quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

UMA GRAÇA PARA O FIM DO DIA




Quando DEUS criou os maridos, prometeu às mulheres que os maridos bons e ideais seriam encontrados em todos os cantos do mundo...
Depois..., fez a Terra redonda!

.

KIKA
9.De onde vem a onda?




Aprenda  a ensinar desta maneira engraçada



.

5.DE UM SÉCULO AO OUTRO
















.

HOJE NO
"A BOLA"

«Terry não pode liderar uma nação», defende Federação antirracismo

O diretor executivo da Federação inglesa de antirracismo, Piara Powar, defendeu, esta quinta-feira, que John Terry não deve ser o capitão de Inglaterra no Europeu, isto após os alegados insultos racistas para com Anton Ferdinand (QPR).

«A gravidade das alegações significa que Terry não pode liderar uma nação no Europeu. A Federação inglesa deve fazer aquilo que está certo. Ele é inocente até prova contrária, mas deve permanecer como capitão de Inglaterra durante o Europeu? Não consigo perceber como tal pode acontecer. Ser capitão significa ser um líder e respeitar todos», afirmou Piara Powar.

O defesa John Terry vai a julgamento no dia 9 de julho por causa dos alegados insultos racistas a Anton Ferdinand, do QPR.


* Xenofobia não.

.

político




GODFREY BLOOM




NO PARLAMENTO EUROPEU
Sem papas na língua tal como Miguel Portas!

.

ALMORRÓIDA ESPERANÇOSA


Jovem investigador português desenvolve nova estratégia para "matar" tumor à fome

Gonçalo Bernardes e a sua equipa criaram uma possível nova terapêutica que pode ser menos dolorosa e mais eficaz. E pode ser aplicada a vários tipos de cancro

É quase como um correio de droga. Trata-se de anticorpos munidos de uma substância com uma missão: chegar aos vasos sanguíneos do tumor e destruir as células cancerígenas.

Experiências realizadas mostraram que este método tem resultados terapêuticos no combate ao cancro. É o que revela o estudo de Gonçalo Bernardes, 31 anos, doutorado em Química Biológica pela Universidade de Oxford, e da sua equipa, publicado recentemente na revista científica "Angewandte Chemie".

Quando chega ao destino - os vasos sanguíneos que circundam o tumor -, a droga é libertada através de um estímulo químico, exercendo uma função terapêutica. Chegando a este local, esta bloqueia a entrada de nutrientes que alimentam o tumor. A novidade aqui não está na ideia de matar o tumor à fome, que já é uma abordagem sobejamente explorada pela comunidade científica, mas sim na estratégia desenvolvida por Gonçalo Bernardes e a sua equipa.


Drogas conjugadas com anticorpos

“Os anticorpos que criámos são específicos para um receptor que está presente nos novos vasos sanguíneos e isso traz uma grande vantagem. É que estas drogas conjugadas com anticorpos podem ser virtualmente usadas para o tratamento de qualquer tipo de tumor sólido. A formação de vasos sanguíneos é uma característica comum a todos os tumores” explicou ao P3 Gonçalo Bernardes.
O facto de ser específico para os vasos sanguíneos apresenta ainda uma outra vantagem. “Os mecanismos de resistência do tumor vão ser muito menores do que no caso dos anticorpos específicos para receptores que estão na superfície das células cancerígenas, pois estas podem estar em constante mutação”, salienta o investigador que, há cerca de dois anos, trabalha em Zurique.

Uma terapia menos dolorosa

“Existe uma esperança em se conseguir um tratamento alternativo mais específico, mais eficiente e menos doloroso para quem tem cancro”, concretiza. Contudo, não é possível prever quando (e se) a droga poderá ser aprovada para estudos clínicos.

Seria, portanto, uma alternativa à quimioterapia. Nesta, o que acontece é que a droga usada não distingue as células saudáveis das células cancerígenas, limitando a quantidade que é possível utilizar e prejudicando a eficácia do tratamento.

A investigação, feita com base em testes com ratinhos, trouxe como resultados um efeito terapêutico, em que são suprimidas as células cancerígenas. Contudo, são necessárias mais investigações, dado que o cancro não é eliminado.

Próximos passos? “Queremos modificar a droga tornando-a mais potente, para que tenha uma capacidade mais forte para matar as células tumorais e testá-la em ratinhos e ver qual é a reacção em diferentes tipos de tumor. Com esta conjugação de droga e tipo de anticorpos, pensamos que talvez possamos chegar a efeitos terapêuticos superiores aos que conseguimos ter com o modelo actual”, responde Gonçalo Bernardes.



IN "PÚBLICO"
02/02/12

.


HOJE NO
"PÚBLICO"

Desapareceram mais de 39 mil empresas em Portugal no ano passado

Houve 20.639 encerramentos e 18.581 dissoluções administrativas, o que resultou num saldo líquido negativo de 6000 empresas. Excluindo os fechos oficiosos, o saldo teria sido positivo.

Mais de 39 mil empresas desapareceram dos registos nacionais em 2011. Destas, 20.639 encerraram a actividade no ano passado e outras 18.581 foram dissolvidas por via administrativa, podendo ter sido fechadas anteriormente. Tendo em conta o número de negócios criados (33.212), o saldo líquido foi negativo em cerca de 6000 sociedades. Comércio, restauração e imobiliário têm sido dos sectores mais afectados.

Dados cedidos ao PÚBLICO pelo Ministério da Justiça mostram que, no ano passado, o número de dissoluções totais cresceu 40%. Esta subida é justificada, em grande parte, por um aumento nos encerramentos oficiosos, que passaram de 9322 para 18.581, entre 2010 e 2011. Já os encerramentos "puros" cresceram 10,8%, tendo afectado um total de 20.639 sociedades - mais 2013 do que no ano anterior.

As liquidações oficiosas ganharam força em 2008, com a criação do programa Simplex, e são feitas pelos serviços quando as empresas deixam de cumprir com as obrigações, como depositar as contas anuais na conservatória ou apresentar a declaração de IRC, por exemplo. Apesar de serem consideradas encerramentos administrativos, só acontecem porque, em determinada altura, as sociedades suspenderam a actividade.

Contabilizando os fechos reais e os administrativos, conclui-se que desapareceram 39.220 empresas dos registos nacionais no ano passado. Em 2010, o número foi muito inferior (27.948). Mas, ainda assim, 2011 revelou-se mais positivo do que anos como o de 2009, durante o qual saíram dos registos 51.734 sociedades.

Vaivém de empresas

A distribuição geográfica dos encerramentos registados em 2011 mostra que Lisboa foi o distrito mais afectado, isto porque é também o que mais sociedades tem registadas. No total, desapareceram 12.080 empresas na capital (4604 por fechos "reais" e outras 7476 por via administrativa). O Porto surge em segundo lugar, com 5703 dissoluções, seguindo-se Setúbal (2555 encerramentos) e Braga (2256).

Em termos sectoriais, e analisando os dados entre Janeiro e Setembro, conclui-se que o comércio (a retalho e por grosso) protagonizou 25,5% das dissoluções. Mas, ao mesmo tempo, foi também esta actividade que mais criação de empresas gerou, pesando 19,9% no total de constituições. O mesmo acontece com a restauração, que surge, em simultâneo, no segundo lugar do ranking dos encerramentos e da criação de negócios, no ano passado.

"É um sector de elevada rotatividade, mas a substituição a que se assiste actualmente não é sustentável, nem positiva. As empresas que surgem não têm a mesma massa crítica das que desaparecem, com décadas de história", disse ao PÚBLICO José Manuel Esteves, secretário-geral da Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP).

Para o responsável, a restauração tem servido de "almofada social para pessoas que perdem o emprego" e que encaram o sector "como uma saída fácil". Só quando abrem as portas "é que percebem que é muito difícil manter a actividade e acabam por não durar mais de seis meses ou um ano", acrescentou. José Manuel Esteves sublinhou ainda que estas novas empresas "também não resolvem a taxa de desemprego porque são estabelecimentos mais pequenos".

Mais com menos

No ano passado, foram constituídas 33.212 empresas em Portugal, o que compara com as 26.549 aberturas registadas ao longo de 2010. Trata-se de um valor recorde que poderá também estar relacionado com o alargamento do programa "Empresa na Hora", que hoje já tem 218 postos de atendimento no país e que foi responsável pela criação de 21.345 negócios em 2011, de acordo com informações recolhidas no Portal Estatístico de Informação Empresarial.

Ainda assim, e apesar desta subida no ritmo de abertura de empresas, não se verifica um impacto positivo em termos de emprego, o que indicia que estas novas sociedades não estarão, de facto, a compensar os encerramentos, em termos de criação de postos de trabalho. Dados divulgados ontem pelo Eurostat mostram que Portugal chegou ao final do ano passado com uma taxa de desemprego recorde de 13,6%.

Além disso, o aumento de 25,1% no número de empresas criadas face a 2010, não chegou para compensar as 39 mil dissoluções registadas. Contabilizando os encerramentos "puros" e os oficiosos, o saldo líquido é negativo em 6008 sociedades. Se se tiver em conta apenas os encerramentos "puros", o saldo foi positivo em 2011, num total de 12.573 novas empresas.


* Não são desaparecimentos, são óbitos de milhares de postos de trabalho e de empresários honestos que não aguentaram os cambalachos político/financeiros.


.



VAMOS DANÇAR
FORRÓ


  


.




HOJE NO
"CORREIO DA MANHÃ"

Burlam dezenas para investimento 
em Moçambique

As vítimas eram aliciadas para subscrever “hipotéticos títulos de investimento, de uma empresa situada em Moçambique”, que realizaria investimentos em várias áreas no país. Os angariadores prometiam taxas de juro “entre os seis e os dez por cento, ao mês”, mas acabaram detidos pela Polícia Judiciária (PJ) de Aveiro, por suspeita de crimes de burla qualificada.

O casal garantia aos lesados que as operações eram “legais, de confiança e com plena garantia de retorno” e, como estes argumentos, conseguiu lesar cerca de 50 vítimas num total de cerca de oitocentos mil euros.

Nas diligências, a PJ apreendeu diverso material informático, “onde seriam feitos e impressos os títulos subscritos pelos investidores e, ainda, centenas de exemplares dos referidos títulos prontos a serem transaccionados”.

Os arguidos, residentes em Aveiro, com mais de 50 anos e sem ocupação profissional, não tem antecedentes criminais e vão ser presentes a primeiro interrogatório para aplicação das medidas de coacção.


* Um sério aviso para não acreditar em negócios de sonho.


.

JOANA SILVA


Efeitos da violência 
               doméstica nas crianças

Todos procuram a felicidade ao longo da sua existência. Há quem a encontre nas coisas simples da vida, outros através de bens materiais, outros através do amor. O amor compreende, afecto, respeito, amizade, etc... todavia, aquele que era tido como “o sonho torna-se num pesadelo” quando, por exemplo, se é vítima de violência doméstica.

As estatísticas referem que as vitimas são sobretudo mulheres, no entanto, está-se a verificar que o número de homens também vitimas de violência doméstica está a aumentar. A violência exercida para com a vítima pode ser física, psicológica, económica e sexual e tende a aumentar na agressividade com o decorrer do tempo.

De reparar que a violência que não é meramente vivida por duas pessoas, agressor e vitima mas sim também pelos filhos destes.

No caso da violência física, as crianças assistem ou visualizam bofetadas, socos e pontapés entre os pais, algumas sentem-se impotentes perante a situação, outras sobretudo pré adolescentes, tentam proteger e defender a vítima e acabam, por vezes, também por serem agredidas.

A violência não se resume ao físico, porque a violência psicológica também “doí” na condição emocional. Isto significa que quando o agressor pretende exercer violência psicológica por norma recorre a injúrias e expressões ofensivas dirigidas à vitima, desde rotula-la com comportamentos que a ofendem ou até compara-la, de forma pejorativa, com outras pessoas nas mais diversas dimensões desde a aparência física, a aptidão profissional, a forma de estar na sociedade, a cultura geral. Usualmente também ameaça a vitima ao verbalizar que desaparecer com os filhos destes ou então adopta comportamentos violentos que envolve a destruição de móveis, louças, alimentos, géneros alimentícios. Estas atitudes ou comportamentos tem como objectivo amedrontar a vítima e “mostrar quem manda”.

Se para adulto é difícil suportar esta situação para uma criança é bem pior e a vivência destes momentos negativos acarretam consequências futuras igualmente negativas. Estas apresentam posteriormente comportamentos problemáticos como por exemplo, desenvolvem baixa auto - estima, tornam-se ansiosas e desenvolvem medos (reacção negativa a vozes altas).

Em situações mais graves, pode surgir a regressão de um estado de desenvolvimento antecedente, mais concretamente, sugar o dedo, urinar na cama, ter problemas alimentares, como a perda de apetite assim como, pode desenvolver dificuldades na fala como a gaguez. Os estudos indicam também que este problema da violência se relaciona com o stress das crianças quando verbalizam que “doí a barriga ou a cabeça”.

Em contexto escolar, o rendimento por norma baixa devido a dificuldades de concentração. No que respeita às competências interpessoais estas crianças tornam-se mais reservadas e introvertidas ou por outro lado tem comportamentos agressivos para com os colegas da escola. É importante proteger as crianças deste problema. Assim não pode ou não deve haver silêncio por parte das vítimas ( seja pai ou mãe da criança) que são maltratadas, os agressores devem ser denunciados, porque a violência doméstica é crime e não deve ficar impune!


IN "CORREIO DO MINHO"
29/01/12

.

ALMORRÓIDA SATISFEITA


MICHELLE OBAMA
 Sem complexos


A primeira-dama norte-americana foi ao programa de Ellen DeGeneres e aceitou o desafio da apresentadora para fazer flexões. Fez 25 e ganhou sem dificuldades.

Ellen DeGeneres questionou a mulher do presidente Barack Obama acerca da quantidade de flexões que conseguiria fazer. A primeira-dama mostrou-se modesta, apesar de um sorriso revelador, e respondeu "Algumas". Desafiada a mostrar aquilo de que seria capaz conseguiu surpreender ao fazer 25 flexões, mais cinco que a anfitriã.

Antes disso, a primeira dama dos Estados Unidos ainda gozou com as dores nas costas de que Ellen DeGeneres se costuma queixar. Depois, tirou o casaco de cabedal e deitou-se no chão, pronta para mostrar ao mundo que está em forma e que leva a sério o seu programa "Let's Move", que promove o exercício físico.

A apresentadora desistiu ao fim de 20 flexões, mas a primeira-dama continuou até às 25, garantindo depois que poderia continuar.

O programa foi gravado na quarta-feira mas só hoje irá para o ar nos Estados Unidos. Mal entra em estúdio Michelle Obama mostra que sabe dançar - melhor do que o marido, de acordo com as imagens de quando Barack Obama foi ao mesmo programa. Depois, conta que o presidente dos EUA canta e que não é propriamente arrumado.

Texto IN "DIÀRIO DE NOTÍCIAS"
02/02/12

.



HOJE NO
"DIÁRIO ECONÓMICO"

Greve elimina poupança 
com salários dos gestores

O secretário de Estado das Obras Públicas diz que a greve de hoje dos transportes vai eliminar a poupança de 2,5 milhões de euros da redução salarial dos gestores de empresas. .

Sérgio Monteiro, secretário de Estado das Obras Públicas, afirmou hoje que a greve dos transportes que começou às zero horas de hoje vai eliminar a poupança de 2,5 milhões de euros que o Governo previa com a redução salarial dos gestores de empresas como Carris, Metro de Lisboa, STCP, Trantejo e CP.

"A greve de hoje elimina o esforço de poupança do Governo com o corte dos salários dos gestores", afirmou o governante. O Plano Estratégico dos Transportes, tema da audição do secretario de Estado das Obras Públicas na comissão de Economia e Obras Públicas, prevê a fusão das empresas de transporte rodoviário e metropolitano de Lisboa e Porto e a diminuição do número de elementos dos órgãos sociais.

Antes, Sérgio Monteiro já tinha reafirmado que o impacto da greve do sentir dos transportes terá um impacto de 150 milhões de euros na economia. "Se esse impacto se multiplicar por muitos dias temos um problema sério", disse o secretário de Estado aos deputados.


* O sr Secretário de Estado ao querer inverter o ónus da responsabilidade está a cometer uma "xico-espertice".
Os verdadeiros responsáveis da calamidade financeira do sector dos transportes são todos os ministros que o tutelaram mais os maus gestores que lá colocaram. Não são motoristas, guarda-freios, maquinistas, revisores, etc., etc., que têm a responsabilidade de administrar bem as empresas de transportes, eles só têm de cumprir as tarefas de que estão incumbidos e de lutar pelos seus direitos.
Não são os funcionários que esbanjam milhares de euros em remodelações de gabinetes, são ministros, secretários de Estado e por aí adiante até aos administradores das empresas públicas.

.



7 . PARQUES NATURAIS PORTUGUESES

 PARQUE NATURAL DE MONTESINHO


O Parque Natural de Montesinho (PNM) situa-se no Nordeste Transmontano (Portugal). Tem uma dimensão de cerca de 75 mil hectares.

Apresenta um relevo heterogéneo, com planaltos ondulados cortados por profundos vales encaixados, bem como algumas serras, das quais as duas mais importantes são a Serra de Montesinho, a norte de Bragança, e a Serra da Coroa, a norte de Vinhais. As altitudes variam entre os 1486 metros, na Serra de Montesinho e os 438 metros no leito do rio Mente.

Nele existe extensa biodiversidade, habitando espécies como o lobo-ibérico, a corça ou o veado.


O PNM conflui a norte com a Espanha, percorrendo a fronteira com as comunidades da Galiza e de Castela-Leão, e a oeste e a este também com a Espanha (Galiza e Castela-Leão, respectivamente). No oeste faz por breve trecho fronteira com o concelho de Chaves, sendo que a sul continua inserido nos concelhos de Vinhais e de Bragança.

RIOS
O PNM é atravessado por alguns dos cursos de água mais importantes da bacia hidrográfica do Rio Douro.
Na parte brigantina, existem os rios Sabor, Maçãs e Baceiro. O Sabor nasce na fronteira com a Espanha, nos cumes da Serra de Montesinho, passando a pouca distância de Bragança. O Maçãs nasce em Espanha, e faz a fronteira internacional em dois trechos distintos, constituindo ainda a fronteira mais a este e mais a sul do PNM. O Baceiro nasce também em Espanha, sendo o mais pequeno dos rios principais do PNM. No seu percurso existe um importante viveiro de trutas, ainda inserido no PNM, junto à Ponte de Castrelos (EN103).


Na área vinhaense, existem os rios Mente, Rabaçal e Tuela. Todos três nascem na Espanha, sendo os dois primeiros oriundos da Galiza, e o último de Castela-Leão. O Mente faz em parte do seu percurso a fronteira internacional, constituindo a fronteira oeste do PNM. Nele se encontram as águas termais de Sendim/Segirei, partilhadas pelos concelhos de Vinhais e Chaves. O Rabaçal é um dos dois rios (o outro é o Tuela) que formam o rio Tua, a montante de Mirandela. Dentro do PNM oferece o lazer de uma praia fluvial junto à ponte da estrada Sobreiró de Cima (uma das entradas da Rota da Terra Fria) - Zona de Lomba. É aliás a série de montanhas entre os rios Mente e Rabaçal que deram forma ao termo Terras de Lomba, pelo seu perfil contínuo ondulado entre os dois vales. Estes dois rios correm muito próximos a norte, afastam-se progressivamente à medida que caminham para sul, mas aproximam-se novamente e acabam por confluir, formando uma península ou lomba. Fruto do seu isolamento, esta região chegou a ser concelho por vários séculos. Já o Tuela, que passa a pouca distância de Vinhais (aqui, já fora do PNM), oferece como atractivo duas praias de grande procura, sendo uma delas encostada à fronteira do PNM na Ponte de Soeira (EN103).



Estes rios, de vales profundos e águas ora cristalinas ora negras, com propriedades termais ou simplesmente refrescantes para o calor tórrido do Verão da região, serpenteiam vales tão depressa inóspitos como verdejantes e cheios de vida, tanto animal como vegetal. São ainda pontuados por ancestrais moinhos, na maior parte ainda utilizados pela população, e atravessados por milenares pontes romanas. Constituem atractivo para a prática da pesca, com exemplares de trutas, bogas, barbos e escalos.

WIKIPEDIA

O Parque Natural de Montesinho foi criado em 1979, sendo uma das maiores áreas protegidas de Portugal.
Região povoada desde há milénios, conserva vestígios arqueológicos em muitas das suas aldeias. algumas, possuem ainda nas toponímias antigos nomes de fortificações castrejas; outras, antigas propriedades rurais, exibem nomes pessoais de Origem germânica, atribuídos pelos colonizadores visigodos, que conservavam o costume romano de dar às "villas" o nome de "dominus", ou proprietário.



Após a queda do império visigodo e a formação da nacionalidade, uma das primeiras preocupações dos soberanos foi povoar o reino, através da distribuição de terras a fidalgos e à Igreja., e da criação de um sistema de "forais" colectivos, já que as rudes condições geográficas e sociais desses tempos exigiam que toda a organização do espaço dependesse da vida em grupo. Ainda hoje, as estruturas económicas e sociais das aldeias conservam hábitos comunitários.

O que dá a este Parque características únicas no nosso país é precisamente a forma como ao longo dos séculos as populações souberam integrar-se harmoniosamente na paisagem, apesar das peculiaridades geoclimáticas.

IN "SITE DA CÂMARA MUNICIPAL DE BRAGANÇA"

PORQUE FOI CLASSIFICADO
“A riqueza natural e paisagística do maciço montanhoso Montesinho - Coroa e os valiosos elementos culturais das comunidades humanas que ali se estabeleceram justificam que urgentemente se iniciem acções com vista à salvaguarda do património e à animação sócio - cultural das populações”.

Constitui este parágrafo o início do preâmbulo do Decreto - Lei que, em 1979, classificou a parte norte dos concelhos de Bragança e Vinhais como Parque Natural. Este estatuto justificava-se, tal como se pode ler no texto, face aos valores naturais, paisagísticos e humanos da região, à receptividade das autarquias locais para a salvaguarda do património dos seus concelhos e freguesias e às potencialidades de recreio e desporto ao ar livre que a região possui.



Com a publicação do Decreto-Lei n.º 19/93, de 23 de Janeiro, que criou o novo quadro de classificação das áreas protegidas nacionais, impôs-se a reclassificação do Parque Natural de Montesinho segundo os critérios aí estabelecidos.
O preâmbulo do Decreto Regulamentar n.º 5-A/97 de 4 de Abril justifica essa reclassificação com a existência na área do PNM de populações e comunidades animais representativas da fauna ibérica e europeia ainda em relativa abundância e estabilidade, incluindo muitas das espécies ameaçadas da fauna portuguesa, bem como uma vegetação natural de grande importância a nível nacional e mesmo mundial, que associadas à reduzida pressão humana verificada em quase todo o seu território permite que grande parte dos processos ecológicos evoluam em padrões muito próximos dos naturais. Referindo que todos estes valores, exemplares em termos de conservação da Natureza, justificam a aplicação de medidas de protecção adequadas a uma zona que constitui património nacional e europeu.

SUGESTÕES DE VISITA
Percorrer o Parque Natural de Montesinho é uma actividade que não pode esquecer durante as suas férias ou fim-de-semana nesta região e uma experiência única.
Ficam aqui algumas sugestões para que possa desfrutar o melhor possível da beleza extraordinária da paisagem, consolidar conhecimentos e divertir-se durante a visita.
Entre deslocações de carro, de bicicleta ou a pé os 74.229 ha desta Área Protegida são um “mundo” a descobrir.

Se optar por andar a pé, os percursos sinalizados permitem ao visitante um contacto mais directo com a natureza e, simultaneamente, conhecer valores do património natural, paisagístico e cultural.
Neste caso, recomendamos e sugerimos:
- Evite fazer este tipo de percursos sozinho;
- Siga as indicações da sinalização;
- Se tem especial interesse na observação de fauna, realize os percursos às primeiras horas da manhã ou ao entardecer;
- Faça-se acompanhar de guias de campo, nomeadamente de aves e de plantas, bem como de binóculos e de máquina fotográfica;
- Muna-se de calçado e vestuário adequados, de acordo com a época do ano, bem como de um cantil de água.

Em todo o caso:
- Não faça fogo;
- Não recolha plantas, animais ou rochas;
- Não abandone lixo ao longo dos percursos.

Se se sentir com coragem e energia para vencer algumas das inevitáveis dificuldades inerentes aos caminhos e trilhos de montanha, experimente os percursos de bicicleta de todo terreno, um meio de locomoção que permite usufruir dos espaços abertos e tomar contacto com toda a ambiência que os envolve.
Neste caso tenha sempre em atenção algumas normas de segurança:
- Evite fazer este tipo de percursos sozinho;
- Use sempre capacete;
- Utilize sempre os caminhos e trilhos predefinidos;
- Evite "correrias", pode pôr em perigo a sua integridade física; além disso quanto mais ruído provocar, mais denuncia a sua presença e menor será a probabilidade de surpreender, e ver, algumas das inúmeras espécies da fauna selvagem desta Área Protegida.

VALORES NATURAIS
Várias circunstâncias concorreram para que o território do PNM chegasse aos dias de hoje encerrando uma biodiversidade diferencial no contexto do espaço nacional, ibérico e europeu. À sua situação particular de ecotono entre o meridional bioma mediterrânico e as particularidades eurosiberianas proporcionadas pelo prolongamento Sul das cordilheiras atlânticas da Península Ibérica, junta-se o seu carácter periférico relativamente aos grandes eixos de desenvolvimento urbano de Portugal e Espanha, preservando comunidades e habitats com carácter sustentável praticamente inexistentes nos âmbitos temporais e espaciais que enquadram o PNM.



Por outro lado, destaca-se uma base também diversificada, tanto do ponto de vista do sua história geológica, como do seu carácter de montanha condicionador do clima, hidrologia e solo.
Nas componentes vegetal, fúngica e animal dos valores naturais do PNM destacam-se as biocenoses características de litologias raras presentes neste território, como sejam as relativas aos afloramentos ultrabásicos, assim como maciços consideráveis de bosques caracteristicamente climácicos, e de comunidades arbóreas ripícolas, a grande riqueza do micota do PNM, principalmente o seu carácter inovador ao nível da sua conservação, e a fauna, especialmente rica e diversificada, quer ao nível dos mamíferos, quer ao nível das aves ou mesmo dos répteis. Tal riqueza é ainda complementada por importante fauna semi-aquática de espécies com estatuto privilegiado em termos de conservação da natureza.
No seu conjunto, estes componentes – flora e vegetação, fungos e fauna – preenchem o valor natural do PNM com tanto de raro como de funcional.

IN "SITE DO PARQUE NATURAL DE MONTESINHO"

.



HOJE NO
"O PRIMEIRO DE JANEIRO"

Mira Amaral fala em solidez financeira
'Prejuízos dos bancos são reflexo do País '

O presidente do Banco BIC, Mira Amaral, considerou que os prejuízos que alguns bancos deverão apresentar face a 2011 devem-se 'à péssima situação', do país e garantiu que estes estão mesmo mais sólidos graças ao reforço de capital. 'A banca portuguesa está a ser vítima da péssima situação macroeconómica do país. Não é por culpa da banca, mas do país, que os resultados podem não ser famosos', afirmou, ontem, à margem da conferência Energia para Portugal, em Lisboa. Hoje, o BPI divulga os resultados relativos ao ano passado e, um dia depois, serão conhecidas as contas do BCP, do BES e do Santander Totta.


*
"Primeiros" - O sr. Mira Amaral é um dos lídimos representantes financeiros da ditadura angolana na Europa.
"Segundos" - O sr Mira Amaral esqueceu-se de dizer que a banca foi sempre cúmplice dos governos portugueses na gestão ruinosa do país. Tão cúmplice que em relação a Socrates aceitou sem pestanejar a inclusão de boys do PS nas suas administrações.
"Últimos por agora" - O sr Mira Amaral aufere, após escassos 18 meses de trabalho, de uma principesca reforma da CGD. Tem muita lata.


.



OS 50 MELHORES DE 2011
(PARA A ROLLING STONE)


28 – DAS RACIST
RELAX
RAINBOW IN THE DARK





LISTAGEM DE FAIXAS
No. Title Producer(s) Length
1. "Relax"   Das Racist, Patrick Wimberly 4:29
2. "Michael Jackson"   Das Racist, Patrick Wimberly 4:16
3. "Brand New Dance"   Patrick Wimberly 3:01
4. "Middle of the Cake" (featuring Anand Wilder) Anand Wilder 3:43
5. "Girl"   Blood Diamonds 3:23
6. "Shut Up, Man" (featuring El-P) El-P 4:32
7. "Happy Rappy"   Diplo 2:21
8. "Booty in the Air"   Patrick Wimberly 3:47
9. "Power" (featuring Danny Brown and Despot) Dash Speaks 4:46
10. "Punjabi Song" (featuring Bikram Singh) J-La 3:31
11. "Selena"   Patrick Wimberly 2:16
12. "Rainbow in the Dark"   J-La 2:51
13. "The Trick"   Rostam Batmanglij 3:01
14. "Celebration"   Francis Farewell Starlite 2:40

MÚSICOS
- Himanshu Suri
- Victor Vazquez
- Ashok Kondabolu


.


HOJE NO
"DIÁRIO DE NOTÍCIAS"

CGTP quer pagamento alargado a todos

O secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, disse hoje que "aquilo que se passa com os médicos deve ser alargado a todos os trabalhadores", referindo-se ao pagamento de horas extraordinárias mais favorável aos médicos.

O secretário de Estado da Saúde esclareceu na terça-feira que o pagamento das horas extraordinárias mais favorável aos médicos resultou de uma interpretação da lei em vigor que permitirá a estes profissionais receber mais pelo trabalho suplementar do que os restantes funcionários públicos.

Manuel Teixeira, que falava aos jornalistas no final de uma audição Comissão Parlamentar de Saúde, explicava desta forma a recriação do cálculo das horas extraordinárias para profissionais de saúde, afirmando que o cálculo mais favorável resultou de uma interpretação da legislação, nomeadamente o valor base a partir do qual é calculado o valor das horas extraordinárias.

Arménio Carlos entende que este regime "deve ser alargado a todos os trabalhadores", ou seja, sugere que se "respeite aquilo que está na lei, aquilo que está na contratação coletiva e nos acordos de empresa".

O secretário-geral dá o exemplo dos trabalhadores do Metropolitano de Lisboa, cujos funcionários estão hoje em greve.

"No acordo de empresa do metro está qual é o preço que deve ser pago por uma hora extraordinária e o Governo unilateralmente interpôs-se numa negociação que só pertence à empresa e aos trabalhadores e impôs uma alteração da legislação quando não pode fazê-lo".

Para Arménio Carlos, que esteve esta noite junto ao piquete de greve dos trabalhadores do Metro de Lisboa, em Lisboa, "o país não vai para a frente com a redução dos rendimentos dos trabalhadores porque quanto mais austeridade impuserem, quanto mais sacrifícios, mais recessão, mais desemprego, menos investimento e mais desastre".

A receita, defende, passa por "crescer economicamente, criar mais emprego e melhorar o poder de compra das pessoas" porque, de outra forma, "daqui a dois anos, a dívida pública vai parar a 112 por cento do produto interno bruto (PIB) e estamos piores do que estamos hoje".


* Será que Arménio Carlos não sabe que neste país há filhos e enteados. 
Claro que é mais importante pagar-se horas extraordinárias a médicos que por exemplo a canalizadores, electricistas ou bombeiros, é que os médicos sabem fazer tudo.
Ser a justiça social um direito para todos é pura demagogia.

.

.


3.GALÁXIAS DISTANTES






Documentario sobre as centenas de milhares de milhão 
de galáxias espalhadas pelo Universo.

.



HOJE NO
"RECORD"

"Brincadeirazinha" custou 180 mil euros
a Enzo Pérez

O Benfica não pactua com a indisciplina e tem sempre mão pesada para quem infringe o regulamento interno. O caso de Enzo Pérez assumiu uma gravidade (quase) sem precedentes e a SAD dos encarnados resolveu torná-lo num exemplo para que mais ninguém se sentisse tentado a esticar a corda.

O clube da Luz aplicou ao camisola 35 uma multa milionária, que segundo a comunicação social de La Plata, onde está sedeado o Estudiantes (emblema para o qual o médio teimava em regressar à revelia das águias), ascendeu aos 180 mil euros – 10 mil euros por cada dia em que esteve ausente dos treinos sem justificação.


* PEDAGÓGICO...

.

3 - CHAVENAS

E
 
  COLHERES
 
 
 
 




 


HOJE NO
"JORNAL DE NOTÍCIAS"

Deputada do PND ofereceu Oscar de melhor actor a Alberto João Jardim

A deputada única do PND, Rubina Sequeira, protagonizou mais um momento "sui generis" no Parlamento da Madeira ao atribuir na sessão plenária da Assembleia Legislativa da Região "o Óscar para melhor actor" ao presidente do Governo Regional, Alberto João Jardim.

Na tribuna, exibindo uma miniatura da estatueta atribuída no mundo do cinema, a deputada afirmou: "O prémio vai para o homem que enganou tanta gente durante tanto tempo, pelo maior suspense, que fez rir um país inteiro e fará chorar toda uma ilha. O Óscar é pela melhor saga 'O plano de resgate'".

E acrescentou que apesar da ausência do galardoado, "com certeza agradece a toda a equipa de produção", referindo-se ao apoio da maioria do PSD-M.

O plenário decidiu mais uma vez pelo levantamento da imunidade do deputado do PTP José Manuel Coelho, desta vez na sequência de um requerimento do tribunal de Santa Cruz para ser submetido a julgamento por factos que se reportam a 15 de Junho de 2006, "altura em que não ainda qualquer qualidade parlamentar".

Nesta votação, 30 dos 46 deputados da ALM presentes votaram sim, nove não e houve cinco votos nulos.

José Manuel Coelho insistiu nas denúncias de corrupção e nas criticas à "justiça podre e corrupta ao serviço da maçonaria e dos senhores do dinheiro", considerando que "a corrupção que se pratica nesta terra [Madeira] é uma vergonha" e mencionando que "já foi julgado três vezes e sucessivamente condenado pelo mesmo crime", distribuição de panfletos em Santa Cruz.

No período das intervenções, o deputado do MPT, Roberto Vieira, criticou "a catástrofe para as famílias e empresas" que será a aplicação do plano de ajustamento financeiro, que, no seu entender, evidencia que "a autonomia foi vendida" e o "PSD se pôs de cócoras perante a República e Pedro Passos Coelho".

Roberto Vieira censurou também os riscos do processo de privatização da empresa de transportes Horários do Funchal e os aumentos que já está a praticar.

Por seu turno, o deputado do PS Vítor Freitas declarou que "o sonho da autonomia desmoronou-se nos últimos dias", porque o PSD "transformou o sonho da autonomia num pesadelo" e a denominada "dívida abençoada em maldita porque serão os madeirenses que terão de pagar".

Já o líder parlamentar do CDS, Lopes da Fonseca, criticou os "senhores [do PSD] que delapidaram o erário em mais de 6.000 milhões e hipotecaram a autonomia mas continuam impunes", o que contraria a sua postura porque defenderam a criminalização dos responsáveis de anteriores Governos centrais.

O parlamento rejeitou também um voto de protesto da autoria do PCP contra a privatização dos CTT.

Foi ainda rejeitado pela maioria do PSD-M, com a abstenção do CDS e votos a favor dos restantes partidos da oposição foi ainda o projecto de decreto legislativo da autoria do PCP que visava a criação de "medidas anti-corrupção face aos compromissos regionais para a prevenção e combate ao problema da corrupção".



* A Madeira é toda ela um grande palco, muitos dos madeirenses que agora se lamentam e os que se lamentarão, só têm de se responsabilizar por term aplaudido tão maus actores.


.