sexta-feira, 10 de janeiro de 2014

UMA GRAÇA PARA O FIM DO DIA





 O QUE NÓS



APRENDEMOS!



 QUEM É DEUS?

video




.
.


THE OLD REPUBLIC




Um quadro de Paula Rego, pintado em 2005



.
.
   6-SOPRA A DOCE BRISA...


















.




.
HOJE NO
"JORNAL DE NOTÍCIAS"

PS quer que Governo suspenda
 venda do espólio de Miró

O PS apresentou, esta sexta-feira, um projeto de resolução para que o Governo suspenda a venda do espólio do pintor Joan Miró "que se encontra na propriedade do Estado português". 
O projeto dos socialistas surge no dia em que o PCP apresentou um documento no mesmo sentido, pedindo a suspensão da alienação das obras de Miró, que os comunistas consideram que "foram adquiridas com o esforço dos portugueses, nomeadamente através do processo de nacionalização do Banco Português de Negócios (BPN)".
O PS, no projeto a que a agência Lusa teve acesso, reclama, para além da suspensão do processo, uma avaliação do "valor real" da coleção do Estado português e uma apreciação da "eventual preservação desse património e as consequentes mais-valias da sua exploração pelo Estado português".

* Um dos maiores crimes contra o património cultural deste país está a ser perpretado por este governo.

.
.
.

CINEMINHA





.
.
HOJE NO

"JORNAL DE NEGÓCIOS"

Nova CES alarga cortes 
a cerca de 140 mil pensionistas

O impacto é, afinal, maior do que foi anunciado. Em causa estão pessoas que recebem entre os mil e os 1.350 euros e que até agora estavam isentas.
 .
O número de pensionistas da CGA e da Segurança Social afectados pelo alargamento da contribuição extraordinária de solidariedade (CES) será, afinal, maior do que o que ontem foi anunciado. A nova taxa deverá passar a abranger mais 140 mil pessoas que até agora estavam isentas.

A ministra das Finanças tinha indicado, na conferência de imprensa, que a nova CES implicava o alargamento a mais cerca de 79.862 pessoas, o que foi interpretado como um número global.
Os dados levantaram algumas dúvidas porque não coincidiam com os que têm sido divulgados sobre a abrangência da anterior CES.

Esta sexta-feira, fonte oficial do Ministério das Finanças esclareceu que a ministra das Finanças se referia apenas ao acréscimo registado na CGA.

“O total de pensionistas abrangidos pela CES no universo CGA são, de facto, os 262.577 que constam do comunicado de ontem. A 31 de Dezembro de 2013 o total de abrangidos pela CES eram 182.715, a que acresce os 79.862  com a descida para os mil euros”, explica fonte oficial.

Ontem, o Ministério liderado por Mota Soares emitiu um comunicado no qual afirmava que, globalmente, passarão a estar abrangidas pela CES cerca de 402 mil pessoas.

Conjugando estes dados com os que já foram divulgados pela Segurança Social conclui-se que a nova CES deverá passar a abranger mais 79 mil pessoas na CGA e mais 61 mil pessoas na Segurança Social.

Todas as pensões contam para determinar o corte
O Ministério das Finanças lembrou, ainda, que para determinar o corte da nova CES é necessário ter em conta o valor total das pensões, incluindo as de sobrevivência, devido a uma alteração que já foi aprovada no Orçamento do Estado para 2014.

Isso significa que, no futuro, a CES pode afectar pensionistas que tenham pensões de velhice de 600 euros, por exemplo, e uma outra pensão de sobrevivência pouco superior a 400 euros.

“De salientar que o universo se altera com a aplicação do OE 2014, uma vez que a lei do Orçamento retirou a referência à natureza das pensões, passando a CES a incidir, desde 1 de janeiro de 2014, sobre o total de pensões recebidas, desde que esse valor total ultrapasse os 1350 euros”, explicou fonte oficial.

“Em 2013, tal não acontecia. Por exemplo, se um pensionista recebesse uma pensão de mil euros, mais uma de viuvez de 500 euros, não lhe era aplicada a CES. Este ano (ainda antes desta alteração) já paga CES, desde que a soma ultrapasse os 1.350 euros”, conclui o Governo.

*  Absolutamente lixados.

.
.


3- A HISTÓRIA DOS


NÚMEROS PRIMOS


O ADVENTO DA
COMPUTAÇÃO

video

ÚLTIMO EPISÓDIO


.
.
HOJE NO

"DESTAK"

"Custos com recursos humanos da RTP são excessivos" - Poiares Maduro

 O ministro-Adjunto e do Desenvolvimento Regional voltou hoje a considerar que a RTP tem demasiados gastos com os seus trabalhadores, no dia em que apresentou a proposta do Governo para os novos estatutos da rádio e televisão públicas. 


 "Os custos com os recursos humanos da RTP são excessivos, já reconheci isso, sendo que a forma como devem ser reduzidos depende de decisões a tomar pelo Conselho de Administração da empresa", disse o ministro Miguel Poiares Maduro aos jornalistas, numa conferência de imprensa, em Lisboa. 

 Segundo o governante, a redução de efetivos deve, "por um lado, atenuar ao máximo os custos sociais que daí decorrem e, por outro, atender às necessidades da empresa".

* Não é difícil perceber que a RTP está a ser mal gerida, mas para o bolso do português as entidades que mais lhe custa pagar são presidência, governo e parlamento, muito mais caras que a RTP.


.

LAURA CASTRO

.






As pérolas e o fio

As palavras e os conceitos esvaziam-se rapidamente quando destituídos do sentido contextual que os relaciona e lhes confere substância e prestam-se a mistificações fáceis quando utilizados de modo avulso.
Philip Schlesinger é um académico que tem analisado o modo como a palavra criatividade se impôs no universo político. Na implementação de políticas públicas, na procura de soluções para um mundo competitivo, em todas as esferas de acção, a palavra surge como a chave do sucesso, o elemento que pode fazer a diferença, o atributo que representa a vantagem inegável.

Substituiu outros predicados, como o da organização, o da planificação, o da eficácia e, maravilha das maravilhas, está ao alcance de qualquer um… Na Universidade de Glasgow, aquele investigador liderou um estudo de rastreio semântico dos textos políticos, procurando subtilezas de linguagem e evidências da grosseria com que se abusa dos conceitos, em particular desse de criatividade. A importância de estudos como este reside em demonstrar como se transforma um discurso em credo e como se passa, levianamente, do discurso político à doutrina. (A ironia com que a palavra também é utilizada revela a que ponto ela se banalizou, surgindo a pretexto da fragilidade, da incoerência, da incompetência ou dos sinais de desagregação de um qualquer projeto).

Aparentemente, a fortuna do termo criatividade estaria relacionada com a falência de uma série de hierarquias e de binómios, outrora estruturantes do pensamento crítico e agora fora de prazo. Entre essas hierarquias contar-se-iam: a da alta e baixa cultura (em tradução literal), a da cultura erudita e popular, a das artes maiores e menores, a da cultura séria versus entretenimento, a do espectador versus consumidor, a da cultura de exceção versus publicidade. Processos de reificação dos fenómenos culturais e artísticos, lógicas de massificação, estratégias de mercantilização teriam gerado consenso e levado ao abate sistemático de cada uma das polaridades mencionadas. Nas escolas de arte, onde o termo artista ou criador foi já, em grande parte, substituído pelo termo criativo, que se pretenderia mais acertado num contexto secularizado, democrático e inclusivo, ter-se-ia feito a travessia das belas-artes às artes plásticas, das artes visuais às media arts e às artes criativas (precisamente o nome da escola de Philip Schlesinger em Glasgow).

O certo é que as hierarquias persistem quando atribuímos a qualidade de criativo a certos espaços e atividades e relegamos para o mundo dos não criativos outros espaços e atividades. Era a esta repartição que eu queria chegar. Porque ela me remeteu para as justas referências do vereador da Cultura da Câmara Municipal do Porto à existência e à suficiência de equipamentos culturais na cidade, faltando apenas o nexo de uma programação integrada. Mais do que bairros ou quarteirões, equipamentos e casas, salas e galerias, precisam-se roteiros, percursos, trilhos, lógicas articuladas de programação que promovam a circulação, o conhecimento da vizinhança, a solidariedade institucional, as afinidades e as complementaridades.

A cultura é este nexo e talvez por isso esta câmara não tenha recusado um pelouro para esta palavra, um pelouro para a celebrar, incentivar e gerir, ao contrário do executivo anterior que a votara ao esquecimento e a rasurara, em favor de uma designação oca e de má memória.

Há uma frase que recusa o uso inconsistente das palavras (e das ações) e que gosto de ter à mão. É uma frase extraída de uma carta escrita por Gustave Flaubert a Louise Colet, em 1852. Inseguro do valor de uma obra que a destinatária da carta classificara como pérolas, Flaubert respondeu-lhe do seguinte modo: "Não são as pérolas que fazem o colar, é o fio." Na cidade as pérolas já existem, falta o fio.

Directora da Escola das Artes da Universidade Católica Portuguesa, no Porto.

IN "PÚBLICO"
09/01/14


.
.



56.UNIÃO




EUROPEIA






















.
.
HOJE NO

"i"

1/3 da população activa está
. desempregada ou só trabalha 2h por dia

No 3.º trimestre foram destruídos 404 mil empregos com horários acima de 11 horas/semana e criados 465 mil postos de menos de 10 horas

Perto de um milhão de portugueses trabalhava dez ou menos horas por semana no terceiro trimestre de 2013, um universo que disparou para o dobro de Junho para Setembro, meses em que o total de trabalhadores com empregos de uma a 10 horas semanais passou de 450 mil para 915 mil

É nestes empregos que reside assim a recuperação do mercado do trabalho que o governo tanto saudou recentemente. Do segundo para o terceiro trimestre do ano, o total de desempregados caiu 50 mil pessoas, o que permitiu ao governo apresentar uma quebra do desemprego de 16,4% para 15,6%. 


Contudo, nos empregos que exigem mais de 10 horas por semana só houve destruição de postos de trabalho: nos três meses entre o final de Junho e o final de Setembro perderam-se 403,2 mil postos de trabalho que 11 ou mais horas semanais. 

O aparecimento de mais 464,8 mil trabalhos com horários até 10 horas semanais anulou assim o efeito que aquele ritmo de destruição de empregos teria na taxa de desemprego, conseguindo mesmo baixá-la, servindo também para o governo apresentar os números como sinal do sucesso do programa de ajustamento que superou as piores previsões. 

Caso juntemos o total de desempregados a este grupo de trabalhadores que não conseguem empregos com horários que permitam um salário decente, encontramos 32,5% da população activa residente em Portugal - 839 mil desempregados e 915 mil trabalhadores com não mais de 10 horas por semana, sobre 5,39 milhões de população activa. 

No segundo trimestre deste ano, a taxa estava nos 24,8% - 886 mil desempregados e 450 mil empregados com não mais de 10 horas de trabalho (leia-se, remuneração) por semana. 

Trata-se de um efeito que se sente em todos os terceiros trimestres de um ano. Já em 2012 ocorreu o mesmo, com um salto temporário para mais de 900 mil trabalhadores com horários de uma a 10 horas por semana. 

É um dos efeitos dos empregos sazonais e em 2012 levou a que do terceiro para o quarto trimestre o desemprego voltasse a disparar, de 870 mil para 924 mil desempregados. 

Mas quando se dá este efeito de regresso à "normalidade" no quarto trimestre, os valores acabam por ficar aquém do que existia antes da explosão dos empregos de uma a 10 horas. Ainda em 2012, e do segundo para o quarto trimestre, acabaram por desaparecer 204 mil empregos com horários acima das 11 horas semanais. 

Trata-se assim de mais um indício que aconselha precaução na análise do mercado de trabalho e foi relembrado por Ricardo Pais Mamede, professor do ISCTE e ex-director do Gabinete de Estratégia e Estudos da Economia. 

*  O número de trabalhadores com empregos entre 1 e 10 horas semanais salta em 4 meses de 450 mil para 915 mil, eis o milagre económico do governo.

.
.
1/12

























.
.

 3 - CIENTISTAS E
APOCALIPSE

video




Este documentário maravilhoso apresentado há alguns anos pelo History Channel, banido de diversos provedores, possui uma pesquisa profunda para uma situação pós-catástrofe. O objetivo do vídeo não é criar pânico algum, mas levar à reflexão de situações que experimentamos sejam elas climáticas, espaciais, sísmicas entre outras. Se puder, mantenha-o nos seus arquivos.


.
.
HOJE NO

"A BOLA"

Saltos de Esqui: 
Morgenstern em estado grave
 após queda impressionante

O austríaco Thomas Morgenstern, por duas vezes vencedor da Taça do Mundo de saltos de esqui, ficou em estado grave após uma impressionante queda durante os treinos para a prova de ´ski flying´ no trampolim de Bad Mitterndorf, Áustria.
Segundo o site oficial dos saltos de esqui, Morgenstern sofreu uma grave lesão craniana e foi transportado para o hospital de Salzburgo, onde se encontra nos cuidados intensivos. 

* Terríveis os acidentes de esqui.

.
.

Jorge Palma e Rui Reininho


Frágil




.
.
HOJE NO

"DIÁRIO DE NOTÍCIAS
DA MADEIRA"

14 condutores fugiram
 dos locais dos acidentes

Na semana de 3 a 9 de Janeiro, 14 condutores fugiram dos locais de acidentes. A informação foi divulgada pelo Comando Regional da PSP.

No mesmo período, foram registados 62 acidentes, dos quais resultaram 18 feridos ligeiros, mais um do que na semana anterior, apesar de ter havido mais 12 acidentes (62 contra 50).
A colisão foi a principal causa dos acidentes (45), o que não admira numa semana de muita chuva.
Entre as causa dos acidentes, o excesso de velocidade foi a mais registada, 11. A excepção foi a causa identificada pelo PSP como 'Outros motivos', que inclui um conjunto alargado de situações, que registou 48 acidentes.

* Adeus civismo...

.
.
PERSUASÃO



Todos a olhar para o céu sem saber porquê


.
.
HOJE NO
"DIÁRIO ECONÓMICO"

China já é líder mundial 
no comércio de bens

China roubou o título de maior comerciante de bens do mundo aos EUA, com disparo nas importações em Dezembro.

O governo de Pequim reclama o título de maior comerciante de bens do mundo, destronando os EUA nesse campeonato, depois de as importações no país terem disparado em Dezembro pelo quinto mês consecutivo.

As compras de bens ao exterior aceleraram 8,3% no último mês do ano passado, revelou hoje a administração chinesa, sinalizando a robustez da procura doméstica num país que há alguns anos se tem evidenciado no comércio internacional pela sua competitividade nas vendas ao estrangeiro. No mesmo mês, as exportações subiram 4,3%.

Contas feitas, a China obteve um excedente comercial acima dos 25 mil milhões de dólares em Dezembro, elevando para os 260 mil milhões de dólares o saldo positivo no ano passado.

"A procura doméstica não é tão frágil como se temeu e a economia chinesa - embora em desaceleração - dificilmente observará um abrandamento acentuado", referiu Dariusz Kowalczyk, economista sénior e estratega do Crédit Agrícole, à Bloomberg.

"Momento histórico"
Em 2013, as exportações chinesas cresceram 7,9% para os 2,21 biliões de dólares. Na mesma linha, as importações aumentaram 7,3% para os 1,95 biliões de dólares. Tudo somado, o comércio anual chinês superou os quatro biliões de dólares, tratando-se de "um momento histórico" para a China, referiu Zheng Yuesheng, porta-voz do governo de Pequim.

Este número compara com o comércio total de 3,53 biliões de dólares dos norte-americanos até Novembro. Para superar a China, os números de Dezembro terão de ser o dobro do registado há um ano.

* Lider do mercado à custa de salários e horários de escravo e ausência de regalias sociais ou respeito humano.

.
.

  
5.BEM NO TOPO






Architects: MVRDV
Project location: , Netherlands
Date: 2002-2006
Client: Didden Family
Program: 45 sqm extension private residence and 120 sqm terrace



Vila Didden no telhado duma residência privada (Holanda)
Ao contrário de muitos projectos similares, a Vila Didden para além de fornecer espaço adicional, funciona como uma pequena vila, com  pequenos caminhos, espaços  equipados com bancos, mesas e uma piscina.



 Parapeitos da altura dos ombros dão a necessária privacidade.


Disfrutando uma excelente vista mesmo no centro da cidade


.
.
HOJE NO
"CORREIO DA MANHÃ"

Procurador da República 
defende escutas a jornalistas

Auditores da Procuradoria-Geral da República propõem escutas e "suspensão preventiva da actividade" dos jornalistas.

Os relatores da auditoria ao segredo de justiça encomendado pela Procuradora-Geral da República (PGR), Joana Marques Vidal, defendem nas suas recomendações que se possam fazer escutas telefónicas e buscas domiciliárias aos locais de trabalho dos jornalistas. Marques Vidal, porém, diz ter "algumas reservas quanto à utilização desses meios de prova."

No relatório de 106 páginas, que tem a direcção da PGR e como principal auditor o procurador da república e inspetor do Ministério Público, João Rato, propõe-se ainda "um sistema de punição dos órgãos de comunicação social e jornalistas independentemente das fontes" a que recorrem, "com multas de montantes verdadeiramente dissuasores" a par da possibilidade de "apreensão do publicado e suspensão preventiva da actividade". 

A PGR, Joana Marques Vidal, afirma que não concorda com alguns dos pontos e que este é apenas o início de um debate que tem de ser feito antes de se poderem propor algumas alterações legislativas: "Há propostas com as quais temos de ser muito cuidadosos, a título de exemplo, a possibilidade de utilizar meios de prova invasivos, como a utilização de escutas, a referenciação dos meios de comunicação, a possibilidade de a lei prever a utilização desse tipo de meios de prova na investigação do crime de violação do segredo de justiça".
 .
83 INQUÉRITOS POR VIOLAÇÃO DE SEGREDO DE JUSTIÇA
Nos anos de 2011 e 2012 foram instaurados 83 inquéritos por violação do segredo de justiça, num universo de 6696 casos abrangidos pelo segredo, em que foram movimentados mais de 1,3 milhões de processos.
Segundo o inspetor do Ministério Público João Rato, os 83 inquéritos criminais instaurados por violação do segredo de justiça representam cerca de um por cento dos processos (6.696) que estiveram sujeitos ao segredo durante aquele período (2011-2012). Apenas seis foram contra jornalistas.
Quanto ao resultado dos inquéritos criminais abertos por violação do segredo de justiça, a auditoria revela que 49 foram arquivados e em nove foi deduzida acusação. Os restantes 25 inquéritos continuam em investigação.
A auditoria concluiu ainda que os "momentos críticos" dos processos sujeitos ao segredo de justiça e em que há fuga de informação são as buscas (15 casos), interrogatório judicial (nove), comunicados de imprensa (seis) e escutas (cinco). Contudo, "outros momentos" (40) não determinados estão à frente nesta lista.
Quanto à tipologia dos crimes que estiveram sujeitos ao segredo de justiça, o tráfico de estupefacientes (475 casos) lidera a tabela, seguido de abuso sexual de crianças (189) e violência doméstica (102). A corrupção (com 51 casos) aparece em sétimo lugar da lista.
 .
SJ CONTRA AGRAVAMENTO DE PUNIÇÕES A JORNALISTAS
O Sindicato dos Jornalistas (SJ) considerou que a auditoria da Procuradoria-Geral da República que propõe um agravamento das punições dos jornalistas por violação do segredo de justiça, nomeadamente buscas e escutas telefónicas, revela "uma fúria punitiva" contra a comunicação social.
A auditoria divulgada, esta sexta-feira, pela Procuradoria-Geral da República (PGR) propõe um extenso rol de propostas preventivas, como a adoção de um "sistema de punição" dos órgãos de comunicação social e jornalistas que violem o segredo de justiça, independentemente das fontes, assim como um "verdadeiro sistema de autorregulação  da atividade jornalística". 
Em declarações à Lusa, o presidente do SJ, Alfredo Maia, considera que a auditoria coloca um "enfoque excessivo" sobre os jornalistas, sublinhando que apenas 0,13% dos processos abrangidos pelo segredo de justiça (6.696) conduziram à dedução de acusação contra pessoas e que se desconhece o desfecho destes nove processos.
"Não é desvalorizar aquele dado, mas ele não é estatisticamente relevante para justificar o que me parece constituir uma fúria punitiva contra jornalistas e órgãos de comunicação social. Não ignoro que o problema existe, mas não justifica constituir o agravamento das punições, porque a lei já prevê mecanismos" para tal, sustentou Alfredo Maia.
Sobre o agravamento das punições a jornalistas por violação do segredo de justiça, o sindicalista considera as propostas apresentadas como "desproporcionadas e sem justificação".
"Tenho muito medo das más medidas que são apresentadas como 'boas justificações'. Parece-me que há um enfoque excessivo sobre jornalistas e a comunicação social, lançando-lhes um anátema que pode ser perigoso", alertou Alfredo Maia, manifestando a sua "oposição a uma fuga para a frente".
O presidente do SJ manifestou ainda o seu orgulho nos seis jornalistas a quem foi deduzida acusação pelo facto de nunca terem revelado as suas fontes. "Orgulha-nos muito porque significa que enfrentam o risco natural da profissão, de enfrentar os tribunais, mas não revelaram as suas fontes", sublinhou.
O SJ "vai estudar o documento da auditoria e emitir uma opinião aprofundada e adequada" para ser entregue à procuradora-geral da República, Joana Marques Vidal, e se necessário ao Governo e aos grupos parlamentares.
.
MINISTRA REJEITA PROPOSTAS QUE AFETEM A LIBERDADE DE IMPRENSA
A ministra da Justiça, Paula Teixeira da Cruz, rejeitou as propostas legislativas que afetem a liberdade de imprensa, em referência ao estudo apresentado, esta sexta-feira, na Procuradoria-Geral da República, que aponta medidas preventivas da violação do segredo de justiça.
A governante disse que "o Ministério da Justiça não vai patrocinar qualquer proposta legislativa que coloque em causa a liberdade de imprensa, essencial num Estado democrático".

*  Custa-nos acreditar que haja senhores procuradores que promovam este tipo de censura, estaremos a regressar ao Estado Novo. Os jornalistas têm um código de ética que são obrigados a respeitar, agora nuvens de censura não.


.
.


MÃES E O NOVO
OLD SPICE





.
.
HOJE NO
"O PRIMEIRO DE JANEIRO"

Conselho Superior da 
Ordem dos Advogados primou pela ausência 
Nova bastonária Elina Fraga toma posse 

O Conselho Superior cessante da Ordem dos Advogados (OA) decidiu, em sessão plenária, faltar à tomada de posse de hoje dos órgãos para o próximo triénio, numa demonstração contra a nova bastonária, Elina Fraga. 

Na reunião de quinta-feira, os elementos do Conselho Superior que hoje cessam funções, vincaram, "de forma clara e unânime", que nada os move contra os eleitos para o novo órgão no triénio 2013/15, que vai ser presidido por Menezes Leitão, mas entenderam não marcar presença na cerimónia, no Salão Nobre da OA, às 18h00. 


Na ata a tomada de posse "coincide com a do novo Conselho Geral, o qual será presidido por uma colega [Elina Fraga] que este Conselho Superior, por penoso dever de ofício, teve a obrigação de apreciar no aspeto deontológico". 

Refere-se na ata do Conselho Superior cessante que a nova bastonária, "invocando, ainda que sem fundamento", uma norma estatutária, "ameaçou, em cartas registadas, quase todos os ainda membros do Conselho Superior, de participar disciplinar e criminalmente deles". "Fê-lo sem referência a qualquer facto que não fosse o da existência de processos disciplinares contra ela, processos esses desencadeados por participações de terceiros (clientes e colegas que não integram qualquer órgão da OA). 

Esta atitude, que nos dispensamos de aqui classificar, é claramente impeditiva da nossa presença no ato de posse", consta na ata. O Conselho Superior, presidido por Óscar Ferreira Gomes, que cessa funções hoje, analisou duas queixas apresentadas contra Elina Fraga vice-presidente do Conselho Geral no segundo mandato de Marinho e Pinto. 

Em julho, já depois de Elina Fraga ter anunciado a candidatura, o Conselho Superior aplicou duas penas disciplinares à advogada, uma de advertência e outra de censura. Elina Fraga intentou uma providência cautelar no Tribunal Administrativo, para suspender os efeitos da decisão do Conselho Superior. O tribunal acabou por decidir a anulação das duas penas aplicadas pelo Conselho Superior e Elina Fraga acusou alguns candidatos de manobras para a denegrirem. 

A advogada, natural de Bragança, foi eleita nas eleições de 29 de novembro, as mais concorridas de sempre na OA, Elina Fraga, obteve 31 por cento dos votos, enquanto Guilherme Figueiredo recolheu 17 por cento e Vasco Marques Correia 16 por cento. Vasco Marques Correia, Jerónimo Martins (também candidato no último sufrágio), Raposo Subtil e Guilherme Figueiredo também estarão ausentes na tomada de posse dos órgãos da OA e da nova bastonária. 

Na quarta-feira, o Tribunal Administrativo do Círculo de Lisboa rejeitou o pedido do causídico Guilherme Figueiredo de realização de uma segunda volta nas eleições do bastonário e dos órgãos da OA. Na sentença, o tribunal entendeu que "não se pode concluir que, com a não realização de um segundo sufrágio, ocorre violação dos invocados princípios constitucionais, da tutela jurisdicional efetiva, da legalidade, da confiança e da responsabilidade do Estado pelo exercício da função legislativa".

* Se os advogados não se acreditam uns nos outros como podem os clientes acreditar nos advogados??? É que estas atitudes não revelam apanas diferença de opinião, a ética está em causa.

.

.
.


12.ENRIQUEÇA A


SUA BIBLIOTECA













 .
.
HOJE NO
"DIÁRIO DE NOTÍCIAS"

Governo lamenta 
discriminação de doentes

O secretário de Estado Adjunto do ministro da Saúde, Fernando Leal da Costa, lamentou hoje que existam médicos e clínicas que discriminem doentes em função do sistema social ou em função do pagamento. 
 .
"Quem acordou fazer esses exames, acordou fazer nas condições que estavam definidas pelo Estado e, portanto, não me parece que seja justo, depois de ter anunciado uma intenção de fazer um exame de acordo com o protocolo estabelecido num regime de uma convenção, racionar essa prestação ou vir dizer que afinal já não faz, porque são menos bem pagos", disse Leal da Costa quando questionado pelos jornalistas sobre o caso das colonoscopias, depois da inauguração oficial da Unidade de Cuidados Continuados Integrados de Longa Duração e Manutenção de Estoi, Faro.

Leal da Costa acrescentou que esta "matéria" vai ter de ser resolvida:"Muitas destas convenções, se os interessados não estão interessados, obviamente não as vamos manter".

A questão foi levantada ontem pela Entidade Reguladora da Saúde, que recordou que já tinha advertido as administrações regionais para este problema em 2009, depois de ter verificado que clínicas convencionadas discriminavam os utentes do SNS.

Na quarta-feira, a Ordem dos Médicos veio responsabilizar o Ministério da Saúde pelas dificuldades de acesso dos doentes aos meios de diagnóstico, a propósito do caso de uma mulher que esperou dois anos por uma colonoscopia, tendo depois descoberto um cancro avançado.

Em comunicado, a Ordem referia que "as dificuldades no acesso aos meios complementares de diagnóstico e terapêutica são da total responsabilidade do Ministério da Saúde, devido às decisões tomadas e aos cortes excessivos no financiamento do Serviço Nacional de Saúde".

* A discriminação de doentes existe porque o Ministério da Saúde tolera a existência dessas clínicas, entidades que não cumprem acordos devem ser fiscalizadas e multadas. Estamos num estado de direito onde a discriminação não pode acontecer.



.
.


CONDUZINDO 


COM NEVE E GELO






.
.


HOJE NO
"RECORD"

Marca "Ronaldo" pode valer 50 milhões

Um estudo do IPAM - The Marketing School indica que Cristiano Ronaldo será "o futebolista mais valioso da atualidade", com um "valor marca" de 50 milhões de euros, caso ganhe a Bola de Ouro. 

"A investigação (...) conclui que a imagem de CR7 está, atualmente, avaliada em 43 milhões de euros e que, nos próximos 12 meses, valorizará entre cinco e sete milhões de euros, caso o capitão da seleção portuguesa conquiste a Bola de Ouro e se torne no primeiro atleta português a conquistar o troféu pela segunda vez", indicou esta sexta-feira em comunicado a escola de marketing portuguesa.

O trabalho, da autoria de Daniel Sá, docente do IPAM - The Marketing School, analisa 26 variáveis em seis categorias, como "receitas, media, web, palmarés, social e impacto".

"O Cristiano Ronaldo surge no ranking de celebridades como a quinta personalidade mundial no top da música, cinema, televisão ou moda e é referido em 347 livros na Amazon e em 2.950 artigos científicos", explicou Daniel Sá, apontando o desempenho do atleta na esfera social como a que mais contribui para a valorização da marca "Ronaldo".

Na categoria "web", o avançado do Real Madrid obtém uma pontuação máxima de 100, refletindo os 70 milhões de fãs no Facebook, 23 milhões de seguidores no Twitter, 137 milhões de referências no Google e quatro milhões de vídeos no YouTube.

Já nas dimensões "receitas" e "social", o "astro" português regista 95 pontos. "Ao nível de receitas, Ronaldo está entre os melhores.

O salário do avançado do Real Madrid foi recentemente alvo de uma negociação, superando os 17 milhões de euros anuais", recorda o IPAM, que também contabilizou os patrocínios do português. A média de todas as categorias é de 84 pontos, influenciada negativamente pela mais fraca das pontuações, os 64 pontos no "palmarés". Ou seja, Cristiano Ronaldo tem poucos títulos para o valor marca que gera.

Ao longo da carreira, Cristiano Ronaldo conquistou 13 troféus coletivos e cinco prémios oficiais individuais, disputou 541 partidas (ao serviço de Sporting, Manchester United e Real Madrid), tendo apontado 349 golos. Em vésperas do anúncio do vencedor da Bola de Ouro 2013 (agendada para segunda-feira, numa Gala da FIFA em Zurique, Suíça), o IPAM considera uma eventual atribuição do prémio a Ronaldo "representará um aumento das receitas provenientes de patrocínios e direitos de imagem, aumento da exposição mediática a nível global, à valorização do palmarés individual do atleta, uma subida no ranking de celebridades".

No prazo de um ano, o IPAM estima que todas estas variáveis conjugadas representem "uma valorização de cinco a sete milhões de euros da marca 'Ronaldo'", com impactos positivos - por associação - para o Real Madrid e a seleção portuguesa.

Na última vez que analisou o valor marca do argentino Leonel Messi, em março de 2012, o IPAM avaliou a "estrela" do Barcelona em 37 milhões de euros, com o palmarés do argentino a sobrepor-se à sua dimensão mediática e na web.

* Vale mais do que pesa!

.