segunda-feira, 14 de outubro de 2013

UMA GRAÇA PARA O FIM DO DIA

.


.

O QUE ELAS


NOS DIZEM!

 .

.


7-ACHTERLAND


COREOGRAFIA DE
ANNE TERESA DE
KEERSMAEKER


video


Achterland, filmé par le chorégraphe flamand Anne Teresa De Keersmaeker, est une nouvelle manifestation de son intérêt pour les différences entre hommes et femmes. Elle se concentre sur la diversité et la multiplicité du concept de la féminité. Dans Achterland, la chorégraphe fait appel pour la première fois à des musiciens qui, en plus de jouer en direct, prennent également part au jeu théâtral. Des caractéristiques récurrentes de son travail peuvent être observées dans sa chorégraphie: références à des travaux antérieurs, mouvements maintenus jusqu’à la limite de l’endurance, répétitions, courses en rond rapide, ainsi que les rencontres intenses entre hommes et femmes.
 
ÚLTIMO EPISÓDIO

 
 FONTE: Carloes Hreis

.
.
HOJE NO
" A BOLA"

Carlos Simões 
tricampeão mundial de orientação
 
O português Carlos Simões sagrou-se tricampeão a o vencer os Campeonatos do Mundo de Veteranos de Orientação em BTT que reuniram um total de 146 atletas, divididos por sete escalões, em Santiago do Cacém.

No escalão H40, Carlos Simões concluiu o percurso de 5,8 quilómetros em 17:39 minutos e garantiu a medalha de ouro pelo terceiro ano consecutivo.

Em femininos, Susana Pontes, que alcançou o quarto lugar nas etapas anteriores, terminou em terceiro numa prova teve a dinamarquesa Nina Hoffmann como grande vencedora (3:27).

Nos restantes escalões, a australiana Carolyn Jackson fez o pleno de títulos no escalão W50, o mesmo sucedendo com a suíça Monika Bonafini em W60 e com os finlandeses Heikki Saarinen (M60) e Pertti Nyberg (M70). Em M50, o vencedor foi o francês Jean-Charles Lalevée.

A Taça do Mundo de Orientação em BTT também chegou ao fim com a República Checa a vencer a prova de estafeta mista à frente da Rússia. A melhor equipa portuguesa, composta por Rita Gomes, João Ferreira e Davide Machado, quedou-se pela 16ª posição.

* Veteranos também são exemplo.

.
.


 O BOM HUMOR DE


JOSÉ DE 


VASCONCELOS



NO PROGRAMA DO JÔ


video



.
.
HOJE NO
" PÚBLICO"

Campanha Papel por Alimentos 
recolhe cinco mil toneladas de papel

São 203 mil litros de leite, 143 mil latas de salsichas, 142 mil latas de atum, 54 mil litros de óleo e 16 mil litros de azeite. Este foi o resultado alcançado através da conversão em bens alimentares de cinco mil toneladas de papel recolhido numa campanha desenvolvida em parceria pelos Bancos Alimentares e pela Quima, empresa de recolha e recuperação de desperdícios. Desde Dezembro de 2011 que cada tonelada de papel recebido é convertida em alimentos.

A iniciativa envolve as instituições que diariamente se abastecem nos Bancos Alimentares e os voluntários que colaboram nas acções da federação presidida por Isabel Jonet. O objectivo é sensibilizar para a possibilidade de recuperar e reutilizar coisas que parecem não ter valor. “O sucesso desta campanha mede-se pela sua grande capacidade de mostrar que um produto que parece não ter qualquer valor, e que vai quase sempre para o lixo depois de utilizado, pode ser convertido em alimentos”, diz Jonet, num comunicado enviado à imprensa.

Sensibilização de reutilização mas também de voluntariado: todo o papel recolhido tem de ser depositado pelos doadores nas instalações do Banco Alimentar contra a Fome da sua região. Em paralelo, produziram-se toalhetes de refeição com mensagens de apelo à solidariedade e reciclagem, tendo sido colocados em cantinas de escolas e universidades.

* Estas acções são fulcrais para atenuar as grandes carências de muitas famílias portuguesas, goste-se ou não Isabel Jonet por causa de algumas afirmações algo destemperadas, a grande verdade é que ela tem obra feita ao contrário de muitos panfletários que a criticam.

.
.

4.MAFIA

RUSSA

video



.
.
HOJE NO
"DIÁRIO ECONÓMICO"

O que muda no IRC já em 2014

São cinco as principais alterações previstas no Orçamento para 2014. Descubra aqui quais.

1 - Taxa geral de IRC baixa 
A taxa geral de IRC vai diminuir em 2014 em dois pontos percentuais, de 25 para 23%. A taxa nominal de IRC ficará assim em 29,5% - à taxa geral soma-se as derramas estatuais e municipal.

2 - Imposto sobre mais-valias e dividendos mantém-se
A Comissão para a Reforma do IRC propunha um aumento desta taxa na mesma proporção da descida do IRC, ou seja, em dois pontos percentuais. Mas o Governo decidiu manter o imposto sobre mais-valias e dividendos em 28%.

3 - Dedução de 10% em IRC dos lucros reinvestidos
No próximo ano as empresas poderão deduzir em sede de IRC 10% dos lucros retidos e reinvestidos. Esta medida visa evitar que a redução da taxa geral do IRC produza efeitos apenas para os sócios e accionistas em vez se servir para capitalizar as empresas e aumentar os seus fluxos de investimento.

4 - Regime simplificado para facturação até 200 mil euros
As empresas com uma facturação anual de até 200 mil euros poderão aderir no próximo ano - é opcional - a um regime simplificado no IRC. A medida também abrange os empresários em nome individual. O secretário de Estado dos Assuntos Fiscais disse hoje que neste regime as tributações autónomas serão "drasticamente" reduzidas face ao regime-regra.

5 - Dedução de prejuízos fiscais durante 12 anos
A partir do próximo ano as empresas vão poder deduzir os prejuízos fiscais durante 12 anos. O prazo actual é de cinco anos. O limite da dedução baixa de 75 para 70% do lucro tributável.

* Informação útil.

.

CARLA HILÁRIO QUEVEDO

.



O independente


Toda a gente sabe que as autárquicas não são eleições nacionais, mas também toda a gente repete ou insinua com fervor que, apesar disso, nos dão uma ideia de às quantas andamos. Continuo a pensar que pouco nos dizem. E é preferível que assim seja. De outro modo, o que devemos pensar quando ouvimos os gritos de ‘I-sal-tino, I-sal-tino’ para receber o novo autarca de Oeiras? Que conclusões devemos tirar quando se elogia a famigerada humildade do derrotado Luís Filipe Menezes e se esquece a irresponsabilidade da sua candidatura desligada da realidade nacional? Que mérito tem António Costa quando o seu concorrente directo é ainda mais fraco como político do que como comentador desportivo? Mas apesar de tudo, talvez só no Porto pudemos ver um pouco do futuro que nos espera. Um independente que, apesar de ter apoio partidário, acreditam com alguma ingenuidade ser de sangue e moral novos. Qual será o independente nacional que nos espera?

Bom gosto
Uma notícia no Telegraph chamou a minha atenção para uma realidade que me estava a passar ao lado. Parece que o sucesso de Cinquenta sombras de Grey, que não li, não vou ler e não gosto, fez aumentar as vendas de brinquedos eróticos. Algemas, vibradores, etc, fazem agora parte dos lares de muitas famílias. Muitas, mas não todas. Na pequena cidade de Aberystwyth, no sul de Gales, a única sex shop abriu falência porque não conseguiu vender um único par de cuecas atrevidas aos locais. A proprietária da loja Nice ‘n’ Naughty, Trish Murray, avançou, desolada, para uma explicação: ‘Talvez as pessoas de Aberystwyth não sejam suficientemente perversas’. A perversão está aqui como tradução pouco rigorosa de ‘kinky’, com as minhas desculpas. Penso que Ms Murray pode estar a sobrestimar os produtos que vende e a subestimar os habitantes desta terra de nome impronunciável. Pode ainda dar-se o caso de os aberystwythianos terem bom gosto literário.

Em defesa da abstenção
Falei aqui quase nada sobre as eleições autárquicas porque decidi há algum tempo que não iria votar nestas eleições. As razões são simples. A polémica sobre os dinossauros autárquicos deprimiu-me e uma pessoa deprimida sai menos de casa. Depois, a decisão do Tribunal Constitucional ainda me deprimiu mais. Se eu fosse o Tribunal Constitucional (todo, bem entendido), tinha enviado a lei de volta para a Assembleia, alegando não ter competência para decidir sobre um assunto da responsabilidade dos senhores deputados. Assim, ficou tudo esquisito. Havia um problema sério e ninguém o quis resolver. Na minha cidade de Lisboa, os candidatos eram invotáveis, se me permitem o neologismo. Perante um cenário impossível, a única decisão sensata era não pôr lá os pés. No dia seguinte, muitos dos que votaram trataram com desprezo os que se abstiveram de o fazer. Como se escolher não votar não fosse um direito e a abstenção não tivesse significado.

Coragem feminina
As notícias sobre a violação e morte de uma estudante num autocarro em Nova Deli chegaram incompletas a esta parte do globo. Parece que um sector da sociedade culpou a vítima. O guru Asaram Bapu foi uma das personalidades que defendeu que a vítima agira mal ao ter resistido e ao não ter chamado ‘bhaya’ (irmão) aos atacantes, que assim a teriam deixado em paz. Como reacção aos comentários machistas como este, algumas mulheres, entre as quais a actriz Kalki Koechlin, fizeram um vídeo intitulado ‘It’s my fault’, ‘A culpa é minha’, em que apresentam as causas principais de violação. A minha preferida aparece logo no início e tem a ver com o vestuário. Nenhuma das opções apresentadas, da minissaia à burca, são aceitáveis. Se a mulher estiver vestida de astronauta, também é culpada de ter sido violada, ‘porque os homens têm olhos!’ O humor do vídeo não é para estômagos sensíveis_e recomendo absolutamente: 
www.youtube.com/watch?v= 8hC0Ng_ajpY.

Clientela selecta
Um leitor da Slate perguntou ao editor de economia, Matthew Yglesias, por que razão Walter White, o professor de Química que se torna fabricante de metanfetaminas na série Breaking Bad e faz uma fortuna com a droga, com os problemas adjacentes de lavagem e armazenamento do dinheiro, não põe o dinheiro nas ilhas Caimão ou na Suíça. Yglesias, com desassombro profissional, explica que os bancos na Suíça e nas famosas off-shores foram feitos para os ricos fugirem aos impostos ou para maridos e mulheres que querem evitar divórcios custosos. Estes bancos têm de conhecer, pelo menos oficialmente, a origem do dinheiro. Os terroristas, mafiosos, narcotraficantes ou ditadores não são os clientes adequados. Os bancos suíços responsabilizam Hollywood pela percepção fraudulenta e paradisíaca que deles tem o comum dos cidadãos. Não sei se o leitor terá ficado satisfeito com a resposta. Eu não fiquei. E Hollywood não tem nada a ver com isso.

IN "SOL"
09/10/13

.
.
HOJE NO
"CORREIO DA MANHÃ"

Aluna de mérito é ama na Suíça

Florbela tinha média superior a 17. Nem em confeções conseguiu arranjar um emprego.

Florbela Silva, de 18 anos, foi a segunda melhor aluna do Agrupamento de Escolas de Vilela, em Paredes, e distinguida com o prémio de Mérito, após uma média superior a 17 valores. 


Sem condições financeiras para frequentar um curso superior, Florbela também não encontrou emprego. Perdeu a esperança e foi para a Suíça, onde é ama e espera por um lugar na receção de um hotel.

"A fotografia, o design e o desenho sempre foram as suas paixões", dizem os pais Florbela Pinho e José Manuel Silva. Por isso, frequentou o Curso Profissional Técnico de Fotografia. Concluiu o 12º ano com a média de 17, 2 valores.

* Há milhares, repetimos, milhares de alunos com média superior a dezasseis nesta situação, fruto da política cratino/educativa do governo, o ministro é um dos grandes "blufs" do elenco.

.
.

ALIENÍGENAS 
DO PASSADO


1. A MISSÃO


video




.
.
HOJE NO
" O PRIMEIRO DE JANEIRO"

Casa do Gaiato de Paço de Sousa 
Jovens pedem desculpa ao diretor 

Os jovens da Casa do Gaiato de Paço de Sousa, Penafiel, que estariam para ser expulsos da instituição, por ordem do diretor, admitem pedir desculpa àquele responsável e serem reintegrados a tempo do jantar.

 "Aceitamos pedir desculpa para entrarmos de novo", disse Adilson Monteiro, um dos 10 rapazes que receberam ordem para abandonarem a casa e que cerca das 18h30 ainda se encontrava junto à entrada principal, acompanhado dos colegas. 


Segundo o jovem ouvido, duas mulheres com ligações familiares a ex-alunos da instituição, reuniram-se esta tarde com o diretor, pedindo-lhe que reconsiderasse na decisão de expulsão. "À saída, as senhoras disseram-nos que, se pedíssemos desculpa o diretor, ele deixava-nos entrar", afirmou Adilson Monteiro, mostrando-se esperançado de que os rapazes já possam participar no Terço que está marcado para as 19h30.

 "Esperamos jantar lá. É isso que queremos porque é a nossa casa", acrescentou. O mal-estar que desencadeou a decisão de expulsão terá surgido porque os rapazes pretendiam jogar futebol no clube daquela localidade, contrariando a vontade do responsável da Casa do Gaiato. 

 A Casa do Gaiato, também conhecida como "Obra da Rua" ou "Obra do Padre Américo", é uma instituição particular de solidariedade social, fundada pelo Padre Américo Monteiro de Aguiar, com o objetivo de acolher, educar e integrar na sociedade crianças e jovens privados de um meio familiar. Cerca de 40 rapazes, de várias idades, frequentam a "Obra de Rua", em Penafiel.

* "- Ou pedes desculpa ou passas fome" caridoso argumento para validar  a prepotência do padre director, afinal o comportamento inquisitorial em profissionais da Igreja Católica não é novidade, só faltam as máquinas de tortura.
A birra de proibir os miúdos de jogar neste ou naquele clube é uma manhosice.
.

.
.


Evlin hegoel - Ismael Lo




Tajabone



video



.
.
HOJE NO
" DIÁRIO DE NOTÍCIAS"

Cruz Vermelha faturou 
um milhão de euros ao SNS

O Ministério da Saúde reagiu hoje à auditoria sobre o acordo com o Hospital da Cruz Vermelha, revelando que, até julho, gastou perto de um milhão de euros com o encaminhamento de doentes para esta unidade de saúde. 

Uma nota de imprensa do Ministério da Saúde sublinha "a contenção efetuada nos últimos anos" com a despesa de doentes encaminhados para o Hospital da Cruz Vermelha (HCV), por alegada falta de capacidade dos hospitais públicos.

Segundo a mesma nota, o valor atual do acordo de cooperação com a Cruz Vermelha Portuguesa é de 7.611.420,66 euros, mas, até julho, a Cruz Vermelha Portuguesa tinha faturado à Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT) 941.041,07 euros.

Na área da cirurgia cardiotorácica, o Serviço Nacional de Saúde (SNS) gastou 118.074,87 euros com este encaminhamento.

O valor deste acordo, em 2010, foi de cerca de 21 milhões de euros, de 14,6 milhões de euros, em 2011, e de 7,6 milhões de euros, em 2013.

Uma auditoria de seguimento das recomendações do Tribunal de Contas (TdC) à execução do acordo de cooperação entre a ARSLVT e a sociedade que explora o HCV, concluiu que o Estado teria poupado 30 milhões de euros se os doentes encaminhados para aquele hospital, entre 2009 e 2011, tivessem sido tratados no SNS.

Sobre o acordo, o TdC criticou o facto de a negociação não ter sido "fundamentada em indicadores sobre a eficiência do SNS, nomeadamente em termos de utilização da capacidade instalada e de custos, não ponderando nem confrontando os preços negociados para a produção prevista nos acordos com os custos dessa produção, em unidades hospitalares do SNS".

"Se, ao invés do recurso à prestação de serviços" no HCV, entre 2009 e 2011, "os doentes tivessem sido tratados em hospitais do SNS", a poupança ascenderia a cerca de 29,8 milhões de euros, lê-se no relatório da auditoria.

A poupança seria distribuída pelas especialidades de cirurgia cardiotorácica (8,6 milhões de euros), cirurgia vascular, oftalmologia e ortopedia (21,2 milhões de euros).

* Os hospitais particulares só são sustentáveis devido à emigração dos doentes do SNS, uma negociata.
Por outro lado não se entente que utentes da ADSE se possam tratar nos hospitais particulares, o Estado paga o remanescente e os outros cidadãos não têm esse direito.
Nós, muito convictamente e por experiência vária não sairemos do SNS, que tem tudo de bom, porque quando os hospitais particulares, mais hotéis de saúde, não têm soluções técnicas, encaminham o doente  para o hospital público.
Este é o calcanhar de Aquiles de Paulo Macedo.

.

.


 B U Z I N Ã O


video


.
.
HOJE NO
" RECORD"

Euforia em Lisboa na receção
 aos campeões do Mundo

Os novos campeões mundiais de hóquei em patins de sub-20 chegaram esta segunda-feira a Lisboa, tendo sido recebidos, em clima de festa, por várias dezenas de adeptos, entre família e amigos. 

O troféu, que há dez anos fugia a Portugal, surgiu à vista de todos, no momento em que a delegação pisou a zona de chegadas do aeroporto, ao som de tambores e muita euforia, com o técnico Luís Duarte a ser um dos rostos da felicidade. "Há dez anos que Portugal não ganhava o campeonato do Mundo, mas não se esqueçam que conquistou os últimos três títulos europeus, e, por isso, todo o mérito para esta modalidade e para Portugal", começou por salientar o selecionador.

A seleção lusa, cujo último e único título mundial de sub-20 em hóquei em patins tinha sido conquistado na primeira edição, em 2003, garantiu a conquista depois de no domingo vencer a Espanha, que era tricampeã em título, por 4-1.

Luís Duarte salientou a "ambição" e "competência" dos seus jogadores e não se mostrou surpreendido com a "facilidade" que encontrou frente à Espanha, num jogo em que até esteve a vencer por quatro golos até praticamente ao final.

O técnico não quis projetar o papel desta geração nos "AA", aos quais tem faltado um título, explicando que esse campo já será da responsabilidade de Luís Sénica, o selecionador no escalão principal.

"São potenciadores para irem aos seniores, mas isso não me compete a mim", salientou. No percurso em Cartagena, na Colômbia, onde decorreu o Mundial, Luís Duarte explicou que os primeiros jogos, com seleções mais fracas, serviram de treino, e que o momento-chave aconteceu nos quartos de final.

"O jogo que marcou foi nos quartos de final, com a Colômbia (5-3), a jogar em casa, super motivada, aí podíamos ter vacilado. Mas quando vencemos, recebemos os parabéns, o apoio do público, trabalhámos muito e merecemos a vitória", sublinhou.

Entre os hoquistas, Xavi mostrou satisfação pela chegada em festa, depois de um campeonato em que disse que a Espanha -- campeã em 2007, 2009 e 2011 -- "não é uma super equipa" e que para Portugal a solução estava em acreditar que algum dia venceria.

Para Hélder, outro dos hoquistas campeões e o capitão da seleção, um jogador que já esteve nos AA, a sensação foi "incrível" e o Mundial foi o "culminar de um trabalho de quatro ou cinco anos com várias gerações".

A próxima meta no escalão é voltar a conquistar o título europeu, numa geração que já mostrou dar garantias, depois de três títulos europeus e agora um Mundial. "Há três anos que ganhamos e por isso temos que ter a ambição de voltar a ganhar", referiu o selecionador.

* É o resultado do trabalho e sacrifício.

.
.
3.HAJA MUITO
QUEM GOSTE












.
.
HOJE NO
" JORNAL DE NOTÍCIAS"

"Hospital dos Pequeninos" do Porto quer
. "acabar com medo de ir ao médico"

"Desmistificar a ida ao médico" é um dos objetivos do "Hospital dos Pequeninos" uma iniciativa promovida pelos estudantes da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto que teve início esta segunda-feira, prolongando-se até sexta-feira, com mais de mil crianças.

 "Se te portares mal, vais ao médico e o senhor doutor dá-te uma pica", esta era uma "ameaça" comum feita pelos pais aos mais pequenos quando estes não queriam comer a sopa ou não faziam os trabalhos de casa. Mas hoje a psicologia infantil aconselha abordagens que não incluam o medo às batas brancas.

Assim, os estudantes da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (FMUP) criaram o "Hospital dos Pequeninos", convidando crianças de vários infantários do Norte a trazerem ao Hospital de São João, no Porto, os seus bonecos preferidos para serem tratados.

A bebé da Renata Oliveira estava doente, conforme contou à agência Lusa a menina de cinco anos que frequenta o Externato de Ribadouro. Tinha dores de cabeça. Depois de passar pela triagem a boneca da Renata foi tratada por um estudante de medicina que protagonizou o papel de médico e deu conselhos à "mãe" da paciente. "Deve-se comer comida saudável como legumes", foi a conclusão tirada pela menina.

Já a Frederica, uma boneca "filha" da Mariana Ferreira, de cinco anos, tinha "um braço partido ao andar na trotineta". No "consultório" dedicado a "acidentes" teve de pôr um penso e ficou "logo melhor", conforme contou a menina prometendo "ter muito cuidado" com as brincadeiras em casa.
Para curar as dores de cabeça de uma outra boneca, outra aluna do Externato do Ribadouro, a Frederica Marques, foi aconselhada a dar xarope à sua bebé, solução que a menina até já conhecia: "Tenho dores de barriga às vezes e também tomo xarope. Já não tenho medo dos médicos", disse a menina de cinco anos.

De hoje até sexta-feira são esperadas no "Hospital dos Pequeninos" cerca de mil crianças com idades entre os três e os seis anos. Mais de duas centenas de estudantes de medicina participam nesta iniciativa que pretende "acabar com o medo de ir ao médico" através de um discurso adaptado a estas idades.

"Transmitir às crianças de que o hospital serve para ajudar não é um sítio para ter medo é a mensagem", explicou à Lusa um membro do Departamento de Saúde Pública e Reprodutiva da Associação de Estudantes da FMUP, Salomão Fernandes, que hoje também se vestiu de médico e "a brincar".

E esta mensagem agrada aos educadores que acompanham os "papás" e "mamãs" de palmo e meio. "As crianças precisam de desmistificar a ida ao médico. Precisam de perceber a importância da ida ao dentista, ao otorrino, ao oftalmologista e não só quando estão doentes. Ficaram muito entusiasmados e sentiram-se importantes. Sentiram-se muito crescidos", defendeu uma professora do 1.º ciclo no Externato Ribadouro, Teresa Lima.

A "viagem" no "Hospital dos Pequeninos" começava com uma ida à triagem com os bonecos, peluches e até super-heróis "doentes", passando depois para o bloco operatório, análises clínicas, consultório de olhos e ouvidos, nutricionista e dentista.

Feito o diagnóstico às dores de barriga, quedas de bicicleta ou ferimentos a jogar à bola, que foram as principais causas de doença apresentadas pelas crianças, os bonecos receberam tratamento e uma receita para levantar os remédios na farmácia: "um lanche nutricionalmente equilibrado".

Pelo meio, num ambiente muito colorido, os mais pequeninos puderam, ainda, fazer desenhos e ouvir histórias.

* Excelente acção que deve ser repetida noutras unidades hospitalares do país.

.
.
OLIMPISMO
PECHEBEQUE

video



.
.
HOJE NO
  "JORNAL DE NEGÓCIOS"

Barclays lidera “ranking” das 
queixas aos bancos em Portugal

Banco britânico é o principal visado pelas reclamações dos clientes bancários portugueses. Lidera as queixas nas contas de depósitos, crédito ao consumo e à habitação.
.
O Barclays volta a ser a instituição financeira sobre a qual recai o maior número de reclamações feitas pelos clientes bancários nacionais. Segundo o Banco de Portugal, lidera o “ranking” das queixas nas contas de depósitos, crédito ao consumo, mas também à habitação.

Em 2012, o Barclays já aparecia no topo dos bancos reclamados no que respeita às contas de depósitos e ao crédito à habitação. Este ano surge também na liderança das queixas relativas ao crédito ao consumo, segmento em que se verificou o maior crescimento de reclamações.

No relatório de Síntese Intercalar de Actividades de Supervisão Comportamental, o Banco de Portugal revela que no crédito ao consumo o banco recebeu 154 reclamações por cada 100 mil contratos, superando as 134 do FCE Bank e 92 do Banco Primus. A média neste segmento é de 25.

No crédito à habitação, em cada 100 mil contratos, o Barclays recebeu 188 queixas, acima das 58 reclamações, em média. O BIC e o Santander Tottal foram, respectivamente, o segundo e terceiro em termos de reclamações de clientes relacionadas com o financiamento para a compra de casa.

O Barclays lidera também nas queixas relacionadas com as contas de depósitos, com 68 reclamações por cada 100 mil contas, ficando à frente de instituições como o Deutsche Bank e o Activobank. Em média, em cada 100 mil contas, houve 11 reclamações durante os primeiros seis meses do ano.

* E precisamos deste banco em Portugal?

.
.
  2.METROPOLITANO







.


HOJE NO
  "DESTAK"

Apenas um terço dos associados da APED pagou a taxa de segurança alimentar 

Apenas um terço dos associados da Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição (APED) já pagou a taxa de segurança alimentar, disse hoje o presidente da entidade.


 "Alguns associados, um terço, decidiram pagar, mais de um terço decidiu não pagar e os restantes um terço estão hesitantes", afirmou Luís Reis, num encontro com jornalistas, quando questionado sobre o ponto de situação do pagamento da taxa de segurança alimentar. 

 "Está tudo na mesma", afirmou o presidente, acrescentando que a APED tem "mantido reuniões regulares" com o Governo sobre o assunto.

* Uma demostração de como o governo é frouxo, não discutimos por agora a acertividade da lei, o que interessa neste momento é que a lei existe, está regulamentada e 2/3 dos associados da APED não a cumpre, fixe.

.
.


FUTBAILE


video


.
.
HOJE NO
"i"

Autárquicas. 
Câmaras sem maioria absoluta
 quase duplicaram

O número de câmaras governadas sem maioria absoluta tem vindo a aumentar. A contagem dos votos em 2013 trouxe vitórias de sabor pouco especial a 54 novos presidentes de câmara. Nas eleições de 2005 e de 2009 tinham sido 28 autarcas a não conseguir votos suficientes para governarem em maioria absoluta, no dia 29, os portugueses dividiram mais os votos e aumentaram para quase o dobro deixando cerca de 20% dos autarcas eleitos, aflitos.

Para muitos presidentes, a negociação com outros partidos só começa hoje (ou durante esta semana) quando iniciarem formalmente funções. Algumas tomadas de posse estão marcadas para hoje ou para durante esta semana e, por isso, alguns presidentes eleitos admitiram ao i só começarem a procurar uma coligação depois de estarem em funções. Uma situação que pode significar, em alguns casos, que vão governar em minoria, fazendo acordos pontuais com os vereadores da oposição para que estes aprovem as principais matérias nas reuniões de câmara. É o caso de Macedo de Cavaleiros, câmara que era do PSD/CDS e ficou agora apenas do PSD. Os dois partidos desta vez decidiram ir separados a votos, mas se se juntarem agora conseguem maioria absoluta: o PSD e o PS elegeram três vereadores cada, o CDS um. O centrista pode assim fazer a diferença.

Outros há que já resolveram a questão: no Porto, Rui Moreira, eleito por uma lista de cidadãos independentes, já acertou contas para deixar ao PS de Manuel Pizarro responsabilidade. Moreira alcançou uma coligação pós-eleitoral que lhe dá garantia de conseguir fazer o que quer na segunda maior cidade do país sem dissabores em reuniões de câmara.

Já em Sintra há um bloco central autárquico. Basílio Horta, pelo PS, venceu as eleições e depois de contados os votos decidiu coligar-se com o candidato do PSD, Pedro Pinto, que aceitou.
Nestes dois casos a coligação foi possível mas, por exemplo, em Olhão, essa já é uma hipótese afastada. António Pina, presidente da câmara eleito, conta ao i que tentou uma coligação depois das eleições com os partidos mais à esquerda que elegeram vereadores, Bloco de Esquerda e PCP, mas sem sucesso. "Vou tentar acordos pontuais", diz.

O mesmo irão fazer outros presidentes de câmara eleitos sem maioria absoluta. É o caso de Carlos Silva em Albufeira. O autarca eleito garante que "há a possibilidade" de haver acordo com outros partidos, mas que ainda está em negociações. O acordo pode passar por integrar a oposição no executivo ou tão só garantir a aprovação dos documentos mais importantes como os relatórios e contas e os orçamentos.
Só em capitais de distrito, há cinco nesta situação; Faro, Funchal, Santarém, Coimbra e Porto. No Funchal, Paulo Cafôfo já foi eleito por uma coligação de seis partidos e não pensa em juntar mais um partido à confusão. Disse, em entrevista ao i, que não estava fechado a nenhuma opção, mas deverá optar por acordos pontuais. O PS é o partido que mais câmaras tem em minoria: 31, metade delas "roubaram" a outro partido, o que pode explicar a dispersão de votos. O PSD (ou em coligação com o CDS) tem 13, o PCP cinco (três roubadas a outros partidos) e cinco independentes.

Eleições partidas 
 Estes resultados mostram que as eleições autárquicas este ano foram mais partidas do que as anteriores. Os votos foram mais dispersos com o aumento da abstenção e dos votos brancos e nulos que alteraram as contas na hora de atribuir os vereadores eleitos. Mas, na opinião do politólogo Carlos Jalali (ver ao lado), a entrada em cena dos independentes levou a uma distribuição dos votos por mais candidatos. O caso do Porto e de Sintra foi disso exemplo, mas também de Faro e Coimbra (votos dispersos pelo PCP, independentes e BE).

Permitir a existência de executivos maioritários do partido vencedor das eleições era uma das ideias do PSD e do PS para alterar a lei eleitoral. A intenção era criar executivos monocolores à semelhança do que se passa a nível nacional: o partido vencedor forma o executivo sem a existência de vereadores da oposição. A solução não chegou a avançar por falta de acordo entre o PSD e o CDS. A proposta inicial era do PS.

* Como políticos de proximidade os autarcas eleitos são de uma enorme importância. Pena é que o caciquismo impere ainda em muitos municípios, estamos a lembrar-nos de Oeiras onde ganhou um grupo "independente" conotado com um dos maiores corruptos do país, julgado e preso.

.

.