terça-feira, 26 de agosto de 2014

UMA GRAÇA PARA O FIM DO DIA

.
















.
.
.

O QUE NÓS

"CUSCAMOS"!


MEGACUSCAS/6

ALGUMAS MENTIRAS NAS QUAIS
ACREDITAVA ATÉ HOJE




.
.
 5.QUANDO A ROUPA 
NÃO COLABORA















.
.
 À PROVA DE ÁGUA




.

JOANA PETIZ

.



Palavras proibidas 
numa entrevista 
de emprego

Muitas vezes são os próprios candidatos que boicotam as suas possibilidades de conseguir um emprego, quando vão a uma entrevista de trabalho. A conversa abaixo é uma reprodução mais ou menos fiel de uma série de entrevistas de trabalho que de facto aconteceram.

Porque se candidatou a este emprego?
Bem, o salário é bom - os últimos tempos foram difíceis... está a ver, estou sem emprego há uns meses e neste momento estou quase sem dinheiro. E é uma boa forma de acumular mais experiência para poder candidatar-me a um cargo melhor.

Está disposto a empenhar-se a fundo?
Claro! Preciso mesmo deste emprego... Mas por acaso queria perguntar se posso fazer um horário diferente. É que tenho um filho pequeno e dava-me jeito sair às 17h, porque tenho de ir buscá-lo à creche. Comprometo-me a deixar todo o trabalho do dia feito, mas precisava mesmo de sair a essa hora.

E porque deixou a empresa onde trabalhava?
O que fazia não me inspirava nada... E meu chefe era insuportável, estava sempre aos gritos e nada do que eu fazia lhe servia. Nada estava bem feito. Ele embirrava mesmo comigo, percebe, por isso quando acabou o meu contrato fui despachada.

Tem alguma dúvida em relação à nossa empresa ou ao cargo em causa?
A empresa sei mais ou menos o que faz, mas queria perguntar uma coisa: posso tirar férias no mês de Agosto, o mês inteiro?

As respostas não são todas da mesma pessoa - acredito que nenhum entrevistador resistiria a tantas assim sem dar a entrevista por terminada - mas são verdadeiras, dadas por diversas pessoas que se candidatavam a empregos reais. Escusado será dizer que nenhuma delas foi contratada.

No Guia do Mercado Laboral da Hays, empregadores portugueses apontaram os erros mais comuns que os candidatos cometem em entrevistas de trabalho: serem antipáticos ou arrogantes (85%), serem incapazes de descrever a sua experiência profissional (62%), não serem pontuais (57%), sobrevalorizarem as suas capacidades (47%) e dizerem mal de antigos chefes (66%).

O que nos leva a um ponto importante a levar muito sério numa entrevista de trabalho: honestidade, sim, mas temperada com bom senso. Você contrataria alguém que admite que considera a sua empresa como um simples passo num plano muito maior, um meio para atingir o verdadeiro objectivo de carreira? Ou um candidato que ainda antes de ser contratado já está a fugir ao trabalho ou revela que terá dificuldade em cumprir os horários? A boa vontade tem limites...

Os erros são óbvios, mas ainda assim há muitas pessoas que os cometem, quando se candidatam a um cargo e chegam à entrevista. Falar mal do antigo chefe é um dos mais comuns. Provavelmente, não vêem nada de errado nisso: caramba, até é lisonjeador para o novo chefe, não?! Não. Mesmo nada. A forma como você fala daqueles que fazem parte do seu passado profissional é uma pista não só para a sua personalidade - revela as suas capacidades de relacionamento, a forma como acata ordens - mas também para a maneira como vai falar, no futuro, daqueles com quem entretanto se cruzar. Se lhe é tão fácil insultar alguém na primeira conversa com o entrevistador, é quase certo que não poupa ninguém.

Por outro lado, tentar tirar nabos da púcara sobre quanto vai receber ou falar em férias logo no primeiro contacto não é aconselhável. Se esses factores não são mencionados na proposta de emprego é porque o empregador quer guardar essa informação para partilhar apenas com quem realmente ficar com o trabalho. Tem tempo - e muito mais vantagens - para discutir o salário e regalias quando o escolherem para o lugar. Se o seleccionaram é porque o valorizam, logo poderão estar disponíveis para lhe oferecer melhores condições. Abordar estes assuntos prematuramente pode dar uma ideia errada sobre a sua maneira de ser - ninguém quer ter na sua equipa um funcionário ganancioso e demasiado preocupado com as férias. Em contrapartida, mostrar-se desesperado por um emprego pode fazer com que a oferta piore: você é bom, tem o perfil ideal para o lugar, mas se estão a fazer-lhe um favor ao dar-lhe o trabalho você aceitará quaisquer condições que lhe proponham.

Em último lugar, não use a família como desculpa. Uma coisa é candidatar-se a um lugar com horários flexíveis ou turnos e revelar a sua preferência, outra é mostrar-se indisponível logo à partida. Se não tem capacidade para cumprir, não se candidate. Caso contrário só está a perder o seu tempo e o dos outros.

Chefe de redacção adjunta

IN "DINHEIRO VIVO"
18/08/14


.
.

 DEMOCRÀTICAMENTE


POLÍCIA ANGOLANA


.
.

Crosby Stills Nash & Young

Teach Your Children



.
.


Nissan GTR




.
.

O FUTEBOL É
P'RA HOMENS?















.
.


264.
Senso d'hoje


ANTÓNIO

MARINHO E PINTO
DEPUTADO EUROPEU
SOBRE O SEU SALÁRIO
E OUTRAS QUESTÕES

"Na verdade, só me escandalizei quando vi o saldo porque todo esse dinheiro não se destina a remunerar com justiça o trabalho e as despesas dos deputados, mas sim a aliciá-los para desígnios políticos (muitas vezes) contrários aos interesses dos povos que os elegeram."

"Participei em cerca de duas dezenas de reuniões, cuja genuína utilidade é impedir-me de dizer que ainda não fiz absolutamente nada."

"Nas próximas eleições legislativas vou candidatar-me ao cargo de primeiro-ministro de Portugal."


* Excertos duma entrevista a "NÍLTON" no "DIÁRIO DE NOTÍCIAS"



.
.


BOM DIA



.