sexta-feira, 23 de março de 2012

UMA GRAÇA PARA O FIM DO DIA



CAFÉ CATÓLICO EM ROMA 

Quatro homens e uma mulher, católicos, estão tomando café na Praça de São Pedro.


Fazendo conversa, diz um dos homens:
- Meu filho é sacerdote e todos o tratam por Padre.

Outro dos homens:
- Também tenho um filho sacerdote. É bispo e tratam-no por Vossa Graça.

Entra o terceiro homem:
- Pois o meu é Cardeal. É por Vossa Eminência que se lhe dirigem.

O quarto homem disse, de peito inchado:  
- O meu conhecem-no… é o Papa. Vossa Santidade é como lhe chamam.

A senhora presente saboreava o café em silêncio. Sentiram necessidade de a ouvir. Um dos homens dirigiu-lhe um sugestivo:
- Então...?

Ela olhou-os e orgulhosamente disse:
- Eu tenho uma filha  linda, alta, elegante e curvilínea,com um busto firme de 88 centímetros, uma delicada cintura de 58 e que mede 90 no suave redondo das ancas…




Quando entra em qualquer lugar todos exclamam: 
 



Oh! Meu Deus!  


.

ALMORRÓIDA AMARGURADA



Humorista Chico Anysio morre aos 80 anos

O Brasil está de luto: o humorista brasileiro Chico Anysio morreu nesta sexta-feira, aos 80 anos, devido a problemas cardíacos, anunciou o Hospital Samaritano, no Rio de Janeiro.

Anysio, conhecido pelos mais de 200 personagens que criou, como o professor Raimundo e o vampiro Bento Carneiro, estava internado desde 22 de Dezembro devido a uma hemorragia digestiva que foi seguida de infecção pulmonar e complicações renais.

Em 65 anos de carreira, Chico Anysio tornou-se um dos maiores humoristas do Brasil, com destaque na televisão, no teatro, no cinema e na rádio. Deixa mulher e oito filhos.

Nascido no Ceará, Anysio começou a sua carreira na Rádio Guanabara, no Rio de Janeiro, e nunca mais parou. Entre outras personagens famosas estão Coalhada, Justus Veríssimo, Haroldo, Bozó ou Bento Carneiro. Foi casado seis vezes.

Além de presença regular em programas de humor na Globo, Chico Anysio ainda teve direito a participações especiais em séries e telenovelas - a última foi ‘Companhia das Índias'. Dobrou ainda, para a versão brasileira, a voz da personagem idosa Carl Fredricksen do filme animado da Pixar ‘Up - Altamente!' 

IN "CORREIO DA MANHÃ"
23/03/12





.



A Raríssimas – Associação Nacional de Deficiências Mentais e Raras – foi fundada em Abril de 2002, com o objectivo de apoiar doentes, famílias e todos os que convivem de perto com as Doenças Raras.

Pretendemos ser uma associação com elevado reconhecimento nacional e internacional no que às Doenças Raras diz respeito e para isso empenhamo-nos em participar em diversos projectos, quer de âmbito nacional, quer internacional.

Uma das razões da nossa existência é a divulgação das Doenças Raras. Para isso:

 Incentivamos a reflexão e o debate sobre as necessidades dos portadores de doenças raras e suas famílias;

 Sensibilizamos a comunidade para a realidade das doenças raras;

 Alertamos a Comunicação Social para a importância da divulgação da informação sobre as doenças raras, bem como a importância das organizações que as representam;

 Demonstramos à sociedade a importância do movimento associativo no apoio e acompanhamento dos portadores de doenças raras e das suas famílias.

O apoio aos doentes e às respectivas famílias é outra dos nossos pilares de actuação. Por isso mesmo, continuamos a prestar o melhor apoio possível aos nossos associados e aos cidadãos em geral, na temática da (in)formação, tendo em conta os seguintes objectivos:

 Promover a igualdade de direitos dos portadores de doenças raras e suas famílias;

 Melhorar a divulgação de meios e recursos, que permitem aos portadores de doenças raras a escolha, digna, do seu modo de vida com interacção no seu meio social e cultural;

 Melhorar a coordenação entre técnicos, instituições nacionais das áreas de medicina, ensino, reabilitação e o sector associativo.

A todos os nossos doentes raros e respectivas famílias, um grande bem hajam!

Como apoiar

O maior projecto da Raríssimas é, neste momento, a conclusão da Casa dos Marcos, uma obra de grande envergadura que necessita do apoio de todos para que esteja brevemente ao serviço da comunidade.

Caso queira contribuir para esta obra solidária, por favor faça o seu donativo para o NIB:
Conta BPI nº 0010 0000 3796 8970 0018 0

IBAN : PT50 0010 0000 3796 8970 0018 0
SWIFT/BIC
BBPIPTPL

Para além do projecto megalómano da Casa dos Marcos, a Raríssimas, encontra-se a desenvolver neste momento mais dois projectos de suma importância.

O Centro Multidisciplinar, em Lisboa, é um projecto de apoio aos doentes raros e que necessita, para já, de obras que permitam o funcionamento em pleno desta unidade. O Centro Multidisciplinar procura não só apoios a nível de construção, como também de materiais que possibilitam uma completa integração do utente. Caso queira participar deste projecto, poderá fazer o seu donativo para:

0010 0000 4235 5060 0017 6 - Banco BPI

Para mais informações ligue 21 362 31 91

Linha Rara é o nome de um serviço de utilidade pública que visa promover o esclarecimento e encaminhamento de todos os utentes com dúvidas e problemas relacionados com as doenças Raras. Para que este serviço funcione na perfeição é necessário, além dos profissionais que colaboram voluntariamente, toda uma estrutura de telecomunicaçõ,es que possibilite o funcionamento em pleno deste serviço. Para fazer o seu donativo para este projecto :

0010 0000 4235 5110 0013 8 - Banco BPI

PORQUE ESPERA??? 

.
.



50 ANOS DA MARCA EM PORTUGAL
COLISEU DE LISBOA
FEVEREIRO 2012



Com as modelos Luísa Beirão, Andreia Rodrigues e Olivia Ortiz.


.
.


HOJE NO
"DIÁRIO DE NOTÍCIAS"

IEFP
Dispara número 
de casais desempregados

O número de casais com ambos os cônjuges desempregados disparou 73,2 por cento em fevereiro face a igual mês de 2011 e já atinge os 7.192 casais, o valor mais elevado desde que esta informação é divulgada.
De acordo com os dados recolhidos pelo Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP), em fevereiro, face a janeiro, há mais 320 casais (um aumento de 15,8 por cento) que garantem a sua sobrevivência com as prestações sociais pagas pelo Estado.
Este universo representa 4,7 por cento do total de desempregados casados ou em união de facto inscritos no centro de desemprego (306.746 pessoas).
Em termos homólogos, são mais 2.823 casais em que ambos os cônjuges foram afetados pelo desemprego.

De acordo com o IEFP, desde julho de 2011 que se regista um aumento em cadeia do número de desempregados em que ambos os cônjuges estão desempregados, tendo-se registado em fevereiro de 2012 o número mais elevado desde que esta informação é recolhida (outubro de 2010).
No final de fevereiro de 2012, dos desempregados inscritos nos centros de emprego, 49,8 por cento eram casados ou viviam em situação de união de facto.
O aumento do desemprego foi mais acentuado nas uniões de facto (135,5 por cento) em termos homólogos.

De acordo com os dados divulgados na quarta-feira pelo IEFP, o número total de inscritos nos centros de emprego continuou a aumentar em fevereiro em termos homólogos (16,6 por cento) e mensais (1,6 por cento), para 648.018 desempregados.
No final de fevereiro encontravam-se inscritos nos centros de emprego do Continente e das Regiões Autónomas mais 92.471 indivíduos do que um ano antes.
Face a janeiro, o número de desempregados aumentou em 10.356 pessoas, mantendo-se assim a tendência de crescimento observada nos últimos meses.



* O governo já deve saber que no fim de este ano vai chegar aos 10 mil casais sem salário..


.
.

CONTRA A

PORNOGRFIA INFANTIL





A atriz francesa PussyKat concordou em oferecer sua imagem para a campanha da associação que visa alertar para o fato da pornografia adulta nada ter a ver com a pornografia infantil. Esta última constitui um abuso e causa sofrimento às crianças.
Com esta campanha "não há razão para pânico moral", disse à Agência Efe o diretor de comunicação da Child Focus, Dirk Depover, que afirma tratar-se de um trabalho "decente" e sem quaisquer imagens sexuais.

Texto In "DIÁRIO DE NOTÍCIAS"
23/03/12


.
.


HOJE NO
"RECORD"

Jeannie Longo pré-selecionada para Londres’2012
Aos 53 anos de idade

A francesa Jeannie Longo, campeã olímpica em 1996 e ciclista mais veterana do pelotão, com 53 anos, foi esta sexta-feira pré-selecionada pela Federação francesa para os Jogos Olímpicos Londres’2012.

Medalha de ouro em Atlanta, Jeannie Longo participou em todas as edições dos Jogos desde que o ciclismo foi inscrito no programa olímpico, em 1984, tendo ficado a menos de dez segundos do bronze no contrarrelógio das olimpíadas de Pequim.

Nascida a 31 de outubro de 1958, a ciclista que tem 25 títulos de campeã francesa e 13 camisolas de campeã mundial faz parte de um grupo de oito pré-selecionadas, de onde sairão as três corredoras que estarão em Londres, entre 27 de julho e 12 de agosto.

De acordo com a diretora técnica francesa, Isabelle Gautheron a escolha final será conhecida a 5 de julho e terá em conta diversos critérios, como "os resultados, a experiência internacional, a adesão ao programa de preparação, a curva de forma e a capacidade de garantir uma medalha".

A "capacidade de se integrar na equipa de França" tornou Longo selecionável pela Federação Francesa de Ciclismo (FFC), que em novembro ilibou a ciclista no processo disciplinar instaurado por não ter fornecido os dados de localização às autoridades antidopagem.


* Um caso sério de excepcional longevidade.


.
.
De MOÇAMBIQUE
clique 2xs para ler bem








.
.


HOJE NO
"JORNAL DE NOTÍCIAS"

Mais de 150 crianças a deambular 
pelas ruas em 2011

O Instituto de Apoio à Criança encontrou, durante o ano de 2011, mais de 100 crianças nas ruas de Lisboa e recebeu 49 denúncias que davam conta de desaparecimentos de menores ou casos de crianças que deambulavam pela cidade.
Manuela Eanes, presidente do Instituto de Apoio à Criança (IAC), relatou em declarações à agência Lusa que a carrinha do instituto encontrou em 2011 "mais de 110 crianças em contexto de rua".
O Projeto Rua faz parte da ação do instituto e percorre alguns dos bairros mais problemáticos da cidade, como é o caso dos Anjos, do Intendente e do Cais do Sodré.

O serviço, que intervem junto das crianças que vagueiam e dormem na rua, foi criado para prevenir novos casos de jovens sem-abrigo.
Hoje em dia, o projeto também lida com pedidos de ajuda para encontrar crianças desaparecidas e denúncias de menores que se encontrem sozinhos nas ruas da cidade. Em 2011, foram acompanhadas 49 situações de denúncia. "A maioria dos casos são encaminhados pelo SOS Criança ou então são crianças que fogem das instituições do Ministério da Justiça ou de casas particulares", explicou Manuela Eanes.
A responsável da instituição recorda que há 29 anos, quando o IAC começou a trabalhar nesta área, a situação era bastante mais problemática. "Em 1999, havia cerca de 500 crianças na baixa de Lisboa a dormir nas grelhas do metropolitano, em vãos de escadas, com uma vida muito difícil. Tinham saído de casa, da escola e andavam em bandos", descreve.

Atualmente, o instituto atua em zonas específicas da cidade onde frequentemente surgem situações de risco para menores. Este ano, o IAC está nos bairros da Boavista, Arroja e Bairro Bem-Saúde, onde trabalha diariamente com 357 crianças e 30 famílias.
Para além da atividade na cidade de Lisboa, o instituto faz ainda parte da rede "Construir Juntos", um projeto que reúne cerca de uma centena de instituições que lidam com "crianças em situação de marginalidade e delinquência" explica Manuela.
O IAC foi criado há 29 anos e desde aí tem denunciado mal tratos com crianças e situações de abusos sexuais. Nessa altura, a pedofilía era uma realidade escondida. "Em 1983 começámos a trabalhar com estas crianças mas, em Portugal, a maioria das pessoas só ficou alertada para a problemática do abuso sexual de menores com o caso Casa Pia", recorda Manuela.

O serviço SOS Criança foi só criado em 1988, e, por isso, "quando alguém se apercebia de que uma criança era vítima de violência doméstica ou sexual, ninguém falava, porque as pessoas tinham medo", explica.
Manuela reconhece que a situação atual é melhor, mas que os números continuam a ser preocupantes e que há ainda muito trabalho para fazer.
A presidente do IAC vai reunir nesta sexta-feira com o presidente da Portugal Telecom, entidade que decidiu apoiar o Projeto Rua da instituição.


* Isto é uma situação de urgência prioritária a que o governo não sabe responder, é mais importante obedecer à Troika.


.

.
BRIAN GOLDMAN
Os Médicos erram, podemos falar sobre isso?



Todos os médicos erram. No entanto, segundo o médico Brian Goldman, a cultura de negação (e vergonha) em medicina faz com que os médicos nunca falem sobre esses erros nem os usem para aprender ou melhorar. Contando casos da sua longa prática clínica, ele apela a que os médicos comecem a falar sobre o estar enganado.

.
.

2.1-A IGREJA CATÓLICA

CONSTRUTORA DA CIVILIZAÇÃO


Igreja e Ciência






Série da EWTN apresentada por Thomas E. Woods, autor do livro Como a Igreja Católica Construiu a Civilização Ocidental. 

NR: Há muito que somos zurzidos por muitos amigos e alguns visitadores, pela nossa atitude agreste, alguns dizem agressiva, em relação à igreja católica, nos vários comentários que por vezes dirigimos à estrutura ou a alguns dos seus intépretes.
Lá nos vamos defendendo destas "vis" acusações referindo que só zurzimos em quem se põe a geito...
Mas, como apreciamos a imparcialidade decidimos editar uma série longa em defesa acérrima da igreja católica, não para nos redimirmos ou ganharmos o céu mas por respeito aos nossos amigos e visitadores que professam esta religião.
A Redacção

HELENA GARRIDO



 Toda a verdade?


 O Governo prometeu-nos toda a verdade e transparência. No acompanhamento das medidas consagradas no Programa de Ajustamento Económico e Financeiro, nas nomeações para os gabinetes ministeriais, nos apoios ao sector privado, nas decisões em geral. Estava prometida a verdade sobre a realidade e a transparência nas decisões. Depressa está a cair no esquecimento.

É preciso falar verdade aos portugueses. Esta era uma das frases favoritas de Pedro Passos Coelho na era de Sócrates e nos primeiros meses de Governo.

De todas as verdades e transparências prometidas, apenas uma se mantém passados nove meses de governação: a verdade sobre os terríveis tempos de austeridade que nos esperam este ano. Uma verdade, sim, mas muito conveniente para assegurar o perfil que se deseja para este ajustamento: uma recessão profunda e rápida que nos conduza depressa à recuperação. O perfil que a troika quer e que se ajusta à gestão do ciclo eleitoral. É preciso sentir a recuperação o mais tardar em meados de 2014 para não perder eleições.

Todas as outras verdades prometidas foram votadas ao esquecimento. Entrámos na fase da gestão das verdades, com ocultação e concentração da informação.

A evolução da comunicação da troika é um exemplo. Começou sem controlo - tudo o que soubemos da primeira avaliação foi da boca da troika. O ministro das Finanças nada disse e a troika tudo disse. Foi tal a desorganização que o país conheceu os problemas financeiros da Madeira via Bruxelas, através de declarações do porta-voz de Olli Rehn. Na segunda avaliação, já todos estavam mais coordenados. Nesta terceira avaliação, a troika deixou de fazer a habitual conferência de imprensa. Os argumentos apresentados são fortes. Um deles é que o plano é do Governo e não da troika. O outro é que aqueles encontros com a imprensa transmitiam uma imagem de colonização. Na realidade, perdemos todos um mecanismo de escrutínio das decisões do Governo e o próprio Executivo perdeu uma arma de pressão contra os lóbis.

O mais recente exemplo do fim da era de toda a verdade está no caso da energia. Durante a segunda avaliação, que já alertava para os atrasos na concretização de medidas no sector da energia, o Governo comprometeu-se a apresentar "uma proposta para corrigir as rendas excessivas nos regimes especiais (cogeração e renováveis) e nos CMEC, que pertencem à EDP, e na garantia de potência". Para avançar nesse sentido, o Ministério da Economia encomendou um estudo que foi fechado a sete chaves para o público em geral. Divulgado, primeiro pela TVI e, depois, pelo Jornal de Negócios, foi criticado pelo presidente da EDP ainda antes de se conhecer o trabalho em todos os seus pormenores. Resumindo: o estudo da energia não podia ser divulgado, mas a empresa que mais era afectada pelos resultados do relatório conseguiu criticá-lo. Temos todas as razões para concluir que um documento que o Governo defendia como confidencial acabou nas mãos das empresas do sector. Como e porquê?

Assim acabou a fase de toda a verdade. É pena. Porque a verdade e a transparência podiam, e podem, ser um extraordinário aliado para um Governo que queira de facto mudar a estrutura de uma economia, romper de vez com a exploração de rendas por pequenos grupos ainda viciados pelo condicionamento industrial de Salazar. A tentação das tentações depois de um Governo condenar "toda a verdade" é controlar a comunicação social. Que a verdade nos livre dessa tentação.



* IN "JORNAL DE NEGÓCIOS"
19/03/12


.
.

ANA DRAGO

UM FUTURO PIOR



O projecto Bandex aproveitou um discurso de Ana Drago, deputada do Bloco de Esquerda para o transformar num sucesso musical, eis o resultado.

.


.


I - GALÁPAGOS

4 - NASCIDO DO FOGO




O lugar que inspirou a teoria da evolução de Darwin. As ilhas Galapagos são um laboratório vivo, um cinturão geológico que gerou e viu morrer inúmeras espécies de plantas e animais. As ilhas ocidentais ascendem no mar dando mais chances a vida enquanto as ilhas orientais afundam garantindo a morte de vários seres e plantas. Entre os dois existem as ilhas centrais, fertéis e imponentes elas dão abrigo a um sem número de seres vivos. Em nenhum outro lugar na terra encontramos o ciclo da via e da morte tão aparente quanto aqui. Veja os ciclos se desdobrando perante seu olhos nesta fantástica filmagem feita em alta definição HD pela BBC e o National Geographic Channel.


.
.

HOJE NO
"JORNAL DE NEGÓCIOS"

Combustíveis vão descer
 na próxima semana

O preço dos combustíveis vai descer na próxima semana, com os postos a repercutir a queda das cotações dos destilados nos mercados, fruto da descida do petróleo.

Os receios dos investidores quanto ao ritmo da economia chinesa tem vindo a pressionar a cotação do petróleo nos mercados. Ontem, o WTI perdeu quase 2% e o Brent caiu 0,94% para 123 dólares por barril.

Esta descida foi acompanhada pelos destilados. O preço médio da gasolina nos mercados caiu de 1.131 para 1.125 dólares por tonelada, enquanto o do "diesel" recuou 0,47%, de 1.051 para 1.046 dólares.

Em euros, dada a recuperação da divisa, as quedas foram mais expressivas. Quando falta apenas o dia de hoje para terminar a semana, as cotações dos dois combustíveis apresentam quedas de 1,2%, o que deverá permitir um recuo dos preços recorde nos postos. A gasolina está a 1,755 euros e o gasóleo a 1,534 euros.


* O último aumento em Portugal foi um verdadeiro assalto com a passividade do governo a fingir preocupação. Quanto mais forem ao bolso do cidadão menos a economia cresce.

.


DAS CANÇÕES MAIS OFENSIVAS DE SEMPRE

11 –  BUCKCHERRY

TOO DRUNK TO FUCK




LETRA:

Went to a party
I danced all night
I drank 16 beers
And I started up a fight

But now I am jaded
You're out of luck
I'm rolling down the stairs
Too drunk to fuck

Too drunk to fuck
Too drunk to fuck
Too drunk to fuck
I'm too drunk to drunk
Too drunk to fuck

I like your stories
I love your gun
Shooting out truck tires
Sounds like loads and loads of fun

But in my room
Wish you were dead
You ball like the baby
In eraser head

Too drunk to fuck
Too drunk to fuck
Too drunk to fuck
I'm too drunk to drunk
Too drunk to fuck

Too drunk to fuck
Too drunk to fuck
Too drunk to fuck
I'm sick soft gooey and cold
Too drunk to fuck

I'm about to drop
My head's a mess
The only salvation is
I'll never see you again

You give me head
It makes it worse
Take out your fucking retainer
Put it in your purse

I'm too drunk to fuck
You're too drunk to fuck
Too drunk to fuck
It's all I need right now

Oh baby
I'm melting
Like an ice cream bar
Oh baby

And now I got diarrhea
Too drunk to fuck
Yeah, yeah, yeah
Yeah, yeah, yeah

.


 .

CÃO ATACA 5 POLÍCIAS

  

Cinco polícias britânicos foram esta quinta-feira parar ao hospital depois de terem sido atacados por um cão durante uma operação de captura de um violento raptor.Visualizar as imagens é consigo,o cão foi abatido com quatro tiros.

NR: Quem treina cães para serem violentos devia ser punido com uma pena pesadíssima, as imagens vistas acima não retiram verdade  de que cão "é o melhor amigo do ser humano". 


.
.


HOJE NO
"DESTAK"

Cancro
Diretora do Mama Help anuncia abertura de um novo centro de apoio na Fundação Champalimaud

A presidente do Centro de Apoio a Doentes com Cancro da Mama - Mama Help, Maria João Cardoso, anunciou hoje a abertura de um novo centro de apoio em Lisboa, no âmbito de uma parceria com a Fundação Champalimaud.

"Vai chamar-se Cancer Help e nascer em instalações da Fundação Champalimaud", afirmou Maria João Cardoso, que falava à Lusa a propósito do primeiro ano de funcionamento do Mama Help, no Porto, que se comemora no sábado.

O novo centro de apoio não médico funcionará com base num modelo "mais abrangente do que o Mama Help, uma vez que a fundação trata também outros cancros", explicou.


* Tudo será bem vindo o que vier por bem.

.

.

 PRAZER DE VOAR NA NORUEGA






 O voo destes aventureiros ocorre ao redor de  Bispen uma das montanhas que pertence a uma cadeia que atrai muitos amantes dos novos desportos aéreos radicais. Encontra-se perto da estrada de Trollstigen sobre o vale de  Isterdalen, na Noruega.

.



HOJE NO
"i"

Quebra de rendimentos e fosso social podem agravar tuberculose
Alerta de especialistas do Centro Europeu de Prevenção de Doenças foi publicado ontem. 
Em 2011 casos caíram 9,6% em Portugal

Dados preliminares dos casos de tuberculose em Portugal em 2011, da DGS, mostram uma quebra de 9,6%. O país está quase a entrar no patamar da baixa incidência: ainda há 21 casos por 100 mil habitantes quando o limiar é 20. Em vésperas do Dia Mundial da Tuberculose, amanhã, especialistas do Centro Europeu de Prevenção de Doenças (ECDC) avisam que a recessão pode contrariar o bom desempenho europeu e apelam ao reforço dos orçamentos.

O alerta surge no editorial do jornal europeu “Eurosurveillance”. Apesar de os dados europeus disponíveis não mostrarem um efeito da actual crise na tuberculose (de 2006 a 2010 a incidência na Europa caiu 4,4% ao ano, para 14,6 casos por 100 mil habitantes), o impacto pode não ser visível de imediato, dizem os autores, adiantando que o ECDC vai seguir o fenómeno.

“Como a tuberculose é uma doença lenta, com um período mínimo de incubação de oito semanas, pode demorar algum tempo até haver um aumento significativo de casos. Podemos até ver um declínio inicial porque os sistemas de saúde podem passar por dificuldades no diagnóstico e notificação. No entanto, foi demonstrado na Europa que há mais notificações quando os rendimentos nacionais são mais baixos e/ou quando as desigualdades de rendimento são maiores. Se a actual crise afectar estas duas variáveis, as taxas de TB podem bem aumentar.”

Os especialistas alertam que a associação é “especialmente verdadeira” nos países que já tiveram dificuldades com esta doença. Entre os factores agravantes estão a “influência previsível” da crise no funcionamento dos sistemas de saúde, maior consumo de álcool associado ao desemprego ou insegurança laboral, aumento dos sem-abrigo ou da criminalidade, com sobrelotação das prisões. Os autores alertam ainda que, no caso das tuberculoses multirresistentes a medicamentos, o problema também pode agravar-se: exige sistemas de saúde afinados, “capazes de diagnosticar e de fornecer tratamento caro e a longo prazo.”

Em Portugal os sinais escapam ao alerta. Além da quebra substancial nas notificações em 2011 (2388 casos), Miguel Vilar, coordenador do Centro de Referência Nacional para a Tuberculose Multirresistente, disse ao i que também tem havido uma diminuição dos casos desta tuberculose mais agressiva. Em 2011 foram notificados 23 casos, menos seis que em 2010. Portugal está dentro da média europeia, com 1,7% de casos multirresistentes. É na tuberculose extensivamente resistente que os indicadores são mais preocupantes. Em 2011 houve oito casos, um terço das tuberculoses multirresistente no país (em 2010 representavam 7%).

Vilar alerta ainda que dados de um estudo que será apresentado amanhã num evento da DGS que assinala o 130.º ano da descoberta do bacilo da tuberculose mostram que 64% dos casos multirresistentes surgem na região de Lisboa e Vale do Tejo, a única que ainda não tem operacionalizado um centro referência regional nesta área, que permitiria acompanhar melhor os doentes e normalizar as terapêuticas.



* Não esqueçmos os cerca de 6 mil mortos em duas semanas neste inverno seco, a maior parte dos quais se deve a graves carências económicas para suportarem despesas de saúde básica.

.



 I. GUINÉ-BISSAU

1-PAISAGENS





A Guiné-Bissau, oficialmente República da Guiné-Bissau, é um país da costa ocidental de África que se estende desde o cabo Roxo até à ponta Cagete. Faz fronteira a norte com o Senegal, a este e sudeste com a Guiné-Conacri (ex-francesa) e a sul e oeste com o oceano Atlântico. Além do território continental, integra ainda cerca de oitenta ilhas que constituem o Arquipélago dos Bijagós, separado do Continente pelos canais do rio Geba, de Pedro Álvares, de Bolama e de Canhabaque.

Foi uma colónia de Portugal desde o século XV até proclamar unilateralmente a sua independência, em 24 de Setembro de 1973, reconhecida internacionalmente - mas não pelo colonizador. Tal reconhecimento por parte de Portugal só veio em 10 de Setembro de 1974. A Guiné-Bissau, juntamente com Cabo Verde, foi a primeira colónia portuguesa no continente africano a ter a independência reconhecida por Portugal.

Actualmente faz parte da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), das Nações Unidas, dos PALOP (Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa) e da União Africana.

UM POUCO DA SUA HISTÓRIA
Antes da chegada dos Europeus e até o século XVII, a quase totalidade do território da Guiné-Bissau integrava o reino de Gabu, tributário do legendário Império Mali, dos mandingas, que florescera a partir de 1235 e subsistiu até o século XVIII. Os grupos étnicos eram os balantes, os fulanis, os mandayakos e os molinkes.

O primeiro navegador e explorador europeu a chegar à costa da actual Guiné-Bissau foi o português Nuno Tristão, em 1446.[5]A colonização só tem início em 1558, com a fundação da vila de Cacheu. A princípio somente as margens dos rios e o litoral foram exploradas. A colonização do interior só se dá a partir do século XIX. No século XVII, foi instituída a Capitania-Geral da Guiné Portuguesa. Mais tarde, durante o Estado Novo de Salazar, a colonia passaria a ter o estatuto de província ultramarina, com o nome de Guiné Portuguesa.

A vila de Bissau foi fundada em 1697, como fortificação militar e entreposto de tráfico de escravos. Posteriormente elevada a cidade, tornar-se-ia a capital colonial, estatuto que manteve após a independência da Guiné-Bissau.

Em 1956, Amílcar Cabral liderou fundação do PAIGC - Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde -, que, no início da década de 1960, iniciou a luta armada contra o regime colonial. Cabral foi assassinado em 1973, em Conacri, num atentado que o PAIGC atribuiu aos serviços secretos portugueses mas que, na verdade, fora perpetrado por um grupo de guineenses do próprio partido, que acusavam Cabral de estar dominado pela elite de origem cabo-verdiana. Apesar da morte do líder, a luta pela independência prosseguiu, e o PAIGC declarou unilateralmente a independência da Guiné-Bissau em 24 de Setembro de 1973. Nos meses que se seguiram, o ato foi reconhecido por vários países, sobretudo comunistas e africanos. Todavia Portugal só reconheceu a independência da Guiné-Bissau em 10 de Setembro de 1974, após a Revolução dos Cravos - ela própria devida, em larga medida, ao impasse em que caíra o esforço bélico português na pequena colónia. Os portugueses começaram então a abandonar a capital, Bissau, ainda em seu poder.

Segundo o projecto político concebido pelo PAIGC, a Guiné e Cabo Verde, inicialmente constituídos como estados separados, tenderiam a formar uma unidade. Assim, após a independência, os dois países passaram a ser dirigidos por um único partido - o PAIGC - até 1980. Mas, em 14 de Novembro de 1980, um golpe de estado, empreendido pelo chamado Movimento Reajustador, sob a liderança do Primeiro-Ministro João Bernardo Vieira (Nino Vieira), um prestigiado veterano da guerra contra Portugal, derrubou o primeiro Presidente da República da Guiné-Bissau, Luís Cabral, irmão do falecido Amílcar, e suspendeu a Constituição da República, instituindo o Conselho da Revolução, formado por militares e civis. Extinguia-se assim o projecto de unificação dos dois países.

Dentre as razões alegadas para o golpe de Estado, foram apontadas: crise política interna do PAIGC e cerceamento de diálogo no interior do partido, crise económica e social no país, com escassez de alimentos básicos, como arroz, batata, óleo e açúcar; prisões e fuzilamentos de ex-comandos africanos, ex-milicianos e de alguns civis, acusados de terem pertencido ou apoiado o exército colonial português.

Luís Cabral parte para Cuba e depois para o exílio em Portugal, enquanto na Guiné eram mostradas valas comuns em Cumeré, Portogole e Mansabá, com os restos mortais de soldados portugueses e nativos, fuzilados em massa por ordem sua.

Após a derrubada de Luís Cabral, os dirigentes políticos cabo-verdianos decidiram desvincular-se do PAIGC, formando um novo partido, designado por PAICV (Partido Africano para a Independência de Cabo Verde), numa total ruptura política.

Até 1984, o país foi controlado por um conselho revolucionário sob a chefia de Nino Vieira.

Em 1989, o presidente Nino Vieira começa o esboço de um programa de reformas e liberalização política, abrindo caminho para uma democracia multipartidária. Eliminaram-se vários artigos da Constituição que privilegiavam o papel de liderança do PAIGC, e foram ratificadas leis que permitiam a formação de outros partidos políticos, liberdade de imprensa, sindicatos independentes e direito à greve.

Em 1994, tiveram lugar as primeiras eleições multipartidárias para a presidência e o parlamento da Guiné-Bissau.

Em 1998, o presidente Nino Vieira foi derrubado por um golpe militar liderado pelo brigadeiro Ansumane Mané. Vieira parte para o exílio em Portugal, e, entre 1998 e 1999, o país mergulha praticamente numa guerra civil.
Assembleia Nacional.

Logo após a guerra civil, novas eleições foram convocadas, com a vitória do líder oposicionista Kumba Yalá e do seu partido, PRS (Partido para a Renovação Social). Yalá assume o cargo de presidente da República em 2000. Conhecido como «o homem do barrete vermelho», o novo presidente não tardou a revelar-se uma nulidade a todos os títulos e afinal foi deposto por novo golpe militar, em Setembro de 2003, sob a alegação de inépcia para resolver os problemas do país. Henrique Rosa assumiu o posto interinamente.

Afinal, em Abril de 2004, tiveram lugar as eleições legislativas, adiadas inúmeras vezes. Em Outubro do mesmo ano, Ansumane Mané, comandante-mor das forças armadas, que nunca vira com bons olhos a ascensão de Kumba Yalá à presidência, protagonizou nova sublevação, mas acabou por ser morto por adversários (a pauladas, segundo fontes referidas por Jaime Nogueira Pinto na obra citada), o que causou uma forte comoção em todo o país.

Ainda que envoltas em polémica, as eleições presidenciais de 2005 reconduziram Nino Vieira ao mais alto cargo da nação. A situação geral continuou a degradar-se em todos os domínios: a Guiné-Bissau transformou-se num entreposto do narcotráfico internacional, ponto de distribuição para a América Latina e para a Europa.

A 1 de Março de 2009, Tagme Na Waie, Chefe do Estado-Maior das Forças Armadas e antigo rival político de Nino Vieira, é assassinado num atentado bombista. Alguns militares que lhe eram próximos suspeitaram, embora sem provas, que o presidente estivesse envolvido neste atentado. Na manhã do dia seguinte, 2 de Março de 2009, atacaram o palácio presidencial e mataram Nino Vieira. A verdade é que Tagme Na Waie exigira repetidamente o desarmamento da milícia fiel a Nino Vieira, e que tinha havido uma rápida escalada nas disputas pelo governo da Guiné-Bissau.

A cúpula militar, que muitos analistas consideram o verdadeiro poder neste pequeno e paupérrimo país, afirmou que os direitos democráticos seriam mantidos e que não se tratava de um golpe de Estado. Mas muitos governos de todo o mundo condenaram o assassinato de Nino Vieira (sem prejuízo de críticas e reservas à sua actuação) e exprimiram séria apreensão com referência à estabilidade política da Guiné-Bissau..

O Presidente da Assembleia Nacional Popular (ANP), Raimundo Pereira, assumiu a presidência interinamente, e os partidos políticos guineenses marcaram eleições presidenciais antecipadas para 28 de Junho de 2009, as quais foram vencidas por Malam Bacai Sanhá.

A transição da Guiné-Bissau para a democracia continua, no entanto, dificultada pela debilidade da sua economia, devastada pela guerra civil e pela instabilidade política. A 1 de Abril de 2010 assistiu-se a uma nova tentativa de golpe de estado, desta vez contra o primeiro-ministro Carlos Gomes Júnior e o chefe das Forças Armadas, tenente-general Zamora Induta.

A partir de 2009, quando do assassinato do presidente da Guiné-Bissau, João Bernardo Vieira, o Brasil tem-se comprometido com a pacificação do país. O Brasil preside a Configuração Específica da Guiné Bissau da Comissão de Consolidação da Paz (CCP)das Nações Unidas, criada por iniciativa brasileira. Há ainda o Centro de formação para as forças de segurança da Guiné-Bissau, patrocinado pelo Brasil, para limitar o papel das forças armadas às questões militares. A cooperação técnica brasileira em ciclos eleitorais, uma das mais avançadas do mundo, tem sido prestada por meio de cooperação triangular, a exemplo do Memorando de Entendimento Brasil-Estados Unidos-Guiné Bissau para apoio a atividades parlamentares.

IN "WIKIPEDIA"


NR: Sabemos que este país vive com imensas dificuldades mas é na adversidade que devemos ser solidários e nós, nesta página, mostramos as suas belezas naturais, visite-as.


.
.
HOJE NO
"A BOLA"

Maradona lança novo ataque a Pelé

A antiga estrela do futebol argentino lançou novo ataque ao brasileiro Pelé, depois de o brasileiro se ter recentemente autointitulado o Beethoven do futebol.

«Beethoven! Jamais se ouviu Beethoven nos relvados. Na verdade, deve ter trocado o frasco [de comprimidos]», disse Maradona, atualmente a trabalhar como treinador do Al-Wasl.

Na base das palavras de Maradona está recente entrevista de Pelé ao site da FIFA: «Nasci para o futebol, assim como Beethoven nasceu para a música e Michelangelo para a pintura.»

Mas Maradona foi ainda mais longe e aproveitou a já habitual comparação com Messi para lançar mais uma farpa: «Não vou estar a dizer quem é melhor ou pior. Já pedi mil vezes para deixarmos Leo [Messi] tranquilo. Mas o bom de tudo isso é que falando de Messi e de mim há um senhor na FIFA, de cor, que não gosta.»


* Foram excelentes enquanto jogadores, hoje não prestam por não serem exemplo para ninguém, em especial para as  camadas jovens.


.