terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

UMA GRAÇA PARA O FIM DO DIA

.

Estavam de  férias no Inatel da Costa da Caparica
 - Pai, posso levar a tua bóia para a piscina?
- Que bóia, filho? 
- Aquela que está no teu quarto. 
- Não sei de bóia nenhuma, leva o que quiseres e não me chateies mais, tá?
- Obrigado, pai!
E lá foi o puto, todo feliz para a piscina...



.
.


 O QUE NÓS



PROCURAMOS






 Uma excelente propaganda a um produto que "actua" contra a formação de celulite, vale a pena ver.




.
.

MUITO BEM FEITO


















.
.

SOUTIENS INDISCRETOS













Diz, quem percebe de moda que o soutien deve passar desapercebido pois a sua visibilidade tira graça ao conteúdo, concordamos, embora cada vez mais se faça gala em exibir as alças e até a tira onde se encontra o fecho.

.
.

HOJE NO
"JORNAL DE NEGÓCIOS"

Apenas um em vinte jovens 
ganha mais de 900 euros

Jovens são um dos grupos mais prejudicados pelo desemprego e precariedade. Longos períodos sem trabalho podem deixar cicatrizes profundas.
 .
Quatro em cada dez jovens portugueses estão desempregados. Com 137 mil à procura de trabalho, a taxa de desemprego de 37,7% é uma das mais altas da Europa (era 18% em 2008). Mesmo os que conseguem encontrar emprego, vêem-se confrontados com uma forte segmentação do mercado de trabalho. Quase 60% dos empregados por conta de outrem têm vínculos precários (contrato a prazo ou recibo verde) e o seu salário médio líquido é 515 euros. As estimativas do INE apontam para que, entre a geração mais qualificada de sempre, apenas 4% esteja a receber mais de 900 euros. 

Numa situação de crise económica, é comum os mais jovens serem um dos grupos mais afectados. As empresas fecham a torneira das contratações e muitas recorrem ao despedimento. O custo é um critério importante. É mais fácil despedir alguém que trabalhe há um ano na empresa, com contrato a prazo e um salário de 600 euros do que quem esteja nos quadros da empresa há 20 anos, com um salário de 1.500 euros e uma indemnização mais elevada.

O engrossar do número de de- sempregados torna a concorrência mais feroz para os jovens que acabam de sair da universidade sem qualquer experiência profissional. O risco é entrar num ciclo vicioso. Vários estudos concluem que, quanto mais tempo se está alienado do mercado de trabalho, mais difícil é entrar ou regressar. Além da degradação das capacidades e motivação, começa a instalar-se um preconceito entre os empregadores. Longos períodos de desemprego influenciam salários futuros e até a performance académica dos futuros filhos. No final de 2013, 45% dos jovens portugueses desempregados estavam sem trabalho há mais de um ano. Em 2011 eram 32%. 

Um estudo de 2009 citado há um mês pelo governador do Banco de Portugal concluía que jovens adultos que entram no mercado de trabalho num período de recessão "tendem a considerar que o sucesso individual depende mais da sorte do que do esforço".

Para os responsáveis políticos pode ser tentador dar menos relevância aos jovens. Normalmente têm o apoio dos pais, poucas obrigações financeiras e muito tempo pela frente para inverterem a sua situação. Muito importante: muitos ainda não podem votar e outros abstêm-se. No entanto, Portugal já assistiu aos protestos da "Geração à Rasca". Lá fora os protestos multiplicam-se. Das praças ocupadas pelos "Indignados" e "Occupy" às revoluções semeadas e ditadores derrubados no Norte de África. O rastilho que fez explodir a Primavera Árabe esteve ligada a uma juventude desempregada, sem perspectivas de futuro e sem nada a perder.

Entre os países da OCDE, a taxa de desemprego jovem está nos 16,5%, cerca de 2,5 vezes o superior ao valor registado em faixas etárias acima de 25 anos. "Em todos os países existe um grupo de jovens que enfrentam várias combinações de desemprego elevado e persistente, baixa qualidade dos trabalhos que encontram e risco elevado de exclusão social", escrevem os técnicos da OCDE, acrescentando que, num contexto de envelhecimento da população, integrar este grupo "é crucial não só para melhorar as suas perspectivas de emprego e bem-estar, como para fortalecer o crescimento económico, equidade e coesão social."

* Apenas 5% dos jovens ganham mais de 900 €, humilhante, há licenciados em farmácia e médicos veterinários a ganhar bem menos.

.
.



VII-OS SETE


PECADOS CAPITAIS



1- A SOBERBA








.
.

HOJE NO
  "DESTAK"

Quase três cartões em cada mil foram
 alvo de fraude em Portugal - BCE 

 Cada português tinha em média dois cartões bancários em 2012, um dos valores mais elevados da zona euro, segundo um relatório do BCE hoje divulgado, que indica que em Portugal 2,7 em cada mil cartões foram alvo de fraude. 


Segundo o Banco Central Europeu (BCE), em 2012, por cada 1000 cartões 2,7 foram alvo de fraude, abaixo da média de 11,2 da zona euro. Já por cada mil habitantes foram defraudadas 5,1 pessoas, também neste caso abaixo das 16,1 de média da zona euro. 

A fraude com cartões de pagamento fixou-se em 0,012%, em Portugal em 2012, em termos de valores, e em 0,003% em volume.

*  Portugueses e vigaristas

.
.


11-SOBRE AS 


DROGAS  
DROGAS 
PRESCRITAS



NR: Quando o tráfico e a tóxico dependência atiram tanta gente para a degradação e miséria, apresentamos-vos uma nova série sobre este melindroso tema. Cada um que tire as ilacções que achar por bem.

.
.
HOJE NO
  "i"

Selfies provocam piolhos e lêndeas

“Detectamos um aumento muito grande nas epidemias de piolhos e lêndeas nos adolescentes. As selfies são divertidas, mas as consequências são reais”, explicou Marcy McQuillan, especialista em piolhos. 


E como se apanham? É simples. A selfie, acto de tirar fotografias com alguém, faz com que o contacto entre as cabeças seja próximo, provocando assim o aumento da propagação de piolhos e lêndeas. 

* SELFIE-SE E PIOLHE-SE


..

LUCY KELLAWAY

.


Sabia que a conversa 
de circunstância pode
impulsionar a sua carreira?

Conheço uma jovem que trabalha numa empresa de media a quem o chefe chamou à parte para dizer que, embora seja uma profissional competente, tem um problema: fala pouco.

Por outras palavras, não tem queda para fazer conversa de circunstância. A jovem ficou indignada por ter sido repreendida por fazer o seu trabalho quando, pelos vistos, devia estar a discutir qual o restaurante mais ‘cool' para tomar um ‘brunch' ou a porção ideal de pinhões na confecção do ‘pesto'.

Quando me contou o sucedido, lembrei-me de um comentário de Inga Beale que os media recuperaram no ano passado quando assumiu a presidência da seguradora londrina Lloyd's, um bastião masculino por excelência. Na sua opinião, o que faz com que as mulheres fiquem em segundo plano não é a falta de ambição ou o excesso de responsabilidades domésticas, mas o facto de não socializarem o suficiente com os colegas - leia-se alimentar conversas fúteis.

Isto é perfeitamente absurdo. Primeiro, toda a gente sabe que as mulheres falam pelos cotovelos. Pelo que me toca, tenho o prazer de anunciar que inaugurei recentemente a quarta década de TNT (‘tagarelice no trabalho'). Segundo, a conversa de circunstância não é o melhor caminho para chegar ao topo. O meu sucesso no trabalho não releva dessa qualidade, mas sim da minha teimosia em arranjar uma mala que reúna duas especificidades: tem de ser gira e adaptar-se à bicicleta.

Seja como for, não esqueço que já me criticaram por ter tecido generalizações com base numa amostra composta por uma única pessoa, pelo que estou a averiguar com a máxima seriedade se o meu histórico de tagarelice se enquadra, ou não, nos padrões normais. Não tem sido fácil. Louann Brizendine referia no livro ‘The Female Mind', publicado em 2006, que as mulheres debitam 20 mil palavras por dia, enquanto os homens proferem um total de sete mil palavras. Porém, há estudos que contestam estes números e avançam outra conclusão: ambos os sexos dizem, em média, 12 mil palavras por dia.

Mesmo que isto seja verdade, não nos elucida sobre se homens e mulheres falam muito ou pouco no local de trabalho. Para poder chegar a alguma conclusão, passei as últimas semanas a deambular pelos gabinetes dos meus colegas. Primeiro, fiquei surpreendida por não apanhar ninguém em amena cavaqueira. Imaginei que o faziam via Twitter ou Facebook por ser mais discreto. Quando encontrei uns quantos na conversa - eis a segunda surpresa -, verifiquei que só havia homens no grupo.

Talvez as mulheres prefiram conversar com outras mulheres ou talvez a verdadeira explicação tenha a ver com a família: as mulheres preferem ser eficientes porque têm de ir para casa tomar conta dos filhos. Quando os meus eram mais pequenos, tinha de sair do jornal às 17h55, impreterivelmente, para substituir a ama nessa nobre missão. Até eu preferia aplicar-me no trabalho em vez de estar na conversa. As mulheres sem filhos também têm direito de escolha, ou seja, não são obrigadas a aturar a conversa de circunstância dos colegas quando podem conversar a sério com os amigos.

A ansiedade é outra explicação possível. Desconfio que a maior parte das mulheres não gosta de ser associada a frivolidades no trabalho, enquanto os homens se estão a borrifar para isso. Um colega do jornal passa o dia inteiro a falar sobre críquete e por vezes apanho-o a jogar golfe com um chapéu-de-chuva e uma bola anti-stress à volta da secretária. Ninguém o considera frívolo. Pelo contrário, dizem que é um tipo bem disposto.

Será que uma actividade mais feminina como o tricô tem a mesma aceitação? Fiz a experiência na semana passada, mas foi um fiasco. Vários colegas olharam para mim, desconfiados, e um deles chegou a comentar que devia ser "mais uma gracinha" para a minha coluna no jornal. Apetece perguntar: isso de as mulheres falarem pouco no trabalho é assim tão importante? É, porque quanto mais falamos, mais gostam de nós.

A tal jovem mudou de estratégia e passou a dedicar uns minutos por dia à conversa de circunstância como se isso fizesse parte do seu trabalho. Ainda agora começou, mas diz que está a dar bons resultados.

Lucy Kellaway é editora e colunista do Financial Times', onde escreve sobre temas de gestão, trabalho e carreira. Além de artigos de opinião, escreve no blogue ‘Dear Lucy'
sobre assuntos do quotidiano das empresas e responde às mais variadas questões sobre dilemas da vida profissional.

IN "DIÁRIO ECONÓMICO"
24/02/14


.
.


102.UNIÃO


 EUROPEIA





.
.
HOJE NO
  "A BOLA"

Morreu Mário Coluna

Morreu esta terça-feira à tarde Mário Coluna, antigo jogador e capitão do Benfica e da seleção nacional. O anúncio foi feito pela família.



Coluna estava em coma e com respiração assistida, não tendo resistido a uma infeção pulmonar.
Coluna tinha atualmente 78 anos. Nascido em 1935, em Inhaca, Moçambique, começou a jogar no Benfica em 1953. Nos encarnados fez quase 700 jogos.

Em 1961 e 1962 conquistou a Taça dos Campeões Europeus ao serviço do Benfica. Foi campeão nacional 10 vezes e conquistou a Taça de Portugal por sete ocasiões.

Na seleção nacional efetuou 57 jogos e marcou oito golos. Foi o capitão da equipa das quinas no Mundial de 1966, de boa memória para Portugal, que conquistou o terceiro lugar.

Antes de representar o Benfica, jogou no Desportivo de Lourenço Marques, e depois de deixar os encarnados alinhou pelos franceses do Olympique de Lyon e pelo Estrela de Portalegre, clube no qual terminou a carreira. 

* Foi o grande líder da selecção portuguesa, o pai adoptivo de Eusébio e grande amigo de jogadores como Toni e Humberto Coelho.
Merece o nosso maior respeito, tanto como Eusébio mereceu.

.
.


 JACKPOT


.
.

5- O MISTERIOSO MUNDO

DAS COBRAS E SERPENTES



ÚLTIMO EPISÓDIO





.
.



HOJE NO
"DIÁRIO DE NOTÍCIAS 
DA MADEIRA"


Polícia de Jersey denuncia "embuste" 
na comunidade madeirense

"Se alguém em Jersey investiu dinheiro no esquema Telexfree deve contactar a Unidade de Crimes Financeiros ou a polícia".

O alerta acaba de ser lançado pelas autoridades policiais de Jersey, tal como já o havia feito a polícia de Guernsey, e segundo apurou o DIÁRIO decorre de informações que  uma "potencial fraude" está a atingir a comunidade madeirense nas ilhas do Canal.
.

O comunicado policial revela que o "embuste" usa o nome da empresa Telexfree e exige investimentos iniciais com a promessa de grandes retornos. Também informa que o esquema teve origem no Brasil e está a ser investigado pelas autoridades brasileiras por suspeita de origem fraudulenta.

A polícia de Jersey garante saber que há madeirenses que já foram abordados para "investir" no esquema, embora sublinhe não ter ainda qualquer contacto com vítimas daquilo que considera ser um "golpe".

* Não há galinhas de ovos de ouro.


.
.


Adele


Someone Like You






.
.

HOJE NO
"DIÁRIO ECONÓMICO"

Reino Unido 
pondera ‘leilão’de vistos gold

Órgão governamental pertencente ao Ministério do Interior propõe a atribuição de vistos gold por leilão.

A ideia é atribuir todos os anos 100 vistos ‘premium' a estrangeiros, uma espécie de ‘via verde' para viverem no Reino Unido apenas acessível aos mais ricos. Mas condicionada à participação num leilão, cuja base de licitação é de 2,5 milhões de libras (3 milhões de euros), 2 milhões de libras das quais para investimento e pelo menos 500 mil para instituições de beneficência.

'Arrematar' o visto significaria poder residir definitivamente no Reino Unido ao fim de dois anos (ao contrário do actual modelo, que estabelece cinco anos) e obrigaria a permanecer apenas 90 dias por ano no país, contra os 180 actualmente exigidos.

Segundo o órgão governamental responsável pela migração, o actual sistema pouco ou nenhum benefício traz para o Reino Unido, seja no sector imobiliário, seja na geração de emprego. Esta modalidade - que tem atraído sobretudo chineses, russos e norte-americanos - impõe aos candidatos um investimento de entre um a 10 milhões de libras em obrigações britânicas.

O Ministério do Interior ainda não se pronunciou sobre a proposta, mas o Financial Times adianta que o Governo estará muito céptico em relação a esta proposta.

Portugal introduziu há cerca de um ano um sistema que estabelece a autorização de residência como uma contrapartida à realização de investimentos no país. No caso português, o 'visto gold' está dependente da transferência de capitais no montante igual ou superior a um milhão de euros, da criação de, pelo menos, dez postos de trabalho ou da aquisição de bens imóveis de valor igual ou superior a 500 mil euros.

As mais de 500 autorizações de residência para investimento emitidas até ao momento pelo Governo foram atribuídas maioritariamente a cidadãos chineses, russos, brasileiros e angolanos, representando mais de 300 milhões de euros em investimento.

* Lavagem de dinheiro sim, mas a outro nível, não a sucata dos 500 mil euros.


.
.


Sem casaco no frio da Noruega




Várias câmaras capturaram momentos registados quando um rapaz de 11 anos se sentou numa paragem de autocarro em Oslo, na Noruega, em pleno inverno e sem casaco. O vídeo foi divulgado pelo Huffington Post e mostra a reação das pessoas que passavam.



.
.


HOJE NO
"CORREIO DA MANHÃ"

Homem com cancro terminal 
realiza sonhos da namorada

Chris Price passou os últimos seis meses de vida a fazer feliz a mulher com quem acabou por casar.

Chris Price, um norte-americano com cancro terminal, ouviu da boca do seu próprio médico que só teria seis meses de vida. Depois da chocante notícia, ele decidiu passar os últimos meses a realizar os sonhos da namorada, Ceri, de 29 anos.
 .
Em abril de 2013, aos 26 anos, Chris Price que tinha anteriormente lutado contra um cancro no esôfago, foi agora vítima de cancro no fígado e nos pulmões, noticiou a 'BBC News'.

Quando o jovem soube da notícia, não hesitou em pedir a namorada em casamento. Pouco depois da cerimónia, em agosto de 2013, Chris levou Ceri e os seus quatro filhos à Disneyland Paris, onde viveram um dos "momentos mais mágicos", segundo o jornal 'WalesOnline'. Algumas semanas mais tarde, o casal rumou para Nova Iorque, EUA, para uma escapadela romântica.

"Se o meu amor pudesse tê-lo salvo, ele teria vivido para sempre", afirmou Ceri. Chris Price acabou por morrer nos braços de Ceri, no mês passado e o seu funeral foi realizado na mesma igreja onde os dois se casaram.
"A sua doença fê-lo viver toddos os momentos por inteiro, e ele ensinou-me a fazer o mesmo", contou Ceri à 'BBC News' .

* Uma verdadeira história de amor e coragem.


.
.

FOTOS


ARMADILHADAS















.
.

HOJE NO
"O PRIMEIRO DE JANEIRO"

Polícia Judiciária detém sexagenário em Aveiro
Suspeito de gerir negócio de prostituição

A Polícia Judiciária (PJ) de Aveiro anunciou a detenção de um homem, de 61 anos, suspeito de gerir um negócio de prostituição nas zonas de Anadia e Águeda.

Segundo a PJ, o sexagenário arrendava apartamentos, naquelas localidades, onde algumas mulheres se dedicavam à prostituição, sendo que num dos casos identificados o faziam sob "forte constrangimento e sequestro".

"A publicitação dos serviços oferecidos, bem como a angariação das intervenientes, normalmente mulheres em situações muito precárias, eram feitos através de anúncios publicados em jornais diários", refere a PJ.

Após buscas domiciliárias realizadas na passada segunda-feira, os inspetores identificaram no apartamento onde se desenrolavam as práticas em investigação, uma rapariga de 15 anos, que se encontrava em ausência ilegítima de uma instituição onde tinha sido determinado o seu internamento pelo Tribunal de Menores. A PJ diz que o suspeito está "fortemente" indiciado pelos crimes de lenocínio agravado e de lenocínio de menores agravado.

O detido, com antecedentes criminais pelo mesmo tipo de crime, vai ser presente a primeiro interrogatório judicial para a eventual aplicação de medidas de coação.

* Falta deter os responsáveis pelo proxenetismo político.



.
.

.FOGO DE ARTIFÍCIO


O festival de fogo de artifício mais perigoso do mundo!

.
.

HOJE NO
"DIÁRIO DE NOTÍCIAS"

Fraude na área da urologia 
envolve Hospital Militar

O Departamento de Investigação e Ação Penal de Lisboa e a Polícia Judiciária Militar organizaram hoje uma grande operação para desmantelar mais um caso de fraude no setor da saúde, desta vez focada na área da urologia. De acordo com a SIC, o alvo são os hospitais militares, médicos urologistas que trabalham nessa área, e uma empresa de dispositivos médicos que a troco de chorudas recompensas levaria os médicos a fazerem tratamentos caros demais e, por vezes, de utilidade duvidosa. 
 .
A operação terá começado às 7 da manhã, "com buscas a seis casas, uma empresa de dispositivos médicos na área da Medicina Nuclear, a três polos do Hospital Militar em Lisboa e ao Hospital de St Louis, também em Lisboa", lê-se no site da SIC.



Além de estarem envolvidos elementos da Polícia Judiciária Militar, Procuradores da República e três juízes de Instrução Criminal, estiveram também presentes elementos da Ordem dos Médicos. O bastonário, José Manuel Silva, disse ao DN que o processo está em segredo de justiça e que os médicos "disponibilizados pela Ordem têm de acompanhar o processo de buscas e garantir que não é violado o segredo médico".

* Saúde militar em estado comatoso.

.
.


GOD BLESS
AMERIC













.
.
HOJE NO
"RECORD"

Presidente da Bundesliga 
ameaça boicotar Euro'2016

O novo formato do Euro'2016, com a presença de 24 equipas, não deixou todas as seleções satisfeitas... A alemã, por exemplo, criticou o esquema competitivo pela voz de Joachim Löw, palavras que depois mereceram uma resposta dura de Michael Platini, presidente da UEFA.

"Creio que o aumento de equipas no Europeu é uma decisão questionável e o mesmo vai para os jogos de qualificação. Reduz o poder competitivo tanto dos encontros, mas também do torneio", disse Low, antes do sorteio de domingo. Depois, na resposta Platini foi corrosivo: "Se não gostam, não têm de fazer parte. Mas isto é algo importante para o futebol".

Impressionado pela forma como o líder da UEFA falou, Christian Seifert, presidente da Bundesliga e "vice" da Federação Alemã de Futebol (DFB), atacou Platini e lançou uma ameaça: "Acho que, para um presidente da UEFA, é um pouco arrogante... E talvez por isso seja melhor nem participar [no Europeu]. Nem nós nem Inglaterra ou Espanha... E aí veremos o que vale o Europeu".

* Os bafos de onça das primas donas, não há pachorra.


.
.

RELÓGIO INVULGAR





.
.
HOJE NO
"JORNAL DE NOTÍCIAS"

Receita fiscal do Estado 
sobe 10% em janeiro

A receita fiscal aumentou 10% em janeiro, em termos homólogos, tendo o Estado arrecadado 2.952,8 milhões de euros em impostos no primeiro mês do ano, segundo a Direção-Geral do Orçamento. 
 .
De acordo com a síntese da execução orçamental, divulgada esta terça-feira pela Direção-Geral do Orçamento (DGO), "o desempenho da receita fiscal de janeiro de 2014 resultou quer do aumento de 19,7% da receita dos impostos diretos, quer do crescimento de 3,0% da receita dos impostos indiretos", destacando-se nesta última categoria o IVA, o imposto de selo, o imposto sobre veículos e o imposto sobre o tabaco.


Dentro dos impostos diretos, em janeiro, o Estado encaixou 1.231,2 milhões de euros em IRS (Imposto sobre o Rendimento de Pessoas Singulares), mais 24,2% face ao período homólogo, mas arrecadou menos em IRC (Imposto sobre o Rendimento de Pessoas Coletivas), tendo cobrado 118,5 milhões euros, uma diminuição de 12,7% face ao mesmo mês do ano passado.

A DGO explica o aumento da receita de IRS com "a melhoria das condições do mercado de trabalho e a crescente eficácia das novas medidas de combate à fraude e evasão fiscal nos impostos diretos" e a quebra da receita de IRC com o "aumento extraordinário da receita de IRC em janeiro de 2013, em resultado da antecipação da distribuição de dividendos, ocorrida em dezembro de 2012".

Já nos impostos indiretos, o que mais contribuiu para este desempenho foi o IVA (Imposto de Valor Acrescentado), tendo sido arrecadados 1.038,7 milhões de euros através deste imposto (+4,2%).
A DGO destaca a cobrança voluntária de IVA, que cresceu 8% face ao período homólogo, o que corresponde a um crescimento mensal de cerca de 95 milhões de euros.

Esta evolução "evidencia a recuperação da atividade económica e a crescente eficácia das novas medidas de combate à evasão fiscal e à economia paralela, em resultado da reforma da faturação e da reforma dos documentos de transporte", escreve a DGO.

Também a receita do imposto de selo aumentou 5,1%, para os 129,8 milhões de euros, a do imposto sobre veículos cresceu 29,3%, para os 31,3 milhões, e a do imposto sobre o tabaco disparou 4,9%, para os 178,9 milhões de euros.

* Um assalto legal e bem gizado.


.