terça-feira, 6 de agosto de 2013

UMA GRAÇA PARA O FIM DO DIA

.

.
4 - DO CINEMA






Sissy Spacek






























Louise Cliffe


.
.
.
6-LISBOA,
CRÓNICA ANEDÓTICA
CINEMA PORTUGUÊS

video


.

JOSÉ MENDES

.





Que líder para o Porto?

A eleição para a presidência da Câmara do Porto está ao rubro. Luís Filipe Menezes continua na frente, Manuel Pizarro está ainda aquém do previsível e Rui Moreira saltou para um surpreendente segundo lugar. As propostas, os ataques e os apoios, explícitos ou implícitos, sucedem-se a um ritmo diário. Esta semana, o ainda presidente Rui Rio compareceu no pequeno ecrã para se declarar violentamente contra tudo o que representa o candidato do seu PSD, não se percebendo bem quanto, neste posicionamento, é factual e racional e quanto, pelo contrário, reflete um antagonismo de natureza pessoal. 
.
O contacto com os portuenses nas ruas dá a perceber um sentimento dicotómico. Por um lado, um orgulho quase ostensivo na sua cidade e nos seus valores; por outro, um lamento pela relevância perdida e pela quase ausência de uma visão de sucesso. Há demasiadas pessoas que não se reveem na cultura do "poupadinho e honrado". Esses são, naturalmente, valores importantes, mas num mundo global e competitivo exige-se mais ambição para uma cidade com o potencial do Porto.
.
A visão é, por definição, coletiva e partilhada, mas parte sempre da liderança. Mais, o grau de ambição e credibilidade subjacente à visão é uma boa medida da qualidade do líder. Não conheço grandes nações, grandes regiões nem grandes cidades sem grandes líderes. Sendo de opinião de que, nesta eleição, se apresentam ao eleitorado três bons candidatos, embora diferentes, tenho procurado perscrutar o seu perfil de liderança.
.
De entre as múltiplas taxonomias da liderança que foram dadas a conhecer ao mundo a partir do extraordinário "Functions of the executive", de Chester Barnard (1938), gosto particularmente da proposta de Patricia Pitcher. Esta académica de Montreal propôs em 1995 uma classificação dos líderes em três tipos: artistas, artesãos e tecnocratas. O líder "artista" é imaginativo, inspirador, visionário, empreendedor e emotivo. Por sua vez, o líder "artesão" é estável, razoável, sensível, previsível e confiável. Por fim, o líder "tecnocrata" é cerebral, minucioso e intransigente.
.
Será lugar-comum dizer que, face aos desafios que se colocam a uma cidade, o líder tem necessariamente de reunir competências variadas: ser artista, artesão e tecnocrata, com a ponderação que melhor se ajuste às circunstâncias. 
.
Os desafios que o Porto hoje enfrenta podem sintetizar-se em três palavras: visão, credibilidade e gestão. A cada uma delas correspondem um quadro de competências e um estilo de liderança diversos. Encontrar a personagem que integra todas essas capacidades não é, seguramente, fácil, pelo que os eleitores são convocados para um processo de escolha complexo.
.
À imagem do que acontece com a maioria das cidades portuguesas, também no Porto não se vislumbra de imediato qual a sua visão para o futuro. A cidade precisa de sentido e orientação, algo que, tipicamente, o líder "artista" pode oferecer. E no atual quadro de candidatos, Menezes é aquele que melhor incorpora este perfil, pela sua permanente ambição de conduzir o Porto ao estrelato. 
.
Noutra perspetiva, a imagem negativa que genericamente os políticos têm passado para a opinião pública no plano da credibilidade faria supor que os cidadãos se aproximassem de um perfil mais equilibrado, porventura menos mediático, mas previsível e confiável. Manuel Pizarro parece aproximar-se mais deste estilo de líder "artesão", por ser trabalhador, competente e sensível.
.
E que dizer em relação às necessidades de gestão da cidade? O cenário tão presente em muitos municípios das contas mal controladas e a frequente tendência para viver acima das reais possibilidade são traumas que aproximam o eleitor do líder "tecnocrata", justamente aquele que, em nome do emagrecimento, amputa a ambição que extravasa o essencial. Rui Moreira tem adotado uma cartilha muito próxima deste perfil, por demais inspirada na gestão de Rui Rio.
.
Artista, artesão, tecnocrata ou um pouco de cada é a decisão que está em cima da mesa. Menezes, Pizarro ou Moreira. Escolha difícil. Não voto no Porto, mas acredito que o seu líder deve aspirar à liderança do Norte e, aí, já me sinto representado. Nos quase dois meses que faltam ainda para o ato eleitoral, espero que os candidatos desperdicem menos energia nos ataques mútuos e se foquem nas suas propostas de valor para a visão, a credibilidade e a gestão do nosso Porto.

IN "JORNAL DE NOTÍCIAS"
04/07/13

.
.

A NET ENSINA TUDO!

video


.
.

Melech Mechaya


video



.
.
7.ENRIQUEÇA A
 SUA BIBLIOTECA










.
.
 VIDA SELVAGEM

video



.
.


BOM DIA







.