sábado, 1 de março de 2014

UMA GRAÇA PARA O FIM DO DIA

.



 .
.


O QUE NÓS


LASTIMAMOS









.
.


6-GRANDES
 MENTIROSOS
















.
.

UM  CÊ  A  MAIS

Quando eu escrevo a palavra acção, por magia ou pirraça, o computador retira automaticamente o C na pretensão de me ensinar a nova grafia.


De forma que, aos poucos, sem precisar de ajuda, eu próprio vou tirando as consoantes que, ao que parece, estavam a mais na língua  portuguesa. 


Custa-me despedir-me daquelas letras que tanto fizeram por mim. São muitos anos de convívio.



Lembro-me da forma discreta e silenciosa como todos estes CCC's e  PPP's me acompanharam em tantos textos e livros desde a infância.
Na primária, por vezes gritavam ofendidos na caneta vermelha da  professora:  - não te esqueças de mim!
Com o tempo, fui-me habituando à sua existência muda, como quem diz, sei que não falas, mas ainda bem que estás aí.
E agora as palavras já nem parecem as mesmas.
O que é ser proativo?
Custa-me admitir que, de um dia para o outro, passei a trabalhar numa redação, que há espetadores nos espetáculos e alguns também nos  frangos, que  os atores atuam e que, ao segundo ato, eu ato os meus sapatos.
Depois há os intrusos, sobretudo o R, que tornou algumas palavras arrevesadas e arranhadas, como neorrealismo ou autorretrato.
Caíram hifenes e entraram RRR's que andavam errantes.
É uma união de facto, e  para não errar tenho a obrigação de os  acolher como se fossem família. Em 'há de' há um divórcio, não vale a  pena criar uma  linha entre eles, porque já não se entendem.
Em veem e leem, por uma questão de fraternidade, os EEE's passaram a ser gémeos, nenhum usa (^^^) chapéu.
E os meses perderam importância e dignidade; não havia motivo para terem privilégios. Assim, temos janeiro, fevereiro, março, são tão  importantes como peixe, flor, avião.
Não sei se estou a ser suscetível, mas sem P, algumas palavras são uma  autêntica deceção, mas por outro lado é ótimo que já não tenham.
As palavras transformam-nos.

Como um menino que muda de escola, sei que vou ter saudades, mas é tempo de crescer e encontrar novos amigos.
Sei que tudo vai correr bem, espero que a ausência do C não me faça perder a direção, nem me fracione, e nem quero tropeçar em algum  objeto.
Porque, verdade seja dita, hoje em dia, não se pode ser atual nem  atuante com um C a atrapalhar.
Só não percebo porque é que temos que ser NÓS a alterar a escrita, se....
 A LÍNGUA É NOSSA ...? ! ? !

APLAUSOS AO AUTOR, que não acha que o facto de sermos 1/20 da comunidade lusófona deva pesar nisto; a redacção também não acha!  
 


.
.

Eddie Murphy
Churrasco

video



.
.


5-GRANDES
 MENTIROSOS



















.
.

 8 - CLASSIFICAÇÃO DAS

DOENÇAS EM PSIQUIATRIA


video

2-DEMÊNCIA

Uma interessante série conduzida pelo Prof. Dr. Miguel Chalub.

Uma produção: CANAL MÉDICO



NR: Todos os episódios anteriores de todas as séries podem ser vistos nas semanas antecedentes no mesmo dia e à mesma hora.

.
.


4-GRANDES
 MENTIROSOS













.
.
.
1A ILHA DO DIABO


video



Alcatraz é uma ilha localizada no meio da Baía de São Francisco na Califórnia, Estados Unidos. Inicialmente foi utilizada como base militar, e somente mais tarde foi convertida em uma prisão de segurança máxima. Atualmente, é um ponto turístico operado pelo National Park Service junto com a Área de Recreação Golden Gate. 

Alcatraz foi uma base militar de 1850 a 1930. Posteriormente, foi adquirida pelo Departamento de Justiça dos EUA, em 12 de Outubro de 1933, quando sofreu a conversão. Em 1 de Janeiro de 1934, foi re-inaugurada como uma Prisão Federal. Durante seus 29 anos de existência, a prisão alojou alguns dos maiores criminosos norte-americanos, como Al Capone, Robert Franklin Stroud (o Birdman of Alcatraz), Alvin Karpis e Frank Morris. 

A prisão foi fechada em 21 de Março de 1963, menos de um ano após a primeira fuga realizada na prisão. O governo alegou que o complexo foi fechado devido ao seu alto custo de manutenção, e ao fato de que não garantia uma total segurança, em relação às prisões mais modernas. Era mais fácil e mais barato construir uma prisão nova do que melhorar as condições de Alcatraz. 

Em 1969, um grupo de nativos norte-americanos criou um movimento que ocupou a ilha, baseando-se num tratado federal de 1868, que permitia que os nativos utilizassem todo o território que o governo não usava ativamente. Após quase dois anos de ocupação, o governo os retirou da ilha. Durante 29 anos, a prisão de Alcatraz nunca registrou oficialmente fugas bem sucedidas de prisioneiros. 

Em todas as tentativas, os fugitivos foram mortos ou afogavam-se nas águas da baia de São Francisco. Três fugitivos, Frank Morris, e os irmãos John e Clarence Anglin, desapareceram das sua celas em 11 de Junho de 1962. Somente algumas provas foram encontradas, e elas levam a crer que os prisioneiros morreram, mas, oficialmente, ainda estão listados como desaparecidos e provavelmente afogados. 

Em 1979 foi feito um filme sobre essa fuga com Clint Eastwood chamado Escape from Alcatraz. A história chegou a ser testada no programa "Mythbusters-Os caçadores de Mitos" no episódio Fuga de Alcatraz.

-
.
.


3-GRANDES
 MENTIROSOS















.

HELENA CRISTINA COELHO

.



Consenso ou 
falta de bom senso

Daqui a uns tempos, já livres da ‘troika' e sem um memorando na agenda, os portugueses vão olhar para trás e perguntar: o país está realmente melhor? Ainda não chegámos lá, é certo, mas já há quem avance a resposta.

Passos Coelho garante que, sim, Portugal está melhor que em 2011. Os indicadores económicos dão sinais de que, sim, há melhorias. E depois vem Luís Montenegro, líder parlamentar do PSD, dizer que, sim, o país está muito melhor - só há um pequeno problema: a vida dos portugueses é que não está melhor. Mas vai melhorar? É como alguém dizia em tempos: sim, só não sabemos quando. Vai ser preciso esperar - ou, melhor, sofrer - para ver.

A ideia não é apenas um paradoxo, é perturbadora. Choca a ideia de que quem mais está a contribuir para um melhor estado das coisas ainda não tenha conseguido sair do estado de sítio dos últimos três anos. Incomoda a ideia de que num "país melhor" ainda falte trabalho e pão em muitas casas, que se continue a exigir mais uma década de ajustamento salarial depois de tantos cortes, que o número de desempregados de longa duração e entre os mais jovens continue tão elevado, que a dívida esteja a ser paga sobretudo à custa de uma carga esmagadora de impostos. E, acima de tudo, revolta que esta ideia salte da cabeça de um responsável político, como se um país pudesse estar melhor quando quem nele vive não está - não porque não queira, mas porque (ainda) não consegue. Ou não o deixam.

Vamos acreditar que, sim, a economia até está um pouco melhor. Vamos acreditar que, sim, as exportações são os porta-aviões desta guerra contra a crise, contra a falta de competitividade, que as empresas estão a de novo a gerar emprego, que os consumidores estão a recuperar o poder de compra. E, quando o país olhar para trás daqui a uns tempos, mesmo depois de vender as suas melhores empresas, de ver uma geração jovem e qualificada partir para outros países, de saber que vai continuar a pagar juros de dívidas, vamos acreditar que, sim, tudo foi pelo melhor.

É supostamente por este país melhor que os líderes partidários se batem por um consenso. Só que, tal como o Portugal de Montenegro - aquele país que consegue estar bem mesmo que os portugueses estejam mal, vá-se lá entender como - todos parecem tratar o consenso como se fosse um campo de batalha (onde só um pode vencer) e não de concertação (onde todos podem ganhar). Pura falta de bom senso. Se há coisa que a democracia devia ensinar a quem nos governa, é que o consenso deve conciliar caminhos diferentes para uma saída única, diferentes opções para uma solução comum. Passos Coelho e António José Seguro, os homens sem consenso, deviam saber disso. Não precisam de ser unânimes, apenas precisam de ser sensatos. E talvez o país, sim, fosse um pouco melhor para os portugueses.


IN "DIÁRIO ECONÓMICO"
27/02/14


.
.



106.UNIÃO


EUROPEIA


















.
.


2-GRANDES
 MENTIROSOS














.
.
DEMOCRACIA CHINA






















.
.



IV- COMO TUDO



FUNCIONA

   2 - BORRACHA


video





.

.


1-GRANDES
 MENTIROSOS

.
.


Christina Aguilera


Hurt

video


.
.
HOJE NO
  "RECORD"

Mourinho: 
«A Seleção Nacional não é 
"Portugal e Amigos"...»

José Mourinho admitiu este fim de semana, quando comentava as convocatórias das seleções para os jogos do meio da semana, que apenas admite ter jogadores da nacionalidade em causa caso se torne selecionador nacional. Mourinho falou concretamente a seleção portuguesa, garantindo que nunca chamaria estrangeiros se fosse o comandante técnico.

"Se um dia for selecionador nacional, apenas vou levar jogadores do país, isso de certeza. E, se não tiverem nascido no país, terão de ter familiares com grande ligação ao país. Nunca levarei um jogador apenas por ter passaporte do país, por acreditar que torne a equipa mais forte. Para mim, uma seleção nacional representa imenso, é isso que sucede com a minha", começou por dizer, falando depois do caso português.

"Se um dia for selecionador de Portugal, levarei só portugueses. A seleção nacional é de Portugal, não de Portugal e Amigos. Portugal é dos portugueses. É uma opinião e todos podem tê-las. Não estou a criticar, apenas estou a dizer que faria se fosse selecionador nacional, de Portugal se tudo correr bem", concluiu.

Curiosamente (ou não...), na conferência de imprensa em que falou desta situação, o técnico português utilizou um cachecol com o seu nome e a bandeira portuguesa.

* Polémico, somos da mesma opinião.

.
.


 DANÇANDO


video



.
.
HOJE NO
"CORREIO DA MANHÃ"

Fifa autoriza uso de véus
 e turbantes em campo

Jogadoras poderão jogar com um véu a cobrir a cabeça, tal como os homens, que poderão usar um turbante

A utilização de véus que cubram a cabeça ou de turbantes no futebol foi aprovada hoje oficialmente pelo International Board, organismo que gere as leis do jogo, após 20 meses de testes.
 .
"Foi decidido que as jogadoras poderão ter a cabeça coberta para jogar", afirmou em conferência de imprensa o secretário-geral da Federação Internacional de Futebol (FIFA), Jérôme Valcke, no âmbito da reunião do International Football  Associaton Board (IFAB), em Zurique, na Suíça.

Além de permitir às mulheres muçulmanas a utilização de véus, esta medida foi alargada aos homens, em resposta a um requerimento da comunidade sikh canadiana. Brevemente, será enviada uma circular a todas as federações a explicar detalhadamente a forma de aplicação desta decisão.

O véu ou o turbante não poderão ser os de uso diário. Deverão ter a mesma cor da camisola, não constituir perigo para quem o utiliza nem ter pontas soltas.

A FIFA proibia a utilização do véu, alegando o risco de lesões no pescoço e na cabeça, mas em 2012 o IFAB decidiu testar o seu uso durante quase dois anos, na sequência de um pedido da Confederação Asiática de Futebol.

Após a experiência, o Board considerou não haver mais razões válidas para proibir esta prática, desde que todas a regras de segurança sejam respeitadas.

"É uma autorização global", disse Valcke, reconhecendo que o facto de a Jordânia, um reino árabe, ser a anfitriã do Mundial feminino de sub-17 em 2016 teve um papel importante nesta decisão. 

* Quando um terrorista disfarçado de jogador levar debaixo do turbante ou do véu uma bomba e pulverizar os outros atletas em campo, venham-nos falar de consensos democráticos.


.
.


 BELO E NATURAL

 SOPHIE WINKLEMAN


 ANGELA MERKEL

 SHARON STONE


 SUSAN SARANDON

 KIM KARDISHIAN


 KATE MIDLETON



 IRELAND BALDWINN

 CHERYL COLE


 PIPPA MIDLETON

 JULIE GAYET

RITA PEREIRA


.
.
HOJE NO    
"i"

"Não há nenhuma instituição
 imune à corrupção"

"Não há nenhuma instituição que seja imune ao fenómeno da corrupção." A frase é do secretário-geral do Conselho da Prevenção da Corrupção (CPC), José Tavares, e foi proferida ontem perante cerca de meia centena de dirigentes da Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE). 


Falando no âmbito de mais uma "visita mensal de carácter pedagógico" a organismos públicos com planos de prevenção de riscos de corrupção e infracções conexas - a 30.a desde que foi criado em 2008 -, José Tavares chegou a afirmar que, "se não existisse corrupção e fenómenos conexos, como a fraude e a evasão fiscal, não estaríamos em crise", mas admitiu que "não é fácil julgar" este tipo de crimes. 

"Mais de mil entidades públicas já têm plano de prevenção e quando forem aplicados por todos é uma grande reforma do sector público", afirmou, defendendo que estes não devem ser vistos "como mais um documento burocrático". 

No caso da ASAE, José Tavares considerou que tem um bom plano mas que "podia ser mais pormenorizado".
Em declarações ao i no final da visita, o secretário-geral do CPC e também director-geral do Tribunal de Contas, congratulou-se por a ASAE ter um plano "desde a primeira hora", de o já ter revisto e de o ir fazer novamente. "Para o CPC, os planos são um instrumento de gestão dinâmico que pode ser melhorado, pois os riscos vão mudando de intensidade ao longo do tempo", afirmou, lembrando que o do próprio TC "está em constante evolução". 

Questionado sobre se os planos já preveniram algum caso de corrupção, o dirigente do CPC respondeu: "Sim. Tendo em conta as últimas visitas, diria que em todas as instituições os planos são já um instrumento efectivo e reconhecidamente útil, que ajudou a ultrapassar muitas situações e contribuiu para a responsabilização das pessoas e dos dirigentes."

ASAE: "efeito dissuasor evidente"  
Confrontado com a mesma pergunta em relação ao organismo que lidera, o inspector-geral da ASAE, Pedro Portugal Gaspar, começou por dizer que "é sempre uma questão um bocadinho difícil" de responder, mas não teve dúvidas em afirmar que "tem um efeito dissuasor evidente". "Os planos de prevenção são óptimos documentos de gestão, mas claro que, como em todos os planos, há necessidade de melhorar e concretizar mais" os riscos inerentes ao organismo que preside, acrescentou. 

"Esta visita foi muito oportuna pois estando eu aqui há cinco meses ajuda a equacionar alguns elementos" do plano, defendeu ainda o inspector-geral, salientando que a ASAE já adoptou algumas medidas que visam "evitar qualquer situação", como a rotatividade das brigadas de inspecção, a sua pluridisciplinaridade ou a obrigatoriedade de os membros do departamento laboratorial apresentarem declarações de interesse. 

Questionado sobre qual a principal área de risco, Pedro Portugal Gaspar apontou a inspectiva. "Mais de metade dos efectivos estão nesta área, logo há um maior risco nesta área, e há que ter mais cuidado mas sem grande dramatismo."

* Tão evidente... quando é criada uma autoridade para inspeccionar políticos corruptos?

.
.

BATON

video



.
.

ONTEM NO
"A BOLA"

Portugal e Moçambique 
unidos no adeus a Coluna
 

O funeral de Mário Coluna decorreu esta sexta-feira, em Maputo, e contou com a presença do Presidente da República de Moçambique, Armando Guebuza.

O velório iniciou-se às 10 horas (menos duas em Lisboa) e terminou duas horas depois, seguindo, depois, o cortejo fúnebre para o Cemitério da Lhanguene.

Além de Luís Filipe Vieira, presidente do Benfica, marcaram também presença os campeões europeus pelo Benfica, António Simões, Fernando Cruz, José Augusto e Mário João, não esquecendo Humberto Coelho, vice-presidente da FPF.

O antigo internacional português, 78 anos, estava internado desde domingo no Instituto do Coração, na capital moçambicana.

* Estranhámos a fraca presença política de Portugal no funeral de Mário Coluna, será sempre um grande português, muito maior que qualquer dos governantes que hoje infelizmente temos.

.
.


  2.NÃO BATEM BEM!
























.
.

HOJE NO
"AÇORIANO ORIENTAL"

Novo reitor recusa sustentabilidade baseada na "subsidiodependência"

O novo reitor da Universidade dos Açores declarou que vai dizer aos governos da República e da região que não quer basear a sustentabilidade da academia na "subsidiodependência".
 
“Temos o direito a reclamar aquilo que, por mérito próprio, nos é devido pelo papel que desempenhamos em prol do desenvolvimento do país e da região”, declarou João Luís Gaspar, durante a cerimónia em que tomou posse como reitor, em Ponta Delgada.

João Luís Gaspar disse que pretende “exigir ao Governo da República que a Universidade dos Açores e todos os membros da comunidade académica tenham as mesmas oportunidades que as oferecidas às demais instituições do ensino superior do país”.

“Nesse contexto, lutaremos pelo direito ao pagamento dos sobrecustos da insularidade em todas as suas vertentes”, frisou.

João Luís Gaspar pretende “garantir o envolvimento da região na defesa e manutenção do modelo multipolar da universidade”, a par de investimentos na educação, ciência e tecnologia ao abrigo do novo Quadro Comunitário de Apoio 2014-2020.

“Esperamos que a região privilegie a Universidade dos Açores no processo de implementação das políticas públicas, beneficiando das competências que esta possui, reconhecidamente, nas mais diversas áreas científicas e formativas”, defendeu.

O novo reitor quer que o poder regional e local e a iniciativa privada “procurem prioritariamente na Universidade dos Açores resposta para as suas necessidades”.

João Luís Gaspar considerou que o cenário de crise não foi o único responsável pelo “estado de falência latente” das universidades portuguesas, apontando o “continuado experimentalismo” da política pública de educação em Portugal, "a que o ensino superior não tem escapado”.

Para o reitor, a “falência latente” deve-se também à aplicação de um modelo de financiamento do ensino e da investigação “desajustado, inconstante e nem sempre claro, e à inexistência de um sistema transversal e transparente de avaliação” das instituições, atividades orgânicas e dos seus membros.

“Na realidade, tais factos têm impossibilitado a implementação consistente de planos estratégicos adequados por parte das universidades e adiado, invariavelmente, a concretização da tão necessária reforma do ensino superior em Portugal”, considerou.

“Como se verifica noutros países, Portugal encontra-se mergulhado numa esfera de austeridade que não tem poupado pessoas, famílias ou organizações”, referiu.

João Luís Gaspar acentuou que as universidades, tal como se verificou em outras instituições, deixaram de “ter condições para o pleno cumprimento da sua missão”, apesar de serem reconhecidas como “parceiras estratégicas dos governos para o processo de recuperação e crescimento do país e das regiões onde se inserem”.

* Homem corajoso, a pensar na educação.

.