segunda-feira, 19 de agosto de 2013

UMA GRAÇA PARA O FIM DO DIA


.

The Occupation

video


In early October 2011 I went down to New York City to spend a long weekend at Zuccotti park - Campsite for Occupy Wall Street. This is what I saw and some of people I talked to in my 3 days spent at Occupy.
Musica de: Dan Baston and Marcel Ramagnano

ON VIMEO

.
.

Banco Mundial Insider Blows Whistle
sobre a
Corrupção, da Reserva federal

 Escrito por Alex Newman

A ex-funcionária de carreira do Banco Mundial, ex-Senior Counsel Karen Hudes, diz que o sistema financeiro mundial é dominado por um pequeno grupo de corruptos figuras, sedentos de poder centrado em torno da propriedade privada da Reserva Federal dos EUA. A rede assumiu o controle dos meios de comunicação para encobrir seus crimes, também, explicou. Em entrevista ao The New American, Hudes disse que quando ela tentou soprar o apito em vários problemas no Banco Mundial, ela foi demitida por seus esforços. Agora, juntamente com uma rede de companheiros denunciantes, Hudes está determinado a expor e acabar com a corrupção. E ela está confiante de sucesso.

Citando um explosivo 2011 estudo suíço publicado na revista PLoS ONE sobre a “rede do controle corporativo global”, Hudes apontou que um pequeno grupo de entidades – em sua maioria instituições financeiras e, especialmente, os bancos centrais – exercer uma enorme quantidade de influência sobre a economia internacional por trás dos bastidores. ”O que realmente está acontecendo é que os recursos do mundo estão sendo dominados por esse grupo“, explicou ela, acrescentando que os “grileiros poder corrupto” conseguiram dominar os meios de comunicação também. ”Eles estão sendo autorizados a fazê-lo.”

Segundo o jornal peer-reviewed, que apresentou a primeira investigação mundial da arquitetura propriedade na economia internacional, as corporações transnacionais formam uma “estrutura gravata borboleta gigante.” Uma grande parte do controle, por sua vez, “flui para o pequeno e fortemente unido núcleo das instituições financeiras. “Os pesquisadores descreveram o núcleo como uma “super-entidade econômica” que levanta questões importantes para os formuladores de políticas e pesquisadores. Claro, as implicações são enormes para os cidadãos.

Hudes, uma advogada que passou cerca de duas décadas de trabalho no departamento jurídico do Banco Mundial, tem observado as maquinações da rede de perto. ”Eu percebi que estavam lidando com algo conhecido como captura de estado, que é onde as instituições do governo são cooptados pelo grupo que é corrupto“, ela disse ao jornal The New American, em uma entrevista por telefone. ”Os pilares do governo dos EUA – alguns deles – são disfuncionais por causa da captura do Estado, esta é uma grande história, este é um grande cover up“.

No coração da rede, Hudes disse, estão 147 as instituições financeiras e os bancos centrais – especialmente o Federal Reserve, que foi criada pelo Congresso, mas é detida essencialmente por um cartel de bancos privados . ”Esta é uma história sobre como o sistema financeiro internacional foi secretamente caçado, principalmente por parte dos bancos centrais – eles são os únicos que estamos a falar”, explicou ela. ”Os banqueiros centrais têm sido o sistema de jogo. Eu diria que esta é uma tomada de poder. “

O Fed, em particular está no centro da rede e do encobrimento, Hudes continuou, citando uma política e um órgão de supervisão que inclui governo superior e autoridades do Fed. Os banqueiros centrais também manipulam os preços do ouro , ela acrescentou, ecoando preocupações generalizadas de que The New American tem documentado extensivamente. Na verdade, até mesmo as imprecisas demonstrações financeiras do Banco Mundial que Hudes vem tentando expor estão ligados ao banco central dos EUA, disse ela.

“O grupo que estamos falando a partir do estudo de Zurique – que é a Reserva Federal, que tem algumas outras peças a ele, mas isso é o Federal Reserve”, Hudes explicou. ”Assim, o Federal Reserve secretamente dominado a economia mundial utilizando lacaios secretos, nas diretorias das empresas interligadas, e aterrorizando quem conseguiu descobrir que eles estavam tendo qualquer tipo de papel, e colocar pessoas em posições muito importantes para que eles pudessem obter um passe livre. “

O sombrio mas imensamente poderoso Banco de Compensações Internacionais serve como “o clube desses banqueiros centrais privados”, Hudes continuou. Agora, as pessoas vão querer continuar a pagar juros sobre as dívidas de seus países para esse grupo quando descobrirem os truques secretos que esse grupo tem feito? Não se esqueça de como eles enriqueceram extraordinariamente e como eles levaram o dinheiro do contribuinte para o resgate “.

Tanto quanto intervir no preço do ouro, Hudes disse que era um esforço pela rede poderosa e seus bancos centrais para “agarrar seu papel-moeda” – uma suspeita partilhada por muitos analistas e até mesmo altos funcionários do governo . O denunciante Banco Mundial também disse que ao contrário do alegado oficialmente, ela não acredita que haja algum ouro guardado em Fort Knox. Mesmo congressistas e governos estrangeiros têm tentado descobrir se os metais preciosos ainda estavam lá , mas tiveram pouco sucesso. Hudes, no entanto, acredita que o golpe acabará desfeito.

“Isso é como bandidos tentando descobrir onde podem se esconder. É uma máfia “, disse ela. ”Esses culpados que ter agarrado todo esse poder económico conseguiram se infiltrar ambos os lados da questão, de modo que você vai encontrar pessoas que supostamente estão tentando lutar contra a corrupção que estão lá apenas para espalhar desinformação e como um espaço reservado para viagem até quem consegue agirem em conjunto …. Esses bandidos pensam que se pode manter o mundo ignorante, eles podem sangrar por mais tempo “.

Claro, a grande corrupção nos mais altos níveis do governo e de negócios não é um fenômeno novo. O historiador da Georgetown University e professor Carroll Quigley , que serviu como conselheiro do presidente Bill Clinton, por exemplo, escreveu sobre o esquema em seu livro de 1966 Tragedy and Hope: A History Of The World In Our Time . O peso pesado acadêmico, que foi autorizado a analisar documentos pertencentes aos altos escalões do establishment global, ainda explicou como o sistema corrupto trabalha – muito semelhante ao que Hudes descreve.

“Os poderes do capitalismo financeiro têm um objetivo de longo alcance, nada menos do que criar um sistema mundial de controle financeiro em mãos privadas capaz de dominar o sistema político de cada país e a economia do mundo como um todo, escreveu o professor Quigley, que concordou com os objetivos, mas não o sigilo. “Este sistema era para ser controlado de um modo feudal pelos bancos centrais do mundo agindo em conjunto por acordos secretos chegaram em freqüentes reuniões privadas e conferências. O ápice do sistema seria o Banco de Compensações Internacionais em Basileia, na Suíça, um banco privado possuído e controlado pelos bancos centrais do mundo que eram eles próprios corporações privadas “.

Mas isso não vai acontecer, Hudes disse – pelo menos não se ela tem alguma coisa para fazer com ele. Enquanto os meios de comunicação são dominados pela rede “agarrada ao poder”, Hudes vem trabalhando com governos estrangeiros, jornalistas, autoridades dos EUA, governos estaduais, e uma ampla coalizão de colegas denunciantes para explodir todo o esquema aberto. Houve bastante interesse, também, particularmente entre os governos estrangeiros e autoridades estaduais nos Estados Unidos.

Citando a sabedoria dos Pais Fundadores dos Estados Unidos na criação de um sistema federal de governo com várias camadas de freios e contrapesos, Hudes disse que estava confiante de que a rede acabaria por ser exposta e submetida ao império da lei, impedindo a corrupção secreta. Se e quando isso acontece – mesmo que pode ser desordenada – Hudes diz metais preciosos, mais uma vez desempenhar um papel na imposição de disciplina sobre o sistema monetário . O Estado de Direito também seria restaurado, disse ela, e o público vai exigir uma imprensa adequada para se manter informado.

“Nós vamos ter um sistema financeiro limpo, que é onde está indo, mas, entretanto, as pessoas que não sabem como o sistema foi caçado vão descobrir”, disse ela. ”Nós vamos ter um tipo diferente de sistema financeiro internacional …. Vai ser um novo tipo de mundo onde as pessoas sabem o que está acontecendo – não mais acordos de bastidores, o que não vai continuar acontecendo. Nós vamos ter um tipo diferente de mídia, se as pessoas não querem ser dominados e controlados, o que eu não acho que eles fazem. “

Enquanto Hudes soa otimista, ela reconhece que o mundo está enfrentando o perigo sério agora – ainda há planos em andamento para impor a lei marcial nos Estados Unidos, disse ela. Os próximos passos serão fundamentais para a humanidade.Como tal, Hudes argumenta, é fundamental que as pessoas do mundo descobrir a ilegalidade, corrupção e ladroagem que estão acontecendo nos níveis mais altos – e acabar com isso de uma vez por todas. As conseqüências da inação seria desastrosa.


Alex Newman, é correspondente estrangeiro para The New American, está baseado atualmente na Europa. Pode ser contatado pelo anewman@thenewamerican.com.

NR: Este interessante texto está redigido em português do Brasil

video



NR:
1- Ao fazer a conversão do filme não nos é possível colocar legendas, a tradução do google é péssima, se desejar ir ao "you tube" ver o filme opte pelas legendas em inglês.

2- Desde sempre que nestas páginas denunciamos a responsabilidade dos "donos do dinheiro" na crise mundial, na miséria de cerca de 2/3 da população mundial e na corrupção, artigos como este justificam a nossa denúncia. Nós, as vítimas, somos em maior número do que eles com possibilidade de exterminar estes predadores das nossas vidas, basta querermos.

FONTE: REAL NEWS

.

DALILA HONORATO

.



Portugal visto da Grécia
 em ondas de choque

Em 1997, para os gregos, Portugal era ainda um país por descobrir. Valham-nos o fado, a revolução dos cravos, a poesia e o futebol! Mas havia já a ideia de que era um país bem comportado no espaço europeu, onde os governantes são empreendedores e os habitantes respeitam a fila para entrar no autocarro.

Na Grécia uma coisa parece clara, pois se nem os portugueses escapam, como será possível libertar-se das algemas dentro deste tanque que gera indefinidamente dívidas crescentes?
.
O meu contacto com a vida económica e política de Portugal era bastante mais intenso nos primeiros anos, depois fui perdendo a assiduidade informativa. Primeiro deixei de conseguir receber o sinal de satélite da RTP Internacional e depois foi a aplicação do acordo ortográfico que confesso me perturba durante a leitura. A verdade é que, quando a visão da actualidade de um país é delimitada pela projecção filtrada dos media, o resultado pode ser gradualmente o desfocar da concepção que temos da pátria até ao ponto de não ser possível identificar a diferença entre a mistificação e a realidade do passado. E então torna-se muito difícil entender o presente. Para usar um conceito de Naomi Klein no seu livro A Doutrina do Choque: a Ascenção do Capitalismo de Desastre (2007) a visão que tenho de Portugal tem sido modelada por uma série de "choques" dos quais distingo quatro.
.
O primeiro em 1998 com os resultados no Referendo sobre a interrupção voluntária da gravidez. Mas então em Portugal, no espaço familiar, na escola ou na sociedade em geral, as mulheres não têm direito a revelar e impôr as suas opiniões? Senão pela conquista do direito ao voto feminino em 1931, pelo menos com base na Constituição da República Portuguesa de 1976. Pois se há mulheres juízes, se há mulheres deputadas e inclusivamente uma mulher que havia ocupado o cargo de primeiro-ministro, porque negar-lhes a possibilidade de decidir sobre algo tão pessoal?
.
O factor económico é crucial no planeamento familiar. Dever moral da sociedade que defende a vida deveria ser incentivar a educação sexual adequadamente leccionada como matéria disciplinar nas escolas, dada a necessidade de informação dos jovens, em vez de criminalizar os seus cidadãos. Claro que a questão do alargamento emergente da informação sobre a sexualidade, dada a elevada taxa de gravidez de adolescentes, já existia quando frequentava o ensino secundário. E pergunto-me: que anda a fazer a minha geração hoje que são pais enquanto o número de adolescentes grávidas por ano continua a ser tão notável quanto a taxa de abandono escolar?
.
Em 2003, o segundo choque, a organização da Cimeira sobre o desarmamento do Iraque na Base das Lages nos Açores. Mas Portugal não era um país pacifista que havia repugnado de forma definitiva qualquer forma de política colonial? Parecia-me claro que a iniciativa de concretização de uma reunião com um objectivo tão definido em território nacional ultrapassava a responsabilidade de um mero governo no seu segundo ano de existência. Talvez a minha ingenuidade relacionada com as oportunidades dos mercados em periodo de guerra não me permita alcançar as dimensões desta originalidade, por parte do então primeiro-ministro, que seguramente deve ter contribuído bastante para o reconhecimento do desempenho de Portugal em casos de política externa, a tal ponto que um nome fosse óbvio para um lugar na presidência da Comissão Europeia.
.
Em 2005, o novo primeiro-ministro parecia trazer um bom presságio dado o seu nome de carácter mais filosófico. Mas não se deve julgar um livro pela capa e naquele Verão tão quente, ainda no primeiro semestre do seu mandato, fiquei chocada com a falta de sensibilidade humana do mais alto cargo do governo enquanto o país estava a ser flagelado por incêndio atrás de incêndio. Durante esses dias em que extensões enormes de floresta nacional, bens pessoais e vidas se perderam, por muito que nos garantam que a situação está sob controle, a partir do momento em que se é nomeado primeiro-ministro de um país, deve estar-se disponível para a sua população, dedicando um mínimo de atenção, senão pessoalmente pelo menos através dos meios audiovisuais.
.
Em 2011, o grande choque, a intervenção do FMI no país. Onde estava a minha nação heróica pronta a assumir qualquer sacrifício para evitar a perda da soberania nacional? Porque foi encarada pelos seus governantes como incapaz de decidir por referendo? Que diferença em comparação com a frontalidade e a maturidade do povo islandês... Mas para isso é necessário estar informado e isso não significa limitar-se a consumir aquilo que os media tradicionais projectam, atordoado pela fobia de uma futura catástrofe. É importante inter-relacionar-se para estar informado sobre a existência no momento presente e é desta forma que o medo do amanhã se torna ridículo porque a percepção das coisas se torna mais definida.
.
Depois disto, o caso de Miguel Relvas, em 2013, não foi um choque mas uma apagada exclamação. Parece-me óbvio não ser uma licenciatura comprovativo de mérito pessoal mas a falta de ética é uma prova de ausência de moral e, nestes casos, o indivíduo em questão não deveria estar habilitado a candidatar-se para servir o bem comum porque creio que o objectivo de qualquer funcionário público é contribuir para o alcance da justiça social. E no entanto, ocupa actualmente um novo cargo, mesmo sem remuneração, mas um cargo de carácter cultural com projecção internacional.
.
É claro que têm havido outros casos, como a nacionalização do BPN, as alegadas denúncias de tráfico de armas pela direcção da Universidade Lusófona e o abuso sexual de menores no interior da Casa Pia, que se tornaram igualmente chocantes para mim, sobretudo devido à indolência dos media tradicionais, tendo em conta o aprofundamento que deveria ter sido dedicado à investigação de temas que são um ataque directo à estabilidade nacional. Em vez disso, aquilo que me surpreende detectar no discurso mediatico é a necessidade de revelação do bode expiatório, "a culpa é da Grécia", repetida obsessivamente como mantra pelas bocas políticas, talvez na esperança de que deste modo se concretize ou talvez, qual Medusa, para evitar encarar a aterradora verdade no escudo. José Saramago, no seu extraordinário romance Ensaio sobre a lucidez, já escrevera "Aqui, cada um com o seu desgosto e todos com a mesma pena".

* Doutorada em Comunicação Social, professora universitária nas áreas de Estética dos Media e Semiologia da Imagem na Universidade Jónica, no Departamento de Artes Audiovisuais. Vive na ilha de Corfu, está na Grécia há 16 anos.

IN "DIÁRIO ECONÓMICO"
14/08/13

.
.




DUVIDA?
.
.

  RIHANNA
Unfaithful  


video



.
.


COOBER PEDY



COOBER PEDY é uma pequena cidade australiana que tem como atractivo ser um aglomerado subterrâneo com uma população de 2 000 pessoas.


 É muito visitada por turistas que sob um calor inóspito arriscam uma viagem pelo deserto até lá chegarem.


Uma vista sumária para nos apercebermos do que pouco existe à superfície.


 A sua maior riqueza é a extracção e transformação de opalas uma pedra semi-preciosa mas fácil de trabalhar e da qual se talham jóias lindíssimas. Em cima, no exterior o cemitário.


 Uma das atracções turísticas são os templos de várias religiões escavados na rocha.


 A cidade já apareceu em alguns filmes bem conhecidos dos quais destacamos, Opal Dream, Mad Max Beyond Thunderdome, Red Planet y Priscilla, Queen of the Desert


 Os aborígenes chamam à cidade a terra de buracos dos homens brancos.





Apesar da invulgaridade as dependências das casas são confortáveis e frescas, no exterior podem estar mais de 50 graus Celsius.


Um motel subterrãneo com beliches para os turistas.

Veja o vídeo


video


.
..

EXPRESSÕES












.

.


QUEM SERÁ?



video



.
.
BOM DIA
.