domingo, 10 de agosto de 2014

UMA GRAÇA PARA O FIM DO DIA

.

 ILUSÃO DE ÓPTICA




.
.
.

O QUE NÓS

CUSCAMOS!



Capital do Móvel


A Associação Empresarial de Paços de Ferreira convidou o fundador do IKEA, Ingvar Kamprad, para visitar a feira, que fecha portas hoje, domingo 10/8  – oferecia-lhe a viagem de avião e a estadia.

VEJAMOS OS CARTAZES DE RUA
















E O CONVITE





FONTE:"SÁBADO"

.
.
.
BICIKLISTAS















.
.
.


2-HISTÓRIAS
DA BÍBLIA


.

CATARINA CARVALHO

.







 Ondas de choque 
de um caso salgado

A política acabou. Penso isto enquanto pouso o iPad, pa­ra passar mais protetor solar. Acham estranho? Eu não. Estou na praia e o sol não me impede de pensar. Pelo contrário, a descon­tração fora da rotina espicaça-me. E raramente tenho tanto tem­po como aqui para ler notícias. Reparem que este é, também, um fim de semana que dá muito que pensar. Rebentou há pouco o es­cândalo BES/GES, Ricardo Salgado foi detido, revistado, saiu com uma caução de três milhões de euros. Isso mesmo, Ricardo Salga­do, aka o dono disto tudo, foi preso.

Isto dá muito que pensar – para além das notícias, dos mi­lhões, dos escândalos financeiros. Para já, pela ambivalência ideo­lógica que cria. O escândalo acontece no culminar de uma crise em que se espalhou a ideia dominante de que o povo andava todo a vi­ver acima das suas possibilidades, o que parece ter sido interiorizado, até na forma como baixaram os níveis de consumo. O escân­dalo do GES acerta em cheio numa família a quem essa ideia se aplica na perfeição, sim, mas a verdade é que esta era a família que anteriormente nos dava lições de moral sobre o rendimento míni­mo e os mandriões que o recebiam. Ricardo Salgado já é o quarto banqueiro a contas com a justiça – e estas contas têm que ver com o coração do negócio, e não um crime passional numa febre de pai­xão que os tivesse arrebatado a todos. Banqueiro, e não bancário, como aconteceu noutros países, nomeadamente na Inglaterra ou nos EUA. Ricardo Salgado não é o equivalente português de Ber­nard Madoff. Tem a escala de um Rockefeller ou um Rothschild.

Num país qualquer mais civilizado do que o nosso – e só eu sei como odeio usar frases destas, da sabedoria taxista – por esta al­tura tínhamos os spinners políticos a pensar como haviam de dar a volta à história para que a história não irrompesse, por exemplo, num domingo de praia normal, e acabasse com a carreira dos líde­res que os contrataram. Teríamos governantes a panos de vinagre a pensar como haviam de sair deste imbróglio ideológico e social. E teríamos uma oposição, sindicatos, esquerda radical – ou até me­nos – todos a capitalizar, a bater na mesma tecla até ela ficar sem cor, a gritar aos quatro ventos, a manipular opiniões…
Mas, como eu dizia, a política acabou. Acredito, é possí­vel, que os banhistas que me rodeiam não estejam tão bem infor­mados como eu. Mas só o que eles já sabem – e é impossível que a informação não lhes tenha entrado pelos olhos dentro – devia ser suficiente para pensamentos mais revolucionários – ou, pelo me­nos, indignados – do que a melhor forma de esparramar-se ao sol, ou gritos mais fortes que o psst com que chamam o senhor das bolas-de-berlim.

O que está em causa na queda e detenção de Ricardo Sal­gado não é um mero escândalo financeiro. Estamos perante um facto sociológico – e por isso o trago aqui. A questão que se coloca é: que podemos esperar para Portugal deste tipo de elites? Elas que devem ser o motor do progresso parece que, aqui, são o seu travão. Elas que nos deviam levar – empurrando ou puxando-nos – estão apenas preocupadas em como pagar menos impostos. Ora, isso faz qualquer canalizador. Coisas destas dão revoluções – co­mo temos visto ao longo da história.

Mas não. Nós, não… Temos apenas conversas sobre o frio inusitado que faz este verão, o governo assobia para o lado, ten­ta capitalizar no próprio rebentar do escândalo – «viram, vi­ram?, nós não os ajudámos, nós deixámos cair os poderosos» – a oposição entretida com lutas internas e concertos de ferrinhos, a justiça a tentar mostrar o que vale, como faz sempre, fazendo cenas com os poderosos que ela bem sabe já não o serem… E en­fim, no meio disto tudo, temos a constatação simples de que a po­lítica acabou.

IN "NOTÍCIAS MAGAZINE"
03/08/14


.
.

Star Trek


.
.
 
COWBOY MUSICAL



.
.



 AO POSTE




.
.


 COMO FICOU


A D. INÉRCIA





.

.


248.
Senso d'hoje


PAUL DE GRAUWE
PROFESSOR DE ECONOMIA
NA UNIVERSIDADE DE LEUVEN
ÀCERCA DO EMPRÉSTIMO AO BES

"Sei que o Governo está a recapitalizar a parte boa do BES num montante de 4,9 mil milhões de euros. Isto significa que o Governo português está a assumir uma dívida seja ela depois compensada mais à frente. "Seja com um empréstimo do FMI e da UE, ou não, é indiferente

"ao fazer isto, o Governo põe os contribuintes em risco, como acontece sempre que emite mais dívida"

"pode acontecer que quando o Governo vender o BES, faça lucro". "Isso serão boas notícias para os contribuintes. Mas isto é o futuro. Hoje, ninguém sabe se isso irá acontecer. Também pode acontecer o contrário, isto é, o Governo pode incorrer em perdas."

"A recapitalização do BES pelo governo português implica o envolvimento dos contribuintes. Já se esperava"

"a conclusão é que está a colocar em risco os futuros contribuintes. Se o Governo diz que isto não é verdade, está a enganar os portugueses".


.
.

 BOM DOMINGO



.