domingo, 2 de fevereiro de 2014

UMA GRAÇA PARA O FIM DO DIA

.




.
.


O QUE NÓS


DESCOBRIMOS!






Um grupo de "machões" resolveu criar  este site indicador, no maior número de cidades e países possível, de  os melhores sítios para a diversão, seja ela qual for e até com indicações sobre meninas visitáveis.
Desafiamos as senhoras a produzirem um site semelhante sobre os cafajestes sem os quais não podem passar.


 .
.
AMARICANAS/6















 MICHELE OBAMA




.
.


DE UM BEM


HUMORADO






.
.


 SABOREANDO


















.
.

AMARICANAS/5

SARAH PALIN




.










.
.


 AIDS


 VEJA EM ECRÃ AMPLIADO

.
.
AMARICANAS/4



















 HILARY CLINTON



.
.


João Neves


Ensino e desenvolvimento

e regional:o caso ESART






.
.
AMARICANAS/3


























JAMIE LEE CURTIS




.

MANUEL SÉRGIO

.
Manuel Sérgio (foto ASF)

Aurélio Pereira 
ou um projeto antropológico

Sinto como um privilégio conviver e merecer a amizade de Aurélio Pereira, o grande mentor e criador da formação dos jovens futebolistas do Sporting Clube de Portugal (SCP). A atividade que escolheu e a que com tamanha exemplaridade se devotou – segundo a opinião dos entendidos, não tem par, em competência e honestidade, no mundo todo.

Do seu trabalho “nasceram” jogadores como Cristiano Ronaldo, como Luís Figo, como Rui Patrício, como Ricardo Quaresma, como Simão Sabrosa, como André Martins, como João Moutinho, como Nani, como Semedo, como Mané, como Podence e tantos, tantíssimos mais. Para dar voz à admiração que nutro pelo meu Amigo Aurélio, não tenho receio em acrescentar: é um autêntico milagre o que ele tem realizado, entre os jovens futebolistas “leoninos”. Recebi, há uma semana atrás, saía eu de uma gripe traumatizadora, um telefonema do Jaime Cancella de Abreu: “O Aurélio Pereira propõe-nos um almoço, na quinta-feira da próxima semana, em Alcochete. O que acha?”. O que havia de achar, que me considero discípulo da eficácia, da lucidez, da firmeza, da seriedade do Aurélio Pereira? Respondi-lhe, imediatamente: “Estou à vossa disposição e agradeço-vos que permitam a minha presença”. Farto estava eu de saber que muito aprenderia com a irrequietude do Cancella de Abreu, o meu editor preferido, e a sabedoria do atual coordenador do recrutamento da formação sportinguista. Houvesse mais “Aurélios”, no futebol português, e seriam também mais os “Ronaldos” e os “Figos”.

Trilhando caminhos em que, antes dele, raros se afoitavam, levava comigo um arsenal de perguntas para, por meio delas, visionar o paradigma norteador do trabalho do Aurélio Pereira. Mas, antes que eu pudesse questioná-lo, antes de conversa mais folgada, ele adiantou-se: “Quero que você saiba, Manuel Sérgio, que só há dois anos que estudo as suas ideias, principalmente depois da leitura dos seus livros Filosofia do Futebol e As Lições do Prof. Manuel Sérgio”. E continuou: “E quero dizer-lhe também que as suas ideias, que não conhecia até 2012, nada têm a ver com o trabalho que, até àquela data, fiz no Sporting. Mas, hoje, que julgo conhecê-las, nas suas linhas gerais, sinto-me mais seguro naquilo que faço e vou até ao ponto de pensar que o meu trabalho tem fundamentação científica”.

Como há trinta anos me sucedera com José Maria Pedroto, outro desbravador da floresta cerrada da vasta problemática do futebol, uma grande emoção cresceu em mim, irrefreável, e a custo fiz uma súmula do que pretendia dizer-lhe: “Querido Amigo, hoje, dia 23 de Janeiro de 2014, é um dos dias mais felizes da minha vida. E porquê? Porque o Aurélio Pereira me diz que, também para ele, ajudar à formação de jogadores de futebol é, em primeiro lugar, medir as suas potencialidades físicas e técnicas e depois ajudar à formação de valores inegociáveis, nos jovens que chegam ao Sporting, entre os 6 e os 18 anos. No campeão do futuro, ou há também valores humanos, ou não há desporto. De facto, o futebol nasce de homens, homens só e nada mais do que homens”. Será esta a grande revolução que se processou, no futebol de formação do Sporting?

Atravessa hoje, o Sporting um momento de arrebatada e arrebatadora viragem, sob a liderança do Dr. Bruno de Carvalho. Aurélio Pereira, lucidamente recetivo ao trabalho do seu presidente, não corre atrás das fáceis e berrantes verdades dos comentadores, com ideias confortavelmente definitivas. Pelo contrário, numa atmosfera desanuviada de constrangimentos, pois que o Sporting o respeita e o estima, o coordenador do recrutamento dos jovens leoninos não desconhece o “primado teórico do erro” e critica e critica-se, já que todo o processo científico é um processo inacabado de verdades provisórias.

Nesta perspetiva, uma evidência indiscutível ou é um engano ou uma patetice. Não foram, por isso, palavras lançadas ao vento as que escutei ao Aurélio Pereira, naquele almoço inesquecível: “O futebol estuda-se, em Portugal, divorciado da história das ideias, da vida social, económica e política. Por isso, ao contrário do que o Manuel Sérgio ensina, há muitos anos, para a grande maioria dos nossos agentes do futebol o futebol não passa de futebol. Ora, para nós, na formação do Sporting, o nosso trabalho tem de mergulhar numa problemática muito mais vasta do que a problemática típica do futebol. São as saudades da família; é o rendimento escolar; é uma formação para os valores, que vai muito para além da educação formal; é o respeito pelas tradições do clube que os escolheu – enfim, o futebol é mais do que futebol”. E, sublinhando bem o que dizia: “Nós, na formação do Sporting, temos a certeza que, se não formarmos homens, o jogador não nos interessa”.

Quando o jovem chega ao Sporting, se bem entendi o meu querido Amigo, Aurélio Pereira, é o seu jeito para o futebol, são os fatores hereditários, que imediatamente se procuram. “Mas é, através de um projeto antropológico, que desenvolvemos as qualidades do futebolista”. E, simpático, olhos-nos-olhos, confidenciou-me: “Manuel Sérgio, sem eu mesmo o saber, era a sua teoria que eu seguia”. Rendido, de lágrimas nos olhos, observei: “E é a sua prática, porque a prática é o critério da verdade, que vem dizer-me ser bem possível que eu esteja, teoricamente, no caminho certo. Querido Amigo, considere-me seu discípulo”.

A timidez e a modéstia de Aurélio Pereira, o seu sportinguismo convicto, não lhe ofuscavam a consciência da importância da suas (nossas) ideias. Por isso, as suas palavras não pareciam, nem embaraçadas, nem inseguras. O projeto antropológico do seu trabalho passara a ter paradigma científico. Entardecia. Lá fora. Amanhecia. Dentro de nós (o Aurélio Pereira, o Cancella de Abreu e eu próprio). Antes de entrar no carro, que me conduziria a Lisboa, o Aurélio Pereira ainda me deixou um aviso: “Gostaria de ler a sua tese de doutoramento”. Naquele almoço, senti a falta do José Maria Pedroto – um homem que viveu antes do seu tempo!


IN "A BOLA"
28/01/14


.
.


79.UNIÃO


EUROPEIA




















.
.

 AMARICANAS/2



















OPHRA




.
.
XVIII.
O MUNDO SECRETO DOS JARDINS


BEIJA FLOR





.
.
AMARICANAS/1



 JENNIFER ANISTON



.
.

Carmina Burana - O Fortuna


Carl Orff - André Rieu




.
.
  ONTEM N0
" DINHEIRO VIVO"

Vítor Bento e Oliveira Martins 
relacionam consolidação orçamental
 com reforço democrático

O economista Vítor Bento e o presidente do Tribunal de Contas, Guilherme de Oliveira Martins, relacionaram hoje a consolidação orçamental e a sustentabilidade financeira à ideia de um reforço democrático. 

As ideias convergentes foram expressas nas intervenções que ambos fizeram numa iniciativa da convenção do PS "Novo Rumo", que se realizará em maio, no âmbito da qual decorreu hoje um painel dedicado ao tema "uma administração pública eficiente e com qualidade".

Vítor Bento sublinhou a importância "de conciliar democracia e sustentabilidade financeira", apontando que, em Portugal, e não apenas na história recente, esses dois conceitos não andaram relacionados.

"A história diz-nos que nós só conseguimos ter estabilidade financeira através de mecanismos repressivos", afirmou, sublinhando que, dentro do atual regime democrático, Portugal já foi sujeito a três resgates.

"Nós temos que saber conciliar escolhas democráticas com sustentabilidade financeira. Não menorizem a importância que a estabilidade financeira tem para o funcionamento da própria democracia", afirmou.

Vítor Bento ilustrou a sua tese com a queda do Governo liderado por Salvador Allende, no Chile, em 1973.

"A queda de Allende no Chile - além de toda a sabotagem política de que foi alvo, nomeadamente pelo lado americano -, resultou também, em grande parte, ou foi muito favorecido, pela alienação da classe média em consequência das políticas financeiras aplicadas pelo governo de unidade popular", afirmou.

O presidente do Tribunal de Contas, Guilherme de Oliveira Martins, iniciou a sua intervenção sublinhando a ideia abordada por Vítor Bento, considerando que "é a democracia, é a consolidação das instituições democráticas que estão em causa".


Para o antigo ministro socialista, o país vive um "processo de consolidação que não durará menos de 20 anos" e, "para garantir que não haja mais necessidade de novos resgates, é indispensável pensar na criação de condições de consolidação da democracia e de consolidação financeira e orçamental".

"É essencial que os orçamentos aprovados no parlamento sejam cumpridos e não apenas um conjunto de boas intenções, mas que sendo documentos que são cumpridos possam ser garantia da consolidação orçamental que só fortalece a democracia", afirmou.

* Duas pessoas muito sérias e competentes.



.
.

 Dani Lary

Le Taj Mahal





.
.
ESTA SEMANA NA
" SÁBADO"

O Archdaily é o site de arquitectura 
mais visitiado em todo o mundo 

Quatro obras portuguesas foram premiadas pela Archdaily com o galardão Edifício do ano de 2014. Através do site da Archdaily, que recebe 300 mil visitas diárias (é o mais visitado do género no mundo e um dos mais conceituados), arquitectos portugueses ficaram a saber esta quinta-feira, dia 30, que as suas obras estão entre os melhores edifícios de 2014. 


Ao todo são quatro os edifícios vencedores de autoria lusa: as casas na árvore, no Parque das Pedras Salgadas, de Luís e Tiago Rebelo de Andrade, venceram na categoria de hotelaria; da autoria do atelier CVDB Arquitectos, a Escola Secundária Braamcamp Freire, em Lisboa, venceu na categoria arquitectura educativa; as Residências assistidas de Alcácer do Sal, dos irmãos Aires Mateus foram premiadas na categoria de arquitectura de saúde; na categoria de restauro e requalificação houve mais uma obra lusa a ser premiada, o Chalet das Três Esquinas, de Tiago do Vale Arquitectos, localizada em Braga.

Quatro obras portuguesas foram premiadas pela Archdaily com o galardão Edifício do ano de 2014. Através do site da Archdaily, que recebe 300 mil visitas diárias (é o mais visitado do género no mundo e um dos mais conceituados), arquitectos portugueses ficaram a saber esta quinta-feira, dia 30, que as suas obras estão entre os melhores edifícios de 2014.

Ao todo são quatro os edifícios vencedores de autoria lusa: as casas na árvore, no Parque das Pedras Salgadas, de Luís e Tiago Rebelo de Andrade, venceram na categoria de hotelaria; da autoria do atelier CVDB Arquitectos, a Escola Secundária Braamcamp Freire, em Lisboa, venceu na categoria arquitectura educativa; as Residências assistidas de Alcácer do Sal, dos irmãos Aires Mateus foram premiadas na categoria de arquitectura de saúde; na categoria de restauro e requalificação houve mais uma obra lusa a ser premiada, o Chalet das Três Esquinas, de Tiago do Vale Arquitectos, localizada em Braga.


Este prémio existe desde 2009, e no ano passado foram dez os projectos portugueses finalistas. Apenas houve um vencedor: o Pedras Salgadas Eco Resort da dupla Diogo Aguiar e Luís Rebelo de Andrade.
A Archdaily, fundada em 2008, existe como plataforma de informação internacional da área de arquitectura, nomeadamente projectos, produtos, eventos, entrevistas e concursos.

O prémio tem como objectivo reconhecer os arquitectos cujas obras mais impressionaram os visitantes do sítio online.


* Um motivo de orgulho, só os políticos nos envergonham.

.
.


ASSÉDIO






















.
.
ESTA SEMANA NA
" VISÃO"

Conselhos de viagem

As primeiras coisas a fazer quando chegar ao quarto do hotel Quer desfrutar da sua estadia sem percalços? Carolina Morse, do site SmarterTravel, tem oito conselhos indispensáveis para uma noite agradável

Verifique se não existem insetos na sua cama:  
Examine o seu colchão, moldura da cabeceira, almofadas e lençóis. É difícil encontrar insetos como os percevejos, mas estes deixam manchas nos locais que habitam. Antes de se deitar, procure pequenas manchas castanhas (sangue humano que estes insetos parasitas consomem e processam).

 Desinfete os aparelhos eletrónicos:
O seu quarto pode parecer limpo, mas é possível que não esteja totalmente desinfetado. A equipa de limpeza presta especial atenção às casas de banho, mas pode não ter tempo para desinfetar os comandos de televisão, interruptores ou outros aparelhos eletrónicos. Desinfete-os com uma toalhita antibacteriana.
Procure locais escondidos no quarto: 
 Antes de se entregar ao descanso, verifique se está realmente só. Debaixo da cama, atrás das portas, no chuveiro ou dentro do guarda-roupa. Não há nada pior do que encontrar "esqueletos no armário" ou ser surpreendido por algum intruso.
Experimente o ar condicionado:  
Quando entra no quarto, a temperatura parece perfeita. No entanto, pode sentir frio ou calor durante a noite. E se descobrir a meio da noite que a climatização não funciona? O melhor é verificar durante o dia. Nem todos os hotéis têm serviço de manutenção 24h ou quartos livres para trocar.
Remova a colcha: 
 É verdade, as colchas não são mudadas sempre que um novo hóspede chega. Pode parecer uma grande falta de higiene, mas Reneta McCarthy (responsável pelos quartos de uma cadeia hoteleira norte-americana) afirma que as colchas podem ser mudadas apenas quatro vezes por ano. Retire a colcha usada antes de se deitar.

Desligue ou regule o despertador: 
 Muitos hotéis têm despertadores de cabeceira. Se não quer ser acordado a horas impróprias, desligue-o. Se costuma acordar com o despertador do seu telemóvel, mantenha o hábito. (Não há nada pior do que acordar com um som desconhecido)
Coloque o sinal "Do not disturb" ["não incomodar", em inglês] na porta:
 A menos que queira ser surpreendido de manhã pelo serviço de quarto, coloque o sinal na porta. No entanto, se quer o seu quarto limpo, retire-o durante a manhã.


* TOME NOTA

.
.

Catedral de


Nossa Senhora d' África





.
.
ESTA SEMANA NO
"SOL"

Novas regras para pagamentos
. electrónicos hoje em vigor

A legislação que implementa transformações na forma como os pagamentos electrónicos são processados na Europa entram hoje em vigor, apesar de a Comissão Europeia ter alargado recentemente o prazo para a sua implementação total por mais seis meses.

A SEPA (Single Euro Payments Area, na sigla em inglês) visa facilitar as transacções em euros dentro do espaço europeu, criando um mercado doméstico único ao nível dos pagamentos, face à actual situação de fragmentação nos vários mercados nacionais.

As novas regras abrangem todos os utilizadores, sejam particulares, empresas, associações e autarquias, com as operações bancárias comuns, como as transferências, os débitos directos, os pagamentos de salários, de quotas, as cobranças por débito directo em conta, entre outras, terão de passar a ser feitas de acordo com os requisitos e procedimentos estabelecidos pela União Europeia.

Deste modo, e em virtude do prazo adicional de seis meses que foi concedido pelas autoridades europeias de forma a possibilitar que tudo esteja a postos para o processamento das operações dentro dos modelos de pagamento SEPA, a partir de 1 de Agosto, o Banco de Portugal vai descontinuar os actuais sistemas das transferências electrónicas interbancários e dos débitos directos nacionais.

Assim, a partir dessa data, apenas será possível utilizar os modelos de pagamento SEPA para a realização dessas operações de pagamento.

"As instituições e utilizadores que não tenham procedido à migração para estes novos mecanismos deixam de poder realizar essas operações", alertou recentemente em comunicado a Associação Portuguesa de Bancos (APB).

Segundo Hugo Oliveira, responsável pelas vendas do segmento de médias empresas da Sage, uma das empresas europeias de desenvolvimento de 'software' de pagamentos electrónicos SEPA, este sistema "significa mais rapidez, logo, mais negócio e mais lucro" para as empresas, explicando que "os benefícios não são iguais para todas as empresas, pois depende se se tratam de empresas que apenas operam no mercado local ou em mercados estrangeiros, bem como se têm um negócio com cobrança por débitos directos ou não".

Na prática, são as empresas com operações internacionais na área do euro as principais beneficiadas com a SEPA, já que verão os seus custos com pagamentos electrónicos significativamente reduzidos, além da simplificação dos processos.

Já as empresas que concentram a sua actividade exclusivamente nos seus mercados nacionais não terão, num primeiro momento, grande percepção das vantagens da SEPA, ainda que o director da Sage Portugal saliente que esta pode ser uma oportunidade para apostarem nos seus próprios processos de internacionalização.

Este responsável, fez, a pedido da Lusa, uma lista das principais novidades:
- Estandardização dos processos que ficam optimizados
- Maior informação transmitida entre os vários intervenientes
- Facilidade de centralização de tesourarias (fábricas de pagamento)
- Redução de custos com as operações de pagamentos (pagamentos ao estrangeiro com o mesmo custo dos pagamentos locais)
- Acesso a mercados novos no espaço SEPA
- Globalização dos bancos locais
- Menor complexidade nos pagamentos
- Maior transparência nos processos de pagamentos
- Melhor gestão nos processos de gestão de fluxos financeiros das empresas
- Melhoria da gestão de tesouraria e liquidez
- Redução do número de bancos com que uma empresa trabalha
- Redução drástica dos prazos de pagamento

* OXALÁ...

.


 16 - NA CIDADE




































.
.


ESTA SEMANA NO
"EXPRESSO"

Alemanha, França e Holanda
. desfizeram-se de dívida grega
. em plena crise

Os bancos alemães, franceses holandeses quebraram os compromissos assumidos pelos respetivos governos, denuncia o "El Pais".


Os bancos alemães, franceses holandeses desfizeram-se de dívida grega em plena crise do euro, contrariando os compromissos assumidos pelos respetivos governos, noticia hoje o "El Pais". 

Citando "atas confidenciais do FMI [Fundo Monetário Internacional] de maio 2010" a que diz ter tido acesso, o jornal espanhol revela que a "Alemanha, França e Holanda, num dos piores momentos da crise do euro, assumiram o compromisso que os seus bancos apoiariam a Grécia e não venderiam dívida helénica".
 .
Contudo, refere, os bancos destes três países tinham, no primeiro trimestre de 2010 (antes do resgate à Grécia), mais de 122.000 milhões de dólares em dívida helénica, mas em finais do ano passado este valor havia caído 72%, para menos de 34.000 milhões de dólares.
 .
Tendo por base as atas "estritamente confidenciais" do FMI, o El Pais avança que o apoio da respetiva banca foi um dos argumentos a que recorreram os governos alemão, francês e holandês "para vencer as fortes resistências do FMI na concessão [à Grécia]  do maior pacote de ajuda financeira da sua história".  
 .
"Os representantes holandês, francês e alemão transmitiram o compromisso de que os seus bancos comerciais continuaram a apoiar a Grécia, mantendo a sua exposição", refere. 
 .
Contudo, continua, "os dados demonstram precisamente o contrário", comprovando que os três sócios europeus não cumpriram a sua palavra e agravaram a crise", com as respetivas "entidades financeiras a desfazerem-se dos títulos [de dívida pública grega], que 'queimavam' nas mãos".
 .
Segundo o El Pais, as mesmas atas revelam que as "divergências e dúvidas relativamente ao êxito do plano" de ajuda financeira surgiram desde o dia em que foi decidido o resgate à Grécia.
 .
"O documento revela claramente as críticas que países como a China, Austrália, Argentina ou Brasil fizeram desde o início", refere o jornal, notando que, entretanto, "muitas das reservas levantadas pelos membros do Fundo acabaram por confirmar-se".
 .
"Alguns representantes (China, Egito e Suíça) insistem no risco de que as análises conjuntas acabam por revelar diferenças de critério entre as três instituições representadas [na 'troika' - Comissão Europeia, FMI e Banco Central Europeu], lê-se na ata  citada pelo El Pais e assinada pelo assessor do diretor executivo do FMI, Francesco Spadafora.
 .
"Com o tempo, esses choques tornaram-se evidentes", sustenta o jornal, recordando que, "quando o FMI admitiu que se equivocou ao menosprezar os efeitos dos cortes na economia grega, a Comissão Europeia mostrou-se indignada e negou qualquer erro".
 .
Entre as críticas vertidas nas atas do FMI constam ainda alertas da China e da Suíça para a "possibilidade de os prognósticos de crescimento para a Grécia serem demasiado otimistas", o que poderia "por em risco a sustentabilidade da dívida grega", assim  como advertências da Argentina, Austrália, Canadá, Brasil e Rússia relativamente aos "imensos riscos" do programa de ajuda, não só para a Grécia, mas também para o prestígio do FMI.
 .
Já outros países apontaram um risco que acabou por se confirmar: a necessidade de recorrer a um perdão parcial face à impossibilidade grega de pagar todas as suas dívidas.

* Os banqueiros são palavrosos mas de pouca palavra.

.
.


DESLIZAMENTO DE ROCHAS




.
.

ESTA SEMANA NA
"EXAME INFORMÁTICA"

Cientistas criam pele artificial
 totalmente funcional

Os novos enxertos foram desenvolvidos através de bioengenharia e são, do ponto de vista funcional, iguais a pele verdadeira.

Estes enxertos, que por enquanto ainda só foram testados em ratos, contêm vasos sanguíneos e capilares do sistema linfático perfeitamente funcionais. O sistema linfático é especialmente importante dado que evita a acumulação de fluidos que podem matar o enxerto antes de este ter tempo de se ligar à pele do paciente. Até agora, a pele produzida por técnicas de bioengenharia não continha estes sistemas.


A descoberta foi feita por Daniela Marino e respetiva equipa, da Tissue Biology Research Unit, na Universidade das Crianças do Hospital de Zurique. Os testes em humanos estão prestes a começar, mas a equipa acredita que a tecnologia vai permitir uma maior e mais rápida recuperação em pacientes que precisem de transplantes de pele por não terem suficiente para recuperar de queimaduras, por exemplo.

O io9 indica que os próximos passos na evolução desta tecnologia serão descobrir uma forma de adicionar pigmentação, glândulas de suor, nervos e folículos capilares.

* Quando a ciência se transfigura em arte.


.