sexta-feira, 24 de outubro de 2014

UMA GRAÇA PARA O FIM DO DIA

.

 A DIFERENÇA ENTRE "Oo" e "oO"

      Dois amigos, um ALFACINHA e um ALENTEJANO estavam snifando cocaína e
      foram presos pela polícia....

     
No dia do julgamento o Juiz estava de bom-humor e disse-lhes:

      - Vocês até parecem ser boas pessoas, por isso decidi dar-vos uma
      segunda hipótese!

      - Em vez de irem para a cadeia, terão que mostrar às pessoas  os
      terríveis males das drogas e convencê-las a largá-las!

      - Compareçam no tribunal daqui a uma semana, pois quero saber quantas
      pessoas  convenceram.

      Na semana seguinte os dois voltaram ao Tribunal e o Juiz perguntou ao
      Alfacinha :

      - Como foi a sua semana rapaz?

      - Bem, Meritíssimo, eu convenci 17 pessoas a pararem de consumir
      drogas para sempre!

      - 17 pessoas?  Muito bem...disse o Juiz, satisfeito.

      - O que  lhes disse ?

      - Eu usei um diagrama, Meritíssimo.

        Desenhei 2 círculos como estes:

                                   
  "O o"
      - Depois apontei pró círculo maior e disse:

      - Este é o vosso cérebro em  tamanho normal...

        E apontando para o menor...

      - Este é o seu cérebro depois das drogas!

      - Muito bem! Aplaudiu o juiz, virando-se para o outro sujeito, o

      compadre Alentejano.

      - E  você?

      - Como foi a sua semana?

     - Bem Meritíssimo, eu convenci 234 pessoas...

      - 234 pessoas!? Exclamou o juiz, saltando da cadeira!!

      - Incrível!!!

      - Como conseguiu isso?!

      - Utilizei um método semelhante ao do meu colega.

      - Desenhei 2 círculos como estes:

                                         
"o O"
      - Mas eu apontei para o círculo menor e disse-lhes:

     
- ESTE É O VOSSO CU ANTES DE IREM PARA A PRISÃO...



.
.


O QUE NÓS

SOFREMOS!



UNICEF

QUASE  UM  BILHÃO  DE  CRIANÇAS
SOFREM  ALGUM  TIPO  DE
VIOLÊNCIA, REGULARMENTE

video


* DENÚNCIA DA ONU


.
.

TAL E QUAL















.


18 DAMAS DE
COMPANHIA
video



.
.
HOJE NO
"JORNAL DE NEGÓCIOS"

Media Capital lucra 7,3 milhões
 até Setembro

Nos primeiros nove meses do ano a Media Capital lucrou 7,3 milhões, uma melhoria face aos 5,5 milhões um ano antes. A nível operacional, a empresa comunicou que as receitas subiram nas rádios e televisão. Mas se considerado apenas o terceiro trimestre, as receitas só subiram nas rádios. Até no segmento de televisão os rendimentos caíram. 
 .
A Media Capital teve, nos primeiros nove meses do ano, receitas de 128,3 milhões de euros, uma queda de 1% face aos 129,5 milhões um ano antes. Nesse período, as receitas operacionais na televisão subiram 2% e nas rádios 11%. Olhando apenas para o terceiro trimestre, apenas as rádios conseguiram aumentar as receitas, em 12%. O segmento de televisão (a Media Capital detém a TVI) registou uma queda de 3% no trimestre, mas a publicidade manteve-se em crescimento. No terceiro trimestre as receitas de publicidade na televisão subiram 9%.

A Media Capital, em comunicado divulgado ao mercado, acredita que nos nove meses "no que refere à publicidade, o grupo terá obtido um desempenho superior ao mercado, já que os rendimentos consolidados de publicidade cresceram 14%, quando se estima que o mercado tenha subido aproximadamente 12%". O total das receitas com publicidade superou os 81 milhões de euros.

Assim, a queda nas receitas trimestrais na televisão é justificada, no comunicado, pelo impacto da auto-regulação nos concursos de chamada de tarifa única, que entrou em vigor em Julho de 2014.

Os custos operacionais desceram mais do que as receitas e com isso o EBITDA (resultado operacional sem amortizações) aumentou 5% para 23,78 milhões de euros. Os custos operacionais no terceiro trimestre caíram 7%.

O EBITDA do segmento televisão ficou nos 19,7 milhões de euros no conjunto dos nove meses, uma queda de 14% face a igual período do ano passado, com os gastos operacionais a subirem 6%. Nas rádios (a Media Capital detém rádios como a Comercial, M80, Cidade, Smooth) os rendimentos subiram 11% nos nove primeiros meses e o EBITDA subiu 45%. E a produção audiovisual também teve EBITDA positivo, garantindo a Media Capital que a melhoria na rentabilidade até teria sido superior se não fossem os custos de reestruturação.

A dívida líquida da Media Capital subiu, até Setembro, 11%, atingindo os 127 milhões de euros, com a redução de disponibilidades de caixa e com o crescimento da dívida financeira em 9% face a Dezembro de 2013. A dívida financeira atingiu os 129 milhões de euros.

* A TVI tem excelentes programas de entretenimento, de informação e também o programa mais sórdido da televisão portuguesa. Onde  ganha mais dinheiro?

.
.


 2111 - ROBOTS


DO FUTURO/2


video



.
.
HOJE NO
"DESTAK"

Moradores de bairros lisboetas 
pedem restrições ao ruído e 
venda de álcool na noite 

Moradores de zonas lisboetas como o Cais do Sodré, Santos, Bairro Alto e Príncipe Real, entregam na segunda-feira uma petição na Assembleia Municipal exigindo restrições na venda de álcool, no ruído e nos horários dos estabelecimentos noturnos. 
 .

 Entre as exigências dos moradores estão "a restrição do consumo e da venda de bebidas alcoólicas na via pública" e a criação de "regras e procedimentos com vista ao cumprimento da lei do ruído e respetiva fiscalização", lê-se no abaixo-assinado. 

A estas acrescem a "restrição e uniformização dos horários dos estabelecimentos de venda de bebidas alcoólicas no Bairro Alto, Cais Sodré, Príncipe Real, Santos para horários compatíveis com o direito dos moradores ao descanso" e ainda a "revisão do licenciamento zero nos bairros históricos", refere o mesmo documento. 

* Os habitantes impedidos de dormir também pagam impostos, os negociantes de bebedeiras têm que ter isso em conta.

.
.

27-UM POEMA

POR SEMANA


GONÇALO M.


TAVARES


O DESEMPREGADO COM FILHOS


video


dito por

CRISTINA BRANCO

COM ABRAHÃO S.AMARAL
.

 .
.
HOJE NO
"i"

Aguiar-Branco. 
"Vamos ganhar as eleições porque 
somos melhores que António Costa"

Aguiar-Branco acusou o PS de António Costa - vencedor das primárias para a escolha do candidato socialista a primeiro-ministro, contra António José Seguro - de "falta de ideias", mas logo a seguir desvalorizou o maior partido da oposição

O ministro da Defesa Nacional defendeu hoje que o atual Governo obterá a confiança dos portugueses nas legislativas porque é melhor do que o PS de António Costa e tem obra feita que precisa de ser continuada.
  .

"Não vamos ganhar as próximas eleições porque somos menos maus que António Costa, nós vamos vencer as próximas eleições porque somos melhores. Também não vamos ganhar as eleições apenas pela obra feita durante este mandato, a minha convicção é de que vamos vencer por tudo aquilo que esta obra permite fazer no futuro", declarou José Pedro Aguiar-Branco.

O ministro da Defesa, e militante social-democrata, fez estas afirmações perante os deputados do PSD e do CDS-PP, durante as jornadas da maioria parlamentar que decorrem na Assembleia da República, sem se referir à questão sobre como vão os dois partidos apresentar-se às eleições legislativas previstas para 2015: em coligação ou separados.

Depois de falar do setor da defesa, Aguiar-Branco elogiou a ação do Governo PSD/CDS-PP em geral, sustentando que foram feitas "verdadeiras reformas estruturais" e que se operou "uma mudança de mentalidades no país" e uma "alteração do modelo de desenvolvimento económico", tendo alguns "campões nacionais" ficado para trás nesse processo.

"Há quatro anos, a ideia para gerar riqueza assentava sobretudo na construção, nas grandes obras públicas e privadas, era um modelo de desenvolvimento assente em cinco ou seis grandes campeões nacionais, que arrastavam consigo muitas outras empresas de pequena e média dimensão. Quatro anos depois, a verdade é que alguns desses campeões ficaram para trás, mas o resto dos milhares de empresas continuam a fazer pela vida, a serem mais eficazes, a venderem mais e a exportarem mais", declarou.

O ministro da Defesa alegou que "o Governo criou uma nova doutrina, que ultrapassa a pura lógica partidária", e que "a partir de agora, nenhum Governo no futuro poderá voltar a ganhar eleições prometendo autoestradas ou de uma forma simples dizendo que vai reduzir impostos, seja de que partido for".

Aguiar-Branco acusou o PS de António Costa - vencedor das primárias para a escolha do candidato socialista a primeiro-ministro, contra António José Seguro - de "falta de ideias", mas logo a seguir desvalorizou o maior partido da oposição.

"Não temos de estar preocupados em saber se o líder do PS é o António José Seguro ou o António Costa. O que nos deve a nós preocupar é o que temos de fazer nos próximos quatro anos. Temos de consolidar todas as mudanças que fomos capazes de fazer", concluiu.

* Estará Aguiar Branco a fazer campanha para o partido ou a pôr-se em bicos de pés para retentar a liderança do PSD?


.

RUI FARIA

.





Medida a felicitar

Como não sou jurista nem tão-pouco um “papa-leis”, “papa-decretos”, “papa-portaria”, soube há cerca de duas semanas, em conversa com colegas num dos intervalos letivos, que, de acordo com a idade e reduções letivas, seria retirada parte da componente não letiva dos horários dos professores, o chamado bloco de 90 minutos semanais destinado a “trabalho autónomo” do professor in loco, isto é, dentro da escola. Uma medida a felicitar… E mais daqui a pouco já avançarei os tópicos desta minha conversa que servirão a minha felicitação…

Recordo-me – ou recordei-me – do momento em que nos foi imposta essa medida, baseada em argumentos fracos de que o professor devia passar mais tempo na escola, mesmo que não fosse a dar aulas. Na escola devia preparar as suas aulas, planificar com os colegas, elaborar e corrigir testes e, ao longo dos anos, continuou a faltar tudo aquilo que nos é – me é – necessário para levar a cabo tais tarefas: sempre me faltou um gabinete só para mim, mobilado com uma secretária, um computador, uma impressora, uma ou mais estantes, vista para os pátios ou jardins. E não me faltou a mim, como a todos os professores. E se um bloco de 90 minutos fosse o suficiente, toda a gente gostaria de ingressar na mais (des)prestigiada carreira profissional do país… Já o tinha afirmado, não sei também se por aquelas alturas, o excelente comentador televisivo e não menos prestigiado escritor Miguel de Sousa Tavares (paz à alma de sua grande mãe) que nós – os professores – somos efetivamente os inúteis mais bem pagos do país… Em função disso, resolvi eu também – e porque não qualquer um dos meus leitores – tornar-me comentador – ou melhor: conversador – não televisivo, mas de impressa. Não ganho, porém, um chavo por isso!

Mas…voltando às felicitações, afinal foram elas que me deram o motivo para redigir este texto, acho que a recente medida tomada foi, além de coerente, uma das mais indicadas. Bem hajam! E quando refiro “uma das mais indicadas”, quero dizer que outras há que, atempadamente, serão tomadas, no momento certo. Faria sentido manter professores nas escolas, durante um período de 90 ou mais minutos (depende de antiguidades, reduções e outras questões) a trabalhar autonomamente, preparando aulas com qualidade, cumprindo com outras funções, como correção de provas e muitos mais trabalhos? Tudo é feito em casa! Talvez por assumirem os cargos professores “de facto” e “in ueritas” é que se deu essa consciencialização! Levamos horas a elaborar um teste, por exemplo; muitas mais a corrigi-lo vezes cem, cento e cinquenta alunos; muitas mais ainda a sequencializar aulas e a preparar materiais de apoio (o manual não é tudo, nem ainda ganhou, infelizmente, um estatuto bíblico) e ainda nos obrigavam a ficar 90 minutos presenciais no espaço escola para dar conta de tudo isso, sem termos, em certos estabelecimentos de ensino, as condições físicas mínimas para o efeito…

O ensino, tal como o Halloween, também vai tendo os seus trintas e uns de outubro. Aguarda-se, no entanto, por mais vintes e cincos de abril. Aí residirá a resposta a muitas das dúvidas que o ensino nos tem colocado.


IN "AÇORIANO ORIENTAL"
20/10/14


.
.
.


312.UNIÃO


EUROPEIA






.
.
HOJE NO
"A BOLA"

Lance Armstrong impedido de 
participar em passeio cicloturista

O norte-americano Lance Armstrong foi proibido esta sexta-feira pela Federação de Ciclismo dos Estados Unidos de participar num passeio organizado pelo antigo companheiro George Hincapie, no qual vão ingressar antigos corredores da formação US Postal.


Armstrong, que foi irradiado do desporto por dopagem, deveria participar na Gran Fondo Hincapie, uma prova cicloturista, de 128 quilómetros, a qual vai ter lugar no sábado, na Carolina do Sul
Em comunicado, a Federação de Ciclismo norte-americana explicou:

«A Gran Fondo Hincapie é um evento velocipédico reconhecido pela USA Cycling e deve respeitar o código mundial antidopagem e o regulamento antidopagem da União Ciclista Internacional [UCI]. Um atleta suspenso [por dopagem] não pode fazer parte de tal prova.»

* Parece caça às bruxas, Lance já foi suficientemente punido, querem crucificá-lo?


.
.
 A ECONOMIA, INCLUINDO A 
ECONOMIA DE MERCADO PRECISA
DE UM ESTADO FORTE

 JEAN TIROLE 
NOBEL DA ECONOMIA 2014

video


* Uma entrevista "EURONEWS"

.
.
.

8-O MEU BAIRRO 


CORDOARIA


PORTO


video


Desta vez à conversa com a Ana Sousa Dias está a deputada Manuela Melo que nos mostra o seu bairro, Bairro da Cordoaria. 

A exploração tem início no café Piolho, local de manifestação literária e política, seguindo para o Centro Português de Fotografia, o passeio delonga-se para a Cooperativa Livreira dos Estudantes do Porto (que foi mais uma instituição de combate intelectual ao regime), o Teatro Carlos Alberto, o edifício monumental neoclássico do Hospital de Santo António, o Museu Soares dos Reis, e o Cineclube do Porto, outro pilar do movimento cultural e estudantil dos anos 70.


www.reabitar.pt | Reabi(li)tar
O Meu Bairro
Episodio 8 Cordoaria Porto
Deputada Manuela Melo
RTP2


.
.
HOJE NO
"AÇORIANO ORIENTAL"

OMS alerta para risco de aumento com 
imigração ilegal de países afectados

Peritos da Organização Mundial da Saúde (OMS) alertaram hoje em Genebra para o risco das proibições de viajar de pessoas procedentes dos países afetados pelo Ébola poderem ser contraproducentes e provocar o aumento sem controlo da imigração ilegal.
 
"Uma proibição generalizada provavelmente provocará prejuízos económicos e, consequentemente, o aumento da migração descontrolada de pessoas dos países afetados, aumentando o risco de uma propagação internacional" do vírus, alertou o Comité de Emergência da OMS.

Esta foi a terceira reunião desde o início da crise e realizou-se antes do previsto face ao aumento de casos de Ébola nos três países mais afetados da África Ocidental (Guiné-Conacri, Serra Leoa e Libéria) e dos contágios importados em Espanha e Estados Unidos.

Da reunião saiu ainda a reafirmação de que o Ébola continua a ser constituir uma "emergência internacional".

A OMS decretou, no passado dia 08 de agosto, o estado de emergência de saúde pública mundial.
Dados divulgados quarta-feira pela OMS referem que cerca de dez mil pessoas estão infetadas com o vírus Ébola, praticamente todas na África Ocidental, e que quase metade delas já morreu.

No comunicado, a organização internacional refere que, até ao passado domingo, 9.936 pessoas foram infetadas com o vírus, 4.877 das quais morreram.

Os 9.936 casos – confirmados, prováveis ou suspeitos – foram registados em sete países: Libéria (4.665), Serra Leoa (3.706) e Guiné-Conacri (1.540), os três países mais afetados, Nigéria e Senegal, países previamente afetados mas onde o surto foi entretanto controlado, e Espanha e Estados Unidos, com um e três casos confirmados, respetivamente.

Assinalando que todos os distritos da Serra Leoa já registam pelo menos um caso de infeção e que na Libéria apenas um distrito escapa à epidemia, a OMS confirma, por outro lado, que Nigéria e Senegal já estão livres do Ébola.

Passados 42 dias sobre o último caso detetado (o dobro do tempo máximo de incubação do vírus), o surto foi dado como terminado no Senegal, no dia 17, e na Nigéria, no dia 19.

O Ébola tem fustigado o continente africano regularmente desde 1976, mas o atual surto é o mais extenso e prolongado desde que o vírus foi descoberto.

Não há vacina nem cura para o Ébola, que se transmite por contacto direto com sangue, fluidos ou tecidos de pessoas ou animais infetados, provocando febres hemorrágicas que, na maioria dos casos, são fatais.

O contacto direto com outras pessoas ou cadáveres infetados tem sido o grande veículo de transmissão do vírus, para o qual não existe tratamento nem vacina.

Este cenário faz do Ébola um dos mais mortais e contagiosos vírus para os seres humanos, com uma taxa de mortalidade a rondar os 90 por cento.

O Comité de Emergência volta a reunir-se dentro de três meses, podendo verificar-se uma antecipação caso a situação o exija.

* Este aviso tem bom senso, deve haver fiscalização e detecção mas proibição é demais.


.
.

 Tim McGraw


Overrated

video


.
.

HOJE NO
"DIÁRIO ECONÓMICO"

Embaixador Marcos Barrica condena "forças de bloqueio" contra Angola

Embaixador angolano em Portugal denunciou a existência de círculos portugueses que têm como missão apenas fazer "ataques" contra Angola. O embaixador de Angola em Portugal, José Marcos Barrica, condenou esta semana as "forças de bloqueio" portuguesas, que "transformam as vitórias de Angola em espaços de ataques contra o país".
 
EMBAIXADORES DA FOME
Segundo a agência de notícias angolana (Angop), nesta quarta-feira em Lisboa, durante uma conferência sobre a recente eleição de Angola como membro não-permanente do Conselho de Segurança (CS) das Nações Unidas, Marcos Barrica referiu-se a certos círculos de Portugal como "um campo difícil, onde alguns círculos das forças do mal pretendem denegrir a imagem de Angola".

Referindo-se à existência de círculos portugueses que têm como missão apenas fazer ataques contra Angola, o diplomata afirmou que esses círculos, a que chamou de "forças de bloqueio" portuguesas, transformam as vitórias de Angola em motivos de ataques contra o país, tudo isso para denegrir a sua imagem.

Durante a conferência, que foi dirigida aos diplomatas e funcionários da Embaixada de Angola em Portugal e teve como orador principal o analista político António Luvualu de Carvalho, o embaixador disse ainda que a eleição de Angola ao órgão máximo das Nações Unidas "está a fazer crescer a inteligência dos adversários de Angola, sobretudo, nos meios de comunicação social, para onde vão para caluniar Angola".
 
EMBAIXADORES DA ESPERA
Por sua vez, o orador Luvualu de Carvalho admitiu, durante a sua dissertação, que o mandato de Angola será caracterizado por "grandes desafios e responsabilidades", destacando o "forte papel" que o país terá para a pacificação das zonas de conflito no continente africano.

Angola foi eleita no dia 16 de Outubro como membro não permanente do Conselho de Segurança das Nações Unidas para o período 2015-2016, conseguindo 190 dos 193 votos possíveis dos membros da Assembleia-Geral. Angola substitui o Ruanda, cujo mandato de dois anos termina no dia 31 de Dezembro.

Já nesta quinta-feira, o ministro das Relações Exteriores angolano afirmou que a saudação feita por Paulo Portas sobre a eleição de Angola para membro não permanente do Conselho de Segurança da Nações Unidas mostra a "amizade" entre os dois países.
EMBAIXADORES DA QUALIDADE
Questionado em Luanda pela agência Lusa sobre as declarações do vice- primeiro-ministro português, difundidas nos últimos dias em Angola em que afirma que se tratou de uma "eleição brilhantíssima", Georges Chikoti não se mostrou surpreendido. "É sempre importante. Primeiro porque o doutor Paulo Portas é um grande amigo pessoal, é um grande amigo de Angola e naturalmente que esperava-se isso dele", afirmou o ministro angolano. 

* Senão fossem graves as condições de vida do povo angolano em contraste com a ostentação de políticos, militares e banqueiros, não chamariamos a estes comentários "barricas de merda".


.
.

A lâmpada ao longo do tempo

video


.
.
HOJE NO
"CORREIO DA MANHÃ"

Registo automóvel simplificado

O registo de propriedade de veículos automóveis, adquiridos entre particulares por contrato verbal, vai poder ser feito apenas pelo vendedor, evitando assim, na hipótese de o comprador não fazer o registo em seu nome, continuar a pagar, por exemplo, o IUC (antigo selo do carro), portagens e até multas muito tempo depois de ter vendido o automóvel. Trata-se de um procedimento especial para o registo de propriedade de veículos aprovado ontem em Conselho de Ministros que visa simplificar e acelerar procedimentos.
 .
Segundo o novo diploma do Ministério da Justiça, o vendedor, com base em documentos demonstrativos da venda (declaração de venda e outros documentos legais), faz o registo e 15 dias depois o comprador recebe uma notificação do Registos e Notariado a confirmar a propriedade. Segundo o Governo fica garantida a segurança jurídica da transação.

* PERGUNTA: Era assim tão difícil fazer esta alteração, porque demorou tanto tempo e tantos governos?
 RESPOSTA: Esta alteração estava  a "aboborar" na gaveta para quando fosse precisa, vêm aí eleições.

.
.

HOJE NO
"OBSERVADOR"

Ex-guarda-costas de Fidel diz que Cuba queria controlar recursos em Angola

 Ex-guarda-costas de Fidel revela, em livro de memórias, segredos inconfessáveis do "comandante", desde a forma como se apropriou de recursos angolanos até ao modo como comandava as tropas à distância.

Juan Reinaldo Sánchez, ex-guarda-costas de Fidel Castro, que revela num livro o alegado envolvimento do líder histórico cubano no tráfico de droga, disse à Lusa que Havana queria controlar os recursos naturais em Angola.
 
LUANDA
“Fidel Castro queria mais de Angola. Fidel Castro dizia que ia levar de Angola apenas os mortos, mas não foi assim. Eu vi no gabinete de Fidel Castro uma caixa de tabaco repleta de diamantes. Não eram diamantes grandes, eram diamantes pequenos, mas a caixa estava cheia”, relatou.

“Fidel, através do seu ajudante José Naranjo e do secretário Chomy, mandou vender esses diamantes e depositar o dinheiro nas suas contas bancárias fora de Cuba”, disse à Lusa o homem que foi guarda-costas do Presidente cubano durante 17 anos.

As memórias do elemento do círculo de segurança mais próximo da cúpula do regime cubano é autor do livro “A Face Oculta de Fidel Castro” que vai ser lançado em Portugal na quarta-feira e que inclui não apenas questões internas de Cuba, mas também o envolvimento de Havana na guerra em Angola, sobretudo a “Operação Carlota” em 1975 e a batalha do Cuíto Cuanavale, no final dos anos 1980.
“Eu tenho informações e além do mais vi. Fidel tinha outra ideia com Angola. Essa ideia sobre o internacionalismo proletário; essa ideia de ajudar os irmãos africanos; essa ideia de ajuda entre os povos é propaganda. É um mito”, sublinhou, referindo-se ao envolvimento de Cuba com o Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA).
 
LUANDA
“Fidel Castro não queria apenas o petróleo, mas também outros recursos naturais de Angola. Queria ir buscar mais depois da guerra, mas o que aconteceu foi que o aliado incondicional – Agostinho Neto – morre e José Eduardo dos Santos não lhe deu essa possibilidade”, explicou Juan Reinaldo Sánchez.

Sanchéz, 65 anos, começou a ser “vigiado” porque a família abandona Cuba e é finalmente detido após ter pedido a reforma, em 1994.

Consegue abandonar o país em 2008 a bordo de uma balsa em direção à costa mexicana, onde iniciou o exílio e recordou que começou a ficar “profundamente desiludido” com o líder histórico cubano depois de se ter apercebido de que Fidel coordenava uma rede de tráfico de droga.

“Fidel era o meu deus. Não era o homem pelo qual estava preparado a dar a minha vida, mas muito mais: no fundo estava inclusivamente desejoso de dar a minha vida por Fidel mas um dia ouço uma conversa entre o ministro do Interior, José Abrantes, e o presidente, em que me dou conta que Fidel está a dirigir tudo. Fiquei em choque. Senti-me utilizado, enganado porque afinal eu estava a tomar conta de um narcotraficante”, acusou Sánchez.

O autor do livro recordou que, até essa altura, Fidel Castro dizia que as acusações eram uma “manobra do imperialismo” e que Cuba era o país que tinha menos problemas de droga de todo o continente.

Para Sánchez, a revolução cubana é um fracasso porque “do ponto de vista económico” abraçou uma causa que falhou no mundo inteiro, considerando que o “caso chinês é uma mistura” que não pode ser relacionada com os fundamentos originais do socialismo.

“Na China, o partido comunista exerce poder sobre a população e sobre o Estado mas na economia é capitalista. Na América Latina, a partir de Hugo Chávez, na Venezuela, querem chamar-lhe ‘socialismo do seculo XXI’ mas isto assim não é socialismo”, disse.


Juan Reinaldo Sánchez acompanha a situação em Cuba a partir de Miami, nos Estados Unidos, mas não acredita em mudanças em Havana até porque a oposição e os dissidentes não estão organizados.
“O terror do governo cubano é que haja unidade na dissidência”, conclui o antigo guarda-costas de Fidel Castro.

A guerra comandada a partir de Havana 
No livro “A Face Oculta de Fidel Castro” o antigo guarda-costas do líder histórico cubano relata também as incompatibilidades com o general Ochoa, que um mês depois de ter sido criticado pelo curso da guerra em Angola acaba fuzilado.

“No Palácio ou no ‘war room’ ouvi Fidel fazer a Raúl Castro observações do tipo: ‘o Ochoa está a dar sinais de incapacidade’, o ‘Ochoa não se apercebe da realidade’, ou ainda ‘Ochoa já não tem os pés na terra’”, relatou Juan Reinaldo Sanchéz, que vive exilado em Miami, Estados Unidos.
 .
HAVANA
 Herói da Revolução cubana, membro destacado da resistência contra Fulgêncio Batista, além de ter participado com Che Guevara na formação de grupos de guerrilha no Congo e mais tarde na Venezuela, Ochoa foi um elemento essencial no envio de tropas cubanas para Angola em 1975, comandou as forças expedicionárias na Etiópia em 1977-1978 e foi, a mando de Fidel, conselheiro especial do ministro da Defesa da Nicarágua.

Após dois grandes desastres militares soviéticos em Angola, Ochoa é enviado para o terreno, onde participa na batalha do Cuito Cuanavale, contrariando muitas vezes as ordens diretas do próprio chefe de Estado cubano.

Na frente de Cuito Cuanavale
Em janeiro de 1988, em plena batalha do Cuito Cuanavale, o general Ochoa, caído em desgraça, é chamado a Havana, tendo sido fuzilado um mês de depois, acusado de tráfico de droga.

Segundo o autor do livro, Ochoa acaba por ser o bode expiatório daquilo que poderia transformar-se num escândalo com proporções internacionais e que envolvia o próprio Fidel Castro em esquemas de tráfico de droga como meio de financiamento da revolução.

O livro que dedica um capítulo à participação de Cuba na guerra em Angola não deixa de notar as capacidades militares de Fidel.
 
HAVANA
“O feito é extraordinário, pelo que merece ser sublinhado: durante toda a guerra, Fidel dirigiu as operações militares a partir de Havana, quase do outro lado do mundo. Era vê-lo entregue ao trabalho, o estratego no ‘war room’, rodeado de mapas do Estado-Maior e de maquetas de campos de batalha” recordou o antigo guarda-costas do presidente sobre os meses em que se travou uma das mais importantes batalhas travadas no continente africano.

Em Cuito Cuanavale, Angola, registou-se o confronto final “entre Cuba e a África do Sul” durante seis meses, de setembro de 1987 a março de 1988, resultando num impasse em que ambas as partes reivindicam a vitória mas os sul-africanos admitiram que jamais derrubariam “o governo marxista” militarmente.

Pouco depois, é proclamada a independência da Namíbia e na “mesma época o regime racista de Pretória” foi levado a fazer outras concessões, como a libertação de Nelson Mandela. “Três anos mais tarde, Nelson Mandela declarou: ‘Cuito Cuanavale pôs fim ao mito da invencibilidade do opressor branco. Foi uma vitória para toda a África”, recordou Sánchez.

O guarda-costas de Fidel Castro referiu-se ainda à “Operação Carlota”: a ponte aérea e marítima entre Havana e Luanda em 1975 a pedido de Agostinho Neto, que tinha conhecido Che Guevara dez anos antes no Congo.
 
HAVANA
No outono de 1975 na véspera da independência milhares de soldados cubanos estão já estacionados em Angola sem que Fidel tenha informado Moscovo das “grandes manobras” africanas. Em 1980, “após a morte natural de Agostinho Neto”, a situação complica-se com a invasão norte-americana de Granada onde são capturados 638 cubanos e depois em Angola, onde os sul-africanos relançam a ofensiva militar no sudeste do país.

“No terreno as baixas não param de aumentar. Decorridos dez anos do início do conflito, as mães cubanas vivem com um medo permanente”, escreveu Sánchez referindo que “ao todo” as baixas de Havana em Angola atingiram os 2.500 mortos.

No livro Sanchéz contou que assistiu às divergências entre cubanos e soviéticos sobre o curso da guerra e as críticas de Fidel contra as más decisões de Moscovo no teatro de operações.

* Pressupomos que a maior parte dos assuntos descritos na peça sejam verdade, os regimes totalitários regem-se pelos mesmos padrões sejam de esquerda ou direita. A crispação entre José Eduardo dos Santos e Fidel de Castro tem lógica, um dia ZEDU disse a Fidel: "- Quem rouba o povo angolano sou eu, vai p'rá tua ilha!".


.