sexta-feira, 27 de julho de 2012

UMA GRAÇA PARA O FIM DO DIA


-
 MALUCOS Q.B.













.
.

1. EXPLICANDO OS CHAKRAS




m
 .
HOJE NO
"JORNAL DE NOTÍCIAS"

Vítimas de violência doméstica 
vão ter bolsas de habitação

A secretária de Estado dos Assuntos Parlamentares e da Igualdade anunciou, esta sexta-feira, em Pombal, que está a ser ultimado um protocolo com a Associação Nacional de Municípios para criar bolsas de habitação destinadas a vítimas de violência doméstica.

A colaboração das autarquias, exemplificou Teresa Morais, pode ser assegurada através da cedência de fogos sociais e habitações devolutas que integrem o património dos municípios.
"O que se verifica um pouco por todo o país é que quando as mulheres saem das casas-abrigo e querem recomeçar a sua vida têm muita dificuldade em suportar uma renda a preços de mercado, sobretudo quando têm a seu cargo filhos menores", sublinhou a governante. 

A ideia passa por encontrar soluções céleres para casos identificados que careçam de intervenção urgente por parte das instituições, criando uma rede solidária municipal, explicou.
Teresa Morais marcou, esta sexta-feira, presença no distrito de Leiria e, durante as duas reuniões com os presidentes de Câmara da Marinha Grande e de Pombal, sensibilizou também os autarcas para a necessidade de ser elaborado um Plano Municipal para a Igualdade.
De manhã, na Marinha Grande, a secretária de Estado lembrou que em Portugal, no último ano, foram registadas 28 mil queixas de violência doméstica, sendo que 27 dos casos resultaram em homicídios num contexto de conjugalidade e relações de intimidade. 
O presidente da Câmara da Marinha Grande, Álvaro Pereira, aproveitou a reunião com a secretária de Estado para solicitar respostas urgentes a dossiês considerados prioritários para o concelho, entre eles a liquidação de dívidas do Estado de quase um milhão de euros. 

Em causa está a comparticipação nas obras relativas ao Programa Polis - Viver a Marinha Grande (625.680 euros) e um montante devido pela Direção Regional da Educação do Centro (352.000 euros), que resulta do acordo de cooperação da educação pré-escolar, bem como do programa de generalização das refeições prestadas no 1.º ciclo e atividades de enriquecimento escolar.
A construção da variante da A8 à Estrada Atlântica, a beneficiação da EN 242-2, que liga Marinha Grande a São Pedro de Moel, e a proposta de transferência dos registos e do notariado para instalações municipais situadas no Edifício Cristal Atrium foram outros dos assuntos abordados por Álvaro Pereira. 

 * Muita parra, pouca uva...

.

.
 

7.3-A IGREJA CATÓLICA

CONSTRUTORA DA CIVILIZAÇÃO


 

OS MONGES



video



Série da EWTN apresentada por Thomas E. Woods, autor do livro Como a Igreja Católica Construiu a Civilização Ocidental. 

NR: Há muito que somos zurzidos por muitos amigos e alguns visitadores, pela nossa atitude agreste, alguns dizem agressiva, em relação à igreja católica, nos vários comentários que por vezes dirigimos à estrutura ou a alguns dos seus intérpretes.
Lá nos vamos defendendo destas "vis" acusações referindo que só zurzimos em quem se põe a geito...
Mas, como apreciamos a imparcialidade decidimos editar uma série longa em defesa acérrima da igreja católica, não para nos redimirmos ou ganharmos o céu mas por respeito aos nossos amigos e visitadores que professam esta religião.
A Redacção

.


HOJE NO
"JORNAL DE NEGÓCIOS"

Rating de Portugal sofreu corte sete
 vezes superior ao que era justificável 

O estudo é da universidade suíça de St. Gallen e diz que as agências de notação financeira alimentaram o endividamento na Zona Euro ao procederem a avaliações de "rating" mais severas desde que a crise da dívida soberana começou a revelar-se em 2009. Portugal está entre os exemplos do exagero a que foi sujeito nos cortes. 
Uma análise mais detalhada à dinâmica do efeito que os cortes de “rating” da dívida tem sobre as taxas de juro revelou que, pelo menos em relação aos países com notações soberanas fora da categoria ‘A’ (que é a mais elevada), os “downgrades” erróneos, arbitrários ou abusivos podem facilmente criar as condições propícias a que de facto se justifique esse “rating”. A conclusão é de um estudo realizado pelos investigadores Manfred Gärtner e Björn Griesbach, da universidade suíça de St. Gallen.

“Conjugado com a prova de que muitos dos cortes de ‘rating’ dos países da periferia da Zona Euro parecem ter sido arbitrários e não puderam ser justificados com base nos algoritmos de ‘ratings’ que explicam as notações de outros países ou as avaliações anteriores a 2009, este resultado é bastante desconfortante. É preciso que os governos olhem mais atentamente para os mercados financeiros em geral e para os mercados das obrigações soberanas em particular, bem como para as motivações, dependências e conflitos de interesse dos principais ‘players’ desses mercados”, acrescenta o estudo, que analisou a crise da dívida soberana resultante da crise financeira e imobiliária de 2007-2009.

Baseando-se nos dados de 25 países da OCDE – incluindo Portugal – no período entre 2009 e 2011, incluindo os dados relativos ao PIB e os dados orçamentais, bem como os "ratings" atribuídos pela Fitch, os autores do estudo chegaram à conclusão que a dimensão dos cortes de “rating” foi exagerada, nomeadamente no que diz respeito aos três países já intervencionados pela troika (Grécia, Irlanda e Portugal).

Recorde-se que a crise da dívida soberana começou a ganhar forma na Zona Euro em 2009, tendo a Grécia sido o primeiro Estado-membro da união monetária a pedir ajuda externa, em Maio de 2010. Seguiu-se a Irlanda, em Novembro do mesmo ano, e Portugal em Abril de 2011.

Numa análise país a país, o estudo conclui que, relativamente a Portugal, a deterioração dos seus fundamentais fez com que a curva do “rating” soberano se desviasse em 0,62 graus entre 2009 e 2011, o que suporia um corte inferior a um nível em termos de avaliação da notação. “No entanto, o país foi cortado em oito níveis durante esse período”, sublinham os dois economistas responsáveis por esta investigação.

Assim, Manfred Gärtner e Björn Griesbach referem que as agências de notação financeira não foram consistentes nas suas avaliações, tendo ficado mais “críticas” à medida que a crise se foi adensando, atribuindo aos países, em média, um “rating” inferior em um nível para determinadas taxas de juro e outras variáveis do que antes de 2009.

Portugal, Irlanda e Grécia, que acabaram por ter de pedir ajuda internacional, foram classificados, em média, 2,3 níveis abaixo dos padrões utilizados antes da crise, sublinha o estudo, acrescentando assim que os “choques de rating” terão desempenhado um papel preponderante na gestação e propulsão da crise da dívida na Europa.

“Muitos países da Zona Euro foram tratados de maneira diferente depois da crise financeira e isso contrasta com a forma como outros países continuam a ser tratados”, comentou Gärtner à Reuters.

Os dois economistas da universidade suíça de St. Gallen usaram os “ratings” da Fitch para este estudo, pois era a única agência que disponibilizava publicamente os dados para o período em análise, mas sublinham que existe uma elevada correlação entre estas notações e as que foram atribuídas pelas duas outras grandes agências – a Moody’s e a Standard & Poor’s.

O estudo demonstra ainda que o corte da notação em um nível aumenta os juros da dívida soberana em 0,3 pontos percentuais, em média, quando esses “ratings” estão compreendidos no patamar mais elevado – entre ‘AAA’ e ‘A’. Esse custo aumenta para 3,12 pontos percentuais quando a classificação do crédito está já no segmento dos ‘B’ ou abaixo, denotando um grau muito mais elevado do risco de investimento.

“Quando um país é empurrado para o segmento ‘B’, está a caminhar cada vez mais para a insolvência e não consegue resgatar-se a si mesmo, precisa de ajuda vinda de fora”, disse Gärtner à Reuters. “As agências de ‘rating’ conseguiram afastar os mercados financeiros da percepção do problema, fazendo
com que os governos pareçam os culpados”, acrescentou.



* Quem paga a estas agências para tais avaliações, quem nos indeminiza desta vigarice ???







.


com que os governos pareçam os culpados”, acrescentou.

ANA CRISTINA CORREIA GIL




 Um roteiro singular 

Pouco importa se é roteiro, guia, “rota de temas ou metafórica” (como o designou o Professor António Machado Pires) ou outra coisa qualquer. O que deveras interessa é que o “Roteiro Cultural dos Açores” é um trabalho muito meritório e com uma qualidade científica inegável. De facto, este “Roteiro”, lançado recentemente em Ponta Delgada, é um trabalho pioneiro pois, tanto quanto me é dado saber, não existia até agora nada do género no arquipélago.
A verdade é que este é o tipo de guia que eu gostaria de encontrar em qualquer sítio que visite. Juntando artigos de numerosos especialistas, este “Roteiro” trata temas tão diversos como a História, o património (também o subaquático), a geografia, a arquitetura, a Universidade dos Açores, a gastronomia, o Espírito Santo, entre muitos outros, constituindo um conjunto inestimável de contributos que compõem a “paisagem” açoriana. Seja para um açoriano, seja para alguém de fora, esta obra é igualmente interessante para qualquer pessoa que queira conhecer a fundo os Açores. O próximo passo será assegurar a sua distribuição alargada por todo o país. Seria também interessante que, a par desta edição em capa mole, houvesse outra mais enriquecida, de capa dura e talvez de formato maior, que fizesse jus às belas fotos que acompanham o texto.

Não é despiciendo relevar que a coordenação desta obra é da responsabilidade do Professor António Machado Pires, meu mestre de sempre. A ele devo ter-me guiado pelos caminhos da Cultura Portuguesa e ter tido a generosidade de me ensinar tanta coisa. Acima de tudo, aprendi com ele o mais importante: que a generosidade e a humildade científica estão sempre acima de qualquer volume de conhecimento que possamos adquirir ao longo da vida.

Com toda a sua sabedoria e humanidade, este ilustre homem da Cultura conseguiu reunir todas estas colaborações num espaço de tempo relativamente curto. Não foi em vão. O resultado aí está, acessível aos de cá e aos de fora. É que este “Roteiro Cultural dos Açores”, como bem sublinhou Guilherme d’Oliveira Martins na apresentação do livro, não se limita a ser um retrato da já mítica açorianidade. Ele é também um retrato da própria Cultura Portuguesa “tout court”, já que “tudo o que é relevante para a cultura açoriana é relevante para a cultura portuguesa”, como disse o autor de “Património, Herança e Memória”. No texto que assina neste “Roteiro”, Oliveira Martins sublinha: “Este Roteiro preenche um vazio a que importava responder. Na verdade, os Açores são o Portugal paradigmático” (p. 15).

E esta abrangência confere ainda mais valor a este “Roteiro”. Sendo sobre os Açores, ele não é só dos Açores: ele é parte integrante da identidade da Cultura Portuguesa e é, portanto, como tal que deve ser encarado. Tivessem todas as regiões de Portugal a sorte de ter um guia como este.

IN "AÇORIANO ORIENTAL"
23/07/12

.

 .
HOJE NO
"DESTAK"

Tratado de Comércio de Armas 
falha na "reta final" 

As negociações sobre o primeiro Tratado de Comércio de Armas a nível global falharam hoje "na reta final", quando a Rússia e os Estados Unidos pediram mais tempo para analisar um texto apoiado por 90 países, entre eles Portugal.

No final de um mês de negociações nas Nações Unidas, em Nova Iorque, o grupo de 90 países apresentou uma declaração manifestando "desapontamento" por o objetivo de um tratado "robusto" ter estado "muito próximo", mas reafirmando a determinação em continuar a lutar pela sua adoção no futuro.

"De modo geral, o texto tinha o apoio esmagador da comunidade internacional como base para continuar ao nosso trabalho", refere a declaração, lida no plenário da conferência pela delegação do México. 


* Um acordo que regula a autoridade para matar.

.

.

 MENTES BRILHANTES/3


video



.
 .
HOJE NO
"i"

Quase mil alunos desistiram do ensino profissional por razões económicas

 Cerca de um terço dos quase 3.000 alunos do primeiro ano do ensino profissional que abandonaram a escola no último ano letivo fizeram-no por razões económicas, conclui-se num estudo divulgado hoje pela associação de estabelecimentos do setor.
O inquérito, realizado pela Associação Nacional de Escolas Profissionais (ANESPO), revela que a taxa de desistentes por razões económicas subiu dos 22 por cento registados em 2010/2011 para 30,4 por cento no último ano letivo, a nível nacional.
Embora sejam privadas, as escolas de ensino privado são financiadas pelo Estado, pelo que os alunos não têm mais encargos do que os colegas que frequentam os estabelecimentos públicos, explicou à agência Lusa o diretor executivo da ANESPO, Luís Costa.

Por regiões, no Norte a taxa de desistência por razões financeiras foi mesmo o motivo invocado por quase metade (47,8 por cento) das desistências no primeiro ano daquele grau de ensino, mais 20 por cento do que em 2010/2011.
Também no Centro houve uma subida considerável, de 22,8 para 33,8 por cento, em Lisboa e Vale do Tejo o crescimento foi residual (de 17,9 para 19,2 por cento) e no Alentejo e Algarve houve mesmo uma descida de 37,2 por cento para 35,6 por cento, embora esta região, que registou a maior taxa em 2010/2011, seja a segunda com maior percentagem de desistentes.
A seguir às razões económicas, o abandono escolar no primeiro ano do ensino profissional (10.º ano de escolaridade) ocorre por “insatisfação vocacional” em 15,7 por cento dos casos, “insatisfação motivacional” (8,8 por cento), “mudança de escola" (13) e outras (32,1).
O inquérito foi feito a mais de metade dos 16 mil alunos que não concluíram o primeiro ano.
As 144 escolas de ensino profissional existentes no país tiveram inscritos no último ano letivo cerca de 60 mil alunos, precisou Luís Costa.

 * E assim  não se formam pessoas e o país empobrece.

.
.
AS 100 MELHORES CANÇÕES DOS ANOS 80

(PARA A NME)
 .
Nº24
 
  JUST LIKE HONEY
. 
THE JESUS e MARY CHAIN


 


m
 .
HOJE NO
"A BOLA"

Jogos Olímpicos arrancam 
com dois recordes do Mundo

Os Jogos Olímpicos de 2012 não podiam ter começado de melhor forma. A ronda de definição de `ranking´ do tiro com arco foi a primeira prova baseada em Londres a arrancar e logo com dois recordes do Mundo.

O Lord´s Cricket Ground recebeu na manhã desta sexta-feira o arranque das competições masculinas de singulares e equipas da modalidade. A grande figura do dia foi o sul-coreano Im Dong Hyun que não só quebrou o recorde do Mundo individual com uma marca de 699 pontos em 72 setas, como fez parte da equipa da Coreia do Sul que quebrou o recorde do Mundo coletivo.

Conjuntamente com Kim Budmin e Oh Jin-Hyek, Dong Hyun viu a sua equipa quebrar o anterior máximo mundial em 18 pontos, estabelecendo um novo recorde de 2087 pontos em 216 setas.

Curiosidade para o facto de o duplo recordista mundial ter problemas de visão, sendo parcialmente cego da vista esquerda, com uma visão de 20/200 nesse olho.

Após a prova o atleta confessou que quando olha para o alvo «os limites não são muito claros» mas prefere competir sem óculos por se sentir «desconfortável» com eles.

Dong Hyun mostrou-se ainda incomodado com tanto interesse nos seus problemas de visão: «Eu não uso vara, não tenho um cão guia. É desagradável quando as pessoas dizem que sou incapacitado. Todo este interesse na minha visão não é bem-vindo», frisou o atleta sul-coreano.

*  Que os jogos sejam um exemplo de paz e leal competição.

.


.

ESTÁTUAS
 VÍTIMAS 
DE ASSÉDIO













.
 .
HOJE NO
"PÚBLICO"

Portugueses acreditam que crise ainda 
vai afectar mais o mercado laboral  

De acordo com um Eurobarómetro divulgado esta sexta-feira em Bruxelas, 78% dos portugueses pensa que o cenário actual se irá deteriorar ainda mais.

Portugal lidera a lista dos países mais pessimistas quanto aos efeitos que a crise ainda trará ao sector laboral, seguido pelo Chipre e pela Grécia, com 77% dos inquiridos a acreditar no mesmo cenário, e pelo Reino Unido (73%).

O Eurobarómetro refere que “a visão de que o impacto da crise no trabalho atingiu o seu expoente máximo” só é partilhada maioritariamente em três países: a Bulgária, a Estónia e a Dinamarca.

Num segmento do estudo que analisa os três maiores factores que preocupam os cidadãos de um país, Portugal mantém a tendência ao eleger o desemprego (68%), a situação económica (37%) e a subida dos preços (25%).

O Eurobarómetro adianta que “o desemprego foi o indicador mencionado mais frequentemente pelos 17 estados membros” e destaca que os recordistas na preocupação face a este indicador são a “Espanha (76%), Portugal (68%), a Suécia (63%) e a Irlanda (62%).”

De acordo com o estudo mais de 8 em cada 10 europeus pensam que os Estados-membros da UE deviam trabalhar de forma mais próxima no combate à crise, e mais de metade considera que a UE vai tornar-se mais forte e robusta a longo prazo.

*  Não está fácil

.
-


PLASTINAÇÃO




O anatomo-patologista alemão Gunther von Hagens é conhecido pelo uso de cadáveres na concepção de obras de arte. Sua exposição "O Ciclo da Vida", mostra os vários estágios da vida humana e reproduz cenas de várias atividades humanas, utilizando para isso mais de 200 cadáveres de recém-nascidos, adultos e pessoas idosas. No processo de conservação conhecido como "plastinação", que foi inventado por Hagens nos anos 70, os cadáveres são tratados com cerca de 200 quilos de silicone, durante um complicado procedimento que leva mais de quatro mil horas para ser concluído: os líquidos dos tecidos corporais são extraídos e substituídos por uma substância plástica especial. 

NR: Esta exposição esteve patente em Portugal há cerca de quatro anos, fomos apreciá-la e viemos estupefactos com as maravilhas que descobrimos do nosso corpo.

.

 .

HOJE NO
"DIÁRIO ECONÓMICO"

Número de casais desempregados 
quase duplica em Junho

 O número de casais com ambos os cônjuges desempregados quase duplicou em Junho face a igual mês de 2011 e já atinge os 8.316 casais. 

De acordo com os dados recolhidos pelo Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP), em Junho deste ano, face a Junho do ano passado, há mais 3.990 casais (um aumento de 92%) a garantirem a sua sobrevivência com as prestações sociais pagas pelo Estado.

Este universo representa 5,5% do total de desempregados casados ou em união de facto inscritos no centro de desemprego (304.448 pessoas).
De acordo com o IEFP, desde Julho de 2011 que se regista um aumento em cadeia do número de desempregados em que ambos os cônjuges estão desempregados, tendo-se registado em Junho de 2012 o número mais elevado desde que esta informação é recolhida (Outubro de 2010).
No final do mês passado, dos desempregados inscritos nos centros de emprego, 49,6% eram casados ou viviam em situação de união de facto.

O aumento do desemprego foi mais acentuado nas uniões de facto (137,1%) em termos homólogos.
De acordo com os dados divulgados na semana passada pelo IEFP, o número de inscritos nos centros de emprego aumentou 24,5% em Junho em termos homólogos e 0,7% face ao mês anterior, para 645.995 desempregados.

* O retrato miserável  do país cujo  chefe de governo tem como assessor particular o famoso Dias Loureiro ( Pacheco Pereira dixit), amigo do peito de Anibal Cavaco Silva.

.
.

 A GLORIOSA TECNOLOGIA



 Telemovel com acessório estereofónico, sub woofer, duas antenas paranoicas, não cabe no bolso.



 .enis com escape silencioso para saída discreta de gases aerofágicos



 2 em 1, o seu PC agregado ao micro-ondas, aquece a comida sem deixar de trabalhar.


 Urinol para deficientes motores com alvo holográfico para não errar a pontaria, sacode e tudo.



 Fotocopiadora com ducto para despedício




 Transformadora de resíduos orgânicos em sumos





 Martelo com registo de pancada



 Rato multi-facetado




 Para secar o cabelo enquanto espreita a televisão



Smartphone com armadilha para curiosos



Gillete para pelos encravados, pode ligar a monitor, não incluído


.

 .

HOJE NO
"CORREIO DA MANHÃ"

Santa Maria lança aplicação para 
salas do bloco de neurocirurgia 

O Hospital de Santa Maria – Centro Hospitalar Lisboa Norte, em parceria com a empresa portuguesa, YDreams, lançou, esta sexta-feira, a aplicação informática YScope, que permite, em ambiente esterilizado, a selecção e manipulação por gestos de imagens médicas nas salas do bloco de neurocirurgia. Através da interacção natural, o cirurgião não estabelece qualquer contacto físico com o dispositivo.

O ministro da Saúde, Paulo Macedo, que participou na apresentação do projecto, aceitou o desafio do neurocirurgião e um dos mentores do projecto, Alexandre Campos, e experimentou a aplicação que estava a ser demonstrada ao vivo. 
 
"É uma inovação e um marco histórico para a saúde. Com a interactividade do cirurgião por meros gestos, a consulta dos exames é mais rápida, poupa-se tempo e reduz-se riscos. O Serviço Nacional de Saúde sai mais forte e útil, com uma maior capacidade de diferenciação aos doentes", disse Paulo Macedo.
"Esta aplicação vai mudar a maneira como se lida com as imagens médicas", referiu Alexandre Campos, que explicou que o formato digital possibilita a manipulação das imagens de forma individual, o zoom, a rotação, a gravação de imagens e um maior número de imagens por exame.

* A tecnologia ao serviço do homem

.
.

DOAÇÃO



video



OBRIGADO CARACOLETA

.

-
TOLERÂNCIA



 
O primeiro filme em 3D, produzido na Bósnia Herzegovirna, estava-se em 2008

.
 .

HOJE NO
"DIÁRIO DE NOTÍCIAS"

Comboio de "alta prestação" 
vai ligar Porto a Vigo 

Dirigentes do Eixo Atlântico afirmaram hoje ter recebido do primeiro-ministro português o compromisso de modernização da linha ferroviária Porto-Vigo e de adoção de um sistema de pagamentos nas antigas SCUT comum aos dois países a partir de Setembro. 

"Temos a absoluta confirmação do compromisso do primeiro-ministro português com a modernização da ligação Porto-Vigo", afirmou Xoan Mao, secretário-geral do Eixo Atlântico, após um encontro dos autarcas portugueses e espanhóis do Eixo Atlântico com o primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, em Lisboa.
Segundo o responsável, será um comboio de "alta prestação que liga as cidades do Eixo Atlântico de forma competitiva, com paragens nas principais cidades".

"Calculamos que demore três anos, mas temos que ser muito otimistas", disse, por seu lado, José Maria Costa, presidente da Câmara de Viana do Castelo e do Eixo Atlântico.
Os dois países vão entregar a Bruxelas um projeto de financiamento para a modernização da linha candidato ao quadro de financiamento em vigor a partir de 2014. No entanto, "ainda neste quadro comunitário vão começar algumas melhorias através da reprogramação do Quadro de Referência Estratégico Nacional (QREN)", acrescentou, salientando que o serviço vai melhorar em breve.

Segundo o autarca, o traçado será compatível com o transporte de mercadorias e de passageiros.
Atualmente uma viagem entre Porto e Vigo demora cerca de três horas e quinze minutos e espera-se que com a modernização passe a demorar duas horas. Contudo, adiantou, no final da obra, em 2017 ou 2018, é possível que possa demorar apenas 75 minutos, de acordo com o estudo do Eixo Atlântico.

Relativamente às antigas SCUT (autoestradas sem custos para o utilizador), o autarca de Viana referiu: "Estamos a falar de facilidade na mobilidade. Passámos de um sistema absolutamente demencial para um sistema pioneiro na Europa".

De acordo com José Maria Costa, "até ao final do ano este sistema estará a funcionar em todo o país".
"Acabou o pesadelo e passámos do século XIX ao século XXI. A partir de setembro vai haver interoperacionalidade dos sistemas", disse Xoan Mao.
O secretário-geral salientou que o sistema funciona como uma "via verde alargada a toda a Península Ibérica, facilitando a interação entre os cidadãos entre os dois países".
O EA representa 34 cidades do Norte de Portugal e da Galiza, com um total de cerca de quatro milhões de habitantes.

* Os comboios portugueses que queiram atravessar Espanha e atravessar  os Pirenéus têm de usar três bitolas a portuguesa, a ibérica e a europeia e tudo isso custa muito dinheiro político.

.
 .

HOJE NO
"RECORD"

Apenas três países lusófonos 
subiram ao pódio
 Já são 115 medalhas no total 

Brasil, Portugal e Moçambique são os únicos dos oito países lusófonos que conquistaram medalhas em Jogos Olímpicos, com vantagem clara do "gigante" sul-americano, com um total de 91, das quais 20 de ouro.
A estreia brasileira nas subidas ao pódio aconteceu nos Jogos de Antuérpia, em 1920, com o contingente canarinho a dar cartas nas disciplinas de tiro: Guilherme Paraense conquistou o primeiro ouro do país, nos 25 metros pistola.

Foi a partir de Los Angeles'84 que o país começou a crescer em medalhas, chegando a um recorde de oito (um ouro, cinco pratas e dois bronzes), mas o maior número de campeões surgiria apenas em Atenas'04, com cinco medalhas de ouro.

Em Pequim, o número de ouros diminuiu (conseguiu as mesmas três de Atlanta'96), mas o país chegou a um número recorde em termos globais, com 15 medalhas: três primeiros lugares, quatro segundos e oito terceiros.

Em Londres'12, os brasileiros voltam a contar com os seus últimos campeões olímpicos, o nadador brasileiro César Cielo (50 metros livres) e Maurren Higa Maggi (salto em comprimento).

O terceiro ouro na China coube à seleção feminina de voleibol.

Portugal, que em 2008 teve uma medalha de ouro e uma de prata, não terá na capital inglesa qualquer campeão.

Nélson Évora está lesionado e não defenderá o título no triplo salto, enquanto Vanessa Fernandes, segunda no Triatlo, também está fora.

Na história dos Jogos Olímpicos, o maior número de medalhas de Portugal (três) aconteceu em Atenas'04 e Los Angeles'84.

No primeiro caso com duas medalhas de prata (Sérgio Paulinho e Francis Obikwelu) e um bronze (Rui Silva), no segundo com um ouro (Carlos Lopes) e dois bronzes (António Leitão e Rosa Mota).

Finalmente Moçambique, país que consegue entrar no "olimpo" das medalhas por intermédio da sua melhor desportista de todos os tempos, a meio-fundista Maria Mutola.

Em 1996 chegou ao bronze nos 800 metros, mas a coroação chegou em 2000, em Sydney, com o título olímpico na mesma distância.

Globalmente, Brasil (91 medalhas), Portugal (22) e Moçambique (2) somam 115 medalhas na história dos Jogos.

Angola, Cabo Verde, São Tomé e Príncipe, Guiné-Bissau e Timor-Leste nunca subiram a um pódio.

Medalhas dos países lusófonos:

Brasil - 20 medalhas de ouro; 25 medalhas de prata e 46 medalhas de bronze;

Portugal - 4 medalhas de ouro; 7 medalhas de prata e 11 medalhas de bronze;

Moçambique - 1 medalha de ouro e 1 medalha de bronze;


* Que honrem a língua.

.
-



Faça a sua


água de colónia





.
.
 INSTANTE PRECISO






















.