram dadas verbalmente»

Gomes Pereira esclarece esta quarta-feira, em comunicado publicado no Correio da Manhã, como se procediam às contratações nos tempos em que era diretor clínico no Sporting.

"Relativamente à contratação de jogadores, que nunca foi da responsabilidade do Departamento Médico, era dado estrito e rigoroso cumprimento, por um lado, às determinações legais relativas à verificação de aptidão para a prática de desporto e, por outro, ao protocolo de caracterização médico-desportiva dos atletas, correspondente ao padrão de exigência de condição e capacidade médico-desportiva, variável de clube para clube e até de modalidade para modalidade dentro de cada clube", diz.

O ex-diretor clínico do Sporting refere "que todos os jogadores eram observados pelo médico e sujeitos a uma bateria de exames nos termos do formulário legal e do protocolo interno, bem como a observação de outros exames complementares, sempre que recomendável".

Gomes Pereira acrescenta: "A caracterização médica desportiva do jogador, com indicações de eventuais limitações a este nível susceptíveis de afetar o seu desempenho, constitui outro tipo de avaliação e não deve ser confundida com aptidão clínica exigida legalmente. Nalguns casos, em razão de grande urgência na celebração de contratos invocada pelos responsáveis pelo futebol, estas indicações antes da contratação eram dadas verbalmente, por manifesta incompatibilidade temporal para a elaboração do relatório escrito".

O ex-médico leonino esclarece ainda, sem referir o nome, que dos jogadores que se tem falado de não reunirem as condições para assinar contrato apenas um não foi por si avaliado na vertente da caracterização médico-desportiva. "Para todos os outros foi do conhecimento dos responsáveis do futebol, prévia à contratação, a respetiva caracterização médico-desportiva".

* Cheira a esturro...


.
.
  
1e2-VISIONÁRIOS







.
.

HOJE NO
"JORNAL DE NOTÍCIAS"

Dois dirigentes do instituto 
que gere o Citius demitidos

Dois dirigentes intermédios do Instituto de Gestão Financeira e Equipamentos da Justiça (IGFEJ), que estiveram envolvidos na migração dos processos para o novo Citius, operada no âmbito da reforma do mapa judicial, foram afastados dos seus cargos.

Segundo as informações recolhidas pelo JN, aquela decisão foi tomada pela presidência do IGFEJ. Os dois responsáveis em causa são técnicos superiores da Polícia Judiciária e desempenhavam funções no IGFEJ em comissão de serviço. 
.
A decisão foi tomada na sequência de um relatório interno do IGFEJ, sobre o falhanço verificado com a migração dos processos da anterior para a atual versão do Citius, a plataforma informática da justiça.
Aquele relatório foi enviado, na sexta-feira, para a Procuradoria-Geral da República, que já abriu um inquérito criminal sobre o "crash" do Citius. 
 
O "Diário de Notícias" noticiou, esta quarta-feira, que aquela investigação foi instaurada por suspeitas de crime de sabotagem, mas, ao JN, Procuradoria-Geral da República recusou-se a confirmar ou infirmar esta informação.

* É mais que um estado de Citius


.

ANA RITA GUERRA

.




Descobri que
os passaportes electrónicos 
. não são seguros

Um dos problemas que havia na Europa há dez anos era a utilização do mesmo passaporte para a entrada de vários asiáticos. A sério. Disse-me um especialista em segurança que os funcionários das fronteiras, normalmente caucasianos, tinham sérias dificuldades em distinguir passageiros asiáticos, mesmo que tivessem dez ou mais anos de diferença. 

 Eles entravam e iam de imediato enviar o passaporte via FedEx para o primo no país de origem, que depois entrava e fazia o mesmo. O interesse nos documentos de identificação com chip e dados biométricos estava a crescer nessa altura e esta era uma das questões que resolvia - aparentemente. 

Recordei-me desta informação, obtida numa conferência sobre a autenticação biométrica há uns bons anos, quando Krishna Rajagopal falou dos ataques a passaportes biométricos no evento eID, co-organizado pela portuguesa Multicert em Budapeste. Rajagopal é especialista neste sector e professor do MIT. Informou que há, neste momento, 483 milhões de passaportes electrónicos activos, e que as tentativas de fraude continuam frequentes. Mas nenhuma foi tão descarada quanto esta: em 2008, um quiosque de identificação no aeroporto de Schiphol reconheceu e deixou passar Elvis Presley, usando um passaporte electrónico com dados biométricos. 

Perguntei a Rajagopal se afinal os passaportes electrónicos eram ou não seguros, esperando a conversa de sempre - nada é 100% seguro, é preciso ter cuidado, etc. Ele respondeu que não. Não são seguros. Porque nem todos os países aderiram, porque nem todos incluíram os dados biométricos e porque, de facto, é sempre possível bater o mais titânico sistema de encriptação. Disse que os passaportes tradicionais vão durar mais uns dez anos, e que haverá sempre países que precisam de ver o carimbo nas páginas, e não ler um chip.Judit Hazai, directora do serviço de segurança nacional da Hungria, acrescentou: é muito frequente serem apanhados passaportes electrónicos e cartões do cidadão que foram roubados e adulterados no chip ou na imagem. O desafio é identificar melhor estas fraudes. 

"A tecnologia está sempre a mudar, e infelizmente os maus da fita estão sempre na vanguarda", disse Rajagopal. Há aqui um problema de abordagem, também: não vale a pena ter os quiosques mais sofisticados se a empresa que desenvolve a tecnologia for atacada. Não vale a pena ter os funcionários mais treinados do mundo, se ninguém percebe que o Elvis Presley acabou de chegar à Holanda, e não veio de vassoura. 

A visão holística que é necessária está muito longe de ser atingida, e o assunto não é coisa apenas para preocupar uns cromos num departamento de TI. O mundo está muito mais perigoso hoje do que estava há um ano (não foi a Ministra da Justiça que admitiu que podemos ser um alvo do Estado Islâmico?) e a reacção é muito mais lenta que a ameaça. Deixei de me queixar com os procedimentos lentos e rigorosos de segurança nos aeroportos (uma vez, levei cerca de duas horas para conseguir sair de Israel, tal foi o escrutínio). Passei a ficar preocupada é quando eles são sempre a despachar.


IN "DINHEIRO VIVO"
21/10/14


.
.
.


317.UNIÃO


EUROPEIA




 .
.
HOJE NO
"JORNAL  DE NEGÓCIOS"

Tribunal de Contas critica tempos de espera no Hospital Amadora Sintra

A instituição presidida por Guilherme de Oliveira Martins aponta que o desempenho do Hospital Fernando Fonseca "fica aquém nas dimensões do acesso e da qualidade", quando comparado com outros hospitais.
 .
Os tempos de espera para consultas, cirurgias e exames no Hospital Amadora Sintra estão a deixar o Tribunal de Contas (TC) preocupado. Em auditoria realizada ao período entre 2009 e 2012, a instituição aponta que o desempenho do Hospital Fernando Fonseca (HFF) "fica aquém nas dimensões do acesso e da qualidade", quando comparado com outros hospitais.
 .
Em primeiro lugar, aponta que "apenas 44,7% das consultas realizadas em 2012 foram em tempo considerado adequado", sendo este o pior registo do seu grupo de referência, apenas superado pelo Hospital do Espírito Santo de Évora.

Em segundo, apresenta o "pior resultado" no que respeita à percentagem de cirurgias realizadas em ambulatório. O HFF obteve uma percentagem de 51,4% valor que contrasta com os 83,16% obtidos pelo seu grupo de hospitais de referência – que inclui os centros hospitalares de Trás-os-Montes e Alto Douro, de Vila Nova de Gaia/Espinho e de Tondela-Viseu, assim como os hospitais de Braga, Faro, Espírito Santo de Évora e Garcia da Orta.

Mas há mais. O tempo médio de espera para situações de emergência ou muito urgentes "ultrapassou o tempo máximo fixado" no Protocolo de Manchester. Isto quer dizer que o tempo médio de espera foi o "triplo do previsto", 30 minutos "quando o atendimento deveria ter sido realizado no máximo de 10 minutos".

Os tempos de espera levam assim a instituição presidida por Guilherme de Oliveira Martins a deixar recomendações tanto à tutela como à administração do hospital.
 .
Ao ministro da Saúde, Paulo Macedo, recomenda "tomar as iniciativas pertinentes no sentido de ser assegurada uma redução significativa dos tempos médios de acesso à prestação de cuidados de saúde dos utentes".

À direcção do Amadora Sintra recomenda, em primeiro lugar, "cumprir os tempos máximos de resposta garantidos no acesso a cuidados de saúde dos utentes". Depois, que garanta a "redução significativa dos tempos médios de acesso à prestação de cuidados de saúde dos utentes" de forma a igualar os melhores tempos médios de acesso nos hospitais do grupo.

Listas de espera para exames aumentaram
Olhando para os meios complementares de diagnóstico e terapêutica, o número de utentes em lista de espera para a realização destes testes duplicou em 101% para 4.940 utentes entre 2010 e 2012.

A maioria destes exames (95%) foi efectuada por entidades privadas, e não dentro do SNS o que merece a crítica por parte do TC. "Assim, a remessa para outras entidades do SNS tem sido residual, ao contrário do que seria de esperar, uma vez que as entidades privadas devem ser colocadas no plano de complementaridade.

No entanto, o HFF só remeteu as situações mais urgentes para os hospitais do Serviço Nacional de Saúde". Mais à frente, o TC reforça que o "recurso a entidades privadas pressupõe a verificação da capacidade instalada existente noutras entidades públicas."
 .
Os custos com a realização de exames em entidades externas diminuíram entre 2010 (1,8 milhões de euros) e 2012 (1,1 milhões), devido à "renegociação dos preços praticados por entidades privadas. Mas ao mesmo tempo, a lista de espera para realizar estes exames aumentou 66% "em consequência do maior número de pedidos".

TC critica "excesso de prestadores de serviços jurídicos" 
O Amadora Sintra obteve um resultado líquido de 64,7 mil euros em 2012, face aos 3,6 milhões de euros obtidos no ano anterior. Esta redução ocorreu devido à redução de 7,38% face a 2011 no financiamento pelo Ministério da Saúde. 

O Tribunal de Contas também critica o facto do hospital ter contratado treze trabalhadores para depois os ceder a outras entidades. Assim, o HFF "contratou trabalhadores apenas para cedê-los a outras entidades, ou seja, esta unidade hospitalar não tinha necessidade daquelas contratações, uma vez que antes da sua cedência não exerceram funções no hospital".

A instituição conclui também que "existe um excesso de prestadores de serviços jurídicos" no hospital. Isto acontece porque, apesar de dispor de um Gabinete de Apoio Jurídico, o Amadora Sintra recorreu "ainda a advogados externos, contratados em regime de avença ou prestação de serviços".

* O hospital precisa de muitos juristas porque o contencioso de queixas é "pikeno"

.
.


SUPREMA HIPOCRISIA


Reino Unido vende armas de 
repressão interna a Hong Kong



* Informação "EURONEWS"




.
.
.

43.O MELHOR
 DA ARTE 

O SONHO DA

DIAGONAL/1

  
PIERO DELLA

FRANCESCA




Da tela ao tipo de pincel usado pelo artista, do contexto político, histórico ou individual do pintor e da época de seu trabalho, Palhetas desvenda os inúmeros segredos que um quadro pode esconder. Usando finas técnicas como raio-X e infra-vermelho, o programa disseca pinturas ao seu nível mais íntimo fazendo uma astuta investigação.
 .
.

HOJE NO
"DESTAK"

Grupo Fiat deixa Ferrari 
independente 50 anos depois 

O grupo Fiat Chrysler anunciou ontem que vai separar a marca Ferrari (chamado 'spin off') da estrutura e colocar em bolsa 10% do capital da empresa criada em 1929 por Enzo Ferrari. 

A decisão foi anunciada num comunicado emitido ontem onde Sergio Marchionne, presidente executivo da Fiat, explicou que as duas empresas «precisam de seguir caminhos separados» e para além dos 10% de capital da Ferrari em bolsa os restantes 90% vão estar disponíveis para os accionistas do grupo. 


O processo ficará concluído no ano em que se celebra os 50 anos que a Fiat comprou parte da Ferrari, em 2015. A Ferrari ficará cotada nos Estados Unidos e, possivelmente, também na Europa, refere o comunicado da Fiat. A decisão faz parte do plano de expansão da Fiat, que busca aumentar os lucros do grupo.

* Fiat na virgem....



.
.


Lola Beltran

Cucurrucucu Paloma



.
.
HOJE NO
"i"

Espírito Santo usou uma sociedade suíça para tirar 800 milhões de euros do BES

No conselho superior, Ricciardi descreveu o esquema com a Eurofin como uma “fraude”. Salgado admitiu que o presidente daquela sociedade suíça tinha feito “um jeitão ao grupo”

Durante as reuniões do Conselho Superior do Grupo Espírito Santo (GES), Ricardo Salgado confessou que a sociedade suíça especializada em serviços financeiros Eurofin Securiti tinha comprado obrigações do banco e que Alexandre Cadosch, presidente da sociedade, fazia “um jeitão ao grupo em várias áreas”. José Maria Ricciardi acabaria, mais tarde, por referir-se ao esquema como uma “fraude” que acabaria por causar “um prejuízo brutal no BES” e precipitar a intervenção do Estado no banco. De acordo com informações recolhidas pelo i, o Departamento Financeiro de Mercados e Estudos do Banco Espírito Santo (BES) – controlado pelo administrador Amílcar Morais Pires e pela directora financeira Isabel Almeida – usou em 2014 uma série de sociedades-veículo criadas pela Eurofin – mas que se suspeita serem controladas pelo BES – numa operação que visou retirar 800 milhões de euros do banco para pagar dívida do grupo. 


O i não conseguiu contactar Morais Pires e Isabel Almeida. Ricardo Salgado não respondeu às perguntas enviadas por email. 

A história da alegada fraude conta-se num esquema triangular. Primeiro, o BES emite obrigações cupão zero a 40 anos. As obrigações cupão-zero não têm um juro associado – o juro está incluído na diferença entre o preço da emissão e o valor do reembolso –, o que neste caso, e atendendo ao prazo de maturidade, fazia com que tivessem um juro implícito de 7%. Essas obrigações chegam depois a clientes do BES com gestão discricionária de carteiras, através de quatro sociedades veículo usadas pela Eurofin, mas desta vez a um preço mais baixo: neste momento a taxa passa a ser de 4%. Entre um momento e outro, a operação terá gerado mais valias que terão servido para abater dívida de holdings do GES. Mas nesta altura o que era lucro para o grupo era, na verdade, prejuízo contabilístico para o BES. No final, uma última acção do BES transformou essas perdas potenciais em perdas reais para o banco: durante o mês de Julho, quando os Espírito Santo tinham todas as indicações de que iriam ser afastados do banco, o BES desatou a recomprar aqueles instrumentos de dívida. A operação causou um prejuízo enorme que viria a ser detectado nas contas semestrais do banco e que levaria ao colapso do GES. 

Só as relações triangulares entre o BES, o GES e a Eurofin determinaram um registo de perdas nas contas do Banco Espírito Santo no valor total de 1249 milhões de euros.
O “Expresso” descreveu em Agosto um esquema semelhante ao agora revelado pelo i, que terá representado uma perda de 254 milhões para o BES.
Poderia o banco ter emitido dívida directamente junto dos clientes? Poderia. Mas se o fizesse não teria conseguido criar o alegado lucro fictício que durante meses terá servido para diminuir o passivo das holdings do GES. Nem tão pouco conseguiria disfarçar que a sociedade suíça Eurofin seria apenas uma plataforma para ocultar que aqueles rendimentos estavam, afinal, a ser retirados do BES. 


Recorde-se que no âmbito do plano de ring fencing, o Banco de Portugal tinha dado instruções claras no final de 2013 para que o BES não ficasse exposto às dívidas do grupo. 

“Fizeram uma fraude” A 24 de Julho, dia em que Salgado foi detido para um longo interrogatório do juiz Carlos Alexandre, José Maria Ricciardi lançou o tema na reunião de emergência marcada pelo Conselho Superior do Grupo Espírito Santo. No dia em que praticamente todos os elementos da família voltaram as costas a Ricardo Salgado, o primo Ricciardi afirmou: “Hoje soube aí de uns assuntos que já desconfiava. Essa massa toda que veio da Eurofin foi toda introduzida fraudulentamente pelo DFME (Departamento Financeiro de Mercados e Estudos do BES). São uns valores absolutamente astronómicos. A Isabel Almeida parece que confessou. Aquele dinheiro que veio da Eurofin para a conta escrow (conta exigida pelo BdP para o reembolso do papel comercial) parece que é tudo prejuízo do BES. Emissões de obrigações depois recompradas… aquilo é uma conta astronómica. Centenas de milhões de euros que vinham para a escrow account e que era prejuízo do BES.” 

A uns dias da queda oficial do império Espírito Santo, fez-se luz na cabeça de alguns dos elementos da família presentes: “Bem que o BdP quando ia lá estava sempre a perguntar pela Eurofin.” Ricardo Abecassis Espírito Santo, representante dos negócios da família no Brasil, afirmou que “o BES fazia operações que geravam prejuízo” e José Maria Ricciardi assumiu que se tratava de uma fraude: “Aquilo era uma caixa negra. Desde Janeiro deste ano até terem saído fizeram uma fraude. Criaram um prejuízo brutal no BES para fingir que era a Eurofin que pagava dinheiro de volta.” 
 
ACIMA DE QUALQUER SUSPEITA
Quando, a 3 de Agosto, Carlos Costa apresentou a medida de resolução para o BES, foi posto a nu o esquema que terá permitido ao GES ir abatendo dívida do ramo-não financeiro, violando determinações do Banco de Portugal (BdP). O governador do BdP revelava que, na segunda metade de Julho, os auditores externos tinham identificado “operações de colocação de títulos, envolvendo o Banco Espírito Santo, o Grupo Espírito Santo e a Eurofin Securities, que determinaram um registo de perdas nas contas do Banco Espírito Santo no valor total de 1249 milhões de euros, com referência a 30 de junho de 2014”. 

O “jeitão” de Cadosch Meses antes de a sociedade com sede em Lausanne, na Suíça, ter sido envolvida publicamente no colapso do GES, já alguns elementos da família questionavam as operações entre o GES e a Eurofin. Estas eram tão secretas que alguns Espírito Santo as descreviam como uma “caixa negra”.
A 9 de Dezembro de 2013, as antenas voltaram-se para a Eurofin assim que Joaquim Goes, então administrador do BES, referiu, numa apresentação com previsões sobre as contas do grupo, que estavam à espera nos primeiros meses de 2014 de pelo menos dois reembolsos – no valor de 400 milhões de euros cada – daquela sociedade suíça. 

Ricardo Abecassis Espírito Santo, então líder do BESI Brasil, foi o primeiro a questionar: “Pela apresentação do Joaquim Goes ouvi que há 400 milhões que vêm da Eurofin. A Eurofin para mim é uma caixa preta, nem entendo bem o que é que se passa lá dentro.” Salgado começou por confessar a ligação a Alexandre Cadosch, presidente da Eurofin e ex-quadro do GES: “O sr. Alexandre Cadosch estabeleceu uma organização há muitos anos e há N soluções que houve aqui aqui no banco que passaram pela estrutura do Cadosch.” Abecassis insistiu – “Mas porque é que havemos de ter 400 milhões vindos do Cadosch?” – e Salgado respondeu. “Porque investimos em instrumentos financeiros deles. Isto trata-se da revenda desses instrumentos financeiros.” 

Abecassis, acreditando que os 800 milhões serviriam de facto para amortizar dívida da Espírito Santo International (ESI) e de outras holdings do GES, e partindo do princípio de que o Banco de Portugal obrigava o grupo a reembolsar o quanto antes a dívida emitida em papel comercial no retalho, sugeriu: “Então mas se os 800 puderem entrar já a gente já cobre grande parte do papel comercial.” O então líder do BES disse que não era possível: “Não vem já, vem aos bocados.” Tanto mistério voltou a deixar Abecassis reticente: “Mas a gente não pode saber que tipo de investimentos é que foram feitos?” Salgado remeteu mais esclarecimentos para o administrador Amílcar Morais Pires e para a directora financeira Isabel Almeida. “Não sei explicar em pormenor. Sei que o Cadosch prestava um serviço ao grupo dando parte de alguns activos… E ainda por cima tem lá 5% das acções da Finantial que não podemos mostrar. O sr. Cadosh tem feito um jeitão ao grupo em várias áreas. Mas se quiseres saber da articulação fala com eles.” 

Abecassis manifestou desagrado por estar dentro do Conselho e não poder fazer perguntas: “O Amílcar e a Isabel para mim são do banco, não do grupo.” Salgado saltou em defesa dos seus funcionários: “E têm ajudado muito o grupo. Tu se faz favor chamas o Amílcar e dizes que gostavas de saber mais informações sobre isso. Houve emissões de obrigações do banco que foram compradas, até certa altura funcionou, a partir de certa altura deixou de funcionar. O que me dizem é que isso da Eurofin será reembolsado.” 

Joaquim Goes, que apresentava as previsões das contas aos elementos do Conselho Superior do GES, não tinha dúvidas: “Uma das ameaças do Ettric” – o exercício que passava a pente fino 12 grandes clientes bancários, entre eles a Espírito Santo International – podia ser precisamente a Eurofin. 


As confissões feitas logo em Dezembro de 2013 numa reunião do Conselho Superior do GES mostram que a relação entre o grupo e a Eurofin era antiga e já levantava suspeitas entre alguns elementos da família. O “Wall Street Journal” começou no último Verão a publicar uma série de artigos, com base em emails internos e documentos, que colocam a Eurofin num papel central de apoio às finanças dos Espírito Santo. 

A 5 de Agosto, Alexandre Cadosch negou o envolvimento da Eurofin no colapso do GES, e o “Wall Street Journal” continuou a revelar que a empresa suíça movimentou dinheiro entre entidades do GES “muitas vezes de forma que era difícil pessoas que estavam de fora detectar”. No pico da crise financeira, por exemplo, a Eurofin terá sido o único comprador de obrigações do BES. 

Posteriormente terá ajudado a “empacotar” dívida de várias empresas do GES que foi vendida a clientes do banco. A Eurofin, segundo aquele jornal norte-americano, também terá gerido uma série de fundos de investimento que foram vendidos a clientes do Banque Privée, na Suíça. No início de 2012, as operações terão levantado suspeitas junto do Société Générale que, por essa data, terá parado de servir de intermediário das operações. 

* Ao pé de Salgado,  D. Corleone anda de bibe.



.
.

SALTO-LIVRE
NOVO RECORDE

Alan Eustace fez um salto de 135 890 pés (41,42Kms)

.
.
HOJE NO
"A BOLA"

«Não quero criar ilusões» 
- Vanessa Fernandes

A atravessar aquela que considera ser a fase mais difícil da carreira, Vanessa Fernandes revela otimismo e garante que vai lutar para estar nos Jogos Olímpicos de 2016, que vão realizar-se no Rio de Janeiro, no Brasil.


«A alta competição é um vício para os atletas medalhados olímpicos. É a nossa vida. É algo muito forte para nós, acho que é nessas provas que nos superamos. E eu vejo-me sempre assim. O meu objetivo é estar no Rio de Janeiro em 2016 e o objetivo é sempre conseguir o ouro. Eu quero voltar a uns Jogos Olímpicos e, se não for em 2016, tento em 2020», disse em declarações à Benfica TV a triatleta que conquistou a medalha de prata nos Jogos de Pequim, em 2008.

«O meu objetivo é voltar a tentar fazer provas de triatlo e depois ver o que se pode concretizar. Não quero criar ilusões. Agora estou a fazer um trabalho sério e duro. Já há dois meses que comecei a fazer o treino das várias vertentes, para depois de tantos anos sem competir conseguir fazer a prova de triatlo», prosseguiu antes de concluir:

«Acho que agora sou uma atleta que, se conseguir ultrapassar todas estas etapas duras, pode vir a estar mais forte do que nunca. É uma luta que tenho comigo todos os dias. Quando queremos isto de uma forma mais honesta, mais séria e mais comprometida, as coisas acabam por ser também mais sólidas e muito mais fortes.»

*Não há insubstituíveis mas o atletismo precisa dela e em força, força Vanessa!



.
.

NA TERRA  
DAS FLORES
(HOLANDA)















.
.

 HOJE NO
"DIÁRIO DE NOTÍCIAS
DA MADEIRA"

Durão deixa porta aberta a regresso à política, nacional ou internacional

O presidente cessante da Comissão Europeia, José Manuel Durão Barroso, deixou hoje em aberto um regresso à política ativa, nacional ou internacional, designadamente nas Nações Unidas, após uma pausa durante a qual se dedicará a conferências.


Na antevéspera de deixar o executivo comunitário, Durão Barroso deslocou-se hoje à sala de imprensa no final da última reunião do colégio de comissários a que presidiu (a 424.ª no conjunto dos dois mandatos, apontou), para se despedir dos correspondentes em Bruxelas, e, ao ser questionado sobre o seu futuro e, designadamente, a possibilidade de, após Bruxelas, rumar à ONU, disse que ainda não tomou "decisões finais".

"Honestamente, não tenho agora ambições neste aspeto. Ainda não tomei decisões definitivas relativamente ao que vai ser a minha atividade depois da Comissão. Uma coisa que já aceitei foi dar algumas conferências e alguns cursos em universidades, incluindo aqui na Bélgica, pelo que ainda ficarei mais algum tempo em Bruxelas, mas ainda não tomei decisões finais sobre nomeações políticas ou eleições, quer no meu país, quer nas Nações Unidas, como mencionou, por isso não posso especular agora sobre isso", declarou.

A única certeza, apontou, é que para já fará "uma pausa", após 30 anos de atividade política muito intensa, durante os quais foi secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação (1987-1992), ministro dos Negócios Estrangeiros (1992-1995), líder da oposição como presidente do PSD (1999-2002), primeiro-ministro (2002-2004) e presidente da Comissão Europeia (2004-2014).

"Após 30 anos muito envolvido em política nacional, europeia e global, os últimos 10 anos como presidente da Comissão, penso que mereço pelo menos uma pausa", afirmou.
No final da conferência de imprensa, José Manuel Durão Barroso fez questão de dirigir as últimas palavras em português, recitando um poema de Miguel Torga, precisamente sobre o futuro, "Recomeça". 

* Há gente que se suicida por menos disparates cometidos.



.
.
COMO USAR
UMA CALCULADORA




.
.
HOJE NO
"DIÁRIO ECONÓMICO"

Fosso na avaliação cresceu 
sobretudo nas ciências exactas

Física/Química e Biologia/Geologia sãs as disciplinas em que mais se acentuou a diferença de resultados internos e de exame.
 .
É em Física e Química e em Biologia e Geologia que as diferença entre a média de notas atribuídas pelos professores em avaliação contínua e a nota que os alunos conseguem nos exames mais tem aumentado nos últimos anos.
 
20 VALORES
Em 2012/2013, houve escolas onde a nota média interna de Física e Química chegou a ser superior em oito valores à nota média obtida depois em exame nacional. No caso da Biologia e Geologia, a diferença superou também em vários casos os 7,5 valores.

Tratam-se de disciplinas exactas e, por isso mesmo, é "difícil" ao dirigente da Sociedade Portuguesa de Química "explicar os oito valores". Confrontado com estes dados, João Paulo Leal começa por notar que "em Física e Química não há grande margem" e que, portanto, "em alguns casos é de admitir que haja inflação de notas". Já para diferenciais mais pequenos, diz, pode haver justificação: "Parte desta diferença pode ser explicada na avaliação em laboratório", que não é avaliada em contexto de exame.

Também o presidente da Associação de Professores de Biologia e Geologia, João Oliveira, diz que este é um cenário "frequente" nas escolas "de baixo desempenho", de "periferia e ruralizadas e onde o nível de literacia científica e de língua é baixo". Aí, diz, "a média de exame da escola é inferior à média nacional" e tende-se a valorizar mais o esforço e a evolução do aluno ao longo do ano.

Estas são também disciplinas específicas, com mais peso na média dos estudantes no acesso a licenciaturas como Medicina ou Farmácia, que contam com as notas de acesso médias altas. Porém, nota João Oliveira, "as escolas que produzem grandes disparidades entre as notas não são as que enviam alunos para medicina".

João Paulo Leal descarta a ideia de exames mal construídos. "O grau de dificuldade não tem aumentado. Os exames são diferentes, mas não são mais difíceis e são feitos com cuidado e tendo em conta os critérios das metas curriculares", garante. E lembra que "os erros dos exames praticamente desapareceram".
.
A resposta, para estes os dois responsáveis, está portanto mais nas escolas. "Inflacionar notas não é indicador de qualidade e a escola não faz um bom serviço", afirma João Oliveira. Nesse sentido, João Paulo Leal diz que "a situação está a ser discutida entre o IAVE [responsável pelos exames] e as sociedades científicas". Para tentar travar a possível inflação das notas e não tendo "forma de intervir directamente junto das escolas e dos professores", estão a ser preparadas, durante o próximo ano, medidas de sensibilização junto dos docentes para alertar que o favorecimento das notas "não é benéfico para os alunos".

* Os professores menos sérios apenas executaram aquilo que aprendem com os sucessivos governos, ALDRABARAM! 
Notas inflaccionadas significa notas aldrabadas!


.
.

Também andam
no metro!

 
Claire Danes and Hugh Dancy


 
Karlie Kloss


 
Tom Cruise and 
Laurence Fishburne


 
Anne Hathaway


 
Jay Z


 
Christy Turlington


 
Matt Dillon


 
Leighton Meester Abides


 
Kevin Bacon


 
Naomi Watts


 
Ian McKellen


 
Meryl Streep


.
.
HOJE NO
"CORREIO DA MANHÃ"

Idosa maltrata 30 cães
 
Animais eram mantidos presos em espaços onde mal cabiam.

A Polícia Civil da cidade brasileira de Praia Grande, no litoral do estado de São Paulo, libertou 30 cães que eram mantidos em casa por uma idosa que os maltratava e usava para comércio. Os vizinhos denunciaram as condições em que os animais viviam à Organização Fiscalizadora de Animais – uma Organização Não Governamental –, que participou na ação policial.
 .

Os cães das raças Pinscher, Poodle, Yorkshire e Spitz Alemão eram mantidos presos em gaiolas onde mal cabiam, dentro de um quarto sem iluminação ou ventilação numa casa da Rua Gilberto Amado, no bairro Cidade Ocean. Ainda segundo as denúncias relatadas aos agentes, a idosa, de 80 anos, não alimentava os cães, razão por que vários deles foram encontrados muito debilitados.

Além de viverem no escuro e sem alimentação ou qualquer cuidado veterinário, os animais tinham os rabos e as orelhas cortados a sangue-frio e a idosa usava os dedos para estimular o cio nas fêmeas e promover a procriação. Ela vivia da venda dos filhotes que nasciam desses acasalamentos e desfazia-se dos animais que nasciam com defeito jogando-os no lixo, de onde alguns foram salvos pela vizinhança.

A idosa foi detida em flagrante e incriminada por crueldade contra animais, mas o inspetor Bruno Lázaro, que a apanhou, libertou-a devido à idade avançada e a idosa vai responder ao processo em liberdade. Todos os animais também foram levados para a esquadra, onde foram catalogados, receberam cuidados e poderão ser adotados.

* Raios partam a velha! Com maior ou menor semelhança há animais que em Portugal também são muito maltratados.

.