quarta-feira, 30 de abril de 2014

.



.
.

 O QUE NÓS

ENCONTRAMOS!



IVANOVKA
UM RETRATO DO PASSADO


video


 Foi em 1834 que as primeiras casas russas foram construídas neste local. As famílias dos cristãos Molokans estabeleceram-se aqui depois de terem sido expulsos da Rússia. Estes dissidentes decidiram desobedecer às regras da Igreja Ortodoxa Russa. Os seus sucessores, ainda hoje, falam russo e mantêm as tradições dos antepassados.


.
.
 UM FILME IMAGINÁVEL




.
.

O FUTURO
DA SAÚDE
EM PORTUGAL



CLIQUE EM "Programa OLHOS NOS OLHOS"


Se no dia indicado acima não teve oportunidade de ficar mais esclarecido sobre "O FUTURO DA SAÚDE EM PORTUGAL", dispense-se tempo para se esclarecer agora, este programa é extenso mas terrívelmente claro e polémico.
Fique atento às declarações do Dr. António Ferreira.

.
.
HOJE NO
"DIÁRIO DE NOTÍCIAS"

Saiba quais as praias 
com bandeira azul em 2014

A bandeira azul vai ser atribuída a 298 praias, das quais 18 fluviais, e a 17 marinas, o que representa uma subida em termos globais a nível de praias de 08%, anunciou hoje o presidente do galardão.

José Archer sublinhou que em 2014 se ultrapassou, pela primeira vez, a marca dos 300 galardões atribuídos por todo o país, entre praias e marinas.

BISCOITOS - AÇORES
Na comparação entre 2013 e 2014, houve uma subida de cerca de 08% nos galardões atribuídos a praias, já que se passou de 277 para 298. A nível de marinas, a subida foi de 21%.

O responsável manifestou a satisfação pelo "empenho muito grande" dos municípios em cumprirem os requisitos, sobretudo depois de o inverno rigoroso que se registou, lembrando que o galardão prevê o cumprimento de 30 requisitos, dos quais "26 são imperativos" e o "pré-requisito quanto à qualidade da água".

A entidade faz uma avaliação na altura do início da época balnear e uma monitorização ao longo do verão para comprovar o respeito pelos requisitos.

O presidente da Bandeira Azul admitiu que o galardão envolve "custos e investimentos avultados", mas recordou que os "retornos são quase imediatos", graças à maior circulação de pessoas pelos locais, assim como atividade económica.

No Norte, contabilizam-se 66 praias com bandeira azul distribuídas por 11 concelhos. Na lista, estão três praias fluviais e registou-se a saída de Leça da Palmeira.

No Centro, receberam o galardão 27 praias que se encontram por 18 concelhos, um dos quais é novidade: Oliveira do Hospital. Em 2014, nesta zona, as bandeiras vão estar em oito praias fluviais e entrou uma praia para o lote: Alvôco das Várzeas.

Na zona do Tejo, foram contabilizadas 49 praias, das quais cinco fluviais. As bandeiras vão ser hasteadas em 13 concelhos, tendo-se registado a entrada de Pampilhosa da Serra e de quatro praias: Janeiro de Baixo, Pessegueiro, Santa Luzia e Lagoa de Albufeira do Mar.
As saídas foram das praias de Crismina, Calada, Algodio e Castelo.
JANEIRO DE BAIXO
No Alentejo, 27 praias e uma fluvial, podem hastear a bandeira azul, estando na lista sete concelhos e uma praia nova: Furnas. Nesta região, assinalou-se a reentrada do Farol.

"Continua recordista" o Algarve, ao somar 82 galardões, um dos quais para uma praia fluvial, contabilizando-se praias em 14 concelhos.
Para o leque de praias distinguidas entrou o Peneco e 12 reentradas: Castro Marim (3) Lagoa (5), Fuseta Ria, Inatel, Pescadores e Falésia-Açoteias.

Nos Açores, o galardão foi atribuído a 32 praias de 10 concelhos, registando-se a entrada para a lista da Baixa da Areia e seis reentradas: todas as do município da Praia da Vitória (Escaleiras, Praínha, Grande, Biscoitos, Porto Martins e Riviera). Sem bandeira azul vão ficar Porto Pim e a zona balnear de Santa Cruz da Graciosa.

Na Madeira, a bandeira pode ser colocada em 15 praias, ao longo de nove concelhos, tendo-se registado as reentradas na lista da Calheta, Ribeira Brava e Ponta Delgada. De saída esteve a praia Roca Mar.

Na lista de marinas destacou-se a reentrada das marinas da Praia da Vitória e Vila Franca do Campo (Açores) e a entrada da marina de Vila do Porto, também nos Açores.

O tema eleito para ser desenvolvido em ações de sensibilização nas praias, marinas, embarcações recreativas, este ano, é "Poluição nos Oceanos: esclarecer, planear e agir". Estão planeadas 712 atividades.

As cerimónias de hastear das primeiras bandeiras azuis de 2014 acontecem nomeadamente nos concelhos da Póvoa do Varzim, a 01 de junho, Mértola, a 06 de junho, e na Marina de Albufeira, a 13 de junho.

* BOAS FÉRIAS!



.
.



VERSACE
    
 SPRING/SUMMER
MILAN FASHION

video



.
.
HOJE NO  
"RECORD"

 Carcavelos acolhe nova edição
 do Cascais Surf à Noite 
.
A praia de Carcavelos vai acolher, no próximo sábado, nova edição do Cascais Surf à Noite. A grande atração será o "air show" a partir das 22 horas, com "alguns dos melhores surfistas nacionais", segundo avançou a organização.

Durante a tarde, o evento vai contar ainda com outras iniciativas, como aulas de surf, competições de skate e test drive de pranchas.

* Muita fixe

.
.


 X-OS SUPER
  HUMANOS
 
1-O HOMEM LOBO 


video



.
.
HOJE NO
"JORNAL DE NOTÍCIAS"

Desempregado pede 50 euros 
a Passos para comprar sapatos

Um desempregado aproveitou a presença de Pedro Passos Coelho, na tarde desta quarta-feira, na inauguração da Ovibeja, para pedir ao primeiro-ministro "50 euros para comprar uns sapatos". 
.
 Fernando António, de 46 anos, conhecido como "Matina" e morador na aldeia de Salvada, está, por estes dias, a trabalhar numa das tasquinhas da Ovibeja.

No meio de várias queixas dos presentes, nomeadamente reformados, Fernando António, que se encontra desempregado há longo tempo, explicou a sua difícil situação ao primeiro ministro.

"Dê-me 50 euros para comprar uns sapatos", pediu Fernando "Matina", a Pedro Passos Coelho, mostrando-lhe o que tinha calçado: um par de sapatos completamente gasto e roto.

Apanhado de surpresa, o chefe do governo explicou que não podia dar-he essa quantia, mas deixou a promessa de estar a trabalhar, como todo o Governo, para "melhorar a situação do país".

*  Uma vergonhaça, bem feita. Façamos uma colecta para comprar uns sapatos ao corajoso cidadão.

.

HELENA MARUJO

.


Felicidade Pública:
.........manifesto contra 
..........a instrumentalização
da felicidade laboral

"That is happiness, to be dissolved into something complete and great”(Isso é a felicidade, a ser dissolvida em algo completo e grandioso), Willa Cather

Mea culpa.
.
Tendo sido uma das primeiras pessoas que começou em Portugal a falar da importância da felicidade no contexto laboral,  sinto-me inquieta com o rumo que pode trazer a bandeira de uma abordagem positiva nas organizações em tempo de desertos. 

Guiava-me na altura a vontade de criar lugares de vida mais humanos, de pensar em formas sociais democráticas mais límpidas e evoluídas, em locais de produção de bens e serviços mais vocacionados ao bem-comum. Queria ver mais, no espírito do próprio tempo, do que outra leva de emigração em busca de dignidade, decência e alimento; queria humildemente ajudar a construir um mapa moral e dialogante nas empresas privadas ou públicas, nas fábricas, nos serviços, nos campos, nas escolas, nos hospitais.

Hoje, vejo o tema da felicidade a entrar nas organizações, e devia sentir-me, no mínimo... feliz. Mas antevejo o risco.

Quantas vezes configurada em não mais do que um rol de práticas assentes num irrefletido e vago sentimento moral, numa superficial alegria, e em mais uma forma de instrumentalização de quem trabalha – um novo caminho para maior produtividade, uma outra forma de medir, controlar  e influenciar a satisfação, uma repetição triste de formas manipuladoras de controlo – a possibilidade da felicidade está ainda mais em perigo.

Quando sonhei trazer da investigação para o dia-a-dia dos empregados esse horizonte da felicidade idealizei formas de trabalho, liderança, comunhão relacional e ambiente laboral com verdadeiro compromisso, porque resultado de justiça interna e equidade externa, uma felicidade tecida em redes de pessoas solidárias, compassivas, íntegras e coerentes, com espaços e tempos de autodeterminação e autonomia, sentindo-se competentes e valorizadas, construtoras de coletivos e não apenas de egoístas individualizações, numa clara expressão de evolução da sabedoria conjunta e de uma gramática mista de hedonismo e sentido. Invoquei locais de trabalho que fossem verdadeiras cartografias de pequenas virtudes diárias, desde o CEO ao segurança, do trabalhador do call center ao educador no infantário.

Nunca concebi uma coexistência que convidasse à uniformidade, ao opressivo e falaciosamente entusiasmado, sempre externamente motivado, e muito menos desejei uma felicidade que fosse descontextualizada.

Soube pela pena de Robert Skidelsky, num artigo deste mês de Abril do The New York Review of Books, que há algum tempo as hospedeiras de bordo de uma companhia de aviação norte-americana tinham ameaçado fazer uma “greve de sorrisos”, em resposta às múltiplas tentativas da entidade patronal para aumentar ao limite a eficácia e rapidez do seu trabalho. E relembrei o taylorismo, as prisões circulares de controlo permanente pensadas por Bentham – os panóticos, ainda hoje identificáveis – e a forma robótica e automatizada como, em consequência hoje, ainda e de novo, concebemos o trabalho.

Faço por isso objecção de consciência a todos os que, ao pegar nas novas modas, como parece estar a tornar-se a da felicidade no trabalho, ao inteligentemente perceberem as vantagens desta nova linguagem, a desvirtualizam e desvitalizam, usando-a para trazer as pessoas de volta à submissão, à intimidação, desta vez com propostas disfarçadas de cordeiro, aumentando a descrença em salvações cada vez mais improváveis.

Se tratamos os trabalhadores como máquinas não fiáveis, das quais desconfiamos, e que são substituíveis e meros objetos de produção; se usamos a intimidação para os levar ao limite, e os privarmos da possibilidade de exercer as suas competências e de se educarem e formarem melhor, enquanto lhes negamos a justa e harmoniosa recompensa, entramos em decomposição social, e namoramos o pior do passado e o mais podre da lógica económica: pessoas e locais frios, calculistas e degradantes. Ficamos perante uma nova variação corporativa da dominação, especialmente arrepiante na semana em que celebramos 40 anos do 25 de Abril, que nos permitiu sonhar sermos juntos capazes de práticas democráticas e de uma cidadania resplandecente, com responsabilidade e vigilância.

A felicidade não pode ser o novo endoutrinamento, mais uma floresta do efémero, que seduz pelo superficial, corroendo o vital, uma cortina que esconde o pior do velho império; não pode ser o riso falso ou demoníaco que eclipsa a respeitabilidade ou esconde falsas razões, nem uma proposta que corteja a injustiça. Não podemos nunca permitir as atuais desvertebrações dos trabalhadores para manterem o trabalho, nem novas escravidões, novos medos, novos silêncios, novas censuras, criados pela insegurança e vulnerabilidade social, em nenhum local onde se trabalhe, mas ainda mais em espaços de trabalho onde se fala da importância da felicidade dos empregados. Não podemos ceder às graves e mentirosas inconsistências.

Há semanas, um aluno-trabalhador partilhava connosco numa aula que no seu emprego era proibido falar sobre quanto cada um ganha; se o fizerem, a punição será o despedimento. Algo está profundamente mal quando há temas tabus, que impedem a comunicação, aumentam a desconfiança e limitam a profundidade e espontaneidade das relações. Por isso, apoio o desligar emocional, tal como o propõe Robert Sutton, quando os ambientes laborais são tóxicos, desligar que deverá substituir o convite a outras modas como a mindfulness ou a imaginação positiva/daydreaming, que excelentes em si mesmos, poderão levar a abismos dogmatizantes se o contexto for maléfico e houver elevadas quotas de frustração e indignidade coletivas.  Aí, não deverá haver lugar a elevado comprometimento nem paixão ao que se faz, nem a alegria imposta ou sorrisos obrigatórios e hipócritas, mas sim a formas múltiplas e lúcidas de critica e mudança.

Precisamos de felicidades comprometidas e eloquentes, que levem as vidas dos trabalhadores a correrem como seda, que permitam transgressões ao mal e conjunturas de diálogo, e que se promovam e elevem meramente quando os contextos e as lideranças são equitativas, íntegras, benevolentes e virtuosas.

Como dizia o filosofo russo Pyotr Chaadayev, “Não aprendi a amar a minha pátria com os olhos vendados e a cabeça inclinada.” Não aprenderemos a amar o trabalho e a dedicar-nos a ele de forma verdadeiramente produtiva se nos quiserem de joelhos, silenciados, surdos e cegos, e insensíveis ao fedor do mal. Como investigadora da felicidade, tenho a obrigação também de ser parte da consciência intelectual; e o dever do intelectual, esse luxo dos dias de hoje, é – dizia-o o sociólogo Stanislaw Ossowski já nos anos 1960, pensar de uma maneira desobediente perante os cataclismos civis.

Não deixarei de lutar pela felicidade publica. É talvez uma meta de vida. Mas ou a felicidade rima com dignidade, ou é uma ópera bufa.

Professora universitária no ISCSP/UL.

IN "PÚBLICO"
23/04/14


.
.


166.UNIÃO


EUROPEIA





















.
.
HOJE NO
"JORNAL DE NEGÓCIOS"

Há 15 dias, Governo dizia que
 não haveria aumento de impostos

 No dia em que pela primeira vez o DEO foi a Conselho de Ministros o ministro-adjunto e da Presidência, Luís Marques Guedes, assegurou que em 2015 não haveria aumento de impostos. E a ministra das Finanças garantiu que não existiriam sacrifícios adicionais. O DEO acabou por chegar com aumento do IVA e da TSU.
.
"Como já foi dito pelo ministro da presidência, as medidas duradouras em preparação não se traduzem em qualquer contributo adicional para a consolidação orçamental, ou seja, não implicam sacrifícios adicionais”.

As palavras foram ditas, no passado dia 15 de Abril, pela ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque, a seguir ao primeiro conselho de ministros em que se debateu o Documento de Estratégia Orçamental (DEO).

Maria Luís fez essa afirmação momentos antes de o ministro da presidência Luís Marques Guiedes ter dito que não haveria aumento de impostos em 2015. Em matéria de taxas ou impostos, a ministra das Finanças referiu-se apenas, nesse dia 15 de Abril, à possibilidade de tributação de produtos com efeitos nocivos para a saúde, uma medida, entre outras, que teria como objectivo moderar o problema das dívidas da saúde.

Disse a ministra:"Esses atrasos de pagamento deverão ser progressivamente resolvidos com um esforço adicional de racionalização e aumento de eficiência no sector. No entretanto, e para assegurar esse objectivo, enquanto a redução da despesa não o assegurar em exclusivo, poderão ser equacionados contributos adicionais do lado da receita, designadamente da indústria farmacêutica ou de tributação sobre produtos que têm efeitos nocivos para a saúde".

Nesta quarta-feira 30 de Abril a ministra de Estado e das Finanças e o ministro do Trabalho e da Solidariedade anunciaram o aumento da taxa do IVA de 23 para 23,25% e um agravamento da TSU suportada pelos trabalhadores de 11% para 11,2%.

* Aldrabices governativas.


.
.
SÓ BÊBEDO





.
.


17.O MELHOR
 DA ARTE

A PIETÁ DE VILLENEUVE-
-LES-AVIGNON


ENGUERRAND 


QUARTON

video

Cada episódio é dedicado a um grande trabalho de arte da coleção dos museus do Louvre, Antiquities Museum of Saint Germain, Orsay, Rodin e Guimet. A série mostra obras como a Monalisa e os tesouros do budismo. Um trabalho único sobre história da arte.



.
.
HOJE NO
"DESTAK"

Parlamento chumba agravamento 
de crimes em ambiente escolar 
defendido pelo CDS-PP

 A Assembleia da República chumbou hoje o agravamento de sanções a crimes em ambiente escolar e estudantil defendido pelo CDS-PP, com a abstenção do PSD e os votos contra de PS, PCP, BE e PEV. O projeto de resolução centrista foi votado ponto por ponto.


 O segundo ponto recomendava ao Governo o agravamento do "regime sancionatório aplicável aos crimes cometidos em ambiente escolar e estudantil, ou nas suas imediações, envolvendo a comunidade escolar". 

 Foi aprovado o terceiro ponto, referente às praxes académicas, que recomenda ao Governo a criação de um "regime sancionatório aplicável sempre que alguém leve outrem, voluntária ou involuntária, a prática de atos humilhantes ou degradantes, a propósito de reuniões ou manifestações ligadas aos meios escolares ou socioeducativos" 

* Um nojo a resolução do terceiro ponto, as praxes não deixarão de existir enquanto nas famílias dos estudantes houver hierarquias desestruturadas.

.
.
 Vasco Graça Moura
'Rosa Nocturna'

video

por Ana Sofia Varela

.
.
HOJE NO
"i"

Universidade de Coimbra cria 
primeiro observatório de 
nanopartículas em Portugal

Os trabalhadores, tanto de indústrias ditas convencionais como inovadoras (nanotecnologias), estão expostos a “nuvens” deste tipo de partículas
A Universidade de Coimbra (UC) criou o primeiro observatório de nanopartículas de Portugal, cujo principal objetivo é identificar as nanopartículas existentes e avaliar os seus efeitos na saúde humana e nos ecossistemas.

“A grande missão do recém-criado Observatório de Nanopartículas da Universidade de Coimbra, o primeiro do país”, é “identificar os diferentes tipos de nanopartículas existentes e avaliar os seus efeitos na saúde humana e nos ecossistemas, visando a proteção do trabalhador e das populações em geral”, afirma a UC, numa nota hoje divulgada.

Com um investimento de “perto de um milhão de euros”, suportado por fundos comunitários, através do QREN (Quadro de Referência Estratégico Nacional), e por receitas próprias, o observatório possui “equipamento e tecnologia de última geração”, salienta a instituição.

A nova estrutura dispõe de “um aparelho capaz de detetar, captar e quantificar os diversos tipos de nanopartículas suspensas no ar para as quais o pulmão não funciona como filtro, entrando diretamente na corrente sanguínea”, exemplifica a mesma nota.

“As nanopartículas estão presentes em ambientes insuspeitos, onde não há manipulação direta de nanopartículas, consequência apenas de processos industriais convencionais”, alerta a UC.
O observatório é constituído por uma equipa multidisciplinar, reunindo “oito investigadores doutorados” em áreas como engenharia, farmácia, medicina e bioquímica, entre outras.

Aqueles especialistas “já promovem ações junto de indústrias de todo o país, especialmente metalomecânicas, para obter o que se pode denominar de ‘ciclo completo das nanopartículas’, isto é, desde a identificação, quantificação e caracterização, até ao impacto que têm na saúde humana e nos ecossistemas”, explica Teresa Vieira, coordenadora do Observatório.

Os trabalhadores, tanto de indústrias ditas convencionais como inovadoras (nanotecnologias), estão expostos a “nuvens” deste tipo de partículas.

As nanopartículas “habitam em todo o lado, são silenciosas e muito invasivas, desconhecendo-se os malefícios que podem provocar”, sublinha Teresa Vieira, que também é professora da Faculdade de Ciências e Tecnologia e responsável pelo Grupo de Nanomateriais e Microfabricação do Centro de Engenharia Mecânica da UC.

“Sem alarmismos” e para “evitar danos”, é “essencial obter essa informação para permitir a adoção de medidas de prevenção, monitorização e controlo”, através, por exemplo, do desenvolvimento de “sensores de alerta e nanofiltros”, sublinha a especialista.

“É consensual a urgência em obter competências e informação sobre estas partículas invisíveis”, observa Teresa Vieira.

Com a informação obtida nos estudos em curso, o Observatório da Nanopartículas – que “também acolhe investigadores de outras universidades do país” – projeta publicar um “prontuário das nanopartículas”, para “apoiar novos estudos e, considerando a ausência de legislação na matéria, contribuir para a definição de limites legais de níveis de nanopartículas presentes na indústria e no ambiente”.

* Inteligência e ciência portuguesa, do melhor que há.

.
.


 NUM CAÇA

video


.
.
HOJE NO
"A BOLA"

«Agradeço as palavras de Mourinho» - Simeone
.
José Mourinho fez questão de elogiar o trabalho levado a cabo no At. Madrid. Diego Simeone agradeceu e retribuiu na mesma moeda ao treinador português.
«Agradeço as palavras de Mourinho, um homem trabalhador que já passou pelas melhores equipas da Europa», referiu Simeone, naturalmente satisfeito por ter logrado a qualificação para a final da Liga Europa.

«Fizemos um grande jogo e tivemos de trabalhar muito para ter o jogo que queríamos. A primeira parte foi muito bonita em termos táticos, eles marcaram primeiro e conseguimos o empate por sorte. Mas na segunda, assentou-nos bem a vitória. Demos a volta a um jogo muito importante.»

O treinador não deixou de salientar que o foco da equipa vira-se agora por completo para o jogo do próximo fim-de-semana, frente ao Levante, uma vez que, a duas jornadas do final, lidera a Liga espanhola. No entanto, não deixou de falar sobre a final:

«A partir de amanhã vamos pensar apenas no jogo com o Levante e não em qualquer outro objetivo. Mais tarde pensaremos no nosso rival, que já está acostumado a jogar finais.»

* Educação é precisa, o cavalheirismo de Simeone e Mourinho em destaque.


.
.

MENTE ENXOVALHADA

A propósito, estes shorts são conhecidos como 'MURMÚRIOS'porque podes ver os lábios mover-se, sem ouvir o que dizem...


UMA EMPRESA  DE SUCESSO




















.
.
HOJE NO
"DIÁRIO DE NOTÍCIAS 
DA MADEIRA"

IVA aumenta em 2015 para 
financiar Segurança Social

O Governo vai aumentar a taxa normal do IVA em 0,25 pontos percentuais em 2015, para os 23,25%, revertendo a receita adicional "integralmente para os sistemas de pensões", de acordo com o Documento de Estratégia Orçamental (DEO).


No Documento, a que a Lusa teve acesso, refere-se que, entre as medidas que o Governo pretende implementar "com efeitos a partir de 1 de janeiro de 2015" no sentido de "caminhar para a reforma do sistema de pensões públicas e garantir a sua sustentabilidade" está "um aumento da taxa normal do IVA em 0,25 pontos percentuais, cuja receita adicional reverterá integralmente para os sistemas de pensões".

No documento está ainda indicado que "este incremento do IVA apenas se verificará na taxa normal (atualmente de 23%) mantendo-se inalteradas a taxa mínima e a taxa intermédia". 

*  O assalto continua...


.
.
NA ESGALHA
video

Vahid Iran Shahi tocando “Flight of the Bumblebee”, difícil tocar mais rápido



.
.
HOJE NO
"DIÁRIO ECONÓMICO"

Pingo Doce faz descontos de 50%
 em 50 produtos no 1º de Maio

Em 2012 a cadeia detida pela Jerónimo Martins fez uma mega-campanha, em que nas compras a partir de 100 euros aplicou 50% de desconto. 

Amanhã, no feriado do 1º de Maio, os clientes do Pingo Doce vão poder contar com uma promoção adicional à campanha que é feita a cada semana. A cadeia de supermercados detida pela Jeronónimo Martins está a enviar SMS aos clientes onde informa que "amanhã no pingo Doce tem mais 50 grandes produtos com 50% de desconto imediato, além da promoção da semana".
 
Fonte oficial do grupo liderado por Pedro Soares dos Santos confirmou ao Económico que "à semelhança da efeméride dos 40 anos do 25 de Abril, celebrados a semana passada,  também amanhã o Pingo Doce irá proporcionar oportunidades de poupança imediata adicionais às campanhas promocionais da semana".

Em 2012, o Dia do Trabalhador ficou marcado pela mega-campanha do Pingo Doce, através da qual em todas as compras a partir de 100 euros era praticado um desconto de 50%. Esta iniciativa levou a Autoridade da Concorrência a condenar a Jerónimo Martins ao pagamento de uma multa de cerca de 30 mil euros.

* Desconto amargo


.
.

CUIDADO NAS 

IDAS AO ZOO













.
.
HOJE NO
"CORREIO DA MANHÃ"

Bastonário da Ordem dos Engenheiros: 
Costa da Caparica "tem sido maltratada" 

Carlos Matias Ramos acusa os sucessivos governos de não apostar nas praias da Costa da Caparica.

O bastonário da Ordem dos Engenheiros (OE), Carlos Matias Ramos, disse esta quarta-feira à agência Lusa que as praias da Costa da Caparica, em Almada, têm sido maltratadas pelo Estado, frisando que nunca houve uma aposta naquele local. 


A Costa da Caparica "tem sido maltratada" com o decorrer dos anos, afirmou esta quarta-feira o bastonário da OE, salientando que "ela nunca foi a menina de olhos bonitos de todos os governos, desde um passado muito longínquo, até à situação atual". 

Esta situação aconteceu porque "nunca houve aposta naquelas praias", de acordo com Carlos Matias Ramos, que falou à Lusa à margem da sessão "Ponto da situação e experiência acumulada nas soluções de defesa costeira", que decorreu esta quarta-feira na sede da OE, em Lisboa. 

* Os governos portugueses nunca gostaram de  ninguém a não ser deles próprios.


.
.


FUTURO ACTOR

video


.