domingo, 6 de maio de 2012

UMA GRAÇA PARA O FIM DO DIA

- . 
MARIDÃO OBEDIENTE
 
NÃO SUPORTANDO AQUELA TAMPA SEMPRE MIJADA,
A MULHER DETERMINOU







.
.



Encontrem uma cura para o cancro, antes que me cresçam as maminhas



,

 .


ESTA SEMANA NA
"VISÃO"

A regra dos três segundos 
testada cientificamente 

Afinal, se deixarmos cair um alimento e o apanharmos em menos de três segundos, ele é mesmo seguro para comer? Um grupo de cientistas investigou se a comida que cai no chão não fica contaminada... se apanhada com rapidez suficiente 
 Quem nunca apanhou um bocado de qualquer alimento depois de ter caído no chão, soprou rapidamente e o meteu na boca sem grandes preocupações? A ideia de que a comida não fica contaminada se apanhada com rapidez suficiente, apesar de comum, só agora mereceu a atenção dos cientistas. Um grupo de investigadores da Universidade de Manchester analisaram cinco alimentos: pão com doce, massa cozinhada, fiambre, biscoitos e fruta desidratada, que deixaram cair e deixaram ficar no chão durante três, cinco e 10 segundos. 

A escolha dos alimentos foi feita tendo em conta os diferentes níveis de água que contêm, um fator determinante no que diz respeito à possibilidade de ficarem ou não contaminados. O estudo revelou que os alimentos com mais sal ou açúcar eram mais seguros para serem ingeridos depois de estarem no chão, na medida em que eram menos suscetíveis de manter vivas bactérias nocivas.

 Tanto o fiambre, como o pão com doce passaram no teste da segurança alimentar, quando recuperados do chão em três segundos. Já a fruta desidratada e a massa cozinhada mostram sinais de klebsiella depois de três segundos - uma bactéria potencialmente perigosa, podendo provocar várias doenças, como pneumonia, infeções do trato urinário e septicémia. 

Os biscoitos revelaram-se seguros depois de terem estado no chão tanto durante três como cinco ou 10 segundos, devido ao baixo teor de água. A massa revelou uma contagem acrescida de leveduras depois de cinco segundos e níveis baixos de Klebsiella. De referir que os testes foram realizados tendo base o chão de casa e não na rua... 

* O estudo refere-se a casas de cidadãos que não exerçam cargos governativos ou parlamentares, por nessas casas se destilar veneno não foi possível fazer o teste...eh eh eh.


 .


 MAGIA NA RUA

Chris Korn and Sam Womack


  



 .

 .


ESTA SEMANA NO
"VIDA ECONÓMICA"

Segurança Social perde dezenas de milhões de euros em receitas 
Hospitais públicos fogem às contribuições sociais 

Os Hospitais-Empresa, EPE estão a praticar evasão às contribuições para a Segurança Social, em violação da lei. A fuga aos encargos sociais é feita através de "prémios de assiduidade" com valores muito elevados. No Hospital de S. João, no Porto, o prémio de assiduidade representa 20% do salário normal, sendo atribuído a mais de 1600 pessoas, num total de cerca 5500 empregados.
 Esta prática, que, segundo a "Vida Económica" conseguiu apurar, está a ser seguida pela generalidade dos Hospitais-Empresa, EPE, viola as normas do Código Contributivo e envolve responsabilidade criminal para os administradores hospitalares. A "Vida Económica" contactou o Ministério da Saúde e Ministério da Solidariedade e Segurança Social, mas não obteve resposta até ao fecho desta edição. Pagar uma parte da retribuição sob a forma de prémio de assiduidade ou outros suplementos é o expediente que está a ser utilizado pelos Hospitais-Empresa, EPE para reduzir o peso dos encargos sociais.

 Desta forma, o orçamento do Ministério da Saúde deixa de gastar 23,75% em encargos sociais sobre parte das remunerações. Por seu turno, os funcionários recebem uma remuneração líquida superior, porque também não lhes é descontada a sua contribuição de 11% para a Segurança Social. Esta prática viola as normas do Código Contributivo e as regras que existiam anteriormente, na medida em que todos os suplementos salariais pagos com regularidade estão sujeitos a descontos para a Segurança Social. Além da perda de receitas para a Segurança Social, a prática seguida pelos hospitais públicos diminui o valor das prestações sociais. 

A parte de remuneração que é retirada aos descontos deixa de contar para cálculo da pensão de reforma, baixa por doença e outras prestações sociais. Confrontados com a redução das prestações sociais, alguns empregados dos hospitais públicos já recorreram aos Tribunais de Trabalho para obter a reposição dessas diferenças. Apesar de os juízes terem dado razão aos funcionários, a prática mantém-se e consta do regulamento interno dos próprios hospitais. 

Taxa de contribuições sociais reduzida a 15,5% 

No caso do Hospital de S. João, no Porto, o valor de salários e subsídios de férias e Natal atinge 103 milhões de euros por ano, ou seja, uma média de J 18 700 por pessoa. Mas, em "Suplementos, que incluem os "prémios de assiduidade", as horas extra, e as "noites" são pagos mais 37,5 milhões de euros. Assim, existe um pagamento de adicionais que corresponde a 36% do total dos salários e subsídios devidos. 

De acordo com o Relatório e Contas de 2010 do Hospital de S. João, os encargos sociais sobre remunerações foram de 21,84 milhões de euros. Assim, a taxa média de encargos sociais devidos pelo Hospital (sem contar com a parcela de encargos suportados pelos funcionários) seria de 21,2%, o que poderia ser considerado um valor próximo do normal. Mas, considerando o valor dos suplementos que, pela quase totalidade, estariam sujeitos a descontos para a Segurança Social, a taxa média efetiva de encargos sociais baixa para 15,5%, defraudando as receitas da Segurança Social em mais de nove milhões de euros num só ano e num só hospital.
 Tendo em conta que existem 33 Hospitais-Empresa em todo o país, os encargos sociais que deixam de ser pagos por esta via pelo Ministério da Saúde à Segurança Social deverão ser superiores a 200 milhões de euros por ano, envolvendo mais de 40 mil pessoas. O parecer do Revisor Oficial de Contas ao relatório de 2010 do Hospital de S. João coloca uma série de reservas, mas não faz qualquer menção às retribuições pagas sem encargos sociais que cria uma contingência de valor elevado para as contas da instituição. 

Um Estado, dois regimes 

Na origem da evasão aos encargos sociais pode estar a diferença entre o regime de contribuições para Caixa Geral de Aposentações e o regime de contrato individual de trabalho, com contribuições para a Segurança Social, que envolve um número crescente de funcionários públicos
Os hospitais públicos têm os dois regimes. Para os funcionários com contrato em regime de funções públicas, os encargos sociais são feitos para a Caixa Geral de Aposentações, gerida pelo Ministério das Finanças. A taxa de contribuições é de 11,5% para o funcionário e de 15% para o serviço público que o emprega. Para os funcionários com o regime do contrato individual de trabalho, os descontos são feitos para a Segurança Social com uma taxa de contribuição de 11% para o funcionário e de 23,75% para o hospital. 

O aumento do número de funcionários com o regime do contrato individual de trabalho agrava o peso dos encargos sociais, já que a taxa de descontos é bastante mais elevada. Para atenuar esse impacto, e travar o agravamento dos custos, a solução encontrada pelos hospitais públicos terá sido a de retirar uma parte das retribuições dos descontos, apesar de as normas o proibirem expressamente. 

* É por isto que nas avaliações mais comezinhas sobre corrupção e honorabilidade das instituições apanhamos um chumbo de todo o tamanho

 .
 .

 

ESTA SEMANA NO
"BARLAVENTO"

Ligação marítima semanal 
vai unir Portimão e Sevilha 

No seguimento do trabalho conjunto que está a ser realizado pelos portos de Portimão e de Sevilha para atrair navios de cruzeiros para o Algarve e Andaluzia, decorrem a bom ritmo negociações com uma companhia de cruzeiros fluvio-marítimos, visando a concretização de itinerários semanais entre ambos os destinos. 
O itinerário atualmente em avaliação técnica prevê escalas nos portos de Sevilha, Vila Real de Santo António, Olhão e Faro, com operações de turn-around (embarque e desembarque de passageiros) em Portimão, possibilitando a organização de pacotes turísticos para os passageiros com permanência na região algarvia, o que poderá criar boas dinâmicas económicas na hotelaria, na restauração, no comércio local e no próprio Aeroporto Internacional de Faro. 

Localizado estrategicamente na confluência entre o Atlântico e o Mediterrâneo, e beneficiando de condições naturais únicas, o porto de Portimão teve nos últimos quatro anos um significativo aumento no número de passageiros de cruzeiros, passando de 5.798 em 2007 para 44.841 no ano passado, o que representou um crescimento de 673 por cento. 


* A Península Ibérica a funcionar, são precisos mais exemplos pois a siuação geo-estratégica é unica na Europa!!!

 .


1 - EMIL CLORAN




A trajetória intelectual e biográfica do filósofo romeno Emil Cioran (1911-1995) é o tema deste documentário francês dirigido por Patrice Bollon e Bernard Jourdain. Intelectual lúcido, cético, e contundente; considerado o maior dos prosadores da língua francesa, por Saint-John Perse, o pensamento de Cioran vai denunciar implacavelmente as ilusões que garantem o sono da maioria: a felicidade, as utopias, o progresso da humanidade, a história redentora, etc 


 .
-

ESTA SEMANA NO
"SOL"

Número de passageiros no aeroporto Sá Carneiro duplicou em sete anos 

O número de passageiros no Aeroporto do Porto duplicou em sete anos e superou o tráfego de passageiros registados no primeiro trimestre deste ano, em relação a 2011, indicou hoje a ANA-Aeroportos. 
Dados da ANA-Aeroportos de Portugal, a que a Lusa teve acesso, indicam que em 2005 chegaram ao Aeroporto do Porto 3.108.186 passageiros e em 2011 o aumento de tráfego de passageiros cresceu para 6.003.408. No primeiro trimestre desde ano, o Aeroporto do Porto registou a chegada de 1.223.704 passageiros, um aumento ligeiro quando comparado com período igual de 2011, onde se verificou um tráfego de 1.216.645 passageiros. Apesar de o número de passageiros ter duplicado em sete anos no Aeroporto do Porto, os dados da ANA-Aeroportos indicam que os passageiros a viajar em voo charter registou, nos mesmos sete anos, uma quebra na ordem dos 50 por cento. 

A quebra de turistas a chegar em charters (avião alugado, normalmente por agências de viagens, para transportar turistas), deriva de os turistas terem passado a viajar em companhias aéreas “low cost” (baixo custo) e tradicionais. «Há uma substituição do voo charter pelo voo regular e pode extrapolar-se que, no Turismo, o charter está a perder terreno para os voos regulares», considerou fonte das Relações Públicas da ANA Aeroportos, em declarações à Lusa. 

Em 2005, o Aeroporto do Porto registava a circulação de 233.118 mil passageiros em voos charters e, em 2011, o número de turistas em charters baixou para 117.410 passageiros. Outro movimento que se está a notar no Aeroporto do Porto é a «multiplicação» de visitas a Portugal por parte de emigrantes. Questionada pela Lusa sobre se os voos ‘low cost’ para o Aeroporto do Porto estão a retirar passageiros para outros aeroportos portugueses, a ANA-Aeroportos assegurou que a operação nos restantes aeroportos do país não foi afectada pela do ‘low cost’ do Aeroporto do Porto.

 «As ‘low cost’ têm crescido nos aeroportos portugueses, mas a operação nos restantes aeroportos não foi de forma alguma afectada pela operação dos voos de baixo custo do Aeroporto do Porto», refere a empresa pública. «Se virmos, grande parte da operação ‘low cost’ do Aeroporto do Porto é para destinos onde o número de emigrantes portugueses é significativo. Ou seja, a Ryanair e a EasyJet estão fundamentalmente a explorar o mercado étnico ou o mercado de saudade retirando, isso sim, muitos veículos das estradas entre a França e Portugal e entre a Suíça e Portugal», explica a empresa pública. 


 * Um dos melhores aeroportos da Europa

  .
-



MARIJUANA
















.
 .

ESTA SEMANA NO
"EXPRESSO"

Justiça é vulnerável à corrupção 

Portugal "chumbou" num estudo sobre combate à corrupção. Há falta de vontade política, excesso de tolerância e incompetência "Portugal é vulnerável à corrupção" e entre aquilo que a lei determina como formas de a combater e a prática das instituições "há uma enorme disfunção". Motivos?
 Há vários e nenhum deles abonatório para o país: incompetência, uma cultura cívica demasiado permissiva e, como cereja em cima do bolo, "uma enorme falta de vontade política".
 O diagnóstico é de Luís Sousa, investigador do Instituto de Ciências Sociais e politólogo. Foi ele o responsável pela primeira radiografia nacional feita aos mecanismos de combate à corrupção existentes em Portugal - seguindo o modelo de investigação aplicado em mais 25 países e cujos resultados podem servir de comparação. 

 O estudo chama-se "Sistema Nacional de Integridade" e será divulgado na próxima segunda-feira, em Lisboa. Parte da análise de "13 pilares da sociedade com responsabilidades diretas ou indiretas no combate à corrupção" e avalia os resultados do seu trabalho. Do Parlamento ao Governo, passando pelos tribunais e sistema judicial, Administração Pública, partidos políticos ou empresas, tudo foi analisado.

Mas a lista fica completa com a Comissão Nacional de Eleições, o provedor de Justiça, Tribunal de Contas, Organismos especializados de combate à corrupção, comunicação social e sociedade civil. 
 As conclusões - com mais ou menos variações conforme a estrutura analisada - apontam para uma generalizada falha dos mecanismos de prevenção e combate à corrupção no país. Isto apesar de os portugueses terem uma forte perceção do fenómeno (97% acha que esse é um problema grave) e de o assunto ter ganho relevância no discurso político dos últimos anos, integrando programas eleitorais e motivando iniciativas legislativas no Parlamento. Tanta relevância que foram criados novos mecanismos de controlo - desde as alterações da lei de financiamento político à criação do Conselho de Prevenção da Corrupção. 

Mas a verdade é que os resultados deixam, segundo os investigadores, "muito a desejar". Ou são mesmo, como no caso da lei de financiamento eleitoral, matéria "que suscita mais preocupação". "Há um misto de incompetência, de intencionalidade ou de falta de cultura cívica que contribui para esta situação", diz o investigador. Para Luís Sousa, há legislação "mal elaborada" que dificulta, na prática, que a corrupção seja combatida. "Alguma será intencionalmente assim elaborada", prossegue o investigador. Outra, nem tanto.

 A esta dificuldade, junta-se um aparelho do Estado cujo "principal problema é o da independência" e um sistema de Justiça lento, mal coordenado e ineficaz. Daí que, conclui o estudo, "a Administração Pública e o sistema de repressão criminal são as áreas mais frágeis do Sistema Nacional de Integridade". A verdade é que "sem vontade política, um adequado controlo da Administração Pública e um aparelho de Justiça capaz e resoluto, não pode haver um combate eficaz à corrupção", afirma o relatório. Os princípios - consagrados na lei - de combate à corrupção são, em Portugal, "acima de tudo simbólicos", diz Luís Sousa. E o caminho para aproximar os princípios da prática promete ser longo. 


* Portugal está muito doente porque os agentes políticos redigiram leis que  em vez de ser remédio prescreveram veneno.


.
-


8.CHERNOBYL 


O DESASTRE



video


Na madrugada do dia 26 de abril de 1986, um dos reatores da usina nuclear de Chernobyl explodiu. Um inferno de chamas coloridas alcançou quase 1000 metros de altura nos céus da Ucrânia. Este documentário acompanha a luta contra o tempo que milhares de soviéticos jamais poderão esquecer. Durante os oito meses que se seguiram à explosão da central nuclear, 800 mil jovens soldados, mineiros, bombeiros e civis de todas as regiões da antiga União Soviética, trabalharam sem descanso na tentativa de diminuir os efeitos da radioatividade, e com isso tentar salvar o mundo de outra provável tragédia.Os efeitos dessa explosão haviam sido cem vezes superiores aos provocados pela bomba de Hiroshima e mais de 200 mil pessoas tiveram que ser evacuadas de seus locais de origem.O pior acidente nuclear da História, produziu uma chuva radioativa que pôde ser detectada desde a antiga União Soviética, passando pela Europa Oriental, Escandinávia, Inglaterra e atingindo até a costa leste dos Estados Unidos.


NR: O Homem não trata bem o planeta, pensou-se que depois de Chernobyl houvesse mais cuidado com a Mãe Terra, mas exactamente há um ano Fukushima revelou que o Homem continuará a ser selváticamente predador até à sua extinção, porque a Terra sobreviverá!


.

-

ESTA SEMANA NO
"AUTOMOTOR"

ACP PROCESSA 
GOVERNANTES DE SÓCRATES 

 O ACP moveu uma acção em tribunal contra Mário Lino, António Mendonça e Paulo Campos por alegada gestão danosa nas SCUT 

O Automóvel Clube de Portugal entregou no tribunal uma queixa-crime contra três governantes do Executivo de José Sócrates, por alegada gestão danosa na renegociação dos contratos das SCUT. Para Carlos Barbosa, presidente do ACP, “foram estes três ministros ou secretários de estado que renegociaram todos os acordos das SCUT”. 

O ACP quer ver os três governantes de Sócrates investigados por alegada gestão danosa nestas concessões rodoviárias. “Não é normal a maneira como foram renegociados os novos contratos” e “os portugueses têm o direito de saber o que é que se passou” foram os motivos para o processo agora nas mãos do DCIAP, de acordo com declarações de Carlos Barbosa, que afirma ainda que os portugueses estão a “pagar uma factura de milhões e milhões de euros provocadas por estas loucuras que se fizeram nas SCUT”. 

A queixa-crime estava já em preparação há um ano e meio e levará a uma investigação do DCIAP para apurar as eventuais responsabilidades dos ex-governantes. Esta é também a primeira vez em Portugal que uma entidade privada tenta responsabilizar criminalmente titulares de cargos políticos por decisões tomadas. 

 * Uma atitude exemplar, as SCUT não são auto estradas mas a reacção de Seguro também é um exemplo. 


 .
 .


 CASA INVERTIDA



















Esta casa é uma diversão para autríacos que encanta miúdos e graúdos pela invulgaridade, disfrute


.
.
-

HOJE NO

"A BOLA"

Vera Barbosa à beira do recorde nacional dos 400 metros barreiras 

A portuguesa Vera Barbosa ficou, este domingo, muito próximo de bater o recorde nacional dos 400 metros barreiras, no Grande Prémio de Belém do Pará, Brasil. 

A atleta do Sporting ficou em terceiro lugar e fez a marca de 55,98 segundos, 17 centésimos mais que o seu próprio recorde nacional, obtido nos Europeus de Ostrava de sub-23. 

No mesmo meeting, o português Edi Maia ficou-se pelos 5 metros no salto com vara, tendo falhado os três ensaios a 5,20 metros. No final foi sexto classificado.


* Irá conseguir no futuro


 .

FERNANDA CACHÂO


  

Raquel aos 21 anos 

 A Raquel tem 11 anos. Este domingo, repetiu o mesmo de sempre à pergunta mais tola que um adulto pode fazer a uma criança. O que queres ser quando fores grande? "Não sei", respondeu à perguntadora, que ainda insistia: Cozinheira? Médica? Artista? 

A Raquel tem Facebook e está ligada na rede social aos amigos dos escuteiros. A Raquel gosta de trabalhos manuais. É boa aluna. Mais 10 anos, a Raquel terá 21. Só podemos imaginar 2022 se partirmos com a certeza de que nada será como até agora. Este ano, 202 milhões de pessoas em todo o mundo vão ficar sem emprego – mais seis milhões do que em 2011. 

Um senhor chamado Raymond Torres, que é director na Organização Internacional do Trabalho, disse, no mesmo dia da tal pergunta tola, que políticas de austeridade como se fossem carrinhos de rolamentos atropelam o crescimento económico que gera emprego. Raquel, o sr. Torres disse que é pouco provável que a economia consiga empregar os 80 milhões de pessoas que chegarão ao mercado de trabalho já quando entrares para o secundário. Como será o mundo em 2022? Hoje é Dia do Trabalhador. Não podemos imaginar o que significará a data para Raquel, quando ela tiver 21 anos. 


IN "CORREIO DA MANHÃ" 
01/05/12

.
-

ESTA SEMANA NO
"BLITZ"

Björk diz-se inspirada 
por Amália Rodrigues 

A cantora islandesa, que tem concerto marcado para Portugal em junho, partilhou com o Guardian as suas "obsessões". O fado está entre as paixões mais duradouras e Amália é "emoção em estado puro".
 O Guardian pediu a Björk que partilhasse com os leitores algumas das suas inspirações; a cantora de Biophilia respondeu com escaladas, água de coco, Dirty Projectors e Amália Rodrigues, cuja música conheceu, confessa, há 15 anos. Sobre o nome maior do fado, Björk diz: "ouço-a há anos, mas vi há pouco tempo um documentário sobre ela - tanta emoção em estado puro! 
E livre de tantas complicações que a música, por vezes, tem. É uma música direta, simples e forte, isenta de filigranas. Vai direta ao coração. 
A colaboração de Amália com os poetas de Portugal é admirável. É bom saber que ela teve um papel na construção do próprio género. A primeira vez que a ouvi foi há 15 anos. Tem a mesma crueza do flamenco mas é menos extravagante e, de certo modo, mais austero e rígido". As declarações de Björk sobre Amália são acompanhadas pelo vídeo da cantora portuguesa a interpretar "Solidão", em 1969.


 * Amália é Amália 


 .

ALMORRÓIDA DOUTORINA




Ordens ignoram risco de corrupção 

As ordens dos Advogados, Médicos, Engenheiros e Revisores Oficiais de Contas ainda não entregaram os seus Planos de Gestão de Risco de Corrupção. Segundo a lista divulgada pelo Conselho de Prevenção da Corrupção, liderado por Guilherme d’Oliveira Martins, das 14 ordens profissionais existentes apenas a dos Psicólogos entregou o plano que estabelece mecanismos que dificultam actos de corrupção. 

 As ordens profissionais já começaram a ser alertadas para o facto de não possuírem aqueles planos e vão agora receber visitas do Conselho de Prevenção de Corrupção. Também os centros protocolares de formação profissional e associações de municípios irão ser chamados à atenção para a necessidade de adoptarem práticas de prevenção de actos de corrupção.

 "São visitas que visam explicar aos dirigentes a importância destes planos e as consequências em que incorrem se não os fizerem", explicou ao Correio da Manhã o secretário-geral do Conselho de Prevenção da Corrupção (CPC), José Tavares, garantindo que também dão "o apoio necessário à sua elaboração". Os planos de risco são considerados fundamentais para evitar actos de corrupção na administração pública ou com dinheiros públicos.

 Neste momento, já entregaram planos mais de mil entidades. Os planos de prevenção identificam dirigentes, departamentos e situações que, nas instituições públicas ou que recebem verbas do Estado, podem evitar actos de corrupção. 


IN "CORREIO DA MANHÃ"
05/05/12 

.
-

 ONTEM NO

"i"

Abrem duas novas lojas de compra e venda de ouro por dia 

O negócio de compra e venda de ouro continua a crescer em Portugal e, no primeiro trimestre deste ano, abriram, em média, duas novas lojas por dia, segundo dados do relatório do grupo de trabalho da Assembleia da República. 

 A informação, a que a Lusa teve acesso, será incluída no relatório que o grupo de trabalho sobre compra e venda de ouro, liderado pela deputada socialista Eurídice Pereira, apresentará esta semana. Nos primeiros três meses deste ano, foram inscritas 488 novas matrículas de ourivesaria, sendo que não foram renovadas 312 das 5.055 existentes no final do ano passado. 
 Assim, a 31 de março de 2012, estavam atribuídas 5.231 matrículas de ‘retalhistas de ourivesaria’ – onde as chamadas casas de compra e venda de ouro estão incluídas -, ou seja, mais 176 que em dezembro de 2011. Contas feitas, entre janeiro e março, abriram, em média, dois novos estabelecimentos por dia. Em 2008, estavam atribuídas 3.450 matrículas de ourivesaria, um valor que subiu para 3.559 no ano seguinte. Em 2010, já eram 3.932 as matrículas de retalhista de ourivesaria, um valor que subiu para 5.055 no ano passado. No total, entre 2008 e 2011, aumentaram 47 por cento. 

 Do conjunto de matrículas registadas no final do ano passado, mais de metade estava localizada em Lisboa (1.118), no Porto (1.095) e em Braga (422). A Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) fez 1.798 operações de fiscalização no setor do ouro, entre 2006 e janeiro deste ano, das quais resultaram 439 multas, sete crimes e mais de 10 mil apreensões, segundo dados também fornecidos ao grupo de trabalho. 

 Até maio de 1999, a fiscalização da atividade de transformação e comércio de ouro foi da responsabilidade da Imprensa Nacional Casa da Moeda (INCM), ficando depois dessa data a cargo da ASAE. No ano passado, foram feitas 687 operações, o valor mais alto registado desde 2006 (57 operações em 2006, 124 em 2007, 261 em 2008, 340 em 2009, 291 em 2010 e 687 em 2011). O ano de 2011 foi também aquele em que foi registado o maior número de multas e de infrações: 110 e 152, respetivamente. Para obter uma licença ou matrícula junto da Imprensa Nacional Casa da Moeda (INCM), basta vender diretamente ao público artigos de ouro, preencher um formulário, enviar fotocópias da documentação pessoal e da atividade e pagar. 

A INCM emite a autorização, mas refere não ter qualquer poder de fiscalização. A legislação que regula a atividade tem mais de 30 anos e não prevê que seja dada uma autorização específica para o comércio de compra e venda de ouro usado, apenas sujeitando a licenciamento a quem comercialize estes produtos, independentemente de serem novos ou usados.


 * Surge em Portugal uma nova família de abutres a pairar sobre a fome das famílias.


 .



BILHARADAS




 .
 .

ESTA SEMANA NA
"SÁBADO"

 Vhils, o Banksy português

Quando começou a pintar graffiti em paredes e comboios, aos 10 anos, na terra onde nasceu, o Seixal, Alexandre Farto – conhecido por Vhils, a assinatura (tag) que adoptou desde então – não imaginava que hoje, cerca de 14 anos mais tarde, seria convidado a expor criações suas em galerias importantes de Londres, Xangai ou Paris. 
“Desenvolvi um conhecimento muito próximo das zonas marginais e dos não lugares das cidades, cresci com essa visão do outro lado do meio urbano”, salienta, ao recordar os tempos em que tinha de fugir da polícia com latas de spray nos bolsos. Mas como é que aconteceu uma ascensão destas, tão rápida, até à consagração artística internacional? 

A explicação de Vhils à SÁBADO: “Senti-me impelido a experimentar com outros materiais e técnicas que me permitissem passar de uma comunicação em círculo fechado, como é o graffito, para uma que alcançasse um público mais abrangente.” Houve uma mudança técnica fundamental: libertou-se da linguagem convencional do graffito e passou a utilizar o stencil para criar imagens mais figurativas e directas, através da sobreposição de camadas contrastadas. 

 “Fui observando que as paredes das cidades comportavam uma série de resquícios acumulados que permitiam fazer uma espécie de leitura histórica da passagem do tempo, sobretudo evidente no acumular de cartazes publicitários, como é prática em Portugal.” Daí chegou à ideia de inverter o conceito do stencil: em vez de sobrepor, dedicou-se a remover camadas. Mas não se limitou a trabalhar sobre as camadas sobrepostas de cartazes publicitários – que diz engrossarem as paredes em cerca de 20 centímetros. 

Um dia experimentou escavar na própria estrutura das paredes, com martelos pneumáticos e martelos normais. Primeiro desenha na parede, com spray, a figura que pretende esculpir. Depois utiliza cinzel e martelos (por vezes já usou explosivos) e, para os acabamentos, aplica lixívia e outros produtos de limpeza, ácidos corrosivos ou borra de café, que se tornou a sua técnica mais recorrente. Em paredes degradadas ou fachadas de edifícios devolutos, de Lisboa a Moscovo ou Bogotá, esculpe sobretudo rostos anónimos. 

Há trabalhos mais pequenos que demoram várias horas, três a quatro, e outros maiores que se estendem por dois a três dias. Estes rostos começaram a chamar a atenção não só dos transeuntes mas de artistas, galeristas e dos media internacionais. Alexandre Farto apareceu na capa do jornal britânico The Times em Maio de 2008, depois de participar no Cans Festival, organizado pelo consagrado Banksy – o expoente mundial da street art contemporânea. “Ele – reconhece Farto – influenciou-me em termos de postura e conceito de actuação no espaço público, mas não em termos de estilo e linguagem visual.” A BBC descreveu-o logo como “o Banksy português”; o The Telegraph” optou pelo trocadilho “Andy Wall-hole” (referência a Andy Warhol). 

Antes de Londres, onde começou por colaborar com a galeria Pictures on Walls, já tinha sido recrutado pela agência de arte Vera Cortês, em Lisboa, e participado nas exposições colectivas Visual Street Performance. Mas foi na capital britânica que ganhou projecção.“No mesmo ano, surgiu o convite para me juntar à equipa de artistas [entre os quais Banksy] a trabalhar com a Lazarides Gallery. 

Desde então tenho estado incessantemente a trabalhar.” Na China inaugurou uma exposição, a 31 de Março, na galeria Magda Danysz, em Xangai. 


* Talento a rodos


 .


FF

Interpreta CARMEN MIRANDA





.
-

  HOJE NO
"RECORD"

Sporting regressa à 1.ª Divisão 
Nove anos depois 

A equipa de Alvalade está de volta à 1.ª Divisão, nove anos depois da última presença, após bater a Turquel (5-3). Os leões subiram à liderança da Zona Sul e Ilhas da 2.ª Divisão e garantiram a promoção a quatro jornadas do final do campeonato. 

O HC Turquel, que não perdia em casa há 27 meses, entrou melhor e fez dois golos por Vasco Luís, mas o Sporting reduziu antes do intervalo, por Marinho, e na 2.ª parte operou a cambalhota no marcador, com golos de Marinho, Gonçalo Alves (2) e Pimenta, já depois de Vasco Luís ter feito o 3-3. No final do encontro, os leões fizeram a festa da promoção, com o técnico Quim Zé a falar de “uma vitória justa, num duelo entre duas boas equipas. Tivemos alma para dar a volta ao resultado e fizemos um ótimo jogo”. 

 A noite ficou ainda marcada pelo despique entre os dois melhores marcadores da 2.ª Divisão. Vasco Luís fez um hat-trick e soma agora 69 golos, mas Gonçalo Alves bisou e tem mais uma dezena de golos apontados. Na Zona Norte, o Limianos também subiu à 1.ª Divisão, após vencer o Paço Rei, por 12-10.


 * Já não era sem tempo 

.




ESTRANHAS REGRAS
 





 .
.

APROVEITANDO








m
.



3.VERSALHES








m
.
POEMAS


'a múmia'

de Fernando Pessoa

por João Villaret




 c
.


FOTOS SORTIDAS

v






b