quinta-feira, 13 de junho de 2013

UMA GRAÇA PARA O FIM DO DIA


 . 
  
1-BRASÍLIA

O SONHO VIÁVEL



Fonte: Jackson7ification

.
HOJE NO
" DIÁRIO DE NOTÍCIAS 
DA MADEIRA"

Tribunal de Contas detectou 
3,85 mil milhões de ilegalidades 
nas contas da Madeira

O valor das ilegalidades evidenciadas nos pareceres sobre as contas de 2010 e 2011 da Região Autónoma da Madeira (RAM) foi de 3,85 mil milhões de euros, revelou hoje o Tribunal de Contas.
 "4,376 mil milhões de euros consubstancia o valor das ilegalidades espelhadas nos relatórios de fiscalização sucessiva e 3,85 mil milhões de euros o valor das ilegalidades evidenciadas nos pareceres sobre as contas da RAM de 2010 e 2011 relacionadas, sobretudo, com as situações irregulares que deram origem ao pedido de assistência financeira formulado em 2011", lê-se no relatório de atividades da Secção Regional da Madeira do Tribunal de Contas (TdC) relativo ao ano passado.
O documento ressalva, contudo, que "o montante imputado a uma ilegalidade pode estar evidenciado simultaneamente no parecer e nos relatórios de fiscalização sucessiva em que a situação irregular foi detetada, originando uma sobreavaliação do valor total das irregularidades".

"Tal é o caso, por exemplo, da ultrapassagem dos limites de endividamento em 2010 e em 2011 e, bem assim, da falta de reporte de encargos à DGO [Direção-Geral do Orçamento]", refere o relatório.
Na sequência da dívida pública, na ordem dos seis mil milhões de euros, o Governo da Madeira solicitou ajuda financeira ao Estado português, que culminou na assinatura do Programa de Ajustamento Económico e Financeiro da região a 27 de janeiro de 2012 e de um contrato de financiamento de 1.500 milhões de euros.
 Segundo o relatório de atividades, o ano passado esta secção decidiu 117 processos de fiscalização prévia, correspondendo a uma despesa controlada na ordem dos 209 milhões de euros, e visou 24 contratos com recomendações, representativos de encargos financeiros no montante de 108 milhões de euros.
O TdC informa que a dois contratos -- no valor de 5,4 milhões de euros - foi recusado o visto, atendendo à falta de acolhimento de anteriores recomendações por parte da entidade fiscalizada e por desrespeito de normas do Código dos Contratos Públicos.

O relatório acrescenta que em seis relatórios de auditoria de fiscalização concomitante foram identificadas ilegalidades/irregularidades de 3,6 milhões de euros, sendo que num outro de fiscalização prévia foram apuradas irregularidades/ilegalidades de quase meio milhão de euros.
 Além de dois pareceres sobre as contas da RAM, de 2010 e 2011, e de outro sobre a conta de 2011 da Assembleia Legislativa da Madeira, a secção do TdC aprovou nove relatórios de auditoria de fiscalização sucessiva e outro de verificação externa de contas.
O relatório indica que as 196 verificações de contas traduziram-se no controlo de um volume financeiro de 5,1 mil milhões de euros.

"No exercício da sua competência jurisdicional de efetivação de responsabilidades financeiras foram realizadas duas sessões de julgamento e proferida uma sentença absolutória", tendo ainda sido instaurados 45 processos autónomos de multa, dos quais 17 foram pagas voluntariamente.

* Digam-nos em que ano as contas da Região se mantiveram em quadro legal...

.
.
VI- O UNIVERSO


  4- SEGREDOS 

DO SOL




O Universo, inovadora série de The History Channel, utiliza imagens criadas por computadores de última geração para nos aproximar de planetas e estrelas, permitir a observação de buracos negros e cometas e testemunhar o nascimento e a morte de galáxias e sistemas solares. Uma fantástica viagem pelo cosmos...

FONTE:Gustavo Carvalho
 
.
.
HOJE NO
"AÇORIANO ORIENTAL"

Populares de Ponta Delgada contra instituição de apoio a toxicodependentes

Os sócios dos Bombeiros Voluntários de Ponta Delgada votaram hoje à noite, em assembleia-geral, contra a construção num terreno anexo ao quartel da sede de uma instituição de apoio a toxicodependentes.
 
A deslocalização para os terrenos dos bombeiros da Associação Regional de Reabilitação e Integração Sócio Cultural dos Açores (ARRISCA), que detém a exclusividade do programa de substituição por metadona, estava a ser contestada pelo conselho executivo, pais e estudantes da escola das Laranjeiras, que se localiza a poucas centenas de metros do quartel dos bombeiros.
Antes, foram os comerciantes da baixa de Ponta Delgada que manifestaram ao presidente da Câmara, José Manuel Bolieiro, a sua oposição à deslocalização da estrutura de apoio a toxicodependentes para o centro da cidade.

O vice-presidente da direção dos Bombeiros de Ponta Delgada, Carlos Resendes Cabral, declarou à agêcia Lusa, que a assembleia-geral da instituição optou por promover uma votação secreta entre os 35 sócios presentes, tendo 22 votado contra, 11 a favor e dois em branco.

* Xenofobia ou ignorância?

.
.
Sebastião Salgado


O silencioso drama
da fotografia





 .
.
 ESTA SEMANA NA

"SÁBADO"

Oito erros comuns na utilização
 do protector solar 

Não se deixe enganar pelas nuvens ou pelos protectores 'à prova de água'

O primeiro erro que pode cometer em relação ao protector solar é não usar nenhum. Para além de acelerar o envelhecimento da pele, como já deve saber, está a aumentar em muito o risco de cancro na pele.
Mas há que saber utilizá-lo: até mesmo aqueles que têm as melhores intenções podem cometer erros na altura de se protegerem. Agora que o Verão está prestes a chegar, David J. Leffell, professor de dermatologia da Yale School of Medicine, e Lisa Garner, dermatologista em Garland, Texas, em entrevista ao ‘Huffington Post’, deixam-lhe alguns conselhos sobre os erros que deve evitar na utilização do protector solar.

Quando falamos de protector solar, não pode ignorar a data de validade. Os ingredientes activos podem deteriorar-se com o tempo, afirma Garner, o que significa que quando perder a validade o protector solar vai deixar de protegê-lo. 

Mais grave ainda, uma embalagem aberta tem maior probabilidade de ficar contaminada com germes, uma vez que os conservantes deixam também de fazer efeito.

Existem produtos de maquilhagem com factor de protecção, mas a sua eficácia é duvidosa. Parte do problema é a quantidade: nunca é colocada tanta maquilhagem como protector solar. O melhor é não arriscar – de acordo com os especialistas, uma coisa nunca deve substituir a outra.

No que diz respeito ao protector solar, quantidade não é problema. Procure aplicar bastante creme, esfregando-o vigorosamente na pele. 

E se quantidade não é problema, a frequência também não. Repita o processo várias vezes enquanto estiver exposto ao sol – a maior parte das pessoas limita-se a aplicar o protector solar de manhã, o que não é suficiente para o proteger durante o dia.

Não existe tal coisa como protector solar à prova de água. Na verdade, a FDA (Food and Drug Administration, órgão do governo norte-americano responsável por garantir a segurança de muitos medicamentos, alimentos e outros produtos) já nem sequer permite que as marcas promovam os seus produtos como tal. Eles podem ser resistentes durante um maior período de tempo – 40 ou 80 minutos. E depois? Depois aplique mais, e mais, e mais.
Um dia com nuvens não é desculpa para deixar o protector solar em casa. Apesar de não conseguir sentir o calor, os raios ultravioleta podem danificar a sua pele na mesma. 

Os especialistas garantem que a diferença não é grande – se usar um protector factor 60 em vez de 30, isso não quer dizer que vai estar duas vezes mais protegido. Aplicado com a frequência e quantidade certa, um protector solar com um factor ‘normal’ é suficiente para deixá-lo protegido.

O protector solar não consegue bloquear a 100% os raios ultravioleta, e não deve ser a sua única forma de protecção contra o sol. Usar óculos, chapéu e roupa, bem como evitar as horas onde o calor está mais intenso, são comportamentos essenciais para garantir que está protegido. 

* PROTEJA-SE
.

.

ALBERTO GONÇALVES

.


Aquele Verão morno de 2013

Parece que a Grândola já não satisfaz os manifestantes que interrompem membros do Governo em cerimónias públicas. Talvez os próprios intérpretes se tenham enjoado da aborrecida cantilena, talvez andem impacientes com os fracos resultados do exercício. Certo é que do folclore alentejano saltaram brevemente para as gargalhadas forçadas, tentaram os insultos e, com a impaciência ao rubro, passaram para a agressão. 

Foi essa a estratégia adoptada por um sr. Manuel Cruz, descrito na imprensa como antigo dirigente sindical, ao abordar a ministra da Agricultura e Etecetera com um cartaz e o segurança da ministra com um murro, evidente na transmissão da SIC Notícias e omitido em outros canais. Detido pela PSP, o sr. Cruz exibia o sorriso de quem alcançou o digníssimo estatuto de mártir. Se calhar está enganado.

Por uma vez, vasculhei todos os sites jornalísticos disponíveis e empenhei-me a percorrer os comentários dos leitores à notícia. Poucos, muito poucos, eram simpáticos para com o sr. Cruz, ainda que poucos, muito poucos, mostrassem defender as exactas figuras que o sr. Cruz deseja ver demitidas. Percebo o povo: ao contrário do que sugere imerecida fama, também eu sinto escassa consideração pela estatista gente que nos tutela - e consideração nenhuma pela dra. Cristas, que aliás não destoaria num comité do Bloco de Esquerda.

Porém, tal facto não me dá o direito de perseguir a dra. Cristas ou quem me aprouver sob o pretexto de que a legitimidade eleitoral é irrelevante quando comparada com as minhas opiniões. Sabotar a lengalenga de governantes não é apenas um acto de má-criação, tolerável na medida em que os governantes mostram igualmente um respeito residual pelos cidadãos: é uma exibição de credenciais democráticas ou, melhor dizendo, da falta delas. Por terrível que a situação seja, é de crer que seria bastante pior caso a desdita a entregasse aos "espontâneos" autores dos protestos. Por mais que algumas pessoas estejam fartas de um Governo, convém evitar a tentação de falarem por todas as restantes. E, já agora, de impedir que as restantes falem. 

Sendo notório que, conforme se repete por aí, os portugueses andam irritados com os senhores que desastradamente os tutelam, não consta que andem menos desiludidos face às alternativas e, sobretudo, menos ofendidos com umas dúzias de usurpadores da escolha colectiva, desejos de transformar o descontentamento num caos sobre o qual possam reinar. Com a irresponsabilidade que ornamenta a sua reforma, por exemplo Mário Soares desatou a lançar avisos que soam a ameaças de violência popular. Óptimo para ele, mas numa época em que o dr. Soares ocupava o lado oposto da trincheira, a violência saiu pela culatra dos instigadores. Principalmente a norte, o Verão Quente de 1975 não se deveu à meteorologia: se neste 2013 fresquinho o bom povo não mexerá uma palha na protecção de um Governo trôpego, é possível que mexa duas na defesa da liberdade. Fica a ameaça, perdão, o aviso. 

Domingo, 2 de Junho
Jurisprudência
O juiz Rui Teixeira, que combateu prepotências diversas na instrução do processo Casa Pia, voltou a desafiar os poderes instituídos e os difusos e proibiu os pareceres técnicos do sector da reinserção social de usarem a mistela linguística a que se chama Acordo Ortográfico. É lê-lo: "Fica advertida que deverá apresentar as peças em Língua Portuguesa e sem erros ortográficos decorrentes da aplicação da Resolução do Conselho de Ministros 8/2011, (...) a qual apenas vincula o Governo e não os tribunais." E prossegue: "Nos tribunais, pelo menos neste, os factos não são fatos, as actas não são uma forma do verbo atar (...) e a Língua Portuguesa permanece inalterada até ordem em contrário." Numa época em que a palavra "irreverente" se aplica às criaturas mais conformistas da Terra, eis um caso de irreverência autêntica. Às vezes, só às vezes, um magistrado que desrespeita a lei apenas prova a imensa estupidez desta. 

Quinta-feira, 6 de Junho
"Rigor mortis"
A nossa imprensa noticiou o homicídio, em Paris, de um "militante de extrema-esquerda" às mãos de um bando de "extrema-direita e neonazi". Os pormenores lexicais são todo um programa. Repare-se, para começar, que o jovem assassinado não teve direito a epíteto de "neoestalinista", "neomaoista" ou "neo-albanês": identificá-lo apenas como pertencente à "extrema-esquerda" basta e não compromete a inocência. Depois, note-se que os assassinos não mereceram a palavrinha "alegados", que costuma acompanhar casos de violência sempre que a violência é perpetrada por certos grupos. Por fim, apesar de tudo, sublinhe-se a especificidade das classificações, inexistente quando os criminosos partilham outras crenças, por regra omitidas nas notícias que tratam de outras vítimas, pelos vistos menos respeitáveis, e outras mortes, evidentemente menos interessantes. 

Sexta-feira, 7 de Junho
O refúgio do liberalismo em Portugal
Há muito tempo que não vejo jogos de futebol. Há pouco que comecei a ver com frequência debates televisivos sobre futebol, do Trio de Ataque ao Prolongamento, de O Dia Seguinte ao Mais Futebol. São, como se diz que Coimbra foi, uma lição. Desde logo, sobre a capacidade humana de repetir oito a doze vezes por minuto a palavra "estrutura" enquanto sinónimo de direcção, organização ou hierarquia. Porém, o vago marxismo lexical termina aí: os debates principalmente revelam hordas de liberais, "neo" ou "ultra", que, para nosso azar, não existem nas demais dimensões do país.
No mundo dos comentadores da bola, as ideias dominantes que determinaram a corrente e desgraçada situação pátria encontram-se viradas do avesso. Lá, ninguém hesita em defender que o treinador X ou o jogador Z acabem sumariamente demitidos por incompetência. Ninguém estranha que os salários, mesmo que desmesurados, sejam proporcionais ao mérito. Ninguém culpa os ricos. Ninguém despreza a necessidade de exigência. Ninguém deixa de louvar os clubes que se governam com orçamentos equilibrados e minúsculos. Ninguém apoia a irresponsabilidade. Ninguém se lembra de incentivar o recurso ao crédito para investimentos ruinosos. Ninguém percebe as equipas com plantéis excedentários. Ninguém propõe a imposição da igualdade em detrimento da liberdade. Ninguém atribui às vitórias da Alemanha as causas da penúria indígena. Ninguém legitima a promoção da violência dentro e fora do campo. Ninguém abomina a concorrência. Etc.
Para alguns, entre os quais me incluo, o futebol pode não passar de um aborrecimento de hora e meia (mais uns minutos no caso do Benfica). Já a conversa em redor do futebol, à primeira e segunda vistas um aborrecimento maior, é, quando esmiuçada com detalhe, não só uma lição, insisto, mas um refúgio e um consolo perante o socialismo que contamina o resto da sociedade. O futebol não é socialista. Se não me obrigar a vê-lo, que Deus o proteja.

Antes a morte
Operático como de costume, Freitas do Amaral irrompeu a explicar que a crise vigente só é comparável à de 1383--85 e ao jugo Filipino, dado que está em causa a independência nacional. É lá com ele, que culpa a política alemã pelas agruras internas, além, claro, do Governo actual. O prof. Freitas não culpa qualquer governo anterior, incluindo aquele a que emprestou a portentosa lucidez e que, por acaso, apressou a descida de Portugal aos abismos como nenhum outro. Não admira. Após uma ausência de que ninguém dera conta, o prof. Freitas regressou recentemente à emissão regular do tipo de palpites que definem a sua natureza, talvez com esperança de se tornar "presidenciável" a médio prazo. Eu, que já vi de tudo, não digo nada, excepto que seria preferível perder a independência entretanto.

IN "DIÁRIO DE NOTÍCIAS"
09/06/13

.
.

HOJE NO

" CORREIO DA MANHÃ"


Os segredos mais obscenos
 de Kim Jong-il

O falecido líder da Coreia do Norte gostava de gastar 700 mil euros em conhaque, tinha um exército sexual de jovens com 16 anos e viajava até Pequim, China, para comprar um hambúrguer no McDonald's.
 Numa entrevista à revista ‘GQ', Kenji Fujimoto - conselheiro pessoal, ajudante e homem de confiança de Kim Jong-il - contou todos os segredos do falecido chefe de Estado, oficialmente chamado de "Querido Líder" na Coreia do Norte.
Além de exigir que verificassem todos os grãos de arroz que comia, Kim Jong-il gostava de beber vinho e ver filmes do Schwarzenegger, assegura Fujimoto à revista.
Segundo o em tempos seu conselheiro pessoal, o "Querido Líder" tinha particular gosto por festas e ‘bebedeiras'.

Na sua adega tinha mais de cem mil garrafas, que serviam para animar as festas que se prolongavam até de madrugada. 

RAPAR CABELOS E PÊLOS PÚBICOS
Nestas festas, eram habituais jogos perigosos e Kim Jong-il gostava de obrigar os seus convidados a rapar o cabelo e os pelos dos testículos.

Kenji Fujimoto - que não quis revelar o seu nome real - era brindado com mulheres bonitas, enquanto trabalhou para Kim Jong-il. Mais tarde veio saber que essas mulheres eram sequestradas de outros países para satisfazerem as necessidades sexuais de Kim Jong-il e dos servos em seu redor.
Os raptos acabaram posteriormente e as mulheres coreanas passaram a ser recrutadas aos 16 anos, à força, para pertencerem ao exército sexual do ditador norte-coreano.
À mesma publicação, Fujimoto também revelou que Kim Jong-il criou um instituto que se dedicava a estudar formas de prolongar a vida de uma pessoa.

* Imagine-se, já ninguém se admira com as depravações dos ditadores.

.
.


III-ORIGENS  
 CÉREBRO



 Fonte : ReVCieN

.
.

HOJE NO
"O PRIMEIRO DE JANEIRO"

Governo marca eleições autárquicas 
para 29 de setembro 

O Conselho de Ministros decidiu hoje marcar as eleições autárquicas para dia 29 de setembro.O ministro da Administração Interna, Miguel Macedo, afirmou que após a "ponderação dos argumentos" apresentados pelos partidos com assento parlamentar nas audiências de quarta-feira com o primeiro-ministro, Passos Coelho, sobre este tema, 29 de setembro é "uma data de compromisso". 


Os partidos da maioria PSD/CDS-PP propuseram a data de 22 de setembro, o PS o dia 13 de outubro, o PCP o dia 6 de outubro, o BE o dia 13 de outubro e "Os Verdes" o dia 6 ou o dia 13 de outubro. "A generalidade dos partidos que optaram pelo mês de outubro realçaram a circunstância de o dia 13 de outubro ser tradicionalmente uma data onde há uma peregrinação de grande significado", afirmou Miguel Macedo sobre a peregrinação católica a Fátima, que só foi, contudo, assumida como fator de ponderação pelo PCP, que face a esse acontecimento disse preferir o dia 6 de outubro.

 Por outro lado, "a marcação da data para dia 6 de outubro significaria que as comemorações da República se verificariam no dia da reflexão que está determinado por lei", acrescentou Macedo, referindo também que a 29 de setembro "já estão em pleno aulas de todos os alunos" e é também "relevante" que, com esta data, o período legal de campanha eleitoral seja já na segunda quinzena de setembro. Miguel Macedo rejeitou os argumentos da oposição segundo os quais o Governo queria afastar a apresentação do Orçamento do Estado do período eleitoral, reiterando que o Orçamento de 2014 tem já "com grande antecedência previstas as metas e objetivos" e tem sido "objeto de ampla discussão nos últimos meses".
 
A VISÃO BRASILEIRA
 O ministro disse que a marcação da data das eleições tem que se verificar, com a publicação do decreto, até ao dia 11 de julho, e que a apresentação das candidaturas tem que ocorrer até ao dia 5 de agosto. Sobre a adequação dos cadernos eleitorais à nova organização administrativa, Macedo disse que já 12 dos 18 distritos têm "fechados os trabalhos prévios para o encerramento dos cadernos eleitorais e estão em bom ritmo e bom andamento os restantes distritos". "Não tenho nenhum sinal neste momento de alarme em relação a essa situação, muito embora, a dificuldade dos procedimentos que têm que ocorrer em tempo estejam sempre presentes no nosso espírito. Há uma vigilância acrescida sobre a forma como isto tudo esta a correr", declarou.

 CAMPANHA COMEÇA A 17 E TERMINA A 27 
A campanha eleitoral para as eleições autárquicas realiza-se entre 17 e 27 de setembro, segundo a lei eleitoral dos órgãos das autarquias locais. A lei eleitoral dos órgãos das autarquias locais refere que a campanha eleitoral inicia-se no 12.º dia anterior e acaba à meia-noite da antevéspera do dia designado para as eleições. Na conferência de imprensa realizada após o Conselho de Ministros, o ministro da Administração Interna, Miguel Macedo, afirmou que a marcação da data das eleições tem que se verificar, com a publicação do decreto, até ao dia 11 de julho, e que apresentação das candidaturas tem que ocorrer até ao dia 5 de agosto.

* Vamos lá eleger homens sério e acabar com os caciques locais!

.
.

MARCHAS DE LISBOA






.
.
HOJE NO

" DIÁRIO DE NOTÍCIAS"

Eleita da Liga Norte apela 
a violar ministra italo-congolesa

Uma deputada regional da Liga Norte apelou ontem à violação da ministra da ministra da Integração italiana, a italo-congolesa Cécile Kyenge, causando a indignação entre a classe política do país e levando á sua expulsão do partido anti-imigração. 

"Mas não haverá quem a viole de uma vez, para ela perceber o que sente uma vítima desse terrível crime? É uma vergonha!", exclamou no Facebook Dolores Valandro, conselheira da região de Pádua, colocando uma foto de Kyenge na rede social. Valandro comentava um artigo de um site especializado intitulado "Todos os crimes do imigrantes". Desde a sua chegada ao Governo, em abril, Kyenge já foi alvo de vários ataques.

*
Racismo Italiano ataca 
Cecile Kyenge, a ministra negra 

A formação do novo Governo italiano, antecedido de momentos exaltantes e até violentos, que marcou rotura com a sociedade de “mamma mia” a ter na sua composição uma ministra negra, oriunda de um país não colonizado pela antiga potência de expansão europeia na Líbia, Somália e Eritreia, trouxe, uma vez mais a ribalta, o racismo acampado da civilização europeia.

De seu nome Cecile Kyenge, a emigrante do Congo Democrático que chegou a Itália, aos dezoito anos de idade, é casada com um italiano e mãe de duas filhas, beneficiando-se de nacionalidade italiana.
Chegada em 1983 a Itália, Kyenge que tem 49 anos, é médica oftalmologista e foi eleita deputada do Partido Democrata nas eleições de Fevereiro último. Discriminada de “macaca congolesa” ou “zulua” na sua longa luta pela concessão de cidadania aos nascidos em Itália, independentemente da origem dos pais, tornou-se na primeira negra no Parlamento italiano.

Depois de dois meses de eleições gerais de Fevereiro que mergulharam a Itália num impasse político, Enrico Letta, de 46 anos e Chefe do Governo, conseguiu a aprovação dos 17 nomes para os ministérios com Cecile Kyenge, a ser sancionada no final de Abril findo para o Governo pelo presidente da Itália, Giorgio Napolitano, que declarou “esperar que esse governo possa trabalhar rapidamente no espírito de cooperação fervorosa sem qualquer preconceito ou conflito,” antevendo reacções contra a Ministra negra.

Reagindo a sua nomeação, a Ministra de Integração declarou que “é uma decisão que mostra um passo decisivo para mudar a Itália e o modo de ver a integração que já é presente no país. Para mim, é uma grande satisfação.”

A Ministra Kyenge que começou a arrumar a casa com a protecção dos emigrantes que de acordo com o Partido Democrata, “é necessário dar uma resposta jurídica aos quase um milhão de menores, filhos de pais estrangeiros que vivem no limbo burocrático porque esperam obter a cidadania italiana, já que nasceram e cresceram na península” mediterrânica, não teve peito para parar aos insultos racistas de militantes de extrema-direita italiana manifestando-se contra a concessão de nacionalidade aos menores estrangeiros nascidos na Itália.

“Kyenge, vá para o Congo”. Lia-se num cartaz colocado na sede do Partido Democrata.
“Não podemos presentear com a cidadania italiana pessoas estranhas à nossa cultura. Também não acreditamos num modelo de sociedade multirracial como a dos bairros periféricos de Paris“, afirmou num comunicado o grupo de extrema-direita Forza Nuova comparando a vizinha França.

IN "TÉLA NÓN"
16/05/13

.

.

GINÁSTICA RÍTMICA




.
.
HOJE NO

" RECORD"

Presidente da AMA lamenta falta de dinheiro na luta antidoping

O presidente da Agência Mundial Antidopagem (AMA), John Fahey, lamentou a falta de meios consagrados à luta contra o doping, numa audição perante a comissão de inquérito do Senado francês sobre a eficácia deste combate.

"A luta contra o doping tem falta de meios financeiros. Como podemos lutar eficazmente com um orçamento de 28 milhões de dólares (cerca de 21 milhões de euros) - o orçamento da AMA?", questionou. "Não é realista. Se queremos proteger a saúde dos jovens atletas e os sonhos de todos os que praticam desporto de forma limpa, precisamos de aumentar as nossas fontes de financiamento, encontrar novas fontes diretas e indiretas", acrescentou.
John Fahey, que deixará o cargo após seis anos de mandato, defendeu a criminalização do consumo de produtos dopantes, uma medida dissuasora que não pode exigir a Estados soberanos. "O parlamento norueguês aprovou a criminalização do consumo e a posse de produtos dopantes e eu felicito-o. Quanto mais as leis são apertadas, mais a luta é eficaz", afirmou.

John Fahey foi o último a falar perante os senadores franceses desta comissão, que ouviu mais de 80 pessoas ao longo dos últimos três, entre os quais Laurent Jalabert (ex-ciclista), Didier Deschamps (selecionador francês de futebol) e Jeannie Longo (ciclista), ouvidos à porta fechada, ou Travis Tygart, presidente da Agência Antidopagem dos Estados Unidos.

Os senadores têm agora um mês para redigir um relatório, que deverá estar pronto para validação a 10 de julho, antes de ser publicado a 18. Ouvida na quarta-feira, a ministra dos Desportos francesa, Valérie Fourneyron, confirmou que esse texto será uma das referências da componente antidopagem da lei-quadro sobre o desporto que ela apresentará no final do ano.

* Falta  dinheiro no sítio certo e abunda no errado.

.
.

DOUTRO SÉCULO



SANTO ANTÓNIO


DE LISBOA


DiarioLisboa35marchas  
As Marchas de Lisboa na noite de Santo António tiveram início em 1932, por iniciativa de Leitão de Barros, instigado pelo administrador do Parque Mayer – Dr. Campos Figueira, segundo o Professor Appio Sottomayor - o grande olisipógrafo e estudioso da história de Lisboa e das suas Marchas e, cultor da memória de Norberto de Araújo.











TRONO DE SANTO ANTÓNIO


  .
.
 HOJE NO
" JORNAL DE NOTÍCIAS"

Sindicatos dos professores pedem negociação suplementar ao Ministério

A Federação Nacional da Educação apresentou, esta quinta-feira, ao Ministério da Educação o pedido de negociação suplementar, anunciou o secretário-geral da organização, João Dias da Silva.
 Os sindicatos de professores estão reunidos em Lisboa para preparar a manifestação de sábado e a greve de segunda-feira, mas Dias da Silva disse que as diferentes organizações sindicais "estão disponíveis para o diálogo, a negociação e para a procura de soluções".

"Apesar de estarmos com este trabalho de preparação da manifestação e da greve, não podemos deixar de estar disponíveis para o diálogo a qualquer momento", afirmou Dias da Silva.
Na quarta-feira, o secretário-geral da Federação Nacional de Professores (Fenprof), Mário Nogueira, tinha anunciado que os sindicatos afetos àquela federação tinham decidido requerer, na sexta-feira, a reabertura do processo negocial junto do Ministério da Educação.

Os sindicatos de professores convocaram uma manifestação para sábado, em Lisboa, e uma greve na segunda-feira, 17 de junho, primeiro dia dos exames do ensino secundário.
Os professores também estão em greve às avaliações, até ao dia 21.
Os sindicatos contestam a aplicação do sistema de mobilidade aos professores e o aumento do horário de trabalho de 35 para 40 horas semanais.

* Quase uma guerra civil

.
.
EXPECTATIVA E 
REALIDADE NA PRAIA 



.
.
HOJE NO
"i"

TC acha muito difícil responsabilizar titulares de cargos políticos

António Cluny, representante do Ministério Público junto do Tribunal de Contas, defende aperfeiçoamento da legislação em vigor

O número de casos notificados pelo Tribunal de Contas (TC) ao Ministério Público dos processos que levaram os magistrados a requerer julgamento baixaram em 2012.
De acordo com o relatório de actividades do TC, a que o i teve acesso, os serviços do organismo liderado por Guilherme d'Oliveira Martins notificaram 59 processos ao MP o ano passado, mas só 12 casos avançaram para os tribunais e 18 foram arquivados. Um ano antes tinham sido 80, dos quais 20 foram a julgamento e 34 arquivados.
 
OLIVEIRA MARTINS
Confrontado pelo i com estes números, um dos representantes do MP junto do TC, António Cluny, explicou que este decréscimo se deve a várias razões. Além da diminuição do número de processos notificados, o magistrado referiu que os relatórios nem sempre evidenciam "detalhadamente os factos apurados nas auditorias para que se possa avançar com a responsabilização".
"Há uma dificuldade das equipas de auditoria [do TC], pois uma coisa é detectar irregularidades, outra coisa é saber configurar essas irregularidades como infracções do ponto de vista criminal", afirmou António Cluny, que apontou ainda a necessidade de melhorar a legislação.
"Há uma dificuldade do ponto de vista da legislação em imputar a responsabilização dos titulares de cargos políticos. É uma matéria que deveria ser mais aperfeiçoada, pois há ainda muitas restrições, designadamente das autarquias", defendeu o magistrado do Ministério Público, frisando que esta situação "não depende nem do MP nem do TC".

Uma das razões apontadas para o arquivamento de alguns processos prende-se com a entrada em vigor do novo Código da Contratação Pública, aprovado em 2008, que "descriminalizou algumas infracções em virtude de se configurar como lei mais favorável".
Outra das justificações é mesmo "a falta de todos os pressupostos da responsabilidade financeira, designadamente o elemento subjectivo das infracções".
Por outro lado, muitos dos infractores preferem pagar as multas ou repor o dinheiro a ir a julgamento. "Temos conseguido cobrar mais multas e as pessoas preferem pagar a ser julgadas", disse. Com efeito, o número de processos que se extinguiram por pagamento voluntário dos infractores subiu para 28 (mais três do que em 2012).

O relatório do TC revela que, em matéria de pagamento voluntário após a notificação do MP, foram instaurados 62 processos, envolvendo 144 demandados e um montante da ordem dos 306 mil euros. Em 2011 tinham sido abertos cerca de metade dos processos (33), abrangendo 105 pessoas e multas no valor de 192 mil euros. Dos processos que foram julgados nove tiveram uma sentença condenatória e em três houve lugar à conversão de reposição em pagamento da multa. Foram ainda comunicados aos tribunais 20 crimes de desobediência qualificada por falta de apresentação de contas ou documentos. Em seis houve lugar à dissolução do órgão autárquico.

* Façam o favor de explicar ao povo porque é que o Tribunal de Contas não julga os actos perdulários, corruptos, de nepotismo e de má gestão dos governantes. De que serve ter à frente deste orgão um homem eminentemente muito sério, Guilherme de Oliveira Martins, se se riem na cara dele?

.
.
TANTO PARA VIAJAR
COMO PARA 
  APALERMAR



T-SHIRT COM SINALIZAÇÃO DE VIAGEM

CÂMARA MEDINDO UMA POLEGADA

BALANÇA PORTÁTIL



ADESIVOS DE PUDOR

VENTOÍNHA LIGADA POR USB


CUECAS PORTA NOTAS

BIDÉ DE MÃO



TRANSPORTE DE BICHEZA



T-SHIRT COM ANTENA HI-FI



PIJAMA DE VIAGEM

ALMOFADA PERMANENTE
 .
.
HOJE NO
"A BOLA"

A norte e centro se festejam 
as bodas de diamante da Volta

Na contagem decrescente para a Volta a Portugal, que decorre entre 7 e 18 de agosto e poderá ser oficialmente apresentada dentro de alguns dias, A BOLA avança com as partidas e chegadas das etapas, naturalmente sujeitas a confirmação por parte da organização, em virtude de as negociações ainda não estarem totalmente encerradas.
RETIRAR CORES LARANJA
AMARELA E AZUL CLARA

O facto de a PAD ter novos proprietários em nada mudou a filosofia implantada nos anos anteriores, porque mais uma vez a competição vai disputar-se a norte do rio Tejo, com Alentejo e Algarve a ficarem fora do mapa, o mesmo acontecendo com o nordeste transmontano.

Para que esta situação se mantenha, têm contribuído os compromissos assumidos com contratos plurianuais, que deixam o diretor geral, Joaquim Gomes, sem grande margem de manobra para dar outra visibilidade à corrida, que mais uma vez não traz nada de novo a não ser o contrarrelógio por equipas, parando no tempo por falta de alternativas e de iniciativas, no ano em que se comemoram as Bodas de Diamante.

ETAPAS DA 75.ª VOLTA A PORTUGAL (7 a 18 de agosto de 2013)
Dia 07/08/ Prólogo/ Lisboa (CRE)
Dia 08/08/ 1./ª Bombarral Aveiro
Dia 09/08/ 2.ª/ Oliveira Azeméis Viana do Castelo
Dia 10/08 /3.ª/ Trofa Fafe
Dia 11/08 /4.ª/ Arouca Senhora da Graça
Dia 12/08 /5.ª/ Lousada Oliveira do Bairro
Dia 13/08 Descanso
Dia 14/08 /6.ª/ Sertã Castelo Branco
Dia 15/08 /7.ª/ Termas Monfortinho Gouveia
Dia 16/08 /8.ª/ Oliveira do Hospital Torre
Dia 17/08 /9.ª/ Sabugal Guarda (CRI)
Dia 18/08 /10.ª/ Viseu (?) - Viseu 

* Portugal acaba no Tejo, estamos a viver no reinado de D. Sancho II????