quinta-feira, 16 de agosto de 2012

UMA GRAÇA PARA O FIM DO DIA


.
o tempo do fogo
(cuspir fogo a 2000 fotos por segundo)


 
from Chris Bolton on Vimeo.

v
.
 A FAMOSA 404













.
.

 AGRESSÃO!
SIM OU NÃO?


  

COMENTE SFF

.
.


SEXO 



                                         SEM


          Travões



  


.

LUÍSA ARROZ ALBUQUERQUE



O verdadeiro desperdício

Exceptue-se Guimarães, e um pouco por todo o território diminuem-se, em simultâneo, orçamentos autárquicos e mecenáticos, condenando-se todo um sector a uma agonia desesperante e o País a um movimento depressivo e silencioso.

Ainda nos lembramos bem da tese de que o fim do Ministério da Cultura significaria mais uns euros para a cultura, poupadas que seriam as gorduras de uma máquina pesada que gastaria em si e para si os poucos recursos destinados à "cultura". Acreditou quem quis, menosprezando as desvantagens de uma secundarização da cultura nas estruturas de decisão do Governo. E os resultados estão à vista: a redução drástica do orçamento nacional, o desemprego galopante entre agentes do campo de produção cultural, o fecho entristecido de associações artístico-culturais. Exceptue-se Guimarães, e um pouco por todo o território diminuem-se, em simultâneo, orçamentos autárquicos e mecenáticos, condenando-se todo um sector a uma agonia desesperante e o País a um movimento depressivo e silencioso.
Os cortes no financiamento público na cultura são ainda acompanhados com um grito à mudança de modelo de financiamento alicerçado na panaceia neoliberal que caracteriza a Europa de hoje. E o resultado não poderia ser pior: sem públicos que possam consumir, sem empresas que possam contribuir e sem Estado para financiar, o cenário não poderia ser outro. Mesmo que não se discorde da mudança, ninguém no seu perfeito juízo poderá concordar com o ‘timing' escolhido para a impor.
No caso português, as medidas governamentais não escapam também às comparações com os anos 30 em que, impondo uma paralisação nas trocas culturais, se suspendem as bolsas a estudantes portugueses no estrangeiro e ao Teatro Nacional, tal como hoje se acaba com o programa INOVartes (não esquecendo as mudanças nas bolsas da FCT) e se suspendem, adiando sine die, a concessão de apoios às estruturas de produção cultural.
Combatida a fragilidade persistente das instituições culturais a partir de meados da década de 90, com a subida lenta mas estável de alguns indicadores de participação cultural e da construção de uma política cultural através do Ministério da Cultura, muito ajudada pela integração europeia, esperava-se agora uma aposta no combate ao problema endémico da baixa qualificação do sector cultural e uma institucionalização de práticas, políticas e agentes que consolidassem uma área tão fundamental à economia do país, à semelhança do que nas décadas anteriores ocorreu na ciência. A poupança de uns tostões (o orçamento da Cultura nunca passou disso) é, por isso mesmo, o desperdício não só de uma ferramenta fundamental para a saída da crise, mas também do investimento iniciado anteriormente.
Se não fora apenas pela cultura em si, a sociedade do conhecimento impõe a criatividade como competência fundamental: o conhecimento e a inovação dependem, precisamente, dessa criatividade e a economia depende dela para inovar e ela precisa de formas diversas de lazer e cidades preparadas para a desbloquear.


Professora ESAD.CR


IN "DIÁRIO ECONÓMICO"
14/08/12

.


AS 100 MELHORES CANÇÕES DOS ANOS 80

(PARA A NME)
 .
Nº9
BUFFALO STANCE
.NENEH CHERRY



.

b
.

 SUPER MARKETING














.
 ...
.

Pelos céus do Butão


Durante 10 minutos imagine.se no cockoit dum avião sobre a cordilheira dos Himalaias rumo ao aeroporto de Paro no Butão, disfrute a viagem.


Butão , "Terra do Dragão") é um pequeno e fechado reino nos Himalaias, encravado entre a China, a norte e oeste, e a Índia, a leste e sul. A sua capital é Thimphu.

Capital Thimphu
Cidade mais populosa Thimphu
Língua oficial Butanês (Dzonga)
Governo Monarquia constitucional Democrática
 - Rei Jigme Khesar Namgyal Wangchuck
 - Primeiro-ministro Jigme Thinley
Independência da Índia 
 - Data 8 de agosto de 1949 
Área  
 - Total 38 394 km² (136.º)
População  
 - Estimativa de 2005 699 847[2] hab. (164.º)
 - Densidade 18,2 hab./km² 
PIB (base PPC) Estimativa de 2007
 - Total US$ 3,257 bilhões USD (2009 est.) (171.º)
 - Per capita US$ 4 700 USD (2009 est.) (147.º)
Indicadores sociais
 - IDH (2007) 0,619[3] (132.º) – médio
 - Esper. de vida 65,6 anos (133.º)
 - Mort. infantil 45,0/mil nasc. (131.º)
 - Alfabetização 47,0% (165.º)
Moeda Ngultrum; Rupia indiana (BTN; INR)
Fuso horário (UTC+6)
Cód. ISO .bt
Cód. telef. +975

.
.
1.BONITAS E DIVERTIDAS













.
.
 O que vêem
            as crianças











.
.


BOM DIA








v
b