domingo, 20 de abril de 2014

UMA GRAÇA PARA O FIM DO DIA

.





.
.

O QUE NÓS

FESTEJAMOS!



video



.
.
6- OFEREÇA UM OVO DESTES 
A UM BANQUEIRO OU A UM POLÍTICO, 
ELES MERECEM

.
.
 ESTAMOS TRAMADOS



.
.
2-BIKES TOPO
DE GAMA
















.
.
5- OFEREÇA UM OVO DESTES 
A UM BANQUEIRO OU A UM POLÍTICO, 
ELES MERECEM



.
.

  
VOO DE VIPS



video



.
.
4- OFEREÇA UM OVO DESTES 
A UM BANQUEIRO OU A UM POLÍTICO, 
ELES MERECEM



.
.

2-A 2ª GUERRA 


MUNDIAL

 

VISTA DO ESPAÇO


video


Nesta série cujos 6 episódios totalizam duas horas, veremos os principais momentos da Segunda Guerra Mundial como nunca antes. Usando tecnologia de satélite e animações computadorizadas, para que possamos ter um contexto global da guerra, teremos novas informações e explicações diferentes sobre como uma nação militarmente classificada como a 19ª, em 1939, pôde chegar, seis anos depois, a ser uma potência mundial com armas nucleares. Do alto, poderemos reinterpretar a 2ª Guerra Mundial, colocando em perspectiva os acontecimentos cruciais, de uma maneira muito mais completa.

 FONTE: MrDominiopublico001


.
.

3- OFEREÇA UM OVO DESTES 
A UM BANQUEIRO OU A UM POLÍTICO, 
ELES MERECEM



.

HELENA GARRIDO

.
Portugal 
nas mãos do 
Canadá

O acesso dos bancos portugueses ao dinheiro do BCE ficará nas mãos de uma agência de rating canadiana, já a partir do fim de Maio, em caso de “saída limpa” do programa da troika. A razão desta originalidade explica-se em poucas palavras. Para obterem empréstimos do BCE os bancos têm de dar garantias sob a forma de títulos, em geral de dívida pública. Mas o BCE só aceita títulos que estejam avaliados como tendo classificação de “investimento” de pelo menos uma agência das quatro que estão credenciadas pela instituição de Frankfurt.

Esta regra geral foi suspensa pelo BCE para os países intervencionados. O que significa que Portugal terá de passar a respeitá-la assim que a troika sair. O que deixa o País nas mãos da companhia canadiana de avaliação de risco, a DBRS, a única que dá aos títulos portugueses o grau de “investimento”. A dívida pública portuguesa está classificada como “lixo” pelas três mais importantes agências de rating – Moody’s, S&P e Fitch. Se a agência canadiana baixar o rating são 40 mil milhões de euros que deixam de poder ser cedidos pelo BCE sob a forma de empréstimo.

A frágil dependência de uma única agência de rating num cenário de “saída limpa” foi divulgada a 27 de Março pelo Negócios, percebendo-se que esta realidade apanhou de surpresa as autoridades. Neste momento, todos os protagonistas estão a desdramatizar e a minimizar os riscos que o País corre. Primeiro, considerando que a agência canadiana não vai baixar o rating português. Segundo, defendendo que as outras companhias de avaliação de risco tenderão a melhorar, e não a degradar, o risco de Portugal. Basicamente a mensagem é: os bancos portugueses não correm nenhum risco de ficarem sem acesso ao financiamento do BCE.

Além das distracções variadas que vão de Frankfurt a Lisboa, passando por Bruxelas, o mais lamentável é vermos que os políticos europeus nada fizeram para libertarem as democracias das agências de rating. Podemos discutir muitos culpados da crise de 2007 e 2008, mas há uns que indiscutivelmente não cumpriram as suas funções: as agências de rating disseram que não era arriscado o que afinal podia destruir, como ia destruindo, o mundo ocidental capitalista.

Uma pergunta sobre Durão Barroso

Porque é que o ainda presidente da Comissão Europeia resolveu desenterrar o BPN e criticar o actual vice-presidente do Banco Central Europeu? E porque é que nunca se manifestou disponível para participar nos inquéritos que decorreram em Portugal sobre o BPN? O tempo deve ser a solução deste enigma.

A desigualdade, um problema

As previsões do FMI da Primavera de 2014 foram as mais animadoras desde que se iniciou a grande crise de 2007. 
 A Europa e os EUA parecem estar a sair, finalmente, de quase sete anos de tempestade, embora países como Portugal ainda tenham desafios pela frente. Mas um dos aspectos interessantes é a preocupação do Fundo com a desigualdade, tema em geral esquecido por esta irmã de Bretton Woods. Sem dúvida que o fosso entre ricos e pobres é, neste momento, a grande ameaça.


IN "SÁBADO"
12/04/14


.
.


156.UNIÃO



EUROPEIA





































.
.
2- OFEREÇA UM OVO DESTES 
A UM BANQUEIRO OU A UM POLÍTICO, 
ELES MERECEM

















.
.
 ORAÇÃO DA PÁSCOA




.
.

XIX.O MUNDO SECRETO DOS JARDINS


LOUVA A DEUS



video

ÚLTIMO EPISÓDIO


.
.

1- OFEREÇA UM OVO DESTES 
A UM BANQUEIRO OU A UM POLÍTICO, 
ELES MERECEM



.
.

Capriccio Espagnol Op 34
Rimsky Korsakov

video

Berliner Philarmonic Directed by Zubin Mehta

.
.
ESTA SEMANA NA
"VISÃO"

Maria, a bebé que veio 
na cegonha metálica

 Maria é a primeira criança estrangeira adotada por pais portugueses através de uma instituição privada. Nasceu na Bulgária e a sua história dá alento aos muitos casais que estão a apostar na adoção internacional para concretizarem o sonho de ter um filho

Não há uma gravidez igual a outra, mas Cristina Graça, de 37 anos, insiste, com um sorriso que lhe ilumina o rosto: "A minha gravidez foi igual à de qualquer outra mulher." Sabe que desejou a filha muito antes de a conhecer, que ansiou meses (anos até) por tê-la nos braços, que foi o fruto de um grande amor. E, no entanto, Cristina é mãe sem que a sua barriga tivesse crescido, sem uma só ecografia, sem ter amamentado a sua menina, que hoje tem 4 anos e irradia felicidade.


"Foi a 2 de abril de 2012 que vimos a Maria pela primeira vez", recorda Cristina, emocionada. Não consegue lembrar-se dos momentos que antecederam aquele instante em que a menina, então com 3 anos (mas que vestia roupa de um ano e meio), foi naturalmente ao seu encontro, na sala despida de um centro de acolhimento búlgaro. "Sei que fiz uma viagem de carro de Sofia até à pequena cidade onde ela estava institucionalizada, mas não sou capaz de descrever a paisagem."

Considera natural o esquecimento: "Afinal, estavam a rebentar-me as águas." [Risos]. As "dores de parto" sentira-as dois dias antes, ao entrar, com o marido, num avião rumo à capital da Bulgária. Cristina tem medo de voar, mas fazer a viagem era um sacrifício exigido pelo sonho que estava, juntamente com Rogério Santos, de 36 anos, prestes a realizar.

Nesta história, há uma outra Cristina, de apelido Rodrigues, com quem a vida dos pais de Maria se cruzou. Foi ela a mentora da associação Bem Me Queres (BMQ), de apoio à adoção de crianças, fundada em 2006. Criou--a depois de ela e o marido terem adotado dois rapazes, de um e 4 anos. Durante o processo, sentiram falta de apoio e, por isso, na génese da BMQ esteve a vontade de ajudar candidatos a pais adotivos. 

Dos objetivos iniciais da associação constava já o de vir a assumir-se como uma entidade mediadora em processos de adoção internacional, uma figura comum nos outros Estados-membros da União Europeia e prevista na Convenção de Haia, que regula a adoção internacional, mas inexistente no nosso país. E, em outubro de 2009, a BMQ foi autorizada pelo Governo a mediar esses processos. 

Poucos meses antes, outra instituição privada sem fins lucrativos, a Emergência Social , já tinha sido oficialmente reconhecida, mas, como explica Javier Calderón, seu presidente, apesar das tentativas, não conseguiu ainda estabelecer acordos com nenhum dos seis países contactados até ao momento. Está agora a tentar criar pontes com entidades mediadoras da Etiópia e Brasil.

Salvar uma criança
Cristina e Rogério queriam há muito ser pais. Ela sentia o tic-tac biológico de forma cada vez mais acelerada. A gravidez tardava em surgir e a vontade de iniciar tratamentos de fertilidade era pouca... Um dia, fez uma pergunta infantil ao marido: "Se, na nossa situação, tivesses de escolher entre um filho biológico e um adotivo, por qual optarias? " Rogério não precisou de tempo para responder: "Preferia salvar uma criança que já está cá no mundo." 

Começaram, então, a desenhar um caminho que os levaria à Bulgária, mas, na altura, estavam ainda longe de o saber. Foi uma amiga que lhes falou da BMQ. Nesse momento, já tinham feito a inscrição na Segurança Social como candidatos a pais adotivos. Contactaram de imediato a associação e o que uma das responsáveis lhes disse ia no mesmo sentido do que já tinham ouvido no organismo do Estado: "Não é o casal que procura a criança, é a criança que procura o casal." 

A ideia agradou-lhes. "Nós queríamos uma criança, não uma Barbie ou um Ken", diz Rogério. Cristina acrescenta: "Um anjinho esquecido, porque meninos bonitos todos querem." 

Levantaram poucos entraves. Gostariam apenas que fosse uma menina, com idade até aos sete anos, e não se importariam que tivesse algum tipo de doença ou defi ciência, desde que não fosse incapacitante. "Eu sou diabético, a Cristina é asmática, para mim uma criança com necessidades especiais nada tem de anormal", abrevia Rogério, com Maria ao seu colo, brincando com um tablet.

Uma ponte para a Bulgária
Cristina Rodrigues caracteriza assim as pessoas que procuram a BMQ: "Têm, geralmente abertura de espírito para acolher uma criança vinda de outro país, com outra cultura, e, ao mesmo tempo, acalentam a esperança de se tornarem pais de uma forma mais rápida." Todos se candidatam em paralelo à adoção nacional e internacional. Abrem, resume, "mais uma janela de oportunidade ". 

O processo de seleção dos candidatos é sempre da competência da Segurança Social. Aliás, as adoções internacionais já eram possíveis, mas o processo, explica a dirigente, era complicado: "Havia pouco acompanhamento e informação, eram os próprios candidatos quem tinha de contactar com os outros países para saber qual a documentação necessária, de contratar tradutores e advogados... e a decisão, no país de origem da criança, tinha, depois, de ser reconhecida cá." A BMQ facilita todo esse processo.

O trabalho que Cristina e outros elementos da associação desenvolvem é voluntário. Mas um processo de adoção internacional através da BMQ custa cerca de 10 500 euros é o montante necessário para pagar a tradução de documentos, a emissão de certifi cados, os serviços de advogado, psicólogo e tradutor, e o acompanhamento da família, nos dois anos posteriores à adoção, com envio de relatórios de seis em seis meses para o país de origem da criança. Além disso, há que custear as despesas de viagem para ir buscar a criança e o tempo de permanência no destino.

Desde 2010, a associação já apoiou uma dúzia de candidaturas. Mas Maria foi, até ao momento, a única criança estrangeira a ser adotada por intermédio da BMQ. Os processos são complexos. Além disso, ficaram sem resposta os pedidos de cooperação entregues na China, no Brasil, na Colômbia, nas Filipinas e na Ucrânia. Só a Bulgária abriu a porta. A BMQ tem hoje um acordo de cooperação com a Family National Association, uma associação búlgara que medeia processos em vários países.

A caixinha mágica
Foi através dessa parceria entre as associações dos dois países que Rogério e Cristina encontraram Maria. Desde que contactaram, pela primeira vez, com a BMQ, não passou muito tempo até receberem um telefonema com boas notícias. 

Nas listas da associação búlgara, havia uma menina que parecia ter nascido na outra ponta da Europa para ser filha deles. Terá sido como o primeiro pontapé que a criança dá na barriga da mãe, esse momento em que lhes apresentaram o historial da criança. Se pudessem, a professora e o operador de contact centre teriam assinado os papéis na hora. Fá-lo-iam poucos dias depois, sem verem nenhuma fotografia da futura filha, conforme mandam as regras. "Faz sentido", diz Rogério. "Se um casal está preparado para amar uma criança, não será o aspeto dela que o irá influenciar." Mostram, com um brilhozinho nos olhos, vídeos dos primeiros momentos com Maria. Riem-se. Tinham-lhes dito que era uma criança muito alegre, que gostava de música e de bonecas. Cristina levou-lhe uma caixa de música da Hello Kitty, Rogério um boneco do Mickey.

Ela era uma criança à procura de pais, eles eram pais à procura de uma filha, a empatia foi imediata: "Nunca tinha visto uma relação tão intensa. Foi mágico, como se nos conhecêssemos desde sempre", diz Rogério. A língua, um entrave que receavam, não se tornou problema: "A Cristina é professora do 1.º ciclo, fala criancês", brinca o pai. Na verdade, Maria nem búlgaro falava, emitia apenas sons. E ainda usava fraldas. Deixou a instituição onde deu entrada com 25 dias de vida, depois de ter sido abandonada pela mãe no hospital. Quando chegou à rua, pela mão dos novos pais, parou por uns instantes, impressionada com o ar puro, a que não estava habituada.

As imagens que os portugueses levavam para a menina apontar o que queria (beber água, comer...) não chegaram a ser necessárias. Tudo evoluiu de forma natural. E a caixa de música fez magia: passaram a primeira semana em conjunto, em Sofia, dançando muito.

Já em Portugal, o pediatra alertou para os problemas que Maria tinha, a nível de peso e altura. Seriam, disse, "perfeitamente recuperáveis". Palavras sábias. Ela desenvolveu-se rapidamente, apesar de estranhar os sabores e as texturas da comida portuguesa.

É hoje uma menina com a mesma estatura dos colegas de jardim-de-infância, onde adora ir. Continua a gostar de música e também gosta de praia e de andar de bicicleta. Fala português perfeito, mesmo sem nunca ter tido aulas para aprender a língua: "Preocupámo-nos apenas em dar-lhe liberdade, afetos e atenção", diz o pai, para quem "o amor é a água de que estas flores precisam para desabrochar". Agora, é ele quem quer aprender búlgaro. Tanto Rogério como Cristina desejam que a filha tenha contacto com a sua cultura de origem. A menina loira, de olhos azuis, sabe bem qual é: "Nasci na Bulgária", diz-nos.

Para Cristina e Rogério, a vida da filha não começou quando a conheceram: "Só começou uma vida diferente." Cristina gostaria até de, um dia, poder abraçar a mãe biológica de Maria: "Somos as duas mães, em momentos diferentes. O que ela fez pode ter sido um ato de amor... e o que me deu tem um valor incalculável." Mas nem tudo são rosas. Alguns amigos questionaram a opção do casal. Há muitos "tabus" e "mitos", dizem. Há quem os veja com a filha linda que têm e pergunte onde a foram comprar. Mas há, também, quem lhes elogie a coragem. Eles respondem invariavelmente: "Coragem teve a Maria, que foi tirada da história e do mundo dela." 

Entretanto, como a vida real nem sempre segue o guião dos contos de fadas, o casal divorciou-se. Dizem que o fizeram também a pensar no bem-estar da filha. Mantêm um entendimento fácil em tudo o que diz respeito a Maria e agradecem, todos os dias, a dádiva trazida pela "cegonha metálica" (como brinca o avô materno, por a neta ter chegado de avião). Cristina também não desistiu de sonhar. Um dia, acredita, esta cegonha moderna há de trazer-lhe mais filhos.

* Uma história da Amor.


.
.


VIGÁRIOS

video

Pastor mostra como é facil enganar os fieis



.
.
ESTA SEMANA NO
"SOL"

Nove em cada dez jovens condutores
 sem álcool no sangue

Nove em cada dez jovens condutores fiscalizados no fim-de-semana nas estradas de Lisboa e Vilamoura revelaram ter zero por cento de álcool no sangue, anunciaram hoje os promotores da campanha 100% Cool.


A acção de fiscalização decorreu no âmbito de uma operação conjunta da GNR e da Associação Nacional de Empresas de Bebidas Espirituosas (ANEBE), promotora da campanha de prevenção rodoviária 100% Cool.

Durante esta acção dirigida a jovens com idades entre os 18 e os 30 anos, foram fiscalizados, na noite de sexta-feira para sábado, 30 condutores na A5 (auto-estrada que liga Lisboa a Cascais) e na noite de sábado para domingo foram controlados 14 jovens em Vilamoura. 

Dos jovens condutores fiscalizados, cerca de 94% cumpriam a lei, revelando taxas de alcoolemia inferiores a 0,5% ou mesmo zero por cento de álcool no sangue, situação que ultrapassou os 90%", adiantam os promotores da campanha em comunicado.

O secretário-geral da ANEBE, Mário Moniz Barreto, considera "muito positivo verificar que os jovens estão cada vez mais conscientes para os perigos de conduzir sobre os efeitos do álcool e que a maioria cumpre com a lei".

Para Mário Moniz Barreto, a campanha de Páscoa 100% Cool voltou a provar que "as acções de sensibilização com abordagens positivas são também uma forma eficaz de incentivar os jovens a adoptar estilos de vida mais saudável".

Aos jovens inseridos no perfil de "100% Cool" foram entregues prémios simbólicos. 

O eixo central da campanha são as brigadas constituídas por jovens que se deslocam aos locais de diversão nocturna para sensibilizar os jovens para o consumo moderado de álcool, realizar testes de alcoolemia e premiar simbolicamente os jovens com 0% de álcool.

* A amostragem é reduzidíssima, 44 pessoas apenas onde 40 cumpriram a lei, de qualquer  maneira é boa notícia.

.
.
SONHOS DE LUXO
















.
.
ESTA SEMANA NO
"EXPRESSO"

Pode um filho ser afetado nos
 seus direitos por ter nascido 
fora do casamento? 

 Ao longo dos próximos dias, o Expresso vai selecionar algumas das 800 perguntas e respostas disponibilizadas pelo portal www.direitosedeveres.pt, lançado terça-feira pela Fundação Francisco Manuel dos Santos.

Um dos princípios consagrados na Constituição é a não-discriminação entre os filhos. "Todos têm os mesmos direitos, quer os seus progenitores estejam casados ou não e ainda que sejam fruto de uma relação extraconjugal", esclarece o portal "Direitos e Deveres do Cidadão".

A tendência nas últimas décadas tem sido de descida dos casamentos, pelo que o número de filhos que nascem fora do casamento tem aumentado acentuadamente. Se em 1960 apenas 9% do total de bebés nasceram fora de uma relação matrimonial entre os pais, em 2012 essa proporção subiu para 46%. De salientar ainda a diferença considerável entre o número total de nascimentos registados: 213.895 em 1960 e 89.841 em 2012, de acordo com os dados do Instituto Nacional de Estatística.
A resposta à pergunta ainda refere a proibição de haver discriminações na "constituição da relação de filiação ou nos direitos sucessórios".
 .
O direito à cidadania portuguesa pode ser suspenso?
Não existem quaisquer situações em que esse direito possa ser suspenso. "A cidadania, enquanto direito fundamental - o 'direito a ser membro da República Portuguesa' -, não pode ser suspenso mesmo em casos de estado de sítio e de emergência", é a resposta à dúvida. O que pode ser suspenso em casos de sítio ou de emergência é o direito à reunião, à manifestação ou à greve, "mas o direito à cidadania em caso algum pode".
Ter nascido em Portugal, ser filho de portugueses ou casar-se com um cidadão português são os requisitos e a cidadania pode ser obtida à nascença ou por um processo de naturalização, ou seja, pedindo-a e adquirindo-a em qualquer momento ao longo da vida.

Pode um senhorio despejar um inquilino por não pagar a renda quando não o faz a um outro inquilino que se encontra nas mesmas circunstâncias, mas é seu amigo?
Pode. "Um senhorio pode despejar apenas um dos seus inquilinos por falta de pagamento, não agindo contra outro também incumpridor. Não há uma intenção discriminatória injustificada que prejudique um dos inquilinos", lê-se no portal. As relações entre o poder público e os cidadãos são disciplinadas pelo princípio da igualdade, mas a vinculação dos privados a esse princípio não é a mesma, "para não eliminar completamente a autonomia privada".
Os últimos censos apontam para que 20% dos alojamentos estejam arrendados em Portugal, estando cerca de 73% ocupados pelos proprietários (os restantes 7% dizem respeito a cedências ou empréstimos). Lisboa é a região com mais casas arrendadas (27%). Quanto aos arrendatários, em 2011, 60% tinham entre 30 e 64 anos; 28% tinham mais de 65 e 12% tinham entre 15 e 29 anos. O valor médio de renda paga é de €235, representando um aumento de 91% face a 2001 (o valor médio era de €123).

* Mantenha-se informado, nós apresentamos-lhe algumas notícias, não as suficientes.

.
.
CRUELDADE INFANTIL
MAS VERDADEIRA

video



.
.

ESTA SEMANA  NA
"SEMANA INFORMÁTICA"

Sete calls depois

A Portugal Ventures deu início ao pré-registo para candidaturas à Sétima Call For Entrepreneurship, à qual se seguirá a fase de candidaturas, que decorrerá entre os dias 28 de Abril e 29 de Maio de 2014.

São elegíveis para investimento projectos de tecnologias de informação e comunicação, electrónica e Web, ciências da vida, turismo e recursos endógenos, nanotecnologia e materiais. Os projectos seleccionados beneficiarão de um investimento de até 750 mil euros, num máximo de 85% das necessidades totais de fundos.
Através das edições anteriores da Call For Entrepreneurship, a Portugal Ventures já investiu em mais de 25 startups. No total foram submetidos 514 projectos, com um potencial de investimento de 247,5 milhões de euros em vários sectores de actividade.

A Portugal Ventures seleccionará para investimento os projectos que demonstrarem possuir maior potencial de crescimento e capacidade para se assumirem como startups de excelência a nível mundial. Os projectos investidos beneficiarão do aconselhamento por especialistas, preferencialmente internacionais, com experiência acumulada e uma vasta rede decontactos relevantes. 

Estes projectos têm também a possibilidade de virem a ser incubados e acelerados nos centros do ecossistema de empreendedorismo tecnológico português em São Francisco (Silicon Valley), no Portugal Ventures in the Bay, e em Boston, no Portugal Ventures in Boston.

Os aceleradores da Portugal Ventures em São Francisco e em Boston estão abertos às empresas e a todo o ecossistema empreendedor português de base tecnológica. O Portugal Ventures in the Bay está vocacionado para acelerar as empresas tecnológicas em Silicon Valley. Está localizado na incubadora Runway, situada no centro de São Francisco.

No acelerador inserido no maior pólo de inovação mundial, as empresas vão ter a possibilidade de estabelecer contactos com todos os agentes do ecossistema, sejam eles empreendedores, startups, empresas estabelecidas, capitais de risco ou business angels com grandes históricos de investimento. Desta forma, as empresas poderão gerar novas redes de contactos e obter uma validação preliminar que lhes vai permitir perceber onde se devem focar e como podem queimar etapas para crescerem mais rápido do que a concorrência no mundo globalizado.

As empresas que se estabelecem neste acelerador vão poder contar com o apoio da Leadership Business Consulting, que já tem experiência no desenvolvimento de startups e empresas mais maduras em Silicon Valley.

O Portugal Ventures in Boston, segundo acelerador do empreendedorismo português de base tecnológica, está localizado em Boston, no Cambridge Innovation Center (CIC), na costa Leste dos EUA. O objectivo do Portugal Ventures in Boston é promover a incubação e aceleração de empresas num dos pólos mais inovadores do mundo, com particular enfoque na área de Life Sciences.
O acelerador foi concebido pela Portugal Ventures em parceria com a LB Ventures (LBV), uma empresa especializada na aceleração de startups, e está localizado numa área de excelência em inovação, rodeado pelo Massachusetts Institute of Technology (MIT) e a curta distância da Universidade de Harvard.

«As startups portuguesas têm a oportunidade de mergulhar e explorar o ambiente de Kendall Square e do CIC, beneficiando da forte dinâmica empreendedora vivida em torno do MIT e da presença de startups de referência mundial», defende a Portugal Ventures.


A caminho do Programa de Ignição
A Call For Entrepreneurship é o ponto de entrada para o Programa de Ignição, uma iniciativa liderada pela Portugal Ventures e parte integrante do Programa +e+i (mais empreendedorismo, mais inovação). O seu objectivo é fortalecer o ecossistema português de empreendedorismo de base tecnológica e, assim, contribuir para o desenvolvimento de uma economia mais moderna, competitiva e aberta para o mundo, com base em conhecimento, inovação e capital humano altamente qualificado, com um forte espírito empreendedor. Através desta iniciativa, a Portugal Ventures pretende investir cerca de 20 milhões de euros por ano.
Alguns dos fundos de capital de risco geridos pela Portugal Ventures são co-financiados pela União Europeia através do Finova, gerido pela PME Investimentos, do Compete e do Por Lisboa.

* Para quem estiver interessado é visitar os canais próprios.


.
.
OLHAR AONDE?
















.
.

ESTA SEMANA NO
"DINHEIRO VIVO"

As piores profissões em 2014. 
Pior que jornalista só 
mesmo a de lenhador

A conclusão é do portal norte-americano CareerCast que, desde 1988, elabora um ranking com as melhores e piores profissões, com base em métricas como remuneração, perigosidade, níveis de stress e contratação, e dados que recolhe de vários organismos de estatística nos Estados Unidos. 

Das 200 profissões listadas, só a de lenhador consegue uma pior pontuação que a de jornalista. E há quem aponte uma relação entre as duas. Afinal, os jornais são impressos em papel, produzido a partir da polpa de árvores cortadas por lenhadores.

Vendendo-se menos jornais, o resultado está à vista. Segundo dados do U.S. Bureau of Labor Statistics, citados pelo portal, até 2022  haverá menos 9% postos de trabalho na indústria da serração e 13% na imprensa. Mas também a de jornalistas de audiovisuais estão no Top 10 das piores profissões.

TOP 10 das piores profissões em 2014:
1. Lenhador
2. Jornalista (imprensa)
3. Militares
4. Taxista
5. Jornalista (rádio e televisão)
6. Cozinheiro chef
7. Assistentes/comissários de bordo
8. Recolha de lixo
9. Bombeiros
10. Guardas prisionais

* Como os compreendemos.

.
.
DESCARREGANDO

video



.
.
ESTA SEMANA NA
"SÁBADO"

Documentário realizado por irmãos portugueses vence prémio no Brasil 

 ‘I Love Kuduro’, de Pedro e Mário Patrocínio, já foi mostrado em vários países.


video


O documentário ‘I Love Kuduro’, criado pelos irmãos Patrocínio, venceu no dia 12 de Abril o prémio de Melhor Fotografia no festival Cineport, onde é transmitido cinema de países de língua portuguesa. O certame foi realizado na cidade de João Pessoa, no Brasil, e o prémio que foi recebido por Pedro Patrocínio (director de fotografia) tem o nome de troféu Andorinha.
O filme, que foi realizado por Mário Patrocínio e que conta a origem do kuduro e como este se propagou ao mundo inteiro, recolheu os testemunhos dos nomes grandes do estilo musical em Angola. Pedro Patrocínio agradeceu não só à equipa da produtora BRO (criada pelos irmãos Patrocínio) e à equipa da produtora Da Banda, de Angola, mas também “a todos os angolanos” que permitiram concretizar “mais este sonho”. “Este troféu, apesar de ter sido recebido por mim, é também de todos eles”, afirmou Pedro Patrocínio.

I Love Kuduro’ já passou por festivais no Brasil e no México e prepara-se para ir ao Canadá, ao Quénia e aos EUA. Deve estrear nos cinemas já este ano, de acordo com os realizadores. Veja o trailer do documentário.

* A arte portuguesa para o mundo.



.