domingo, 18 de novembro de 2012

UMA GRAÇA PARA O FIM DO DIA

,


Maria farta da apatia sexual do marido, compra uma lingerie preta!
Na cama, Manel pergunta:
- De calcinha preta?

Maria responde:
- Pila morta, passarinha de luto...




.
.
4.AS PUDOREZAS
















.

.

3. O CORPO



EM NÚMEROS





,
-


 ECO-CONDUÇÃO


video

 Começamos agora uma viagem pela eco-condução. Diz lhe alguma coisa? Para além de mais segura é mais eficiente; reduz as emissões de gases com efeitos de estufa e outros poluentes, bem como o consumo de combustível. Não esqueçamos a diminuição do desgaste do veículo e mais importante: o conforto e a segurança dos passageiros aumenta de forma significativa.


 Enviado por

.
.


DESCARAMENTO !!!!!!!!!!!!!

,
.

O ÓDIO MATA




DIGA NÃO AO RACISMO!!!!!


.

MARIANA MATOS

 .


 O fim das coisas

Podemos recorrer aos santos, apelar a que nos ajudem, que não caiam das simpáticas prateleiras, onde outras mãos os plantaram, como se fosse possível dar dimensão real e fidedigna às suas figuras.

Para tudo há códigos, para o modo como nos sentámos, para a destreza (ou falta dela) com que nos levantámos dos pesados fatos em que nos enfiamos a vida inteira, qual adereço.
Este não é um texto do estilo “70 x 7”. É um texto zangado. Um texto embrulhado nas vozes diárias, um texto que de tão mastigado, podia ser como o verso do poema de Fernando Pessoa, que finge a dor que deveras sente.

Sentir deveras é absoluto. Não há espaço (já) para muitos bocados; para infiltrados que se forjam a responder “presente”, ou sequer para outros que sendo mais cobardes se escondem entre as cortinas, esvoaçando como libelinhas…

Era uma vez uma vida. (Quantas conhecemos?). Uma vida mais pesada que os santos nos altares. Era uma vez uns olhos verdes. Era uma vez uma mão carnal e humana. Era uma vez uma vez que se foi sem deixar rasto. Nenhum. Nem sequer uma sombra (como as sombras chinesas), nem sequer um recado escrito à pressa num guardanapo dos antigos de natal (com sinos nas pontas e natal em várias línguas) com caneta falhada e palavras incompletas. Nem sequer um som. Nada.

Era uma vez a vida virada do avesso a revirar-se por dentro como as entranhas dos peixes, a desfiar-se nos dedos como os colares de contas coloridas.

Era uma vez o tempo que se inventava. O instante em que parecemos loucos. O segundo em que nos agarramos ao relógio pedindo-lhe que pare, que ponha pausa nos ponteiros, que não toque, que não grite as horas, que finja qualquer coisa como poder atrás para trás.
Era uma vez a idade. A palavra idade com que termina a vaidade e a cidade. A calamidade. A felicidade. A facilidade. A enormidade. A festividade e a brutalidade estúpida com que se diz era uma vez uma vida.

Perdemos demasiado tempo, perdendo tempo (disseram-me). Perdemos. Mas como nos dar conta dessa perda quando a elasticidade (idade elástica?) nos morre em cima e não temos força para resistir?
Vontade devia dizer-se “Vontidade” e escrever-se assim como a idade que fazemos (com vontade) de soprar as velas e passar mais um ano, enquanto for permitido.
Morre-se num ápice. Quando, mesmo por engano, se entra “morte adentro”. A morte, essa vadia, de nome feminino, é uma vadia. A vida um enredo curioso. E depois?
Há o lado bê. Bê de banalidade. Este texto é isto: uma banalidade.
Tão banal como ver santos em cima das prateleiras a sorrir (sempre a sorrir) com as suas aureolas e a olhar para nós, os humanos (de carne e osso), esses seres que morrem, entre nós, como se fossem plantas.
Era uma vez uma vida e o que não se pode contar dela, porque não se é boa a adivinhar o fim das coisas.

 IN  "AÇORIANO ORIENTAL"
14/11/12

.
.
 Ainda há gente 
muito boa


video



.
.

E R O S





.

CUIDE DAS CRIANÇAS

DAS SUAS E DAS DOS OUTROS

TODOS OS DIAS

.
LUIS PIÇARRA

MORENA DA RAIA




.

6.Contrariando 
a gravidade




.
.

  6-SOBRE RODAS





.
.
  H2O


  Filme de animação criado pelos alunos de Oficina de Artes da turma 12ºD da Escola Secundária de Júlio Dantas, Lagos. 
Afinal temos juventude promissora!


.
.
5.Contrariando 
a gravidade



.
.
 5-SOBRE RODAS



.
 .

 PEIDA DE EMPREGO


Marinha abre concurso para
. licenciados até 27 anos de idade

Está aberto concurso, até ao dia 07 de dezembro, para admissão de voluntários para a prestação de serviço em regime de contrato na Categoria de Oficial Técnico Superior Naval (TSN) e Oficial Técnico Naval (TN) com licenciaturas nos cursos de:

Direito 
Enfermagem
Educação Física
Medicina Dentária
Estatística ou Matemática e Estatística
Línguas e literaturas estrangeiras – Inglês
Engenharia Civil
Geologia ou Geofísica
Engenharia Têxtil/Vestuário
Ciências da Nutrição ou Dietética e Nutrição


Agarra esta oportunidade.
A tua carreira começa aqui.

Divulga e partilha pelos teus amigos.

Sabe mais em: http://recrutamento.marinha.pt/PT/ConcursoAdmissao/ConcursosEmVigor/Pages/Concurso-de-Admissão-Categoria-Oficial-Técnico-Superior-Naval-e-Oficial-Técnico-Naval.aspx


.
4.Contrariando 
a gravidade



.
.
  4-SOBRE RODAS



.
.

 BEM VINDOS AOS USA














.
.
3.Contrariando 
a gravidade





.
.
  3-SOBRE RODAS




.
.
PELAS LENTES DA NATGEO


















.
.
2.Contrariando 
a gravidade




.
.
  2-SOBRE RODAS





.
.
URBANAMENTE