terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

.

2 - LA CONFIDENC
DES OISEAUX




O episódio anterior foi editado na terça-feira da semana passada à mesma hora.

.



HOJE NO
"CORREIO DA MANHÃ"

Governo paga 1500 milhões 
em dívidas do sector da saúde

O Governo vai avançar com o pagamento de 1500 milhões de euros em dívidas do sector da saúde, que deverá ser possível já a partir de Abril, anunciou esta terça-feira o ministro das Finanças.

Vítor Gaspar, que falava durante a apresentação dos resultados da terceira avaliação do programa da troika, explicou que durante o mês de Março o Governo terá de entregar à troika um relatório com uma estratégia global para controlar e reduzir estas dívidas atrasadas, mas que acabou por ter luz verde para fazer os pagamentos.

"Os pagamentos no sector da saúde poderão começar já em Abril, depois da verificação de conformidade dos compromissos e da operacionalidade dos mecanismos de controlo pela Inspecção-Geral de Finanças", disse o governante.

O pagamento das dívidas será incluído no orçamento retificativo que o governo pretende apresentar, como já havia dito, até ao final do primeiro trimestre.


* Promessas a conta gotas...


.
.


I . O MUNDO SEM 


NINGUÉM



2 - vida depois das 


pessoas




O episódio anterior foi editado na terça-feira precedente à mesma hora.



.



HOJE NO
"DIÁRIO ECONÓMICO"

Jardim invoca "unidade partidária" 
para ser mandatário de Passos

O presidente do PSD-Madeira disse hoje que aceitou ser mandatário da recandidatura de Pedro Passos Coelho à liderança do partido porque o momento é de "unidade partidária" e justificou a moção de estratégia com "marcar território".

"É uma altura de unidade partidária e foi por essa razão que eu aceitei ser o mandatário do líder nacional do partido", afirmou Alberto João Jardim, numa conferência de imprensa na sede do PSD-M, no Funchal, realçando que o momento "muito difícil do País" obriga a que todos dêem o exemplo "de um por todos e todos por um".

Reiterando a necessidade de unidade no PSD, Alberto João Jardim continuou: "Tem de haver unidade, sobretudo não pensando tanto no partido, mas pensando sobretudo no país, porque se as forças políticas que têm o encargo, a responsabilidade de fazer a recuperação do País neste momento não se entendem dentro de si, então temos claramente o caldo entornado e o futuro do País devidamente comprometido".

"Também é preciso termos em conta que eu pensei muito no futuro da Madeira quando aceitei ser mandatário do presidente da Comissão Política Nacional e ter este gesto público de solidariedade para com ele", reconheceu o social-democrata, que nas últimas directas apoio Paulo Rangel.

"Não havendo nada de imprevisto - e todos sabem que temos um Presidente da República que, ao contrário de outros, não gosta de andar a dissolver assembleias da República nem está na sua maneira de estar na política - (...) estas duas pessoas vão ter que se entender até Outubro de 2015. Tudo leva a crer que o dr. Passos Coelho será o primeiro-ministro até ao final de 2015, também se nada de imprevisto acontecer tudo leva a crer que eu serei o presidente do Governo da Madeira até Outubro de 2015", acrescentou.

Nesse sentido, "em nome do interesse nacional e em nome do interesse da Madeira, não há aqui margem para equívocos, as pessoas têm que se entender, têm que trabalhar em conjunto", defendeu o dirigente.

"E, finalmente, isto ajuda a acabar com certos equívocos que andavam na praça pública, que talvez alguém pretendesse aproveitar, e ao se pôr termo a equívocos acaba-se com tentativas fraccionastes que o PSD não tem tempo para isso aqui na Madeira", comentou.

Sobre a moção de estratégia global que o PSD-M vai levar ao congresso, o dirigente sublinhou que "não é contra ninguém", mas antes "reafirmar os seus princípios que a sua autonomia dentro do PSD nacional lhe permitem ter".

"Foi, por assim dizer, um marcar território", declarou.

Questionado se está preocupado com eventuais vozes contrárias em relação à Madeira tendo em conta o que se passou no último quando Pedro Passos Coelho quis cumprimentá-lo, Jardim respondeu: "Ninguém tinha brigado nessa altura, havia posições diferentes, cada momento tem a sua leitura política, esta é a leitura politica do momento actual, o que lá foi, lá foi".

"Acho que no momento em que o PSD está preocupado em tirar Portugal do colete-de-forças em que está metido, seria de mau gosto ir alguém lá para dentro atacar uns aos outros", comentou.

Na conferência de imprensa, Alberto João Jardim apelou ainda aos 1.100 militantes do PSD-Madeira habilitados a votar nas directas para que exerçam o direito.

O PSD-M tem cerca de 11 mil militantes, cinco mil dos quais podem votar para a liderança do partido. Destes, apenas 1.100 têm as quotas em dia.



* Com maior poder de mimetismo que o camaleão...

.
 FEMINISMO







.




HOJE NO
"O PRIMEIRO DE JANEIRO"

Combate ao desemprego
Caritas pede movimento 
da sociedade civil

O presidente da Cáritas Portuguesa, Eugénio Fonseca, defendeu, ontem, a criação de um movimento na sociedade que ajude a encontrar soluções para os desempregados de longa duração, que representam uma 'tragédia social muito grande', 'Temos que nos reorganizar porque estes cidadãos vão ter ainda pela frente um percurso de vida ativa muito grande porque a reforma é, no mínimo, aos 65 anos', elucidou, defendendo que este movimento terá de ser integrado por várias áreas: economia, segurança social e educação.


* Um flagelo...


.

MARIA DO CARMO FONSECA



Doenças raras: 
          o contributo 
              da investigação

Importa ter em conta que existem entre seis e oito mil doenças raras de causa genética e para a esmagadora maioria não dispomos de tratamento eficaz

Praticamente todos os métodos que se usam actualmente para tratar doenças, sejam elas raras ou mais frequentes, resultam da investigação científica. No caso das doenças raras, é frequente a causa da doença ser uma alteração que afecta um gene ou uma determinada região do genoma. Assim, o primeiro passo para encontrar um tratamento para cada uma destas doenças consiste em identificar qual a alteração genética que está na sua génese. Em seguida temos de perceber como aquela alteração genética provoca os sintomas da doença. Por exemplo, mutações no gene designado por ASS1 conduzem à síntese de uma enzima defeituosa, incapaz de libertar o corpo do azoto que se acumula nas nossas células quando ingerimos alimentos ricos em proteínas. O resultado é uma acumulação excessiva de azoto, sob a forma de amónia, no sangue. O aumento de concentração de amónia no sangue é particularmente tóxico para o sistema nervoso, pelo que as crianças afectadas por esta doença parecem normais à nascença mas rapidamente começam a perder energia, a ter convulsões e a perder a consciência. Sabendo o mecanismo da doença, estas crianças são tratadas com dietas especiais de baixo teor proteico e com medicamentos que ajudam a reduzir os níveis de amónia no sangue.

Infelizmente, existem muitas doenças raras para as quais não se sabe, ainda, qual o defeito genético. E para muitas outras, sabemos o mecanismo mas não temos tratamento. Felizmente, a investigação não pára de dar frutos. Desde 1983, o programa de apoio à investigação sobre doenças raras do National Institute of Health dos Estados Unidos deu origem a mais de 350 novas terapias. Durante o ano de 2011, são de salientar duas novidades farmacológicas, ainda em fase de ensaio clínico, para a doença de Fabry e para a fibrose cística.

E o futuro? Importa ter em conta que existem entre seis e oito mil doenças raras de causa genética e para a esmagadora maioria não dispomos de tratamento eficaz. Por outro lado a investigação tem sido lenta a dar resultados. Vejamos o exemplo da fibrose cística: o gene causador da doença foi descoberto em 1989 e apesar de muitos incentivos à investigação sobre a doença, passaram mais de 20 anos sem resultados significativos. Face a este cenário, há quem considere prioritário apostar na prevenção. A prevenção de doenças genéticas passa por analisar todos os genes de cada indivíduo e, no caso de se detectar uma mutação, desencorajar essa pessoa a ter filhos. Apesar de ser já tecnicamente possível fazer isto, trata-se de uma opção polémica. Uma alternativa preventiva consiste no diagnóstico pré-implantatório. No caso de um indivíduo ser portador de uma mutação que causa doença genética e quiser ter filhos, pode recorrer à fertilização in vitro (isto é, são retirados óvulos da mãe e espermatozóides do pai e a fertilização é feita num tubo de ensaio). Os óvulos fecundados começam a dividir-se no laboratório, sendo possível retirar uma célula destes embriões e analisar os seus genes. Apenas os embriões que não possuem o gene mutado são implantados no útero da mãe, assegurando assim o nascimento de uma criança saudável.

Finalmente, importa realçar o papel que as associações de doentes tem tido e vão certamente ter ainda mais no futuro. Por todo o mundo, estas associações têm sido determinantes para o desenvolvimento de programas de investigação em doenças raras. Mas pela frente temos ainda um longo caminho a percorrer. É fundamental aproximar mais as associações dos investigadores, partilhar conhecimento e decidir estratégias em conjunto. Em particular no campo da prevenção de doenças genéticas, uma possibilidade seria organizar grupos de famílias afectadas por doenças de causa ainda desconhecida e analisar o genoma completo destes indivíduos com as actuais tecnologias de sequenciação de ADN de forma a rapidamente identificar qual o gene mutado em cada família.


* Coordenadora executiva do Instituto de Medicina Molecular da Universidade de Lisboa


IN "i"
27/02/12

.


TEMOS DE PÔR 



UM FIM




Nos últimos cinco anos 176 mulheres morreram vítimas de violência doméstica. Morreram porque continuaram a ter esperança de que ia voltar a ser como um dia foi. Mas ele não mudou e elas morreram.
Para que histórias como esta não se voltem a repetir a CIG - Comissão Para a Cidadania e Igualdade de Género lança este apelo, na esperança de que mais mulheres sintam força para pedir ajuda e percebam que ele não vai mudar.

.



HOJE NO
"DIÁRIO DE NOTÍCIAS"

Um em cada quatro portugueses 
morre antes de tempo

A Direção-Geral da Saúde (DGS) está a desenvolver estratégias para combater o "problema" da mortalidade prematura, antes dos 70 anos, que atinge um em cada quatro portugueses, anunciou hoje o diretor-geral da Saúde.

"Os portugueses morrem prematuramente numa taxa que nos preocupa (24,3 por cento), o que significa que um em cada quatro portugueses morre antes dos 70 anos", afirmou Francisco George na abertura do Ano Europeu do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade entre Gerações, que decorreu hoje em Lisboa.

As doenças crónicas não transmissíveis, como as doenças cardiovasculares, diabetes, cancro e doenças respiratórias, representam a causa principal de morte prematura.

"Estudando as causas da morte das pessoas que morrem antes dos 70 anos, podemos perceber as componentes evitáveis que explicam este fenómeno", adiantou.

Segundo Francisco George, há fatores de risco que podem ser evitados, como é o caso da exposição ao tabagismo, a hipertensão arterial e as dislipidémias (colesterol elevado)".

Para combater a taxa de mortalidade prematura, que é elevada comparando com outros países da União Europeia, sobretudo Inglaterra, é preciso fazer um "investimento nesta luta", traçando objetivos estratégicos, acrescentou o diretor-geral da Saúde aos jornalistas, à margem da cerimónia.

"Nós não podemos assistir passivamente a este problema da exposição a fatores de risco que são evitáveis", frisou.

Para isso, avançou, foram criados programas prioritários, um deles para a promoção da alimentação saudável, que passa por aumentar a literacia das famílias no que respeita à alimentação em termos de calorias e de composição dos alimentos.

"Estamos preocupados com esta questão e sabemos que, mesmo apesar da crise económica e financeira que se vive, é possível melhorar o padrão de alimentação nos portugueses", disse.

O diretor-geral da Saúde adiantou que "as situações de crise nunca são boas para a saúde dos cidadãos e das famílias", mas sublinhou que é preciso estar atentos a estes problemas e criar programas que visem reduzir o impacto negativo das crises.

"Temos de promover cada vez mais o consumo de alimentos saudáveis, como vegetais, fruto, e estreitar mais a colaboração com as escolas e cantinas sociais", defendeu.

Francisco George adiantou ainda que há outras "medidas inadiáveis" para combater esta situação, como reduzir as desigualdades na saúde, reduzir o consumo do tabaco, a causa principal de morte prematura, fomentar a prática de exercício físico e diminuir o consumo excessivo de bebidas alcoólicas.


* Com todo o respeito que temos pelo Director Geral de Saúde existem medidas a favor da saúde pública que este governo ou qualquer outro não têm coragem para assumir:
- encerrar tabaqueiras, se o cigarro mata porque estão a funcionar fábricas de morte???
- Proibir a venda de bebidas alcoólicas entre as 09H00 e as 12h00 e as 14H30 e 19H00 em todos os estabelecimentos deste país, perde o negócio do alcoól, reduzem-se as despesas de saúde.
- Proibir em todas as escolas públicas, bolos, refrigerantes, pastilhas, drops e bebidas com adoçante.
- Proibir a fast food, temos bom peixe, boa carne, bons vegetais e frutos, para quê consumir a comida vinda de países  que não sabem cozinhar.

Acham que somos radicais, se calhar somos, não somo é hipócritas.

.


.



4- O que DARWIN 
 
 
não sabia






Os três episódios anteriores foram editados nas terças-feira precedentes à  mesma hora.

.



HOJE NO
"RECORD"

Madaíl: «Bem merecemos
 ser campeões da Europa»

O antigo presidente da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) Gilberto Madaíl disse esta terça-feira que a Seleção Nacional tem qualidade e "bem merece" sagrar-se campeã da Europa em 2012.

"Eu acho que esta Seleção pode trazer a Portugal uma grande alegria, que infelizmente no meu tempo não conseguimos, que é vir a ser campeã da Europa... bem merecemos", afirmou o antigo líder federativo, em Varsóvia.

Gilberto Madaíl corroborou o objetivo de vencer o Campeonato da Europa, que vai ser disputado de 8 de junho a 1 de julho, na Polónia e na Ucrânia, definido pelo capitão Cristiano Ronaldo.

"Pode ser que, com um novo equipamento e um novo presidente, isso seja atingido. Nós estivemos bem perto de atingir esse primeiro lugar. Mas, acho que sim, que é uma Seleção aguerrida, combativa, reconhecidamente uma das melhores do Mundo", disse o ex-presidente.

Madaíl foi claro: "Subscrevo o que o Cristiano disse, porque esta é uma equipa nacional forte, que tem de passar uma fase difícil, mas parece-me preferível enfrentar esta fase quando há margem para correção do que depois, quando não há".

O anterior presidente recordou que, enquanto presidente, os objetivos estabelecidos eram sempre "chegar aos quartos de final e às meias-finais", que eram encarados como "uma etapa".

"É uma etapa normal, que o Paulo Bento definiu, que é passar a fase de grupos, e isso é o importante, porque depois fica tudo em aberto para esta seleção, tremendamente renovada e com jogadores de alto gabarito e alta condição técnica", disse.

Sem querer pronunciar-se sobre a "questão delicada" da renovação do contrato com o selecionador português, o ex-presidente reconheceu que quando a FPF celebrou contratos alargados com os técnicos "as coisas não correram bem".

A Seleção Nacional defronta a Polónia, no Estádio Nacional de Varsóvia, na quarta-feira, às 20H45 locais, num jogo de preparação para a fase final do Euro'2012, em que Portugal vai discutir o acesso aos quartos de final com Alemanha, Holanda e Dinamarca, no Grupo B.

* Convém lembrar, por muito que de patriota tenha o nosso desejo,  não ganhámos nenhum campeonato por demérito próprio, nem "arbitragens" ou "azares" foram razões para tal,  foi memso jogar mal. Este ano ainda temos de acrescentar as susceptibilidades de virgem ofendida do sr. Bento.


.
.

OS 50 MELHORES DE 2011
(PARA A ROLLING STONE)


50 – THE LONELY ISLAND
TURTLENECK AND CHAIN
MOTHER LOVER






LISTAGEM DE FAIXAS

No. Title Writer(s) Length
1. "We're Back!"   Andy Samberg, Akiva Schaffer, Jorma Taccone, B. Long, B. Lamela 1:50
2. "Mama"   Samberg, Schaffer, Taccone 1:59
3. "I Just Had Sex" (featuring Akon) Samberg, Schaffer, Taccone, Justin Franks, Jerrod Bettis 2:46
4. "Jack Sparrow" (featuring Michael Bolton) Samberg, Schaffer, Taccone, Michael Woods 3:07
5. "Attracted to Us" (featuring Beck) Samberg, Schaffer, Taccone, Beck Hansen, Cole M. Greif-Neill 1:52
6. "Rocky"   Samberg, Schaffer, Taccone, Larry James Hamilton, Albert Savoy, Elijah Walker, Mark Potsic 2:33
7. "My Mic – Interlude"   Samberg, Schaffer, Taccone 0:22
8. "Turtleneck & Chain" (featuring Snoop Dogg) Samberg, Schaffer, Taccone, Calvin Broadus, Jim Coleman 2:44
9. "Shy Ronnie 2: Ronnie & Clyde" (featuring Rihanna) Samberg, Fenty, Schaffer, Taccone, T. Williams 2:26
10. "Trouble on Dookie Island"   Samberg, Schaffer, Taccone, Long, Lamela 2:09
11. "Falcor vs. Atreyu – Classy Skit #1"   Samberg, Schaffer, Taccone 0:29
12. "Motherlover" (featuring Justin Timberlake) Samberg, Schaffer, Taccone, Drew Campbell, Asa Taccone, Justin Timberlake 2:49
13. "The Creep" (featuring Nicki Minaj and John Waters) Samberg, Schaffer, Taccone, S. Jung, Onika Maraj 2:39
14. "Watch Me Do Me – Classy Skit #2"   Samberg, Schaffer, Taccone, Campbell 0:27
15. "Threw It on the Ground"   Samberg, Schaffer, Taccone, Campbell 2:38
16. "Japan"   Samberg, Schaffer, Taccone, Williams 2:30
17. "After Party" (featuring Santigold) Samberg, Schaffer, Taccone, M. Midttun 2:52
18. "No Homo"   Samberg, Schaffer, Taccone, Long, Byrd 2:02
19. "No Homo Outro"   Willie Clarke, Clarence Reid 0:41



MÚSICOS

- Andy Samberg
- Akiva Schaffer
- Jorma Taccone


.



HOJE NO
"JORNAL DE NOTÍCIAS"

Relvas escreveu às autarquias para saber "quem e quanto deve em Portugal"

O ministro dos Assuntos Parlamentares, Miguel Relvas, defendeu, esta terça-feira, que o executivo tem de saber "quem e quanto deve em Portugal" na sequência de uma carta enviada às autarquias, que pede a comunicação da situação económica das câmaras.

"Nós temos de saber quem e quanto deve em Portugal. O exercício da transparência é o primeiro passo para a capacidade de resolução de um problema", afirmou Miguel Relvas, em declarações aos jornalistas na conferência "Poder Local num País em Mudança", que decorre em Lisboa.

Numa carta assinada pelos ministros dos Assuntos Parlamentares e das Finanças, Vítor Gaspar, é pedido aos presidentes de Câmara que enviem à Inspeção-Geral de Finanças o montante global da dívida de curto prazo e o montante global da dívida de médio/longo prazo.

Para o ministro, "é fundamental que todos assumam as suas responsabilidades para que não haja surpresas".

"O que nós pedimos às autarquias foi que cada uma delas, cada uma das 308 autarquias, nos informe da realidade da sua dívida de curto prazo e de médio e longo prazo para que possamos olhar para a situação em que muitas autarquias se encontram", explicou.

Segundo Miguel Relvas, "o que sucedeu no estado central, aquilo que tem sido feito no setor empresarial do estado é também importante que seja feito no poder local".

Em declarações à Lusa, o presidente da Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP), Fernando Ruas, considerou hoje natural que o Governo queira saber qual a situação económica de cada uma das câmaras antes de delinear um plano de ajuda financeira.

Para sexta-feira está agendada uma reunião entre a Associação Nacional de Municípios Portugueses e os ministros das finanças, Vítor Gaspar, e dos Assuntos Parlamentares, Miguel Relvas.


* As autarquias devem o que a Administração Central permitiu ao longo dos anos na base do conluio partidocrático instalado no pais.
Alguém tem dúvidas...


.


CENTRO DE CASAMENTO JAPONÊS





Absolutamente eficaz ainda ninguém se lembrou para explorar em Portugal.
Tem tudo, espaços de repouso e de vestir para noivos, templo multi disciplinar, salas diversas de convívio mais restrito e o salão da boda que junta todos os convidados, em ambiente discreto ou feérico, só não se sai divorciado.

.


HOJE NO
"JORNAL DE NEGÓCIOS"

Arrendamento
Nova lei pode favorecer senhorios
 em excesso

Depois de um mercado de arrendamento com rendas congeladas "por quase 100 anos, agora podemos correr o risco de se adoptar um regime que favoreça excessivamente os interesses dos senhorios em detrimento dos interesses legítimos dos inquilinos".

Depois de um mercado de arrendamento com rendas congeladas "por quase 100 anos, agora podemos correr o risco de se adoptar um regime que favoreça excessivamente os interesses dos senhorios em detrimento dos interesses legítimos dos inquilinos". O alerta foi dado por Freitas do Amaral, especialista em Direito Administrativo, convidado do Conselho Municipal da Habitação de Lisboa, que ontem se reuniu pela primeira vez, para um debate sobre a proposta de lei do arrendamento urbano.


* Já há muito tempo que alertámos para o perigo dos senhorios abusarem grosseiramente da lei e encostarem discricionáriamente os inquilinos à parede.Um iluminado diz isto e já é notícia. 
Os maus senhorios e os maus empresários abundam em Portugal.

.



3. ÚTEIS E GENIAIS













.



HOJE NO
"DESTAK"

Doenças Raras
Não há igualdade no acesso e no tratamento - Federação

A presidente da Federação das Doenças Raras de Portugal (FEDRA) denunciou que não há igualdade no acesso ou no tratamento das pessoas com doenças raras e acusou o Infarmed de não cumprir o estatuto do medicamento órfão, que trata estas doenças.

Em declarações à Agência Lusa na véspera de se assinalar mais um Dia das Doenças Raras, a 29 de fevereiro, Paula Brito e Costa admitiu que as doenças raras "são doenças de marca e, por isso, são doenças caras", mas defendeu que "Portugal não pode deixar de tratar os seus doentes".

De acordo com a presidente da FEDRA, as denúncias sobre a falta de igualdade no acesso e no tratamento destes doentes, que surgiram no passado, ainda não estão resolvidas.



* Não há nenhum portador de doença rara que a queira ter, não há doenças de culto mas obstáculos de vulto.


.
.




4 - FOTÓGRAFOS CHINESES

ORNITÓLOGOS










MM



HOJE NO
"i"

CGD cobra 5,84 euros
 por informação verbal a clientes

A Caixa Geral de Depósitos está a cobrar 5,22 euros por dar informação verbal aos seus clientes. Esta comissão vai subir, a partir de Abril, para 5,84 euros. A subida no preço consta da carta que o banco público está a enviar aos seus clientes, onde dá a conhecer os aumentos das comissões e despesas cobradas a particulares e clientes empresariais em vigor a partir de Abril.

De acordo com a actual tabela de preços, o banco estatal cobra 4,25 euros por este serviço, um valor que sobe para 4,75 euros, a que acresce taxa de IVA a 23%. A CGD continua a ser o único dos cinco maiores bancos a operar no mercado nacional a discriminar no seu preçário as informações verbais das escritas dadas por funcionários aos clientes.

Segundo fonte oficial da CGD, “esta comissão não se aplica às informações normais que os clientes solicitam verbalmente sobre as suas contas e os seus depósitos, quer por telefone, quer na sua agência”. Na prática, isto significa que, se um cliente questionar sobre, por exemplo, o valor da taxa Euribor ou o horário de fecho do balcão, esta comissão não é cobrada. Estão tipificados os tipos de pedidos onde esta comissão pode ser aplicada.

Os quase 6 euros “só podem ser cobrados para o fornecimento de elementos/buscas sobre depósitos”. Ou seja, é um serviço prestado, na Caixa, fundamentalmente no âmbito dos depósitos obrigatórios/necessários, mas que também pode ser prestado nos depósitos voluntários.

Nos pedidos que obrigam a fazer pesquisas de informação, “até em contas que já se encontram em arquivo histórico”, a taxa é cobrada. Um senhorio e um arrendatário podem querer obter informações sobre contas abertas para o depósito de rendas e não precisar de informação escrita. Terão, a partir de Abril, de pagar 5,84 euros.

Também um particular (cliente ou não) que pretenda saber se foi aberta, no passado, alguma conta em seu nome será taxado, mesmo se não necessitar de obter uma informação escrita.

Apesar do preço fixado no preçário e de tipificados os pedidos que podem ser taxados, os colaboradores da CGD têm autonomia para isentar os clientes da despesa. É, também por isso, que esta comissão tem um valor residual na contabilidade das receitas de comissões da CGD.

De acordo com as alterações ao preçário, também as certidões, as declarações ou as informações por escrito, relacionadas com contas de depósito, vão aumentar. Actualmente, a CGD cobra 30,75 euros (25 euros mais IVA a 23%). A partir de Abril, esta comissão aumenta para 33,82 euros (27,50 mais IVA).

A prestação de informações por escrito apresenta valores muito divergentes nos maiores bancos nacionais. No BCP, as declarações diversas ou pedidos de informação por escrito podem custar 73,80 euros (60 euros mais IVA, a 23% no Continente). No BES, as informações bancárias dadas por escrito a clientes no país custam 22,75 euros (18,50 euros mais IVA). Já o BPI cobra 21,52 euros (17,50 euros mais IVA) por informações sobre clientes a seu pedido, enquanto o Santander Totta exige 40,31 euros (32,78 euros mais IVA).


* Já foi banco do povo, agora é o banco do polvo.


.
.


7 - SISTEMA CARDIOVASCULAR




XX


HOJE NO
"A BOLA"

Três jogadores processados por homofobia pela FA

Três jogadores foram esta segunda-feira acusados de homofobia pela Federação Inglesa de Futebol (FA). Isto porque fizeram comentários «impróprios» no ‘twitter’, com «uma referência à orientação sexual de uma ou várias pessoas».

Os jogadores visados são Federico Macheda, emprestado pelo Manchester United ao Queens Park Rangers, Nile Ranger, do Newcastle e Manny Smith, do Walsall.

Os atletas têm até quarta-feira para apresentar a sua defesa. Este é já o segundo processo do género aberto pela FA em duas semanas. Ravel Morrison, do West Ham, foi multado em sete mil libras ( cerca de 8250 euros) na semana passada pelas mesmas razões.


* Primários, ainda não chegaram ao "homo sapiens," ficaram-se pelo "homo erectus"!

.
.


BOM ALMOÇO






CC



HOJE NO
"PÚBLICO"

Objectivo é entrar nas 
100 melhores a nível mundial
Fusão entre a Clássica e a Técnica de Lisboa 
concluída num ano

A fusão orgânica entre as universidades Clássica e Técnica de Lisboa deverá estar concluída em Janeiro de 2013, com a eleição e tomada de posse do futuro reitor. Este é pelo menos o calendário definido no documento feito pelo grupo de trabalho criado em Julho do ano passado pelas duas instituições para concretizar um processo que pretende colocar a nova universidade "entre as 100 melhores" a nível mundial.

O documento vai estar agora em discussão pública e em Abril/Maio será apresentado e negociado com o Governo. O apoio "inequívoco" do executivo é, aliás, uma das condições essenciais para que esta fusão venha a ser bem sucedida. "O sucesso de um processo tão difícil e complexo, inédito e com reflexos tão marcantes para o desenvolvimento do país, exige um compromisso inequívoco do Governo, do Parlamento e da Presidência da República", lê-se no relatório.

A principal motivação para a fusão de duas das maiores e mais antigas universidades portuguesas - os primeiros contactos começaram há dois anos - foi a necessidade de criar em Portugal "uma instituição capaz de ter um papel importante no mapa do mundo, e, em particular, no espaço da lusofonia". E a ideia é criar "a grande universidade urbana de Lisboa", uma instituição "que seja muito mais do que a simples soma de escolas e institutos de investigação e que, através da cooperação na investigação e na formação, possa multiplicar os resultados académicos e o seu impacto na sociedade".


* Atitude de grande inteligência, duas grandes universidade portuguesas da mesma cidade, conjugam sinergias para ser ainda melhor, um exemplo para dirigentes políticos, autarcas, iluminados de projectos megalómanos, etc.


.
.

 VOLTAR ATRÁS




Enviado por locuttor

Este vídeo faz parte de uma campanha do governo do Japão contra os acidentes de trânsito. O vídeo é carregado de muita emoção e não precisa saber japonês, pois as imagens falam por si


.
.



METAMORFOSES




ZZ
.


6.MOMENTO ZEN



.
.



PINTURAS  E  POESIAS






.

JORNAIS DE HOJE


COMPRE JORNAIS















.