sexta-feira, 9 de março de 2012

- UMA GRAÇA PARA O FIM DO DIA

 .

A PRÓSTATA



Um homem de 55 anos vai ao médico fazer o famoso exame do "TOQUE".

Entra no consultório com uma arma na mão e diz: És tu que me vais
meter o dedo no traseiro?????

- Sim sou eu, diz o médico a tremer.

Nisto o homem coloca a arma na secretária do médico repete: És tu que
me vais meter o dedo no traseiro?????

- Sim sou eu, responde o médico já em pânico.

E o homem diz:

- Se vires que estou a gostar DÁ-ME UM TIRO!!!...


.
.



4.FORAM TRABALHAR 
NUM LINDO ESTADO







m

.

O MAIOR ESPECTÁCULO DO MUNDO CANTA  EM PORTUGUÊS


RIO 2012



Clipe da Portela



 Comissão de Frente

Mestre-Sala e Porta-Bandeira






                                                            AMPLIE A IMAGEM SFF


.

.

TEM PAI QUE É CEGO!





.

CUIDE DAS CRIANÇAS

DAS SUAS E DAS DOS OUTROS

TODOS OS DIAS





HOJE NO
"DIÁRIO DE NOTÍCIAS"

Número de dadores ultrapassa 
já os 180 mil

O número de dadores de medula óssea inscritos na base nacional ultrapassa os 280 mil, número alcançado com a ajuda dos cerca de 40 mil que se inscreveram para ajudar o filho do ex-jogador do Benfica Carlos Martins.

Em resposta por escrito à Lusa, o presidente do conselho diretivo do Instituto Português do Sangue e Transplantação adiantou que atualmente o número de dadores tipados inscritos na Base de Dados Mundial de Dadores de Medula (BMDW, na sigla em inglês) é de 281.132.

"No ranking mundial de números de dadores por milhão de habitantes, Portugal está em 3.º lugar e, no Europeu, em 2.º lugar atrás da Alemanha", adiantou Hélder Trindade, acrescentando que, nesta contagem, só são considerados os países com mais de cinco milhões de habitantes.

O número foi alcançado graças aos vários apelos feitos, em novembro do ano passado, para ajudar o filho do ex-jogador de futebol do Benfica Carlos Martins, que necessita de um dador de medula óssea compatível.

" criança, de três anos, foi diagnosticada uma aplasia medular, o que se traduz na incapacidade de produção de plaquetas.

De acordo com Hélder Trindade, desde o início da campanha "Vamos ajudar o Gustavo", "foram inscritos cerca de 40 mil novos dadores" no Centro Nacional de Dadores de Células de Medula Óssea, Estaminais ou de Sangue do Cordão (CEDACE).

No entanto, desde o início do ano, o número de novos dadores inscritos "tem vindo a aproximar-se dos níveis habituais, quando não há campanhas dirigidas para um doente específico", acrescenta ainda o presidente do conselho diretivo do Instituto Português do Sangue e Transplantação, não especificando valores.


* Um exemplo de excepcional sinergia do desporto, viva o Gustavo.


.




ESCALADA




From Birdo Studio on Vimeo.



.



HOJE NO
"RECORD"

João Lagos: 
«Volta a Portugal vai continuar»

João Lagos afastou esta sexta-feira o fantasma da crise que pairava sobre a Volta a Portugal, garantindo que, apesar das dificuldades das autarquias, a maior prova velocipédica nacional vai estar na estrada de 15 a 26 de agosto.

"Certamente que a Volta a Portugal, a mais antiga competição regular com a importância popular que ela tem, não só do ponto de vista desportivo, mas também como festa popular do verão, vai continuar a acontecer, como não podia deixar de ser", assegurou em entrevista.

O responsável pela prova rainha do ciclismo em Portugal fez um ponto da situação à Agência Lusa, revelando que a sua equipa está a trabalhar "todos os dias" com as autarquias que "vão ter a honra das partidas e das chegadas" da Volta em 2012.

"Naturalmente estamos a trabalhar com todas as dificuldades que todos vivemos todos os dias, a todos os níveis, por esse país fora", esclareceu, desvalorizando o impacto da crise na construção da 74.ª edição, que arranca dia 15 de agosto em Castelo Branco e termina a 26 em Lisboa.


* A Volta a Portugal é um acontecimento nacional, congrega mais adeptos que o 15 de Agosto, se uma entidade privada, por problemas económicos não a conseguir organizar, deve ser o Estado a fazê-lo.


.
.

1.2-A IGREJA CATÓLICA

CONSTRUTORA DA CIVILIZAÇÃO





Série da EWTN apresentada por Thomas E. Woods, autor do livro Como a Igreja Católica Construiu a Civilização Ocidental.

NR: Há muito que somos zurzidos por muitos amigos e alguns visitadores, pela nossa atitude agreste, alguns dizem agressiva, em relação à igreja católica, nos vários comentários que por vezes dirigimos à estrutura ou a alguns dos seus intépretes.
Lá nos vamos defendendo desta "vis" acusações referindo que só zurzimos em quem se põe a geito...
Mas, como apreciamos a imparcialidade decidimos editar uma série longa em defesa acérrima da igreja católica, não para nos redimirmos ou ganharmos o céu mas por respeito aos nossos amigos e visitadores que professam esta religião.
A Redacção

.

EM 2012

FUMAR

AINDA EMAGRECE


E definitivamente alivia o stress

.



HOJE NO
"JORNAL DE NOTÍCIAS"

Falência do vereador Manuel Gonçalves motivada por dívida de 29,5 mil euros

O processo judicial que declarou a falência do vereador da Câmara do Porto Manuel Gonçalves foi iniciado porque este não pagou nem tinha bens penhoráveis para saldar uma dívida de 29,5 mil euros confirmada na Relação de Coimbra.

Na sentença do Tribunal de Comércio de Gaia, a que a Lusa teve acesso esta sexta-feira, escreve-se que Manuel Gonçalves "foi condenado" num "processo-crime" confirmado por "acórdão da Relação de Coimbra" a pagar 29,5 mil euros à empresa Pavigrés.

Foi esta decisão judicial de 2008 que colocou o vereador do CDS/PP (com mandato suspenso desde 8 de fevereiro) em situação de alegada inelegibilidade nas eleições de 2009, já que a lei diz que são "inelegíveis para os órgãos das autarquias locais" os "falidos ou insolventes, salvo se reabilitados".

A sentença de 12 de fevereiro refere que "apesar das diligências feitas" na sequência do processo-crime e do acórdão da Relação de Coimbra, "nada foi pago e não foi encontrado qualquer imóvel penhorável ou outros bens".

O documento explica que nem Manuel Gonçalves nem os seus credores deduziram "oposição ao pedido de declaração de falência".

No esclarecimento escrito apresentado ao executivo da Câmara do Porto a 7 de fevereiro, o vereador disse não ser "verdade que tenha declarado falência nem tão pouco que tenha escapado a qualquer pagamento a qualquer credor".

A sentença do Tribunal de Comércio de Gaia refere que Manuel Gonçalves "tem dívidas, sendo manifesta a falta de crédito e de património ou rendimentos para satisfazer os valores em dívida".

Assim, não havendo "oposição ao pedido de falência", a juíza decidiu declarar "a falência de Manuel Gonçalves".

Na sentença é explicado que Manuel Gonçalves fica "inibido do exercício do comércio e de ocupar qualquer cargo em órgãos de sociedades comerciais ou civis, associação privada de atividade económica, empresa pública ou cooperativa".

A lei eleitoral autárquica é mais clara, estipulando que são "inelegíveis para os órgãos das autarquias locais" os "falidos ou insolventes, salvo se reabilitados".

No esclarecimento feito à vereação, o "centrista" recordou que em 1992, quando era sócio gerente de uma empresa em dificuldades, entendeu "avalizar financiamentos bancários e fornecimentos de mercadorias".

Não tendo a empresa conseguido "satisfazer os seus compromissos", Gonçalves viu-se "obrigado" a honrá-los, "na qualidade de fiador e avalista" da sociedade.

Para além disso, Gonçalves diz ter adquirido "créditos a fornecedores da respetiva sociedade, o que implicou um esforço financeiro" de "vários milhares de contos".

Em 1995, "na sequência de um desentendimento com um antigo fornecedor a quem havia adquirido um crédito, o mesmo desencadeou a cobrança coerciva de uma série de cheques pré-datados e que titulavam os créditos vincendos por mim adquiridos".

Gonçalves afirma que "foi na sequência deste processo que o fornecedor" requereu a sua "falência pessoal", tendo isso levado a que "todos os demais credores" com quem o "centrista" tinha "celebrado acordos de pagamento viessem reclamar os seus créditos".

O executivo da Câmara do Porto aprovou a 7 de fevereiro a suspensão do mandato do vereador por "30 dias, renováveis por idênticos períodos até que a reabilitação esteja comprovada".


* Um berdadeiro pulhítico...


.

ALEXANDRA MACHADO




"To big to fall, 
            to small to keep?"

Cavaco Silva visita empresas. Álvaro Santos Pereira e os seus secretários de Estado visitam empresas. Assunção Cristas visita empresas. Passos Coelho, Miguel Relvas, Paulo Portas visitam feiras com empresas que querem exportar mais.

Vítor Gaspar anuncia financiamento à economia, no que é seguido por Carlos Moeda, secretário de Estado Adjunto. Carlos Oliveira, secretário de Estado da Competitividade, anuncia milhões de apoio à inovação e às empresas. Álvaro Santos Pereira junta mais uns milhões para o turismo. Paulo Portas acrescenta uns milhões de benefícios fiscais para investimentos.

O sentido é um só. O Governo já percebeu que as empresas não têm financiamentos. A banca, que não gosta de o assumir, fechou a torneira. Apesar dos milhões apregoados, a carteira vai vazia. Muitas PME (Pequenas e Médias Empresas) não sabem para onde se hão-de virar. Os seus clientes não compram ou não pagam o que compram. Não é fácil entrarem em novos mercados.

O Governo vai avisando: têm de ter mais capitais próprios, menos dívida. Fernando Ulrich, presidente do BPI, afina pelo mesmo diapasão: "No seu conjunto – no Estado, nas empresas, nas famílias – há crédito a mais, logo, deve ser equilibrado". A frase só não é sensata porque chega de um banqueiro, que, como todos os bancos, ao longo dos últimos anos não fez mais do que andar a distribuir crédito a empresas a custos muito baixos, demasiado baixos. E incentivou a sobrealavancagem das empresas.

E aqui chegadas, as empresas, em particular as PME, vêem-se mergulhadas num balanço alavancado, sem que vejam negócio que permitam ajustá-lo. O que os bancos têm estado a cortar às PME são linhas de crédito para a gestão de tesouraria, que ajudam a pagar impostos, salários, fornecedores até que consigam receber dos clientes. Além disso, são atingidas por uma carga fiscal das mais elevadas na Europa. E ouvem de todos os lados: têm de internacionalizar-se, têm de exportar.

Mas como?

Sem fórmulas mágicas, as PME têm de juntar-se. Noutra palavra: fusão, deitando para trás das costas orgulhos, receios e quintinhas. Só assim conseguirão ir para fora. Com bancos ou sem eles. A dimensão aqui importa. Vítor Gaspar, aliás, disse-o sem pruridos que era necessário assegurar financiamento às empresas "mais dinâmicas, mais produtivas, mais rentáveis e mais decisivas para o ajustamento externo da economia portuguesa". As grandes, as competitivas vão receber crédito, até porque já se percebeu, no decorrer da actual crise, que as maiores são, de uma forma ou de outra, salvas. Os Estados e os bancos seguram-nas. E as pequenas? Apesar de todos os discursos políticos as apoiarem, a realidade é bem diferente. Afinal, são muito pequenas para que haja incentivos reais para as manter. Têm, por isso, uma única saída: ganhar dimensão. Sob pena da dimensão resultar na sua saída... do mercado.

Jornalista

IN "JORNAL DE NEGÓCIOS"
05/03/12

.
QUAL A COR DOS JEANS ??






Rihanna é o rosto da nova campanha da Armani Jeans e no vídeo promocional da marca, a cantora, de 24 anos, explorou ao máximo a sua sensualidade. Em belas imagens a preto e branco, filmadas por Jordan Scott, a filha do conhecido realizador Ridley Scott, Rihanna aparece em lingerie, debatendo-se na cama com um pesadelo, onde revela todos os atributos que lhe são reconhecidos.

TEXTO IN "DIÁRIO DE NOTÍCIAS"


.



HOJE NO
"JORNAL DE NEGÓCIOS"

Autoridade da Concorrência 
investiga Plano EDP Continente

Regulador está a investigar a existência de "eventuais práticas restritivas da concorrência", na campanha em que a EDP oferece vales de compras no Continente correspondentes a 10% da factura eléctrica. A EDP já respondeu aos pedidos de informação da Autoridade da Concorrência.

A Autoridade da Concorrência (AdC) quer saber se o Plano EDP Continente, em que a eléctrica oferece vales de compras de valor equivalente a 10% dos gastos mensais com electricidade, põe em causa o funcionamento do mercado. Fonte do regulador liderado por Manuel Sebastião (na foto) confirmou ao “Sol” que está a “promover as diligências de investigação necessárias à identificação de eventuais práticas restritivas da concorrência, previstas e puníveis pelas disposições contidas na lei”.

No âmbito deste processo, a eléctrica liderada por António Mexia já foi contactada pela AdC, no sentido de se pronunciar sobre esta campanha, “um pedido de informação ao qual já respondeu”, adiantou fonte da EDP ao “Sol”, revelando que já aderiram ao Plano Continente EDP 135 mil clientes.


* A 3 de Fevereiro deste ano, a Sra. D. Catarina Melo dava conta no "DIÁRIO ECONÓMICO"  sobre as desvantagens para o consumidor, deste casório da SONAE com os "chinos" da EDP, pode consultar neste blogue na data indicada.
Agora esta acção do Regulador pode ser uma manobra de diversão, se não o fôr aguardemos as conclusões.

.

.

I - GALÁPAGOS

2 - NASCIDO DO FOGO




O lugar que inspirou a teoria da evolução de Darwin. As ilhas Galapagos são um laboratório vivo, um cinturão geológico que gerou e viu morrer inúmeras espécies de plantas e animais. As ilhas ocidentais ascendem no mar dando mais chances a vida enquanto as ilhas orientais afundam garantindo a morte de vários seres e plantas. Entre os dois existem as ilhas centrais, fertéis e imponentes elas dão abrigo a um sem número de seres vivos. Em nenhum outro lugar na terra encontramos o ciclo da via e da morte tão aparente quanto aqui. Veja os ciclos se desdobrando perante seu olhos nesta fantástica filmagem feita em alta definição HD pela BBC e o National Geographic Channel.


.

HOJE NO
"DESTAK"

Manuel Alegre considera que críticas 
a Sócrates são ajuste de contas
 e ataque pessoal

O socialista Manuel Alegre considerou hoje que as acusações de falta de lealdade institucional do Presidente da República a José Sócrates são um "ajuste de contas e um ataque pessoal que não fica bem à primeira figura do Estado".

"É a primeira vez que vejo um Presidente da República vir ajustar contas com um primeiro-ministro 'a posteriori', depois de este ter deixado o cargo. É um ajuste de contas, um ataque pessoal que não fica bem à primeira figura do Estado", disse à agência Lusa Manuel Alegre.

O ex-candidato à Presidência da República pelo PS disse que deve haver distinção entre a crítica política e os ataques pessoais.


* Manuel Alegre tem razão. mas seria desejável que tanto Aníbal Cavaco Silva como José Socrates não figurassem no futuro nos manuais de História de Portugal, são dois exemplos deploráveis de cidadania.


.m


OS 10 MELHORES 
SINGLES DE 2011
(PARA A ROLLING STONE)


02 –  JAY Z e 
KANYE WEST

NIGGAS IN PARIS






LETRA

So I ball so hard mothafuckas want to fine me, first niggas got to find me
What's 50 grand to a mothafucka like me, can you please remind me?
(Ball so hard) This shit crazy, y'all don't know that don't shit phase me
The Nets could go 0 for 82 and I look at you like this shit gravy
(Ball so hard) This shit weird, we ain't even supposed to be here
(Ball so hard) Since we here, it's only right that we'd be fair
Psycho: I'm liable to go Michael, take your pick
Jackson, Tyson, Jordan, Game 6
(Ball so hard) Got a broke clock, Rolleys that don't tick tock
Audemars that's losing time, hidden behind all these big rocks
(Ball so hard) I'm shocked too, I'm supposed to be locked up too
If you escape what I've escaped, you'd be in Paris getting fucked up too
(Ball so hard) Let?s get faded, Le Meurice for like 6 days
Gold bottles, scold models, spillin? Ace on my sick J?s
(Ball so hard) Bitch behave, just might let you meet Ye
Chi town's D. Rose, I?m moving the Nets to BK

Ball so hard mothafuckas want to fine me
(That shit cray, that shit cray, that shit cray)

She said Ye can we get married at the mall?
I said look you need to crawl 'fore you ball
Come and meet me in the bathroom stall
And show me why you deserve to have it all
(Ball so hard) That shit cray, ain?t it Jay? What she order, fish filet?
(Ball so hard) "Your whip so cold!" This old thing?
Act like you?ll ever be around mothafuckas like this again
Bougie girl, grab her hand, fuck that bitch she don?t wanna dance
Excuse my French but I?m in France, I?m just sayin
Prince William ain?t do it right if you ask me
Cause if I was him I would have married Kate and Ashley
What?s Gucci my nigga? What?s Louis my killa?
What?s drugs my deala? What?s that jacket, Margiela?
Doctors say I?m the illest, cause I?m suffering from realness
Got my niggas in Paris and they going gorillas, huh!

You are now watching the throne, don't let me get in my zone
Don't let me get in my zone, don't let me get in my zone
These other niggas is lyin, actin? like the summer ain?t mine
(I got that hot bitch in my home) You know how many hot bitches I own
Don't let me in my zone, don't let me in my zone
Don't let me in my zone, don't let me in my zone
The stars is in the building, they hands is to the ceiling
I know I?m 'bout to kill it, how you know? I got that feeling
You are now watching the throne, don't let me into my zone
Don't let me in my zone (I?m definitely in my zone)

.

HOJE NO
"i"

Álvaro Santos Pereira pode ser 
o próximo embaixador na OCDE

O cargo está vago quase há um ano, desde que Ferro Rodrigues saiu de Paris para integrar as listas do PS, mas vai ser preenchido “em breve”
A demissão de Álvaro Santos Pereira foi estancada na segunda-feira pelo primeiro-ministro, mas a saída do governo do ministro da Economia do cargo é irreversível a prazo.
Segundo soube o i, o próximo destino político de Álvaro Santos Pereira poderá ser o cargo de embaixador da OCDE, vago há quase um ano, quando o socialista Eduardo Ferro Rodrigues abandonou Paris para regressar à política activa e integrar as listas do PS para a Assembleia da República.
Contactado pelo i, um porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros confirmou que o preenchimento do lugar de embaixador na OCDE “está para breve”.

Álvaro Santos Pereira manteve-se no cargo depois de uma reunião de emergência com Pedro Passos Coelho na segunda-feira, mas ficou estabelecido entre os dois que a saída só se consumaria numa altura mais oportuna para o governo.
O cargo de embaixador na OCDE – que este governo nunca preencheu, depois da recusa de Pedro Santana Lopes em aceitar o posto – tornou-se subitamente uma saída airosa para um ministro na linha de fogo e que aos poucos tem vindo a ser despojado de vários dos seus poderes. Apesar dos protestos de Santos Pereira e de outros ministros, o primeiro-ministro acabou mesmo no Conselho de Ministros de quarta-feira por entregar a Vítor Gaspar o poder de decisão máximo sobre os fundos europeus do QREN (Quadro de Referência Estratégico Nacional), ficando Álvaro Santos Pereira com a modesta tarefa da “coordenação”.

Ontem à noite, na sua intervenção habitual na TVI, o ex-líder do PSD Luís Marques Mendes manifestou-se muito crítico da gestão do caso QREN/Santos Pereira. Segundo Mendes, Passos Coelho “criou uma espécie de conselho de ministros restrito para decidir sobre os fundos comunitários, conselho de ministros esse presidido pelo ministro das Finanças”.

Para Marques Mendes, “na prática o que isto significa é que houve uma mudança de liderança. O ministro da Economia coordena mas quem realmente passa a mandar é o ministro das Finanças”. Tomar esta decisão ao fim de oito meses significa, segundo o ex-líder do PSD, que Vítor Gaspar “está preocupado com a execução orçamental” e que “por outro lado, não está nada satisfeito com a forma como o Ministério da Economia tem gerido os fundos”.

Toda esta situação foi negativa: “Mostrou que havia mal estar dentro do governo e fragilizou o ministro da Economia e isso é mau. Já tínhamos um ministério ingerível. Já tínhamos um ministro sem perfil para o lugar, sem experiência e sem peso político”. “Maior fragilização de um ministro é impossível”, diz Marques Mendes que acha que o país e o governo não ganham nada em ter um ministro assim. “Perdemos todos. Temos um ministério de braços caídos, ter um ministro da Economia fragilizado e sem força política assusta-me. Porque isto significa não haver política económica. Não o digo com prazer. Digo-o com preocupação”. Mendes defendeu que devia estar em curso “uma espécie de Plano Marshall para a economia e as empresas”, mas “ninguém acredita que o ministro das Finanças vai fazer com os fundos estruturais o Plano Marshall que a nossa economia precisa”. É mais provável que os vá usar “para resolver problemas orçamentais”...


* Ainda na terça-feira passada o sr. ministro Relvas, noticiava o "CORREIO DA MANHÃ", ser contra o "cenário de intrigas" (ver caixa) e já hoje se noticía o despacho do ministro Pereira para a OCDE. Temos um governo campeão em contorcionismo.


O ministro adjunto e dos Assuntos Parlamentares afirmou esta terça-feira que o ministro da Economia "tem tido um desempenho muito significativo" neste Governo e lembrou que foi Álvaro Santos Pereira que "assinou um acordo histórico de concertação social".Miguel Relvas quis, desta forma, deixar o aviso de que prevalecem os "factos" e não o "cenário de intrigas".

.


.

SUPERIORIDADE







.



HOJE NO
"A BOLA"

Portugal ultrapassa França 
no ranking da UEFA

Fruto das vitórias de Sporting na Liga Europa e Benfica na Liga dos Campeões, Portugal chegou ao quinto lugar do ranking da UEFA, ultrapassando a França.

Portugal soma agora total de 54.179 pontos no conjunto das últimas cinco épocas, tendo apenas à sua frente Itália, Alemanha, Espanha e Inglaterra.

A França, no entanto, tem ainda o Marselha na Liga dos Campeões e vai ainda jogar a segunda mão dos oitavos de final, diante do Inter.

Ranking:
1. Inglaterra, 82.535
2. Espanha, 77.757
3. Alemanha, 72.019
4. Itália, 59.266
5. Portugal, 54.179
6. França, 54.011
7. Rússia, 47.832
8. Holanda, 44.715
9. Ucrânia, 44.466
10. Grécia, 37.100


* É uma posição não consolidada, precisamos de trabalho e não de euforias além de que práticamente não se dá conta que o gauleses jogam à bola desde o mundial da África do Sul, onde já andaram a arrastar-se.

.

QUE BELA MAMÃ





.

HOJE NO
"PÚBLICO"

Pais, alunos e funcionários fora dos conselhos pedagógicos das escolas

A principal alteração à última versão da proposta do Governo de modelo de gestão das escolas, que será debatida nesta sexta-feira pelo Ministério da Educação com as duas principais organizações de sindicatos de professores, diz respeito à composição do conselho pedagógico, que passa a incluir apenas professores, deixando de fora pais, alunos e funcionários.

A medida agrada a Mário Nogueira, dirigente da Federação Nacional de Professores (Fenprof), e João Dias da Silva, da Federação Nacional de Educação (FNE), mas está longe de garantir um acordo, disseram ambos ao PÚBLICO, depois de analisarem a nova versão da proposta.

Esta alteração – com a qual concordam os presidentes das duas associações de directores – foi reclamada pelas federações de sindicatos, que a associaram à democratização da escola. Mas em relação a esse aspecto, segundo Mário Nogueira e João Dias da Silva, não há quaisquer novidades.

O MEC continua a defender, por exemplo, que o coordenador de cada departamento (que irá integrar o Conselho Pedagógico) passe a ser eleito pelos docentes de entre uma lista de três nomes propostos pelo director. Isto não agrada aos directores (que querem manter o poder de nomear os coordenadores), nem à Fenprof e à FNE, que defendem que os professores de cada departamento devem poder eleger o respectivo coordenador, sem interferência do director.

Para além deste, há muitos outros aspectos a dividir MEC e federações sindicais. Entre eles estão os critérios para a formação dos chamados mega-agrupamentos de escolas. Os representantes dos professores temem que aqueles venham a ser puramente “economicistas” e querem que a nova legislação salvaguarde que isso não será assim.


* Pais são pais devem ser pedadgogos em casa, funcionários são funcionários que sejam pedagogos em casa com os filhos, alunos são alunos precisam de pedagogos, quem sabe de pedagogia escolar são os professores e psicólogos.


.
.



27 - OOPS !!!!!!!!!!













m


HOJE NO
"CORREIO DA MANHÃ"

Seca: 
Ministra quer duplicar tecto mínimo
 de ajudas a agricultores

A ministra da Agricultura, Assunção Cristas, disse esta sexta-feira, em Bruxelas, que vai pedir à Comissão Europeia a duplicação do tecto mínimo das ajudas de Estado a conceder aos agricultores afectados pela seca para os 15 mil euros.

"Esse tecto (de 7 500 euros por exploração durante três anos) tem que subir", disse a ministra, lembrando que em França, no ano passado e numa situação de seca, Bruxelas permitiu que duplicasse.

"Faremos um pedido para não termos um tratamento pior", sublinhou Assunção Cristas, que falava à entrada do Conselho de Ministros do Ambiente dos 27.

A ministra referiu ainda que o Executivo está a trabalhar "a nível técnico, há bastante tempo", com a Comissão Europeia.

"Estamos a trabalhar, ao nível de secretários de Estado, para encontrar um conjunto de medidas, quer comunitárias, quer nacionais, mas que têm que ter sempre o respaldo comunitário, disse.

A antecipação do pagamento de ajudas comunitárias que estão previstas para o final do ano e a reafectação de verbas destinadas a outros fins são ainda possíveis soluções avançadas pela governante, que sublinhou ser sempre necessária a autorização da ‘Comissão Barroso’.

"A nível das medidas nacionais, estamos a trabalhar em todas elas. Estamos há largas semanas a trazer todo o desenho e fotografia da situação em Portugal, para justificar que possamos ter medidas de excepção", esclareceu.

Sem fazer a estimativa de um prazo para ter uma resposta de Bruxelas, Assunção Cristas adiantou que "esta semana houve já uma reunião técnica para começar a agilizar as medidas que têm a ver com flexibilizações e antecipação de verbas", sublinhando que, antes de a seca atingir uma situação grave, não era possível justificar a necessidade de haver medidas de excepção.


* Tudo o que se fizer pelos agricultores é bem vindo. Esta seca, qualquer que seja o produto em qualidade e quantidade produzido este ano, já aumentou em cincos vezes os custos para o agricultor.

.
A


BONITO DE MAIS

PARA SE COMER









ZZ


HOJE NO
"DIÁRIO ECONÓMICO"

PGR confronta Ministério Público 
sobre patrocínios da Procuradoria
Sindicato sugere que PGR é patrocinada pela banca e seguradoras. Pinto Monteiro nega.

O Procurador-geral da República não gostou de ouvir o futuro presidente do Sindicato dos Magistrados do Ministério Público (SMMP) sugerir que a Procuradoria também era patrocinada (por bancos) nos eventos que realizava. Numa resposta ao Diário Económico, Pinto Monteiro garante que a "Procuradoria-Gleral da República, nestes últimos cinco anos e meio, nunca foi patrocinada por qualquer banco ou seguradora". E adianta que já exigiu ao presidente do SMMP, João Palma, que explique a acusação de Rui Cardoso.

Na origem da nova polémica entre o Sindicato e o PGR estão os patrocínios do último congresso do Ministério Público, que decorreu no passado fim de semana em Vilamoura, e que teve o apoio de bancos como o BES, o BPI, CGD, Montepio e Império Bonança. Numa notícia ontem divulgada no Diário de Notícias, deputados do PS insurgem-se contra estes patrocínios e Rui Cardoso (que vai assumir a presidência do SMMP) no final do mês reage: "O que é que o PS tem andado a fazer?", questionou, lembrando que também a PGR já organizou eventos patrocinados e que, "nessa altura, o PS não disse nada".

Questionado pelo Diário Económico, Pinto Monteiro negou e disse que já exigiu explicações do SMMP, rematando, a respeito dos patrocínios do congresso: "O Procurador não pretende, neste momento, prestar qualquer outra declaração para não ficar ainda mais denegrida a imagem do SMMP". Mas não esclarece se estes patrocínios violam o Estatuto do Ministério Público e a autonomia dos procuradores. Confrontado pelo DE, Rui Cardoso não quis prestar declarações. O PGR mantém há anos uma relação tensa com o SMMP e declinou o convite para estar presente no congresso.


* Como é que a Justiça em Portugal pode funcionar bem, se dois dos seus grandes intervenientes são arqui-inimigos, como é que alguma entidade estrangeira interessada em investir cá dentro, tem motivos para acreditar neste país???


.





1 - SEGREDOS DA ÁREA 51





Esta é uma megaprodução que mostra por dentro e em detalhes "segredos" nunca antes revelados sobre o resgate de UFOs acidentados e levados à base militar mais secreta do mundo, a Área 51. Este é o documentário mais completo, profundo, informativo e elogiado sobre o tema, derivado do famoso Dreamland. 
Serão vistos fatos inéditos e imagens estarrecedoras sobre o local onde os ufólogos e cientistas norte-americanos acusam seu governo de levar e esconder inclusive UFOs abatidos por aviões de caça e os "seres capturados". 
Este documentário recebeu inúmeros prêmios pelo modo de mostrar, com grande convicção profissional, um tema tão conturbado.
CABE-LHE ACREDITAR OU NÃO!!!
 
 A seqüência dos vídeos também podem ser assistidas na comunidade do Orkut:
Cientistas Fora da Lei.  


.



HOJE NO
"O PRIMEIRO DE JANEIRO"

Cinema nas escolas
Plano Nacional dentro de dois anos

As escolas portuguesas vão ter dentro de dois anos um plano nacional de cinema com uma lista de cem filmes para incentivar a criação de novos públicos, anunciou ontem o secretário de Estado da Cultura. Francisco José Viegas classificou de 'uma inovação', este projeto que é idêntico ao Plano Nacional de Leitura que já existe no ensino português para estimular o gosto dos estudantes pelos livros e pela leitura. Segundo explicou, este plano 'é um dos aspetos essenciais e uma inovação', da nova lei do cinema e audiovisual.


* Uma excelente iniciativa.

.
.




ARTE NA SOMBRA











M