terça-feira, 27 de agosto de 2013

UMA GRAÇA PARA O FIM DO DIA

.
O PRESENTE

Um estudante ia passando em frente a uma loja, e acabou por comprar um par de luvas para sua namorada. Pediu a balconista para embrulhar e foi pagar, deixando o embrulho junto com outro igual, só que neste último, havia um par de calcinhas. Acabou que o embrulho foi trocado e o estudante o enviou junto com uma carta que dizia assim:

  -  Meu amor:

Sei que hoje não e seu aniversário, mas passei em frente a uma loja e resolvi comprar-lhe este presente, mesmo sabendo que você não costuma usar, mas eram muito bonitas. Não sei se é do seu tamanho nem se você gosta da cor, mas a balconista experimentou na minha frente e eu gostei muito. Ficaram um pouco larguinhas na frente e dos lados mas assim as mãos entram com maior facilidade além de deixar os dedos mais livres para se movimentarem, fazendo também com que fique mais fácil de tira-las. A balconista mandou lembrar que ponha um talquinho quando tira-las a fim de evitar o mau cheiro.

Meu amor, gostaria muito que as usasse, pois elas cobrirão o que lhe pedirei algum dia.

Um grande beijo aonde vai usá-las.

.
.
6-REFLEXÕES


.
.
1.ÓRINADELAS














.
.
 DESCULPA


Realização de Maria Mota; Inês Moreira Simões; Matilde Teles da Silva; Carlota Pires e Joana
Música de João Mota (Fender Fr50) e Rodolfo Sousa


.

SOFIA LORENA

.




A revolução 
nunca aconteceu?

Foi há pouco mais de um ano: “Hosni Mubarak condenado a prisão perpétua”. A frase teria parecido impossível antes de Janeiro de 2011, mas em Junho de 2012 fazia todo o sentido. Mesmo com a condenação, a Tahrir encheu-se de jovens manifestantes – afinal, seis responsáveis do Ministério do Interior tinham sido ilibados do mesmo crime, cumplicidade na morte de 846 manifestantes durante os 18 dias de protestos que levaram o Exército a afastar Mubarak do poder. 

Mubarak não saiu da prisão para um exílio dourado. Saiu de Tora para um hospital e é ali que vai aguardar pela repetição do julgamento. O “faraó” nunca voltará ao palácio. Mas os egípcios que em Junho do ano passado protestaram contra a sentença dos chefes da polícia e que tantas vezes antes tinham saído à rua para pressionar os generais e garantir que o ditador pagava pelos seus crimes, estão agora anestesiados. Vêem Mubarak sair de Tora e as celas de Tora a encher-se com dirigentes da Irmandade Muçulmana e isso parece-lhes normal. Assistem ao regresso do estado de emergência contra o qual lutaram – antes da revolução até, quando o medo da prisão, da morte, da palavra, era a cola que mantinha a ditadura – e aceitam-no como uma inevitabilidade, um remédio amargo e necessário para se livrarem da Irmandade Muçulmana.
A 2 de Junho de 2012, quando Mubarak foi condenado pela morte de centenas de jovens egípcios, faltavam duas semanas para a segunda volta das presidenciais. Mohamed Morsi, da Irmandade Muçulmana, enfrentava nas urnas o último primeiro-ministro do ditador, apoiado pelos generais que tinham assumido o controlo do país e que faziam tudo para conservarem direitos e privilégios, salvando o que podiam do regime. Jovens revolucionários de esquerda e laicos preparavam-se para engolir em seco e votar num islamista, pensando que assim davam mais um pequeno passo para enterrar 60 anos de ditadura militar.

O fim da ditadura militar não é impossível mas hoje não é para isso que o Egipto caminha. O derrube de Morsi, primeiro Presidente egípcio escolhido em eleições livres e democráticas, pode ter sido forçado pelas manifestações de milhões a pedirem a sua demissão mas não deixou por isso de ser um golpe militar. Um golpe dos generais que sempre controlaram os destinos do Egipto. Morsi podia ser incompetente, sectário e até ter um plano secreto para transformar o Egipto no Irão, mas isso não apaga a morte de centenas de apoiantes da Irmandade às mãos das forças de segurança. O que aconteceu nas últimas semanas não é por isso menos massacre.

Os egípcios que agora toleram as mortes e as detenções ainda são os mesmos que lutaram na Tahrir contra os julgamentos militares de civis e a brutalidade da polícia. Os egípcios que agora vêem Morsi ser preso e Mubarak ser colocado em prisão domiciliária ainda são os mesmos que arriscaram a vida para terem eleições em vez de faraós. Estão só anestesiados.

IN "PÚBLICO"
22/08/13

.
.
 A FROTA É PEQUENA





.

DOLLY PARTON e



KENNY ROGERS



Islands in the stream






.
.
DESENHOS
PREOCUPANTES?
ALUNOS DO ENSINO BÁSICO!


















.
 .

FORTALEZAS
















.

.




CALOR INTENSO
.




.
.
ESPANTA VEADOS



.
.
BOM DIA