terça-feira, 17 de setembro de 2013

UMA GRAÇA PARA O FIM DO DIA


.

2-ELEIÇOEIROS

video

JOSÉ PEDRO MIRANDA - CANDIDATO A SANTO TIRSO


.
.
COÇA COÇA



















.
.
HOJE NO
" JORNAL DE NEGÓCIOS"

Tribunal não consegue notificar 
Oliveira e Costa para depor em 
julgamento de Duarte Lima

O tribunal criminal que está a julgar o caso Homeland não conseguiu notificar o antigo presidente do BPN José Oliveira e Costa para depor como testemunha no julgamento em que Duarte Lima é um dos arguidos.

 No início da sessão desta terça-feira do julgamento do caso Homeland, presidido pela juíza Filipa Valentim, ficou a saber-se que o tribunal tentou notificar sem êxito, por carta, Oliveira e Costa para depor, juntamente com outras quatro testemunhas da acusação, tendo sido pedida ajuda a um órgão de polícia criminal (OPC) para o fazer, depois de a carta ter sido devolvida.

Oliveira e Costa, banqueiro e fundador do BPN, é arguido no julgamento do caso BPN, que decorre no tribunal criminal de Lisboa, mas está dispensado pelo colectivo de juízes desse processo de comparecer às audiências. Simultaneamente, deixou de estar sujeito a prisão domiciliária, desconhecendo-se os motivos que não permitiram a sua notificação para testemunhar hoje no processo Homeland.

A sessão da manhã foi preenchida com a inquirição de Mário Fragoso de Sousa, director-coordenador do Private Banking do BPN em Lisboa, o qual revelou que o projecto Homeland, relacionado com a aquisição de terrenos em Oeiras, através de um financiamento global de 50 milhões por parte do BPN, foi autorizado com uma única assinatura: a de José Oliveira e Costa.

Mário Fragoso de Sousa, que admitiu conhecer profissionalmente os arguidos Duarte Lima e Vítor Raposo, entre outros, explicou que "nenhuma operação era carreada para o sistema sem a assinatura" de Oliveira e Costa, seu superior hierárquico e figura máxima no BPN.

Inquirido pelo procurador José Niza, a testemunha salientou que para si a operação Homeland, de aquisição de terrenos em Oeiras, mediante empréstimo de 50 milhões de euros, "estava sustentada" com a assinatura de Oliveira e Costa e que isso bastava dentro do banco para accionar o que fosse preciso.

Mário Fragoso de Sousa disse desconhecer que o projecto Homeland tinha sido, anteriormente chumbado, pelo departamento comercial do banco, e justificou que quem acompanhou de perto a operação foi Cristina Ruano, gestora de conta de Duarte Lima no BPN.

Na parte final da inquirição, a testemunha admitiu que chegou a reunir-se com os arguidos Duarte Lima, Vítor Raposo e com a gestora de conta para discutirem o projecto Homeland, que na altura, em 2007, antes da crise mundial provocada pela falência do Lehman Brothers nos EUA, lhe pareceu viável.

Mário Fragoso de Sousa lembrou que, antes da crise surgida nos EUA, o BPN era um banco "saudável e em crescimento", que distribuía dividendos pelos accionistas, pelo que não havia para razões para suspeitar que a aquisição dos terrenos não era um bom negócio.

Duarte Lima é suspeito de beneficiar de vários créditos no valor de vários milhões de euros, obtidos com garantias bancárias de baixo valor, que permitiram adquirir terrenos no concelho de Oeiras, nas imediações da projectada sede do Instituto Português de Oncologia (IPO).

O projecto da sede do IPO no concelho de Oeiras não avançou e o crédito pedido ao BPN ficou por liquidar.

* Bem pode a justiça limpar as mãos à parede, deixou fugir Oliveira e Costa.

.
.


3.A arte 



da guerra



video


.
.
HOJE NO
"DESTAK"

Patrões e sindicatos pedem 
mais investimento e menos 
austeridade à 'troika' 

As associações patronais pedem mais incentivos ao investimento, com a CCP a sugerir uma redução do défice em 0,5% ao ano por um período de tempo mais alargado, enquanto os sindicatos querem uma inversão nas políticas de austeridade. 


 Os parceiros sociais estão hoje reunidos com os representantes da 'troika' (composta pelo Fundo Monetário Internacional [FMI], Banco Central Europeu [BCE] e Comissão Europeia), em Concertação Social, para debaterem assuntos relacionados com a oitava e a nona avaliação regular ao Programa de Assistência Económica e Financeira (PAEF) a Portugal. 

À entrada do encontro, o presidente da CCP - Confederação do Comércio e Serviços de Portugal defendeu que a discussão sobre se a meta do défice orçamental para 2014 deve ser de 4% (como quer a 'troika') ou de 4,5% (como quer o governo) "não faz sentido"

* O que faz sentido na governação deste país?

.
.

 3-JOSÉ SARAMAGO



video



JOSÉ SARAMAGO É O PRIMEIRO AUTOR DE LÍNGUA PORTUGUESA A SER GALARDOADO COM O PRÉMIO NOBEL DA LITERATURA, PARA ALGUMAS "PERSONALIDADES TUGAS"(?) FOI UM GRANDE AMARGO DE BOCA E CONTINUA A SER, RECORDÊMO-LO COM O RESPEITO QUE MERECE.
.
.
.
HOJE NO
"i"

Troca de medicamentos por questões económicas é inadmissível

Até ao momento foram relatados 17 casos, entre os quais os que são hoje referidos na imprensa, num universo de cinco milhões de receitas que são passadas todos os meses, indicou o ministro.

O ministro da Saúde revelou hoje que está no terreno uma inspeção sobre a troca de medicamentos nas farmácias, que envolve mais de 300 estabelecimentos, e disse que esta prática por motivos económicos “não é admissível”.


Paulo Macedo, que hoje abriu a conferência sobre “Desenvolvimento do mercado de medicamentos genéricos: barreiras e oportunidades”, falava aos jornalistas a propósito de um anúncio publicado na imprensa pela Ordem dos Médicos a denunciar “mais um caso” de substituição de prescrições de medicamentos nas farmácias.

“Não é admissível que alguém faça uma troca de um medicamento numa farmácia por razões económicas que prejudiquem o utente”, disse Paulo Macedo, lembrando que a autoridade que regula o sector do medicamento (Infarmed) estabeleceu um espaço para denúncia de situações como estas.
Até ao momento foram relatados 17 casos, entre os quais os que são hoje referidos na imprensa, num universo de cinco milhões de receitas que são passadas todos os meses, indicou o ministro.
Para Paulo Macedo, a solução não passa pela alteração legislativa – como sugeriu a Ordem dos Médicos, que apelou à alteração das regras para a fixação do preço dos genéricos – mas sim pelo cumprimento da lei.

O presidente da Associação Nacional das Farmácias (ANF) está convicto de que “as farmácias estão a aplicar a lei”.
“Não digo que não existam situações esporádicas”, disse aos jornalistas à margem do evento que decorreu no Infarmed, acrescentando que o aumento da quota dos genéricos é a demonstração de que a lei está a ser aplicada.
As farmácias só não dispensam os genéricos quando não os têm disponíveis, o que acontece com alguma frequência, indicou.
A este propósito, Paulo Duarte revelou que, na primeira semana de setembro, as farmácias tentaram adquirir 1.176 mil embalagens de medicamentos, de mais de 8.000 referências diferentes, sem que o conseguissem junto dos grossistas ou da indústria.

Igual dificuldade foi sentida pelas farmácias na aquisição de 200 mil embalagens de genéricos, respeitantes a mais de 3.200 medicamentos diferentes, sendo a maioria de fármacos mais baratos.
A propósito da situação hoje denunciada pela Ordem dos Médicos, Paulo Duarte disse ainda que a ANF enviou para o Ministério da Saúde milhares de receitas com “utilizações abusivas de exceções” 

O presidente do Infarmed, Eurico Castro Alves, sublinhou que este organismo já tomara “medidas concretas”, antes da denúncia da Ordem, tendo apelado aos clínicos para denunciarem as situações irregulares.
Sobre a inspeção em curso, que envolve mais de 300 farmácias, Eurico Castro Alves disse que, até ao momento, foi encontrada uma situação irregular.
O presidente do Infarmed garantiu que os casos são investigados, podendo ter consequências que vão de uma advertência à aplicação de uma coima, cujo valor máximo é de 44 mil euros.

* Os "negócios" na saúde.

HENRIQUE MONTEIRO

.







A imoralidade do corte das pensões

(e outras imoralidades)


Há um certo consenso sobre a imoralidade inerente ao corte de pensões. Por um lado, porque há uma quebra de confiança num contrato com o Estado; porque atinge pessoas que não têm idade nem capacidade de, contando com aqueles rendimentos, poderem ir buscar outros (arranjar emprego, emigrar, fazer biscates); porque, enfim, a maioria não tem organizações representativas que os defendam, que façam lóbi.
 .
Ou seja, que a medida é imoral não me levanta dúvidas.
O problema é o que fazer para cortar a despesa do Estado. Henrique Medina Carreira que foi visto como uma Cassandra, mas que é hoje evidente que tinha razão, afirmava há anos que só havia duas maneiras de equilibrar as contas - cortar nos salários da administração pública e nas prestações sociais (porque isso corresponde a quase 80% da despesa). Claro que há muito por fazer noutros setores, nomeadamente em privilégios inacreditáveis que subsistem (e que por não terem ainda sido feitos, tornam o corte das pensões ainda mais imoral).
 .
É vergonhoso que um país tenha chegado a esta situação, da qual, mesmo a crescer 1% como aconteceu no último trimestre, demorará oito anos a sair. Tem de haver culpados -e não só no BPN e não só na banca; e não só na regulação do Estado sobre a banca; e não só na construção civil e nas traficâncias entre os partidos os empreiteiros. Era preciso haver Justiça, porque toda a política se faz para que haja justiça. Para que - havendo mais ricos e mais pobres - isso decorra da Justiça do esforço, da capacidade, do conhecimento, da criatividade serem recompensados. Mas em Portugal nada disto é recompensado, porque os impostos chegaram a níveis extrativos em que o Estado saca aos trabalhadores esforçados e preparados, metade, dois terços ou mais daquilo que o patrão gasta com eles. E isto também é imoral porque obriga um indivíduo a entregar cada vez mais dinheiro ao Estado em troca de cada vez menos. 
 .
Curiosamente, o corte nas pensões - que escandaliza (e bem) tantas personalidades, elas próprias pensionistas - leva a que o líder da oposição venha dizer (sem saber se o pode fazer) que reporá a situação anterior quando for Governo. Mas não ouço ninguém prometer o resto.
Ou seja, prometer-me a mim e aos muitos que estão na minha situação:
1)      Que repõem os  impostos ao nível de, digamos, 2002;
2)      Que repõem a perspetiva de reforma que eu tinha quando já trabalhava, por exemplo, há 30 anos (2008);
3)      Que devolvem as deduções aos impostos que tínhamos direito quando ganhávamos, em termos líquidos e absolutos, mais do que hoje;
Porque isto não é menos imoral do que o prometido aos reformados. É que, ainda menos do que aqueles, os quadros médios, os trabalhadores por conta de outrem que têm salários razoáveis ou bons, acima da baixíssima média portuguesa, são provavelmente os mais entalados nesta crise e ninguém os defende. Nem as associações patronais, a que não pertencem, nem os sindicatos que os têm por feitos com o patronato. Aqueles que, como eu, dentro dos oito anos que isto leva a compor-se, já entraram na idade legal da reforma, nem esperança têm.
E aqui têm porque já nem sequer me indigno. 
 .
Eu sei que isto vai ser cada vez pior.
Não tenho dúvidas. O britânico Antony Beevor, um dos grandes historiadores do nosso mundo, dizia sexta-feira ao 'Diário de Notícias' esta ideia que eu (com a  devida vénia, como se dizia) aqui deixo para reflexão: "Na Europa, nos últimos tempos, começámos a convencer-nos de que um certo nível de vida se tornou, de alguma forma, um direito humano básico (...) A presunção de que iremos continuar a usufruir de um certo estilo de vida simplesmente porque vivemos na Europa é uma ilusão perigosa. Não podemos pôr de parte a possibilidade de partes da Europa poderem vir a regredir para os níveis dos países em desenvolvimento".
 .
Há ainda quem pense que se trata apenas de uma conspiração. Mas para quem conhece o mundo isto é muito claro.

IN "EXPRESSO"
15/09/13
. .

.
HOJE NO
"A BOLA"

World Series By Renault: Félix da Costa vence segunda corrida na Hungria

O português António Félix da Costa venceu a segunda corrida da World Series By Renault, no circuito de Hungaroring.


O piloto português, candidato a um lugar na Fórmula 1 em 2014, venceu com mais de seis segundos de vantagem sobre o dinamarquês Kevin Magnussen e o belga Stoffel Vandoorne.
«Mais do que os 25 pontos desta vitória, foi bom ter vencido em luta direta com o Magnussen e o Vandoorne. Ataquei ao máximo nas duas voltas em que tive pista livre e, quando regressei depois da paragem, estava na frente. Depois, fui ganhando tempo a eles os dois. Esta vitória é minha, da equipa e de todos os que nunca deixam de acreditar em mim e de estar ao meu lado», afirmou Félix da Costa.
A próxima corrida da World Series by Renault realiza-se em França, no circuito de Paul Ricard. 

* Uma promessa ao volante e também a realidade da esperança. 

.
.
 3-AVES
MIGRATÓRIAS

video



.
.

ONTEM

"PÚBLICO"

Testes de intolerância alimentar: 
Um diagnóstico útil ou 
uma mentira bem contada?

A resposta é só uma e muito directa: por mais na moda que estejam, os testes múltiplos de intolerância alimentar são inúteis.
UMA INUTILIDADE
De facto, o essencial acerca desta nova moda dos testes múltiplos de intolerância alimentar poderia ser resumido pelas curtas palavras acima referidas. Citando um dos pontos do comunicado de quem realmente percebe do assunto (entenda-se Sociedade Portuguesa de Alergologia e Imunologia Clínica), podemos ler o seguinte: “Neste contexto os testes supracitados não têm qualquer fundamentação científica, não têm utilidade diagnóstica e a sua realização e interpretação no âmbito clínico podem configurar elementos de má prática, não devendo igualmente receber qualquer tipo de comparticipação pelos sistemas de saúde”.
Mas então porque é que sendo inúteis, estes testes são um sucesso, chegando inclusive a aparecer já em populares sites de descontos?

Numa época em que as abordagens mais convencionais relativamente à nutrição e perda de peso estão longe de cativar a maioria das pessoas, tudo o que se percepcione como algo diferenciador, ou até como um avanço no diagnóstico, reúne muitas condições para ter sucesso. Se a este facto adicionarmos uma certa desresponsabilização conferida por este tipo de testes - “afinal a culpa de não estar a conseguir emagrecer não era directamente minha, mas sim de certos alimentos que não são os mais indicados para mim” -, temos uma receita vencedora.

No fundo, pode até parecer interessante a ideia de efectuar um teste que em alguns minutos nos indique quais os alimentos que “pior toleramos” de uma lista com 200 a 500 itens. Porventura no momento de pagar o teste ele deixa de ter assim tanto interesse, até porque muito frequentemente nos indica que os alimentos que mais gostamos e mais estamos habituados a comer são justamente aqueles que nos aparecem como mais susceptíveis a desencadear alguma intolerância. Tal tende a acontecer, uma vez que os anticorpos medidos por estes testes (imunoglobulinas G4), são produzidos normalmente  pelo nosso sistema imunitário como forma de reconhecimento às proteínas dos alimentos que ingerimos. Ou seja, a nossa exposição repetida a alguns alimentos – aqueles que comemos com mais frequência – faz aumentar estas imunoglobulinas e potencialmente classificar como impróprios os alimentos que mais gostamos.

Ainda assim e tal como falamos anteriormente na questão dos hidratos de carbono à noite, estes testes como diagnóstico complementar à abordagem para perda de peso podem ser um importante condicionante do comportamento alimentar se fizerem as pessoas acreditar que de facto não podem comer determinados alimentos, algo que eventualmente não resultaria se fosse feito através de uma abordagem mais convencional. Claro está que o facto de a pessoa estar a pagar para ser enganada não será de todo o procedimento mais ético do mundo, mas este vocábulo parece definitivamente não fazer parte do dicionário de todos os falsos profetas ligados à área da saúde.
Em suma, no que diz respeito a estes testes, poderá uma mentira ter tanto sucesso? Sim, se for bem contada…

Em Resumo: 

- Os testes múltiplos de intolerância alimentar não têm, pura e simplesmente, validade científica 

- Desconfie se o teste lhe for proposto por outro “profissional” de saúde que não um imunoalergologista e caso tenha indícios de que não tolera particularmente bem algum alimento, aconselhe-se única e exclusivamente com estes.  

* Um Testemunho do Nutricionista Pedro Carvalho.

 

.

.

 QUEM LHES DISSE
 
QUE SABIAM CANTAR?


Lindsay Lohan


 

Cantou "Rumors" e flopou, tentou um segundo album A Little More Personal (Raw) em 2005 e decidiu usar roupas transparentes e mini saia, dava mais dinheiro



First

video



.
.
HOJE NO
"DIÁRIO ECONÓMICO"

Mais de 90 mil consumidores pedem o fim das comissões nas contas à ordem

Uma petição pelo fim das comissões nas contas bancárias à ordem, subscrita por mais de 90 mil consumidores, vai ser hoje entregue à Assembleia da República pela associação DECO, que promoveu a iniciativa.

"Estas comissões bancárias prejudicam todos, mas especialmente os que têm menos dinheiro e um saldo médio [na conta bancária] mais baixo", salientou à Lusa o secretário geral da associação de defesa dos consumidores DECO, Jorge Morgado.


Na petição coletiva, os subscritores lembram aos deputados que até há pouco tempo os bancos remuneravam estas contas, mas que agora cobram encargos para o mesmo efeito, e que esta tendência se tem acentuado nos últimos anos.

"De acordo com os dados que a DECO recolheu junto das instituições autorizadas a operar em Portugal, as comissões de manutenção de conta subiram, em média, mais de 40% desde 2007!", lê-se na petição disponível no site da deco/proteste.

A associação considera "abusiva" esta cobrança, uma vez que não tem nenhum serviço associado e penaliza os consumidores com menos recursos, salientando Jorge Morgado as consequências muito nefastas sentidas por alguns consumidores financeiramente mais vulneráveis.

"Por causa destas comissões, muitas pessoas chegam a tirar o dinheiro do banco e voltam a pô-lo debaixo do colchão", disse o secretário geral da DECO.

A associação salienta que as contas à ordem são "imprescindíveis à gestão básica da vida financeira de qualquer cidadão" e que foi essa a razão do lançamento da campanha de recolha de assinaturas pelo fim das comissões de manutenção, que até segunda-feira registava cerca de 92 mil assinaturas.
A associação destaca ainda que aos consumidores "cabe também" questionar os seus bancos e o Banco de Portugal sobre a pertinência das comissões associadas às contas à ordem e lembra que esta interrogação pode ser feita através de minutas que a associação faculta, caso o subscritor da petição assinale essa opção no formulário.


Na petição é também destacado o desagrado dos consumidores acerca destas comissões, lembrando que, segundo o relatório de supervisão comportamental do Banco de Portugal de 2012, as reclamações sobre contas de depósito representaram 30,9% do total de queixas recebidas.

* Um "assalto" que o parlamento não está interessado em terminar!!!

.
.

  
FOGO DE



ARTIFÍCIO




video




.
.
HOJE NO

" CORREIO DA MANHÃ"


Morre presidente da junta de Queirã

Joaquim Mendes tinha ficado com 60% do corpo queimado em incêndio.

Joaquim Mendes, presidente da junta de freguesia de Queirã, em Vouzela, morreu esta terça-feira. O autarca, de 62 anos, tinha ficado com 60% do corpo queimado num incêndio que deflagrou na zona, no dia 23 de agosto.

Desde o dia do incêndio que Joaquim Mendes estava internado, com respiração assistida. Na altura, o comandante operacional distrital de Viseu, Lúcio Campos, afirmou que a situação era grave, mas acreditava estar "controlada". No entanto, o autarca não resistiu aos ferimentos e hoje acabou por falecer no Hospital de S. João, no Porto.
Recorde-se que o presidente da junta de freguesia de Queirã ficou queimado, no mês passado, enquanto tentava ajudar os bombeiros a apagar o fogo em Vouzela. O carro em que seguia ficou totalmente destruído.

* Um homem abnegado, vitima de criminosos e da incompetência do governo.

.
.
MECANICAMENTE
PERFEITO 














.
.
HOJE NO
"O PRIMEIRO DE JANEIRO"

Presidente da OTOC defende em tempos de crise 
Reintrodução da taxa agravada de 
IVA para bens de luxo 

A presidente do Colégio da Especialidade dos Impostos sobre o Consumo da Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas (OTOC) defendeu hoje uma reintrodução da taxa agravada de IVA para bens de luxo em tempos de crise. 
 
DE OURO UM LUXO
 “A União Europeia devia reintroduzir a possibilidade de os Estados Membros terem uma taxa agravada de IVA, de 30%, por exemplo para bens de consumo de luxo em situações de crise”, disse Clotilde Celorico Palma na abertura do I Congresso Internacional de IVA, promovido hoje pela OTOC em Lisboa. 

A advogada referiu que a reforma do IVA da Comissão Europeia “está no bom caminho”, mas que “resta saber como vai ser executada”. Na abertura do encontro, o bastonário da OTOC, Domingues Azevedo, congratulou-se com a decisão do Governo que criar o IVA de caixa e disse que, embora seja uma medida “muito burocrática”, é muito positiva por possibilitar uma correção das disparidades temporais que existiam por ter de se entregar ao Estado um imposto antes de o receber dos consumidores.

* Apoiado!

.
.


 PASTILHA


video


.
.


 HOJE NO
" DIÁRIO DE NOTÍCIAS"

Tribunal europeu dá razão 
a ex-jornalistas do 'Garajau'

O Tribunal Europeu dos Direitos do Homem deu hoje razão aos ex-jornalistas e diretores do quinzenário madeirense "Garajau" (entretanto extinto), Gil Canha e Eduardo Welsh, relativamente ao processo interposto pelo vice-presidência do governo regional da Madeira, João Cunha e Silva, contra aquele jornal. 

No acordão favorável, votado por unanimidade, a apreciação dos juizes não só considera que foi violado o artigo 10.º da Convenção como recorda que, de acordo com a jurisprudência, "a liberdade de expressão constitui um dos fundamentos essenciais de uma sociedade democrática", reiterando que a Imprensa "desempenha um papel de destaque" e que o artigo referido "não deixa espaço para restrições" ao exercício dessa liberdade no campo do discurso e do debate político. Em relação aos conteúdos dos artigos em questão, observa "que os fundos públicos haviam sido compromentidos com a defesa de Cunha e Silva pelo advogado Garcia Pereira" factos que ficaram provados. 

 O Tribunal decidiu que o Estado português deverá pagar 5 mil euros, no espaço de três meses, aos requerentes, acrescido de impostos recorrentes por custos e despesas.
"É uma grande felicidade. Há muito que não acredito na justiça em Portugal. Temos sido perseguidos pela Justiça na Madeira, única responsável pelo encerramento do Garajau (2004-2010) devido ao elevado número de processos. A matriz salarista continua em vigor em relação à liberdade de imprensa ", disse ao DN, Gil Canha.

Os requerentes (representados pelos advogados Teixeira da Mota e António Fontes), tinham sido condenados por difamação no Tribunal da Relação, depois de terem absolvido em primeira instância. O "Garajau" publicou em 2004 um artigo sobre a compra de terrenos por parte de João Cunha e Silva bem como a sua participação como sócio de uma firma de advogados.

Um segundo artigo, publicado em janeiro de 2002, sobre o mesmo assunto, adiantava que o vice-presidente do governo tinha entretanto apresentado queixa crime contra o Garajau, "utilizando para o efeito os serviços de um advogado (Garcia Pereira & Associados) pago por fundos públicos e não por Cunha e Silva". Na edição de 23 de fevereiro de 2007, o jornal informava que a Policia Judiciária tinha investigado os repetivos contratos após a denúncia do "truque da vice-presidência" de "integrar no orçamento 2005/6 os fundos de pagamento de taxas "milionárias" em dois processos contra o Garajau.

* Foi preciso chegar ao Tribunal Europeu! O caruncho há-de morrer.

.

.


LERDOS E


COMPANHIA

















...
.
HOJE NO
"RECORD"

Rui Costa, André Cardoso e Tiago Machado para o Mundial 
Selecionador José Poeira divulgou convocados

Rui Costa (Movistar), André Cardoso (Caja Rural) e Tiago Machado (RadioShack) formam a seleção portuguesa para a prova de fundo do Campeonato do Mundo, a disputar em Florença, na Itália.

A Federação Portuguesa de Ciclismo (FPC) anunciou em comunicado a convocatória final do selecionador José Poeira, que selecionou Costa, vencedor de duas etapas na edição de 2013 do Tour, Cardoso, 16.º na Vuelta, e Machado, 36.º no Giro, para a corrida de 272,5 quilómetros, no dia 29 de setembro.

Antes, no dia 25 de setembro, Tiago Machado vai alinhar, juntamente com o seu companheiro de equipa na RadioShack Nelson Oliveira, vice-campeão do Mundo em contrarrelógio de sub-23 em 2009, nos 57,9 quilómetros do "crono".

Além destes corredores, Portugal vai ainda estar representado por Frederico Figueiredo (Liberty Seguros-Feira-KTM) na corrida de fundo de sub-23, a disputar no dia 27, e de Rafael Reis (Ceramica Flaminia-Fondriest) no contrarrelógio do escalão, a disputar no dia 23.

David Ribeiro (Liberty Seguros-Feira-KTM), César Martingil (CC José Maria Nicolau) e Gaspar Gonçalves (Anicolor) vão disputar a prova de fundo de juniores, no dia 28, enquanto Gonçalves ainda vai alinhar nos 22,1 quilómetros do contrarrelógio, no segundo dia de competições.

* FORÇA VALENTES

.
.

 ZUMANJARO


video


Zumanjaro: Drop of Doom é uma torre de queda actualmente em construção no parque de diversões em Jackson Township, New Jersey com data de inauguração em 2014. Com uma altura de 126 metros será a torre de queda mais alta do mundo.


.