quinta-feira, 21 de novembro de 2013

UMA GRAÇA PARA O FIM DO DIA


.



ZÉ DA ÉGUA




.

O QUE NÓS
 
APRENDEMOS!
 
 
 









.
.


1-O MEDO


DO ESCURO



video

.
HOJE NO
"DIÁRIO DE NOTÍCIAS"

Fiscalização "está em perigo"

Um dos membros da comissão instaladora da Federação Nacional dos Inspetores do Estado disse hoje que a fiscalização das atividades económicas e financeiras "está em perigo", devido à falta de meios e de pessoal, principalmente no interior do país. 


"Com a deficiência de meios e de pessoal o Estado regulador está em perigo e obviamente que a sociedade portuguesa, os consumidores e os contribuintes estão também em perigo", afirmou à agência Lusa o inspetor José Machado de Almeida, no dia em que a Federação Nacional dos Inspetores do Estado é formalmente constituída. 

Esse perigo significa, segundo o mesmo responsável, que os produtos consumidos "não são os corretos, os impostos não sejam pagos equilibradamente e equitativamente por toda a gente, as contribuições da segurança social não sejam também pagas como devem ser e os trabalhadores não tenham a devida regulação e não sejam protegidos, face a entidades patronais que, de alguma forma, violam as leis e normas regulamentadas".

O inspetor José Machado de Almeida, que pertence à Associação dos Inspetores de Jogo, adiantou que os profissionais representados na nova federação - Autoridade Tributária e Condições do Trabalho, Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE), Jogos e Segurança Social - vão defender os consumidores, os trabalhadores e os contribuintes.


José Machado de Almeida sublinhou que alguns inspetores do trabalho, segurança social e autoridade tributária costumam afirmar que há "paraísos fiscais no interior de Portugal". 

O membro da comissão instaladora da nova federação acrescentou que, devido às limitações, "há determinadas zonas de Portugal onde não chega o Estado, a inspeção tributária, do trabalho e segurança social".

Segundo José Machado de Almeida, essas limitações passam pela falta de meios de transporte, combustível e ajudas de custo.

"É sempre o interior que fica prejudicado", disse, adiantando que a federação, enquanto grupo de trabalho dos inspetores do Estado, já alertou para esta situação, nomeadamente com as reuniões que manteve com os grupos parlamentares, à exceção do PS.

Disse ainda que a falta de meios e de pessoal são problemas comuns às cinco inspeções representadas na nova federação e "afetam o trabalho e operacionalidade das próprias inspeções".

A Federação Nacional das Inspeções do Estado é constituída pelo Sindicato dos Inspetores do Trabalho, pelo Sindicato dos Inspetores do Trabalho da Autoridade para a Segurança Alimentar e Económica, pela Associação dos Profissionais da Inspeção Tributária e Aduaneira, pela Associação dos Inspetores de Segurança Social e pela Associação dos Inspetores de Jogo.

* Ficamos ainda mais indefesos com esta falta de meios que não é inocente!

.
.

X- O UNIVERSO


  4-NEBULOSAS


video





5-NEBULOSAS



video



.
.
HOJE NO
"RECORD"

Ancelotti: 
«Será preciso muita coragem para
 não dar Bola de Ouro a Ronaldo»

Carlo Ancelotti, treinador do Real Madrid, considerou esta quinta-feira, em entrevista à televisão do clube, que "será precisa muita coragem" para não entregar ao avançado português Cristiano Ronaldo a Bola de Ouro, prémio de melhor futebolista de 2013. 

"Eu adoro vê-lo jogar [a Cristiano Ronaldo]. Atualmente é realmente incrível. Está a jogar de uma forma extraordinária. Será preciso muita coragem para não lhe entregar a Bola de Ouro. Espero que ganhe, porque ele merece", disse Ancelloti.

"Vi o jogo conta a Suécia e perguntei a mim mesmo se era mesmo verdade que aquele jogador alinhava no Real Madrid...", acrescentou, totalmente rendido a CR7.

Cristiano Ronaldo marcou quatro golos durante o playoff de apuramento para o Mundial de 2014 no Brasil, tendo marcado um golo na Luz (Portugal derrotou a Suécia por 1-0) e logrou conseguir um hat-trick na segunda mão, no jogo em Estocolmo (Portugal venceu por 3-2).

Depois do encontro, Cristiano Ronaldo tem tido uma enorme manifestação de apoio por parte de vários jogadores e treinadores por todo o mundo, que afirmam que este merece receber a segunda Bola de Ouro (a primeira foi ganha em 2008), vindo agora o próprio treinador de Ronaldo juntar-se ao lote de "adeptos".

O treinador do Real Madrid também se pronunciou sobre a possibilidade dos merengues vencerem a tão ambicionada 10.ª Liga dos Campeões.

"Estou convencido de que vamos jogar um bom futebol e que vamos ser uma equipa muito competitiva. A Liga dos Campeões não é uma obsessão nossa, mas sim uma grande motivação." "Ganhar a Liga dos Campeões não será fácil. Não é um problema de qualidade, às vezes é um problema de sorte. É preciso estar na hora certa em boa condição física", frisou o treinador italiano.

Ancelotti aproveitou para deixar os parabéns às seleções francesa, croata e portuguesa, nas quais jogam futebolistas do Real Madrid, pela qualificação para o Campeonato do Mundo. 

* Coragem é que não há, corrupção sim!

.
.


Ron McCallum


Como a tecnologia
me permitiu ler




 Meses depois de nascer, em 1948, Ron McCallum ficou cego. Nesta encantadora e tocante palestra, ele mostra como é capaz de ler — e celebra o progresso de ferramentas inteligentes e tecnologias de computador adaptadas que o tornam possível. Com a sua ajuda e a ajuda de generosos voluntários, tornou-se advogado, professor universitário e, acima de tudo, um leitor voraz. Bem-vindo à revolução da leitura para cegos.


.
.
HOJE NO
"JORNAL DE NOTÍCIAS"

BE obriga Governo a reportar salários 
dos gestores públicos ao Parlamento

O Bloco de Esquerda conseguiu, esta quinta-feira, fazer aprovar uma proposta que volta a exigir ao Governo um relatório sobre as remunerações dos gestores públicos, que tem de ser enviado à Assembleia da República.

O PSD e o CDS-PP votaram a favor da proposta, tal como o PCP e o próprio BE, enquanto o PS se absteve.

Este relatório tinha sido uma exigência do Orçamento do Estado para 2010, na altura incluído por uma proposta do CDS-PP enquanto estava na oposição. A promotora da proposta foi a agora ministra da Agricultura, Assunção Cristas, enquanto deputada do CDS-PP.

O relatório só viria a ser feito uma vez, em 2011, e não voltou a ser reproduzido nos orçamentos seguintes, um do PS e outros dois da atual coligação PSD/CDS-PP.

Assim, o Governo passa a ficar obrigado a entregar ao Parlamento um relatório sobre a remuneração de gestores do setor empresarial do Estado a cada ano, onde constem as remunerações fixas, as remunerações variáveis, os prémios de gestão e outras regalias ou benefícios com caráter ou finalidade social ou inseridas.

* Assim passamos a conhecer os custos do regabofe.

.

MANUELA ARCANJO

.




Masoquismo, milagres
e delírios

Num grau superior de delírio estará a afirmação da ministra das Finanças sobre a exequibilidade de Portugal sair do actual resgate financeiro à semelhança da Irlanda, sem qualquer apoio ao financiamento no mercado.

.
Nas últimas semanas tem-se verificado quer a entrada no discurso político de expressões curiosas como seja o milagre económico e o masoquismo dos portugueses, quer a produção de afirmações que só podem ser explicadas por estados, desejavelmente transitórios, de delírio.

O termo masoquismo foi proferido pelo Presidente da República (PR) quando se referiu a todos aqueles que consideram que a nossa dívida pública não é sustentável num quadro económico de estagnação ou de fraco crescimento económico. Duas razões podem justificar a expressão usada pelo PR, economista de formação. Por um lado, pode ter havido um simples lapso de vocabulário. Por outro, o PR e os seus assessores económicos podem desconhecer que existem modelos económicos que permitem prever, com reduzida incerteza, a evolução a prazo da dívida pública perante hipóteses alternativas do desempenho da economia, incluindo as adoptadas pelo Governo.

Donde, a chave para um processo de desaceleração da dívida pública radica num crescimento mais expressivo da economia e, claro, na redução das necessidades de financiamento, seja por via do défice público seja pelas operações não orçamentadas, mas que todos temos pago (caso, por exemplo, do BPN).

Mas talvez o PR apenas tenha conseguido antecipar o milagre económico identificado pelo ministro da Economia. Fora a má escolha da palavra, já que a economia é uma ciência não conduzida por mão divina, o que estaria em causa seria a saída da recessão. Os indicadores divulgados pelo INE são positivos, claro, mas devem ser interpretados com toda a prudência. Por um lado, referem-se a um período com forte contributo do sector do turismo e das exportações em combustíveis que pode não ser sustentável. Por outro, ignoram os dados relativos a um abrandamento do crescimento económico da Zona Euro e ao próprio efeito recessivo do Orçamento do Estado para 2014.

Mas pensando bem, poderemos ter um milagre no próprio OE: não se consegue evitar um corte retroactivo de 100 M€ nas pensões de sobrevivência, mas aparece uma folga orçamental superior ao dobro daquele valor para novas escolas com contrato de associação. Não teria sido preferível, em nome da boa gestão dos dinheiros públicos, avaliar as existentes e a sua fundamentação?

Mas, infelizmente, também temos tido afirmações que ultrapassam os limites da racionalidade e da honestidade intelectual.

Temos o ministro da Saúde a afirmar que a situação financeira do sector está controlada quando o valor da facturação em dívida tem continuado a aumentar; a comprovação de que uma das maiores operações de desorçamentação realizadas em Portugal foi um insucesso surgirá quando o governo tiver de reclassificar os hospitais com estatuto empresarial no perímetro das administrações públicas.

Num grau superior de delírio estará a afirmação da ministra das Finanças sobre a exequibilidade de Portugal sair do actual resgate financeiro à semelhança da Irlanda, sem qualquer apoio ao financiamento no mercado. Ora, apenas não teremos um segundo resgate pelo facto de a Troika necessitar de isolar o insucesso grego. Mas teremos um qualquer programa cautelar que exigirá a continuidade da austeridade.

Nada há a acrescentar, são os actuais actores políticos portugueses.

Professora universitária (ISEG) 
e investigadora. Economista. 

IN "JORNAL DE NEGÓCIOS"
19/11/13

.
.


10.UNIÃO




EUROPEIA




.
HOJE NO
"JORNAL DE NEGÓCIOS"

Chairman da Google acredita 
que a censura pode ser 
“eliminada numa década”

Eric Schmidt prevê que a censura ao nível mundial possa terminar numa década. Chairman da Google defende ainda que a encriptação vai ajudar as pessoas a ultrapassar a vigilância governamental.
Eric Schmidt, chairman da Google, considera que a censura, ao nível mundial pode terminar numa década. Numa palestra realizada ontem – dia 20 de Novembro – na Universidade Johns Hopkins, nos EUA, o responsável sustentou que acabar com a censura, em países como a China, pode ser possível permitindo que todos tenham acesso à Internet e protegendo as comunicações contra a espionagem, escreve a Reuters.

“Em primeiro lugar [os países] tentam bloquear-nos. Em segundo, tentam infiltrar-se. Em terceiro, nós vencemos. Penso realmente que é assim que funciona porque o poder está a mudar”, afirmou Eric Schmidt. “Acredito que há a oportunidade de eliminarmos a censura, e a possibilidade de censurar, numa década”, acrescentou.

Limites à liberdade de expressão
O responsável da Google há muito que vem falando sobre as limitações à liberdade de expressão em vários países.

Eric Schmidt viajou para a Coreia do Norte – um dos países mais fechados do mundo – no início deste ano a título pessoal. Na sequência desta viagem, Schmidt afirmou, à época, que “falhou” na sua missão de tentar lançar as bases que permitam o acesso à Internet naquele território, contudo, o responsável não descarta a possibilidade de voltar a tentar.

“Do meu ponto de vista, se conseguirmos alguma conectividade [na Coreia do Norte], depois pode haver uma abertura no país e a Coreia do Norte pode começar a entender os outros sistemas” políticos e económicos que existem, sinalizou o responsável, após a visita aquele país.

São vários os países que impõe restrições à liberdade de expressão. A China, que está a tentar alterar as suas políticas, é um desses casos. Recentemente, no passado dia 15 de Novembro, vários meios de comunicação internacionais avançaram que a China tinha bloqueado os sites da Reuters e do Wall Street Journal, na versão em mandarim. A versão em inglês, quer da Reuters quer do Wall Street Journal, estava, contudo, a funcionar com normalidade.

A explicação para este bloqueio, segundo vários meios de comunicação mundiais, deve-se facto de ter sido noticiado a existência de ligações entre o banco norte-americano JP Morgan Chase e a filha do antigo primeiro-ministro Wen Jiabao. Wen Ruchun, filha do ex-governante, trabalhava como consultora neste banco, utilizando o nome de Lily Chang. A notícia foi, inicialmente divulgada pelo “The New York Times” e posteriormente, lançada pela Reuters, alcançando uma escala global.

Esta não foi a primeira vez que a China impediu o acesso à conteúdos da Internet.

Encriptar informação
Depois de Edward Snowden ter sinalizado que a NSA (a Agência de Segurança Nacional dos Estados Unidos) pode ter acedido às comunicações da Google – e de outras empresas de comunicação – para reunir informações, Schmidt defendeu ontem que, se isso de facto aconteceu, é um ultraje e potencialmente uma ilegalidade. “A solução para a vigilância governamental é encriptar toda a gente”, sublinhou, segundo a Reuters.

Recentemente, e de acordo com a Reuters, a Google tem vindo a aumentar a complexidade das chaves de encriptação. “É claro para mim que a vigilância governamental, e a forma como os governos estão a fazê-lo, vai manter-se de alguma forma. Isto porque é a maneira dos cidadãos se expressarem e os governos vão querer saber o que fazem os cidadãos”, afirmou.

* Espionagem, contra espionagem e fazem dos povos produtos de contrabando.

.
.


MIXÓRDIA



VAI BEBÊ-LA?



VAI ENRIQUECER QUEM


INSULTA OS PORTUGUESES?





SEJA ORGULHOSAMENTE


PORTUGUÊS


video


PASSE A MENSAGEM, 



NÃO BEBA! 



A P...I QUE OS PARIU!!


.



1- A VIDA SECRETA


DOS PÁSSAROS






.
.
HOJE NO
"DESTAK"

Estudo identifica língua portuguesa como "idioma para o futuro" no Reino Unido 

O Português foi considerado como um dos 10 idiomas estrangeiros mais importantes nos próximos 20 anos no Reino Unido, segundo um estudo do instituto British Council, divulgou hoje o Camões - Instituto da Cooperação e da Língua.
 
CAMPEONATO DE LÍNGUA PORTUGUESA
"Pela primeira vez, a língua portuguesa integra esta espécie de pequena lista das línguas consideradas 'vitais' num horizonte temporal de 20 anos, partilhando esse estatuto com o Espanhol, Árabe, Francês, Mandarim, Alemão, Italiano, Russo, Turco e Japonês", sublinhou o instituto português, num comunicado. 

No relatório "Languages for the Future" (Línguas para o Futuro), que analisa as prioridades linguísticas do Reino Unido, é referido que a seleção de idiomas baseia-se "em fatores económicos, geopolíticos, culturais e educacionais, incluindo as necessidades das empresas do Reino Unido no que respeita aos seus negócios com o exterior, as prioridades diplomáticas e de segurança e a relevância na Internet", indicou a mesma nota informativa.

* A língua portuguesa é fonte de cultura.

.
.


Madonna



Justify My Love





.
.
HOJE NO
"i"

Malala, “ícone global”, recebe
 Prémio Sakharov em Estrasburgo

Mais de duas dezenas de antigos laureados compareceram à cerimónia, em que o presidente do Parlamento Europeu, Martin Schulz, lhe chamou "ícone global"

Quando o júri do Prémio Sakharov para a Liberdade de Expressão se reuniu para escolher o laureado deste ano, a decisão foi unânime: Malala Yousafzai, atirada para o estrelato internacional há pouco mais de um ano depois de ter sido atacada pelos talibãs no vale do Swat, Noroeste do Paquistão, era uma escolha óbvia. Facto que Martin Schulz, presidente do Parlamento Europeu, escolheu sublinhar ontem na cerimónia de entrega do prémio à jovem paquistanesa, agora com 16 anos, em Estrasburgo.

Foi uma das entregas mais concorridas de sempre, com centenas de pessoas a vaguear pelos corredores à espera da oportunidade de avistar a jovem que foi baleada na cabeça pelos talibãs a 9 de Outubro de 2012, quando regressava da escola, por defender publicamente o direito das raparigas à educação.

Como noutras entrevistas e discursos, Malala escolheu começar por agradecer a Deus, o mesmo Deus invocado pela milícia fundamentalista para a atacar. Esse facto era sublinhado, horas antes, por Taslima Nasreen, feminista secular laureada com o mesmo prémio há 19 anos, que pareceu ter sido a única céptica entre os presentes.

Nasreen queria encontrar-se com Malala para lhe falar sobre secularismo e o perigo de defender publicamente uma religião que oprime as mulheres numa altura em que a jovem que sonha ser política se tornou famosa nos quatro cantos do mundo. Mas nem Nasreen nem os jornalistas tiveram hipótese de conversar com a paquistanesa, que entrou à pressa e saiu a correr, falhando até a conferência de imprensa marcada antecipadamente para depois da entrega do prémio, no valor de 50 mil euros.

Aplaudida com entusiasmo pelas poucas dezenas de pessoas que conseguiram um lugar no plenário (muitas ficaram de pé, à maioria foi recusada entrada), Malala começou por citar Voltaire - "Posso não concordar com as vossas opiniões, mas defenderei até à morte o vosso direito a tê-las" -, dedicando o prémio "aos heróis desconhecidos do Paquistão" e pedindo depois ao Parlamento Europeu que "olhe para fora da Europa" e ajude "os 57 milhões de crianças que precisam de nós e que não querem um iPhone, uma X-Box, uma PlayStation ou chocolates, mas sim um livro e uma caneta". Os presentes fotografam-na com os seus iPads.

Aniversário
Malala foi o centro das atenções, mas não a única estrela do passeio Sakharov em Estrasburgo. A concorrida cerimónia coincidiu com os 25 anos do prémio, criado em honra do cientista e dissidente soviético Andrei Sakharov.

Ao lado de Nasreen, o dissidente chinês Wei Jingsheng, vencedor do Sakharov em 1996 e várias vezes nomeado para o Nobel da Paz, falou com os jornalistas sobre o prémio e a forma como a sua vida mudou com ele. "Assim que o recebi o governo chinês expulsou-me. Eu queria vir para a Europa, mas forçaram-me a ir para os Estados Unidos, onde ainda vivo." Com Nasreen a história repetiu-se: o governo do Bangladesh acusou-a de insultar o islamismo e expulsou-a para a Índia. Lá seria perseguida, o que a levou a fugir para a Suécia, onde conseguiu a cidadania, apenas para acabar por voltar a Nova Deli com garantia de protecção do governo indiano.

Ao longo da manhã, nos corredores de Estrasburgo, outros laureados fizeram as delícias de eurodeputados, funcionários e visitantes, a começar por Guillermo Fariñas, dissidente cubano cujo ar saudável contrasta com as famosas fotografias que lhe foram tiradas em plena greve de fome no ano seguinte a ter recebido o Sakharov (2010), quando ainda estava detido por se opor ao regime cubano. Ao seu lado, Berta Soler brilhava de branco, em honra do movimento de mulheres que se manifestam todos os domingos pela libertação de presos políticos, laureada com o mesmo prémio em 2005. "Fariñas e eu", diria ao i a fundadora do Damas de Blanco numa conversa rápida, "continuamos a ser alvo de repressão. Nada mudou com Raúl Castro".

Entre os mais de 20 laureados que compareceram à entrega do prémio a Malala contaram-se ainda Xanana Gusmão, actual primeiro-ministro de Timor-Leste, a quem o PE atribuiu o prémio em 1999, e Christophe Deloire, a representar os Repórteres sem Fronteiras, grupo laureado em 2005 juntamente com Soler. Em falta estiveram as estrelas maiores do firmamento Sakharov, Nelson Mandela e Aung San Suu Kyi.

* A dignidade no sofrimento!

.
.


 Halloween na NASA



video



.
.
HOJE NO
"A BOLA"

Uruguai carimba último bilhete 
para o Brasil (todos os apurados)

O Uruguai foi a última seleção a confirmar o apuramento para o Campeonato do Mundo do Brasil. Lotado, o Estádio Centenário, em Montevideu, pediu golos mas Luis Suárez e Edinson Cavani ficaram em branco (0-0), valendo goleada (5-0) na Jordânia para carimbar apuramento tranquilo para a fase final do Mundial.

Maxi Pereira, lateral do Benfica, esteve muito interventivo e participou em algumas das várias jogadas perigosas da equipa de Óscar Tabarez que quase resultaram em golo. A Jordânia também dispôs de boas ocasiões para marcar mas esteve longe de ameaçar o apuramento dos uruguaios.

Também esta quarta-feira, o México, que tinha vencido na primeira “mão” por 5-1, voltou a bater a Nova Zelândia, desta feita por 4-2, selando igualmente a presença no Campeonato do Mundo.

Lista das 32 seleções apuradas:

Europa: Portugal, Espanha, Holanda, Itália, Bélgica, Suíça, Alemanha, Bósnia, Rússia, Inglaterra, Grécia, Croácia e França.América do Sul: Brasil (anfitrião), Argentina, Colômbia, Chile, Equador e Uruguai.África: Nigéria, Costa do Marfim, Camarões, Argélia e Gana.Ásia: Japão, Austrália, Irão e Coreia do Sul.CONCACAF: Estados Unidos, Costa Rica, Honduras e México.

* Foi uma longa caminhada.

.
.

DOUTRO SÉCULO


 3.AUTO CARAVANAS
VINTAGE


As moto casa devem ter tido origem no Reino Unido, com a necessidade de viajar, comer e repousar sem grandes complicações,  mas foi nos EUA que se deu a grande "explosão de modelos" a partir dos ano 20 do século passado.


As primeiras autocaravanas apareceram por iniciativa de privados, e ainda hoje se podem ver alguns exemplos de clássicos dos anos 20 e 30 aos quais, partindo de um vulgar veículo de transporte, se tentou juntar a funcionalidade de casa móvel.
IN "O portal campingcarPortugal"



Muitos "caixeiros-viajantes" da época viajavam e vendiam os seus produtos no vasto´e inóspito território americano, reduzindo despesas de instalação habitando no veículo que de dia transformavam em loja, neste exemplo estúdio  fotográfico.



Para a pratica do autocaravanismo é essencial a utilização de uma autocaravana, que é basicamente uma caravana colocada com adaptação industrial sobre um chassis de um portador, como é o caso dos furgons comerciais mais comuns, ou de um veículo similar.


O autocaravanismo constitui uma modalidade híbrida de turismo, que se pode processar com estacionamento para pernoita de modo livre, ou seja em qualquer local não proibido, ou em locais especialmente adequados para o efeito, incluindo parques de campismo.


As forças de segurança da época também usavam auto-caravanas como postos móveis de proximidade às populações


Hoje apresentámos modelos históricos representativos dos primórdios da construção das autocaravanas até à inovadora Kombi que fizeram as delícias dos modernaços da época, as imagens são pitorescas.

.
.
HOJE NO
"PÚBLICO"

Só a Grécia gasta menos que Portugal 
nos cuidados continuados de saúde

Portugal é, depois da Grécia, o segundo país que menos dinheiro público gasta nos cuidados continuados de saúde, de acordo com os dados da OCDE que comparou este indicador em 26 países.


Os números fazem parte do relatório Health at a Glance 2013, cujos dados preliminares tinham sido avançados em Junho pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), tendo o relatório final sido agora publicado.
No campo em concreto dos cuidados de longo termo, em 2011, Portugal gastou 0,2% do seu Produto Interno Bruto (PIB) nesta área em termos de despesa pública, surgindo quase empatado com a Estónia e Hungria, que só por centésimas estão melhor. Pior apenas está a Grécia. Logo após a Hungria vem a República Checa, Polónia, Israel, Coreia do Sul, Estados Unidos, Espanha, Alemanha, Eslovénia, Luxemburgo, Áustria, Canadá, Nova Zelândia, Suíça, Islândia, Japão, França, Bélgica, Finlândia e Dinamarca.

Os três países no topo da tabela são a Holanda, que ocupa o primeiro lugar com 3,7% do PIB, mas que agrega além da despesa pública em saúde a despesa com o lado social, que é apresentada de forma separada, e de que há dados para apenas nove dos 26 países (Portugal é um dos que fica de fora). Segue-se a Suécia com 3,6% e a Noruega com 2,4%. No caso da Suécia a despesa social tem um peso de mais de dois terços.

Necessidades vão continuar a crescer
No documento, a OCDE explica que a despesa com os cuidados continuados disparou nos últimos anos na maior parte dos países e é expectável que continue a crescer com o envelhecimento da população. A organização destaca as assimetrias no investimento entre países, dizendo que apesar de as diferenças entre Holanda ou Suécia e Portugal ou Grécia reflectirem distintas estruturas na população, demonstram sobretudo diferentes níveis de desenvolvimento entre “sistemas de cuidados continuados formais, por oposição a formais mais informais baseadas sobretudo em tratamentos providenciados por familiares não remunerados”.


A OCDE analisa, ainda, a taxa de crescimento anual da despesa pública nos cuidados continuados entre 2005 e 2011 e aqui percebe-se que, apesar de Portugal estar na cauda da lista em termos do PIB, foi dos que mais cresceu, conseguindo 14,4%, logo após a Coreia do Sul que obteve 43,9%.
Neste campo a OCDE apresenta também dados sobre os profissionais que trabalham na área dos cuidados continuados e o número de camas afectas a esta área nas instituições e hospitais, mas Portugal não é incluído nessa lista.

O PÚBLICO tentou ouvir a coordenadora da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados, Inês Guerreiro, até ao momento sem sucesso.

Mais camas até ao fim do ano
Os dados dizem ainda respeito a 2011 mas, ao longo de 2013, o Ministério da Saúde tem vindo a aumentar a oferta da área dos cuidados continuados – com alguns atrasos que têm merecido críticas por parte da oposição, que também acusa a tutela de estar a reduzir o número de camas em relação ao inicialmente prometido.

Até ao final deste ano a tutela prometeu abrir cerca de 30 unidades de cuidados continuados, com um total de cerca de 800 camas. São menos lugares de internamento do que aquilo que chegou a ser anunciado no início do ano (1169 camas), mas vão permitir aumentar de forma significativa a resposta nesta área tão carenciada. As unidades que vão começar a funcionar foram construídas por Misericórdias e outras instituições de solidariedade social. Algumas estavam prontas desde o ano passado e só permaneceram encerradas por falta de verbas.

Só neste ano, o custo de funcionamento destas novas estruturas totalizará cerca de sete milhões de euros, verba que deverá duplicar no próximo ano. De acordo com um despacho publicado em Julho, a maior parte dos lugares de internamento pertence a equipamentos destinados a longa duração, e Lisboa e Vale do Tejo é a região com mais novos lugares (280). Desta forma o número total no país aproxima-se das 6500 camas.

No início de Novembro a tutela também publicou em Diário da República que cerca de metade do valor das receitas dos jogos sociais atribuído ao Ministério da Saúde irá financiar, em 2014, a Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados.

Despesa transferida para as famílias
Em geral, o relatório Health at a Glance 2013 olha para vários indicadores e tira uma fotografia global aos impactos da crise na saúde, referindo que em Portugal, apesar dos cortes, a situação não está a ter um impacto muito forte, apenas com ligeiros aumentos dos tempos de espera nas cirurgias. Contudo, no campo da despesa, a redução das verbas públicas está a transferir muitos dos custos para o bolso das famílias.


Em 34 países, Portugal está entre os cinco que mais cortaram na despesa pública em saúde per capita entre 2009 e 2011 e as famílias portuguesas tornaram-se nas quartas a gastar mais dos seus rendimentos. Em 2011 as famílias portuguesas gastavam 4,3% do seu bolso em saúde quando a média da OCDE era 2,9%.

Do lado positivo há a queda no consumo do tabaco e do álcool, assim como a redução de acidentes rodoviários – indicadores também atribuídos ao menor poder de compra. No campo da mortalidade, as doenças cerebrovasculares continuam a matar mais que noutros países, mas com uma tendência progressiva de melhoria.

* Mais um capítulo do miserabilismo nacional numa área em que reduzir despesas pode não ser uma poupança.

.