sexta-feira, 20 de abril de 2012

UMA GRAÇA PARA O FIM DO DIA

-





PARA QUEM QUISER






.
.


À ATENÇÃO DOS NOSSOS VISITADORES

Desde anteontem, quarta-feira 18/04/12, que acontece uma anomalia técnica em vários blogues e que ainda não foi reparada pelo operador. 
Apesar de programarmos com horários bem definidos as inserções que vos apresentamos as mesmas não estão a ser  editadas à hora programada. 
Mesmo não sendo responsáveis por esta anomalia pedimos-vos desculpa e desejamos que a reparação da falha seja efectuada o mais rápidamente possível.

A Redacção
.

MODA MASCULINA

DOLCE&GABBANA 

MEN SUMMER 2012 

FASHION SHOW




.
.
HOJE NO
"PÚBLICO"

Para as portuguesas 
a violência doméstica é crime

Um estudo sobre as percepções de diferentes comunidades em Portugal sobre violência doméstica revelou que apenas as mulheres portuguesas consideram que é crime, enquanto um quarto dos ucranianos inquiridos disseram desconhecer o seu significad
O estudo “Violência doméstica: Percepções de diferentes comunidades em Portugal”, divulgado no congresso da Ordem dos Psicólogos, que decorre até sábado em Lisboa, pretendeu comparar o modo como as comunidades brasileira, ucraniana, cabo-verdiana e portuguesa vêem o fenómeno da violência conjugal.

A coordenadora do estudo, Joana Alexandre, adiantou que o objectivo foi verificar se existem diferenças de género e entre as quatro comunidades em torno deste fenómeno e “se existe interseccionalidade entre género e comunidade”.

O estudo envolveu 260 participantes – a maioria homens (52%) –, dos quais 76 são portugueses, 64 ucranianos, 61 brasileiros e 59 cabo-verdianos.

A ideia de que a violência doméstica é um crime é apontada apenas pelas mulheres (23,3%) e homens (12,1%) portugueses.

Segundo o documento, 31,9% dos inquiridos consideram que a violência doméstica é a agressão física e psicológica, um motivo apontado por 44,8% das mulheres e 43,3% dos homens cabo-verdianos, 24,2% dos ucranianos e 27,3% dos portugueses.

Este motivo também é referido por 62,5% de brasileiras e por 37,9% de brasileiros. Para 27,6% dos homens desta comunidade, trata-se de “falta de respeito”.

Para 19,4% das ucranianas, violência doméstica é “tratar mal alguém” e 38,7% preferiu não responder a esta questão.

Já 18,6% das portuguesas inquiridas consideram que este fenómeno é “falta de respeito” e 18,2% acha que é sinónimo de “tratar mal alguém”.

“Em termos dos resultados mais quantitativos salienta-se que as mulheres percepcionam como mais agressivos ou violentos, por comparação com os homens, um conjunto de comportamentos que visam a manutenção de poder e controlo”, disse Joana Alexandre, docente do Instituto Superior das Ciências do Trabalho e da Empresa, de Lisboa.

A inbvestigadora adiantou que as portuguesas são as que percepcionam como “mais agressivos ou violentos” os comportamentos que visam a manutenção de poder e controlo, e a comunidade ucraniana, sobretudo os homens, a que os considera “menos agressivos ou violentos”.

Sobre a maneira de agir, no caso de ser vítima, são as portuguesas que tendencialmente dizem que recorreriam mais a serviços de apoio (associações de vítimas, polícia, etc.). No lado oposto, estão os homens portugueses e ucranianos, revelou Joana Alexandre.
“Em termos de coping de evitamento-passividade (exemplo separar-se por uns tempos ou não fazer nada) são os ucranianos, principalmente as mulheres, que dizem que recorreriam mais a esta forma de lidar em caso de serem vítimas”, acrescentou.

As autoras do relatório defendem a realização de estudos futuros para averiguar o papel do processo de aculturação/anos de residência no país de acolhimento e em que medida as questões da legalização interferem no modo de lidar quando se é vítima.


* Ainda há quem pense que levar "porrada" dentro de casa é só falta de respeito. Mas há crimes respeitosos, estilo: - Oh querida, informo que  te vou partir os cornos ?????

.
.
JACK CHOI

NA MESA VIRTUAL DE DISSECAÇÃO



No palco do TED 2012, Jack Choi demonstra uma poderosa ferramenta para treinar estudantes de medicina: uma tela multi-toque do tamanho do corpo humano, que permite explorar, dissecar e entender as partes do corpo e os sistemas.

.
HOJE NO
"O PRIMEIRO DE JANEIRO"
Cristas garante 'acordo de princípio'
A ministra da Agricultura, Assunção Cristas, revelou, ontem, que a Comissão Europeia está sensível ao problema da seca em Portugal e tem um 'acordo de princípio', com as decisões do Governo para enfrentar a situação. 'A Comissão tem esta atitude muito positiva e construtiva de sensibilidade para com a situação em Portugal', declarou, no final de uma reunião com o comissário Dacian Ciolos. No encontro, destinado a fazer um ponto de situaãoo sobre a seca, ficou patente que o executivo comunitário 'irá muito rapidamente', tomar decisões sobre o caso português. Após a reunião, o PS disse que a ministra da Agricultura 'falhou', ao não conseguir 'desbloquear', verbas comunitárias para os agricultores portugueses afetados pela seca, defendendo que esta situação 'terrível', exige um 'orçamento excecional'.


* PSD E PS andam na troca de "mimos", próprio de quem alterna o poder e no meio desta conversa quem se lixa é o agricultor, porque os fundos vêm fora de tempo e as ajudas não são a fundo perdido, têm juros e não são baixos.

.
.


3.2-A IGREJA CATÓLICA

CONSTRUTORA DA CIVILIZAÇÃO


Padres como pioneiros da Ciência



video

Série da EWTN apresentada por Thomas E. Woods, autor do livro Como a Igreja Católica Construiu a Civilização Ocidental.


NR: Há muito que somos zurzidos por muitos amigos e alguns visitadores, pela nossa atitude agreste, alguns dizem agressiva, em relação à igreja católica, nos vários comentários que por vezes dirigimos à estrutura ou a alguns dos seus intépretes.
Lá nos vamos defendendo destas "vis" acusações referindo que só zurzimos em quem se põe a geito...
Mas, como apreciamos a imparcialidade decidimos editar uma série longa em defesa acérrima da igreja católica, não para nos redimirmos ou ganharmos o céu mas por respeito aos nossos amigos e visitadores que professam esta religião.
A Redacção

.
.


HOJE NO
"CORREIO DA MANHÃ"

Padres isentos de revelar abusos
A Igreja aprovou um código de conduta para casos de pedofilia que dispensa os padres de denunciarem abusos sexuais de menores de que tenham conhecimento.

Na sequência de uma determinação do Vaticano, agora adoptada pelos bispos portugueses, os sacerdotes apenas ficam obrigados à instauração imediata de procedimento canónico, estando dispensados de comunicar os crimes à polícia. Devem, sim, aconselhar as vítimas ou as suas famílias a participarem o caso às autoridades.

"Esta norma decorre da ordem jurídica portuguesa, em que não há obrigação de denúncia, excepto para os funcionários públicos", disse o Patriarca de Lisboa, D. José Policarpo, sublinhando a "excepção" para os padres que dirigem instituições de solidariedade, pois "os funcionários das IPSS são equiparados a funcionários públicos".

A Igreja compromete-se a prestar "todo o apoio e ajuda terapêutica" às vítimas, mas exclui eventuais indemnizações porque "o delito de um padre não é um delito da Igreja".


* Às vezes vale a pena invocar a jurisdição se isso significar a omissão de "paneleirices" praticadas por indíviduos que representam a igreja,cometem actos em nome da igreja, dizem que são a igreja viva mas no fim de contas não são a igreja.

.

ANNE-MARIE SLAUGHTER



 Preste atenção aos vizinhos



A opinião geral sobre se a Síria cumpriria o plano de cessar-fogo do antigo secretário-geral das Nações Unidas, Kofi Annan, apontava na semana passada para que tal dependia da Rússia. Estávamos a voltar à política da Guerra Fria, na qual o Ocidente não estava disposto a utilizar a força e a Rússia estava disposta a armar e a apoiar o seu cliente. Assim, a Rússia tinha um trunfo na mão: a escolha da quantidade de pressão que estava disposta a colocar sobre o presidente sírio, Bashar al-Assad, para cumprir o plano.

Se este ponto de vista estivesse correcto, o Irão teria certamente um trunfo igualmente poderoso. Annan, afinal de contas, também viajou para Teerão. A tradicional geopolítica do equilíbrio do poder, ao que parece, está viva e bem de saúde.

Mas esta é, na melhor das hipóteses, uma visão parcial que esconde tanto quanto revela. Em particular, perde a importância crucial e crescente da política e das instituições regionais.

A resolução a longo prazo da crise síria depende tanto da Turquia e da Liga Árabe como dos Estados Unidos, da Europa e da Rússia. Tendo em conta o que mais aconteceu na semana passada: o governo da Turquia deixou claro que recorreria a novas medidas, caso o plano de Annan não produza resultados.

As autoridades turcas têm emitido declarações semelhantes há meses, mas agora as tropas sírias dispararam na Turquia, perseguindo os rebeldes do Exército Livre sírio que fugiram para lá da fronteira, ao mesmo tempo que o número de civis refugiados sírios aumentou drasticamente. Na semana passada, o primeiro-ministro Recep Tayyip Erdogan aumentou dramaticamente a parada com a conversa de ter “muitas opções” e por ter acrescentando: “Além disso, a NATO tem responsabilidades que têm a ver com as fronteiras da Turquia, de acordo com o artigo 5º”.

O artigo 5º do Tratado da NATO estipula que um ataque a um membro da NATO deve ser considerado um ataque contra todos e que todos virão em auxílio desse membro. É claro que outros membros da NATO podem discordar de que a Síria atacou, de facto, a Turquia, mas se a Turquia invocar o artigo 5º, uma recusa em oferecer assistência pode ter consequências desagradáveis para a aliança, como um todo. E Assad sabe muito bem que será impossível evitar mais incidentes fronteiriços, a menos que esteja preparado para permitir que o Exército Livre sírio utilize a Turquia como uma zona segura.

A importância do artigo 5 º é de que se uma causa credível pode fazer com que a Turquia e os seus aliados ajam em legítima defesa, eles não precisam de procurar a aprovação do Conselho de Segurança das Nações Unidas. Isso torna a sugestão de Erdogan um divisor de jogo, forçando Assad a contar com a perspectiva de uma zona de facto segura pela força militar para a oposição civil.

O ponto mais profundo aqui é que as organizações regionais, incluindo a NATO, fornecem o primeiro nível de legalidade e de legitimidade necessário para uma utilização bem-sucedida da força. Os EUA não teriam apoiado a intervenção na Líbia se a Liga Árabe não tivesse suportado uma zona de exclusão aérea e não estivesse disposta a ir para a ONU nessa base.

Na verdade, partindo do princípio que Assad não começa a demolir cidades inteiras, não consigo imaginar quaisquer circunstâncias nas quais os EUA apoiariam até mesmo uma intervenção militar limitada na Síria sem a aprovação pública da Liga Árabe e da Turquia. É por isso que temos assistido a um jogo de “depois de si” em relação à Síria, com os turcos a dizer que precisam de apoio do Ocidente, com os EUA a dizer que precisam de apoio regional e com ambos a dizer que precisam de apoio da ONU.

Para além do Médio Oriente, África fornece a melhor evidência para uma geopolítica baseada tanto nas potências e nas instituições regionais, como nas tradicionais grandes potências. Enquanto Annan tem tentado ser o mais diplomático possível para resolver a crise na Síria, as perturbações no Senegal, no Mali, no Malawi e na Guiné-Bissau foram rapidamente abordadas por outras potências regionais. Em particular, a União Africana (UA) tem actuado várias vezes em nome do cumprimento da Carta Africana para a Democracia, Eleições e Governação.

No Senegal, a violência latente acompanhou as recentes eleições, nas quais foi permitido ao presidente Abdoulaye Wade candidatar-se a um inédito terceiro mandato. A primeira volta forçou Wade a desempatar com Macky Sall, ao ponto de a UA ter enviado prontamente uma Missão de Observação Eleitoral, elaborado a partir de 18 países africanos, para avaliar se as eleições eram legais e os resultados “reflectiram a vontade do povo senegalês ”. Não podemos ter a certeza sobre qual foi o impacto que a missão teve sobre a decisão final de Wade, ao admitir a derrota para Sall, mas saber que a região estava a assistir deve ter focado a sua mente.A situação no Mali é mais complicada, porque envolve um contínuo movimento separatista, bem como um golpe de Estado no dia 21 de Março. Mas, após o golpe de Estado, a UA e a Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), com o apoio da ONU, suspenderam imediatamente a adesão do Mali na UA, impuseram sanções económicas e diplomáticas no país e colocaram restrições de viagem aos líderes do golpe de Estado. Pouco mais de duas semanas depois, a CEDEAO anunciou que tinha chegado a um acordo com os líderes do golpe de Estado, de devolver o governo ao regime civil em troca do levantamento das sanções.

Do mesmo modo, o presidente da UA, Jean Ping, condenou o golpe de Estado na Guiné-Bissau, no início de Abril, de imediato e com toda a veemência.

Aqueles que interpretam todos os movimentos no cenário internacional em termos da eterna disputa pelo poder e pelo prestígio jamais terão falta de provas. A maneira como a rivalidade entre a Arábia Saudita e o Irão se está a desenrolar na Síria é um exemplo proeminente. Mas o desejo dos países em acabar com os assassínios em massa nos seus países vizinhos ou assegurar o cumprimento das normas regionais tem a sua própria força. Cada vez mais, quando uma instituição regional não age, as potências externas à região têm dificuldade em intervir. E, quando uma região se une à linha de acção, a intervenção das potências externas torna-se menos necessária ou mais eficaz.



Professora em Princeton, ex-directora da planificação de políticas do Departamento de Estado dos EUA


Tradução de Deolinda Esteves/Project Syndicate


IN "PÚBLICO"
18/04/12

.


MAIS BARATO NÃO HÁ





ALMORRÓIDA FUCKINGUIDA




Fucking 
não consegue mudar de nome

 A aldeia austríaca de Fucking vive dias conturbados. Cansados de serem motivo de piadolas fáceis dos turistas de língua inglesa e de pagarem do seu bolso a substituição das placas da localidade constantemente roubadas pelos visitantes, os “fuckinguenses” decidiram mudar o nome da terra para Fugging. Mas, afinal, já existe uma terra com esse nome no país e não está disposta a partilhá-lo. 

As autoridades terão agora de desempatar a contenda. Tudo indica, portanto, que o calvário desta terra amaldiçoada pela linguística vá continuar por mais uns tempos. Baptizada com um nome totalmente inofensivo em alemão por causa de um lorde, Focko, que terá fundado o povoado no século VI, Fucking começou a dar nas vistas após a II Guerra Mundial, quando se tornou ponto de peregrinação obrigatório para as tropas britânicas e norte-americanas estacionadas ali perto, em Salzburgo.

 Começou aí a fama da aldeia com nome em vernáculo. E depois vieram os turistas. Roubavam as placas, fotografavam-se e filmavam-se junto a elas, por vezes tirando a roupa e cumprindo o desígnio indicado pela palavra que em inglês – e traduzindo de forma civilizada – quer dizer “praticar o acto sexo sexual”. Para mais, num dos locais onde existe placa toponímica, esta está acompanhada por um sinal de trânsito, com a imagem de duas crianças e a mensagem “Mais devagar, por favor”... Os cidadãos locais (e são cerca de uma centena) não achavam graça nenhuma a isto. Principalmente porque cada placa custa à volta de 300 euros e o seu roubo constitui o único item da lista de crimes cometidos na terra.

 A primeira medida, tomada em 2005, foi substituir as placas normais por outras à prova de roubo – leia-se: em aço e ancoradas numa sapata de betão. Mesmo assim, elas desapareciam. A seguir instalaram câmaras de vigilância para dissuadir os mais ousados. Por esta altura, já havia quem estivesse a ver a coisa por outro prisma. Um cidadão local criou um site e passou a vender t-shirts com a mensagem “I like Fucking in Áustria”. O negócio corria bem, mas os vizinhos levaram a mal e a pressão da opinião pública matou a iniciativa. 

Outras surgiram: em 2008, realizava-se o Festival das Fuck Bands, que contou com as participações de grupos como os Fucked Up, Holy Fuck, Fuck e Fuck Buttons. Talvez tudo isto sejam em breve memórias de uma era desaparecida. Mas, ao anunciar a intenção de mudar de nome, os responsáveis da aldeia podem ter desencadeado uma reacção adversa. Muitos turistas estarão a dizer neste momento: “Vamos a Fucking enquanto é tempo!”


 IN "PÚBLICO" 
19/04/12

.
.

HOJE NO
"DIÁRIO ECONÓMICO"

Maioria dos portugueses 
desconfia do Governo
Estudo revela que portugueses consideram
 ONG’s, empresas e comunicação social 
mais credíveis que o Executivo.

Os portugueses continuam a confiar mais nas Organizações Não Governamentais (ONG), nas empresas e nos media do que no Governo, de acordo com a terceira edição do Edelman Trust Barometer Portugal, que é apresentado hoje à tarde no Instituto Superior de Economia e Gestão (ISEG).
Segundo o estudo, que se baseia numa amostra da população considerada informada (público informado), a confiança dos portugueses no Governo aumentou este ano 20 pontos percentuais face ao ano passado, para 29%. Porém, o Governo continua a ser a instituição menos confiável no país, mantendo-se longe da média da União Europeia (38%). 

O coordenador nacional do estudo, Pedro Pires, explica ao Diário Económico este dado: "O crescimento da confiança no Governo está associado a uma mudança, ou seja, ao início de um novo ciclo político, que é comparável ao ano anterior, quando estávamos precisamente no final de um ciclo e em que se verificou uma confiança no Governo de apenas 9%." Aliás, quando comparado com os 26 países que integram o estudo, Portugal é, em 2012, o quinto país com pior nível de confiança face ao Executivo.

O estudo revela ainda que a confiança nos meios de comunicação social aumentou este ano 12 pontos percentuais, para 51%, acima da média europeia (45%) e próximo da média dos 26 países analisados (52%). Os meios tradicionais, como os jornais, as revistas, a televisão ou a rádio são aqueles em que os portugueses mais acreditam (22%), seguindo-se os recursos online (14%), a informação corporativa (12%) e as redes sociais (4%).


* Os 20% de aumento registam-se porque há um ano o país "tresandava" a Socrates e para qualquer outro que viesse era difícil cheirar pior. 
As ONG's são na sua grande maioria um baluarte de ética e solidariedade.

.
.




PEIXE EM LISBOA



 PÁTIO DA GALÉ-TERREIRO DO PAÇO - LISBOA



DIAS E HORÁRIO DO EVENTO


12 Abril / 18:00-24:00
13 - 21 Abril / 12:00-24:00
22 Abril / 12:00-16:00

Os melhores chefes de Lisboa querem cozinhar para si… 
Prove a emoção e criatividade sem par 
de 10 grandes restaurantes!


OS CHEFES

ANDONI LUIS ADURIZ  ** Michelin
Mugaritz / San Sebastian  Espanha

Chefe de cozinha do Mugaritz, restaurante espanhol de San Sebastian, considerado o quinto melhor do mundo pela conceituado revista "Restaurant", em 2010.




ÁNGEL LÉON   * Michelin
Aponiente / Cadiz   Espanha

Chefe de cozinha do restaurante Aponiente, em Puerto de Santa María, Cádiz, Espanha.








AUGUSTO GEMELLI
Gemelli / Lisboa   Portugal

Chefe, sofre influências de vários países e culturas e as suas propostas são o espelho dessa diversidade. No início da década de 90, o seu percurso levou-o de Milão a Londres, depois em Buenos Aires, Porto Rico e Nova Deli. Após uma nova incursão por Itália, Augusto Gemelli chega finalmente a Portugal em 1996. Até 1998, esteve à frente da cozinha do Spazio Evasione, em Lisboa. Depois, fez várias consultorias, entre elas no Massima Culpa. Atualmente é proprietário e chefe do restaurante “Gemelli" em Lisboa.



CARLOS MARTINS
Hotel Aviz / Lisboa  Portugal












FELIPE BRONZE
Oro / Rio de Janeiro  Brasil

Com 34 anos, Felipe Bronze tem trilhado um trajeto importante no panorama da gastronomia brasileira, sendo um dos nomes mais apreciados da nova geração e tendo já conquistado prémios e distinções por parte de guias e outras publicações naquele país, além do reconhecimento generalizado da crítica. Atualmente é chefe do conceituado restaurante Oro, do Rio de Janeiro.


HANS NEUNER   ** Michelin
The Ocean / Algarve   Portugal

O chefe austríaco tem uma capacidade de trabalho invulgar, conseguindo aliar rigor e paixão nas criações gastronómicas que assina. Foi muito graças ao seu exemplar trabalho que o restaurante The Ocean, no Vila Vita Parc, no Algarve, recebeu recentemente a segunda estrela Michelin, tendo já sido distinguido, pela revista WINE – A Essência do Vinho, “Restaurante Gastronómico do Ano em 2009” e o próprio Hans como “Chefe de Cozinha do Ano 2011”.



JACQUES LE DIVELLEC  * Michelin
Le Divellec / Paris  França

Chefe de cozinha do restaurante Le Divellec, um dos mais conceituados de Paris no que concerne à gastronomia à base de peixe e produtos mediterrânicos.





JOSÉ AVILLEZ
Cantinho do Avillez e Belcanto / Lisboa   Portugal

Um dos mais talentosos chefe de cozinha da nova geração. No Chiado assume o desafio de devolver protagonismo ao clássico Belcanto, apresentando ainda em Lisboa um conceito mais descontraído, no Cantinho do Avillez. Já representou Portugal em vários certames internacionais, tendo no currículo passagens pelo Tavares, Fortaleza do Guincho, hotel Bristol (Paris), também conta um estágio no El Bulli. “Personalidade do Ano na Gastronomia em 2009” pela revista WINE – A Essência do Vinho.


LEONEL PEREIRA
Panorama, Hotel Sheraton / Lisboa  Portugal

Começou no hotel Nikko (Paris) e no hotel Cipriani (Veneza). Seguiram-se o Atlântis Vilamoura, hotel Quinta do Lago, hotel Alexandra Palace (Suiça), hotel Pestana Carlton Alvor e hotéis Pestana Brasil (Rio Atlântica, Angra, Natal, Bahia, São Paulo e Curritiba). Foi chefe executivo e F&B Manager do Grupo Pestana Pousadas e consultor dos Hotéis Pestana Brasil. É chefe executivo do Panorama, no Sheraton Lisboa, já considerado “Restaurante Gastronómico do Ano 2010” pela WINE-A Essência do Vinho.


LUCA COLLAMI  * Michelin
Baldin / Génova   Itália









NUNO BERGONSE E DIOGO NORONHA
Pedro e o Lobo / Lisboa   Portugal











RICARDO COSTA  * Michelin
The Yeatman / Vila Nova de Gaia  Portugal

Conquistou para o restaurante The Yeatman, em V.N. de Gaia, a primeira estrela Michelin. As suas criações são arrojadas, mas o respeito pelos produtos portugueses é uma constante, numa cozinha cheia de sabor e vivacidade. Ganhou notoriedade ao recuperar a estrela do famoso guia vermelho para o Largo do Paço, restaurante da Casa da Calçada, em Amarante, tendo já sido eleito “Chefe de Cozinha do Ano 2009” pela revista WINE-A Essência do Vinho.


VITOR SOBRAL
Tasca da Esquina e Cervejaria da Esquina / Lisboa  Portugal

Nasceu em 1967 entre os sabores rústicos alentejanos, o que marcou o seu gosto pela gastronomia. Acérrimo defensor da gastronomia portuguesa soma distinções várias, sendo uma das mais recentes a de “Personalidade do Ano na Gastronomia 2010”, pela revista WINE-A Essência do Vinho. O presente de um vasto currículo passa agora pela Tasca da Esquina (Lisboa e São Paulo) e Cervejaria da Esquina (Lisboa), resgatando bem sucedidos e tradicionais conceitos da restauração portuguesa.

RESTAURANTES

100 MANEIRAS
Ljubomir Stanisic / Lisboa
A cozinha de Ljubomir Stanisic, um dos chefes mais criativos e sólidos a trabalhar no nosso país.

MENU
Cachorro quente do mar com pão de algas e maionese de ouriço
Pita da punheta (de bacalhau)


BOCCA

Alexandre Silva, Lisboa
Cozinha contemporânea trabalhada por Alexandre Silva, num ambiente sofisticado e cosmopolita.

MENU
5.00€

Filete de Cavala Fumado num sumo de Maçã Verde e Pickles Suaves de Vegetais
Salmão Marinado com Pimenta Rosa com Crème frio de Rucula e Chufas Torradas
Xerém de Berbigão e Tomate
Aveludado de Raiz de Aipo Com Algas Wakame e Vieira Salteada
Leite Creme de Alfazema
Anatomia de Uma Rabanada

8.00€

Naco de Atum Salteado com Salicornia e Canja de Pato e Soja
Peixe do dia a 52ºC com Gnochis Explosivos de Batata e Queijo da Ilha de São Jorge
Filete de Peixe Galo no Forno com Estufado de Lentilhas e Funcho
Línguas de Bacalhau, Molho de Batata com Ovo a baixa temperatura


ELEVEN

Joachim Koerper / Lisboa
Um dos mais prestigiados chefes a trabalhar em Portugal mostra receitas com os nossos peixes.

MENU
5.00€

Creme de ervilhas aromatizado com hortelã e tártato de dourada
Bolo de cenoura com gelado de gengibre
Carpaccio de tamboril com citrinos, seu vinagrete e mesclum de rebentos (5€)
Terrina de camarão com “aqua de mar” e vinagrete de wasabi (5€)
Pannacota de morango com gelado de vinagre balsâmico (5€)

8.00€

Demi Cuit de atum panado em sementes de sésamo com chutney de abacaxi
Peixe galo branco com salteado de feijão verde, compota de tomate e caviar avruga (8€)
Cantaril da nossa costa com polenta de caldo verde e emulsão de chouriço (8€)
Bacalhau a baixa temperatura com puré de beterraba e gengibre, molho de cebola assada (8€)
Filite de cavala aromatizada com tomilho-limão, salada de pimentos e emulsão de pepino (8€)


G-SPOT

João Sá e André Simões, Sintra
A dupla João Sá e André Simões elabora uma cozinha de mercado, imaginativa e cheia de criatividade.

MENU
O nosso risotas negro de lima com Veja ao vapor
Alfonsinho marinado com puré de limão e pickle de espargo


JOSÉ AVILLEZ
José Avillez / Lisboa

Nome incontornável de uma nova geração de chefes de cozinha portuguesa, brilhou no histórico Tavares e conta estágios por cozinhas de renome, como a do El Bulli. Criatividade e emoção lado a lado.

MENU
5.00€

Vieiras marinadas com abacate
Creme frio de santola
Atum em conserva caseira
“Brioche” de sapateira
Avelã 3
Bolo de chocolate com gelado de morango

8.00€

Caldeireta de peixes com hortelã da ribeira
Bacalhau à Brás com azeitonas explosivas
Lombinho de bacalhau com ratatouille
Vieiras salteadas com sabores de outros lugares
Atum braseado com legumes e azeitonas
Empada de camarão e legumes com molho tailandês


PEIXARIA DA ESQUINA
Vitor Sobral, Lisboa

Os peixes portugueses trabalhados por Vitor Sobral, com fôlego renovado e comprovado em Lisboa e São Paulo.

MENU
5.00€

Carpaccio de bacalhau
Carpaccio de atum
Tártaro de atum
Hamburger de peixe branco
Bife de atum

8.00€

Prego de atum
Hamburger de bacalhau
Hamburger de peixe branco
Bife de atum


RIBAMAR

Hélder Chagas / Sesimbra
O inigualável mar de Sesimbra interpretado por um grande conhecedor.

MENU
Tamboril com molho de lavagante
Sopa Rica de peixes e mariscos
Filetes de cavala com molho de mostarda


SPAZIO BUONDI – NOBRE
Justa Nobre / Lisboa

Uma cozinheira consagrada que nos surpreende sempre com a criatividade.

MENU
5.00€

Sopa de Santola
Tosta de Sapateira com Salada Verde
Rebuçado de Marisco com Salada Verde
Sopa Dourada
Arroz Doce

8.00€

Camarões com Molho de Caril e Favinhas de Coentrada
Puntilhitas al Ajjilo com Camarões e MIgas de Tomate
Lombo de Garoupa com Alho e Laranja com Puré de Coentros
Tranche de Garoupa em Crôsta de Ervas e Milhos de Berbigão
Folhado do Mar com Salada de Tomate Cereja
Rolinhos de Linguado com Camarão e Molho de Baunilha
Filetes de Salmonete com Jardineira de Marisco
Medalhões de Tamboril com Molho de Tomate e Cuscos de Camarão
Tranche de Cherne dos Açores com Puré de Ervilhas
Mil Folhas de Bacalhau e Esmagado de Batata Doce


TASCA DO JOEL
Joel / Peniche

Cozinha apurada nos sabores dos melhores produtos frescos, dentro de conceitos tradicionais.

MENU
Sequinho de cherne a moda de Peniche
Bacalhau no forno em azeite aromatizado com Miso
Raia Confitada em azeite aromatizada com gengibre
Búzios gratinados
Raia á fragateira
Bacalhau recheado com sapateira


UMAI

Paulo Morais / Lisboa

O primeiro “sushi man” português, apresenta sabores trabalhados com o respeito pelo produto e a melhor tradição oriental.

MENU

Os “Must”

Sushi
Sashimi
House maki – rolo especial com cobertura de peixe

Os Clássicos

Vieiras com espuma de caril
Bacalhau fresco assado com molho miso
Laksa lemak, massa com marisco

As novidades

Goesazinha, homenagem à francesinha
Momos negros, recheados com mexilhão
Salada de glass noodle



BILHETEIRA

Entrada 1 dia  15 €

Com direito a:
_ 1 degustação de 5€
_ 1 bebida de 1,5€
_ 1 copo para prova

De 2.ª - 6.ª feira, 12h00 - 15h00, uma entrada de um dia dá direito a:

_ 2 degustações de 5€ cada
_ 2 bebidas de 1,5€ cada
_ 1 copo para prova.

A entrada inclui ainda a possibilidade de inscrição gratuita nas atividades paralelas, sujeitas aos lugares disponíveis e à exeção das harmonizações que têm um custo acrescido.


Entrada Grupo (5 pessoas / 1 dia)  60€

Com direito a:
_ 5 degustações de 5€ cada
_ 5 bebidas de 1,5€ cada
_ 5 copos para prova.

De 2.ª - 6.ª feira, 12h00 - 15h00, uma entrada de Grupo dá direito a:

_ 10 degustações de 5€ cada
_ 10 bebidas de 1,5€ cada
_ 5 copos para prova.

A entrada inclui a possibilidade de inscrição gratuita nas atividades paralelas, sujeitas aos lugares disponíveis e à exeção das harmonizações que têm um custo acrescido.


NR: Os certames dos anos anteriores revelaram-se de excepcional qualidade, os olhos também comem, os chefes e os restaurantes do painel prevêm uma excepcional festa da comida. Não é barato lá ir mas é muito bom.

.  


II - GALÁPAGOS

4 - AS ILHAS QUE MUDARAM O MUNDO


video



O lugar que inspirou a teoria da evolução de Darwin. As ilhas Galapagos são um laboratório vivo, um cinturão geológico que gerou e viu morrer inúmeras espécies de plantas e animais. As ilhas ocidentais ascendem no mar dando mais chances a vida enquanto as ilhas orientais afundam garantindo a morte de vários seres e plantas. Entre os dois existem as ilhas centrais, fertéis e imponentes elas dão abrigo a um sem número de seres vivos. Em nenhum outro lugar na terra encontramos o ciclo da via e da morte tão aparente quanto aqui. Veja os ciclos se desdobrando perante seu olhos nesta fantástica filmagem feita em alta definição HD pela BBC e o National Geographic Channel.

.
.

HOJE NO
"DIÁRIO DE NOTÍCIAS"

Portugueses têm menos 
anos de vida saudável

Os portugueses estão entre os europeus com menos anos de vida saudável depois da reforma, revela o Eurostat. Os dados nacionais, apesar de terem melhorado, estão ainda ao nível de alguns países do Leste da Europa.

O gabinete europeu de estatística elaborou um estudo que mostra que os portugueses podem esperar ter mais seis ou sete anos de vida sem doença após a idade da reforma. No caso das mulheres são mais seis anos saudáveis e nos homens sete.

As estatísticas indicam que, em média, as idosas portuguesas têm mais 15 anos para além da reforma com problemas de saúde, que limitam as suas atividades do dia a dia. No caso dos homens são apenas 10 anos.

O investigador e ex-diretor do Instituto Ricardo Jorge Constantino Sakellarides, explicou à TSF que "a população masculina morre mais cedo, mas os anos de vida que a mulher ganha em relação ao homem não são anos de vida de maior qualidade. E esses ganhos também nas mulheres como nos homens não têm sido em termos de qualidade proporcionais aos ganhos de anos de vida".


* Tesos e alquebrados...haja amor.

.
.

GENIOZINHO



Yuto Miyazawa - 10 ANOS


.
.
HOJE NO
"RECORD"

Oito vitórias históricas
nunca uma equipa portuguesa 
ganhou tanto em casa

Com a vitória de ontem, frente ao Athletic Bilbao, o Sporting bateu um recorde nacional em competições europeias: nunca uma equipa portuguesa conseguiu vencer tantos jogos em casa na mesma época, com a particularidade de ter feito o pleno em 2011/12.
Um feito notável que entra direitinho para a história do futebol nacional, apesar de haver registo de outros momentos de aproveitamento pleno do fator casa – a diferença é que o número de partidas nunca foi tão elevado. Para se perceber a dimensão do feito leonino basta comparar, por exemplo, o que fez o FCPorto 2010/11, vencedor desta mesma Liga Europa. Numa campanha notável, sempre dominadora e igualmente composta por muitos jogos, a formação de André Villas-Boas empatou com o Besiktas (1-1) e perdeu com o Sevilha (0-1).


* Não passa de uma estatística, não dá título nenhum mas é reconfortante.

.