sexta-feira, 12 de setembro de 2014

UMA GRAÇA PARA O FIM DO DIA

.





.
.
.

COM QUEM NÓS

BAILAMOS!


ALFORRECAS

video



.
.

ELEIÇOEIRO



.
.


 18 MANEIRAS DE SARAR

O ACNE FEMININO


video



.
.
HOJE NO
"DIÁRIO DE NOTÍCIAS"

Joana Vasconcelos inaugura 
Exposição Nacional do Bunho

A artista plástica Joana Vasconcelos vai inaugurar, na próxima terça-feira, a Exposição Nacional do Bunho que vai estar patente até dia 26 nos claustros do Convento de S. Francisco, em Santarém.
A exposição integra-se no Projeto de Desenvolvimento Sustentável "Ideias do Antigamente Promovem o Ambiente", liderado pelo município de Santarém e pelo Instituto de Arte, Design e Empresa -- Universitário (IADE-U). 

Maria João Cardoso, da Equipa Multidisciplinar de Ação para a Sustentabilidade (EMAS), da Câmara Municipal de Santarém, disse à Lusa que, no âmbito do projeto que visa reabilitar uma atividade quase em extinção, Joana Vasconcelos foi uma das artistas contactadas, tendo mostrado interesse em conhecer as virtualidades do bunho, fibra vegetal usada como matéria-prima por artesãos da região.  

A vereadora Inês Barroso confessou à Lusa que o contacto foi feito "sem grandes expectativas", mas que a reação não podia ter sido melhor.  

"Ela ficou interessadíssima e virá observar as potencialidades de trabalho com esta fibra vegetal", disse a vereadora à Lusa, frisando que foi o interesse de Joana Vasconcelos por novas formas de desenvolver as artes tradicionais que motivou o contacto com a artista.  

O projeto, que nasceu pequeno, "ganhou asas e voou", sublinhou Maria João Cardoso, referindo a qualidade dos parceiros envolvidos e a dimensão nacional que permitiu realizar o Encontro Nacional do Bunho, em maio, em Santarém, e agora a exposição que mostra trabalhos de todo o país, e que pode ser catapultada internacionalmente.  

"Sentimos que fomos pioneiros no desafio lançado e estamos muito agradados com este crescimento", afirmou Inês Barroso.  

O projeto parte da ideia de recuperação de uma atividade quase em extinção introduzindo-lhe inovação e conceitos de sustentabilidade e de empreendedorismo.  

Inês Barroso afirmou que, fruto do projeto, o Instituto do Emprego e Formação Profissional (entidade parceira) desenvolveu já um currículo de formação de 300 horas para artesãos em bunho, estando os parceiros da academia a criar valor, introduzindo fatores de inovação.  

Carlos Barbosa, Diretor do Núcleo do Design para a Sustentabilidade do IADE-U, disse à Lusa que "a introdução de fatores inovadores permite o desenvolvimento de outra tipologia de produtos que vá ao encontro da apetência de novos nichos de mercado".  

Carlos Barbosa deu como exemplo uma cesta pensada há mais de 20 anos para ir à feira, que não será utilizada hoje por uma jovem para ir às compras.  
"Provavelmente estará mais interessada num produto para transportar o computador, por exemplo. A inovação poderá passar por aí", adiantou.
"É preciso criar atratividade para que haja mais gente a acreditar que investir numa destas áreas pode ser um fator de empregabilidade. É importante que fique a noção de que é possível, introduzindo fatores tecnológicos e métodos de inovação mais consentâneos com o mercado e a cultura atual, criar quer empresas quer oportunidades de emprego", acrescentou.

Maria João Cardoso sublinhou as várias componentes de um projeto que "respeita o ambiente", pois parte de uma matéria-prima que cresce espontaneamente na margem dos rios, e que permite à comunidade criar meios para ser autossustentável. 

Além do IADE-U, são ainda parceiros o ISCTE - Instituto Universitário de Lisboa, a ACAF Portugal - Comunidades de Valor Partilhado, a SCMS - Santa Casa da Misericórdia de Santarém e a Confraria Gastronómica "Os Tanheiros", da aldeia do Secorio, onde a EMAS tem vindo a desenvolver um levantamento que será mostrado em vídeo durante a exposição.

* Seja bem vinda Joana Vasconcelos com mais um trabalho, ficamos na expectativa.


.
. .

.
O.N.U.

 

2-ABUSOS E

ESCÂNDALOS

video


 * Excepcional reportagem emitida na "SIC", programa "TODA A VERDADE"


.
.
HOJE NO
"RECORD"

Rali de Portugal disputa-se 
de 21 a 24 de maio

A FIA (Federação Internacional do Automóvel) anunciou esta sexta-feira o programa do Mundial de ralis de 2015, que mantém as mesmas 13 provas que integraram a lista deste ano, incluindo o Rali de Portugal.

As alterações são essencialmente de datas e, em alguns casos, de locais. O Mundial abre com o Rali de Montercarlo, uma semana mais tarde do que aconteceu em 2014, agora a adotar a regra Rally-2, que permite aos pilotos que abandonem regressar no dia seguinte. 

O Rali de Portugal regressa ao norte do país, depois de 10 anos na região do Algarve, agora em maio. Este ano de regresso após cinco anos de ausência, o Rali da Polónia mantém o seu lugar no calendário.

Calendário 2015:
1. Montecarlo 22-25 janeiro
2. Suécia 12-15 fevereiro
3. México 05-08 março
4. Argentina 16-19 abril
5. Portugal 21-24 maio
6. Itália 11-15 junho
7. Polónia 02-05 julho
8. Finlândia 30 julho -2 agosto
9. Alemanha 20-23 agosto
10. Austrália 10-13 setembro
11. França 01-04 outubro
12. Espanha 22-25 outubro
13. Grã-Bretanha 12-15 novembro.

* Mais uma festa da estrada.


.
.


21-UM POEMA

POR SEMANA
  
JOSÉ FANHA

CANÇÃO PARA
AS MINHAS FILHAS

video


dito por


JOSÉ FANHA



.
.
HOJE NO
"JORNAL DE NOTÍCIAS"

Antigo líder do CDS lembra que D. Afonso Henriques não pagou empréstimo ao Papa

O antigo presidente do CDS-PP Adriano Moreira defende que aquilo que impede o consenso são os incitamentos à separação entre portugueses, sobretudo entre ricos e pobres, argumentando que estes precisam de "pão na mesa e trabalho". 
Numa intervenção sobre a democracia cristã na "escola de quadros" do CDS-PP, que decorre em Peniche, Adriano Moreira desafiou os jovens centristas a fazerem um manifesto à ministra das Finanças a lembrar que o fundador da nacionalidade, D. Afonso Henriques, não pagou ao Papa as onças em ouro que lhe prometeu.

"Acentuou-se a circunstância que há desde o começo da nacionalidade de que o país precisa de um apoio externo. Precisou logo da Santa Sé, D. Afonso Henriques. Prometeu ao Papa, de quem era súbdito, de que pagaria seis onças de ouro, quatro onças de ouro por ano, e o cronista diz que nunca pagou, por muito bem lembrado. Não sei se podem escrever algum manifesto à ministra das finanças sobre D. Afonso Henriques", afirmou.

O vice-primeiro-ministro e presidente do CDS-PP, Paulo Portas, fez um "desvio lúcido" para passar por Peniche e abraçar Adriano Moreira, a quem ofereceu uma "aguardente antiga e bem portuguesa" como presente do aniversário que o antigo líder democrata-cristão celebrou recentemente.

O professor universitário, que assinou o chamado manifesto dos 70 pela reestruturação da dívida, criticou, na sua intervenção, os "incitamentos à separação entre velhos e novos, entre funcionários públicos e trabalhadores privados, sobretudo, entre ricos e pobres".

Segundo o antigo presidente do CDS, é isso que "impede muito aquilo que hoje se chama de uma maneira muito eloquente o consenso".

"É tao fácil descobrir qual é o problema essencial hoje dos portugueses, para os unir: é pão na mesa e trabalho, esta coisa simples", disse.

Adriano Moreira considerou ainda que a melhoria de indicadores não mostra uma verdadeira melhoria das condições de vida.

"Quando falam das estatísticas que melhoram, há um aspeto que eu acho que não melhora, parece que melhora. Porque a miséria está a expulsar a pobreza, emigra a pobreza, vai ficando a maior das incapacidades", afirmou.

O antigo presidente do CDS criticou a União Europeia que, considerou, "substituiu as diferenças ideológicas por um unificador 'neoriquismo'", e está atualmente dividida entre "Europa dos pobres" e "Europa dos ricos".

Adriano Moreira defendeu ainda que a crise europeia já devia ter levado à convocação do Conselho Económico e Social das Nações Unidas e referiu-se à situação de "protetorado", expressão usada por Paulo Portas para designar a intervenção externa.

"Eu dispensava na minha vida ter visto ministros portugueses a ter que discutir com empregados de organizações internacionais", lamentou, sublinhando que "o lugar dos ministros é no Conselho Europeu", acreditando que "o poder da voz é muitas vezes capaz de vencer a voz do poder".

A "escola de quadros" do CDS-PP, um novo modelo de rentrée política centrista, começou na quinta-feira em Peniche, onde até domingo se reunirão cerca de 150 jovens com idades entre os 16 e os 30 anos.

* Pois é professor Adriano Moreira, no tempo de Afonso Henriques não havia moleques.

.

MARTIN FELDSTEIN

.




Levar o dinheiro 
de volta a casa

Um crescente número de empresas norte-americanas planeia transferir as suas sedes para a Europa. Estas chamadas "inversões" reduzirão a factura fiscal total dessas companhias, permitindo-lhes escapar às desfavoráveis regras tributárias dos EUA. O que devem então fazer os legisladores norte-americanos?
 .
A Administração do presidente Barack Obama está a tentar bloquear a inversão corporativa através de medidas administrativas que poderão não ter o aval dos tribunais norte-americanos. Seria muito melhor desenvolver um plano legislativo bipartidário destinado, antes de mais, a eliminar a tentação de transferir as sedes das empresas. Um plano desses, se fosse atractivo para as multinacionais norte-americanas, poderia resultar numa transferência do emprego e da produção para os EUA e em maiores receitas fiscais.

Nos termos da actual legislação, os lucros empresariais nos EUA são tributados a uma taxa de 35% - a maior entre os países da OCDE, onde a média é de 25%. Esse imposto é pago sobre os lucros obtidos nos Estados Unidos e sobre os lucros repatriados obtidos por subsidiárias estrangeiras de empresas norte-americanas.

A título de exemplo, a subsidiária de uma empresa norte-americana que opera na Irlanda paga o imposto irlandês sobre o rendimento colectivo, de 12,5%, sobre os lucros obtidos no país. Se o repatriar após o pagamento dos impostos, paga um imposto de 22,5% (a diferença entre o imposto norte-americano de 35% e o imposto de 12,5% que já pagou ao governo irlandês). Mas se reinvestir os lucros na Irlanda – ou em qualquer outro país – não tem de pagar qualquer outro imposto adicional.

Não é pois de surpreender que as empresas norte-americanas prefiram deixar esses lucros no estrangeiro, aplicados em instrumentos financeiros ou investidos em novas subsidiárias ou nas já existentes. Consequentemente, as empresas dos EUA detém actualmente no estrangeiro cerca de dois biliões de dólares em lucros que nunca foram taxados nos Estados Unidos.

Todos os outros países da OCDE tratam de forma bastante diferente os lucros das suas subsidiárias no estrangeiro, baseando-se no chamado método "territorial" de tributação dos lucros obtidos "lá fora". A título de exemplo, uma empresa francesa que investe na Irlanda paga os 12,5% de imposto corporativo irlandês (IRC), mas depois tem liberdade para repatriar os lucros após impostos a uma taxa de menos de 5%.

O actual sistema fiscal dos Estados Unidos afecta adversamente a economia norte-americana, e de várias formas. O imposto extra que as empresas norte-americanas pagam se repatriarem os seus lucros faz aumentar os seus custos de capital, reduzindo assim a sua capacidade para competirem nos mercados internacionais. As empresas estrangeiras conseguem também superar as ofertas das suas congéneres norte-americanas na aquisição de novas empresas tecnológicas noutros países. E quando uma companhia estrangeira compra uma empresa norte-americana, paga o imposto norte-americano sobre os lucros obtidos nos EUA, mas não sobre os lucros obtidos pelas suas subsidiárias estrangeiras, o que baixa o total da sua factura fiscal.

Uma transição para um sistema territorial de tributação eliminaria as desvantagens com que se deparam as multinacionais norte-americanas e iria incentivá-las a reinvestirem nos EUA os lucros obtidos no estrangeiro, aumentando assim o emprego e os lucros nos Estados Unidos. Uma vez que, actualmente, apenas uma pequena parte dos lucros obtidos no estrangeiro é repatriada, o governo norte-americano perderia poucas receitas fiscais ao mudar para um sistema territorial. Há alguns anos, o Departamento norte-americano do Tesouro estimou que a transição para um sistema territorial reduziria as receitas fiscais provenientes das empresas em apenas 130 mil milhões de dólares ao longo de 10 anos.

Seria igualmente desejável reduzir gradualmente a taxa do imposto corporativo nos EUA, aproximando-o da média de 25% que se aplica na OCDE. Também isso encorajaria a que mais lucros obtidos no estrangeiro entrassem nos EUA.

Atendendo a que as empresas norte-americanas têm grandes volumes de lucros no estrangeiro que nunca foram tributados nos EUA, a transição poderia ser mesmo implementada de uma forma que aumentasse a receita líquida. Em troca da transição para um sistema territorial e da redução da taxa do imposto, o governo federal poderia tributar todos esses lucros passados não taxados, a uma taxa mais baixa e com um pagamento faseado por 10 anos. As empresas teriam então a liberdade de repatriar os seus lucros pré-existentes sem pagarem qualquer imposto adicional, ao passo que os seus futuros lucros obtidos no estrangeiro poderiam, tal como acontece noutros países, ser repatriados mediante o pagamento de um imposto de 5%.

Um imposto de 10% sobre esses lucros existentes e acumulados "lá fora" levaria a um encaixe de cerca de 200 mil milhões de dólares ao longo dos referidos 10 anos. Um imposto de 15% levaria a um encaixe de 300 mil milhões de dólares. A escolha da taxa de imposto faria parte da negociação sobre quanto se deve reduzir a taxa total do imposto sobre o rendimento colectivo cobrada nos EUA.

A título de exemplo, com um imposto de 10%, uma empresa com 500 milhões de dólares de lucros acumulados no estrangeiro incorreria no pagamento de 50 milhões de dólares, a serem pagos em 10 anos. Poderia repatriar 500 milhões de dólares a qualquer momento, sem qualquer pagamento fiscal adicional. Repatriar quaisquer lucros acima de 500 milhões estaria sujeito a um imposto de 5%.

A passagem para um sistema territorial e para um "IRC" mais baixo atrairia as multinacionais norte-americanas, mesmo que tivesse de pagar um imposto entre 10% a 15% sobre os lucros acumulados nos anos anteriores. Se Obama está à procura de uma oportunidade para negociar um acordo bipartidário que fortaleça a economia norte-americana e aumenta o emprego, então deve ponderar seriamente num pacote de reformas desta natureza.

Professor de Economia na Universidade de Harvard e presidente emérito do Departamento Nacional de Investigação Económica nos EUA, presidiu ao Conselho de Assessores Económicos do presidente Ronald Reagan de 1982 a 1984.

www.project-syndicate.org

IN "JORNAL DE NEGÓCIOS"
08/09/14

 .
.


270.UNIÃO


EUROPEIA














.
.
HOJE NO
"JORNAL DE NEGÓCIOS"

Despesa das famílias 
com saúde caiu em 2013

Depois de, pelo menos, dois anos a subir, a despesa directa das famílias com cuidados de saúde caiu em 2013. Já o Serviço Nacional de Saúde (SNS) terá gasto ligeiramente mais do que no ano anterior, quebrando com um ciclo de quebras.
No ano passado, as famílias portuguesas pagaram, directamente do seu bolso, 4,28 mil milhões de euros por cuidados de saúde, menos 4,7% do que no ano anterior, de acordo com a estimativa apresentada pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) na "Conta Satélite da Saúde 2013", divulgada esta sexta-feira, 12 de Setembro.
AUXILIAR DE  DIAGNÓSTICO
Depois de uma subida de 2% em 2011 e de 0,7% em 2012, as famílias reduziram a sua factura com saúde em 2013. O que pode em parte ser entendido pelo menor rendimento disponível dos trabalhadores do sector privado, por causa do aumento de impostos. E esta quebra teve como reflexo uma diminuição do peso da despesa corrente das famílias na despesa corrente total com a saúde. A fatia que coube aos portugueses no ano passado aproximou-se ainda assim de quase 1/3 da despesa total (28%).

Por contraponto a despesa do SNS subiu ligeiramente (0,3%) nesse período, depois de ter caído 8,7% e 7,9% nos dois anos anteriores, aumentando o seu peso na despesa corrente com saúde em 2013, para os 57,9%. Essa subida é explicada, segundo o INE, pelo "aumento da despesa com as entidades com contratos de parceria público-privada, com as entidades EPE e o aumento dos custos com pessoal (com a reintrodução do pagamento dos subsídios de férias e de Natal e o aumento da contribuição para a Caixa Geral de Aposentações".

Numa análise mais detalhada aos gastos das famílias, e recuando ao ano de 2012 para o qual há dados provisórios, verifica-se que o grosso das despesas (47,8%) são com prestadores de cuidados de saúde em ambulatório privados (clínicas), com farmácias (27,8%) e com hospitais privados (11,2%). Já o SNS repartia os seus gastos pelos hospitais públicos (52,2%), pelas farmácias (14,1%) e pelos prestadores de cuidados de saúde em ambulatório públicos.

Sector movimentou menos 2,3 mil milhões do que em 2010
Olhando para o conjunto da despesa em saúde, os dados do INE apontam para uma nova diminuição da despesa corrente em saúde em 2013 (-2,1%), embora de forma menos acentuada do que nos anos anteriores (-5,2% em 2011 e -6,6% em 212). Ao todo, em 2013, foram gastos mais de 15,28 mil milhões de euros, em despesa corrente. Recuando até 2010 é possível concluir que foram movimentados menos 2,3 mil milhões de euros no sector da saúde.

* Dada a voracidade da máquina fiscal, o desemprego que não diminui, as falências das empresas, os portugueses são forçados a aceitar a doença sem a poder combater, até o excelente SNS é caro para muitos cidadãos.

.
.

 2-O MEU BAIRRO 


LAPA


video


O cantor Vitorino habita na rua do Quelhas, e é daqui que parte Ana Sousa Dias a dar um passeio pelo bairro da "sua" Lapa, locais simples do quotidiano como o quiosque dos jornais na esquina ao cimo da Rua do Quelhas, uma drogaria à antiga que Vitorino muito preza para ir depois para a Antiga Carvoaria, entre outras antigas tabernas e novas pastelarias.

Vitorino, que regressou a Portugal nos anos 70, depois de ter viajado pela Europa nos anos 60, mostra o seu bairro popular, normalmente considerado "de luxo", que o encanta.

www.reabitar.pt | Reabi(li)tar
O Meu Bairro
Episodio 2 Lapa
Cantor Vitorino
RTP2


.
.
HOJE NO
"DESTAK"

Cavaco Silva garante não existir atrito
. com Governo e Banco de Portugal

 O Presidente da República garantiu hoje não existir "qualquer atrito" com o Governo nem com o Banco de Portugal relativamente ao caso BES, recusando-se a alimentar esta "controvérsia". 


"Não existe qualquer atrito entre o Presidente da República e o Governo, nem entre o Presidente da República e o Banco de Portugal", assegurou Cavaco Silva, em Santarém, onde hoje inaugurou o Museu Diocesano. 

Questionado se houve falhas de comunicação entre o primeiro-ministro e a Presidência da República a propósito do caso BES, Cavaco Silva referiu não fazer, "normalmente em público, comentários sobre as declarações de membros do Governo", pelo que se escusou "a alimentar essa controvérsia". 

* Alguém levantou esta confusão só para tentar distrair as pessoas da situação grave em que estamos com esta fofoca. O atrito não existe porque alinham todos na mesma equipa, a da incompetência.


.

.
Camané


Fado da sina


video

.
.
HOJE NO
"i"

Divisão no PS entra pela casa da família Soares

Mário Soares apoia Costa, João está com Seguro e Maria Barroso preferia que o confronto tivesse sido mais cedo, mas não revela quem apoia

Lá em casa "cada um pensa pela sua cabeça". A frase é dita por Maria Barroso, fundadora do PS, em resposta à pergunta sobre como é que a família Soares está encarar as eleições primárias no PS. Maria Barroso sorri e garante que "há unidade entre todos nós". 
.
UMA SENHORA
O sorriso não é inocente. A divisão no PS entrou pela casa da família Soares: o fundador do partido está ao lado de Costa, João Soares está com Seguro e Maria Barroso prefere não apoiar publicamente nenhum dos candidatos, mas, ao contrário do marido, acha que esta luta interna enfraquece o PS. "Tenho pena que eles tenham procurado esta altura." 

A ideia de que Costa devia ter avançado "antes" encaixa nas teses de Seguro, mas a fundadora do PS garante que tem "consideração pelos dois". A entourage de Seguro tem passado a mensagem de que Maria Barroso está com ele, mas nem os mais próximos arriscam um palpite. "Ela é rigorosamente reservada", diz um amigo da família. Há, pelo menos, uma pista que podemos seguir. Antes de o PS entrar em guerra já Mário Soares andava irritado com Seguro e ficou fulo por só ter sido convidado à última hora para a tradicional descida do Chiado, nas eleições europeias. Soares não foi, mas Maria Barroso quis dar "um beijinho e dar felicidades". Seguro registou: "É uma distinta socialista, um gesto de grande importância política." 

Mário e Maria Barroso são casados há mais de 65 anos e a política já os dividiu várias vezes. A última foi quando Soares surpreendeu tudo e todos e avançou com uma nova candidatura a Belém. Lá em casa ninguém concordou: "Toda a gente foi contra. Fizemos um jantar de família, e até os netos já crescidos e toda a gente se pronunciou contra. Até a minha mãe", conta, na biografia de Soares de Joaquim Vieira, Isabel Soares, a mais discreta da família. 

Não foi a primeira vez que a política dividiu o casal. Em 1973, Soares quis transformar a Acção Socialista Portuguesa (ASP) num partido e Maria Barroso esteve entre os sete socialistas que votaram contra. Soares recordou, mais tarde, que a sua "própria mulher votou contra", mas não fez "pressão" para a convencer a ficar ao seu lado. "Votou como entendeu", disse. O contrário também é verdade. Numa entrevista ao "Expresso", Maria Barroso assume que a sua influência nas decisões do ex-Presidente da República era "muito pouca". 

As divergências entre pai e filho também foram públicas. Ao ponto de João Soares assumir na praça pública que o artigo do pai, no jornal "Público", a declarar apoio a Costa era "um disparate". João disse-o com "toda a ternura" e um dos maiores amigos da família garante que as divergências públicas não se transformam em guerras privadas. "Não belisca rigorosamente nada a relação familiar. Cada um respeita o outro", conta Vítor Ramalho, garantindo que a política "jamais beliscou a relação entre pai e filho". 

No dia em que criticou publicamente o artigo em que Soares desafiava o líder do partido a "saber retirar consequências da falta de adesão dos eleitores a um estilo nada identificado com o povo", João fez um pedido aos jornalistas: "Peço que respeitem o meu pai. O meu pai tem 90 anos. Respeitem o meu pai." 

As primárias no PS não são, porém, assunto que domine as conversas entre os dois. "Nunca os vi falar sobre essa matéria. Cada um tem a sua opção e respeitam isso", garante Ramalho. Maria Barroso confirma que as primárias não fizeram mossa nas relações familiares e garante que em casa de "democratas todos respeitam as opiniões uns dos outros". Aos 89 anos, Soares continua activo como poucos da sua idade. Promove encontros políticos - há menos de um ano juntou as mais diferentes personalidades, na Aula Magna, numa acção contra o governo -, participa em conferências, dá entrevistas e escreve artigos regularmente. A família preferia que o ex-Presidente da República, por motivos de saúde, tivesse outros cuidados. Mas Soares não abdica de uma vida cheia. "Levanta-se de manhã e pensa política, e vai ser até à morte", diz na biografia de Vieira, o ex-assessor cultural em Belém José Manuel dos Santos. 

* Apesar de não sermos seguidores de Mário Soares, nem de ninguém, reconhecemos-lhe uma enorme força e inteligência para ter a vida cheia. Há por aí gentinha que até chega a dizer que Soares está gágá, uns pedaços de asno.

.
.
TWERK
SINCRONIZADO
video
.
.
HOJE NO
"A BOLA"

Joana Ramos prata em Zagreb

A portuguesa Joana Ramos conquistou a medalha de prata no Grand Prix de Zagreb.

A competir na categoria de -52Kg, a judoca lusa foi deixando pelo caminho a ucraniana Maria Buiok, a israelita Roni Schwartz, a italiana Odette Giuffrida e a belga Ilse Heylen, mas acabou por perde na final com a francesa Annabelle Euranie, que ganhou o ouro.

Em -66kg, Sergiu Oleinic ficou em sétimo, perdendo nos quartos de final com o turco Sinan Sandal depois dos triunfos sobre o húngaro Zsolt Gorjanacz e o holandês Junior Degen.

Já Diogo César, a competir na mesma categoria, foi eliminado pelo francês Adrien Bourguignon na primeira ronda.

* Valente!!!

.
.
PRÉMIO INTERNACIONAL FOTOGRAFIA
HAMDAN












Concurso Internacional de Fotografia Hipa é uma organização com sede em Dubai, que reúne um interessante prêmio internacional de fotografia em quatro categorias. Com uma doação significativa, ainda há tempo até 31 de dezembro para conquitar este fabuloso prémio anúncio: Criando o Futuro 2013-2014 Informação e todos os bancos de dados em seu site Hipa.ae

.
.

HOJE NO
"AÇORIANO ORIENTAL"

Coreia do Norte proíbe redes wi-fi nas embaixadas para internet ser inacessível

A Coreia do Norte proibiu os estrangeiros que residem no país de usar ligações por wi-fi para aceder à internet, aparentemente para evitar que os cidadãos locais consigam usá-las para se ligarem ao exterior.
 
UM CABELO APANASCADO
De acordo com um decreto governamental que é hoje noticiado pela revista online especializada na Coreia do Norte NKNews e citado pela agência de notícias espanhola Efe, as embaixadas, as organizações não governamentais e os funcionários estrangeiros foram notificados de que devem "abolir" o uso de redes sem fios porque elas "produzem certos efeitos colaterais" que não são especificados.

O decreto, com data de 13 de agosto, estipula que a multa pode ir até cerca de 8.500 euros e foi publicado no mesmo mês em que a revista 'The Diplomat' noticiou que as habitações ao lado de embaixadas e edifícios de organismos internacionais que utilizam este tipo de ligações sem fios em Pyongyang estavam a aumentar significativamente os preços.

A razão deste aumento estaria ligada com a possibilidade de aceder às redes sem fios com internet, que é encarado como um desejo dos cidadãos da hermética Coreia do Norte - onde apenas uma pequena parte da elite do regime dirigido por Kim Jong-un tem autorização para se ligar à internet.

* Um regime democrático, curiosamente o querido líder aprecia Paulo Bento já que escolheu a nossa selecção para defrontar a da Coreia do Norte na final do Mundial 2014 e, como se sabe, o país asático venceu.

.
.

 
MERGULHANDO

video
Costa Noroeste da Austrália

.
.

HOJE NO
"DIÁRIO ECONÓMICO"

Mais de cem mil inscritos 
nas primárias do PS

O número de simpatizantes inscritos para as eleições primárias socialistas vai ultrapassar os cem mil, registando-se nos últimos dias um aumento das inscrições em papel. 

De acordo com dados provisórios da comissão eleitoral das primárias, órgão liderado pelo ex-ministro Jorge Coelho, até às 20:00 horas de quinta-feira estavam registados 97 mil simpatizantes para votarem no próximo dia 28 na disputa entre António José Seguro e António Costa, tendo em vista a escolha do candidato do PS a primeiro-ministro nas próximas eleições legislativas. Hoje é o último dia do prazo para a inscrição de simpatizantes nas primárias socialistas e a sede nacional do PS, em Lisboa, estará aberta até à meia-noite para receber inscrições. Por via electrónica, o sistema informático aceitará inscrições até às 23:59 horas.


Em relação a simpatizantes que se inscrevam hoje em estruturas do PS longe de Lisboa, fonte da comissão eleitoral disse que serão aceitem inscrições que apresentem o carimbo dos correios do dia de hoje (até às 18:OO).

Para inscrições que se façam fora de Lisboa após a hora de fecho dos serviços de correios - ou seja, entre as 18:00 horas e a meia-noite -, há sempre a possibilidade de a estrutura socialista concelhia ou federativa proceder à digitalização da ficha de inscrição, enviando pela Internet uma cópia para a sede nacional.

Fonte da comissão eleitoral referiu à agência Lusa que as inscrições em papel não representavam mais do que sete por cento do total no início deste mês, mas que terão registado um drástico aumento nos últimos dias.

* Os socialistas e simpatizantes vão ter de escolher entre um homem que assumiu o partido na hora da derrota e, o que na altura meteu o rabinho entre as pernas e aparece agora, qual abutre, depois de duas vitórias eleitorais.


.
.

A LUTA CONTINUA

 Moscou, 2013: Maria Alyokhina, integrante da banda Pussy Riot, na estação ferroviária de Kursky após ter sido libertada da prisão.


Santo Domingo, 2012: Feministas dominicanas protestando contra o “feminicídio”.


 
Maputo, Moçambique, 2012: Uma manifestante feminista segurando um cartaz com os dizeres: “Não há nada mais sexy que um homem feminista”.


 
Ankara, Turquia, 2011: Mulheres marchando no Dia Internacional das Mulheres por punições mais duras aos autores de “crimes de honra” e de violência contra mulheres.

 
Varsóvia, 2012: Defensores da Pussy Riot em frente à embaixada russa, protestando contra a sentença de dois anos dada a três membros da banda.

 
Espanha, 2010: Duas mulheres usando mitras com os dizeres “Eu sou lésbica, adúltera, pró-aborto e uso camisinha” num protesto contra o Papa Bento XVI.

 
Londres, 2012: Atrizes vestidas como sufragistas, reencenando uma marcha no parlamento.

 
Kiev, 2013: Uma integrante do Femen sendo presa enquanto protestava contra a prisão de Alexei Navalny.

 
Managua, Nicaragua, 2014: Uma ativista feminista tentando atravessar uma barricada policial durante uma marcha do Dia Internacional da Mulher

 Bruxelas, 2013: Um segurança prendendo uma integrante de topless do Femen com uma gravata, depois que ela tentou impedir a saída do carro do primeiro-ministro da Tunísia de um edifício da União Europeia.

 
 Londres, 2012: Uma simpatizante da Pussy Riot manifestando em frente à embaixada russa.

* Em pleno século XXI a mulher continua a ser objecto de discriminações sórdidas, exploração familiar, laboral e social, não nos cansaremos de a defender e apoiar a sua luta neste blogue.


.